terça-feira, 3 de julho de 2012

O Segredo da Casa de Riverton - Kate Morton [Opinião]


Título: O Segredo da Casa de Riverton Autor: Kate Morton
Edição/reimpressão: 2008
Páginas: 480
Editor: Porto Editora
PVP: 17,70€

Sinopse:

Como sobrevivem os que presenciam a tragédia?

verão de 1924
Na noite de um glamoroso evento social, um jovem poeta perde a vida junto ao lago de uma grande casa de campo inglesa. Depois desse trágico acontecimento, as suas únicas testemunhas, as irmãs Hannah e Emmeline Hartford, jamais se voltariam a falar.

inverno de 1999
Grace Bradley, de noventa e oito anos de idade, antiga empregada da casa de Riverton, recebe a visita de uma jovem realizadora que pretende fazer um filme sobre a morte trágica do poeta.
Memórias antigas e fantasmas adormecidos, há muito remetidos para o esquecimento, começam a ser reavivados. Um segredo chocante ameaça ser revelado, algo que o tempo parece ter apagado mas que Grace tem bem presente.
Passado numa Inglaterra destroçada pela primeira guerra e rendida aos loucos anos 20, O Segredo da Casa de Riverton é um romance misterioso e uma emocionante história de amor.

A minha opinião:

Demorei a entrar no espírito da história, mas a partir das 100 páginas Katie Morton voltou a cativar.

Mais uma vez a autora história passa-se entre dois espaços temporais distintos: período que antecede a entrada da Inglaterra na Primeira Guerra Mundial e a actualidade com a protagonista ainda viva, com 98 anos.

A casa de Riverton vai ser palco da vida de Hannah, Emmeline, mas também da criada Grace que partilha as alegrias, mas também das tristezas destas duas irmãs tão diferentes, mas que se dão tão bem.

Apesar de parecer um elemento secundário naquela casa, é Grace que está no centro de tudo, tem olhos e ouvidos sempre atentos e é a personagem que nos acompanha em toda a história deste fantástico livro. Seguindo as pisadas de sua mãe, Grace entra na casa de Riverton com 16 anos, com o fim de servir uma família tradicional em que os mais velhos não vêem com bons olhos as mudanças que se avizinham no país. A entrada da Inglaterra na Primeira Grande Guerra, as mudanças de visual e de costumes, dando mais autonomia às mulheres, a possibilidade de escolha, nada disto é aceite pelo pai e restante família das irmãs Hartford. No entanto, a guerra vai trazer com ela algumas amarguras, como as dificuldades económicas, que não vão atingir apenas os mais probres, mas todos de uma maneira geral. Os negócios passam a não ser rentáveis e as escolhas que o pai das irmãs Hartford tinha para elas vão alterar completamente.

Pelo meio conhecemos ainda o enigmático Robert Hunter, poeta e amigo do irmão de Hannah e Emmeline que parte juntamente com David para a guerra. Robert Hunter vai ser uma personagem fundamental para o desenrolar do livro, tornando-o ainda mais enigmático.

Kate Morton soube distinguir muito bem as diferenças que existiam naquela altura entre as diversas classes sociais. Até na guerra elas se faziam notar. A autora estabelece, a meu ver bem, um parelismo entre a entrada de David, irmão de Hannah e Emmeline na Guerra e do empregado da família, Albert. Enquanto que o jovem David tem um espaço e uma posição confortáveis no coambate, Alfred vai sentir na pele as amarguras da guerra mesmo antes de partir. No entanto, apesar do conforto do primeiro as coisas não correm pelo melhor.

Mais do que um excelente livro, o segredo da Casa de Riverton, a primeira obra da autora, é um poço de segredos que se vão degustando ao longo da narrativa. Um livro para ler devagar para sentir na pele todas as mudanças que surgiram nos loucos anos 20, uma época cheia de sedução, de danças e roupas de sonho.

Excertos:

“... os que vivem em memórias, nunca morrem definitivamente” (pág. 33)

“Só quem está infeliz no presente procura conhecer o futuro.” (pág. 297)

3 comentários:

addle disse...

Já ouvi falarem tão bem deste livro que tenho que ver se o leio ainda este verão :)

Maria Manuel disse...

É mesmo muito bom, vale a pena ser lido ;)

Ines Santos disse...

Este livro realmente mostrou que não devemos desistir de ler algo no inicio pois pode tornar-se bastante interessante

já estou a seguir (:

Um pulinho no meu blog sim? :)