sábado, 12 de setembro de 2009

Obra poética de Antero de Quental em conferência/concerto

A obra poética de Antero de Quental (1842-1891) é o tema da conferência/concerto “Ciclo Anteriana”, que sobe ao palco do auditório da Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira este sábado, dia 12 de Setembro, pelas 21h30. Um espectáculo que associa literatura, música e poesia. A primeira parte do espectáculo “Ciclo Anteriana” será preenchida com uma breve conferência alusiva à obra poética de Antero de Quental, a cargo de Cândido Oliveira Martins, professor da Universidade Católica Portuguesa, doutorado em Teoria da Literatura. Na segunda parte realizar-se-á um concerto comentado de canto e piano com a soprano Maria João Matos e o pianista João Lima, comentado por Miguel Leite, no qual será apresentado o “Ciclo Anteriana”, constituído por 13 sonetos de Antero de Quental musicados pelo compositor feirense Alberto Toscano. Paralelamente, serão projectadas imagens ilustrativas dos autores, bem como cada um dos sonetos levados a palco. Antecedendo cada uma das partes deste ciclo, Miguel Leite dará breves explicações sobre a obra musical e abordará a vida e a obra do compositor. Antes de cada peça serão lidos os sonetos que constituem o “Ciclo Anteriana”. Este espectáculo é um projecto cultural novo, que associa música, literatura e poesia, assumindo-se como uma audição moderna do “Ciclo Anteriana”, obra estreada nos anos 30 do século XX nos Açores e recriada unicamente há cerca de 20 anos pela soprano Elvira Archer, com a mais-valia de ser um concerto comentado.
A entrada é livre.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

O Sangue da Terra - Sofia Marrecas Ferreira [Opinião]

-->
Título: O Sangue da Terra
Autora: Sofia Marrecas Ferreira
Editora: Porto Editora
Págs.: 224
P.V.P.: 15€

Sinopse:
Tomasa, a mãe, e Catarina, a filha: entre Lisboa, o Alentejo e Paris, duas gerações de mulheres em busca da felicidade e de sentido para as suas vidas; duas mulheres que, através do trabalho, das suas opções e do seu talento, tentam ultrapassar a solidão, a loucura e a morte.
O Sangue da Terra é um hino às mulheres, à força com que se entregam ao amor e às suas paixões, à coragem com que assumem as suas escolhas e a sua liberdade. Uma força e uma paixão que estão presentes na escrita de Sofia Marrecas Ferreira, influenciada também pelo ar, pelo calor, pela imensidão da planície alentejana e por toda uma atmosfera que acaba por envolver os leitores.

A minha opinião
O Sangue da Terra conta a história de Tomasa, uma mulher que viveu eternamente à espera que o seu grande amor, Octávio, decidisse finalmente casar com ela e perfilhar Catarina, a filha de ambos. Catarina vivia na ignorância de quem era o seu pai. Via em Octávio um tio, por quem nutria um amor grande. Mas quando soube que o seu adorado tio era o seu pai não aceitou tão bem o segredo que tinham guardado dela.
“E Catarina olhou Tomasa com frontalidade, como se não suportasse mais a mentira em que sempre vivera. Porque não lhe dissera que Octávio era seu pai desde o princípio, porque não trabalhara ela como toda a gente, e porque se transformara ela numa mulher clandestina e sem coragem…”
O adultério por parte dos pais nunca foi bem compreendido por Catarina, que descobriu também ter uma irmã, Rafaela. Quando Octávio lhe decide contar a história da sua vida, levando-a a conhecer a sua terra no Alentejo, Catarina vai, mas de má vontade. Naquele calmo lugar, um sítio pitorescos com gente simples, Octavio viveu um casamento devoto, com um grande amor por Santa, e por Rafaela, uma rapariga diferente, mas muito talentosa.
No entanto, a história repete-se quando Catarina se apaixona também por um homem casado. Por momentos ficamos a pensar que as vítimas são estas duas mulheres e não as esposas dos seus amantes, que sem saberem o que se passa, vivem as suas vidas normalmente e para os seus maridos, sobretudo Roberta, mulher de António. Será que estas relações extra-conjugais são assim tão normais e aceitáveis?

Evento na Casa do Alentejo, em Lisboa
O novo romance de Sofia Marrecas Ferreira confirma a escritora como uma das vozes mais relevantes da nova narrativa portuguesa, constitui um hino às mulheres, à força com que se entregam ao amor e às suas paixões, à coragem com que assumem as suas escolhas e a sua liberdade. Ao mesmo tempo, O Sangue da Terra dá-nos as cores, os cheiros e as vozes do Alentejo, facto que inspirou a Porto Editora a preparar um evento especial. Com efeito, o novo romance de Sofia Marrecas Ferreira será apresentado por Helena Vasconcelos e Francisco José Viegas na Casa do Alentejo, às 19 horas da próxima terça-feira, 15 de Setembro, sublinhando-se a participação especial do Grupo Coral dos Trabalhadores de Alcáçovas e, ainda, um serviço de buffet de iguarias alentejanas.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Cursos de escrita criativa

