quinta-feira, 15 de setembro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

Do Fundo do Coração - Nora Roberts [Opinião]

Título: Do Fundo do Coração
Autora:
Nora Roberts


No início da sua carreira, Nora Roberts escreveu três histórias inspiradoras que a tornaram conhecida como uma das vozes mais românticas da actualidade.

Nesta colectânea estão representadas:

Uma Última Noite, a história de Kasey, uma antropóloga que conhece Jordan, um escritor a fazer pesquisa para o seu próximo romance. Kasey e Jordan terão que lidar não só com os sentimentos que nutrem um pelo outro,mas com a sobrinha de Jordan, uma órfã solitária.
Em Uma Questão de Escolha, o polícia James Sladerman tem a missão de investigar a loja de antiguidades de Jessica Winslow, onde existe a suspeita de roubo e tráfico de objectos de grande valor. O que Sladerman não esperava era sentir uma atracção cada vez mais forte pela mulher que tem de proteger a todo o custo.
Em Fins e Recomeços, Liv é uma jornalista de Washington que trabalha para o jornal local enquanto Thorpe é repórter num dos maiores diários nacionais. O trabalho que partilham torna apenas mais forte a química entre ambos, mas Liv já foi magoada no passado e não deseja voltar a render-se a nenhum homem. O que ela não descobriu ainda é que Thorpe não aceitará um não como resposta.
A minha opinião:
Uma última noite:
Este livro, que li ainda em formato e-book, oferecido pela Saída de Emergência, não me prendeu tanto quanto gostaria. Já li alguns livros da autora, nomeadamente trilogias, mas talvez por este ser mais pequeno não teve tanto conteúdo, a história das personagens podia ter sido mais desenvolvida. Penso que a personagem de Kasey, Jordan e Alison teriam uma história bonita para contar e que foi passada para segundo plano pela autora, que apenas incidiu a narrativa na história de amor entre os dois primeiros. Como história de amor não deixa de ser bonita e ao estilo de happily ever after, com Kasey no papel de protagonista, que vai fazer um trabalho sobre antropologia para o novo livro de Jordan e acabam por se apaixonar perdidamente. Pelo meio aparece Alison, filha do irmão gémeo de Jordan, entretanto falecido. No entanto, Beatrice Taylor, mãe de Jordan, ensombra a relação dos dois, e acaba por separar o jovem casal. Mas no fim, acaba tudo bem como num conto de fadas.
Uma questão de escolha: Mais uma vez, Nora Roberts fez de um caso que poderia ser um bom policial, uma história de amor. Pessoalmente preferia que autora explorasse melhor o caso que Slade foi investigar à loja de antiguidades de Jessica e não propriamente a história de amor vivida entre os dois, mas provavelmente para isso não leria Roberts, conhecida por escrever intensas histórias de amor e não policiais. Não posso dizer que foi uma história decepcionante, porque não foi, até porque tem bastante acção, com originalidade q.b. À mistura, mas como já disse, a história podia ter sido mais bem explorada, no caso da investigação de Slade e do contrabando de diamantes.
Fins e recomeços: "Os repórteres nem sempre podiam escolher os sãos e sensatos."
Das três histórias esta foi, sem dúvida a que mais gostei, talvez por me ter identificado mais. Tudo o que envolva jornalismo é, à partida, uma aposta ganha. Liv e Thorpe são jornalistas e, embora inicialmente Liv não simpatize muito com ele por achar que Thorpe lhe rouba as peças, acabam (já se estava à espera) por viver um tórrido romance. Mas não é só romance que trata Fins e Recomeços. Muitos furos jornalísticos e algumas histórias que podiam estar mais bem exploradas se não se tratasse de uma pequena história inserida num livro que contém mais duas. Depois há ainda o passado de Liv que é bastante interessante e que dá vida ao romance. Gostei.

