quinta-feira, 16 de setembro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Planeta lança segundo livro de Barbara Kyle: Autora de A Aia da Rainha está de regresso com A Filha do Rei

Título: A Filha do Rei
Autor: Barbara Kyle
N.º de Páginas: 460
PVP: 20,95€
Tradução: Sofia Gomes
Disponível a partir de 30 de Setembro

A Filha do Rei é o segundo volume da série Torneigth e, tal como o primeiro livro da autora publicado em Portugal, A Aia da Rainha, é um romance histórico situado no tempo de Henrique VIII.
Em A Aia da Rainha, sobre uma aia com um segredo que poderia mudar a História, Barbara Kyle mergulha o leitor na Londres do século XVI, uma época dominada por reformas religiosas, uniões por conveniência e jogos de bastidores. E é também sobre este pano de fundo que se desenrola a história de A Filha do Rei.
O novo romance de Barbara Kyle passa-se na Inglaterra dos Tudor, durante o reinado de Maria I, a rainha sanguinária (bloody Mary, em inglês) e apresenta dados inéditos sobre este conturbado período da história europeia.
No livro, a autora levanta a possibilidade da soberana ter queimado os ossos de Henrique VIII, seu pai, criando assim a dúvida se de facto este está sepultado onde se crê estar.
Rico em detalhes de uma época pródiga em episódios e personagens fascinantes, A Filha do Rei não poupa o leitor a imagens cruas e impressionantes sobre o cárcere de famílias inteiras, sobre alianças maquiavélicas em torno do poder e sobre a luta de uma mulher pelo futuro de uma nação… Isabel I.

Sobre a autora:
Barbara Kyle foi actriz de sucesso e teve uma brilhante carreira na televisão. Como sempre gostou muito de escrever assim como de História, principalmente da época dos Tudor, dedicou-se a uma investigação profunda que teve como resultado A Aia da Rainha (já publicado pela Planeta) que teve as melhores críticas e várias semanas no top de vendas.
quarta-feira, 15 de setembro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Difel lança hoje "A Chave Maldita" de James Rollins

Título: A Chave Maldita
Autor: James Rollins
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 400
Editor: Difel
Colecção: Literatura Estrangeira

PVP: 20,20€

Sinopse:
Universidade de Princeton. Um geneticista famoso morre num laboratório biológico de alta segurança. Em Roma, um arqueólogo do Vaticano é encontrado morto na Basílica de São Pedro. Em África, o filho de um senador americano é morto num acampamento da Cruz Vermelha. Três assassinatos em três continentes têm uma ligação terrível: todas as vítimas estão marcadas por uma cruz pagã druida, queimada na sua carne.
Os bizarros assassinatos conduzem o comandante Gray Pierce e a Força Sigma numa corrida contra o tempo para resolver um enigma que remonta a muitos séculos atrás, a um crime medonho contra a humanidade escondido num códice críptico medieval. A primeira peça do puzzle é descoberta num cadáver mumificado, enterrado num pântano inglês, um segredo horrível que ameaça a América e o mundo.
Ajudado por duas mulheres de seu passado - uma, a sua ex-amante, a outra, a sua nova parceira - Gray tem de reunir todas as peças de uma terrível verdade. Mas as revelações têm um custo elevado e, para salvar o futuro, Pierce terá que sacrificar uma das mulheres ao seu lado. Isso por si só pode não ser suficiente, à medida que o verdadeiro caminho para a salvação vai sendo revelado numa sombria profecia da maldição.
A Força Sigma enfrenta a maior ameaça que a Humanidade já conheceu, numa aventura que vai desde o Coliseu romano aos picos gelados da Noruega, a partir das ruínas de mosteiros medievais aos túmulos perdidos de reis Celtas. O último dos pesadelos é trancado dentro de um talismã enterrado por um santo morto - um artefacto antigo conhecido como a chave do Juízo Final.
terça-feira, 14 de setembro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Pedras Ensanguentadas - Donna Leon [Opinião]


Título: Pedras Ensanguentadas
Autor: Donna Leon
N.º de Páginas: 288
PVP: 17,95€
Tradução: Carlos Pereira

