sexta-feira, 3 de julho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

"Cozinha de Escritores" nos restaurantes de Coimbra

“Cozinha de Escritores" é como se chama a ideia que vai ocupar a Semana Gastronómica de Coimbra que começa hoje, 3 de Julho, e decorre até ao próximo dia 12, em mais de 20 restaurantes da cidade. Partindo da descoberta de referências gastronómicas em obras dos escritores Eça de Queirós, Miguel Torga e Cristóvão de Aguiar – com percursos de vida relacionados com Coimbra – foi realizada uma selecção de pratos tradicionais portugueses que serão reinventados com a mestria dos chefes de cozinha dos restaurantes aderentes.

Assim, a população residente e visitante de Coimbra poderá degustar preciosas iguarias gastronómicas que já deliciaram Eça, Torga e Aguiar, em contacto directo com as respectivas passagens literárias onde surgem mencionadas. Os restaurantes aderentes estão dispersos pela cidade de Coimbra e serão identificados com sinalética exterior alusiva ao evento.



Menus referenciados nas obras dos escritores
Eça de Queirós
Os Petiscos Croquetes
Consolava-se então com regalos de gulodice. Durante todo o dia debicava sopinhas, croquetes, pudinzinhos de batata. Tinha no quarto gelatina e vinho do Porto. Em certos dias mesmo queria caldos de galinha à noite. In “O Primo Basílio”

Queijo com mostarda, salada, vinagre, sal e rábanos D. Nicazio, esse, comia impassivelmente o seu queijo adornado de mostarda, de salada, de vinagre, de sal, de rábanos e dum leve pó apimentado de Ceilão. In “O Mistério da Estada de Sintra”

As Entradas Empadinhas de marisco
Estavam parados ao pé da confeitaria. Na vidraça, por trás deles, emprateleirava-se uma exposição de garrafas de malvasia com os seus letreiros muito coloridos, transparências avermelhadas de gelatinas, amarelidões enjoativas de doces de ovos, e queques de um castanho-escuro tendoespetados cravos tristes de papel branco ou cor-de-rosa. Velhas natas lívidas amolentavam-se no oco dos folhados; ladrilhos grossos de marmelada esbeiçavam-se ao calor; as empadinhas de marisco aglomeravam as suas crostas ressequidas. In “O Primo Basílio”

Ovos com chouriço
Ele encolheu jovialmente os ombros realargados. E só me soube contar, trilhando soberanamente com os sapatos brancos e cobertos de pó o soalho remendado, que, ao acordar em Tormes, depois de se lavar numa dorna, e de enfiar a minha roupa branca, se sentira de repente como desanuviado, desenvencilhado! Almoçara uma pratada de ovos com chouriço, sublime. Passeara por toda aquela magnificência da serra com pensamentos ligeiros de liberdade e de paz. Mandara ao Porto comprar uma cama, uns cabides… E ali estava… In “A Cidade e as Serras”

As Sopas Caldo de galinha com ovo batido

Então Carvalhosa, erguendo-se, enterrando as mãos nos bolsos, declarou que, como orador, interessavam-lhe muito as doenças de garganta; e voltando-se para Sarrotini, com curiosidade condescendente:
― O que bebem ordinariamente os senhores, para clarear a voz?
Sarrotini explicou na sua linguagem, eriçada de francês e diluída de espanhol, que ele tomava um caldo de galinha, com um ovo batido. A Patti, por exemplo, essa era um cálice de Xerez, num copo de soda… In “A Tragédia da Rua das Flores” Sopa de congro

Tal era a cultura, o fino engenho, a influência social dos cozinheiros, que a Grécia, resumindo em símbolos compreensíveis e populares as glórias da sua civilização, celebrou ao lado dos seus sete sábios os seus sete cozinheiros. O maior deles era Aegis, de Rodes, o único mortal que tem sabido assar sublimemente um peixe. Outro era Nereu, de Quio, cuja sopa de congro foi cantada por poetas, e recompensada em toda a Ática com coroas cívicas.
“Cozinha Arqueológica”, in Notas Contemporâneas

Os Peixes
Bacalhau à biscainha
Ultimamente, Melchior tomara o hábito de vir jantar com eles: ia então abaixo combinar com o Manuel petiscos espanhóis, arroz à valenciana, bacalhau à biscainha. In “A Capital!"

Salmão frio com molho de salsa e cravo

Mas, justamente, Harbrico espalhava diante dos cavaleiros uma deliciosa e irresistível merenda! Eram gordas perdizes aloiradas, um vasto salmão frio e cor-de-rosa, com um molho de salsa e cravo que perfumava o ar, cestos de pêssegos e uvas, como só há nos pomares de el-Rei… “S. Frei Gil”. In Últimas Páginas

As Carnes Bifes de cebolada
E como o Bento entrava com bifes de cebolada, abancaram. A ceia foi longa. In “A Capital!"

Cabrito assado no forno

À noite, depois de um cabrito assado no forno, a que mestre Horácio teria dedicado uma ode… In "Contos"

Galinha `afogada em arroz húmido´ (rodeada de nacos de bom paio)

No meio da sala de jantar, forrada de papel escuro, a claridade da mesa alegrava, com a sua toalha muito branca, a louça, os copos reluzindo à luz forte dum candeeiro de abat-jour verde. Da terrina subia o vapor cheiroso do caldo, e na larga travessa a galinha gorda, afogada num arroz húmido e branco, rodeada de nacos de bom paio, tinha uma aparência suculenta de prato morgado. In “O Crime do Padre Amaro”

Os Acompanhamentos Arroz com favas

Foi ele que rapou avaramente a sopeira. E já espreitava a porta, esperando a portadora dos pitéus, a rija moça de peitos trementes, que enfim surgiu, mais esbraseada, abalando o sobrado ― e pousou sobre a mesa uma travessa a transbordar de arroz com favas. Que desconsolo! Jacinto, em Paris, sempre abominara favas!... Tentou todavia uma garfada tímida ― e de novo aqueles seus olhos, que o pessimismo enevoara, luziram, procurando os meus. Outra larga garfada, concentrada, com uma lentidão de frade que se regala. Depois um brado:
― Óptimo!... Ah, destas favas, sim! Oh que fava! Que delícia! In “A Cidade e as Serras”

Salada de alface e agriões
Era uma travessa repleta de alface, agriões, chicória, macela, com vinagre e grossas pedras de sal. Gamaliel mastigavas-as solenemente, como cumprindo um rito. Elas representavam as amarguras de Israel no cativeiro no Egipto. E Eliezer, chupando os dedos, declarou-as deliciosas, fortificadoras e repassadas de alta lição espiritual. In “A Relíquia”