A Companhia do Eu, do director Pedro Sena-Lino, para o ano lectivo 2009-2010, vai oferecer 12 cursos de escrita criativa, em formato de bolsa de frequência, destinados a desempregados ou estudantes universitários, bem como bolsas de mérito.
Os interessados podem ver o regulamento aqui

Colecção Revista Sábado

A partir do dia 24, a revista Sábado vai retomar a colecção de livros brindando os seus leitores com mais 8 exemplares fantásticos. Livros que custarão 1.50€ e que vale a pena juntar aos restantes que já saíram. Eu vou comprar ;)

24 de Setembro - O Nome da Rosa, Umberto Eco. Um estudioso descobre casualmente a tradução francesa de um manuscrito do século XIV: o autor é um monge beneditino alemão, Adso de Melk, que narra, já em idade avançada, uma perturbante aventura da sua adolescência, vivida ao lado de um franciscano inglês, Guilherme de Baskerville.Estamos em 1327. Numa abadia beneditina reúnem-se os teólogos de João XXII e os do Imperador. O objecto da discussão é a pregação dos Franciscanos, que chamam a igreja à pobreza evangélica e, implicitamente, à renúncia ao poder temporal.Guilherme de Baskerville, tendo chegado com Adso pouco antes das duas delegações, encontra-se subitamente envolvido numa verdadeira história policial. Um monge morreu misteriosamente, mas este é apenas o primeiro dos sete cadáveres que irão transtornar a comunidade durante sete dias. Guilherme recebe o encargo de investigar esses prováveis crimes. O encontro entre os teólogos fracassa, mas não a investigação do nosso Sherlock Holmes da Idade Média, atento decifrador de sinais, que através de uma série de descobertas extraordinárias, conseguira no final encontrar o culpado nos labirintos da Biblioteca.

01 de Outubro - A Malinche, Laura Esquivel. O trágico e apaixonante romance entre Hernán Cortés e a índia Malinalli (a sua intérprete durante a conquista do império asteca), num livro que nos desvenda o mito fundador da cultura híbrida do Novo Mundo e nos conta uma extraordinária história de amor.Quando a índia Malinalli conhece Cortés, assume que se trata do próprio deus Quetzalcóatl, que regressa para libertar o seu povo. Os dois apaixonam-se loucamente, mas esse amor será destruído pela desmedida sede de conquista, poder e riqueza de Cortés, um dos mais importantes conquistadores espanhóis. Audaz e engenhoso numa época de grandes heróis, Cortés foi o único que chegou a conhecer a fundo os indígenas americanos. O grande valor estratégico de Malinalli, sua tradutora e intérprete, converteu-a numa personagem-chave na colonização da América e nas relações entre a coroa espanhola e os diferentes povos indígenas. A história do México acabaria por reservar a Malinalli outro papel, o de traidora do seu próprio povo, mas as investigações históricas recentes mostram que foi a mediadora entre duas culturas, a hispânica e a nativa americana, e entre duas línguas, o espanhol e o náhuatl.Com a queda do império Asteca como pano de fundo, Laura Esquível desafia a mitologia tradicional através do retrato apaixonado do Adão e da Eva da cultura mestiça: Cortés e Malinalli.

08 de Outubro - O Danúbio, Claudio Magris. Publicado em 1986, Danúbio resulta da experiência de uma viagem feita pelo autor através da Europa central no início da década de 1980. Na véspera do desmoronamento da cortina de ferro, o germanista italiano Claudio Magris aproveita o trajecto do grande rio europeu como fio condutor para percorrer de uma ponta à outra a história cultural e política dos países que viram surgir Franz Kafka e o terceiro Reich, Elias Canetti e o campo de concentração de Mauthausen, Ludwig Wittgenstein e o arquiduque Francisco Ferdinando, Sigmund Freud e o carrasco nazista Adolf Eichmann.Com um estilo sóbrio e cheio de empatia, ora alegre ora melancólico, o narrador reconstitui um enorme mural cujas figuras se movem e parecem ganhar vida. Paisagens, personagens e reflexões entrecruzam-se num conjunto complexo e fascinante, no qual as maravilhas e os horrores do passado recente apresentam-se com rara força. Sem dogmatismos ou visões estereotipadas, Magris percorre esse campo minado da Europa recolhendo os fragmentos e as ruínas que a história foi amontoando ao longo do tempo. O resultado literário dessa viagem intelectual é, indiscutivelmente, uma obra-prima do século XX.

15 de Outubro- A conspiração contra a América, Philip Rothe. Um presidente anti-semita na Casa Branca?Quando o famoso herói da aviação e isolacionista Fanático Charles Lindbergh derrotou esmagadoramente Franklin Roosevelt nas eleições presidências de 1940, o medo invadiu todos os lares judaicos da América. Num discurso transmitido pela rádio à escala nacional, Lindbergh não só tinha acusado publicamente os judeus de empurrarem egoistamente a América para uma guerra sem sentido com a Alemanha nazi, mas também, ao tomar posse como trigésimo terceiro presidente dos Estados Unidos, negociara um pacto cordial com Adolfo Hitler, cuja a conquista da Europa e cuja virulenta política anti-semita ele parecia aceitar sem dificuldade.