Numa noite gelada de Inverno, poucos dias antes do Natal, um vendedor ambulante africano é assassinado em pleno Campo Santo Stefano. Porque quererá alguém matar um subsaariano vendedor de carteiras falsificadas? A resposta mais óbvia é aquela que indica um possível ajuste de contas, mas será apenas isso?
Quando Brunetti começa a investigar o caso descobre que há um pacto de silêncio entre os imigrantes ilegais e que as motivações por detrás daquele crime têm implicações bem mais profundas.
Na verdade, há assuntos económicos e políticos, tráfico de armas e atitudes racistas por esclarecer. Analisa-se o comércio internacional e a segurança do Estado. E nunca Donna Leon se revelou tão envolvida na política quando nesta obra; este é um livro incisivo e implacável. Confirmando mais uma vez a sua faceta de exímia contadora de histórias, Pedras Ensanguentadas é um mistério perfeito, um retrato sedutor da Veneza contemporânea e um olhar inquieto sobre a emigração.

A minha opinião:
Além de um livro policial Pedras Ensanguentadas leva-nos ao universo da imigração ilegal e da venda de materiais contrafeitos nomeadamente de malas de imitação de estilistas famosos.
O já conhecido Guido Brunetti é chamado para desvendar o assassínio de um imigrante ilegal negro, ao que tudo indica oriundo do Senegal que foi morto por dois homens quando vendia o seu material. O cadáver ter cinco balas todas elas mortíferas o que o leva pelos meandros dos interesses ou não que envolvem este mundo. Encontra os opositores, gente contra os imigrantes ou que acha que os que ele fazem é concorrência desleal: além de venderem peças contrafeitas, o que estraga o negócio de muitos que vendem as peças originais, e o não pagamento de impostos faz com que os vendedores das lojas não vejam com bons olhos o que os vu cumprà como são designados.
Guido vê também a discriminação dentro da sua própria casa ao saber que a sua filha desvaloriza a morte deste imigrante.
Mas, durante a investigação Guido descobre que a contrafacção não é o motivo pelo qual o vu cumprà foi morto, isto porque encontra ao que julga serem diamantes escondidos juntamente com sal. Depois de uma intensa investigação e escondido dos chefes, Guido descobre que estes são diamantes de sangue alguns deles oriundos do Congo e de Angola.
Por tudo isso constata porque é que os ministérios do Interior e dos Negócios Estrangeiros, apesar de agirem sozinhos, proibiram a investigação do caso.
Mais um livro que recomendo ler desta autora a qual já sou completamente fã.

Guerra & Paz lança livro «explosivo» para crianças

Título: Tollins – Histórias Explosivas para Crianças
Autor: Conn Iggulden
Ilustração: Lizzy Duncan
Nº de páginas: 176
Género: Ficção/ Infantil
Preço: 22,00€
Saída: 15 de Setembro
Para crianças a partir dos 6 anos

Livro Perigoso para Rapazes, conta as primeiras aventuras dos Tollins, umas pequenas criaturas, que têm asas mas não são fadas, fortes como tijolos, que os humanos só conseguem ver usando uns óculos azuis especiais.
A instalação de uma fábrica de fogo-de-artifício na aldeia vai tornar a vida dos Tollins muito complicada. Os humanos começam a usá-los para fazer foguetes, o que, apesar de recuperarem da explosão, não é uma sensação nada agradável. O Tollin Faísca terá de salvar o seu povo deste terrível destino. Todos juntos irão defender a sua aldeia com unhas e dentes. Ou só com dentes, se roerem as unhas.
A próxima aventura dos Tollins será editada pela G&P em Setembro de 2011.
Conheça melhor o autor e estas criaturas em:
www.conniggulden.com e www.savethetollins.com

Sobre o autor:
Conn Iggulden nasceu em 1971. Fez estudos de Língua e Literatura Inglesa na London University, tendo ensinado Inglês durante sete anos no St. Gregory's Roman Catholic School, em Londres. Abandonou o ensino depois de escrever o romance The Gates of Rome, tendo-se convertido num escritor de referência em ficção histórica, com livros como The Death of Kings, The Field of Swords e The Gods of War. Editou, também em Portugal, o Livro Perigoso para Rapazes (Guerra & Paz, 2006).