Novidade Oficina do Livro: O Amor e o Facebook de Cláudia Morais

Título: O Amor e o Facebook
Autor: Cláudia Morais
PVP: 13,90 €
N.º de Páginas:192
Nas livrarias a 19 de Setembro

Sobre o Livro:
Partindo de casos concretos, “O Amor e o Facebook” oferece dezenas de pistas para uma correcta utilização da maior rede social do mundo, evitando que se torne um problema para a nossa vida sentimental e sublinhando as suas virtudes e potencialidades no campo dos afectos. O seu amor é à prova de Facebook? As redes sociais vieram para ficar nas nossas vidas, mas até que ponto são reais as ligações de amizade que lá estabelecemos? Que riscos corremos com a exposição a que nos sujeitamos no nosso perfil e com o conhecimento que passamos a ter da vida dos outros? Que consequências é que essa rede de contactos pode ter no nosso casamento ou namoro? Será possível proteger a nossa relação enquanto competimos com alguém que, pelo menos no plano virtual, se apresenta ao nosso marido ou mulher como quase perfeito?

Sobre a autora:
Cláudia Morais é psicóloga e trabalha há mais de dez anos com casais que procuram, através da terapia familiar, reequilibrar a sua relação. Nascida em Angola em 1976, é autora do livro Sobreviver à Crise Conjugal (Oficina do Livro) e publica regularmente textos e vídeos no blogue “A Psicóloga”. Colabora com a imprensa e com a televisão em temas relacionados com a família e o casamento.

«Meu Querido Cromo» o diário da rapariga mais divertida do mundo, está de volta!!!

Título: Meu querido cromo, as minhas calças estão assombradas!
Autor:
Jim Benton
Tradução: Dina Antunes
PVP: 9,90 €
N.º de Páginas: 152


Meu querido cromo está de volta! Jamie, a rapariga mais divertida do mundo, continua a partilhar no seu diário, o cromo, as peripécias hilariantes que vive na Escola Preparatória Carapau. É incrível como um único par de calças pode ter tanta influência no Universo. Depois de vestir as calças de ganga mais fixes de sempre, Jamie sentia-se a rapariga mais bonita à face da Terra. Só que, afinal, as calças têm vida própria e desejos muitos esquisitos… Estão Assombradas!!!!!
Querido Cromo, A Isabella disse que não foi a transformação que aumentou a Popularidade da Margaret e nos empurrou para o fundo da escala. Foram as calças. Também garantiu que não foi o meu grito na aula de Ciências que me fez trocar de novo de parceiro de laboratório e me juntar com o Famoso Palerma, Mike Pinsetti. Foram as calças. E disse que não fui eu quem fiz vocês-sabem-o-quê para cima do Hudson Rivers. FORAM AS CALÇAS!
Depois de Meu querido cromo, vamos fazer de conta que isto nunca aconteceu, chega agora Meu querido cromo, as minhas calças estão assombradas, e as aventuras de Jamie com as suas amigas parvas fazem deste divertido livro um fenómeno internacional.

Sobre Jim Benton:
Jim Benton não é uma rapariga e não frequenta o segundo ciclo. Mas, por favor, não levem a mal. Afinal, consegue ganhar a vida sendo bastante divertido. Benton é o criador de vários êxitos, tanto para adultos como para jovens, que vão desde livros a séries televisivas. Mora em Michigan com a mulher e os filhos e não tem um cão, muito menos um vingativo beagle. Meu querido cromo é o seu mais recente fenómeno, uma série já com 12 livros.


P.S. – A Jamie não faz ideia de que tu, ou alguém, lê os seus diários. Então, por favor, por favor, não lhe digas nada.