22 de Outubro - Uma questão pessoal, Kenzaburo Oe. Em 1964, o romancista japonês Kenzaburo Oe recebia a notícia de que o seu primeiro filho nascera com uma anomalia cerebral. É a mesma situação enfrentada pelo protagonista de Uma questão Pessoal, o professor Bird. Aos 27 anos, Bird leva uma vida medíocre, bebendo pelos bares de Tóquio a sonhar com aventuras no continente africano. A gravidez da mulher acrescenta angústia ao quotidiano de Bird. A ideia de que será pai e chefe de família faz com que se sinta condenado à vida quotidiana. Para piorar, depois do parto, os pais descobrem que a anomalia cerebral fará o menino ter uma vida vegetativa. Bird não suporta a possibilidade de se ver atrelado para sempre a um filho anormal. Passa, então, a desejar a morte da criança. Aos poucos, porém, dá-se conta de que a crise era uma oportunidade. Bird deve percorrer um longo caminho de conquista da realidade, enfrentando os desafios de amadurecimento da vida adulta.

29 de Outubro – Justine, Lawrence Durrell. Algures nas páginas deste romance, Durrell descreve Justine como "uma verdadeira filha de Alexandria". Não é uma indicação despicienda. Alexandria é talvez, sobretudo neste primeiro volume do Quarteto de Alexandria, uma das personagens centrais da narrativa. A cidade, ao mesmo tempo muito bela e muito repelente, marca todas as restantes figuras da obra com a presença ambígua da sua identidade. É essa presença que autoriza os excessos de Justine, a sua busca de um novo "tipo peculiar de amor", profundamente narcísico e não-possessivo.

5 de NovembroTim, Colleen McCullough. Mary Horton, solteira na casa dos quarenta, rica, solitária, simples, acredita que não precisa de amor nem de amizade, satisfazendo-se com a sua confortável casa, o seu jardim, com o seu Bentley e a casa de praia que comprou com o fruto do seu trabalho e dos investimentos realizados, com os livros que lê e a música que ouve sozinha. Tim Melville, vinte e cinco anos, operário, é filho de Ron e Esme Melville, que o receberam como uma dádiva para o seu tardio casamento. Tim tem a beleza e a graça de um deus grego, mas é um simples de espírito, uma criança grande. No entanto, Ron e Esme, modestos operários australianos, pessoas sensatas e sem ambições, gostam dele pelo que é e preparam-no para trabalhar segundo as suas possibilidades. Tim é um trabalhador insignificante de uma empresa de construção civil, infatigável e esforçado. Dias de trabalho pesado e fins-de-semana passados com o pai num pub e noites tranquilas junto da família, a ver televisão, representavam para Tim toda a sua perspectiva de vida. Quando Mary encontra Tim e o contrata como jardineiro durante os fins-de-semana, uma ligação muito forte vai nascer entre eles. Mary sente por Tim o mesmo tipo de amor que sentiria pelo filho que nunca teve; Tim, em contrapartida, ensina-lhe a ver o mundo de uma maneira mais simples e optimista, trazendo à sua vida solitária o calor e o afecto que lhe faltavam.

12 de Novembro - O Amante do Vulcão, Susan Sontag. Um livro sobre a revolução, a inevitabilidade da natureza, a condição das mulheres, a arte, o amor.Nápoles, 1772. A segunda cidade da Europa, magnífica, encimada pelas constantes erupções do seu famoso vulcão. Um nobre inglês, o embaixador britânico no Reino das Duas Sicílias, regressa à sua cidade adoptiva acompanhado pela mulher. Cavaliere, como todos o conhecem, é um coleccionador de arte, de antiguidades, de pessoas - um temperamento erudito e ávido, mas desapaixonado. Quando a mulher morre, Cavaliere vive pela primeira vez um sentimento profundo. E quando a antiga amante do sobrinho entra na sua vida é possuído por uma intensa paixão.

Primeiro capítulo de O Jogo da Verdade já disponível

O novo livro de Sveva Casati Modignani estará nas livrarias já amanhã, no entanto, a Porto Editora jádisponibilizou o primeiro capítulo de O Jogo da Verdade, que poderá ver aqui.
Para os que gostam mesmo da escritora também se podem fazer fãs na página do facebook: http://www.facebook.com/pages/Sveva-Casati-Modignani/159376585055

No próximo sábado, dia 12, pelas 21h30, na RTP-N, a emissão do programa “Conversas de Escritores”, de José Rodrigues dos Santos, será dedicada a Sveva Casati Modignani.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Planeta lança livro Passageiros da Neblina que envolve Aleister Crowley e Fernando Pessoa

A 23 de Setembro de 1930, o enigmático mago inglês Aleister Crowley desaparece na Boca do Inferno... poucos dias após o seu encontro com Fernando Pessoa em Lisboa.
Exactamente 79 anos depois, a Planeta e a Casa Fernando Pessoa lançam a obra Passageiros da Neblina, de Montserrat Rico Góngora.