Laurentino Gomes vem a Portugal para lançamento do novo livro: 1822

Título: 1822
Autor: Laurentino Gomes
N.º de Págs.: 304
Capa: mole
PVP: 18,90€

A 8 de Julho, na conferência de imprensa de apresentação de novidades editoriais para a rentrée, Laurentino Gomes anunciou a publicação da edição portuguesa do seu novo livro pela Porto Editora. Passado cerca de um mês, a Porto Editora tem o prazer de comunicar a vinda a Portugal do escritor brasileiro para o lançamento de 1822, entre 22 e 24 de Setembro.
No programa está incluída a visita a uma escola, uma sessão de apresentação no Porto, com a participação de Carlos Magno e Rui Moreira, e um evento de lançamento em Lisboa, com apresentação de José Norton. Laurentino Gomes aterra no Porto na manhã do dia 20 de Setembro e fica em Portugal até dia 25, para os referidos eventos em torno do novo livro e contactos com a comunicação social. No final da tarde do dia 24 de Setembro, o dia da morte de D. Pedro, o Padrão dos Descobrimentos acolhe o evento que assinala o lançamento oficial de 1822 em Portugal. Vão estar presentes delegações da Embaixada do Brasil, da Missão do Brasil junto da CPLP e da Casa da América Latina.
1822 surge na sequência de 1808, que se centrava na ida da família real portuguesa para o Rio de Janeiro, e aborda a Independência do Brasil. O livro foi publicado naquele país no dia 7 de Setembro, o dia da referida Independência, e no mercado brasileiro foram já colocados mais de 200 mil exemplares, correspondentes às duas primeiras edições.

Programa:
  • 22 de Setembro, quarta-feira, 15:00, visita à Escola EB 2/3 de Paranhos, no Porto, para conversa com várias turmas de alunos
  • 22 de Setembro, quarta-feira, 21:00, debate de apresentação na Escola EB 2/3 de Paranhos, no Porto, com a participação de Carlos Magno e Rui Moreira
  • 24 de Setembro, sexta-feira, 19:00, lançamento oficial no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, com apresentação de José Norton
A génese de 1822 e respectivas características
1822 sucede a 1808, obra de grande sucesso no Brasil (mais de 600 mil exemplares vendidos) e em Portugal. O primeiro livro centra-se na fuga da família real portuguesa para o Brasil; esta nova obra, por sua vez, aborda a independência daquele país, que, como se sabe, foi proclamada num momento que ficou conhecido como o Grito do Ipiranga.
O livro é um relato detalhado, ao estilo jornalístico, do processo de independência do Brasil. Composto por vinte e dois capítulos acompanhados por ilustrações de acontecimentos e personagens da época, o livro abrange um período de catorze anos, entre a volta da corte portuguesa de D. João VI a Lisboa, em 1821, e a morte do imperador D. Pedro I, em 1834.
1822 é resultado de três anos de pesquisas, durante os quais o autor consultou cerca de 170 livros, percorreu diversos locais dos acontecimentos ligados à Independência do Brasil ou à vida de D. Pedro. Entre outros lugares, refez o caminho percorrido por D. Pedro do Rio de Janeiro a São Paulo na véspera do Grito do Ipiranga, em 1822. Também esteve no Piauí, local da Batalha do Jenipapo, travada no dia 13 de Março de 1823 e na qual morreram cerca de 400 brasileiros às mãos da bem armada e treinada tropa portuguesa. Em Portugal, o autor visitou o Arquipélago dos Açores e as linhas de trincheiras do Cerco do Porto, episódio da guerra civil entre D. Pedro e seu irmão D. Miguel de 1832 a 1834.
O trabalho de pesquisa contou a orientação do diplomata, ensaísta, historiador, poeta e académico Alberto da Costa e Silva, um dos mais respeitados intelectuais brasileiros, ex-presidente da Academia Brasileira de Letras.

