sábado, 25 de julho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

Doce Vingança - Jill Mansell [Opinião]

Doce Vingança - Jill Mansell
Género: Literatura Romântica
Palavras-chave: Amor, Vingança,
Comédia de equívocos
Tradutor: Isabel C. Penteado
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 368
Tiragem: 2800
PVP: 18,85 €
Data de Lançamento: 15 de Maio

Sinopse:
Miranda conhece Greg numa festa. Ele é bonito, divertido
e descomprometido. Tudo o que uma rapariga precisa para dar emoção à sua vida. Céus, ele é praticamente perfeito! Claro que Greg não lhe contou que acabara de abandonar a mulher grávida…
E quando a jovem socorre um sem abrigo na rua, mal sabe ela que está na verdade a participar numa experiência de televisão com o jornalista Daniel Delancey, que se delicia a transtornar a vida de Miranda. Um dia, um acaso leva-a ao encontro da mulher de Greg, e assim Miranda conspira a sua vingança e jura não confiar mais nos homens. Mas um encontro fortuito com o piloto de corridas Miles Harper convence-a de que talvez nem todos os homens sejam como Greg…
Com algumas surpresas e muito humor, Jill Mansell oferece-nos um divertido romance que
não conseguirá parar de ler até descobrir o desenlace das aventuras e desventuras de Miranda.

A minha opinião
Como veria uma amizade entre uma mulher grávida abandonada pelo marido e a namorada deste? Seria um tanto ou quanto estranho, não? Mas foi o que sucedeu com Marina e Chloe, que ficam amigas quando a última vai viver para um quarto arrendado em casa de Florence. Lá conhece Marina, que também tem um quarto alugado e sem saber que conhecem Greg tornam-se amigas. Até que no aniversário de Miranda, Chloe vê aproximar-se da porta de entrada o marido com um ramo de flores. Mas as flores não são para a sua mulher grávida, mas sim para a sua namorada, que não sabe de nada. Quando Chloe lhe conta que o Greg, o marido que a abandonou e Greg o seu namorado querido são a mesma pessoa, Miranda pede a Florence que diga que não está em casa de momento. Entretanto uma vingança começa a ser urdida contra Greg que se vê desmascarado num casamento de farsa. Quando Miranda começa a pensar que todos os homens são iguais, sai com Miles Harper, um famoso piloto de fórmula 1, e começa a viver um romance de conto de fadas. No entanto, nem tudo corre bem neste romance e mais uma vez Miranda acaba em choro. Porém, a facilidade que Miranda tem em recompor-se das desilusões ao mesmo tempo que se apaixona perdidamente novamente, tudo acaba bem para todas as personagens do livro.
Um livro leve, divertido, para aquecer um pouco mais este Verão.

Novidades Saída de Emergência

Estreou ontem nas livrarias a TEEN, a nova colecção da Saída de Emergência para jovens adultos mais emocionante das livrarias, inserida na literatura de aventura e fantástico.

A colecção TEEN inicia-se com dois títulos, Daenerys, A Mãe dos Dragões de George R. R. Martin…Ambiciosa e de espírito irreverente, a colecção tem várias particularida des que a irão distinguir das restantes colecções destinadas para esta faixa etária.

- Todos os títulos serão produzidos em capa dura, com um grafismo e design interior irrepreensíveis e bastante apelativos.

- Será lançado um título por mês, com destaque não só para grandes nomes internacionais da actualidade (Terry Pratchett, George R. R. Martin, Stephen Lawhead, etc), mas também as mais recentes obras para jovens perspicazes e curiosos. É também objectivo da editora que a colecção sirva de plataforma para novos autores portugueses talentosos marcarem a diferença no género, pelo que serão lançados títulos de três portugueses nos próximos meses.

- Todos as obras respeitam já as regras do novo acordo ortográfico.

E para que a colecção não passe despercebida a ninguém, a editora Saída de Emergência preparou uma campanha de oferta de 10.000 livros do primeiro título, Daenerys. Numa compra superior a 25 euros em qualquer loja Bertrand, é oferecido o primeiro livro.

Assim começa a colecção TEEN (Tonifica e Estimula os Neurónios) onde cada livro é um bilhete para um exótico mundo de fantasia, um portal para um futuro distante e desconhecido, um convite para uma aventura que nunca acaba.