A partir do tema vai ainda realizar um colóquio intitulado: Crowley e Pessoa - Realidade e Ficção, com apresentação de Inês Pedrosa, participação de José Manuel Anes, Paulo Cardoso e Montserrat Rico Góngora, pelas 18h30, na Casa Fernando Pessoa.

Sinopse:
Os factos
Em Setembro de 1930, Aleister Crowley chega inesperadamente à cidade de Lisboa, com o pretexto de conhecer Fernando Pessoa, com quem se corresponde há algum tempo, em torno dos interesses comuns em astrologia e esoterismo. É o poeta que o recebe no Cais da Rocha do Conde de Óbidos. Pouco mais se sabe, com segurança, sobre o que se passou entre eles. Crowley, conhecido por muitos como a Besta 666, é uma das figuras mais enigmáticas do seu tempo. Expulso de Itália por Mussolini, sobre ele recaem as acusações de
culto ao demónio e práticas de magia negra. Dias depois da sua chegada a Lisboa, o mágico ocultista vai a Sintra jogar uma misteriosa partida de xadrez e desaparece nos penhascos da Boca do Inferno, deixando atrás de si uma críptica nota de suicídio.
A imprensa agita-se com o seu desaparecimento e as informações contraditórias que surgem a propósito. Cresce a especulação em torno do envolvimento de Pessoa na suposta encenação macabra.

A história
E se a razão da visita de Crowley tivesse sido outra e não apenas conhecer Pessoa?
A partir do famoso encontro, a escritora cria uma história sobre uma maldição com mais de cem anos, que atravessa gerações, onde personagens fictícias convivem com outras personalidades reais, como Charles Darwin, George Everest e o jornalista Augusto Ferreira, amigo do poeta.
Um caso de polícia intrigante, novos crimes, uma família atravessada por silêncios, loucura e amores secretos, as lutas religiosas e políticas da época, a simbologia e as práticas maçónicas – este é o universo dos Passageiros da Neblina, um livro que transporta o leitor para a mágica Sintra do século XIX.

Sobre a autora
Montserrat Rico Góngora nasceu em Barcelona, em 1964, embora tenha residido sempre em Badalona. É colaboradora habitual de numerosas revistas (Alhora, Historia y Vida e Andalucía en la Historia) e de programas de rádio. Participa activamente em tertúlias literárias, oficinas de escrita e júris de certames literários.
Como escritora, publicou narrativas, relatos breves, literatura juvenil e poesia. A sua obra valeu-lhe o prémio dos XXXIII Jogos Florais de Campo de Cartagena bem como o Prémio Palco em reconhecimento pela sua trajectória profissional. O romance La abadia profanada foi um grande êxito, quer de vendas, quer da crítica; a qualidade da sua escrita foi salientada em meios de comunicação como The Independent, La Stampa e L’Express.

Novo livro de Dan Brown - O Símbolo Perdido - nas livrarias a 29 de Outubro

Para os fãs da escrita de Dan Brown chega às livrarias o último livro do autor norte-americano,“O Símbolo Perdido”, sob a chancela da Bertrand. A editora, a contar já com um sucesso de vendas, vai lançar uma tiragem inicial de 120 mil exemplares, sendo Portugal um dos primeiros países a traduzir o livro, a par da Alemanha e Espanha.

Em "O Símbolo Perdido", Robert Langdon vive uma aventura alucinante, que decorre num curto período de 12 horas. História, códigos secretos e intrigas vão fazer as delícias de todos aqueles que gostam de ler este autor.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Marcada para Sempre, de Liliana Fonseca é o novo livro publicado pela Caderno

