sexta-feira, 15 de outubro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Porto Editora cria páginas de fãs de Dorothy Koomson no Facebook

Para os fãs da autora Dorothy Koomson eis uma excelente notícia. A Porto Editora decidiu criar uma páginas oficial da escritora e dos seus livros em Portugal no facebook.
Dorothy Koomson é uma das autoras mais populares em Portugal, desde que em finais de 2006 a Porto Editora lançou o best-seller “A filha da minha melhor amiga”.
Também na última Feira do Livro de Lisboa isso se notou, com centenas de fãs a acorrerem ao espaço da Porto Editora para conhecerem a escritora.
Podem clicar aqui para acederem directamente à página e juntarem-se à escritora.

Bertrand edita biografia de um dos mais conhecidos e também mais geniais: Einstein.

Título: Einstein - Biografia
Autor: Laurent Seksik
Chancela: Bertrand Editora
N.º de Páginas: 280
PVP: 15,95€
Nas livrarias a partir de 15 de Outubro
Tradução: Ana Godinho

Não, Albert Einstein (1879-1955), alemão de nascimento que depois se naturalizou americano, não participa na criação da bomba atómica, mas escreve a Roosevelt no sentido de tudo fazer para impedir que os nazis consigam a arma fatal. Não, não lhe foi atribuído o Nobel da Física pela sua teoria da relatividade, mas sim pela sua audaciosa hipótese acerca da natureza corpuscular da luz. Sim, era um pai carinhoso que adorava os dois filhos, mas nunca revelou o terrível segredo que envolvia a sua filha Lieserl. Sim, dedicou-se plenamente ao sionismo, mas recusou a presidência do Estado de Israel. Sim, foi ameaçado pelo regime nazi. Sim, foi considerado por McCarthy como “um inimigo da América". Sim, foi um homem fora do comum, profundamente pacifista e humano, cuja vida mudou quando aos 5 anos descobriu a bússola e que, vinte anos mais tarde, mudou a maneira como vemos o Universo.

Sobre o autor:
Nascido em 1962, em Nice, Laurent Seksik é médico e escritor. Foi chefe de redacção do Le Figaro Étudiant e na Bateau Livres, além de editor nas Éditions de La Martinière. Publicou, em 1999, o seu primeiro romance, traduzido em dez de línguas e vencedor do prémio Wizo. Publicou seu segundo romance, em 2004, vencedor do prémio Littré e em 2006, publicou seu terceiro romance. Retornou à actividade médica e publicou, em 2010, uma biografia de Stefan Zweig.

Guerra & Paz lança História do Pecado

Título: História do Pecado
Autor: Oliver Thomson
Tradução: Susana Serrão
Nº de páginas: 376
Género: Não Ficção/ História
Preço: 18,50€
Saída: 15 de Outubro

História do Pecado está nas livrarias a partir de 15 de Outubro, com a chancela da Guerra & Paz. O livro de Oliver Thomson é um ensaio sobre a moral e os valores da sociedade, a forma como esta se comporta e, sobretudo, como encara o «pecado» e aquilo que o origina.
Alimentada por inveja, idolatria, ganância, racismo, megalomania ou luxúria, a criatividade dos pecadores não tem fim, e não há maior desafio do que compreender o que entendemos por «pecado».
Acessível e repleto de pormenores que permitem uma contextualização histórica, esta obra abrange um espantoso leque de informação, recolhendo exemplos em praticamente todas as culturas e ao longo de todas as eras da História. Um livro ideal para curiosos sobre História, mas também para estudiosos.

Sobre o autor:
Oliver Thomson nasceu em Birminghan, no Reino Unido, em 1936. Estudou nessa cidade e em Glasgow, na Escócia. Historiador formado no Trinity College, em Cambridge, foi professor de Comunicação Social e História na Universidade de Glasgow e é actualmente director executivo de uma agência de publicidade sedeada na Escócia. Dos livros que já publicou, destaca-se Mass Persuasion in History (1977), uma análise das técnicas de propaganda. Vive com a mulher e os três filhos em Glasgow.

Livros d' Hoje "livro-choque" sobre adolescentes portugueses chega às livrarias

“O Fim da Inocência - Diário de uma adolescente portuguesa” é o título do mais recente livro de Francisco Salgueiro que chegou ontem às livrarias portuguesas. Publicado pela Oficina do Livro, conta uma história real e chocante sobre os adolescentes portugueses do século 21. Um livro que será de leitura obrigatória para pais e educadores.