Novidade Clube do Autor hoje nas livrarias: De olhos Pousados em Deus

Título: De Olhos Pousados em Deus
Autor:
Zora Neale Hurston

PVP: 15,80 €
N.º de Páginas: 280

«Zora Neale Hurston é uma das maiores escritoras do nosso tempo»
Toni Morrison – Prémio Nobel da Literatura, 1993


«De Olhos Pousados em Deus faz parte da categoria que inclui as obras de William Faulkner, F. Scott Fitzgerald e Ernest Hemningway: a categoria da literatura eterna.» Saturday Review

De Olhos Pousados em Deus, uma das mais importantes obras da literatura americana do século XX, é uma tocante história de amor passada no Sul dos Estados Unidos que brilha pela sua inteligência, beleza e uma sensatez sentida. Contada pela voz cativante de uma mulher que se recusa a viver na dor, na amargura ou no medo, De Olhos Pousados em Deus apresenta-nos Janie Crawford, uma mulher negra de pensamentos e sentimentos profundos, que embarca numa demanda em busca do seu verdadeiro eu.
A viagem de Janie inicia-se aos dezasseis anos, quando a avó moribunda a obriga a casar com Logan Killicks, um homem mais velho que Janie despreza. Revoltando-se contra as tentativas de Logan em transformá-la numa moura de trabalho, Janie decide fugir com Joe Starks, um homem da cidade com grandes sonhos. Os dois seguem para Eatonville, onde, passado pouco tempo, Joe se transforma no seu presidente de Câmara, chefe dos correios e proprietário de terras. Depois da morte de Joe, Janie apaixona-se por um trabalhador de espírito livre muito mais novo do que ela. Tea Cake é o verdadeiro amor de Janie e na sua companhia ela tem finalmente liberdade para se transformar nela mesma. Uma verdadeira pérola literária, a obra de Hurston continua tão relevante e comovente hoje como quando foi publicada pela primeira vez, em 1937. Oprah Winfrey considera De Olhos Pousados em Deus a sua «história de amor favorita de todos os tempos». A admiração pelo romance levou Oprah a produzir uma adaptação televisiva do mesmo, tendo como actriz principal Halle Berry.

Sobre a autora:
Zora Neale Hurston, romancista e antropóloga, nasceu a 7 de Janeiro de 1891, em Notasulga, Alabama. Hurston mudou-se com a família para Eatonville, Florida, quando ainda era muito pequena e as suas obras não revelam qualquer recordação do início de vida no Alabama. Para Hurston, Eatonville sempre foi o seu lar. Ao longo de uma carreira que se prolongou durante mais de trinta anos, Hurston escreveu quatro romances, dois livros sobre folclore, uma autobiografia, numerosos contos e vários ensaios, artigos e peças. Em 1937, publicou a sua obra-prima, De Olhos Pousados em Deus. Cinco anos mais tarde, aquando do lançamento da autobiografia Dust Tracks on a Road, a autora recebeu finalmente a aclamação que há muito lhe escapava, transformando-se numa referência da literatura americana do século XX. Zora Neale Hurston morreu a 28 de Janeiro de 1960, aos sessenta e nove anos, vítima de uma apoplexia.

Apresentação do livro "Está tudo bem"

A Papiro Editora vai promover, dia 16 de Setembro pelas 19h00 a apresentação do livro “Está tudo bem” da autoria de Pedro Múrias, na Rota do Chá, Rua Miguel Bombarda 457, Porto. É de uma longa vida de dependências, imersa e edificada no terreno lodoso dos «paraísos artificiais» que este livro nos fala. Pretende testemunhar uma estória de sofrimento, tristeza e perda mas também de recuperação e amor. Está tudo bem – História triste com um final feliz, diz Álvaro Ferreira no prefácio, «olha para o passado com os olhos do presente, provoca irremediavelmente uma nova leitura, um novo pretérito e uma nova história».

