quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Nicholas Sparks vai estar em Portugal

Segundo a Presença, editora de Nicholas Sparks em Portugal, o autor norte-americano vai estar no nosso país para sessões de autógrafos entre os dias 10 e 12 de Novembro.

Dia 10, pelas 18 horas, Sparks vai estar na Fnac do CC Vasco da Gama; dia 11 às 18h na livraria do El Corte Ingles de Lisboa; dia 12 pelas 12 horas no Continente do CC Colombo, e pelas 18h estará no hipermercado Jumbo de Setúbal.

É pena que o autor esteja apenas presente no centro do país, sobretudo em Lisboa. Os fãs do resto do país que por várias razões não estarão presentes na capital, não vão poder ter autógrafos do autor, como é o meu caso.

Na sua pele - Jennifer Weiner [Opinião]

Título: Na sua pele
Autor:
Jennifer Weiner
N.º de Páginas: 408
PVP: 17,67€

Sinopse:
Depois do êxito internacional do livro Bons Na Cama, já publicado pela Editorial Presença, que ocupou a tabela de bestsellers dos jornais americanos, Jennifer Weiner regressa com mais uma obra de fôlego. Na Sua Pele conta a história de duas irmãs que nada têm em comum, além do mesmo número de calçado e de uma avó que nunca conheceram. Maggie, 28 anos, desempregada, é bonita e consegue sempre o que quer. Rose, 30 anos, advogada, é gordinha, muito pragmática e responsável, tal como uma irmã mais velha se deve comportar. No entanto, tem tendência a esquecer a sua própria felicidade sendo por vezes negligenciada pela irmã, como daquela vez em que Maggie seduziu um dos raros namorados de Rose. A rivalidade entre as duas acentuou-se ao longo dos anos motivada pela morte da mãe e por segredos familiares que lhes foram ocultados. Agora, já adultas terão de aprender a conviver uma com a outra, aceitando as fragilidades e esquecendo neuroses antigas. Uma obra carregada de afectividade e muito sentido de humor.

A minha opinião:
A história das duas irmãs que ficam muito cedo órfãs de mãe encantou-me deveras. Um livro leve, bom de ler, mostra o relacionamento (ou não) de duas irmãs, que apesar das suas diferenças se vão ajudando, uma mais do que outra. Maggie é uma rapariga despreocupada com a vida, sem emprego certo e com o sonho de ser tornar famosa. Rose, a irmã mais velha, é uma pessoa mais ponderada, tirou o curso de advocacia e exerce-o até que um desgosto de amor faz com que peça licença da empresa onde trabalha para começar a cuidar dos animais das outras pessoas. É uma pessoa que não é muito atraente em termos físicos, ao contrário de Maggie, mas bastante inteligente. Depois de conhecerem a avó, de quem se viram separadas logo que a mãe morreu, a vida começa a ser diferente para ambas, mostrando que a família ainda continua a ser bastante importante e um elo de ligação para toda a sua vida. Numa tarde de domingo, que não tenha mais nada para fazer, alugarei o dvd baseado no livro, para passar um pouco melhor o tempo. De certeza que terá, tal como o livro, situações deveras engraçadas.

Poeta Fernando Guimarães vence Prémio Ruy Belo

O Prémio Lietrário Ruy Belo 2008 foi atribuído ao poeta Fernando Guimarães, com o livro "Na Voz de um Nome". Galardão este atribuído pela Câmara Municipal de Sintra.

O livro de Fernando Guimarães foi distinguido entre 47 títulos concorrentes na categoria de obra poética publicada no biénio 2006/2007.

Fernando Guimarães nasceu no Porto em 1928 e além de poeta destaca-se no campo da literatura igualmente como ensaísta e tradutor.

Esta não é a primeira vez que Fernando Guimarães recebe prémios já que foram atribuídas importantes distinções nacionais à sua obra poética, como o Prémio D. Dinis (1985), da Fundação Casa de Mateus, o Prémio do Pen Clube (1988) e o Prémio da Fundação Luís Miguel Nava (2003).

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

"O Destino Turístico" é o novo livro de Rui Zink






No último fim-de-semana Rui Zink apresentou o seu último livro "O Destino Turístico".

Sinopse:

Há um sítio onde se faz turismo de guerra. Quem lá vai quer assistir e participar ao vivo em bombardeamentos, explosões e atentados.