Sobre o livro
Aos olhos do mundo, Inês é a menina perfeita. Frequenta um dos melhores colégios nos arredores de Lisboa e relaciona-se com filhos de embaixadores e presidentes de grandes empresas. Por detrás das aparências, a realidade é outra, e bem distinta. Inês e os seus amigos são consumidores regulares de cocaína e ecstasy, participam em arriscados jogos sexuais e utilizam desregradamente a internet, transformando as suas vidas numa espiral marcada pelo descontrolo físico e emocional.
Francisco Salgueiro dá voz à história real e chocante de uma adolescente portuguesa, contada na primeira pessoa. Um aviso para os pais estarem mais atentos ao que se passa nas suas casas e uma confissão que não poderá ninguém indiferente. (Por favor, ver excertos no documento em anexo)

Sobre o autor
Francisco Salgueiro nasceu em Lisboa, em Junho de 1972. O pai é médico; a mãe professora. Tem duas irmãs. Foi para o Colégio Inglês, seguindo as pisadas do pai. Na altura, com o disco rígido ainda muito vazio, Francisco ganhou aí um grande interesse pela cultura anglo-saxónica. Pensou inscrever-se em Psicologia, mas acabou por escolher o curso de Comunicação Empresarial, no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. Passados quatro anos, estava a trabalhar na TV Cabo Portugal, na criação do Gabinete de Comunicação e Imagem. Profissionalmente, destaca a autoria do programa Templo dos Jogos, na SIC; os artigos para a Notícias Magazine; a publicação do primeiro livro e a criação da empresa de conteúdos Letras Digitais. Actualmente é sócio da empresa de marketing digital Wibii Marketing Tailors. Na Oficina do Livro publicou, entre outros, os romances Homens Há Muitos, Viva o Amor, Amei-te em Copacabana e A Praia da Saudade. O Fim da Inocência é o seu sétimo livro.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Mentiras Cruéis - Nora Roberts [Opinião]


Título: Mentiras Cruéis
Autor: Nora Roberts
Género: Lit. Romântica
Palavras-chave: Vedetas de cinema, Segredos Perigosos, Crime, Amor, Paixão
Tradutor: Eduardo Fernandes
Páginas: 432
Tiragem: 15000
PVP: 18,80 €

Eve Benedict é a última das grandes deusas do cinema, uma sex symbol de voz sensual premiada com dois Óscares, quatro maridos e uma legião de amantes. Não há segredo ou escândalo que desconheça. Agora, Eve decidiu escrever as suas memórias – revelando tudo e expondo todos.
Julia Summers é a biógrafa que Eve escolheu pessoalmente para relatar a sua história. Julia detesta o glamour de Beverly Hills, mas adora o seu trabalho – e o lar que construiu com o seu filho de dez anos que cria sozinha.
Como poderia recusar esta oportunidade única? Mas o enteado de Eve, Paul Winthrop, desafiará a determinação de Eve em contar a sua história e a de Julia em preservar o seu coração. E à medida que Julia se apercebe até onde os inimigos de Eve estão dispostos a ir para que as suas memórias não sejam publicadas, também descobre que a deusa do cinema esconde um segredo
terrível. Tão terrível que, mais do que mudar a vida de Julia, também lhe pode colocar um ponto final.
A minha opinião:
Quando foi convidada para escrever a biografia da famosa estrela de cinema Eve Benedict, Julia Summers tinha noção das dificuldades que teria de ultrapassar, mas nunca pensou que teria pela frente de enfrentar um sem fim de pessoas que não queriam que os segredos do passado de Eve e, consequentemente do seu próprio passado, viessem a lume.
Por isso mesmo, logo nos primeiros dias da sua chegada a casa da famosa actriz, Julia começou a receber estranhos bilhetes anónimos com ameaças.
Primeiro foi o enteado de Eve, Paul que se mostrou contra a publicação do livro biográfico, os próprios empregados de Eve se mostravam de pé atrás com a história e, claro está, muitos dos ex-amantes e companheiros de Eve que não queriam que fossem revelados todos os seus segredos.
Michael Delrickio era um deles. E soube aproveitar-se do sobrinho de Eve, Drake que lhe devia uma enorme quantia em dinheiro e que não conseguia pagar, para conseguir os seus intentos.
Aquilo que à partida, e como todos os romances de Nora Roberts, podia ser um romance puro e duro acabou por ser uma espécie de policial bem arquitectado que colocou como pano de fundo uma estrela de Hollywood e os seus segredos amorosos e não só. No entanto, os segredos de Eve iriam prejudicar muitas das pessoas que conviveram com ela nas mais variadas razões, desde um amante com gostos sádicos e sadomasoquistas e até pedófilos, um viciado em jogo, um aborto escondido, um filho rejeitado por ser deficiente. Bons ingredientes para nos envolvermos na estória.
quarta-feira, 13 de outubro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Civilização publica novo título de Prémio Nobel da Literatura: Clássico de Naguib Mahfouz lançado em Outubro