Convite

quarta-feira, 14 de setembro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

Bertrand lança V. de Thomas Pynchon

Título: V.
Autor: Thomas Pynchon
Género: Ficção Literária
Tradutor: Salvato Telles de Menezes
Formato: 15 x 23,5 cm
N.º de páginas: 560
Data de lançamento: 16 de setembro
PVP: 18,90 €

O romance de estreia do autor de culto, publicado originalmente em 1963 e vencedor do prémio da Fundação William Faulkner.
Tendo acabado de obter dispensa da Marinha, Benny Profane contenta-se com uma existência ociosa passada entre os amigos, onde a única ambição é a de ser perfeito na arte do engano, e onde a palavra «responsabilidade» é considerada obscena. Entre os seus amigos – chamados Whole Six Crew – está Slab, um artista que parece ser incapaz de pintar outra coisa que não seja queijo dinamarquês. Mas a vida de Profane muda dramaticamente quando ele se torna amigo de Stencil, um jovem ambicioso e ativo com uma missão intrigante – a de descobrir a identidade de uma mulher chamada V., que conheceu o seu pai durante a guerra, mas que desapareceu repentina e misteriosamente.

«Esta obra poderá bem ser uma das melhores do século.» Atlantic Review
«O deus escondido das letras modernas.» Washington Post
«O génio dominante da literatura americana extravagante.» Telegraph
«O supremo rock star literário.» Rolling Stone
«Um romance de estreia brilhante e turbulento.» New York Times Book Review
«Deixa a imaginação exausta e a mente a fervilhar.»New York Herald Tribune
«Um dos Livros do Cânone Ocidental.» Harold Bloom

Sobre o autor:

Thomas Pynchon (n.1937) é o autor de culto de livros como Gravity’s Rainbow, O Leilão do Lote 49 e Vício Intrínseco. Considerado uma das vozes mais influentes da atualidade, conquistou um National Book Award e é invariavelmente apontado como um dos favoritos ao prémio Nobel da Literatura.
Pynchon é também conhecido pela reclusão em que vive e pela fuga à imprensa e ao mediatismo. Não é visto há 50 anos e as únicas fotografias suas conhecidas datam da sua juventude.

Apresentação de "A Minha Sala de Aula é uma Trincheira. 10 Mitos sobre os Professores" de Bárbara Wong

Para assinalar o regresso às aulas a Esfera dos Livros lança hoje o livro A Minha sala de Aula é uma trincheira. 10 Mitos sobre os professores de Bárbara Wong. O ex-ministro da Educação David Justino e o bloguista Paulo Guinote apresentam o livro na Livraria Buchholz, às 18h30. Apareça e confira o estado da educação em Portugal.

Porto Editora publica, no dia 22 de setembro, 1961 – O Ano que Mudou Portugal, da autoria do jornalista João Céu e Silva

Título: 1961 – O Ano que Mudou Portugal
Autor:
João Céu e Silva

Págs: 272
PVP:
14, 90 €

Fruto de uma profunda investigação, este livro tem por principal base o arquivo do Diário de Notícias, Diário de Lisboa e República, e reproduz dezenas fotografias, algumas inéditas, bem como documentos que ilustram e completam um relato diário do que foi o ano de 1961. Estãoainda incluídas na investigação um conjunto de entrevistas e depoimentos exclusivos de personalidades marcantes e que participaram em vários desses acontecimentos, desde protagonistas políticos como Adriano Moreira ou Jorge Sampaio, até historiadores, militares e escritores, como Lídia Jorge e Pepetela.

Sinopse:

Um livro fundamental para os que nasceram em 1961! Poderia fazer-se tal
afirmação. Mas 1961 – O Ano que Mudou Portugal é também fundamental para os que viveram esse ano e para aqueles, mais novos, que querem hoje compreender o que representou esse momento irrepetível da história portuguesa. 1961 foi um ano surpreendente por várias razões: o desvio, com fins políticos, do paquete Santa Maria e de um avião da TAP; a oposição das Nações Unidas à política colonial de Salazar e a descoberta de que o governo de John Kennedy financiava os movimentos independentistas do Ultramar; o massacre de brancos em Angola, que deu início a treze anos de guerra que afetaram diretamente mais de um milhão de portugueses. Um ano que terminaria ainda com a invasão de Goa pela União Indiana, que deixou no terreno 3500 prisioneiros. Para esclarecer as dúvidas que ainda permanecem sobre o período mais crítico da governação de Salazar, este relato do dia a dia de 1961 conta com uma série de depoimentos de protagonistas políticos importantes, como Adriano Moreira, Domingos Abrantes ou Jorge Sampaio; dos generais Carlos Azeredo e Chito Rodrigues; dos historiadores Irene Flunser Pimentel e Rui Ramos; dos que foram militares em África, como Jorge Jardim Gonçalves ou Otelo Saraiva de Carvalho; ou daqueles que sobre esse continente continuam a escrever, como Lídia Jorge.

