sexta-feira, 23 de dezembro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

O Último Segredo - José Rodrigues dos Santos [Opinião]


Título: O Último Segredo
Autor:
José Rodrigues dos Santos
Editora: Gradiva
Data de Lançamento: 20-10-2011
ISBN: 9789896164461
Nº Páginas: 564
Encadernação: Capa Mole
PVP: 22€

Sinopse:
Uma paleografa é brutalmente assassinada na Biblioteca Vaticana quando consultava um dos mais antigos manuscritos da Bíblia, o “Codex Vaticanus”. A polícia italiana convoca o célebre historiador e criptanalista português, Tomás Noronha, e mostra-lhe uma estranha mensagem deixada pela assassino ao lado do cadáver.

A inspectora encarregada do caso é Valentina Ferro, uma beldade italiana que convence Tomás a ajudá-la no inquérito. Mas a sucessão de homicídios semelhantes noutros pontos do globo leva os dois investigadores a suspeitarem de que as vítimas estariam envolvidas em algo que as trascendia. Na busca da solução para os crimes, Tomás e Valentina põem-se no trilho dos enigmas da Bíblia, uma demanda que os conduzirá à Terra Santa e os colocará diante do último segredo do Novo Testamento.

A minha opinião:
Juntar José Rodrigues dos Santos e assuntos da igreja num livro logicamente que resulta em polémica. Mas será que é caso para tanto? Será que há necessidade de a Igreja Católica se manifestar relativamente a uma obra de ficção que, apesar de poder levantar algumas questões sobre a vida de Jesus Cristo, não é nada mais que isso? Uma obra de ficção? Não é nenhum estudo aprofundado do tema, ou será? Porquê tanta celeuma?
Como já vem sendo habitual nos seus livros de ficção, Rodrigues dos Santos coloca como protagonista o historiador e criptanalista Tomás de Noronha para investigar primeiro a morte de uma amiga, que é brutalmente assassinada na Biblioteca do Vaticano. No entanto, depressa se seguem mais duas mortes em tudo semelhantes: um outro historiador aparece degolado à entrada do Chester Beatty Library em Dublin onde o espólio de Bíblias é ainda melhor do que no Vaticano e um conceituado professor também aparece morto com o mesmo modus operandi junto à casa Balabanou. Junto aos cadáveres é sempre deixado um enigma que Tomás desvenda facilmente não fosse ele um mestre em descobrir esse tipo de charadas. Num instante ele liga esses enigmas às fraudes inseridas no Novo Testamento e a uma seita religiosa denominada Sicarii.
Pelo meio junta-se a história de Virgem Maria, de Jesus Cristo, da descoberta dos ossários de Talpiot, nada de novo até porque já foi feito um documentário sobre essa descoberta por James Cameron, onde se diz poder estar José, Jesus Cristo Maria, Maria Madalena, Judas filho de Jesus e até Tiago. E até de clonagem...
Gostei bastante.

Concurso Literário Breve História de Amor



O autor Tiago Rebelo e a Asa, em conjunto com alguns blogues decidiram lançar um concurso literário de pequenas histórias de amor intitulado “Concurso Literário Breve História de Amor“. A ideia principal é que os seguidores do Marcador de Livros e de outros blogues do género puxem pela criatividade e escrevam a sua história de amor e concorram a um prémio.

Regras do concurso:
A breve história de amor deve ter um máximo de 3000 carateres, não sendo aceites as que excedam este limite;

O prazo para o envio das histórias será o dia 31 de janeiro de 2012;

Os participantes deverão enviar a sua história para o email: brevehistoriadeamor@gmail.com;

No dia 14 de fevereiro, dia dos namorados, será anunciado o vencedor através da publicação da história e do nome do seu autor em todos os blogs aderentes e ainda no site da LeYa e no site e página de Facebook do autor, bem como nos blogs da ASA;

O vencedor receberá uma colecção completa e autografada dos livros do Tiago Rebelo publicados pela ASA.