Título: O Cairo Novo
Autor: Naguib Mahfouz
Título Original: Al-Qahira al-jadida
Tradução: Badr Hassanein
Páginas: 232
Encadernação: Capa mole
Família: Literatura
PVP: 15,90 €
Lançamento: Outubro 2010

O Cairo Novo. Anos 30. Um niilista ambicioso e amargo, uma estudante bela e pobre e um funcionário corrupto envolvem-se num ménage à trois. Este clássico de Naguib Mahfouz, o único escritor de língua árabe a ser galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, em 1988, tem como pano de fundo uma cidade com profundas desigualdades, um país “numa crise de modernidade”.
A personagem central em O Cairo Novo é Mahgoub, um estudante de filosofia na Universidade do Cairo, que, para poder enviar dinheiro à família, aceita um casamento arranjado. Porém, no dia da boda, descobre que a noiva, Ihsan, é a antiga namorada do seu maior amigo e a sua grande paixão do liceu. Ihsan é, ao mesmo tempo, uma mulher que ambiciona “ir para a universidade e ter uma carreira” e a amante de Qasim, patrão de Mahgoub – e a personagem que compõe o trio amoroso.
O brilhantismo de Mahfouz, considerado pelo New York Times o “Balzac do Egipto”, tem a ver com “a forma como o autor retrata a mistura entre o bem e o mal no ser humano”. Por outro lado, refere o título nova-iorquino, “a descrição que faz de Ihsan [a figura feminina em Cairo Novo] e de outras mulheres é particularmente apaixonada e complexa”. O The Library Journal considera “O Cairo Novo um clássico, que prende o leitor desde as primeiras páginas”.
Naguib Mahfouz nasceu no Cairo em 1911. Modernizou a literatura árabe, sendo considerado um dos seus maiores vultos. Foi o único escritor de língua árabe a ser galardoado com o Prémio Nobel da Literatura. Publicou 34 romances, mais de 350 contos, dezenas de argumentos cinematográficos e cinco peças ao longo de uma carreira de mais de 70 anos. Viveu com a mulher e as duas filhas na sua cidade natal até falecer, em 2006

Sinopse:
Neste romance pleno de suspense de Naguib Mahfouz, um niilista ambicioso e amargo, uma estudante bela e pobre e um funcionário corrupto envolvem-se num ménage à trois condenado.
O Cairo dos anos 30 é palco de enormes desigualdades sociais e económicas. É também uma época de mudança, quando as universidades começam a abrir as portas às mulheres e filosofias revolucionárias oriundas da Europa agitam os debates entre os jovens. Mahgoub é um estudante ferozmente orgulhoso que está determinado a esconder dos seus amigos idealistas a sua pobreza e a sua falta de princípios. Quando se dá conta de que não há emprego para quem não tem conhecidos, concorda, desesperado, em fazer parte de um elaborado plano fraudulento. No entanto, o que começa como mera estratégia de sobrevivência depressa se transforma em muito mais para Mahgoub e a sua cúmplice, uma jovem de nome Ihsan igualmente desesperada. À medida que se movem na sofisticada alta sociedade, a sua frágil farsa começa a desintegrar-se e o terrível preço do pacto faustiano de Mahgoub torna-se claro…

Imprensa Internacional:

“Intrigante… dostoievskiano… o brilhantismo de Mahfouz reside no retrato da coexistência do bem e do mal no carácter humano… Mahfouz foi o Balzac do Egipto.” The New York Times
“O Cairo Novo é um clássico, prendendo o leitor desde as primeiras páginas.” The Library Journal
“Mahfouz é um mestre na descrição de forças de motivação em mudança…” Publishers Weekly

Porto Editora publica O Fogo, de Katherine Neville, que vem dar continuidade à história do livro de sucesso, O Oito

Título: O Fogo
Autor: Katherine Neville
Tradução: Miguel Castro Caldas e Sara Santos
N.º de Págs.: 496
Capa: mole
PVP: 18,80 €

No início deste ano, a Porto Editora publicou O Oito, de Katherine Neville, que revolucionou o panorama dos romances de intriga e redefiniu as normas universais do suspense. 13 mil exemplares depois, publica O Fogo, que vem dar continuidade à história e chega às livrarias esta sexta-feira, dia 15 de Outubro.

O enredo
:
1822, Albânia: trinta anos após a Revolução Francesa, está iminente a guerra da independência grega. O Paxá Ali, o mais poderoso governante do Império Otomano, encarrega a sua jovem filha Haidée de levar para fora do país uma peça crucial do tabuleiro de xadrez de Montglane. Perseguida por inúmeros inimigos, Haidée viaja através de Marrocos, Roma e Grécia até ao centro do Jogo cujos segredos têm origem na cidade de Bagdade, mil anos antes. 2003, Colorado: Alexandra Solarin desloca-se ao refúgio ancestral da família, nas Montanhas Rochosas, para o aniversário da mãe. Há trinta anos, Cat Velis e Alexander Solarin, os seus pais, acreditavam ter espalhado as peças do Xadrez de Montglane por várias partes do mundo, enterrando-as e ocultando assim os segredos do poder que quem as possuísse deteria. Mas, ao chegar ao seu destino, Alexandra descobre que a mãe desapareceu e que uma série de pistas por ela estrategicamente deixadas só podem indicar que algo de muito sinistro foi posto em marcha. A peça mais importante do tabuleiro de xadrez de Carlos Magno reapareceu…
Misturando um estilo requintado com uma narrativa absorvente em que o suspense nunca pára, Katherine Neville consegue mais uma vez tecer uma cativante história de acção, intriga e mistério.

Sobre a autora:
Katherine Neville nasceu em St. Louis, Estados Unidos, em Abril de 1945. Especialista em Administração e Gestão de Empresas, foi vice-presidente do Bank of America e consultora para a implementação de sistemas informáticos em organizações da área financeira e das energias, como a IBM e a OPEP. Viveu em seis países e em três continentes, e em metade dos estados dos EUA. Dessa vasta experiência nasceu O Oito (1988), que se tornou rapidamente num dos maiores bestsellers mundiais. Vinte anos depois publicou O Fogo, sequela do primeiro, que a Porto Editora agora apresenta aos leitores portugueses.
Página pessoal: www.katherineneville.com

Críticas:
“Da família de O Código da Vinci – mas muito melhor.” The Independent
“Uma leitura extraordinária.” Daily Express
“Há vinte anos que aguardava pela conclusão de O Oito. Katherine Neville é a rainha legítima e indiscutível do suspense internacional.” Steve Berry, autor de A Profecia Romanov
“Um clássico para o novo milénio.” James Rollins, autor de O Mapa dos Ossos
“Um jogo envolvente e apaixonante” San Francisco Chronicle

Esfera dos Livros publica O Fim do Império Romano de Adrian Goldsworthy

Se há um facto que as pessoas conhecem do Império Romano é que ele caiu. Foi no ano 476 d.C. que Rómulo Augusto, o último imperador do Ocidente, foi deposto e enviado para um exílio confortável. Por essa altura, já a maioria das províncias do ocidente tinha sido devastada pelos senhores da guerra germânicos. O mesmo destino abatia-se, agora, sobre Roma.
Como é que esta superpotência entrou em decadência e desapareceu é uma das grandes questões da História, uma porta aberta para compreendermos a ascensão e queda de outros impérios e países ao longo da História e daí retirar importantes lições para os dias de hoje. Para Adrian Goldsworthy, autor de Os Generais Romanos – Os homens que construíram o Império Romano e César – A vida de um colosso, o colapso do Império Romano do Ocidente foi apenas o ponto final num processo que se tinha iniciado séculos antes.

