terça-feira, 10 de abril de 2012

Uma Melodia Inesperada - Jodi Picoult [Opinião]


Título: Uma Melodia Inesperada
Autor: Jodi Picoult
Título original: Sing you Home
Tradução: Ana Figueira
Formato: 155 x 235 mm
Lombada: 26 mm
Páginas: 480
Peso: 755 g
Encadernação: Capa mole
Coleção: Literatura
Público-alvo: Adultos
ISBN: 978-972-26-3384-0
Preço: 17,90€

Sinopse:
Zoe Baxter passou dez anos a tentar engravidar e, quando parece que este sonho está prestes a realizar-se, a tragédia destrói o seu mundo. Como consequência da perda e do divórcio, Zoe mergulha na carreira como terapeuta musical. Ao trabalhar com Vanessa, o relacionamento profissional entre as duas transforma-se numa amizade e depois, para surpresa de Zoe, em amor. Quando Zoe começa a pensar de novo em formar família, lembra-se de que ainda há embriões dela e de Max congelados que nunca foram usados.

A minha opinião:
Quem conhece a autora sabe que Jodi Picoult prima pela polémica. Uma Melodia Inesperada não podia ser excepção e é essa a fórmula do sucesso da sua escrita.
Desta feita pegou num tema actual, o da homossexualidade, somando o facto de um casal de lésbicas desejar ter uma criança. Tal era possível por uma das personagens, Zoe, já tinha sido casada e nas diversas tentativas para engravidar, congelou três embriões.
O facto de não ter conseguido levar nenhuma gravidez avante, a infertilidade do casal Zoe e Max, abalou esta família ao ponto de criar uma ruptura e à consequente divisão de bens, excepto os embriões congelados que ficaram na clínica de fertilidade.
Quando se apaixona por Vanessa, Zoe vê ali a única possibilidade de ter um filho...
Mas é aqui que entram os ideais de uma igreja altamente conservadora, que vê na homossexualidade um pecado mortal, que poderá ser “curado”.
Jodi Picoult consegue surpreender mais uma vez. Adorei e recomendo este livro livre de preconceitos.


Excertos:
“Todas as vidas têm uma banda sonora.”
“Para mim, a música é a linguagem da memória.”
“O passado é apenas um degrau para o futuro.”
“Deixou de haver lugar para mim no meu casamento, a não ser como material genético. Muita gente fala do que as mulheres sofrem quando não conseguem ter um bebé. Mas nunca ninguém pergunta pelos homens.”
“Sexo com uma mulher é o que desejávamos que fosse com um homem mas que raramente é: centrado na viagem e não no destino. São os preliminares para sempre.”
“A ansiedade é como uma cadeira de baloiço. Dá-nos qualquer coisa para fazer, mas não nos leva muito longe.”


1 comentário:

Carol disse...

Estou desejosa por ler este livro!
quando puderes :http://palavrassoltas-carol.blogspot.pt/
obrigado*