terça-feira, 28 de agosto de 2012

Pagwagaya - Armando Frazão [Opinião]

Título: Pagwagaya 
Autor: Armando Frazão
Edição: Vírgula (Chancela Sítio do Livro)
Revisão, paginação e desenho de capa: Armando Frazão
1ª Edição
Lisboa, 2012
PVP: 17€

Sinopse:

Numa hipotética Madrid do futuro um grupo de pessoas embarca numa viagem para escapar à escassez crítica de recursos. A missão, com destino a Lisboa, força-os a sair da protecção dos escudos da cidade para o exterior, para o desconhecido mundo natural.

Mas a Natureza deixou de ser generosa e subserviente e, em circunstâncias onde há séculos atrás reinariam, agora sentem-se como presas impotentes.

É uma aventura repleta de acção e perigos, onde vão abrir os olhos para a Terra e para as suas criaturas. Vão sobretudo aprender que nem sempre se pode fugir.

A minha opinião:

Gwaya: olhos abertos para a Terra, os que vêem a Terra.
Pagwagaya: os que estão de olhos fechados
Quase a chegar ao ano 2600, e a viver em Madrid, o grupo Charlie, liderado por Gwininon, parte numa viagem para Lisboa com o intuito de fugir à cada vez mais forte escassez de recursos. No entanto, a missão torna-se mais difícil do que imaginavam. Terão de sair dos escudos protectores onde viveram a maior parte das suas vidas, e aprender “a ver”.

Com uma forte componente ecológica, mas também de ficção científica, Pagwagaya é um livro que se lê bastante bem, mesmo para quem não é amante deste género de literatura (como é o meu caso).

Bastante bem ficcionado, com bastante acção e com alguma reflexão, que nos leva a pensar no que poderá ser o futuro do planeta Terra e também o futuro da humanidade. O ser humano está cada vez mais egoísta, cego até para algumas questões fulcrais para o futuro da sua geração e Armando Frazão leva-nos, e bem, a reflectir sobre isso.

A ajudar à leitura são os capítulos curtos, acompanhado por títulos que nos vão conduzindo na história.

2 comentários:

Armando Frazão disse...

Já que foi revelado o significado do título (não poderia ser escondido para sempre!) a explicação completa.
Foi pensado como poderia ser criado este significado numa língua primitiva, ainda muito "onomatopaica".
Pa - som de negação
Gwaaaa - som de ver ou descobrir
Gaya - inspirado no grego Gaia - Terra
Pagwagaya - Não ver a Terra (os que não vêem a Terra)

mais informações no website do livro: http://pagwagaya.armandofrazao.com

Obrigado

Maria Manuel disse...

Obrigada Armando Frazão pela explicação completa. Vai ainda deixar mais curiosos os leitores ;)