Esta épica história começa com a morte do imperador Marco Aurélio, em 180 d.C., quando Roma era, ainda, a única superpotência mundial e continua com uma longa e lenta decadência que atravessa o caos do século III, o Cisma do século IV e termina no século V com o colapso final. Baseado numa rigorosa investigação, em textos da época e usando os mais recentes dados arqueológicos, o historiador Adrian Goldsworthy recria com perícia e vivacidade os últimos e violentos momentos do mundo romano.

Sobre o autor:
Adrian Goldsworthy estudou no St. John’s College Oxford e leccionou em várias universidades. Publicou diversas obras como The Roman Army at War, Roman Warfare, The Punic Wars (publicado como The Fall of Carthage em livro de bolso), Cannae. A Esfera dos Livros editou em Portugal a obra Generais Romanos, que se encontra já em 2. ª edição, e César, A vida de um colosso. Esta última foi escolhida pela Society for Military History para o Distinguished Book Award para biografia e memórias de guerra.

Depois de Galope! Booksmile publica Gingão!

Depois de Galope!, o primeiro livro a utilizar uma tecnologia inovadora e patenteada - Scanimation®, chega agora a Portugal Gingão!, outro êxito do génio da óptica Rufus Butler Seder, autor que esteve por detrás do n.º 1 na lista de best-sellers do New York Times (livros infantis) – Galope! já vendeu mais de 3 milhões de livros em todo o Mundo.
Da mesma forma que as crianças não conseguiram deixar de ler Galope! sem terem galopado pela sala, agora com Gingão! não vão querer parar de gingar, pular, escapar, marchar, rastejar, voar, correr e saltar! Gingão! vem dar um toque original às ilustrações que se mexem dentro do livro como que por magia: agora, os animais são a cores. O final é surpreendente e vai prender, literalmente, o leitor! Gingão! ensina as cores e o movimento. A linguagem é divertida, as rimas inspiradoras e os animais cheios de vida. Os mais pequeninos vão divertir-se com as imagens, os primeiros leitores já se entretêm com o texto e os mais velhos ficarão agarrados às páginas a imaginar como é que os animais podem mexer-se dentro de um livro.

Sobre o autor:
Rufus Butler Seder é realizador de cinema, inventor e artista óptico. Reside nos EUA e desenvolve brinquedos usando tecnologias inventadas por si. A ideia de criar livros utilizando a técnica Scanimation nasceu de uma das suas invenções, Lifetiles, um mural feito de tijolos de vidro que parecem ganhar vida à medida que o observador passa por eles. Sítio do autor: http://scanimationbooks.com A qualidade e originalidade de Galope! (20 mil exemplares editados) e Gingão! (14,99 euros) reflectiu-se na escolha da colecção para o Plano Nacional de Leitura.

Bertrand lança livro da prestigiada fotógrafa Anne Geddes: Origens

Título: Origens
Autor:Anne Geddes
Chancela: Bertrand Editora
N.º de Páginas: 115
PVP: 28,90€

«Devemos proteger a natureza e amar todas as crianças. Todos somos responsáveis, por todas as crianças, a todo o momento.» Anne Geddes

É esta a premissa que Anne Geddes segue para conseguir resultados como Origens, o seu mais recente best-seller, onde apresenta elementos simples e elegantes da natureza e o brotar de novas vidas As imagens da fotógrafa Anne Geddes, premiada e autora de bestsellers do New York Times, encontram-se publicadas em oitenta e três países; os seus livros já venderam quase dezanove milhões de exemplares em todo o mundo e foram traduzidos para vinte e quatro línguas. Anne Geddes inspirou-se em à ninhos de pássaros, à na delicadeza dos ovos, à na textura dos bolbos e à na gloriosa cor escondida dentro de um botão de flor, apertado e fechado, antes de florir onde a sua imaginação se baseou para assim surgir Origens.


Esta colectânea de fotografias nunca antes publicadas será igualmente lançada em todo o Mundo, em várias línguas.