Não percam esta oportunidade de participar e boa sorte :)


segunda-feira, 19 de dezembro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

Peto - Paula Cairo [Opinião]



Título: Peto
Autor: Paula Cairo
Editora: Livros d’Hoje
N.º Páginas: 200
Preço: 15,00 €
ISBN: 978-972-20-4872-9
1ª Edição: Novembro de 2011

Sinopse:
O Peto apareceu na rua, ainda bebé, e lá viveu durante doze longos anos, comendo dos caixotes do lixo. A certa altura, duas senhoras repararam nele e foram-no protegendo como podiam, dando-lhe comida e água. E ele por ali foi ficando. Foi recolhido duas vezes por pessoas que o voltaram a abandonar porque, afinal, era grande demais ou deixava a casa cheia de pelos. Na sua vida na rua, foi agredido diversas vezes e durante muito tempo teve dificuldade em usar as patas traseiras. Foi também atropelado mais do que uma vez. Chegou a ser esfaqueado na barriga. Tinha Leishmaniose, e por dormir tantos anos ao relento sofria ainda de artrite, passando a ter de tomar medicação quatro vezes ao dia. Foi atacado diversas ocasiões por cães com «donos perigosos» e o seu corpo ficou marcado por várias cicatrizes. Enfrentou duas denúncias de vizinhos, que não o queriam ali. Numa das vezes acabou num canil para ser abatido, como tantos outros cães vadios. Mas foram buscá-lo e ele voltou à sua rua. A sua sorte mudou quando, um dia, Paula, reparou no cão meigo e triste que se arrastava cheio de sangue, terra e pó. Começou por lhe limpar as feridas. Acabou por saber a sua história e seis meses depois, em Novembro de 2005, levou-o para casa e encheu-o de amor. Peto escapou da morte nesse inverno.

A minha opinião:
Esta é a história de um cão de rua sortudo que apanhou pela frente Paula Cairo uma defensora dos animais como há poucas. Foi levado para casa da autora do livro com doze anos e que, apesar de nunca ter tido cães e ter já alguns gatos em casa, não hesitou e acolheu o cão de olhos doces e que precisava de carinho e de cuidados. E até se ter transformado numa grande amizade foi um passo. A partir daí nunca mais se largaram. Peto foi o seu companheiro até à morte deste, aos 18 anos. Por tê-lo adoptado foi olhada por diversas vezes de lado e criticada, teve de mudar de casa porque os seus vizinhos não aceitaram bem aquela adopção, mas mesmo assim Paula não esmoreceu e levou a sua ideia avante: não iria largar Peto. E foram muito felizes juntos, vivendo várias aventuras com outros animais que foram vivendo também nas suas casas.
Também eu adoro animais e não consigo ver ninguém a maltratá-los, mas admiro a coragem da autora e adoptá-los e dar o seu amor pelos seus amigos de quatro patas. Também eu tenho uma gatinha e esta também faz parte da família. É tratada como tal por toda a gente e é assim que deve ser. Infelizmente nem todos pensam assim e a lei não pune os infractores...

Excerto:
“Assim ando vacilante e trémulo numas patas que já não sinto”
“É igualmente um olhar diferente e outro modo de ver um ser vivo”

Publicações Europa-América editam mais um livro de Robin Cook

Título: Cura
Autor: Robin Cook
Colecção: Obras de Robin Cook
Preço: 19.75€
Pp.: 368