A história real de Liliana Fonseca, uma mulher corajosa obrigada desde pequena a lutar contra o destino.
Aos três anos Liliana ficou desfigurada num terrível acidente. Não imaginava, porém, que o pior ainda estava para vir: ser explorada e abusada pelo grande amor da sua vida. Quando, aos três anos, entrou nas urgências com o corpo todo queimado, Liliana estava longe de imaginar que iria passar grande parte da sua infância presa à cama de um hospital. Afastada da família que adorava, a menina cresceu na companhia de enfermeiras, submetida a tratamentos cada vez mais dolorosos, esfolada viva por médicos que não sabiam como tratá-la. Marcada pelo acidente, com o corpo desfigurado por cicatrizes, tentou esconder durante anos o seu segredo, por baixo de camisas de mangas compridas e lenços ao pescoço. Apesar de tudo, a menina cresceu e conseguiu ter uma vida “normal”. Estudou, tirou um curso, progrediu na carreira. Sonhava com o amor, mas continuava só, enclausurada num corpo que queria esconder de todos os olhares. Um dia conheceu Francisco, um homem diferente, que a aceitava como era. Mal sabia Liliana, porém, que tinha acabado de entrar no inferno. E que o amor da sua vida quase a levaria à loucura. «Marcada Para Sempre» é a história real de Liliana Fonseca, uma mulher que decidiu enfrentar o mais cruel dos destinos, que das suas fraquezas fez forças. E no amor das filhas, e no seu espírito indomável encontrou a coragem para se libertar.
“Quando o entusiasmo subia a pique, eu metia travão. Quando beijos e abraços já não bastavam, dizia adeus. Eu não aceitava o que a roupa escondia. Não acreditava que alguém pudesse aceitar.” Liliana Acerca da autora
Liliana Fonseca nasceu no Porto, em 1956, e ali viveu até aos dez anos. Em 1967, foi com a família para França, onde viria a concluir o bacharelato. Começou então a trabalhar na Câmara de Villeneuve-St-Georges, e, por imposições do funcionalismo público, optou pela nacionalidade francesa (tem hoje dupla nacionalidade). Empenhada em subir de posto, recomeçou os estudos. Ao fim de mais quatro anos a estudar Direito, e por via de concursos internos, foi promovida a Directora dos Serviços Municipais de Saúde, cargo que implicava a liderança de um vasta equipa de pessoal administrativo, enfermeiras e médicos. Em Dezembro de 1996 regressou a Portugal com o marido e as filhas, onde abriu um supermercado de uma grande cadeia francesa.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Novidades Saída de Emergência para Setembro

Título:Darwinia
Autor: Robert Charles Wilson
Género: Romance Histórico/Fantástico
Palavras-Chave: Milagre, mistério, expedições, revelação, universo
Tradutor: Ester Cortegano
Formato: 16x23cm
Páginas: 320
Tiragem: 2000
PVP: 18,85€
Data de lançamento: 25 de Setembro
Sinopse
: Em 1912, a História, tal como a conhecemos, foi mudada pelo Milagre. De um momento para o outro o Continente Europeu desaparece misteriosamente e é substituído por uma estranha terra de monstros antediluvianos e florestas infernais conhecida por Darwinia. Para uns, o Milagre é um acto de retribuição divina; para outros, a oportunidade de formar um novo império.
Guilford Law, um rapaz de catorze anos, testemunhou o Milagre na forma de estranhas luzes no céu sobre o oceano. E anos depois abandona a América, governada por fundamentalistas religiosos, determinado a viajar para Darwinia e explorar os seus mistérios. Junta-se a uma expedição como fotógrafo que sobe o Reno e penetra finalmente nas profundezas ocultas do continente. Mas o que Guilford vai descobrir está muito para lá do que poderia imaginar. O que começa como uma aventura e se transforma numa luta pela sobrevivência, termina com a derradeira revelação do destino da Humanidade no Universo.

Sobre o autor:
Robert Charles Wilson nasceu na Califórnia e mudou-se para o Canadá, onde cresceu, com nove anos. Autor de romances aclamados como The Hidden Place, Memory Wire e The Harvest, é um dos escritores de ficção-científica mais consagrados da sua geração. O seu último romance Mysterium venceu o Philip K. Dick Award; os seus últimos quatro romances integram a lista do New York Times Notable Books.


Título: Traída
Autor: P.C. Cast e Kristin Cast
Género: Lit. Fantástica
Palavras-chave: Teenagers, Vampiros, Escola, Poderes, Amizade, Amor
Tradutor: Susana Serrão
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 332
Tiragem: 15000
PVP: 17,75 €
Data de Lançamento: 11 de Setembro

Sinopse: Zoey Redbird pertence à Casa da Noite e sabe que foi abençoada com vastos poderes pela deusa vampyra Nyx. Mas quando começa finalmente a sentir-se integrada entre os amigos e é escolhida para líder das Filhas das Trevas, o impensável acontece: a Casa da Noite é acusada das mortes misteriosas de alguns adolescentes humanos.
Mais do que nunca o perigo ronda os amigos de Zoey — e ela sabe que os poderes que a tornam única também ameaçam aqueles que ama. Quando a tragédia chega à Casa da Noite, a jovem precisará de coragem para enfrentar a traição que ameaça o seu coração, a sua alma... e o próprio mundo que a acolheu.

Sobre as autoras:
P.C. Cast nasceu em Illinois, vive em Oklahoma e lecciona Inglês na South Intermediate High School em Broken Arrow desde 1993. Os seus livros de fantasia romântica receberam numerosos prémios: Prism, Holt Medallion, Daphne du Maurier, Bookseller's Best, Affaire de Coeur Reader's Choice e o Laurel Wreath. Em 2007 iniciou a saga da Casa da Noite com a sua filha Kristin Cast como co-autora. Kristin recebeu vários prémios de poesia e jornalismo. Também vive em Oklahoma onde estuda Biologia na Northeastern State University.