Há anos que a Zona é tristemente célebre pelo estado contínuo de guerra civil… é um verdadeiro “paraíso infernal”. Greg parece ser apenas mais um turista, mas o seu guia – após o desaparecimento de uma delegação de observadores filipinos – começa a questionar as suas verdadeiras intenções. Porque será que Greg decidiu visitar aquele inferno de horror quotidiano?!

António Lobo Antunes apresenta "OArquipélago da Insónia"

Mais uma prova de que os livros também podem ser publicitados nas novas tecnologias: António Lobo Antunes apresenta o seu mais recente livro no youtube. Poderá ser visto através do link: http://www.youtube.com/watch?v=cM5bSKc3Wuc

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Escritor Luandino Vieira vence Prémio Nacional de Cultura angolano




O autor de “Luuanda", Luandino Vieira, venceu o Prémio Nacional de Cultura de Angola, na categoria de Literatura, no valor de 35.000 dólares, atribuído pelo Ministério da Cultura.

Vencedor do Prémio Camões 2006, o maior galardão literário da língua portuguesa, Luandino Vieira, recusou receber o prémio alegando «motivos íntimos e pessoais». Contudo sabe-se por entrevistas dadas sobretudo ao JL, (Jornal de Letras Artes & Ideias), que não aceitou o prémio por se considerar um escritor morto e que como tal o Prémio deveria ser entregue a alguém que continuasse a produzir. Tal facto veio-se alterar pois já havia rumores que Luandino Vieira estava a preparar uma nova obra, que iria sair a lume em 2006.

José Luandino Vieira, pseudónimo literário de José Vieira Mateus da Graça, tornou-se cidadão angolano por combater ao lado do MPLA contra o domínio português naquela colónia e por ter contribuindo para a criação da República Popular de Angola. Foi preso pela PIDE, em 1959, acusado de ligações ao movimento independentista, tendo sido libertado pouco tempo depois. Actualmente, reside em Portugal.

Entre outros prémios literários, conquistou o Grande Prémio de Novelística da Sociedade Portuguesa de Escritores (1965), com o polémico romance "Luuanda", o Prémio Sociedade Cultural de Angola (1961), o da Casa do Império dos Estudantes - Lisboa (1963) e o da Associação de Naturais de Angola (1963).

Da sua obra constam títulos como "Nosso Musseque", "A vida verdadeira de Domingos Xavier", "Nós, os do Makulusu", "Luuanda", "No antigamente, na vida", "Velhas estórias", "A cidade e a infância", "Vidas novas", "Lourentinho, Dona Antónia de Sousa Neto & Eu".

Com "De rios velhos e guerrilheiros - O livro dos rios", o escritor pôs fim em 2006 a um prolongado silêncio editorial.

Dewey - O Gato que Comoveu o Mundo - Vicki Myron [Opinião]

Título: Dewey - O Gato que comoveu o mundo
Autor:
Vicky Myron
N.º de Páginas: 282
PVP: 14,50€

Sinopse:
Que influência pode um animal ter? E quantas vidas pode um animal tocar? Conheça a maravilhosa história do gato que comoveu o mundo!

Como é possível que um gato abandonado transforme uma pequena biblioteca, salve uma típica cidade americana e se torne famoso em todo o mundo?

A história de Dewey começa da pior forma possível. Com apenas algumas semanas, na noite mais fria do ano, foi enfiado na caixa de devolução de livros da Biblioteca pública de Spencer. Encontrado na manhã seguinte, Dewey conquistou o coração de todos os funcionários da biblioteca, ao distribuir por todos gestos de agradecimento e amor. Nos anos que se seguiram, nunca deixou de encantar as pessoas de Spencer com o seu entusiasmo, vivacidade e, acima de tudo, o seu sexto sentido: percebia sempre quem necessitava mais dele. À medida que a sua fama crescia de cidade em cidade, de estado em estado e, surpreendentemente, por todo o mundo, Dewey tornou-se, mais que um amigo, um motivo de orgulho de uma extraordinária cidade rural no coração da América, que lentamente se ergueu da maior crise da sua história.
A minha opinião:
Este foi um livro encantador. Para quem como eu adora animais e os vê como mais um membro da família não poderia achar mais piada a este gato de biblioteca. Revivi muitas situações que sucedem diariamente em minha casa com a minha Betinha, a gatinha que é mais minha ‘filha’ do que meu animal de estimação. Gostei do livro, assim como tinha gostado do Marley e eu. São livros enternecedores, mas com um final tudo menos feliz: com a morte dos animais.

domingo, 26 de outubro de 2008

Helena Sacadura Cabral lança "As magníficas - O Fascínio do Poder"



Mais um livro para ler.