1822 – sinopse
:
Quem observasse o Brasil em 1822 teria razões de sobra para duvidar da sua viabilidade como nação independente e soberana. De cada três brasileiros, dois eram escravos, negros forros, mulatos, índios ou mestiços. Era uma população pobre e carente de tudo, que vivia à margem de qualquer oportunidade numa economia agrária e rudimentar, dominada pelo latifúndio e pelo tráfico negreiro. O medo de uma rebelião dos cativos tirava o sono da minoria branca.
O analfabetismo era geral. De cada dez pessoas, só uma sabia ler e escrever. Os ricos eram poucos e, com raras exceções, ignorantes. O isolamento e as rivalidades entre as diversas províncias prenunciavam uma guerra civil, que poderia resultar na fragmentação territorial, a exemplo do que já ocorria nas colónias espanholas vizinhas. Para piorar a situação, ao voltar para Portugal, no ano anterior, o rei D João VI, havia raspado os cofres nacionais. O novo país nascia falido. Faltavam dinheiro, soldados, navios, armas ou munição para sustentar uma guerra contra os portugueses, que se anunciava longa e sangrenta. As perspectivas de fracasso, portanto, pareciam bem maiores do que as de sucesso.
Nesta nova obra, o escritor brasileiro Laurentino Gomes, autor do best-seller 1808, sobre a fuga da família real portuguesa para o Rio de Janeiro, mostra como o Brasil, que tinha tudo para não dar certo, acabaria por resultar, em 1822, numa notável combinação de sorte, improviso, acasos e também de sabedoria das lideranças responsáveis pela condução dos destinos do novo país naquele momento de grandes sonhos e muitos perigos.

1822 visto pelo autor:
«Este livro procura explicar como o Brasil conseguiu manter a integridade do seu território e firmar-se como nação independente por uma notável combinação de sorte, acaso, improvisação, e também de sabedoria de algumas lideranças incumbidas de conduzir os destinos do país naquele momento de grandes sonhos e perigos».
«O Brasil de hoje deve sua existência à capacidade de vencer obstáculos que pareciam insuperáveis em 1822. E isso, por si só, é uma enorme vitória».

Sobre o autor:
Laurentino Gomes foi galardoado com o Prémio Jabuti, o mais prestigiado do Brasil, em duas categorias: Melhor Livro Reportagem e Livro do Ano de Não-Ficção. A obra 1808 também foi eleita o Melhor Ensaio de 2008 pela Academia Brasileira de Letras e permaneceu três anos consecutivos na lista dos livros mais vendidos do Brasil. Nascido em Maringá, é formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná, com pós-graduação em Administração pela Universidade de São Paulo. Trabalhou como repórter e editor para o jornal O Estado de S. Paulo e a revista Veja e foi director da Editora Abril. Foi durante
cerca de um ano jornalista também em Portugal, na revista Visão. É membro titular da Academia Paranaense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

Críticas a 1808:
Um livro que ajuda a explicar as raízes comuns de brasileiros e portugueses.
Carlos Magno, jornalista e professor, Cidade do Porto, Portugal
Uma forma leve e divertida de estudar História, sem sofrimento.
Mônica Rector, professora, Universidade da Carolina do Norte, EUA
Um dos melhores livros de História que já li.
Stefano Tiozzo, professor, Universidade de Padova, Itália

Novidades Presença para a 2.ª quinzena de Setembro

Título: O Lobo de Wall Street
Autor: Jordan Belfort
P.V.P.: 24,90 €
Colecção: Vidas d´Escritas
Nº na Colecção: 12
Data 1ª Edição: 14/09/2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4424-1
Nº de Páginas: 632

Sinopse: Esta é a autobiografia de Jordan Belfort, o então jovem corretor de Wall Street que nos anos 90 se sobrepôs à lógica da economia, manipulou o mercado bolsista e ganhou uma fortuna incalculável. Uma história verídica e fulgurante, escrita num registo confessional a que não é alheio um apurado sentido de humor, onde Belford relata ao pormenor a sua ascensão prodigiosa e queda inevitável. Chamavam-lhe «O Lobo de Wall Street», e a própria máfia colocou operacionais na sua empresa para aprenderem com os seus métodos. Uma leitura actual e aliciante que nos dá a conhecer os meandros do universo da bolsa nova-iorquina.