Tomates farcies à la Cohen
Decididos os convidados, fixado o jantar para uma segunda-feira, Ega teve uma conferência com o maître d´hôtel do Central, em que lhe recomendou muita flor, dois ananases para enfeitar a mesa, e exigiu que um dos pratos do menu, qualquer deles, fosse à la Cohen; e ele mesmo sugeriu uma ideia: tomates farcies à la Cohen…In “Os Maias”

Os Doces (sobremesas) Maçã assada

A S. Joaneira então pôs na mesa um prato covo com maçãs assadas.
― Viva! Não, lá nisso também eu entro! exclamou logo o cónego. A bela maçã assada! Nunca me escapa! Grande dona de casa, meu amigo, rica dona de casa, cá a nossa S. Joaneira. Grande dona de casa!
Ela ria; viam-se os seus dois dentes de diante, grandes e chumbados. Foi buscar uma garrafa de vinho do Porto; pôs no prato do cónego, com requintes devotos, uma maçã desfeita polvilhada de açúcar; e batendo-lhe nas costas com a mão papuda e mole:
― Isto é um santo, senhor pároco, isto é um santo! Ai, devo-lhe muitos favores! In “O Crime do Padre Amaro”

Sopa dourada

Depois num pós-escrito ele acrescentava: «O tempo aqui está lindo, o que se pode chamar de rosas, e tua santa tia muito se recomenda, que anda lá pela cozinha, porque vai hoje em trinta e seis anos que casámos, temos cá o abade e o Quintais a jantar, e ela quis fazer uma sopa dourada.»
Deitando uma acha ao lume, pensei como devia estar boa a sopa dourada da tia Vicência. Há quantos anos não a provava, nem o leitão assado, nem o arroz de forno da nossa casa! In “A Cidade e as Serras”

Creme crestado

Mas o Alves Coutinho extasiou-se sobre a abundância das travessas de doce; havia creme crestado a ferro de engomar, um prato de ovos queimados, aletria com as iniciais do conselheiro desenhadas a canela. In “O Primo Basílio”

Pêssegos aboborados em vinho

«Ontem ao jantar contei quanto o primo Gonçalo gosta de pêssegos, sobretudo aboborados em vinho, e a Anica toma por isso a liberdade de lhe mandar esse cestinho de pêssegos da Feitosa, que como se sabe são falados em todo o Portugal… Mil saudades.» In “A Ilustre Casa dos Ramires”

Para depois da sobremesa Café `remexido´ com um pau de canela

Depois, à pressa, sem gosto, com a ponta incerta do garfo, picava aqui e além uma lasca de fiambre, uma febra de lagosta; ― e reclamava impacientemente o café, um café de Moka, mandado cada mês por um feitor do Dedjah, fervido à turca, muito espesso, que ele remexia com um pau de canela!
― E tu, Zé Fernandes, que vais tu fazer?
― Eu?
Recostado na cadeira, com delícias, os dedos metidos nas cavas do colete:
― Vou vadiar, regaladamente, como um cão natural!
O meu solícito amigo, remexendo o café com o pau de canela, rebuscava através da numerosa Civilização da Cidade uma ocupação que me encantasse. In “A Cidade e as Serras”

Chá de erva cidreira

Pude averiguar que o nosso fino Alípio lhe dera uma receita para fazer chá de erva cidreira, que aliviava o Desembargador nas suas digestões monstruosas. In “O Conde d´Abranhos”

Miguel Torga
À Mesa Bom pão, bom vinho
― Não há que ver: onde encontras tu terras como esta? Bom pão, bom vinho, bons ares, e em nossa casa, ao pé da mulher e dos filhos! “Homens de Vilarinho”, in Contos da Montanha

Pão de trigo com queijo

O seu homem estava praticamente em jejum. Queria saber se lhe poderia chegar qualquer coisa. Um migalho de trigo com queijo, ao menos…“A Resurreição”, in Contos da Montanha

Os Petiscos Um pedaço de broa e uma fatia de febra
Enxuto e quente, o Garrinchas dispôs-se então a cear. Tirou a navalha do bolso, cortou um pedaço de broa e uma fatia de febra, e sentou-se. “Natal”, in Novos Contos da Montanha

As Entradas Sardinha salgada
Foi no Doiro, numa cava. Ao meio-dia, a Margarida veio trazer o jantar, e embora a sardinha salgada e o caldo de gravanços tirassem a coragem ao mais pintado, a cara da rapariga desanuviava os horizontes. “O leproso”, in Novos Contos da Montanha

Os Peixes Raia
― Tenho raia ― informou a estalajadeira, a limpar as mãos gordurosas ao avental.
― Fumega?
― Isso é cá comigo… ― respondeu a velha, num sorriso que fazia crescer água na boca.
― Pois venha ela!
“O Lopo”, in Novos Contos da Montanha
| A Sobremesa Arroz doce
Com os pretextos mais estapafúrdios, demorava a partida. Conversava, varria, compunha e descompunha a travesseira da cama, comia pires seguidos de arroz doce, e assim encurtava a noite que os dois desejavam do tamanho da estrada de Santiago. Por fim, lá saiu.
“Um coração desassossegado”. In Contos da Montanha

Cerejas

Tinha já no chapéu algumas cerejas colhidas, reluzentes, a dizer comei-me. […]
Era outra vez Junho, as searas aloiravam já, e nas cerdeiras, polpudas, rijas, as cerejas tomavam uma cor avermelhada e levemente escarninha. “Destinos”, in Novos Contos da Montanha

Peras

Na tal noite da zanga, andavam juntas no adro, felizes da vida, a comer pêras e a beber limonada, quando o rapaz se aproximou, se eram servidas de qualquer coisa. Que muito obrigadas, mas que não tinham fome nem sede. “Inimigas”, in Contos da Montanha

Cristóvão de Aguiar

Os Petiscos
Petinga frita em banha (em base de pão ázimo) Esperava a Severiana de Jesus, neste instante, tantos anos volvi¬dos, o panelão de água já em chiadeira de fervedura. Havia-o posto ao lume, mentes cernia a farinha de milho. Retirou-lhe o carolo e guar¬dou-o de sua mão. Talvez com ele vi¬es¬se a fazer umas papas para matar um des¬consolo. Ou um bolo assado na sertã de barro. Sem fer¬mento. Ázimo como a hóstia da tran¬su¬bs¬tanciação. Para comer quen¬tinho com charri¬nhos ¬miú¬dos, ou mesmo com pe¬tin¬ga frita em banha. Melhor conduto está ainda por inventar para o bolo da sertã. In " Marilha"

A Entrada Charrinhos assados na sertã
escusado seria eu andar no meu laricá, cesto ao ombro, futurando tantas lindezas, porque o que me esperava, entra dia, sai dia, era trabalho em riba do lombo e charrinhos assados na sertã, servindo de conduto ao pão de milho enqueijado, ou, se era estação, uma mancheia de araçás ou uma laranja redolha para atestar; In “Raiz Comovida”