Título: O Mar de Ferro
Autor: George R. R. Martin
Género: Fantasia Épica
Palavras-chave: Fantasia, épica, dragões, intriga, cortes, traição
Tradutor: Jorge Candeias
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 336
Tiragem: 6000
PVP: 18,85 €
Data de Lançamento: 11 de Setembro

Sinopse: Quando Euron Greyjoy consegue ser escolhido como rei das Ilhas de Ferro não são só as ilhas que tremem. O Olho de Corvo tem o objectivo declarado de conquistar Westeros. E o seu povo parece acreditar nele. Mas será ele capaz?
Em Porto Real, Cersei enreda-se cada vez mais nas teias da corte. Desprovida do apoio da família, e rodeada por um conselho que ela própria considera incapaz, é ainda confrontada com a presença ameaçadora de uma nova corrente militante da Fé. Como se desenvencilhará de um
tal enredo? A guerra está prestes a terminar mas as terras fluviais continuam assoladas por bandos de salteadores. Apesar da morte do Jovem Lobo, Correrrio ainda resiste ao poderio dos Lannister, e Jaime parte para conquistar o baluarte dos Tully. O mesmo Jaime que jurara solenemente a Catelyn Stark não voltar a pegar em armas contra os Tully ou os Stark. Mas todos sabem que o Regicida é um homem sem honra. Ou não será bem assim?

Sobre o autor:
GEORGE R. R. MARTIN trabalhou dez anos em Hollywood como escritor e produtor de diversas séries e filmes de grande sucesso. Autor de muitos bestsellers, foi em meados dos anos 90 que começou a sua mais famosa obra: A Guerra dos Tronos. É a saga de fantasia mais vendida dos últimos anos e os direitos de televisão acabaram de ser vendidos à HBO - a produtora de Sopranos e Sete Palmos Abaixo de Terra.


Título: A Noite do Tamarindo
Autor: António Gómez Rufo
Género: Lit. Contemporânea
Palavras-chave: Vida, Morte, Amor, Ética, Futuro, Luxo
Tradutor: Maria Teresa Martins
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 368
Tiragem: 3000
PVP: 18,90 €
Data de Lançamento: 11 de Setembro

Sinopse: Salvaria a vida do seu filho à custa da morte de outra criança?
Seria capaz de recorrer a métodos ilegais para comprar mais tempo de vida?
O amor ainda é o melhor refúgio do ser humano?
Porque é que os governos do mundo colocam questões éticas ao avanço da Ciência?
A Noite do Tamarindo dá resposta a estas e outras perguntas. Um romance apaixonante repleto de acção e com um ritmo espectacular que se desenvolve nos mais luxuosos cenários do mundo. Uma história para debater o futuro imediato, que já começou.

Sobre o autor:
Antonio Gómez Rufo (Madrid, 1954). Traduzida em alemão, holandês, búlgaro, português,
francês, russo, húngaro, grego e polaco, a obra narrativa de Gómez Rufo tem sido elogiada pela
crítica espanhola e internacional:
«Uma estupenda
novela sobre um dos personagens mais apaixonantes da história» (El País, sobre La Leyenda del falso traidor), «Romance tremendo, denso, subjugante. Uma delicia.» (revista Tiempo, sobre Los mares del miedo), «Um romance magnífico e necessário» (La
Razón, sobre Adiós a los hombres), «Um romance romântico, de perfeição absoluta» (Kapital, Bulgária, sobre a El Alma de los peces) ou «Funciona como um relógio de fábrica, (…) cada tictac soa como tem que soar» (ABC, sobre El Secreto del rey cautivo)
É também autor de outras obras como As lágrimas de Henan, Si tú supieras y Balada triste en Madrid. Com El secreto del rey cautivo obteve o Prémio de Novela Fernando Lara 2005.

Saída de Emergência lança mais um livro da colecção Teen: Alex 9 - A Guardiã da Espada de Martin S. Braun

A coleção TEEN, dirigida para jovens adultos, conta, com mais um livro, desta feita Alex 9 - A Guardiã da Espada de Martin S. Braun, com mais uma capa soberba e uma encadernação de excelente qualidade.

Título: Alex 9 - A Guardiã da Espada
Autor: Martin S. Braun
Género: Jovem Adulto / +14
Palavras-chave: Fantasia, batalhas, coragem, viagem no tempo
Formato: A5 / capa dura
Páginas: 256
Tiragem: 3000
PVP: 13,97 €
Lançamento: 11 de Setembro

A caminho da frente de batalha contra os invasores, o Príncipe Dael de Brodom descansava com a sua guarda junto às margens do um lago quando um estranho fenómeno aconteceu: uma estrela despenha se no lago, e das águas emerge uma mulher quase nua que cai inconsciente nos seus braços. Será este o sinal de que uma antiga profecia se está a realizar?
Sem saber porquê, a Tenente Coronel Alex 9, da 3ª Unidade de Comandos de Elite, é projectada
para um planeta muito parecido com a Terra, onde uma guerra entre impérios medievais
se está a travar. Aparentemente, a chegada de Alex à Segunda Terra despoletou uma miríade de consequências políticas que estão ainda longe de fazer sentido. Ao longo deste volume, repleto de batalhas com espadas e armas magnéticas, as linhas de trama começam a cruzar se e descobrimos um conflito que se prepara há séculos. Mas onde levará?