Sobre o autor:

Depois de cinco retratos biográficos sobre escritores portugueses – Uma
Longa Viagem com Álvaro Cunhal (2005), Uma Longa Viagem com Miguel Torga (2007), Uma Longa Viagem com José Saramago, Uma Longa Viagem com António Lobo Antunes (2009) e Uma Longa Viagem com Manuel Alegre (2010) – o autor decidiu agora viajar no tempo e dar-nos um retrato dos 365 dias que decidiram o fim do Império Português. João Céu e Silva nasceu em Alpiarça, em 1959, licenciou-se em História durante os anos em que viveu no Rio de Janeiro e é, desde 1989, jornalista do Diário de Notícias. Publicou também um livro de viagens (Caravela Tropical) e um romance (28 Dias em Agosto).
terça-feira, 13 de setembro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

Clube do Autor publica A Última Testemunha de Auschwitz - Quinta-feira nas livrarias

Título: A Última Testemunha de Auschwitz
Autor: Denis Avey com Rob Broomby
Prefácio de: Sir Martin Gilbert (Historiador)
PVP: 17,80 €
N.º de Páginas: 328

«Denis Avey é um herói numa era marcada pelo horror, um homem de princípios e corajoso.» New York Times
«Um excelente testemunho de sobrevivência» Publishers Weekly


Um relato em primeira mão do pesadelo vivido no campo de concentração de Auschwitz III
«Eu, soldado britânico e prisioneiro de guerra, protegido até agora pela Convenção de Genebra, olhei para a minha nova farda, umas roupas largas, disformes, com umas riscas azuis sujas e uma estrela amarela. Sob os olhares dos guardas das SS, cruzei os portões. Ao início de uma tarde de meados de 1944, entrei em Auschwitz III de livre vontade e por minha própria iniciativa.»
A Última Testemunha de Auschwitz é a história verdadeira e impressionante de um soldado britânico que entrou de livre vontade em Buna-Monowitz, o campo de concentração conhecido como Auschwitz III, para testemunhar na própria pele os horrores sofridos pelos judeus. A sua atitude acabaria ainda por ajudar a salvar um prisioneiro judeu…
No Verão de 1944, Denis Avey era um dos prisioneiros de guerra do campo de trabalho E715, próximo de Auschwitz III. Muito se ouvia falar da brutalidade aplicada aos prisioneiros judeus que aí estavam presos, mas Denis Avey queria certificar-se de que os boatos eram de facto verdadeiros. Tomou então a decisão de ir pessoalmente testemunhar tudo o que lhe fosse possível, colocando em risco a sua própria vida. Denis Avey arquitectou um plano para trocar de lugar com um prisioneiro judeu e conseguiu infiltrar-se num dos sectores do campo. Passou lá a noite por duas vezes e viveu em primeira mão a crueldade de um lugar onde os trabalhadores escravos eram condenados à morte através do trabalho forçado. Surpreendentemente, sobreviveu para testemunhar o período posterior à «marcha da morte», em que milhares de prisioneiros foram assassinados pelos nazis fugindo ao avanço do exército soviético. Após a sua própria caminhada através da Europa Central, foi repatriado para a Grã-Bretanha. Durante décadas, não conseguiu revisitar o passado que lhe assombrava os sonhos, mas agora Denis Avey foi finalmente capaz de contar toda a história – tão apaixonante como comovente – oferecendo-nos uma visão única do íntimo de um homem comum cuja coragem é quase inacreditável.