A Sobremesa

Ananás
(…) era aí, naquele palacete, que ainda lá está, com ermidinha à ilharga, que a fidalguia estava acostumada a assistir de Maio a Novembro; andava este que aqui está acartando leiva para as estufas de anana¬ses (cada carreto de se ficar derreado), mais quebrado que nem sei, só me apetecia amassar-me debaixo de uma som¬bra e ficar de papo para o ar vendo as nu¬vens a correr no firmamento (caía um marmaço de infernizar corpo e alma, tempo de agonia), mas ainda tinha de penar para despegar do trabalho, o Sol andava a passo de boi, e eu bem que mirava as alturas, mas perdia o meu aço e a minha paciência, […] In "Raiz Comovida"

O Café

Biscoito com manteiga (para servir ao café ou ao chá)
“Empurra, meu rico Gualter, empurra para baixo, olha que o Cidério já vai na segunda talhada de melancia; vê se fazes diligência para acabar o resto do biscoito com manteiga”…In “Raiz Comovida”

Informações retiradas do site http://www.turismodecoimbra.pt

Novidades Presença - 1.ª quinzena de Julho

Título: Antes Que Seja Tarde
Autor: Jacqueline Mitchard
P.V.P.: 18,50 €
Data 1.ª Edição: 02/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 376
Colecção: Grandes Narrativas
N.º na Colecção: 436

Sinopse:
Todos os domingos, Julieanne ajuda a orientar as vidas de pessoas que não conhece, através da sua coluna de aconselhamento no jornal local. Mas, um dia, é Julieanne que necessita desesperadamente de uma orientação, quando vê o seu mundo desabar não obstante todo o amor, energia e criatividade que sempre investiu nele. Com o talento, a elegância e a profundidade a que desde sempre nos habituou, Jacqueline Mitchard coloca-nos diante de personagens extraordinariamente humanas, com vidas comuns, agitadas pelo mar revolto das emoções, da esperança, do amor, do desespero e de uma imensa vontade de vencer. Uma obra de grande sensibilidade e optimismo que é um belíssimo hino à vida.


Título: O Vale dos Segredos
Autor: Charmian Hussey
P.V.P.: 18,00 €
Data 1.ª Edição: 02/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 352
Colecção: Grandes Narrativas
N.º na Colecção: 437

Sinopse:
Stephen Lansbury crescera numa família de acolhimento, sabendo apenas que tinha sido abandonado em tenra idade. Já adolescente, é apanhado de surpresa quando um advogado o informa que o seu tio-avô lhe deixara em testamento uma propriedade na Cornualha. Quando chega à antiquada mansão, à parte uma selva exuberante e exótica, não encontra ninguém para o receber. Mas de onde virá então aquela sensação de por vezes estar num palco e a ser observado por uma plateia invisível? Para escapar a essa arrepiante impressão, Stephen começa a ler o diário do seu antepassado, onde este registara as suas aventuras na selva amazónica, e descobre uma realidade que superará todos os limites da imaginação, a dele... e a do leitor. Um romance intrigante e inspirador, que celebra a beleza e a magia do mundo natural e constitui um apelo à sua preservação.


Título: Putin e o Despertar da Rússia
Autor: Michael Stuermer
P.V.P.: 17,00 €
Data 1.ª Edição: 02/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 296
Colecção: Novo Milénio
N.º na Colecção: 16

Sinopse:
Numa altura em que a ordem internacional descreve uma clara viragem a Leste, o conceituado autor Michael Stuermer traz-nos um ensaio político brilhante que nos revela a sua visão pessoal, oportuna e assertiva, do que a Rússia representa para o futuro das relações internacionais. O rumo a seguir dependerá em grande parte do Ocidente, da sua capacidade para compreender quais os interesses nacionais russos e quem é o homem com a capacidade para os definir e implementar. Nesse sentido, esta obra reveste-se de extraordinário interesse ao traçar o perfil de Vladimir Putin e contextualizar o seu percurso identificando as implicações que poderá ter a nível global.


Título: O Nosso Corpo - O Peixe Que Evoluiu
Autor: Keith Harrison
P.V.P.: 13,00 €
Data 1.ª Edição: 02/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 188
Colecção: Aventura da Ciência
N.º na Colecção: 3

Sinopse:
Todos os dias a ciência faz novas descobertas sobre os seres humanos e o mundo que nos rodeia, mas a verdade é que muitas perguntas acerca do nosso corpo e respectivo funcionamento permanecem sem resposta. Este livro vem reflectir sobre as nossas origens recuando até aos antepassados mais longínquos, os peixes, e identificando de que forma cada um dos vários estágios de evolução deixou a sua marca. Ficamos assim a saber curiosidades como porque temos cinco dedos em cada mão e em cada pé ou o porquê da existência de órgãos totalmente ou quase inúteis. Uma abordagem informativa e actual que cativará leitores de todas as idades.


Título: Fantasmas do Passado
Autor: Minette Walters
P.V.P.: 19,50 €
Data 1.ª Edição: 02/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 380
Colecção: O Fio da Navalha
N.º na Colecção: 104

Sinopse:
Em 1970, um jovem deficiente é condenado pelo assassínio da sua avó. Em 1973, Harold suicida-se na prisão. Trinta anos mais tarde, um antropólogo publica um ensaio com o nome Mentes Perturbadas, um estudo sobre os erros da máquina judicial britânica com base no caso de Harold Stamp, que Hughes acredita ter sido condenado injustamente. Na sequência dessa publicação, recebe uma diversidade de cartas de pessoas que de alguma forma tinham estado próximas daquele julgamento trágico e entre elas encontra-se George Gardener, que tem os seus próprios motivos para acreditar na inocência de Harold. A cooperação entre ambos revelar-se-á extremamente proveitosa, mas o mistério adensa-se pelo facto de muitos dos intervenientes já terem morrido, ou não estarem interessados em revelar certas verdades... Um dos romances mais interessantes de uma grande senhora do policial britânico contemporâneo.

Título: Rebeldes
Autor: Anna Godbersen
P.V.P.: 15,00 €
Data 1.ª Edição: 02/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 312
Colecção: Princesas de Nova Iorque
N.º na Colecção: 1

Sinopse:
Rebeldes é o primeiro da série Princesas de Nova Iorque destinada a um público juvenil e eminentemente feminino. Esta história acompanha um grupo de jovens pertencentes à nata da sociedade nova-iorquina dos finais do século XIX. Elizabeth e Diana são filhas de uma das mais prestigiadas famílias. Num ambiente sumptuoso, caracterizado através da moda, dos ambientes ricamente decorados e da esplendorosa arquitectura da Gilded Age, vivem como verdadeiras princesas. Mas a verdade é que o estatuto social lhes impõe pesados sacrifícios, como acontece à primogénita, Elizabeth, cuja vida é alvo de mexeriquices e invejas que inspiram as colunas sociais da imprensa da época, mas que se vê compelida a aceitar um casamento por conveniência. Um romance escrito sob a inspiração de Edith Wharton, em que a idade da inocência é tudo menos inocente.