Título: Ódio
Autor: David Moody
P.V.P.: 16,50 €
Colecção: Grandes Narrativas
Nº na Colecção: 478
Data 1ª Edição: 14/09/2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4421-0
Nº de Páginas: 268

Sinopse: Todos os dias, Danny McCoyne sai de casa para um emprego que apenas tolera por ter de assegurar a sua sobrevivência e a da sua família. Mas em breve este homem vai descobrir o que verdadeiramente significa sobreviver. De um momento para o outro, começam a ocorrer um pouco por toda a parte cenas de violência extrema. Sem que ninguém saiba explicar porquê, qualquer transeunte normal pode tornar-se de repente um assassino impiedoso que ataca aleatoriamente. À medida que esta estranha epidemia vai alastrando, Danny sente-se na obrigação de proteger a família - mas como quando já não pode confiar em ninguém, incluindo em si próprio…?

Títulos: Campos de Odelberon - Escritos dos Ancestrais I
Autor: Rodrigo McSilva
P.V.P.: 17,90 €
Colecção: Via Láctea
Nº na Colecção: 89
Data 1ª Edição: 14/09/2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4414-2
Nº de Páginas: 380

Sinopse: A Presença lança um novo autor de língua portuguesa do género fantástico. É uma saga que conta como uma multiplicidade de personagens e divindades das mitologias nórdica, celta e indo-europeias. Vivem numa história alternativa, em que o mundo é simultaneamente habitado por deuses, raças desaparecidas, heróis míticos e humanos. Até ao dia em que o Ente Uno, o Juiz do Tempo, indignado pela perfídia dos deuses, decide pôr fim a esta realidade, condenando deuses e homens a uma estéril dualidade. No entanto, nos dois mundos, as lendas alimentavam uma esperança... Esta extraordinária aventura ficou registada pelos inúmeros escribas que ao longo das eras foram registando os seus sucessivos capítulos.

Título: A Acção da Química
Autor: Maria Teresa Escoval
P.V.P.: 11,00 €
Nº na Colecção: 4
Data 1ª Edição: 14/09/2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4425-8
Nº de Páginas: 192

Sinopse: Embora nem sempre tenhamos plena consciência disso, a Química tem uma presença e uma acção constantes na nossa vida. Pretendendo incentivar o gosto pela ciência, esta obra dá a conhecer ao grande público uma parte da Química que entra no nosso quotidiano. Baseia-se em dados científicos, mas adopta uma abordagem extremamente acessível ao leitor que não domina esta área do conhecimento. Inclui ainda um capítulo consagrado aos primórdios da Química em Portugal e um glossário.

Título: Boas Práticas na Educação
Autor: António Estanqueiro
P.V.P.: 10,00 €
Colecção: Orientações
Nº na Colecção: 57
Data 1ª Edição: 14/09/2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4423-4
Nº de Páginas: 128

Sinopse: A educação é tarefa de políticos, famílias, professores e alunos. Cada pessoa tem de assumir as suas responsabilidades. O que fazem os bons professores? Como despertam a motivação e promovem o sucesso dos alunos? Como exercem a sua autoridade e previnem a indisciplina? Como avaliam as aprendizagens? Como ensinam valores? Como se relacionam com os pais? Não há respostas simples, nem fórmulas mágicas. Mas há boas práticas educativas, que revelam equilíbrio entre a tradição e a inovação, que constituem um valioso contributo para a qualidade da educação nas nossas escolas.

Título: A Captura
Autor: Kathryn Lasky
P.V.P.: 11,90 €
Nº na Colecção: 1
Data 1ª Edição: 14/09/2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4427-2
Nº de Páginas: 256

Sinopse: Soren é uma jovem coruja-da-torre da Floresta de Tyto, um reino pacífico onde está a começar a aprender a dar os seus primeiros passos. Uma noite, Soren é capturado e levado para a Academia de S. Aegolius para Corujas Órfãs, onde, juntamente com outra coruja, descobre que a Academia é algo muito pior do que apenas um orfanato. Mas, para poderem fugir, Soren terá de aprender a fazer algo que nunca antes fez… voar. Conseguirão eles escapar a tempo e proteger o mundo de um destino inimaginável?
Título: Jornal para Cães
Autor: Lois Duncan
P.V.P.: 8,50 €
Colecção: Estrela do Mar
Nº na Colecção: 132
Data 1ª Edição: 14/09/2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4426-5
Nº de Páginas: 172