Sobre o autor:
Denis Avey nasceu no Essex em 1919. Combateu no deserto durante a II Guerra Mundial, tendo sido capturado e mantido como prisioneiro de guerra num campo próximo de Auschwitz III. Em 2010, foi distinguido como um dos 27 Heróis Britânicos do Holocausto. Rob Broomby é jornalista do BBC World Service, especializado em temas britânicos. Anteriormente, foi correspondente da BBC em Berlim e trabalha há mais de vinte anos como jornalista radiofónico, especialmente para a BBC Radio.

Bertrand lança Hitler - Uma Vida em Imagens

Título: Hitler – Uma Vida em Imagens
Autor: María J. Martínez
Género: Biografia
Tradutor: Pedro Carvalho
Formato: 15 x 23,5 cm
N.º de páginas: 320
Data de lançamento: 16 de setembro
PVP: 17,50 €

A biografia ilustrada de uma das figuras mais relevantes e controversas da história mundial.
Adolf Hitler, uma das figuras mais controversas do século XX, autoproclamou-se o salvador da Alemanha depois da triste situação em que esta se viu mergulhada, após a sua derrota na Primeira Guerra Mundial. Os seus excelentes dotes oratórios permitiram-lhe ascender ao poder dentro do Partido Nazi e, a partir daí, a sua megalomania agarrou não só as massas mas também a sua própria pessoa, o que levou a julgar-se capaz de conquistar o mundo. A existência de uma raça ariana superior e a perseguição aos judeus, causa de todos os males do povo alemão, foram as bases da sua ideologia. As restantes nações europeias viram-se obrigadas a declarar guerra à Alemanha, face às suas pretensões expansionistas, e as consequências políticas, sociais e económicas da Segunda Guerra Mundial ainda hoje palpitam no seio da nossa sociedade.

«A sociedade alemã da época via-se cada vez mais afundada numa crise, tanto política como económica, e Hitler apresentava-se como “o salvador”. Em 1932, obteve mais de 13 milhões de votos nas eleições presidenciais e, um ano depois, foi nomeado chanceler. Em março de 1933, foram-lhe conferidos plenos poderes e as suas decisões radicais e extremistas começaram a ser postas em prática. A 30 de junho de 1934, ordenou o massacre dos dirigentes da divisão de assalto do NSDAP (Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães) naquela que ficou conhecida como a “Noite das Facas Longas”. Dois meses mais tarde, morria Hindenburg e Hitler tornou-se Führer e Chanceler do Reich.»

Hitler – Uma Vida em Imagens
segunda-feira, 12 de setembro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

Não podemos ver o vento de Clara Pinto Correia está quinta-feira nas Livrarias

Título: Não podemos ver o vento
Autor: Clara Pinto Correia
PVP: 16,80 €
N.º de Páginas: 360

Uma história arrepiante que revela os abismos da alma humana e os segredos mais bem guardados da nossa guerra

Não podemos ver o vento é o novo romance de uma das mais importantes escritoras portuguesas, que nos fala sobre os segredos mais bem guardados da guerra colonial em Moçambique.

“Foi, sem sombra de dúvida, o trabalho de campo mais cansativo que alguma vez me meti por amor a um romance”, desabafa a autora.
Mariana, uma psicóloga ruiva de coração ardente e determinação férrea, está na casa dos trinta quando conhece Guilherme. Mãe de duas gémeas demasiado bonitas, atrevidas e curiosas para seu próprio bem, Mariana começa a frequentar o Solar de Turismo de Habitação que Guilherme dirige na Serra do Barroso para preencher de forma criativa e pedagógica os tempos livres das filhas. Estabelece rapidamente uma grande amizade com o proprietário e à medida que essa relação se vai estreitando começam a emergir os temas que lançarão a psicóloga na sua investigação sem retorno: a Guerra Colonial em Moçambique, a formação dos Grupos Especiais e dos Grupos Especiais Pára-Quedistas, as suas incríveis missões-relâmpago de contraguerrilha, o uso de estupefacientes fornecidos pelo próprio Exército Português, e outros segredos.
Não Podemos Ver o Vento é um puzzle em que as peças vão encaixando para revelar aspectos imprevistos dos abismos da alma humana e histórias verdadeiras de um dos segredos mais bem guardados da Guerra. A última peça do puzzle, no entanto, ao revelar o quadro na sua totalidade, também o modifica por completo: afinal havia ainda mais um segredo, o mais impressionante de todos, e desse nem Guilherme falou nem Mariana suspeitou. E não é que não tenha estado sempre à vista.