Que livro para este Verão? - iniciativa Porto Editora

A Porto Editora responde pelo leitor à pergunta através de um questionário no Facebook que indica aos utilizadores qual a leitura recomendada para este Verão. Numa iniciativa singular, a editora analisou a combinação de respostas dos inquiridos e sugere uma de dez obras do seu catálogo, oferecendo, ainda, 10% de desconto e portes de envio gratuitos na sua aquisição.
Este questionário estará disponível até final de Julho.
Baunilha e Chocolate; O Caso das Mangas Explosivas; 333; Até que o Rio nos Separe; A
Breve e Assombrosa Vida de Oscar Wao; O Quarto Arcano; A Promessa; A Escriba; Escolhi
o Teu Amor e Cruel Abandono são os livros que elencam as sugestões da Porto Editora. Para
conhecer o livro ideal para o seu Verão, o utilizador terá de responder a cinco questões de
múltipla escolha e deixar que o programa combine os resultados, avaliando o perfil do
inquirido e nomeando o livro que, segundo o critério da editora, se adapta aos seus hábitos e preferências.
Que livro para este Verão continua a aposta da Porto Editora na Web 2.0 e na interactividade com os leitores que a Internet possibilita. Recorde-se que a editora disponibilizou na blogosfera o primeiro capítulo do livro O Caso das Mangas Explosivas (nas livrarias a 15 de Julho) e desafiou os leitores a responder acertadamente a quatro questões. O prémio para os cinco mais rápidos foi o livro de Mohammed Hanif, vencedor do Commonwealth Writers’ Prize 2008, em primeira mão. Mesma recompensa teve a utilizadora que, no Facebook, arquitectou a teoria conspiradora que melhor justificava a morte do General Zia, presidente paquistanês de 1978 a 1988 e
personagem no livro de Hanif.
Ligação para o questionário Que livro para este Verão no Facebook aqui

No meu caso, o teste resultou no livro Escolhi o teu Amor, de Emily Giffin.
quinta-feira, 2 de julho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

O Silêncio dos Outros - Lydia Gouardo e Jean-Michel Caradec’h [Opinião]

-->Título: O Silêncio dos Outros
Autores: Lydia Gouardo e Jean-Michel Caradec’h
N.º de Páginas: 144
PVP: 13,90€
Preço WOOK.pt: 12,51€

Sinopse
Um silêncio gritante que dura toda a vida
Lydia Gouardo passou vinte e oito anos em cativeiro, teve seis filhos do homem a quem chamava pai e sobreviveu à mágoa para contar
tudo. O Silêncio dos Outros foi, em 2008, um dos livros documentais mais vendidos em França.

A Albatroz apresenta O Silêncio dos Outros, uma impressionante crónica sobre o longo período de clausura de uma jovem francesa e da indiferença geral da comunidade que a rodeava. O jornalista Jean-Michel Caradec’h conheceu a história e, terminado o pesadelo, ajudou a contá-la ao mundo.
Tudo se passa numa aldeia encantadora a meia hora de Paris, perante a indiferença total dos
vizinhos, da polícia, dos serviços sociais, da Justiça e dos médicos. Num testemunho excepcional e perturbante, Lydia Gouardo conta-nos aquilo por que passou ao longo de vinte e oito anos de cativeiro às mãos de um casal perverso e diabólico. Tinha apenas oito anos quando o seu tormento começou, ante os olhares aquiescentes de toda uma comunidade que nada fez para a salvar. Hoje, com seis filhos fruto de uma relação que não escolheu com o Velho, tenta refazer a sua vida marcada pelas vozes silenciosas do O Silêncio dos Outros é um livro fundamental para tomarmos consciência da realidade mórbida que insiste em viver ao nosso lado.

A minha opinião
Neste O Silêncio dos Outros, Lydia Gouardo relata, na primeira pessoa, os seus vinte oito anos de tormenta ao lado dos seus pais adoptivos, passando por todos os horrores possíveis e imaginários que eles a sujeitaram, enquanto criança e depois como adulta. Aos 9 anos, Lydia foi mergulhada numa banheira de água a ferver, e depois escovada até que a sua pele e carne saíssem do seu corpo. Este é um dos exemplos, que a “velha” lhe fez para “castigá-la” não se sabe bem porquê. Mas o que mais me impressionou, além das sevícias de que era alvo diariamente, foi o facto de toda a gente à sua volta se mostrar indiferente àquela família estranha, que não falava com ninguém e que não deixava ninguém aproximar-se dos seus filhos. Filhos, porque além de Lydia, o casal tinha também à sua guarda os irmãos desta, Bruno e Nadia. Após sofrerem nas mãos do “velho” estes dois irmãos conseguiram fugir, mas também se mostraram cobardes ao não revelarem que havia uma irmã feita prisioneira naquela casa. Tudo bem que a polícia local era conivente com o “velho”, e o medo que sentiam de serem apanhados novamente pode ter falado mais alto, mas o facto de ficarem de braços cruzados fez com que a sua irmã vivesse 28 anos de clausura e isolamento. Este caso, igual a tantos outros que actualmente têm vindo a público, como é o caso do austríaco Josef Fritzel, que manteve, durante 24 anos, a sua filha em cativeiro, mostra que pode muito bem acontecer ao nosso lado sem que nos apercebamos ou então não queiramos fazer nada. Uma história arrepiante que chocou inclusivamente quem ajudou Lydia a redigir o livro O Silêncio dos Outros. Não aconselhado a pessoas mais sensíveis.

Excerto
--> “Ao longo dos dezasseis anos que se seguiram, vi crescer os meus filhos sem ter o direito de lhes tocar, de lhes pegar ao colo, de lhes dar de comer, de os deitar ou de lhes dar banho. Era unicamente a parideira.”


quarta-feira, 1 de julho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

Volto para te Levar - Guillaume Musso [Opinião]

Título: Volto para te LevarAutor: Guillaume Musso
Editora: Bertrand Editora
PVP: € 16,16

SinopseVivam intensamente, amem intensamente. Nós pensamos sempre que temos tempo, mas não é verdade. Um dia tomamos consciência de que transpusemos o ponto de não retorno e que já não podemos voltar atrás. O momento em que nos apercebemos que deixámos passar a nossa oportunidade... Ethan, Céline, Jessie. Um homem, uma mulher, uma criança. Três personagens à beira do abismo. Que se vão encontrar, destruir-se e amar-se. Terão também eles ultrapassado o ponto de não retorno? Resta-lhes 24 horas para mudar as suas vidas. Mas será que o amor pode vencer a morte?