Sinopse: Agora que o seu hotel para cães fechou, Andi e o irmão, Bruce, têm um novo projecto: publicar um jornal para cães. O The Bow-Wow News não demora a fazer imenso sucesso entre os vizinhos, mas, assim que o publicam na internet, começam a acontecer coisas assustadoras. Um raptor de cães anda à solta! E a pior notícia de todas é que um dos cães raptados pertence aos dois irmãos. Conseguirão Andi e Bruce dar aos seus amiguinhos de quatro patas um final feliz?

Título: Uma Princesa Real - Um conto matemágico
Autores: Brenda Williams e Sophie Fatus
P.V.P.: 11,50 €
Colecção: Diversos
Nº na Colecção: 98
Data 1ª Edição: 14/09/2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4264-3
Nº de Páginas: 48

Sinopse: 1 mordomo, 2 lacaios, 3 príncipes habitam num alto castelo cheio de torres, onde também há… quantos fofos colchões?
Consegues imaginar-te a viver esta aventura matemágica e ajudar os príncipes a encontrar as suas princesas?
Título: Uma História da Leitura
Autor: Alberto Manguel
P.V.P.: 19,50 €
Relançamento
Nº na Colecção: 10
Data 1ª Edição: 17/09/1998
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-2339-0
Nº de Páginas: 368

Sinopse: Uma notável e fascinante viagem pela evolução do leitor e da leitura numa obra que vem colmatar uma lacuna na história da literatura internacional. Um sucesso editorial surpreendente da autoria de um nome que se tem destacado nas áreas do romance, da tradução e da edição.
segunda-feira, 13 de setembro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

BOOKSMILE publica Vida, um poema motivacional que já percorreu o mundo e inspirou milhões de pessoas

A BOOKSMILE publica Vida, um poema motivacional que já percorreu o mundo e inspirou milhões de pessoas. É um guia emocional cuja leitura se destina a atrair boas energias e a encarar a vida com ânimo, em todas as situações. Com imagens que apelam ao sentimento e versos que são pequenas pérolas de sabedoria partilhadas com o leitor, Vida é um livro que ajuda a ultrapassar os momentos menos bons e viver intensa e positivamente, fazendo com que cada segundo conte. Já perdoei erros quase imperdoáveis é o subtítulo que resume a inspiradora mensagem deste poema: a disseminação de amor e tolerância para com o próximo.
O poema vive também de várias particularidades. Uma das mais curiosas é, sem dúvida, o facto de Vida ter dado a volta ao Globo através do mundo online (sítios, blogues, YouTube, E-mail, redes sociais), como sendo da autoria de Charles Chaplin. Mas é a Augusto Branco a quem devemos estas motivadoras palavras, um pensador cuja vida atribulada tem servido de inspiração.


Sobre o autor:
Augusto Branco nasceu no coração da Amazónia, fruto da união de dois ribeirinhos que, um dia, tentaram a sorte na cidade: Dona rosa e senhor Raymundo. Augusto escreveu as suas primeiras poesias aos 7 ou 8 anos de idade, pouco antes de começar a ajudar na loja de ferragens do pai. Frequentou cursos de Administração e Pedagogia, que não completou devido às exigências da sua vida profissional, repleta de mudanças e obstáculos inesperados. Contudo, ao longo deste percurso complicado, ao qual se juntou uma tragédia familiar (assassínio da irmã), Augusto nunca despiu a pele de escritor, encontrando tempo para criar, quase todos os dias, novos poemas, aforismos e textos motivadores. Foi num desses momentos que nasceu Vida, inspirado nos percalços e vitórias do seu autor. Augusto Branco apresenta-se sempre como um homem entre tantos outros, “mais um cara no caminho”, nas suas palavras.
Uma expressão coerente com a sua produção literária: textos que mergulham no coração das pessoas, ao evidenciarem os mais finos paradoxos que acompanham o amor, a felicidade e o bem-estar, sentimentos comuns a todos nós. Vida já foi declamado por actores e apresentadores brasileiros bem conhecidos do público português.
Podem ver aqui e aqui duas ligações disponíveis no YouTube.
Podem ainda conhecer ainda um pouco mais o autor através de uma entrevista concedida a uma televisão brasileira.