Sobre a autora:
Nasceu em Lisboa em 1960. É licenciada em Biologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Em 1985 entrou como assistente para a Faculdade de Medicina, onde leccionou Embriologia e Biologia Celular. Doutorou-se em Biologia Celular, no ano de 1992, no Instituto de Investigação Científica Abel Salazar, depois de ter realizado o seu trabalho de investigação na State University of New York em Buffalo, EUA. A partir de 1995 começou a trabalhar na Universidade Lusófona (Lisboa), onde foi vice-reitora até 2003. Montou e dirigiu a licenciatura em Biologia e o Mestrado em Biologia do Desenvolvimento até 2010. Foi também directora da pós-graduação em História da Ciência e da cadeira Ciência e Religião da licenciatura em Ciência das Religiões. Em 2004 prestou provas de agregação na Universidade de Lisboa, passando então a ser Professora Catedrática. Presentemente é visiting scholar no Department of Biology no Amherst College, e membro do Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência. É também escritora, com mais de cinquenta títulos publicados, cronista e tradutora, tendo frequentemente trabalhado em rádio e televisão.

Sextante Editora publica, no dia 22 de setembro, o mais recente romance de Cristina Carvalho, Lusco-fusco

Título: Lusco-fusco
Autor:
Cristina Carvalho

Págs: 152
PVP: € 15,50
Ilustrado pelo canadiano Pierre Pratt, este é um livro sobre as maravilhas e mistérios da Natureza, os seus Quatro Elementos e os seres mágicos que vivem entre nós. Lusco-fusco é um livro para toda a família, no seguimento do que já aconteceu com O gato de Uppsala e Nocturno – O romance de Chopin, dois romances que estão incluídos no Plano Nacional de Leitura.

Sinopse:
Este livro fala do mundo dos espíritos da Natureza. Fala de personagens subtis, etéreas, delicadas, algumas delas perigosas e cheias de mistério. São os gnomos e as fadas, os silfos, assalamandras e outros seres que, lá das profundidades do imponderável azul celeste ou vindos dos mais secretos esconderijos na Terra e no Mar, tudo determinam com exatidão e rigor: os terramotos, os furacões, os tsunamis, os vulcões. Reinam nos Quatro Elementos.Para os contactarmos é preciso liberdade, coragem e determinação. Este é o guia para conhecer os Elementais.

Sobre a autora:
Cristina Carvalho nasceu em Lisboa, a 10 de novembro de 1949. Durante a sua atividade profissional, contactou com milhares de pessoas e visitou inúmeros países, sendo a Escandinávia e o Oeste português as regiões que mais ama e que mais influência exercem sobre a sua personalidade enquanto transitório ser humano do sexo feminino, habitante do planeta Terra e, por acaso, escritora. Publicou até à data nove livros: Até já não é adeus (Signo), Momentos misericordiosos, Ana de Londres, Estranhos casos de amor (Relógio D’Água), A casa das auroras (Planeta Manuscrito), Tarde fantástica (7 Dias 6 Noites), O gato de Uppsala (Plano Nacional de Leitura), Nocturno – O romance de Chopin (Plano Nacional de Leitura) e Lusco-fusco (Sextante). Página pessoal: www.cristinacarvalho.org