Assista ao trailer em 3D da colecção TEEN: http://tinyurl.com/mtxldg

sexta-feira, 24 de julho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidades Quetzal Editores

Título: Balas de Prata Autor: Élmer Mendoza Tradução: Salvato Telles de Menezes
Série: américas
N.º de Páginas: 240
PVP: 18,50 euros
Sinopse:
O policial deste verão vem do México. Um romance negro que não lhe dará tréguas até à última página.
Abandonado pela mulher q
ue amava, abatido, e a precisar de um psicoanalista, o agente Edgar, o Canhoto, Mendieta acumula trabalho, enquanto se encarrega da investigação do assassínio de Bruno Canizales. A este, um advogado de prestígio, com uma vida dupla, e filho do antigo ministro da Agricultura, encontraram-no com o crânio perfurado por uma bala de prata. O telemóvel do Canhoto não pára de tocar com as chamadas do seu superior, que lhe vai anunciando a descoberta de novos cadáveres num curtíssimo espaço de tempo. «Aspiro a que os meus leitores temam morrer antes de acabar o livro».
Élmer Mendoza

Sobre o autor
Élmer Mendoza nasceu em Culiacán, no México, em 1949. É professor catedrático na Universidade Autónoma de Sinaloa e coordena sete grupos de escrita criativa em várias cidades do país. Entre 1978 e 1995, publicou diversos volumes de contos e crónicas e, em 1999, o seu primeiro romance — Un asesino solitário — que, segundo o crítico Federico Campbell, capta pela primeira vez, com destreza, o efeito da cultura do narcotráfico no México. Balas de Prata, agora em edição portuguesa da Quetzal, e que mereceu por unanimidade o Prémio Tusquets, consagrou-o como escritor de primeiríssima ordem no panorama do romance hispânico. Balas de Prata foi galardoado com o Prémio Tusquets 2008. Trata-se de um prémio atribuído pela Editora Tusquets – que publica no México, Espanha e Argentina – a romances em língua espanhola. O prémio é geralmente anunciado durante a Feira do Livro em Guadalajara e a obra distinguida é publicada simultaneamente nos três países. Segundo o júri, a atribuição justifica-se pela «modernidade enraivecida no uso da linguagem, na estrutura narrativa próxima da mais recentes linguagens televisivas, e no ritmo diabólico que, como nos melhores romances clássicos, não dá tréguas ao leitor até ao desenlace.» Mais informações em http://www.tusquetseditores.com

Quem estará por detrás de tudo isto? Os narcotraficantes? Os políticos alvoroçados com a proximidade das eleições? Os membros da duvidosa Pequena Fraternidade Universal à qual Canizales pertencia? A inve
stigação que, cheia de humor e adrenalina percorre antros e mansões, e envolve jornalistas e belíssimas lésbicas, revelará um intrincado novelo de interesses preversos, no qual o único realmente empenhado em ir até ao fim e, para variar, em fazer justiça é o Canhoto Mendieta — talvez porque já não tenha nada a perder.

«Balas de Prata é um romance negro, tal como o teria concebido Hammett. Com o núcleo filosófico como os dos melhores romances do género: a procura — mais do que de um culpado — da verdade.»
Babelia | El País

«Élmer Mendoza é um leitor de Rulfo (Pedro Páramo aparece como um gancho metalite
rário no romance) e de Ricardo Piglia, outro gancho, possivelmente preso ao Piglia de Plata Quemada.»
Babelia | El País

«[O Agente Mendieta] É um polícia sem escrúpulos, corrupto, por vezes romântico, crê por breves instantes na justiça e que o seu trabalho é importante e fá-lo com propriedade. Mas no fundo vive em desespero e toma ansiolíticos.»
La Vanguardia

«O patricarca da literatura mexicana. O meu mestre.»
Arturo Pérez-Reverte


Título: Perto da Felicidade Autor: Richard Yates
Serpente emplumada
N.º de Páginas: 216 páginas
PVP: 14,90 euros
Sinopse:
Um romance lapidar sobre os sonhos do sonho americano.
Cold Spring Harbor é um subúrbio tradicional de Nova Iorque, o pano de fundo de um retrato da América dos anos quarentas, na ressaca de uma guerra e sob a ameaça de outra. Charles Shepard é um militar na reforma, que vive resignadamente a frustração de nunca ter combatido; Gloria Drake é uma mulher abandonada à solidão e à proximidade da loucura, fumando e falando sem cessar; Evan Shepard é um jovem à deriva, que procura uma formação superior, mas a quem os casamentos, que faz e desfaz distraidamente, travam o passo; Rachel Drake entrega-se a um marido imperfeito e ausente, tentando cumprir o papel da «esposa perfeita». Nesta América deprimida e imóvel, cada um desempenha o papel que lhe cabe desempenhar. Porém, no coração de alguns brilha o desejo e germina a semente de um futuro maior.
Sobre o autor
Richard Yates nasceu em 1926, em Yonkers, Nova Iorque. Após o serviço militar nas Forças Armadas americanas durante a Segunda Guerra Mundial, trabalhou como publicitário e chegou a escrever os discursos do senador Robert Kennedy. Os seus contos, muito premiados, começaram a aparecer em 1953, e o seu primeiro romance, Revolutionary Road, foi nomeado para o National Book Award em 1962. Yates é também autor de obras como The Easter Parade, Young Hearts Crying e Eleven Kinds of Loneliness, a serem publicados em breve pela Quetzal. Richard Yates foi casado duas vezes e pai de três filhas. Morreu em 1992.

