sábado, 19 de fevereiro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

O primeiro dia - Marc Levy [Opinião]

Título: O primeiro dia
Autor: Marc Levy
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 268
Editor: Contraponto
PVP: 19€


Sinopse:
Um objecto misterioso encontrado num vulcão adormecido vai mudar para sempre a vida de Adrian e Keira. Juntos embarcarão numa aventura extraordinária que os levará das margens do lago Turkana, no coração de África, até às montanhas da China, em busca da resposta a uma das perguntas ancestrais da humanidade: como começou a vida na Terra?

A minha opinião:
O primeiro dia é um livro completamente diferente daqueles que tenho vindo a ler de Marc Levy, mas quem nem por isso me decepcionou. Muito ao jeito dos livros de aventuras, Levy leva os seus leitores a partir para um dos grandes segredos escondidos e que muitos desejam descobrir: há quantos milhões de anos surgiu o primeiro homem na Terra?
Keira passou três anos na Etiópia a escavar a terra em busca de uns quantos ossos fossilizados que lhe permitissem penetrar no mistério da origem da humanidade. A sua pesquisa no vale do Omo levou-a a conhecer um rapazinho orfão, a quem apelidou de Harry, que lhe viria a dar uma estranha pedra. Pedra essa que mais tarde, e sem que desconfiasse, iria levá-la de volta ao local que viria a ser destruído por uma tempestade, que terminou completamente com anos de trabalho e pesquisa.
Adrian é um astrofísico que se encontra a fazer uma investigação no planalto de Atacama, no Chile, mas cujo corpo não se adapta à falta de oxigénio, e é obrigado a regressar à cinzenta Londres.
O destino destas duas personagens vai juntar-se quando se candidatam a um prémio na Fundação Walsh. Sem que desconfiem, ambos reencontram-se quinze anos depois de se terem conhecido, era Keira antiga aluna de Adrian quando tiveram uma relação.
Juntos descobrem que a "oferenda" que Harry deu a Keira poderá ser um objecto com quatrocentos milhões de anos e partem para uma aventura que os vai levar a alguns locais, inclusive à China.

Excerto:
"É olhando os objectos do quotidiano, coisas como a faca da manteiga, que nos apercebemos de que alguém partiu e nunca mais volta; uma estúpida faca de manteiga que corta para sempre fatias de solidão na nossa vida"
sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

Guerra & Paz publica livro que revela as falhas do sistema capitalista e os culpados da crise

Título: A Economia Não Existe
Autor: Antonio Baños Boncompain
Tradução: Pedro Patada
Nº de páginas: 200
Género: Não Ficção/ Economia
Preço: 16,50€

Enquanto o Mundo inteiro parece sucumbir à crise e ajoelhar-se em frente ao altar da Economia e dos seus gurus. A Economia parece ter metido o Mundo no bolso. Mas há quem resista. O jornalista espanhol Antonio Baños Boncompain, afirma, sem medos, que A Economia Não Existe.
Uma crítica ácida, mas com um enorme sentido de humor, pretende desmascarar esta «religião» que seguimos sem questionar. Em A Economia Não Existe o autor desmistifica números e modelos económicos e dá-nos a conhecer os verdadeiros responsáveis pelo fiasco do sistema capitalista.
Com humor, do mais negro, António Baños Boncompain faz uma leitura transversal dos clássicos e neoclássicos, dos progressistas e reaccionários e mostra que a economia não passa de um sistema de crenças disfarçado de ciência. Um livro corajoso e destrutivo sobre a econocracia que, apesar de não oferecer soluções, promete dar explicações sem recorrer a conceitos complicados.Antonio Baños Boncompain é um jornalista quarentão que, um dia, farto de sofrer
com os reveses da economia, decidiu deixar de prestar atenção a essa pseudo-ciência.
Tem tido uma vida variada, mas sempre regida pelos cânones próprios de um pensador do início do século: fidelidade ao mileurismo e uma forte adesão à precariedade, tanto
laboral como intelectual.
Trabalhou em revistas de grande tiragem, como Panadería e Molinería, Vida Apícola e é colaborador das publicações Que Léer e El Periódico.

