quinta-feira, 1 de julho de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Planeta: O policial anglo-saxónico está de volta. E Alan Bradley já foi 5 vezes premiado.

Título: Flavia de Luce e o Mistério no Bosque de Gibbet
Autor:
Alan Bradley

N.º de Páginas: 320 Páginas
PVP: 18,70 €
Tradução: Maria José Figueiredo

A Talentosa Flavia de Luce, obra de estreia de Alan Bradley, publicado em Portugal em 2009, acaba de receber mais uma distinção: o Prémio Arthur Ellis 2010 (na categoria Primeiro Romance), menos de um mês depois de ter conquistado o júri do Agatha Award, um importante galardão literário que distingue escritores de romance policial ao estilo de Agatha Christie (sem conteúdos explícitos de sexo nem cenas excessivas ou gratuitas de violência).
No total, são já cinco os prémios alcançados por Alan Bradley com esta carismática personagem.
«O início de A Talentosa Flavia de Luce é tão viciante que tive de interromper a leitura de A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo para o poder terminar.» Paul Ingram
«Brilhante, irresistível e incorrigível, Flavia tem um longo futuro pela frente. O romance de estreia de Alan Bradley é fabuloso.» Kirkus Review


Flavia tem apenas 11 anos, um feitio muito especial e um invulgar talento para fórmulas químicas, em especial no que toca a venenos. Desengane-se, porém, quem pensa que se as suas histórias se destinam a um público juvenil. Dona de uma inteligência invulgar e de uma surpreendente capacidade de investigação, Flavia nada fica a dever aos famosos Sherlock Holmes ou Hercule Poirot.
Depois de resolver o estranho homicídio que teve lugar no campo de pepinos próximo da sua casa, que partilha com o pai e as suas duas irmãs, Flavia concentra-se agora em resolver o mistério no Bosque de Gibbet.
Quando um grupo de artistas com marionetes estaciona na aldeia de Flavia, nada faz prever que a morte espreita atrás do pequeno palco mas a verdade é que, durante o espectáculo, um dos homens por detrás dos fantoches é assassinado. Atenta e muito perspicaz, Flavia percebe de imediato que há coisas que não batem certo e rapidamente começa a tentar desvendar o mistério.
Pelo meio, tal como no livro anterior, espaço para o humor, a fantasia e o inusitado. E tudo isto na companhia de um conjunto de personagens verdadeiramente apaixonantes: o carismático homem das marionetes, a esposa do vigário, a excêntrica tia e as irmãs malvadas da Flavia, o cozinheiro coscuvilheiro…


Publicado em mais de 27 países, o primeiro livro de Flavia entrou na lista dos livros mais vendidos da Amazon em 2009. Bestseller do New York Times, A Talentosa Flavia de Luce foi entretanto distinguido com o do Debbut Dagger Award, o Spotted Owl Award, o Dilys Award 2009, o Arthur Ellis e o Agatha Award.

Sobre Flavia de Luce
«Se existe um detective apaixonante, brilhante e, sim, adorável, é Flavia de Luce.» USA Today «Impressionante enquanto detective e encantadora como cientista louca, Flavia é ainda mais interessante como menina que aprendeu a divertir-se sozinha na solidão da sua casa.» New York Times Book Review
«Um romance encantador e um policial que será, certamente, um dos mais falados do ano.» Chicago Sun-Times
«A precoce Flavia é única.» Library Journal
«Uma estreia divertida.» Publishers Weekly
«Um enredo bem conseguido, envolvendo filatelia, ornitologia e premonições, e um elenco maravilhoso fazem da obra de estreia de Bradley um livro deliciosamnente divertido.» The Guardian
«Realmente original, Flavia é muito bem-vinda ao universo dos romances policiais.» The Boston Globe
«Um policial delicioso.» People Magazine

Sobre Alan Bradley
Alan Bradley nasceu em Toronto, e cresceu em Cobourg, Ontário. Formou-se em Engenharia Electrónica e trabalhou em várias estações de rádio e televisão, em Ontário, e no Instituto Politécnico de Ryerson (agora Ryerson University), em Toronto, antes de se tornar director de Engenharia de Televisão. Decidiu entretanto dedicar-se à escrita e publicou vários livros infantis antes se aventurar a escrever, A Talentosa Flavia de Luce, para adultos, que se tornou de imediato um fenómeno editorial no mundo inteiro.