Excerto
Vivam intensamente , amem intensamente Nós pensamos sempre que temos tempo, mas não é verdade. Um dia tomamos consciência de que transpusemos o ponto de não retorno e que já não podemos voltar atrás. O momento em que nos apercebemos que deixámos passar a nossa oportunidade…


A opinião de Maria Manuel
E se por alguma razão tivesse a oportunidade de poder alterar os acontecimentos de um dia? Será que mudávamos alguma coisa do que fizemos antes? E será que isso seria determinante para mudar completamente as nossas vidas?
Guillaume Musso surpreendeu-me, mais uma vez, com este livro e arrisco-me a dizer que até agora foi o livro que mais gostei de ler do autor. Um livro que se lê num ápice, e que revela sempre qualquer coisa em cada capítulo. Etha, Céline e Jessie são três personagens que se cruzam no dia 31 de Outubro de 2007 e vão descobrir realidades surpreendentes sobre as suas vidas.
A procura da fama e do sucesso profissional levam a que Ethan deixe um passado tranquilo, ao lado da sua noiva e do seu melhor amigo Jimmy e parte para uma nova vida longe da construção civil. Anos mais tarde, Ethan acaba também por abandonar aquela que será a mulher da sua vida, e abandona-a pelo mesmo motivo: fama.
15 anos mais tarde vemos Ethan com uma próspera carreira, mas a nível pessoal é um homem vazio, sem vida. E mal sabe que em apenas um dia a sua vida vai mudar radicalmente. Conhece Jessie, reencontra Céline, mas esse conhecimento e reencontro não são como o esperado e tudo corre mal. Sem que se aperceba, o destino vai possibilitar-lhe viver essa vida um outra vez para consiga limar algumas arestas e tentar mudar o rumo dos acontecimentos.

Excertos“…Ethan não se dava a ninguém. A partilha, o amor, a ternura eram sentimentos que se lhe tinham tornado estranhos. De repente, apercebeu-se de que não tinha um único amigo, desde a hora em que abandonara cobardemente Jimmy nas ruas de Nova Iorque, há 15 anos”.
“A raiva é a ignorância, e a ignorância é o sofrimento”.
“O destino não existe. O destino é a desculpa dos que não querem responder pelas suas vidas”.
“Na vida, nunca nada está decidido e há sempre uma solução para qualquer problema”.
“Lê porque é inteligente e é inteligente porque lê… todo o saber que encontra nos livros serve-lhe de uma maneira concreta”.

Novidade Porto Editora: Até que o rio nos separe de Charles Martin

Título: Até Que o Rio Nos Separe
Autor: Charles Martin
Tradução: Ana Reis
N.º de Págs.: 392
PVP: 16,50 €
Capa: mole

Até Que o Rio Nos Separe
Autor Charles Martin comparado a Nicholas Sparks
A Porto Editora publica, a 8 de Julho, o título Até Que o Rio Nos Separe, de
Charles Martin, autor americano que tem sido continuamente comparado a
Nicholas Sparks. E não é para menos: o antigo professor universitário de
Inglês tem tido um sucesso espantoso exactamente junto das leitoras que fizeram de Sparks um sucesso planetário. Ao ponto de se ter dedicado inteiramente à escrita.
Doss Michaels nasceu e cresceu num parque de caravanas junto ao rio St. Mary e tenta
sobreviver como pintor. Abigail Coleman é a única e lindíssima filha do mais poderoso senador da
Carolina do Sul. Um único encontro foi suficiente para perceberem que ficariam juntos para
sempre. Após dez anos de casamento, Abbie debate-se com uma doença terminal. Sempre a seu lado, Doss trava com ela uma terrível batalha pela vida.
Quando Abbie elabora uma lista de dez coisas que gostava de fazer antes de morrer, Doss tudo
faz para a ajudar a concretizar os seus desejos.
E, antes que seja tarde de mais, partem juntos para a viagem das suas vidas.

Primeiras páginas

Disponíveis em http://recursos.portoeditora.pt/recurso?&id=1120441

O autor

Charles Martin licenciou-se em Inglês pela Florida State University, é mestre em Jornalismo e doutorado em Comunicação pela Regent University. Foi professor adjunto do Departamento de Inglês na Hampton University durante um ano e em 1999 deixou uma carreira de empresário para se dedicar à escrita.
O autor vive com a mulher, Christy, e os seus três filhos, Charlie, John T. e Rives, junto ao St.
John’s River, em Jacksonville, no estado da Florida, EUA.

Críticas de imprensa

As fãs de Nicholas Sparks vão adorar Até Que o Rio Nos Separe, uma história de amor destemido e promessas cumpridas durante uma doença terminal.
Amazon

Fãs de histórias de amor preparem-se para chorar rios de lágrimas.
USA Today

É um prazer ler esta história, porque ilustra eloquentemente o amor incondicional e inabalável.

Fayetteville Observer

Ao estilo de Nicholas Sparks e Robert James Waller, Martin criou uma história de partir o coração.

Publishers Weekly

Uma intensa história de amor verdadeiro.

OK Magazine

Um romance comovente... Tem de ser lido... Prepare os lenços!
Bella

Novidades Europa-América para Julho

Título: Um Dia e Uma Noite e Um Dia
Autor: Glen Duncan
Colecção: Contemporânea
Preço: 18.90€
Pp.: 192

A ténue linha que separa o amor do terror.
Um Dia e Uma Noite e Um Dia é a história de Augustus Rose, um improvável membro de uma rede terrorista, e de Harper, o seu implacável interrogador.
Para além da lei e sem esperança de fuga, Augustus suporta represálias físicas e emocionais que submetem a sua vida a um violento escrutínio: a sua raça, as suas convicções religiosas e políticas, as pessoas que amou e as poucas que quer proteger a todo o custo.
À medida que o interrogatório de Harper se torna cada vez mais brutal, Augustus defende-se com a única arma que tem: a sua memória. E ele revê na sua mente as mulheres da sua vida: a sua mãe marginalizada, a mulher que o convenceu a juntar-se à célula de terroristas e a última mulher que o amou. Uma história fortíssima e absorvente, Um Dia e Uma Noite e Um Dia é uma intensa história de amor e um retrato oportuno e doloroso do mundo ocidental contemporâneo.
O Autor:
Glen Duncan é um dos mais virtuosos escritores da actualidade. Publicações Europa-América editou já o best-seller Eu, Lúcifer e Catavento.
Crítica: «Um livro meticulosamente engenhoso. […] Os vilões de Duncan são prodigiosos.» New York Magazine

Título: Suplementos Desportivos
Autor: Anita Bean
Colecção: Desportos & Lazer – a Editora
Preço: 14.90€
Pp.: 120