José Manuel Saraiva na Porto Editora: A Terra Toda é o novo romance do autor bestseller

Título: A Terra Toda
Autor: José Manuel Saraiva
Págs: 192
PVP: 15,50 €

José Manuel Saraiva escolheu a Porto Editora para publicar o seu mais recente romance, A Terra Toda, que estará disponível nas livrarias a partir do dia 3 de Março.
Autor de Rosa Brava, que vendeu mais de 50 mil exemplares, José Manuel Saraiva afasta-se agora do romance histórico para nos apresentar um romance actual, com um tema escaldante, repleto de paixão e intriga.
A Terra Toda será apresentado pelo Dr. Manuel Dias Loureiro no dia 17
de Março, no El Corte Inglés Lisboa, pelas 18h30.
Posteriormente, o
autor fará novas sessões no Porto e em Coimbra.

Sinopse:
Abandonado por uma mulher que o traiu com outro homem, Rafael recorre às consultas de uma psicanalista, com quem acabará por se envolver. Só que ele não sabe que está com isso a ressuscitar o seu passado e a expor-se a uma traição ainda mais dolorosa. Fazendo uma pausa no romance histórico, que o consagrou como um dos mais populares autores portugueses, José Manuel Saraiva mergulha agora nas águas mais profundas da nossa actualidade, abordando um tema escaldante que fará ainda estremecer algumas boas consciências.

Sobre o autor:
José Manuel Saraiva (Santo António de Alva, 1946) foi jornalista, pertencendo aos quadros de O Diário, Diário de Lisboa, Grande Reportagem e Expresso.
É autor de dois comentários sobre a Guerra Colonial, produzidos pela SIC, um dos quais foi transmitido pelo canal Arte em França e na Alemanha. É sua igualmente a história que deu origem ao telefilme A Noiva, de Luis Galvão Teles.
Em 2001, publica a sua primeira obra, As Lágrimas de Aquiles. Seguiram-se os romances Rosa Brava (2005) e Aos Olhos de Deus (2008), que o consagraram como um dos mais populares autores portugueses.

Bertrand lançaUm Promontório em Moledo de António Sousa Homem

Título: Um promontório em Moledo
Autor: António Sousa Homem
Chancela: Bertrand Editora
N.º de Páginas: 288
PVP: 16, 95€
Nas livrarias a 25 de Fevereiro

Depois de Os Males da Existência – Crónicas de Um Reaccionário Minhoto, em 2008, chega uma nova compilação de crónicas de um dos maiores cronistas portugueses.

«Um cronista exemplar» – Maria Filomena Mónica «O meu médico de Viana (a quem recorro nas aflições, e que vigia o temperamento das coronárias e do fluxo renal) não o diz, mas sei que a longevidade dos Homem o aflige como um milagre da província. O segredo é só este: espremer a pasta de dentes pelo fundo, não ler demasiados romances, manter os retratos dos antepassados, levantar cedo e evitar ceder à indignação. Depois de fazer oitenta e cinco anos, já lá vão uns tempos, a família trata-me como uma página do álbum de glórias, anterior ao Titanic, destinado ao naufrágio ou ao museu. Faço o que posso, só para não os desiludir.»