Novidades Bertrand para Julho













Diapositivo 5
A Senhora dos Açores Romana Petri, Finalista Prémio Strega 1998, Prémio Rapallo, Prémio Mondello, Prémio Grinzane Cavour 2002 e Prémio Chiara, tem na Bertrand uma nova edição de um dos seus livros mais aclamados pela crítica: A Senhora dos Açores.


Diapositivo 2

Salazar António Paço, o autor da biografia de Francisco Louçã regressa com um retrato da vida e obra de uma das figuras mais discutidas da História recente de Portugal, Estadista António de Oliveira Salazar.


Diapositivo 2
Órix e Crex Uma distopia inquietante, à maneira de Huxley e Orwell, com toda a agudeza de espírito e o humor negro da Finalista do Booker Prize e do Orange Prize, Margaret Atwood.
Diapositivo 4




A Lenda do Cisne Jules Watson apresenta-nos um romance profundo e mágico, no qual o leitor mergulha num mundo de druidas, reis irlandeses e heróis lendários.



Diapositivo 3
Fragmentos de Uma Exposição Um dos maiores êxitos comerciais e literários de 2009, eleito a melhor leitura do ano em Inglaterra chega em Julho às livrarias portuguesas.

Os crimes do Número Primo Crime, mistério, vingança são alguns dos ingredientes deste thriller negro de Reyes Canderón que promete arrepiar até o leitor mais céptico…
Diapositivo 2


Comprometida Elizabeth Gilbert, a autora do sucesso mundial Comer, Orar, Amar, retoma as suas memórias numa história romântica, divertida e refrescante.

As Ciências Contadas à Minha Neta Sem fórmulas ou jargões técnicos, uma conversa entre avô e neta resulta numa visita guiada pela história das ciências naturais, percorrendo o mundo da Física e da Química, de forma simples e divertida.



Passo a Passo com a Cabala Um livro inspirador que, passo a passo com os ensinamentos da Cabala, ajuda o leitor a posicionar-se para o sucesso e a viver em plenitude a sua espiritualidade.

O Romance da Bíblia - Deana Barroqueiro [Opinião]

Título: O Romance da Bíblia
Autor: Deana Barroqueiro
Editora: Ésquilo
Páginas: 352

Formato: 16x23 cm
«O Romance da Bíblia possui o riso que acontece debaixo da palma da mão entreaberta sobre a boca, mas igualmente o desfrute do gozo, ambiguamente trocado, tomado, pelo gosto do outro, no tactear da língua. Um livro de memórias ancestrais, que nos mostra o despertar da mortal e venenosa serpente das seitas religiosas, do obscurantismo, do sexismo com a sua rancorosa face. Mas, O Romance da Bíblia é ainda a beleza traba­lhada, cinzelada, com um bom gosto literário inusitado, eu diria mesmo raro, na ficção portuguesa. (…)

O livro de Deana Barroqueiro traz consigo a visão da mulher. Lúcido olhar, que ao longo dos séculos tem faltado à visitação deste universo da Bíblia: Velho Testamento moralista, repleto de anciãos preguiçosos, libidinosos e lascivos, de brutamontes ignorantes e violadores, convocados por um Deus irado frente à própria incompetência e à própria ima­gem, segundo a qual teria criado o homem, de quem afinal não gosta e castiga. E é precisamente no enredamento deste dilema, que se abrem as páginas do primeiro dos dezanove textos que, fragmentariamente, irão formar um todo literário uno: falando de Noé e de Jacob, de Isaac e de Sansão, de Asmodeu e dos circuncisos, de Labão e de Abraão, arrancando-os do seu pedestal de heróis divinos, com uma habilidosa cruel­­dade implacável.» - Maria Teresa Horta Crítica Literária

A minha opinião:
-->
Para Deana Barroqueiro este foi o livro que lhe deu mais gozo escrever. E agora percebo porquê. Posso dizer que “O Romance da Bíblia” também me deu um grande prazer de leitura, ficando com sede de ler ainda mais.
Não sou feminista, mas penso que, ao longo dos séculos, o papel da mulher foi sempre menosprezado, ocupando sempre lugar de pouco destaque na história e na vida dos homens. N’ “O Romance da Bíblia”, um livro que resultou da junção de duas das suas obras preferidas “Os contos eróticos do Velho Testamento” e os “Novos contos eróticos do Velho Testamento”, Deana Barroqueiro dá voz às mulheres injustiçadas, menosprezadas e quase invisíveis do Novo Testamento. Aqui as mulheres ganham outro protagonismo, quer seja pela sua beleza, ou pela sua inteligência.
Exemplo disso, realçado num dos primeiros contos deste livro, foi o tratamento que Abraão deu à sua mulher Sarai e que mais me impressionou. Com medo do Faraó, Abraão diz que é irmão de Sarai, mulher muito bela, que logo atraiu os egípcios. Como tal, o faraó mandou chamá-la para ser uma das suas concubinas e Abraão nada fez para o impedir.