Suplementos Desportivos - Os Suplementos que São Realmente Eficazes! irá ajudá-lo a maximizar o seu potencial desportivo e a ter uma vantagem competitiva. Aqui encontrará informações baseadas em estudos realizados em 40 dos principais suplementos que o ajudarão a aumentar a massa muscular,
bem como o treino de resistência, a recuperação e o controlo do peso. Com tantos suplementos desportivos à escolha, precisa de saber quais os que são realmente eficazes. Anita Bean diz-lhe nesta obra o que são os suplementos, como os utilizar e quais os que realmente funcionam. Neste guia moderno encontrará:
o os princípios básicos da nutrição que um desportista deve respeitar de forma a ter um bom desempenho; avaliações de especialistas feitas aos 40 principais suplementos; o as últimas pesquisas e conselhos sobre nutrição desportiva.
A autora: Anita Bean, vencedora de dois conceituados prémios na área de nutrição
desportiva, é uma presença habitual nos meios de comunicação social, incluindo a revista Men’s Health. A sua abordagem inovadora e o seu estilo prático tornaram-na uma das nutricionistas desportivas mais respeitadas do Reino Unido. Anita Bean, vencedora de dois conceituados prémios na área de nutrição desportiva, é uma presença habitual nos meios de comunicação social, incluindo a revista Men’s Health. A sua abordagem inovadora e o seu estilo prático tornaram-na uma das
nutricionistas desportivas mais respeitadas do Reino Unido.

Título: O Perito
Autor: Robert Finn
Colecção: Contemporânea
Preço: 23.91€
Pp: 392

UM THRILLER INTENSO, EMOCIONANTE BEST SELLER N.º 1

Os problemas de David Braun começam quando ele é chamado a investigar um assalto invulgarmente violento que deixa dois criminosos mortos e uma cena do crime que suscita mais perguntas do que respostas. Uma reunião com o sinistro proprietário do edifício só vem aumentar o mistério.
Braun pede à investigadora americana Susan Milton, da Faculdade de Antiguidades de Londres, que o ajude a compreender a situação. Arriscando a vida, eles descobrem um segredo terrível que existe há séculos — mas a descoberta faz deles o alvo de um assassino implacável que a Polícia não consegue apanhar. Com o tempo a esgotar-se, David e Susan tentam descobrir o verdadeiro
objectivo do assassino, ao mesmo tempo que ele se aproxima cada vez mais deles…
Crítica: «Uma estreia literária impressionantemente ambiciosa, que combina o livro policial com um thriller do oculto… É uma variante inglesa do Código Da Vinci e de A Regra de Quatro.»
O autor: Andrew Taylor, vencedor, por duas vezes, do
CWA Dagger Award, e autor do livro The American Boy.

Título: O Que Comer Quando Está Grávida
Autora: Dr.ª Rana Conway
Colecção: Arte de Viver
Preço:14.90€
Pp.: 168

A gravidez é um período fantástico, cheio de novidades e de alegrias, mas também pode ser um período cheio de preocupações. É importante saber que o que come e bebe condicionará o desenvolvimento e crescimento do seu bebé.
Mas para muitas de nós não é fácil saber exactamente em que consiste esta atitude saudável.
Por isso, o que comer? O que deve evitar? E, caso exista um risco subjacente a determinados alimentos, qual é precisamente esse risco e quais as suas dimensões? Quais são os nutrientes de que um bebé em crescimento precisa e o que deve comer para fazer face a essas necessidades nutricionais? Precisa de
tomar suplementos e, em caso positivo, quais deve tomar?
Este pequeno livro cheio de conselhos úteis é a sua salvação, uma vez que lhe oferece uma lista detalhada dos alimentos que deve evitar. Assim, este livro inclui:
o um guia de alimentos e bebidas de A a Z, de fácil consulta; o linhas de orientação detalhadas relativas ao álcool e à cafeína; o conselhos para as futuras mães vegetarianas e para as mulheres que têm dietas específicas; o as mais recentes descobertas da investigação sobre alimentos que
condicionam o desenvolvimento de um bebé, incluindo os riscos de alergias.
Além do mais, ficará a saber: o como conseguir um peso saudável e como o perder gradualmente após a gravidez; o o que deve ou não comer durante o período de amamentação.

Título: Confesso que Vivi - Memórias
Autor: Pablo Neruda
Colecção: Grandes Clássicos do Século XX
Preço: 24.91€
Pp.: 352

Estas memórias ou recordações são intermitentes e por vezes fugidias na memória, porque a vida é precisamente assim. É a intermitência do sono que nos permite aguentar os dias de trabalho. Muitas das minhas recordações desvaneceram-se ao evocá-las, ficaram em pó como um vidro irremediavelmente
ferido. As memórias do memorialista não são as memórias do poeta. Aquele viveu talvez menos, mas fotografou muito mais, recreando-nos com a perfeição dos pormenores. Este entrega-nos uma galeria de fantasmas sacudidos pelo fogo e
pela sombra da sua época. Não vivi, talvez, em mim mesmo; vivi, talvez, a vida dos outros. De quanto nestas páginas deixei escrito se desprenderão sempre — como nos arvoredos de Outono, como no tempo das vindimas — as folhas amarelas que vão morrer e as uvas que reviverão no vinho sagrado.
A minha vida é uma vida feita de todas as vidas – as vidas do poeta.
PABLO NERUDA

Título: Viagem Extraordinária ao Império dos Mundos - II
Autor: Arthur Ténor
Colecção: Europa-América Juvenil
Preço: 15.90€
Pp.: 176

Thédric Tibert partiu para mais uma desafiante descoberta de um infinimundo misterioso e sobre o qual ninguém nada sabe... mas, como o perigo está sempre à espreita em todo o lado, eis que os seus colegas são raptados, feitos prisioneiros por um homem terrível e sedento de poder: o Imperador!
É então que no Reino dos Mundos, Thédric, com a ajuda dos seus novos amigos e do seu Alter, vão ter de enfrentar mil e um desafios e lutar para que esse homem horrível não espalhe o mal e o terror por todo o Universo.
Será que o Amor e o Bem vencerão mais uma vez o Mal e o Ódio? Conseguirá Thédric libertar um povo da opressão e do medo, enquanto ele se entrega novamente nos braços de um novo amor?

Novidades de Julho da Gailivro


Título: Guia Prático para cuidar de demónios
Autor:
Christopher Moore
N.º Págs.:
328
P.V.P.:
€ 17,90


Sinopse:
Nesta engenhosa narrativa de Moore encontramos um dos pares mais dissonantes de que há memória nos anais da Literatura. O bem parecido é um ex-seminarista e académico “de estrada”, de cem anos de idade, Travis O’Hearn. O verde é Catch, um demónio com o péssimo hábito de comer praticamente todas as pessoas que conhece. Por detrás da falsa fachada Tudor de Pine Cove, Catch vê um bufete de quatro estrelas. E Travis julga ter descoberto a forma de se livrar do seu companheiro de viagem, de dentes aguçados. Mas, entretanto, os bêbados, as neo-pagãs e os sedutores caloteiros de Pine Cove têm outros planos. E ninguém está minimamente preparado, quando o inferno estoira!