Sobre o autor:
António Sousa Homem nasceu no Porto em Março de 1921 e vive actualmente em Moledo, no Minho. Foi advogado de profissão, é autor de um livro de botânica e de um roteiro do Minho Litoral, ainda inéditos. Em 2002 publicou o seu primeiro livro, Os Ricos Andam Tolos, que reunia algumas das crónicas que escreveu para o semanário O Independente. Até 2008 escreveu semanalmente para a revista NS (do Diário de Notícias e do Jornal de Notícias) e actualmente escreve no Correio da Manhã, aos domingos. Em 2008 publicou Os Males da Existência – Crónicas de Um Reaccionário Minhoto, com prefácio de Maria Filomena Mónica (edição Bertrand), que o intitula de “um cronista exemplar”. E a comprová-lo está o facto de o Instituto de Letras e Ciências Humanas (ILCH) da Universidade do Minho ter decidido incluir as crónicas de António Sousa Homem num dos seus mestrados.
http://antonio-sousa-homem.blogspot.com/

Bertrand Editora publica dia 25 de Fevereiro mais uma grande obra das Obras de Aquilino Ribeiro: Príncipes de Portugal – suas grandezas e misérias

Título: Príncipes de Portugal – suas grandezas e misérias
Autor: Aquilino Ribeiro
Chancela: Bertrand Editora
N.º de Páginas: 248
PVP: 16.95€
Nas livrarias a 25 de Fevereiro

«Aquilino Ribeiro… aceitou o encargo de compor a vida dos grandes portugueses, príncipes, reinantes ou apenas caudilhos, que deixaram na história mais que uma passagem meteórica (...) O critério dele é o do romancista: interessa-lhe tudo o que não é comum. Para a história, de resto, não há apenas ouro, há também o oricalco. (…)
Aquilino Ribeiro olhou para esses grandes de Portugal e pintou-os como Velasquez fazia com as tintas do arco-íris. Tais como eram. Melhor, tais como lhe pareceram. Sem deixarem de ser a obra do historiador, escreveu estes perfis o novelista.»

Excerto da «Advertência ao Leitor» que Aquilino Ribeiro escreveu para ser assinada pelos
primeiros editores dos Príncipes de Portugal, onde tecia diversas considerações sobre a natureza, o espírito e a forma como traçara o perfil das personagens históricas que escolhera.

Sobre o autor:
Aquilino Ribeiro nasce na Beira Alta, concelho de Sernancelhe, no ano de 1885 e morre em Lisboa em 1963. Deixou uma vasta obra em que cultivou todos os géneros literários partilhando com Fernando Pessoa, no dizer de Óscar Lopes, o primado das letras portuguesas do século XX. Foi sócio de número da Academia das Ciências e, após o 25 de Abril, reintegrado, a título póstumo, na Biblioteca Nacional, condecorado com a Ordem da Liberdade e homenageado, quando do seu centenário, pelo Ministério da Cultura. Em Setembro de 2007, por votação unânime da Assembleia da República, o seu corpo foi depositado no Panteão Nacional.

Outras obras de Aquilino Ribeiro:

- O Malhadinhas
- As Três Mulheres de Sansão
- O Servo de Deus e a Casa Roubada
- Geografia Sentimental
- A Casa Grande de Romarigães
- O Galante Século XVIII
- Um Escritor Confessa-se
- Romance da Raposa
- Aldeia: Terra, Gente e Bichos
- D. Quixote De La Mancha

Lançamento do livro Perdido e Achado de Oliver Jeffers

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

Por Entre Grãos de Areia - Josephine Cox [Opinião]

Título: Por Entre Grãos de Areia
Autora: Josephine Cox
Colecção: Contemporânea
Preço: 25.90€
Pp.: 384

Nos anos 50, em Dorset, duas vidas recomeçam numa vila à beira-mar.
Kathy Wilson tem um sonho: transformar Barden House, a sua casa junto à praia, num ninho de paz e serenidade. E, nesse Verão, ela tem cada vez mais curiosidade no homem solitário que vê passear à beira-mar.
O seu nome é Tom Arnold e West Bay é o seu refúgio de uma vida cruelmente destruída pela tragédia. Atraída por este misterioso homem, Kathy sente que a sua vida vai mudar para sempre.
Mas os segredos e os fantasmas continuam a assombrar Tom e Kathy. Estarão os dois dispostos a aceitar o amor que os une quando o passado ameaça a sua frágil e nova vida?