Agora que o neuroblastoma, potencialmente fatal, que tomou conta do seu filho parece estar em plena remissão, a médica legista de Nova Iorque, Laurie Montgomery, volta às suas funções, no Gabinete de Medicina Legal, onde trabalha há mais de duas décadas.
Preocupada com a incerteza de ainda ter, ou não, capacidade para o seu trabalho depois da longa ausência, Laurie depara-se com um primeiro caso, que é nada menos do que um puzzle altamente perigoso e da maior importância, que envolve o crime organizado e duas empresas recém-criadas de biotecnologia, num jogo de audazes. Apesar dos conselhos e avisos dos seus colegas e do seu marido, o também colega Jack Stapleton, Laurie está determinada a resolver o mistério que este caso representa.
Satoshi Machita, um ex-investigador da Universidade de Quioto, é o detentor de uma patente extremamente valiosa que diz respeito às células estaminais induzidas pluripotentes, que serão a base para a construção de uma indústria de triliões de dólares na área da medicina reconstrutiva. Quando este morre numa plataforma do metropolitano de Nova Iorque, cheia de pessoas, Laurie terá de decidir se a sua morte se deve a causas naturais, ou a algo… mais diabólico.
Nas sombras, escondem-se pessoas que gostariam de ver Laurie bem longe da morte de Satoshi. Apesar das ameaças que recebe, ela insiste, até que estas começam a tornar-se bem reais e afectam a pessoa que ela mais ama no mundo: o seu filho J. J.
Subitamente, Laurie não terá outra escolha senão resolver o crime e salvar o filho.

Sobre o autor:
O Dr. Robin Cook é um prestigiado médico norte-americano, especializado em Oftalmologia, doutorado em Harvard. É reconhecido como o fundador do género literário «thriller médico» e há trinta anos que se mantém como o autor de maior sucesso deste género a nível mundial. Este é o seu 30.º livro publicado na Europa-América.
domingo, 18 de dezembro de 2011 | By: Maria Manuel Magalhaes

Dei-te o Melhor de Mim - Nicholas Sparks [Opinião]


Título: Dei-te o Melhor de Mim
Autor: Nicholas Sparks
P.V.P.: 17,50 €
Colecção: Grandes Narrativas
Nº na Colecção: 517
Data 1ª Edição: 22/11/2011
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4704-4
Nº de Páginas: 304
Sinopse:
Dei-te o Melhor de Mim, o novo e aclamado romance de Nicholas Sparks, conta a história emocionante de Amanda e Dawson, dois adolescentes envolvidos na mágica experiência do primeiro amor. Contudo, sob a pressão familiar e social, são obrigados a seguir vidas distintas. Somente vinte e cinco anos mais tarde voltam a encontrar-se, por altura da morte do único homem que tinha protegido o jovem casal apaixonado. E se para ambos o amor de outrora se revela intacto, confrontam-se inevitavelmente com as escolhas feitas e os compromissos assumidos. Qual então o sentido daquele encontro, se nada podia mudar o passado?
A minha opinião:
Como vem sendo habitual nos livros de Sparks, existe sempre uma história de amor intensa, mas que por alguma razão, algo o vai destruir. Em Dei-te o Melhor de Mim não é excepção. Amanda e Dawson vivem um grande amor, mas que se vêem obrigados a separar-se face ao estrato social completamente diferente. Enquanto Amanda vem de uma família abastada, Dawson é oriundo de uma família disfuncional, com parentes bêbados e que arranjam permanentemente confusão com as autoridades a começar pelo pai e a terminar nos primos. Mas Dawson é um rapaz complemente diferente. E por ser assim, vai surgir uma amizade intensa com Tuck, uma amizade que chega quase a ser de pai para filho. Tuck dá-lhe a atenção e carinho que o seu pai nunca lhe deu, e é aí que ele arranja guarida e trabalho. No entanto, os pais de Amanda, continuam a não ver com bons olhos a relação de ambos e Dawson decide pôr termo à relação.
Porém, vinte e cinco anos depois, o destino e o próprio Tuck, quis que o antigo casal de namorados se voltasse a juntar e tudo vai ser questionado: as decisões passadas, as suas vidas presentes, o valor da amizade e do primeiro amor, o valor da família…
Mais uma vez Sparks não desilude dando aos leitores um romance forte, de emoções fortes, embora um pouco previsível para o final. De realçar a capa, que nos faz transportar para o local mágico descrito no livro, e para o título que não poderia ser mais adequado.
Excerto:
“O amor, afinal, dizia sempre mais acerca de quem o sentia do que acerca da pessoa amada”