Excertos:
“Sarai fora o valor entregue por Abraão em troca da sua tão preciosa segurança. E quanto a ela? Que preço pagara Sarai apenas por ter nascido mulher? Um custo muito alto em submissão, falsidade e humilhações.”
“Se quiseres conservar a tua boa fortuna, evita aproximar-te das mulheres da casa. As fêmeas têm provocado, desde o princípio do mundo, a ruína dos homens…”
Podem ver um excerto da obra aqui
Entrevista
por Teresa Horta a Deana Barroqueiro, no Diário de Notícias aqui
quarta-feira, 30 de junho de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Porto Editora lança "As nove plantas do desejo": Julia Roberts vai protagonizar filme

Título: As nove plantas do desejo
Autor: Margot Berwin
Tradução: Inês Rebelo
N.º de Págs.: 272
Capa: mole
PVP: 16,50 €

A 8 de Julho a Porto Editora publica As nove plantas do desejo, de Margot Berwin. Esta obra, que de acordo com a revista Elle é «uma leitura de Verão quente e psicadélica», vai ser adaptada ao cinema no próximo ano. Julia Roberts vai ser produtora e protagonista.
O livro, que ameaça tornar-se um grande sucesso aquando da transposição para filme, segue a linha narrativa dos romances destinados ao público feminino, mas apresenta ainda um cariz simultaneamente exótico e cosmopolita no que respeita ao enredo. E esse terá sido, por certo, um dos factores que levou a estrela de Hollywood Julia Roberts a querer adaptar a história, produzindo-a e protagonizando-a.
Nesta altura, os direitos de As nove plantas do desejo estão vendidos para quinze países.

O enredo:
Pouco depois do divórcio, a publicitária Lila Nova compra a sua primeira planta.
Trata-se de uma exuberante estrelícia e o vendedor é David Exley, um agrossexual rude, que promete fazê-la ver estrelas. Lila fica imediatamente obcecada – pelas plantas e pelo homem que as vende – mas, quando David a inicia no mito das nove plantas do desejo e depois de ela conhecer um homem chamado Armand que diz possuí-las todas, a sua obsessão alcança dimensões inesperadas.
Porque, segundo a lenda, se ela encontrar todas as plantas, verá cada um dos seus desejos mais profundos realizado.
Mas Lila confia em quem não deve e, em breve, ver-se-á envolvida numa aventura inesperada: no coração do Iucatão, sozinha, com uma mochila carregada de guias turísticos e um champô demasiado caro, acabará por desvendar os mistérios da selva – e da sua própria vida.

Sobre a autora:
Margot Berwin obteve o grau de Mestre em Belas Artes pela New School em 2005. As suas histórias foram publicadas em Nerve.com, no New York Press e na antologia The Future of Misbehaviour. Trabalhou durante muitos anos na área da publicidade e mora na cidade de Nova Iorque.
terça-feira, 29 de junho de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Depois de O Projecto Janus, de Philip Kerr, a Porto Editora publica Fetiche de Tara Moss

Título: Fetiche
Autor: Tara Moss
Tradução: Mário Dias Correia
Colecção: ALTA TENSÃO
N.º de Págs.: 320
Capa: mole
PVP: 16,50 €

O segundo livro da colecção Alta Tensão está disponível a partir de 8 de Julho e dá a conhecer aos leitores portugueses uma autora que se tem vindo a tornar uma referência do género policial.
No âmbito da literatura policial australiana, Tara Moss é hoje a escritora de maior sucesso - meio milhão de livros vendidos comprovam-no. Na Europa, as editoras, muitas delas prestigiadíssimas na publicação de policiais, não estavam desatentas e lutaram arduamente pelos direitos editoriais da autora. Em Espanha, no último ano, atingiu enorme sucesso e isso começa a acontecer um pouco por todo o mundo, uma vez que Tara Moss está já traduzida em mais de vinte línguas, em
dezassete países.
Depois de Philip Kerr e Tara Moss, vão ser publicados na colecção Alta Tensão autores como Ian Rankin, Fred Vargas, Michael Connely e Arnaldur Indridason.