A minha opinião:
Tom é um homem desesperado. Numa noite em que seguia de carro com a sua família, alguém abalroou o carro onde seguiam e o aparatoso acidente acabaria por resultar na morte da mulher e dos filhos sendo ele o único sobrevivente.
Kathy é uma rapariga completamente só. Agora que o seu pai se foi, sente-se completamente abandonada pela família (mãe e irmã) que a desprezam completamente. Depois das partilhas terem sido feitas e de ter descoberto que o pai lhe deixou como herança Barden House, o seu refúgio onde se encontrava secretamente com o amor da sua vida, Kathy decide deixar tudo e partir para uma vida nova.
West Bay vai ser, pois, o refúgio de duas pessoas com a vida completamente devastada por razões diferentes, mas que a morte dos entes queridos vai unir.
Um livro onde amor/ódio estão presentes, onde a relação entre irmão está bem latente, onde o ciúme entre irmão mais velho e mais novo e a posição deste tanto na família como em sociedade é muito importante e vai marcar desde o início até ao fim deste romance.
De salientar o final surpreendente.

Blogue Noites Brancas com oferta de cinco livros

A editora Clube do Autor acabou de lançar no blogue Noites Brancas uma oferta de cinco livros aos seus seguidores. As primeiras cinco pessoas a responderem acertadamente às cinco perguntas recebem grátis um exemplar do livro A Ilha dos Encantos. As respostas devem ser enviadas para o e-mail info@noitesbrancas.com.

Toca a aceder ao blogue e a participar:
http://noitesbrancasaler.blogspot.com

Porto Editora: Demasiados Heróis, de Laura Restrepo, é o novo romance da colecção Grandes Autores

Título: Demasiados Heróis
Autor: Laura Restrepo
Tradução: Vasco Gato
Págs: 208
PVP: 16.60 €
Colecção: Grandes Autores

A colecção Grandes Autores verá publicado o seu segundo livro no dia 24 de Fevereiro: Demasiados Heróis, de Laura Restrepo. Depois de Richard Russo, eis mais uma autora de topo que merece entrar na colecção de prestígio da Porto Editora.
Considerado um dos grandes nomes da literatura latino-americana, Laura Restrepo foi militante clandestina durante a ditadura argentina. Em Demasiados Heróis, este contexto é essencial para o desenrolar de uma história que traz ao de cima o conflito de gerações.

Sinopse:

Lorenza e Mateo chegam a Buenos Aires em busca de Ramón, o antigo amante de Lorenza e pai de Mateo, por quem ela se apaixonou durante a «guerra suja» argentina, quando os dois eram fervorosos militantes que se opunham à ditadura de Videla. Agora, mãe e filho, embora se encontrem encurralados no mesmo quarto de hotel, estão muito distantes quanto à forma exacta de achar o pai. Lorenza, que chegou à idade adulta no meio do torvelinho político dos anos sessenta, reflecte sobre as suas antigas convicções ideológicas e emocionais; o filho, um miúdo dos anos noventa que não se interessa de todo pela política nem pela ideologia, procura um pai real, de carne e osso.
Laura Restrepo, um dos maiores nomes da literatura latino-americana, oferece-nos, em Demasiados Heróis, um romance exemplar sobre o conflito de gerações.

Sobre a autora:
Laura Restrepo nasceu em Bogotá, na Colômbia, em 1950. Licenciada em Filosofia e Letras, foi professora universitária e dedicou-se activamente à vida política e ao jornalismo. Actualmente, é professora na Universidade de Cornell, nos Estados Unidos. Alguns dos seus romances – O Leopardo ao Sol, Doce Companhia, A Noiva Obscura e Delírio – encontram-se traduzidos em Portugal.
Recebeu, entre outros, os prémios Sor Juana Inés de la Cruz, France Cultura, Grinzane Cavour (para o melhor romance estrangeiro publicado em Itália) e Alfaguara (sendo presidente do júri José Saramago). Demasiados Heróis, publicado originalmente em 2009, confirmou-a como um dos grandes nomes da literatura latino-americana.