Sobre a autora:
Autora de múltiplos bestsellers internacionais da lista do New York Times, Anne Geddes cria imagens ousadas, imaginativas e icónicas. Além de todo o sucesso alcançado mundialmente, Anne e o seu marido, Kel Geddes, apoiam o trabalho filantrópico baseando-se na crença profunda de que cada criança deve ser protegida, cuidada e amada. à A página de internet desta Autora atrai mais de dois milhões e meio de visitantes por ano, oriundos de mais de duzentos países à O seu blog e as suas páginas do Facebook e do Twitter levam os seus fãs para dentro do seu estúdio e da sua vida.


A página de internet desta Autora atrai mais de dois milhões e meio de visitantes por ano, oriundos de mais de duzentos países
O seu blog e as suas páginas do Facebook e do Twitter levam os seus fãs para dentro do seu estúdio e da sua vida.

Mais uma vez, Anne chama-nos a ver o mundo com outros olhos, como o fez com os seus outros bestsellers internacionais.
terça-feira, 12 de outubro de 2010 | By: Maria Manuel Magalhaes

Caderneta de Cromos - Nuno Markl [Opinião]


Título: Caderneta de Cromos
Autor:
Nuno Markl
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 224
Editor: Objectiva
PVP: 14,90€

A enciclopédia definitiva sobre o que nos deliciava nos anos 70 e 80 (e que é mais saudável que um granizado Fã, embora deva ter a mesma quantidade de tinta).


Em O Homem Que Mordeu o Cão, Nuno Markl contou histórias muito bizarras. Mas haverá história mais bizarra do que crescer nas décadas de 70 e 80?

Dos microfones da Rádio Comercial para as páginas profusamente ilustradas desta edição, eis a Caderneta de Cromos – reunindo uma centena dos mais bombásticos e inesquecíveis cromos não só da rubrica, como da nossa infância e juventude!

Uma colecção que responde a questões pertinentes, tais como…

- Samantha Fox e Kim Wilde: qual delas para casar?
- Qual delas para coiso?
- Quantas maneiras haviam de comer as bolachas Belinhas?
- Usar um blaser branco igual ao do Don Johnson no Miami Vice, resulta na vida real quando se é caixa de óculos.
- Como é que os kalkitos são uma metáfora para as relações sexuais sem amor?
- Porque é que o Fizz Limão é o D. Sebastião da indústria dos gelados?
- Como se resolve, afinal, o Cubo Mágico?”

A minha opinião:
Uma delícia este livro de Nuno Markl onde me ri do princípio ao fim. Revi-me em tantas coisas que o autor foi descrevendo como gostos de infância que me senti transportada para aquele tempo onde também eu era maluca por muito desses objectos que existiram nos anos 80.
Falo dos anos 80 porque a minha infância, ao contrário da de Markl, apenas se deu nesta época, mas mesmo assim guardo muitas e boas recordações desses tempos. Tempos em que andávamos em liberdade, mexíamos na terra, andávamos em carrinhos de mão, jogávamos ao berlinde, ao pião, à cabra cega, aos elásticos, ao mata, com a botty bota… e nos automóveis íamos sem cadeira ou cinto e brincávamos tanto!!!!
Eram tempos fantásticos.
E ainda agora gosto de muitas coisas que existiam antigamente. Confesso, sou uma gulosa. Coisas como Peta Zetas que ainda existem em alguns locais fartei-me de comer quando estava grávida. Não se pode dizer que fosse um desejo, mas é um doce tão bom! As pastilhas Gorila, embora não sejam bem iguais às de antigamente, ainda continuam presentes na minha mala.
Com os filmes e séries de televisão foi o que me identifiquei menos. Não era uma criança de ver muita televisão, gostava mais de ler e, além disso, a maior parte das séries retratadas já tinham passado quando comecei a apreciar tv. Uma que acho que faltou referir no livro e que fazia as delícias de todas crianças do meu tempo foi a série portuguesa “Duarte e companhia”. Lembro-me que adorava ver aquilo. E, uns anos mais tarde, tive oportunidade de ver na RTP Memória e aquela expectativa toda de recordar uma série que me deixava pregada ao televisor saiu gorada tal foi a minha decepção. Não sei como gostava tanto daquela palhaçada.
Concluindo, a todos os que nasceram nos anos 70 e 80 leiam e recordem coisas que fizeram parte da vossa infância. A todas as outras gerações leiam na mesma, sobretudo as gerações mais novas, e roam-se de inveja.