quarta-feira, 22 de julho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

Livros a preços económicos com a Visão

Amanhã a Revista Visão inicia uma colecção de seis livros, intitulada Livros Proibidos, todos eles considerados obras-primas indiscutíveis, referências da literatura, escritos por verdadeiros mestres na sua arte. Segundo a revista «são seis livros polémicos, revolucionários, disruptores, provocadores, subversivos, imorais e muitas coisas mais. Escritos em três séculos diferentes por gente que foi perseguida, criticada, odiada, censurada... e lida, década após década».

Dia 23 – Emmanuelle - Emmanuelle Arsan. Pseudónimo de Marayat Rollet Andriane, Emmanuelle Arsan nasceu em Banguecoque, em 1932, e escandalizou a França, no final dos anos 50 do século passado. O seu nome não faz soar campainhas, mas a sua heroína é praticamente conhecida em todo o mundo e é ela que fará a estreia desta colecção. É a Arsan que se deve a criação de Emmanuelle, personagem que o cinema atiraria para o estrelato, consagrando as aventuras de uma mulher que vive o amor de forma total e livre, entregando-se a uma sexualidade sem tabus ou preconceitos.

Dia 30 – Fanny Hill - John Cleland. Uma viagem até aos anos de ouro do séc. XVIII. Esta é a história de uma ambiciosa prostituta londrina, mestre em todas as formas de amar. Mas pior que contar as aventuras de tal figura, em 1749, foi o autor ter cometido o pecado de acabar a história com o casamento da sua heroína, que "viveu feliz para sempre", à semelhança de qualquer dama burguesa. O atrevimento trouxe a John Cleland um galardão que nunca mais perderá: o de ser o primeiro autor com um romance proibido nos Estados Unidos.

Dia 6 História de O – Pauline Reage. História de O é outro título de que muitos estarão lembrados. Editada em França, em 1954, esta obra escandalizou - e marcou - a sociedade ocidental da época. E de tal forma que é olhada como um dos factores que mais directamente contribuíram para o surgimento dos movimentos feministas de libertação, nos anos sessenta. História de O conta as aventuras de uma fotógrafa de moda parisiense que vive um quotidiano de escravidão sexual por opção própria, um pretexto para Pauline Reage falar da sexualidade feminina sem qualquer tabu.

Dia 13 – Justine de Marques de Sade. Mais uma vez para regressar ao passado longínquo, aos primeiros anos do séc. XIX, mas agora a uma escrita indiscutivelmente masculina, a de Sade. Justine, uma figura aparentemente virtuosa, é a protagonista de todas as histórias vividas e sonhadas pelo marquês - e reza a História que de virtuoso nada tinham. Um livro que o autor fez e refez ao longo da sua vida, e que lhe custou a prisão, por ordem de Napoleão Bonaparte.

Dia 20 – Delta de Venus de Annais Nin. Annais Nin morreu em 1977. O escândalo que os seus livros provocaram, assim que se tornaram conhecidos do grande público, mostra bem que o tempo passa, mas os costumes nem tanto. Os Diários Íntimos, onde conta as suas relações amorosas com algumas celebridades da vida literária e cultural de então, como aconteceu com Henry Miller, e com a mulher do escritor, June - história que deu origem ao filme Henry and June, que contou com a prestação da "nossa" Maria de Medeiros - consagraram-na, definitivamente, como escritora. Mas é em Delta de Vénus, o livro que lhe propomos, que encontramos os melhores retratos da vida "louca" e desprendida dos anos quarenta. Retratos escandalosamente picantes, com a suave assinatura de uma mulher extremamente sensual.