Imprensa:
Uma escritora que ilumina o mundo. The Washington Post Book World
Para além de ser um dos melhores romances da autora, Demasiados heróis, oferece-nos três dramas de alcance universal narrados com emoção e inteligência: a busca de um pai ausente, a dor de uma mãe a quem roubaram o filho e a recriação pungente do terror imposto por umaditadura. Javier Munguía, Siglo XXI
Um dos melhores romances escritos ultimamente. José Saramago (sobre Delírio)

BOOKSMILE: Scott Pilgrim está de regresso e continua a arrasar!

Título: Scott Pilgrim e a Tristeza Infinita
PVP: 8.99 €

O novo amor de Scott Pilgrim, Ramona Flowers, tornou-lhe a vida um pouco mais complicada. Ela tem sete ex-namorados maléficos que estão a aparecer, um por um, para o desafiarem a ganhar o direito de estar com ela. E o ex-namorado n.º 3, Todd Ingram, chega com uma surpresa extra: a sua actual paixão é o antigo amor da vida de Scott Pilgrim! Envy Adams despedaçou o coração de Scott há um ano e meio. Agora está de volta, com a sua banda de art-rock maléfico, The Clash At Demonhead. Ela quer que a banda de Scott faça a primeira parte do seu concerto, dentro de dois dias – tempo mais do que suficiente para Scott lutar com Todd, esquecer a Envy, fazer a Ramona feliz, esquivar-se aos avanços de ex-namoradas descontroladas e ensaiar o novo alinhamento. Certo?


Os fãs de Banda Desenhada não esconderam ter ficado espantados, em Novembro do ano passado, com o lançamento em Portugal de Scott Pilgrim, a BD de culto criada por Bryan Lee O’Malley. Uma aposta arriscada afirmaram, os meios da especialidade, pois em Portugal a Banda Desenhada tem, ainda, um público muito restrito. Mas a vida caricata de Scott Pilgrim é estranha e envolvente o suficiente para encantar um público jovem ansioso por uma leitura alternativa. E é por esta razão que a Booksmile mantém a aposta na colecção, lançando no dia 17 de Fevereiro o terceiro volume: Scott Pilgrim e a Tristeza Infinita.

Scott Pilgrim e a Tristeza Infinita traz um bónus para os fãs. Bryan Lee O’Malley explica:



«Pensei que seria bom (ou, pelo menos, interessante) convidar alguns amigos para contribuírem com pequenas coisas para a parte final do livro e, com sorte, juntar algum material para o próximo. A ideia é que se tornasse divertido para eles (criadores) e para vocês (os leitores), se todos pudéssemos ver interpretações diferentes dos personagens e não só. Espero que apreciem.»

Bryan Lee O’Malley nasceu em Ontário, no Canadá, em 1979. A BD tornou-se a sua vocação quando se apercebeu que era a única coisa constante na sua vida, enquanto tudo o mais mudava (faculdade, emprego, amigos, ser um cromo, não ser um cromo)
Scott Pilgrim: Na Boa Vida foi considerado o «livro alternativo do ano» pela revista Wizard’s e o «livro de comic independente do ano», pela Entertainment Weekly. Em 2007, o livro fez parte da A-List da Entertainment Weekly e graças ao 3.º volume da série, conquistou o prémio prémio Reuben da Sociedade Nacional de Cartoonistas para «melhor obra original»

Algumas críticas:
«Larguei basicamente tudo para poder ler, com rapidez, dando imensas gargalhadas e dobrando os cantos das páginas que queria guardar para a posteridade.» — Cory Doctorow, BOING BOING
«A variação ocidental mais estranha, mais engraçada e mais porreira da estética manga até à data.» — PUBLISHERS WEEKLEY

«Uma espécie de filme Alta Fidelidade para os viciados em Nintendo e em lojas de discos.» — THE LA TIMES