Sobre o autor:
Martin S. Braun, pseudónimo de Bruno Martins Soares, nasceu em Lisboa a 5 de Agosto de 1971. Em 1994 ganhou uma menção honrosa no Concurso Nacional de Jovens Criadores, tendo vencido a edição de 1996 do mesmo concurso. Este prémio levou-o a Turim, onde representou Portugal na Bienal de Jovens Criadores da Europa e do Mediterrâneo de 1997. O seu conto Mindsweeper» foi publicado em Contos Inéditos – Selecção dos Concursos Jovens Criadores ‘96», pelo Clube Português de Artes e Ideias em 1996, e foi traduzido e publicado em italiano pela editora Lindau. Participou ainda nas Bienais de Roma em 1999 e na de Sarajevo em 2001. Entretanto, e em colaboração com a Associação GEIC, criou uma colecção de livros de jovens autores inéditos denominada O Homem do Saco e onde publicou a sua primeira colectânea de
contos, «O Massacre», em 1996. O seu conto O Nome do Rei foi editado na colectânea A República Nunca Existiu, pela Editora Saída de Emergência.

Novidade Chá das Cinco para Setembro: novo livro de Elizabeth Chadwick nas livrarias a 11 de Setembro

Título: Sombras e Fortalezas
Autor:
Elizabeth Chadwick
Género: Romance Histórico
Palavras-chave: Artes de cavalaria, batalhas, coroa inglesa, paixão
Tradutor: Jacqueline Batista
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 464
Tiragem: 3000
PVP: 19,90 €
Data de Lançamento: 11 de Setembro
Pontos fortes:
Romancista literária mais vendida em Inglaterra; Forte aposta de marketing
Sinopse:
Inglaterra, 1148. Brunin é um rapaz de dez anos marginalizado pela própria família. Uma criança reservada, é atormentado pelos irmãos e desprezado pela avó autoritária. Numa tentativa de torná-lo um herdeiro de quem se orgulhe, o pai envia-o para a casa de Joscelin, Senhor de
Ludlow, onde Brunin irá aprender as artes da cavalaria. Mas, antes que o consiga, terá que ultrapassar a insegurança e as dúvidas que sente sobre si próprio.
Hawise, a filha mais nova de Joscelin, cedo forma uma forte amizade com Brunin. As alianças de família forçam o seu pai, com o jovem como seu pajem, a auxiliar o Príncipe Henrique na sua batalha pela coroa inglesa. Entretanto, o próprio Senhor de Ludlow é ameaçado pelo seu
rival, Gilbert de Lacy. Enquanto prossegue a luta pela coroa e o rival se prepara para atacar, Brunin e Hawise cedem à paixão.
É então que as propriedades da sua família são atacadas e Brunin tem de mostrar o que aprendeu. Mas estará a jovem Hawise do seu lado, num mundo onde os poderosos raramente respeitam os ideais de cavalaria? Brunin terá que enfrentar o futuro com coragem… ou perder tudo.
“Uma das qualidades fortes de Elizabeth Chadwick é a sua profunda atenção ao detalhe histórico… as suas personagens são fascinantes, e a história é intrigante e de grande entretenimento.”
— BARBARA ERSKINE

Sobre a autora:
ELIZABETH CHADWICK vive em Nottingham com o marido e dois filhos. É membro da Regia Anglorum, uma sociedade de recriação medieval, que se dedica à reconstituição rigorosa do passado. Dá aulas de escrita de ficção romântica e histórica. Venceu o Prémio Betty Trask com o seu primeiro romance, Wild Hunt. Em 1998, foi nomeada para o Prémio de Romancistas Românticos pelo romance The Champion, em 2001 venceu com White Castle, em 2002 com The Winter Mantle e em 2003 com The Falcons of Montabard.

Mill books lança Os Senhoras da vida e da morte de Carlos Almeida

Título: Os Senhores da Vida e da Morte
Autor: Carlos Almeida
Género: Literatura Portuguesa
N.º de Páginas: 234
PVP: € 14.49

Este livro está dividido em duas partes, a dos senhores da morte e a dos senhores da vida. Duas partes que nos levam a mundos diversos, em diversos locais do planeta, com o intuito de definir esta fronteira tão curta como complexa entre a vida e a morte, entre o que nos separa e o que nos aproxima. Será a morte para quem sofre uma salvação à dor? Será a vida apenas uma etapa, uma viagem de conhecimento humano? Nesta história ainda o conflito da igreja com o racional, o confronto entre o que é a teórica salvação e o que é o sentimento real do humano que se vê perante o seu fim. A eutanásia é um tema sempre presente nas consciências humanas. Até onde vai a fronteira entre o ético e o lógico? Onde está a fronteira entre a lei e a consciência? Até onde podemos ter o direito de manter na vida alguém que afinal está morto, mas apenas tem um corpo vivo? Este livro é um livro de vida, chocando com vários tipos de pensamento socio-religiosos. É um livro para reflectir, pensar e mesmo confrontar. É um livro onde todos estamos ligados.