O enredo
Makedde Vanderwall é estudante de Psicologia Forense e, nas horas vagas, modelo internacional.
Contactada pela agência para realizar alguns trabalhos de moda e relançar a sua carreira, viaja até Sydney, aproveitando a oportunidade para visitar a sua melhor amiga, Catherine Gerber. Mas as passarelas e as intrigas do mundo da moda depressa perdem importância quando Mak tropeça literalmente no corpo mutilado da amiga. Catherine é a mais recente vítima do «assassino dos stilettos», um homicida cruel que sequestra as suas presas e as tortura, para em seguida as matar.
Incapaz de se afastar da investigação,Mak ver-se-á enredada num mortífero jogo do gato e do rato, longe de saber que ela própria se tornou na obsessão de um sádico psicopata...

Sobre a autora:
Depois de triunfar como top model internacional, Tara Moss tornou-se numa das escritoras australianas de maior sucesso. Licenciada em Jornalismo em 1997, venceria o Scarlet Stiletto Young Writer’s Award no ano seguinte com o conto Psycho Magnet. Desde então os seus
romances receberam prestigiosos prémios na Austrália e encontram-se traduzidos em 17 países. A pesquisa minuciosa que realiza para cada um dos seus livros já a levou a visitar a Academia do FBI, em Quantico, a conviver com brigadas da polícia e a tirar a licença de detective privado. Em 2007, foi nomeada Embaixadora da Boa Críticas Vontade pela UNICEF.

A Agatha Christie de saltos altos.
El Mundo
Tara Moss marca a chegada de uma nova voz feminina para os leitores de romances policiais.
Publishers Weekly
Moss é meticulosa a descrever os procedimentos de investigação, granjeando muitos elogios pela autenticidade dos seus policiais... Ela é bem capaz de se tornar numa das autoras mais bemsucedidas no género.
World Literature Today
Cheio de intriga e suspense. Os apreciadores do género irão adorar.
Melbourne Weekly
Não se contentando em ter as feições de uma deusa, Tara Moss é inteligente, divertida e sabe
escrever.
The Australian

Presença publica novo livro de Yann Martel: "Beatriz e Virgílio"

Beatriz e Virgílio, o novo e polémico livro de Yann Martel será publicado a 6 de Julho com a chancela da Presença.

Autor do bestseller A Vida de Pi, Martel é um dos mais surpreendentes escritores canadianos da actualidade, a quem foi já atribuído o Man Booker Prize 2002.

A obra - Beatriz e Virgílio – encontra-se em pré-venda no site da Presença aqui:

Título: Beatriz e Virgílio
Autor: Yann Martel
Título Original: Beatrice and Virgil
Tradução: Fátima Andrade
Páginas: 176
Colecção: Grandes Narrativas N.º 472
PVP: 13,50€
Data de Publicação: 6 Julho 2010

Uma sofisticada fábula de humanos, animais e violência. Yann Martel, consagrado vencedor do prémio Man Booker Prize 2002 atribuído ao bestseller A Vida de Pi, publica novo romance: Beatriz e Virgílio. O primeiro trabalho de ficção de Martel desde A Vida de Pi é uma pequena alegoria sobre um burro e um macaco falantes que empreendem juntos uma viagem épica. Segundo o USA Today «Beatriz e Virgílio, o novo livro de Yann Martel é negro mas divinal. Este romance pode vir a ser a obra-prima sobre o Holocausto.» Em Beatriz e Virgílio, Henry, um escritor reconhecido, decide escrever um livro que é meio ficção e meio ensaio. Porém é completamente desencorajado pelos seus editores e desiste do projecto, indo viver para outra cidade com a mulher. Aí, contudo, continua a receber cartas de leitores. Um dia dentro de um sobrescrito encontra uma cópia de um conto de Flaubert, um enigmático excerto de diálogo entre dois personagens e um pedido de ajuda. Nascido em Espanha, em 1963, mas naturalizado canadiano, o Booker Prize vendeu mais de três milhões de cópias nos Estados Unidos, e viu A Vida de Pi ser pu
blicada em 41 países e figurar como bestseller do New York Times por mais de um ano. A Vida de Pi foi o primeiro livro de Yann Martel a ser editado em Portugal pela Difel, em 2003. A partir de 2010, a Presença torna-se detentora dos direitos para publicação de Beatriz e Virgílio e A Vida de Pi.

