quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Morreu escritor Michael Crichton





O escritor norte-americano Michael Crichton, faleceu no passado dia 4, vítima de cancro. Autor de mais de uma dezena de"best-sellers", entre os quais "Parque Jurássico", "Congo" e "O mundo perdido", Crichton faleceu aos 66 anos em Los Angeles.

Michael Crichton nasceu em Chicado a 23 de Outubro de 1942, e era filho de um jornalista que desde cedo o incentivou na escrita. Os primeiros livros do autor surgiram com o pseudónimo Jeffery Hudson. O seu género literário pode é a união de acção e de detalhes técnicos. Crichton é formado em medicina pela Harvard Medical School e nos primeiros anos da década de 70 partiu para a Califórnia, começando a dirigir filmes baseados nos seus livros. Entre outros, Crichton dirigiu o filme "Coma", adaptado de um livro de Robin Cook.

As obras de Michael Crichton estão traduzidas em 30 línguas, tendo várias delas sido transpostas para o cinema. O autor norte-americano vendeu mais de 150 milhões de exemplares das suas obras.

O livro mais conhecido poderá ter sido "Parque Jurássico", uma trilogia, que virou um filme sucesso de bilheteiras. Obras de ficção: Presas; Next; Canibais; Estado de Pânico; Resgate no Tempo; O homem terminal; Congo; O mundo perdido; Revelação; Sol Nascente; entre outros.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Livro de Amadeu Baptista vence Prémio de Poesia João Lúcio

"Poemas de Caravaggio", livro de Amadeu Baptista, venceu a primeira edição do Prémio de Poesia João Lúcio, no valor de 10 mil euros. Este prémio é dado pela Câmara Municipal de Olhão sendo o objectivo principal a promoção e divulgação do poeta João Lúcio.

De referir que "Poemas de Caravaggio" já tinha sido distinguido com o Prémio Nacional de Poesia Natércia Freire, em 2007.

Amadeu Baptista nasceu no Porto em 1953 tendo frequentando a Faculdade de Letras da Universidade do Porto colaborando, actualmente, em vários jornais e revistas nacionais e estrangeiros. Tem poemas traduzidos para Alemão, Castelhano, Catalão, Italiano, Inglês, Francês, Hebraico e Romeno. De entre os seus vários livros inéditos, destacam-se Estrela de Bizâncio (vencedor do Prémio de Poesia e Ficção de Almada 2005, promovido pela Câmara Municipal daquela cidade), Os selos da Lituânia (vencedor ex-aequo do Prémio Literário Cidade do Funchal - Prémio Edmundo Bettencourt - Poesia 2008, promovido pela Câmara Municipal do Funchal), Açougue (vencedor, em 2008, da XVI edição do Prémio de Poesia Espiral Mayor); Doze Cantos do Mundo (vencedor do Prémio Literário Oliva Guerra 2008, instituído pela Câmara Municipal de Sintra); "Maçã" (Prémio José Silvério de Andrade - Foz Côa Cultural, 1985); Arte do Regresso (Prémio Pedro Mir); Paixão (Prémio Vítor Matos e Sá, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2001 e Prémio Teixeira de Pascoaes, 2004); O Claro Interior (Prémio de Poesia e Ficção de Almada, 2000); O Bosque Cintilante (Prémio Nacional Sebastião da Gama); O Bosque Cintilante (Prémio Nacional Sebastião da Gama); Sobre as Imagens (vencedor da edição portuguesa do Prémio Internacional de Poesia Palavra Ibérica).

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Adriana Calcanhoto lança "Saga Lusa"

"Saga Lusa - O relato de uma viagem" assim se chama o livro que a Quasi Edições vai lançar já no próximo dia 11 de Novembro. A autora do livro é a conhecida cantora e compositora brasileira Adriana Calcanhoto que conta na primeira pessoa a sua viagem por Portugal durante a tornée do álbum, Maré.