Romance O Filho Eterno publicado pela Gradiva vence prémio

Título: O Filho Eterno
Autor: Cristóvão Tezza
Editora: Gradiva
PVP: 14 €
Nº de páginas: 240
Ano de Edição: 2008

O romance foi considerado o melhor de língua portuguesa publicado entre 2007 e 2009

O romance O Filho Eterno do escritor Cristóvão Tezza publicado pela Gradiva, venceu o 6.º Prémio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura da 13ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo.

O livro foi considerado o melhor romance de língua portuguesa publicado entre Junho de 2007 e Maio de 2009. Este romance de Cristovão Tezza já tinha sido galardoado com o Prémio Portugal Telecom, o Prémio São Paulo de Literatura e o Prémio Jabuti. O autor receberá 100 mil Reais.

Os romances A Viagem do Elefante de José Saramago e O Vento Assobiando nas Gruas de Lídia Jorge, encontravam-se entre os 10 finalistas desta edição do prémio Zaffari & Bourbon de Literatura, atribuído pela Universidade de Passo Fundo, no Brasil.

Para Cristóvão Tezza, a vitória foi uma surpresa:

"Estou muito, mas muito feliz. Como sou muito realista, não esperava vencer mais um prémio, achei que era contra a lei das probabilidades, meio inverosímil. Mas estou muito feliz em vencer o prémio desta Jornada, que é um projecto que incentiva a literatura, envolve estudantes e toda a cidade. Finalmente vou conhecer Passo Fundo, estarei lá na abertura da Jornada no dia 26 de Outubro."

O romance O Fillho Eterno é baseado em factos da vida do autor. A narrativa começa nos anos 80 com um aspirante a escritor com ideais libertários que não aceita o facto de seu filho ter nascido com síndrome de Down. Inicialmente rejeita e menospreza a criança chegando a desejar a sua morte. O protagonista vai trabalhar como professor universitário e carrega a amargura pela síndrome do filho, mas pouco a pouco, a relação entre ambos transforma-se.

Mia Couto foi galardoado, em 2007, com este prémio, com o livro O Outro Pé da Sereia.

O Prémio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura pretende distinguir o autor do melhor romance publicado em língua portuguesa entre Junho de 2007 e Maio de 2009.

A Villa - Nora Roberts [Opinião]

Título: A Villa
Autor: Nora Roberts
Chancela: Chá das Cinco / 2009
Formato: Capa mole
Dimensões: 16 x 23
Núm. páginas: 416
Géneros: Literatura Romântica
Preço: 18.85€

Sinopse:
Sophia é a herdeira do negócio de vinhos da próspera família Giambelli. Sob ordens da sua avó, ela tem de aprender todas as etapas da produção de vinho. O seu tutor, Tyler MacMillan, é um jovem atraente com uma grande paixão pelas vinhas, mas apenas desprezo pelo mundo de negócios. À partida, esta promete ser uma parceria difícil, mas quando a reputação dos vinhos Giambelli começa a ser misteriosamente atacada, a difícil relação transforma-se num inesperado romance. Infelizmente alguém ambiciona destruir mais do que o negócio de vinhos. Mas só quando o pai de Sophia é morto e os membros da família se tornam suspeitos, é que a verdadeira dimensão da ameaça é revelada. Será que a própria família Giambelli está em risco? E o que pode um frágil amor perante tamanha teia de manipulação? O talento de Nora Roberts melhora com a idade – tal como um bom vinho – e poderá ser devidamente apreciado nesta história de amor e intriga, sobre a luta de uma família para encontrar a paz.

A minha opiniãoDevo dizer que este último livro de Nora Roberts, editado pelas Edições Chá das Cinco, me surpreendeu pela positiva. Além dos habituais romances, que terminam quase sempre bem, Nora Roberts brinda-nos com um caso de triplo homicídio. Primeiro de Tony Avano, pai de Sophia, a protagonista, com um tiro na cabeça no apartamento desta; depois de Margaret, empregada da empresa Giambelli e de um empregado reformado da empresa Baptista. A busca pelo assassino faz com que a polícia levante suspeitas de todos os membros da família Giambelli, ao mesmo tempo que as mortes de Margareth e Sebastian trazem graves consequências à venda dos vinhos já que ambos morreram, vítimas de envenenamento ao beber uma garrafa de vinho da marca italiana. Entretanto, David, contratado por Teresa para analisar a contabilidade da empresa descobre vários desfalques, primeiro de Tony e depois de Don, o que leva à descoberta do assassínio de duas das vítimas.
Como já vem sendo habitual os pares amorosos surgem, com David e Pilar e Sophia e Tye, mesmo ao jeito romântico de Nora Roberts, que nos dá uma lição sobre as vinhas, e como se produz um bom vinho. Um livro interessante e que recomendo, não só aos amantes da escritora como aos fãs de uma bom policial.