Yann Martel estudou Filosofia na Universidade de Trent, viajou muito e trabalhou em empregos de recurso, antes de começar a escrever.

Presença comemora os 110 anos de Saint-Exupery coloacando algumas das suas obras com desconto

Se fosse vivo, Antoine de Saint-Exupéry completaria hoje 110 anos.

Para comemorar a efeméride, a Editorial Presença faz um desconto de 50%, promovido no site www.presenca.pt, relativo aos seguintes títulos: - O Principezinho - O Principezinho Segundo a Obra de Antoine de Saint-Exupéry - Cidadela

Nota: Esta promoção é válida apenas durante o dia de hoje (29/06/10), até às 23h59.

«As coisas mais importantes são muitas vezes invisíveis para os olhos – só com o coração é que podemos vê-las!» Antoine de Saint Exupéry in O Principezinho



Novidades Civilização para Julho

Título: Os Flamingos Perdidos de Bombaim
Autor: Siddharth D. Shanghvi
Título Original: The Lost Flamingoes of Bombay
Tradução: Maria João Freire de Andrade
N.º de Páginas: 416
Família: Literatura
Sub-família: Romance
Colecção: Literatura
PVP: 18,50 €

Sinopse:
Uma descrição apuradíssima da sociedade urbana contemporânea e da sua obsessão indecorosa com a celebridade e o sensacionalismo; é também uma história comovente acerca das traições do amor e do poder redentor da amizade.
Karan Seth, um conceituado fotógrafo do The India Chronicle, está em Bombaim numa missão privada: imortalizar a cidade num registo fotográfico único dos seus rostos ocultos. Em busca do seu sonho ambicioso, Karan encontra aliados improváveis: Samar Arora, o pianista excêntrico que inexplicavelmente recusou as luzes da ribalta no auge da
sua carreira, Zaira, cuja tímida elegância contrasta com o seu estatuto de estrela deslumbrante do cinema de Bombaim, e Rhea Dalal, cuja melancolia sedutora, nascida dos sonhos por realizar e de um casamento sem filhos, atrai Karan para uma relação terna mas complexa. A tragédia surge então, inesperada e horrenda, destruindo a vida destas quatro pessoas. Segue-se um sombrio julgamento por homicídio, que revela outras realidades desta vibrante e pulsante cidade, e Karan é exposto a um mundo de sexo, crime e interesses políticos.

Sobre o autor:
Siddharth Dhanvant Shanghvi nasceu em 1977 em Bombaim (Mumbai), Índia, onde vive actualmente. O seu bestseller, Melodia ao Anoitecer, venceu o Betty Trask Award (Reino Unido), o Premio Grinzane Cavour (Itália) e foi nomeado para o International IMPAC Dublin Literary Award. Os Flamingos Perdidos de Bombaim, o seu segundo romance, foi finalista do Man Asian Literary Prize.

Imprensa Internacional:
“Siddharth Dhanvant Shanghvi é um autor original, um grande contador de histórias […]
Os Flamingos Perdidos de Bombaim é um Triunfo.”
AMY TAN, AUTORA DE O CLUBE DA SORTE E DA ALEGRIA

Título: Conflitos
Autor: Sadie Jones
Título Original: Small Wars
Tradução: Maria João Freire de Andrade
N.º de Páginas: 344
Família: Literatura
Sub-família: Romance
Colecção: Literatura
PVP: 16,90 €

Sinopse:
Hal Treherne é um jovem e dedicado major do exército britânico no início de uma carreira brilhante. Quando Hal é transferido para a colónia britânica de Chipre, a sua mulher, Clara, e as duas filhas pequenas vão com ele. Hal é apanhado na batalha para defender a ilha dos Cipriotas que lutam pela enose, a união com a Grécia. Liderando os seus homens em escaramuças duras e sangrentas, Hal perde a confiança e o orgulho que o guiavam. Traumatizado pela brutalidade que testemunha e vendo frustradas as suas tentativas para fazer o que está certo, Hal está bem treinado mas mal preparado para uma batalha moral.
Clara, uma mulher habituada à vida do exército, partilha o seu sentido de dever, mas, enquanto luta para confiar nos seus instintos maternais e resistir à ansiedade que a invade devido às constantes ausências de Hal, começa a temer o seu marido cada vez mais distante. Quando mais precisa dele, Clara vai descobrir que o seu marido, outrora amoroso, é um homem diferente – uma traição que é apenas uma parte da chocante crise pessoal que se avizinha.
A laureada autora do bestseller Afastado regressa com um retrato emocionalmente poderoso de um casamento à beira da ruptura e questiona o mundo da época. Sadie Jones criou um retrato apaixonado, angustiante e que revela uma pesquisa brilhante, de uma “pequena guerra” com consequências devastadoras; e, ao fazê-lo, levanta questões que ecoam profundamente nos dias de hoje.