Porto Editora e Correntes d'Escritas: apresentação de novo livro e regulamento para III Prémio Conto Infantil Ilustrado

O segundo volume de Contos Infantis Ilustrados, que reúne os trabalhos premiados do Prémio Conto Infantil Ilustrado Correntes d’ Escritas | Porto Editora, concorrentes à edição de 2010, será apresentado no próximo dia 16 de Setembro, quinta-feira, pelas 18 horas, no Salão Nobre da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim.
O livro é constituído por histórias escritas e ilustradas por autores de palmo e meio que revelam não apenas arte e engenho, imaginação e talento, capacidade de sonhar, de criar e de ficcionar, mas também a destreza necessária, para, recorrendo à escrita, transmitir a miúdos e graúdos valores como a amizade, a solidariedade, o respeito, a tradição, mas também a traquinice e o divertimento.


Foram publicadas os trabalhos premiados no concurso de 2010:
- A Casa Misteriosa (1º. Lugar), pelos alunos do 4º. Ano do Jardim-Escola João de Deus, de Agra, Salreu, Estarreja;
- Contou-me o meu avô (2º. Lugar), pelos 4º. B da Escola EB 1 de Ferreiros, Baguim do Monte, Gondomar;
- João Ratinho à procura de casa (3º. Lugar), pelos alunos do 4º. Ano, TO2 da Escola EB 1 Monte, de Touguinhó, Vila do Conde;
- Um Anjo Diferente, (menção honrosa exclusivamente pelo texto), pelos alunos do 4º. Ano, AL4, da Escolas EB1/JI de Arcozelo, Água Longa, Santo Tirso;
- Miguelras em busca de amigos, (menção honrosa exclusivamente pela ilustração), pelos alunos do 4º. Ano da Secção portuguesa da Escola Europeia do Luxemburgo – Lux I.
Neste evento, será também anunciado o arranque da III edição do Prémio Literário Conto Infantil Ilustrado Correntes d’ Escritas | Porto Editora, que tem como objectivo premiar trabalhos colectivos originais, promovendo, dessa forma, o gosto pela leitura e pela escrita nos mais pequenos.
Porque é de pequenino que se escreve com tino.

Dia 15 de Setembro Leya de porta aberta com perto de cem autores

A LeYa vai abrir as portas da sua Sede, em Alfragide, para receber perto de cem autores, assim como diversos parceiros do universo livreiro e da comunicação social especializada em livros. Num evento baptizado de «LeYa de Porta Aberta», que se realiza entre as 17h30 e as 21h da próxima quarta-feira, 15 de Setembro, serão expostas e apresentadas as principais apostas das editoras da LeYa para o último quadrimestre de 2010, bem como realizadas visitas ao edifício onde se concentram as editoras do grupo e dados a conhecer os colaboradores que diariamente a elas se dedicam.

domingo, 12 de setembro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

A Virgem das Amêndoas - Marina Fiorato [Opinião]

Título: A Virgem das Amêndoas
Autor: Marina Fiorato
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 288
Editor: Porto Editora
PVP: 16,66€


Sinopse:
Na Itália do século XVI, o jovem pintor Bernardino Luini, discípulo favorito do mestre Leonardo da Vinci, é encarregado de pintar um fresco religioso na igreja de Saronno, uma pequena localidade nas colinas da Lombardia. Ao entrar na igreja, a sua atenção é captada pela beleza e pela melancolia da jovem Simonetta, viúva de um poderoso senhor feudal morto em combate.