Sinopse:
Sobre o papel das mulheres na construção do país que somos, reina o silêncio. Se é indiscutível que a História de Portugal foi erigida com uma importante influência feminina, também é verdade que este contributo tem sido lamentavelmente minorado ou mesmo esquecido pela grande maioria dos historiadores. Exaltamos os nossos reis, as suas qualidades, os jogos de poder em que estiveram envolvidos, as vitórias que alcançaram. Mas as suas consortes são quase sempre vistas como meros peões deste jogo. Neste livro, Helena Sacadura Cabral surpreende-nos ao recuperar a história de nove magníficas mulheres que souberam deixar a sua marca e influenciar decisivamente a vida nacional. O que têm em comum D. Teresa, a primeira rainha de Portugal, Santa Isabel, a pacificadora, D. Leonor Teles, a licenciosa, D. Filipa de Lencastre, a mãe da Ínclita Geração, D. Catarina de Áustria, a centralizadora, D. Luísa de Gusmão, uma regente poderosa, D. Carlota Joaquina, a política irreverente, D. Maria, a única mulher a ocupar, por direito próprio, a chefia do Estado português já num ordenamento constitucional, e D. Amélia, que viu morrer nos seus braços o marido e o seu filho, o príncipe herdeiro? Foram rainhas, regentes, mães, esposas dedicadas, diplomatas de calibre, políticas argutas e quase todas elas sentiram esse imenso fascínio que o poder parece desencadear.

Após Filipa de Lencastre, Isabel Stilwell lança Catarina de Bragança



Após o romance histórico Filipa de Lencastre, Isabel Stilwell lança agora Catarina de Bragança.

Com 23 anos a infanta Catarina de Bragança, filha de D. Luísa de Gusmão e de D. João IV, deixou para trás tudo o que lhe era querido e próximo para navegar rumo a uma vida nova. No coração um misto de tristeza e alegria. Saudade da sua Lisboa, de Vila Viçosa, do cheiro a laranjas, dos seus irmãos que já haviam partido deste mundo e dos que ficavam em Portugal a lutar pelo poder. Mas os seus olhos escuros deixavam perceber o entusiasmo pelo casamento com o homem dos seus sonhos, Charles de Inglaterra, um príncipe encantado que Catarina amava perdidamente ainda antes de conhecê-lo. Por ele sofreu num país do qual desconhecia a língua, os costumes e onde a sua religião era condenada. Assistiu às infidelidades do marido, ao nascimento dos seus filhos bastardos enquanto o seu ventre permanecia liso e seco, incapaz de gerar o tão desejado herdeiro. Catarina não foi capaz de cumprir o único objectivo que como mulher e rainha lhe era exigido. «Se ao menos não o amasse tanto!», pensava nas noites mais longas e tristes... Ao longo destas páginas apaixonamo-nos, sofremos, rimos e choramos.




Este é daqueles livros que já está na minha lista de livros a comprar. Além de apreciar a escrita da autora, gosto mais ainda de livros históricos

Myra é o novo livro de Maria Velho da Costa


Após oito anos sem editar, MariaVelho da Costa presenteia os seus leitores com o livro "Myra" numa edição da Assírio & Alvim.

Sinopse: «Falta muito?, perguntou Myra, no desvio do descampado deserto, agreste de árvores cinza na madrugada, rebanhos de ovelhas e bois com a cabeça descida à terra ocre, de fome, de sono.

Falta o que falta da tua história. E o Sr. Kleber sorriu.

Não tenhas medo, miúda. Em todas as histórias há sempre uma ponta do paraíso, um véu de clemência que estende uma ponta, fugaz que seja.»

«O céu estava baixo e muito escuro. Havia estrias roxas e verdes na distância mais clareada do horizonte e pareciam, céu e mar, uma única onda a levantar-se para cobrir a terra. Myra tirou os sapatos e as meias rotas e ficou parada a ver aquele assombro. Se corresse por ali adentro ninguém daria com ela nunca mais, nem no país dali, nem em nenhum outro.»

(excertos)

O livro contém ainda um caderno de ilustrações de Ilda David.