Sobre a autora:
Sadie Jones cresceu num meio artístico: o pai é o poeta e guionista jamaicano Evan Jones e a mãe era actriz. Enquanto os amigos ingressaram na universidade, Sadie teve vários empregos. Após ter viajado, instalou-se em Londres e dedicou-se à escrita de guiões durante vários anos, antes de se lançar como romancista.
O seu primeiro romance Afastado, já editado pela Civilização Editora, foi publicado em 2008 e altamente aclamado: venceu o Costa First Novel Award, também foi nomeado para o Orange Prize e foi bestseller de Richard and Judy Summer Reads. Sadie é casada e tem dois filhos.

Imprensa Internacional:
Uma narrativa extremamente tensa onde abundam as emoções reais conferidas por umcasamento à beira do abismo e por lealdades postas à prova e quebradas. É a mistura
perfeita de comovente e lancinante.
Publishers Weekly
Das grandes guerras às pequenas, da certeza à dúvida, do romance à resignação –
Jones mostra surpreendentes reservas de energia e subtileza.
Washington Post
Conflitos é uma narrativa cativante de desintegração emocional… Um romance bem
estruturado com integridade moral e literária.
Sunday Telegraph Books
Comovente e irresistível.
Marie Claire
Jones revela com grande honestidade e frontalidade os dilemas da guerra e as suas
consequências, que continuam dolorosamente vivas na actualidade.
The Guardian
Um romance excitante… um filme à espera de acontecer
The Independent

Título: Confia em Mim
Autor: Jeff Abbott
Título Original: Trust Me
Tradução: M. Helena Serrano
N.º de Páginas: 552
Família: Literatura
Sub-família: Policial
Colecção: Literatura
PVP: 19,90 €

Sinopse:
Jeff Abbott está de volta com Confia em Mim.
Luke Dantry perdeu tragicamente os pais quando era adolescente; o pai foi morto por um mecânico enlouquecido, a mãe morreu num terrível acidente. Criado pelo padrasto, Luke
trabalha agora com ele na sua pesquisa, vigiando grupos extremistas na Internet. No entanto, no aparentemente inofensivo mundo da Internet residem perigos incalculáveis. E,
subitamente, Luke experimenta-os, em toda a sua força, quando é ameaçado com uma arma e raptado no parque de estacionamento de um aeroporto.
Sendo um homem normal, que sempre levou uma vida pacata, Luke não faz ideia por que razão se tornou um alvo. Apenas sabe que tem de escapar, de alguma forma. Mas para isso tem de aprender a não confiar em nada nem ninguém, e a derrotar um inimigo mais poderoso do que alguma vez imaginara – um inimigo que sabe mais do que ele próprio acerca do verdadeiro destino dos seus pais.

Sobre o autor:
Jeff Abbott foi nomeado para três Edgar Awards e também para dois Anthony Awards.
Escreveu onze livros, incluindo “Pânico”, “Medo”, “Colisão” já publicados em Portugal pela
Civilização Editora.
É casado e vive com a família em Austin, no Texas.
Para mais informações visite o site do autor: www.jeffabbott.com

Imprensa Internacional:
“Abbott tem a capacidade inata de gerar adrenalina a partir de palavras escritas numa página.”
PUBLISHERS WEEKLY
“Jeff Abbott escreve clássicos de suspense”
LEE CHILD
segunda-feira, 28 de junho de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Alan Bradley distinguido 5 vezes pela sua carismática Flavia de Luce

A Talentosa Flavia de Luce, obra de estreia de Alan Bradley, publicada em Portugal em 2009, acaba de receber mais uma distinção: o Prémio Arthur Ellis 2010 (na categoria de Primeiro Romance), menos de um mês depois de ter conquistado o júri do Agatha Award, um importante galardão literário que distingue escritores de romance policial ao estilo de Agatha Christie (sem conteúdos explícitos de sexo nem cenas excessivas ou gratuitas de violência). No total, são já cinco os prémios alcançados por Alan Bradley com esta carismática personagem.