Dia 27 – Memória de cantora alemã - Wilhelmine Schroeder-Devrient. De novo no séc. XIX, mas desta vez com a grande referência da literatura erótica germânica. A autoria de Memórias de Uma Cantora Alemã foi um mistério durante vários anos, mas o segredo acabou por ser desvendado. Trata-se de uma autobiografia, de aventuras amorosas e eróticas, da cantora lírica Wilhelmine Schroeder-Devrient, contadas através de cartas dirigidas a um dos mais conceituados médicos de então, o único homem que, segundo a autora, nunca a tinha tentado seduzir.

Uma colecção a não perder, livro após livro, para ler nos dias quentes de Verão, e que pode adquirir com a VISÃO por 0,50 euros (o 1.º volume) e por 1,90 euros (os restantes).
terça-feira, 21 de julho de 2009 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidades da ASA para o mês de Agosto

Título: Juízo Final
Autor: Sam Bourne
Págs.: 432
Género: Romance
Preço: € 16,00

Um dos grandes segredos do século XX, revelado pelo autor de OS 36 HOMENS JUSTOS
Em Nova Iorque, o serviço de segurança da ONU abate um homem suspeito de ser um bombista suicida. Mas afinal, o morto parece ser apenas um idoso inofensivo. É então que a ONU contrata Tom Byrne, um advogado idealista nos seus tempos de juventude mas que agora aceita trabalhar para qualquer um – desde que paguem bem. Tom tem de aplacar a ira dos familiares da vítima e levá-los a baixar o valor da indemnização. Mas quando conhece a belíssima filha do falecido, Tom apercebe-se de que o pai dela não era um homem tão inocente quanto isso. Ao longo da investigação, ele descobre uma irmandade secreta que causou centenas de mortes um pouco por todo o mundo. Perseguido por assassinos dispostos a tudo para encobrir a verdade, Tom tem de desvendar um segredo enterrado há mais de sessenta anos – o último grande segredo da Segunda Guerra Mundial.



Título: A Pesca do Salmão no Iémen
Autor: Paul Torday
Págs.: 288
Género: Romance
Preço: € 14,50

O Dr. Alfred Jones tem muitas razões para estar feliz. O seu último ensaio “Efeitos da crescente acidez da água na larva da mosca-de-água” está destinado a causar sensação nas páginas da Truta & Salmão, o seu emprego como cientista é satisfatório e ele e a mulher acabaram de celebrar o vigésimo aniversário de casamento – o que a levou a oferecer-lhe uma escova de dentes eléctrica.
Porque é que ele sente então um enorme vazio?
Quando lhe pedem para criar um rio com salmões no Iémen, Alfred fica chocado com o absurdo da ideia e rejeita-a imediatamente. Contudo, o projecto desperta a atenção de vários políticos britânicos, que acreditam poder desviar as atenções da comunicação social das habituais e inconvenientes notícias vindas do Médio Oriente. O cientista vai, pois, ter de abandonar a sua vida pacata, encontrar uma forma de meter dez mil salmões num avião e convencê-los a nadar numa paisagem desértica…
Obsessivamente organizado e racional, Alfred vê os alicerces da sua existência serem abalados por duas pessoas: o xeque Muhammad, que esteve na origem do projecto, e a bela Harriet, cujo entusiasmo tem nele um profundo – e nem sempre conveniente – efeito.
Uma coisa é certa: os salmões vão mudar a sua vida, bem como o curso da história política, para sempre.
Prémio Bollinger Everyman Wodehouse para o melhor romance cómico de 2007


Título:Heroína do Deserto
Autora: Donya Al-Nahi
Págs.: 208
Género: Romance
Preço: € 13,00

“Ninguém tem o direito de separar uma criança da mãe.”
A vida de Donya al-Nahi, uma inglesa loira e de olhos verdes que se converteu ao islamismo, mudou no dia em que conheceu uma mulher britânica, casada com um muçulmano, cuja filha de seis anos tinha sido raptada e levada para a Líbia pelo próprio pai. Comovida pelo desespero da jovem mãe, Donya respondeu corajosamente: “Vamos lá buscá-la.” Pouco depois, arriscou a vida para resgatar a criança enquanto ela ia para a escola, em Trípoli. A intensidade da experiência foi tal que Donya decidiu ajudar outras mulheres igualmente sós e impotentes perante a maior das crueldades. “Ninguém tem o direito de separar uma criança da mãe”, afirma. Dezenas de crianças foram salvas graças à audácia e ao altruísmo de Donya. Este é um testemunho tremendamente honesto e emocionante de uma mulher heróica que teve de suportar os maiores riscos e até a prisão em alguns dos locais mais perigosos do mundo. Para muitas famílias, Donya al-Nahi é a Heroína do Deserto.