O livro vai ter a apresentação de José António Pinto Ribeiro e terá lugar na Casa Fernando Pessoa, dia 11 de Novembro, às 18h30.

domingo, 2 de novembro de 2008

O Vencedor está só - Paulo Coelho [Opinião]

Título: O Vencedor está só
Autor: Paulo Coelho
N.º de Páginas: 352
PVP: 15,50€
Sinopse:
O Vencedor Está Só é, segundo Paulo Coelho, uma fotografia do mundo em que vivemos. A acção, em ritmo acelerado, passa-se em 24 horas, durante o Festival de Cinema de Cannes. Mas não é a indústria cinematográfica que está em jogo para Igor Dalev, o empresário russo que chega à cidade francesa com a obsessão de recuperar Ewa, o grande amor da sua vida. Para chamar a atenção da ex-mulher, Igor transforma-se num assassino em série. Em torno desta mente doentia estão produtores, actores consagrados, candidatas a actriz, top models e estilistas, num retrato impiedoso da Superclasse, a elite da elite que define o rumo da vida dos nossos dias. Transmitindo ao leitor pormenores de como vivem e se comportam as personagens baseadas na vida real, Paulo Coelho faz do seu romance não só um testemunho da crise de valores de um universo centrado nas aparências mas, acima de tudo, um thriller que se lê de um só fôlego.
A minha opinião:
Igor, presidente de uma empresa de telecomunicações russa, viaja para Cannes, local onde se encontra a sua ex-mulher com o actual marido, Hamid, um costureiro famoso. Pensando na ex-mulher a toda a hora, tornando-se numa clara obsessão, Igor transforma-se num assassino em série matando, ao longo de um dia, algumas pessoas que se atravessam no seu caminho e sem razão aparente.
A captura deste assassino torna-se, portanto, muito complicada, já que os mortos não têm qualquer ligação entre eles, não estabelecendo qualquer pista para a polícia local.
Pelo meio da trama, misturam-se ainda uma jovem modelo que é aliciada por uma proposta irrecusável e uma aspirante a actriz que viu o seu sonho transformar-se em realidade, quando é escolhida para ser a personagem principal de um filme, cujo realizador é bastante conhecido no meio.

“…Perguntei-lhe porque estava naquela festa: respondeu-me que perdera o seu amor, que viera até ali para a procurar, e agora já não tinha a certeza se desejava exactamente aquilo. Pediu-me que olhasse ao meu redor: estávamos cercados de pessoas cheias de certezas, de glórias, de conquistas. Comentou: «Não se estão a divertir. Acham que chegaram ao topo das suas carreiras, e a inevitável descida assusta-os. Esqueceram-se de que ainda existe um mundo inteiro para conquistar porque se habituaram. Passaram a ter muitas coisas e poucas aspirações. Estão cheios de problemas resolvidos, projectos aprovados, empresas que prosperam sem que seja necessária qualquer interferência. Agora, só lhes resta ter medo da mudança, e por isso andam de festa em festa, de encontro em encontro – para não terem tempo para pensar. Para encontrarem as mesmas pessoas e acharem que continua tudo igual. As certezas substituíram as paixões.”

“…por vezes a vida separa determinadas pessoas apenas para que cada uma delas perceba o quão importante é para a outra.”

“O nome faz com que alguém se transforme num indivíduo único e especial, com passado e futuro, ascendentes e possíveis descendentes, conquistas e derrotas. As pessoas são os seus enormes, orgulham-se deles, repetem-nos milhares de vezes no curso de uma vida e identificam-se com essas palavras. É a primeira palavra que aprendem depois do genérico «papá» e «mamã».

Mas o espírito não tem nome, é a verdade pura, habita aquele corpo por um determinado período e um dia irá deixá-lo – sem que Deus se preocupe em perguntar «Quem é você?» quando a alma chega diante do julgamento final. Deus perguntará apenas: «Você amou enquanto estava vivo?» A essência da vida é essa: a capacidade de amar, e não o nome que carregamos nos nossos passaportes, cartões-de-visita, bilhetes de identidade.”

Paulo Coelho é um dos escritores mais lidos do Mundo, porém acaba por ser igualmente um dos mais polémicos e votado ao desprezo, visto os seus livros não merecerem sequer crítica internacional. Apesar disso, cada livro que é lançadotorna-se um best-seller. Já vendeu mais de 100 milhões de livros em 160 países.