Título: O Espelho Quebrado
Autor: Brian Keaney
N.º Págs.: 176
P.V.P.: € 14,90

Sinopse:
Governada pelo tirano Dr. Sigmundus, Gehenna é um país onde as leis devem ser obedecidas sem questionar e onde ninguém pensa por si. Até sonhar é proibido.
A partir do momento em que Dante Cazabon, um órfão sem amigos, descobre o Odílio, uma força com o poder de parar o tempo e de modificar o tecido do universo, ele passa a liderar uma rebelião que o irá conduzir às fronteiras da vida e da morte, assim como ao coração do Mal.
Nas profundezas do Odílio, uma nova espécie de Mal está prestes a nascer: o Espelho Quebrado. E apenas Dante o poderá deter. Mas, para o conseguir, ele irá confrontar-se com uma escolha terrível.
… Dante está a monte, Bea é prisioneira e Ezekiel encontra-se ferido. As coisas não parecem correr nada bem para os Púca…
… E o cenário irá piorar.

Porto Editora renova as suas colecções de dicionários

Pela primeira vez, o Acordo Ortográfico é aplicado aos dicionários
bilingues.
A Porto Editora renovou as suas colecções de dicionários. No âmbito do processo de actualização dos dicionários conforme as regras do Acordo Ortográfico (AO), estas obras evidenciam o mesmo rigor linguístico sob um grafismo moderno e apelativo.
Os novos dicionários foram elaborados para permitir uma transição sem dificuldades para a nova ortografia. Estas obras registam o antes e o depois do Acordo Ortográfico, ou seja, registam as entradas cuja grafia é alterada pelo Acordo Ortográfico, remetendo para as novas grafias onde se pode encontrar a definição ou tradução.
Exemplo disso é o novo Dicionário Editora da Língua Portuguesa 2010, o mais completo dicionário de Português, que contempla ainda um Guia do Acordo Ortográfico e respeita, igualmente, a Terminologia Linguística para os Ensinos Básicos e Secundário (TLEBS).
Ao mesmo tempo, a Porto Editora é a primeira editora a aplicar o Acordo Ortográfico aos seus
dicionários bilingues. Com a mesma lógica do antes e o depois, os dicionários bilingues de Inglês-
Português, Português-Inglês, Português-Francês, Alemão-Português e Verbos Ingleses da colecção Editora foram revistos e actualizados de modo a acompanhar a evolução da língua.
Colecção Escolar em capa mole e novos títulos no mercado Visando já o próximo ano lectivo, a Porto Editora apresenta a sua colecção Escolar, estruturada para apoiar os alunos dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico no desenvolvimento e consolidação do vocabulário. Estes dicionários foram concebidos pensando no seu público-alvo: leves, práticos, com capa mole e de fácil transporte. Nesta colecção, que inclui o Dicionário Escolar de Francês-Português/Português-Francês e o Dicionário Escolar de Alemão-Português/Português-Alemão, o Acordo Ortográfico foi introduzido nos dicionários de Língua Portuguesa, Inglês-Português, Português-Inglês e Português-Inglês/Inglês-Português.
Destaque, ainda, para as novas edições, revistas e actualizadas com o Acordo Ortográfico. dos
Dicionário Moderno de Espanhol-Português/ Português-Espanhol, Dicionário Moderno de Sinónimos e Antónimos e Dicionário Académico de Verbos Espanhóis, bem como para a edição do Dicionário Básico Ilustrado de Inglês-Português/Português-Inglês num formato grande especialmente concebido para os mais pequenos.
terça-feira, 30 de junho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

Porto Editora apresenta o livro A Caixa da Avó Maria de Leonor Mexia

Título: A Caixa da Avó Maria
Autor: Leonor Mexia
Nº Págs.: 32
PVP: 5,50€
Preço WOOK.pt: 4,95€


A Caixa da Avó Maria, de Leonor Mexia, fala-
nos da ligação perpétua e cúmplice entre uma avó e o seu neto, da percepção da morte e da
saudade que se combate.

A Porto Editora apresenta o livro A Caixa da Avó Maria, de Leonor Mexia. A sessão de lançamento,
que conta com a autora, tem lugar na FNAC do Norteshopping, na próxima quarta-feira (1 de Julho), a
partir das 21:30.
Ilustrado por Sónia Cântara, A Caixa da Avó Maria dá voz a João, um menino cúmplice da avó que partira e que surge agora como um anjo. Nos cinco capítulos do livro, o João partilha experiências com a avó Maria e prova aos leitores da sua idade que a morte não é uma fatalidade quando a memória reconhece a vida.
A Caixa da Avó Maria é a sexta obra dedicada a crianças a partir dos sete anos da colecção Adoro Ler!, da Porto Editora. Outros cinco títulos, destinado aos pequenos leitores com nove anos, completam a
colectânea. Animais à Solta, de Maria João Lopo de Carvalho, A Rainha do Recreio, de Fanny Joly e Roser Capdevila, ou Comboio Nocturno, de Sigrid Baffert e Frederik Peeters, são alguns dos livros que prometem introduzir os mais novos aos hábitos saudáveis da leitura.

A Autora
Leonor Mexia nasceu no Porto em 1970. Desde 2006 que visita escolas básicas e secundárias,
infantários, grupos de jovens, lendo os seus contos ou escrevendo outros propositadamente para cada ocasião. Em 2007 ganhou uma menção honrosa no concurso Ora Vejamos, com o conto Onde se meteu a Lua?, posteriormente publicado na colectânea Um mar de contos, de vários autores lusófonos. Em 2007 e 2008 fez cursos de Escrita Criativa e Construção de Personagens na Companhia do Eu, sob a orientação de Pedro Sena-Lino. Em 2009 é reeditado o livro A caixa da avó Maria, pela Porto Editora, que, apesar de destinado a uma faixa etária mais jovem, é do agrado de pessoas de todas as idades.

Afinal, quem matou o General Zia?

A Porto Editora prepara-se para lançar O Caso das Mangas Explosivas, de Mohammed Hanif, vencedor do Commonwealth Writers’ Prize 2008 para uma primeira obra.
A resposta a uma das perguntas mais repetidas na Internet, nas últimos semanas, está no O Caso das Mangas Explosivas, do paquistanês Mohammed Hanif, – um thriller político que relata, sem contemplações, os aspectos mais absurdos dos derradeiros dias do cruel ditador Zia ul-Haq, expondo as manipulações de todos os implicados que, com a sua miopia política, contribuíram para o auge do fanatismo radical islâmico.
O Caso das Mangas Explosivas, vencedor do Commonwealth Writers’ Prize 2008 para uma primeira obra e nomeado para o Booker Prize e para o Guardian First Book Award, serve-se de um humor ácido e de um ritmo trepidante para contar, na primeira pessoa, a participação do jovem oficial da Força Aérea Ali Shigri nos acontecimentos e o seu próprio desejo em vingar a morte do pai às mãos do ditador.
Da realidade, apenas o dia 17 de Agosto de 1988, data em que o avião em que viajava Zia, à época
presidente paquistanês, e outras personalidades importantes – entre as quais o embaixador dos
Estados Unidos – se despenhou inexplicavelmente. Terá sido falha humana ou mecânica? Resultado de uma conspiração de grupos militares rivais? Ou um complô da CIA, então a colaborar com o regime paquistanês para desestabilizar o Afeganistão e desse modo acelerar o processo de retirada das tropas russas do país vizinho? Foi, caricatamente, maldição de uma cega? Generais descontentes com as suas pensões de reforma ou consequências da estação das mangas?