«Brilhante, irresistível e incorrigível, Flavia tem um longo futuro pela frente. O romance de estreia de Alan Bradley é fabuloso.» Kirkus Review

http://flaviafanclub.ning.com/

Novidades Esfera dos Livros

Título: Eu, Maria Pia
Autor: Diana de Cadaval
Colecção: Romance
N.º de páginas: 208 + 16 extratextos
PVP: 21 €

Sinopse: Chegou a minha vez de morrer. Como último desejo peço que me virem na direcção de Portugal, o país que me encheu de alegria o coração de menina e me tirou tudo o que de mais sagrado tinha quando mulher. Olhando para trás, reconheço que a minha vida foi marcada pela tragédia. Vi partir uma mãe cedo de mais, morria de doença e de desgosto por um marido que a traía publicamente. Não me consegui despedir do meu pai, enterrei um marido que, com palavras doces e promessas vãs conquistou o meu ingénuo coração e no final me humilhou com as suas traições, um filho em quem depositava todas as esperanças, um neto adorado, e, por fim, a minha querida Clotilde, irmã de sangue e confidente. Claro que também tive momentos de felicidade. Quando sonhava acordada com Clotilde, deitadas nos jardins do Palácio de Stupigini, com príncipes e casamentos perfeitos, quando cheguei a Lisboa e o povo gritava o meu nome, quando viajava por essa Europa fora de braço dado com Luís, quando brincava no paço com os meus filhos ou quando estendia as mãos para ajudar os mais necessitados, abrindo creches e asilos. Mas mesmo nestas alturas havia quem me apontasse o dedo. Maria Pia a gastadora, a esbanjadora do erário público. A que dava festas majestáticas no paço, a que ia a Paris comprar os tecidos mais caros e as jóias mais exuberantes. Não percebiam eles que assim preenchia o vazio que, aos poucos, se ia instalando no meu coração. Diana de Cadaval traz-nos um retrato impressionante de D. Maria Pia, rainha de Portugal. Num romance escrito na primeira pessoa, ficamos a conhecer a trágica vida de uma princesa italiana feita rainha com apenas catorze anos.
Recebida em clima de grande euforia, Maria Pia foi, 48 anos depois, expulsa de um país a quem dedicou toda a sua vida. Morria pouco tempo depois, demente, longe dos seus tempos de fausto e opulência, mas com a secreta esperança de que a morte lhe trouxesse a tranquilidade há tanto desejada.

Título: João Paulo II Santo
Autores: Saverio Gaeta e Slawomir Oder
Colecção: Religião
N.º de páginas: 216
PVP: 16 €

Sinopse: Um dia, uma das irmãs de serviço no apartamento pontifício viu João Paulo II cansado e disse-lhe estar «preocupada com Sua Santidade», Karol Wojtyla respondeu sorridente: «Também eu estou preocupado com a minha santidade». Sem razão. Em 2005 o Papa Bento XVI abriu o processo de beatificação de João Paulo II, dispensando os habituais cinco anos regulamentares, e entregou a Slawomir Oder a tarefa de dirigir um trabalho rigoroso e objectivo de investigação e recolha meticulosa de testemunhos, provas concretas, pequenas histórias e episódios que provassem a santidade de Karol Wojtyla. Neste livro, o monsenhor Slawomir Oder, com a ajuda do jornalista Saverio Gaeta, narra detalhes inéditos da vida pessoal do primeiro Papa polaco, nomeadamente que se flagelava em segredo com um cinto ou que dormia despido no chão como acto de penitência, e apresenta documentos inéditos, como uma carta de renúncia escrita em 1989 por João Paulo II caso ficasse completamente incapacitado. Ao longo destas páginas ficamos a conhecer um protagonista da História do século XX, mas também, e sobretudo, um crente capaz de viver no próprio corpo a mensagem evangélica. Um acérrimo devoto de Maria, capaz de perdoar e reconhecer a grandeza do próximo, como atesta a carta inédita a Ali Agca, o homem que o tentou assassinar em 1981.