Sozinha e a ver a sua fortuna desaparecer até não restar nada mais a não ser as amendoeiras da sua villa, Simonetta acede a posar como modelo para Luini, que a imortalizará para sempre nos frescos da igreja como a Virgem di Saronno. À medida que o trabalho progride, artista e modelo apaixonam-se, selando o sentimento com um beijo que escandalizará a Igreja.
À genialidade com que Bernardino imortalizará a sua musa, Simonetta retribui com a criação da sua própria obra de arte: um licor especial fabricado com o fruto das suas amendoeiras. O licor ficará conhecido, até aos dias de hoje, como o famoso Amaretto di Saronno.
Contudo, antes de ambos completarem as suas obras, a relação é fortemente abalada por um acontecimento que porá em perigo aquele amor. E as suas vidas.
Uma inesquecível história de paixão e arte que se desenrola tendo como pano de fundo uma Itália Renascentista, onde a intriga, os escândalos, a guerra e a intolerância religiosa imperavam no dia-a-dia.

A minha opinião:
A Virgem das Amêndoas retrata, sobretudo, a vida da jovem Simonetta di Saronno desde que ficou viúva de Lorenzo, que morreu em combate. Com a morte do seu marido, Simonetta descobre que está completamente falida visto que Lorenzo havia gasto praticamente todo o dinheiro de ambos para equipar os cavalos e soldados para a guerra. Sozinha, vê-se impotente para pagar todos os gastos inerentes a uma casa enorme, com imensa criadagem e começa a acumular dívidas a criados e comerciantes.
Depois de ter vendido jóias e mobiliário Simonetta não vê outro recurso senão recorrer a Manodorata, um judeu. A jovem pensava que os judeus eram criaturas das trevas, possuíam rosto de um diabo e corpo de um urso. Quando se deparou com o judeu ficou admirada ao ver que era uma pessoa exactamente igual a ela. No entanto, o judeu aconselhou-a a procurar uma forma de ganhar algum dinheiro. E é aí que contacta Bernardino Luini, um pintor discípulo de Leonardo da Vinci, contratado pelo pároco da pequena localidade onde Simonetta habita, Saronno, para pintar um fresco religioso na igreja local.
Logo que a vê, Bernardino convida-a para servir de modelo para retratar a Virgem. Sem outra alternativa Simonetta decide aceitar o convite.
No entanto, depressa o amor entre eles extravasa tudo e beijam-se precisamente no dia faz um ano que o marido de Simonetta morreu. Sem que se apercebam o único criado da jovem vê-os a beijarem-se a faz com que toda a gente saiba na cerimónia de apresentação do trabalho de pintura de Bernardino, que tem de fugir dos “capangas” do Cardeal que o querem apanhar. Ao abrigo do pároco local este aconselha-o a fugir para Milão e é lá que ele se refugia, apesar de pensar constantemente no amor de Simonetta.
Nos momentos de solidão Simoenetta encontra um antigo alambique de onde era feito uma espécie de aguardente de amêndoas. Começa a explorar o sabor e a modificá-lo, melhorando a textura e o paladar e inventa o licor, célebre ainda nos dias de hoje Amaretto di Saronno.
Por outro lado, temos a jovem Amaria que descobre um homem em muito mau estado e, juntamente com a sua mãe adoptiva a quem trata por nonna por esta ter efectivamente idade para ser sua avó do que sua mãe, decide trazê-lo para casa para cuidar dele. Quando começa a sarar dos seus ferimentos, talvez provocados pela guerra, que tinha vitimado o único filho de Nonna, o homem a quem chamaram Selvaggio não fala, nem escreve, sofrendo de uma espécie de amnésia, já que nem sequer sabe nada do seu passado.
O livro retrata ainda momentos da bíblia como ensinamentos para a vida no presente das personagens e por forma a que Bernardino consiga retratar fidedignamente os seus frescos. No entanto, apesar de contar a história cristã, Bernardino coloca em todas as santas a cara da sua amada. Os maus tratos aos judeus também estão por demais evidentes, relatando as circunstâncias por que passaram muitos dos judeus na altura da Inquisição.
Gostei de “A Virgem das Amêndoas” se bem achei que em algumas partes a autora divagou um pouco tornando, por momentos, a sua leitura um pouco chata. Além disso, achei que podia explorar melhor a história do licor de amêndoas que ficou um pouco perdida na história amorosa das personagens.

Excertos:
“Para a minha raça, a tolerância é um dia sem um osso partido. Um dia em que chegamos a casa e ela não está em chamas. Um dia em que os nossos filhos e as nossas mulheres podem andar pela rua em paz sem serem profanados.”