Vencedores dos desafios no Facebook e nos blogues recebem o livro em primeira mão
Durante 10 dias, a Porto Editora deixou a pergunta ecoar na Web 2.0: Quem matou o General Zia? Os blogues do Porta-Livros, Estante dos Livros, O Segredo dos Livros, Planeta Márcia e Marcador de Livros dispensaram um primeiro capítulo não identificado e quatro perguntas cujas respostas davam direito ao livro prometido. No Facebook, nasceu a página do General Zia, espaço aberto a teorias conspiradoras que justificassem a morte do ditador paquistanês em 1988. Agora, os cinco participantes que responderam primeira e correctamente às perguntas na blogosfera juntam-se ao vencedor do passatempo do Facebook e recebem, em primeira mão, o livro O Caso das Mangas Explosivas.

Mohammed Hanif responde às questões dos fãs no Facebook
A Porto Editora prepara-se para promover uma entrevista com Mohammed Hanif num formato pouco tradicional. Até 9 de Julho – além da questão a que os vencedores dos desafios têm direito – aceitam-se perguntas dos fãs na página do General Zia no Facebook. As respostas do autor serão conhecidas, no mesmo espaço, no dia 10 de Julho (sexta-feira) a partir das 17 horas.

O Autor

Mohammed Hanif nasceu em Okara, no Paquistão, em 1965. Formado pela Academia da Força Aérea paquistanesa, abandonou a carreira militar para se dedicar ao jornalismo, tendo colaborado em jornais como o Newsline, o India Today e The Washington Post. Em Londres, onde viveu mais de uma década, foi director do serviço radiofónico em língua urdu da BBC. Recentemente decidiu regressar a Carachi com a mulher e o filho.

Para o primeiro capítulo:
http://www.portoeditora.pt/geral/popup/materiaisdownload/recurso/capitulo.pdf_obr
Para a imagem da capa:
http://www.portoeditora.pt/imprensa/recursos/detalhe/documento/capa
O endereço da página do General Zia no Facebook:
http://www.facebook.com/pages/edit/?id=93621182765#/pages/Bahawalpur-Pakistan/General-Zia/93621182765

O que dizem

“Perspicaz, requintado e deliciosamente anárquico«”
John Le Carré

“Divertido, subversivo, erótico e triste« Quem estiver a pensar candidatar-se a um emprego de ditador religioso desvairado deve, antes de mais, ler este livro.”
Mark Haddon

“Um romance de estreia na boa tradição dos thrillers políticos de Forsyth e le Carré.”
The Guardian

“Uma inteligente comédia negra.”

Booklist

“Mordaz, altamente engenhoso. Hanif é um escritor dotado. O explosivo finale está brilhantemente
redigido.”
Daily Mail

Resultados do Passatempo: Quem matou o General Zia?


O vencedor do passatempo "Quem matou o General Zia" é Estefânia Botelho. Obrigada a todos os que participaram nesta inicitiva conjunta entre o Marcador de Livros e a Porto Editora.

Estefânia Botelho vai receber em casa o livro
“O Caso das Mangas Explosivas” (vencedor do Commonwealth Writers’ Prize 2008 e nomeado para o Booker Prize), de Mohammed Hanif, que chegará às livrarias a 15 de Julho.
segunda-feira, 29 de junho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

Jogos de Sedução - Madeline Hunter [Opinião]

-->
Título: Jogos de sedução
Autor: Madeline Hunter
Colecção: Romance
Preço: 15 €
Páginas: 304

Sinopse:
Ele conhece todos os segredos dela. Excepto um…
Numa sala repleta de convivas, os seus olhares cruzam-se com uma intensidade invulgar… mas os seus mundos vão colidir violentamente. Ela é Roselyn Longworth e, antes de a noite terminar, vai ser leiloada. Ele é Kyle Bradwell, o homem que lhe dará a conhecer o Inferno. Todavia, quando vence o leilão, Kyle trata Roselyn com uma delicadeza a que ela não está habituada desde que um escândalo familiar arruinou a sua reputação. E quando finalmente descobre o que o motivou a salvá-la do seu terrível passado, é já demasiado tarde: Roselyn está perdidamente apaixonada pelo homem que sabe os seus mais íntimos segredos. Agora, ele surpreende-a com um pedido de casamento – o primeiro passo num jogo de sedução que exigirá nada menos que a sua completa rendição…

A minha opinião
"Porque hás-de casar com uma mulher assim, sobre a qual o país inteiro fala?"
Devido a um erro do seu irmão Timothy, Roselyn vê-se na mais completa pobreza e desprezo por parte da sua classe. Devido ao seu orgulho, e sem querer recorrer ao marido da sua prima Alexia, Roselyn decide, por sua conta e risco, entregar-se ao pérfido Norbury, que após se ter aproveitado dela, a coloca em leilão numa das festas em que organiza. Kyle Bradwell acaba por fazer a licitação maior e, logo após a festa, coloca-a em liberdade, e entrega-a à sua família. No entanto, vão mantendo-se em contacto até que Kyle a pede em casamento. Sem muitas alternativas, Roselyn decide aceitar a proposta e põe definitivamente de lado a proposta do seu irmão Tim, que se encontra foragido, para se juntar a ele em Itália. Com Kyle, Roselyn vive uma intensa história de amor e desejo, em que a descoberta do sexo a faz cada vez mais feliz. No entanto, as trafulhices do irmão continuam a assombrar-lhe o casamento. Roselyn descobre que o seu marido é o principal credor de Tim, e que também ele perdeu muito dinheiro ao investir no banco do seu irmão. Mas Kyle não é único homem a quem Tim fez mal. Muitos outros homens, sobretudo Norbury, procuram justiça e desejam ver Tim na forca pelos erros que cometeu no passado… Jogos de sedução seduziu-me até ao último capítulo e fez-me colocar na minha lista de livros a adquirir o livro anterior de Madeline Hunter, As Regras da Sedução, que também já foi editado em Portugal. Pela sinopse, As Regras de Sedução está interligado com este segundo livro e conta mais pormenorizadamente os erros cometidos por Timothy.