Título: À Noite Sonhei que Tinha Peito
Autor: Mariela Michelena
Colecção: Fora de Colecção
N.º de páginas: 208
PVP: 17€

Sinopse: «Ontem à noite descobri um pequeno caroço num peito. Um caroço indiscutível que não conheço. Toco-o e ele move-se acompanhando o ritmo dos meus dedos mas, por mais que lhe mexa, não desaparece. Continuo a ter um pequeno caroço. Tenho um pequeno caroço? Como é possível que estes peitos tão pequenos, que nunca serviram nem para seduzir nem para amamentar, tenham um caroço?»
É assim que se inicia um relato emocionante na primeira pessoa de uma mulher com cancro da mama. De um dia para o outro Mariela Michelena, uma psicanalista dinâmica, sonhadora, no auge da sua vida pessoal e profissional, vê a vida fugir-lhe por entre os dedos. Ao longo de quase um ano de tratamentos acompanhamos a vida desta mulher. As suas dúvidas e incertezas, a relação com o marido, as amigas solidárias, os sentimentos contraditórios, o sofrimento e a dor que transformam este livro num testemunho único e comovedor onde a palavra de ordem é a sinceridade. Uma sinceridade perturbadora.


Mariela Michelena, autora de Mulheres Mal-Amadas, rejeita a frase «não se passa nada», o sorriso e o optimismo quase obrigatórios na sociedade em que vivemos. Em troca convida o leitor a uma viagem verdadeira e real onde ecoa a voz de um sofrimento a que todos os que passam por esta doença têm direito.

Título: A Solidão de um Treinador
Autor: Cecília Carmo
Colecção: Actualidade
N.º de páginas: 168 + 8 extratextos
PVP: 16 €

Sinopse: «Eu convivo bem com essa solidão, porque eu, mesmo a perder, gosto de ver sempre quais são as vantagens dessa derrota.» Domingos Paciência
«Há uma expressão terrível no futebol, é a pior coisa no futebol, que é “dar confiança ao treinador”. É meio caminho andado para pôr o treinador na rua.» Humberto Coelho

A jornalista Cecília Carmo entrevistou nove treinadores nacionais que partilharam momentos pouco conhecidos do grande público. Quando os flashes e as câmaras não estão apontados, há outras histórias para contar. Histórias de balneário, da forma como convivem com a ruptura, com o despedimento, como lidam com os egos dos jogadores, com a pressão das claques, a sombra dos presidentes dos clubes que os empregam, como reagem aos fracassos e às vitórias. Um livro que nos revela uma faceta menos conhecida dos treinadores de futebol. Uma profissão solitária cujo lema, todos concordam, é ter a mala sempre pronta para seguir para o próximo desafio.

«Digo muitas vezes aos treinadores: se vocês querem seguir com esta aposta procurem rapidamente um médico. Não estão bons da cabeça de certeza (…)» Carlos Queiroz
«No meu ponto de vista tem de haver uma fronteira. Eu sou treinador, tu és jogador. Eu tenho esta função, tu tens esta função.» Paulo Bento


Título: Entender de Vinho
Autor: João Afonso
Colecção: Manuais e Guias
N.º de páginas: 240 com ilustrações
PVP: 14 €

Sinopse: O vinho é um elemento essencial da nossa cultura e da nossa gastronomia. Mas para muitos ainda é um mundo complexo e difícil de entender. João Afonso, conhecido crítico de vinhos, revela-nos os segredos do vinho através deste guia completo e acessível a todos os que querem saber mais. Não sabe que vinho servir com carne ou peixe? Gostaria de construir a sua própria garrafeira, mas não sabe por onde começar? Depara-se com notas de prova que não consegue interpretar e que em nada o ajudam na escolha de um vinho? Muitas vezes interroga-se como deve abrir uma garrafa, em que copo deve servir determinado vinho ou a que temperatura deve ser degustado?

João Afonso responde a estas e outras questões de forma simples e prática e leva-o numa viagem ao mundo vínico.

- Conheça o processo de produção desde a vinha à maturação;

- Descubra as grandes marcas de vinhos portugueses e estrangeiros;

- Saiba onde e como comprar os melhores vinhos para a sua garrafeira;

- Aprenda a decifrar os rótulos e contra-rótulos das garrafas;

- Deixe de sentir-se intimidado perante a carta de vinhos num restaurante;

- Identifique as cores, aprecie com critério os cheiros e os aromas através da prova do vinho.
Entender de Vinho vai torná-lo num verdadeiro especialista na matéria.

Resultados do passatempo "O Romance da Bíblia"

Obrigada a todos que participaram no passatempo "O Romande da Bíblia" de Deana Barroqueiro realizado entre o Marcador de Livros e a Ésquilo, num total de 154 participações.

Os felizes contemplados foram:
149 - Nelson Amaral (Satão)
134 - Nuno Gonçalves (Vila de Punhe)
53 - Agostinho Gonçalves (Monção)


Além de o seu nome figurar no blogue, os contemplados serão ainda avisados através de email.