Título: A morte não é o fim
Autor: Agatha Christie
Págs.: 208
Preço: € 10,00

Egipto, 2000 a.C.
O sacerdote Imhotep traz para o seio da sua família a sua bela e altiva concubina, Nofret. No lar, nem todos a acolhem bem. Quando o corpo da jovem é encontrado sem vida no fundo de uma ravina, uma série de acontecimentos terríveis parece abater-se sobre toda a família. Estará a sua origem num acto de vingança divina ou no ódio e na ganância que estavam a germinar entre eles?
Tendo sido casada com o arqueólogo Max Mallowan, Agatha Christie participou activamente em diversas escavações arqueológicas no Egipto, tendo usado esta magnífica fonte de conhecimentos para escrever esta obra passada no Egipto há mais de 4000 anos.
A Morte não é o Fim (Death Comes as the End) foi originalmente publicado nos Estados Unidos em 1944, tendo sido editado na Grã-Bretanha no ano seguinte. De toda a sua extensa obra, este foi o único livro ao qual Agatha Christie aceitou mudar o final a pedido de um amigo.

Cruel Abandono - Penny Vincenzi [Opinião]

-->
Título: Cruel Abandono
Autora: Penny Vincenzi
Nº Págs: 640
PVP: 17,70€

Sinopse
Quanto pesa um passado? Desenrolado à volta das consequências de um acto desesperado, Cruel Abandono é, provavelmente, o mais excitante e intrigante romance de Penny Vincenzi.
A Porto Editora apresenta o novo livro da britânica Penny Vincenzi. Bestseller de uma mulher, sobre mulheres, para mulheres, Cruel Abandono é um título contraditório de uma história que, até à última página, é impossível abandonar. Numa noite de 1986, uma bebé recém-nascida é encontrada abandonada no aeroporto de Heathrow. Goradas as investigações, a criança é entregue às autoridades e posteriormente adoptada. Passados quinze anos, a bebé, Kate, é já uma bela adolescente, aspirante a modelo, que decide procurar a mãe biológica. Essa busca vai reunir três mulheres - Martha, Clio e Jocasta - que 16 anos antes se tinham conhecido, casualmente, durante uma viagem à Tailândia. As três amigas têm agora vidas agitadas mas bem-sucedidas, cheias de preocupações profissionais e de relações amorosas nem sempre fáceis. Martha continua solteira e é uma advogada de sucesso; Clio é uma médica presa a um casamento falhado; Jocasta é uma jornalista apaixonada por um homem com pavor dos compromissos. Kate irá concretizar o seu desejo de conhecer a mãe biológica, mas isso obrigará a que seja revelado um segredo que uma das mulheres guardara ciosamente ao longo de todos esses anos.

A minha opinião
Apesar de ter demorado um pouco a ler Cruel Abandono, não foi por não ter gostado do livro. Muito pelo contrário. Nunca tinha lido qualquer livro de Penny Vincenzi, mas posso dizer que fiquei fã da escrita da autora. Uma viagem durante uns meses à Tailândia une três raparigas que não tinham qualquer afinidade antes: Martha uma rapariga humilde, filha de um vigário, Clio uma rapariga gorducha que tem imensos complexos com o seu peso, e Jocasta uma jovem dinâmica que viaja com o seu irmão Josh, que também irá partir para a aventura naquele país asiático. Com percursos diferentes a percorrer, as três amigas prometem encontrar-se novamente depois da viagem, mas isso nunca acontecerá. 16 anos depois encontram-se, mas as circunstâncias não são as melhores. Clio, tornou-se numa mulher interessante, médica proeminente, mas vive presa a um casamento que a sufoca. Martha, advogada de sucesso, experimenta, pela primeira vez, a sua incursão na política. Apesar do enorme sucesso, Martha é uma mulher solitária, que vê no seu jovem namorado Ed a única escapatória possível à solidão em que vive. Jocasta, uma jornalista conhecidíssima, que vive um relacionamento sem futuro, já que Nick não quer assumir compromissos sérios. Pelo meio Jocasta conhece Kate e uma história surpreendente que remonta há 16 anos atrás começa a ser descortinada. Um livro cheio de suspense, romance e aventuras que prende o leitor à vida das três mulheres, o que o faz reviver as angústias e alegrias pelas quais cada personagem passa. Uma boa leitura para o Verão.