quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Passeio à Beira-Mar - Joan Anderson [Opinião]

Título: Passeio à Beira-Mar
Autor: Joan Anderson
PVP: 13,50 € 
N.º de Páginas: 200 Páginas

De Joan Anderson, a escritora que continua a inspirar mulheres no mundo inteiro

Joan Anderson retrata os momentos e as pessoas que a ajudaram a aceitar as mudanças da sua vida oferecendo mais um livro inspirador para todas as mulheres. Booklist

Depois do bestseller Um Ano à Beira-Mar, uma obra autobiográfica sobre o percurso de uma mulher até à auto-descoberta e auto-realização, chega Passeio à Beira-Mar, um livro que nos inspira, nos incita a viver intensamente cada segundo da nossa vida.
A história de vida de Joan Anderson é um testemunho terno e sincero da sua condição de mulher, e, simultaneamente, um relato inspirador que tem ajudado milhões de pessoas a reencontrar a alegria de viver.

A minha opinião:

Em seguimento de Um Ano à beira-mar, que não me cativou por aí além, decidi ler Um Passeio à beira-mar um pouco por teimosia. Muitas vezes um primeiro livro não nos diz tudo sobre o autor e sobre a sua escrita e quantas vezes fiquei surpreendida em continuar a ler outros títulos.

Infelizmente não se deu o caso neste. Muito semelhante ao primeiro, Um Passeio à Beira-Mar é mais do mesmo. Com frequentes máximas, que nos lembram os livros de auto-ajuda, vamo-nos cruzar novamente com as duas amigas homónimas: Joan Andersone Joan Erikson. Mas esta duas mulheres não partilham apenas o nome, as duas são escritoras e vão partilhando ao longo da convivência, vários ensinamentos de vida. Com noventa e poucos anos Joan Erikson vai ensinando à Joan mais nova (51), que a vida nem sempre é fácil de ser vivida, e uma relação a dois, como um casamento passa por várias fases, que têm de ser ultrapassadas.

O poder da amizade está bem patente neste livro, presente em várias fases das suas vidas; assim como a importância do eu, que se mostra determinante numa relação.

Para quem gosta de livros de auto-ajuda, e de velhas máximas, recomendo.


Excertos:

“ - De que tem medo, querida?
- De voltar a ser uma esposa – respondo -, ou o tipo de esposa que costumava ser.” - pag. 67

Costumava pensar que, ao envelhecermos, estagnamos de certo modo. Mas aprendi que todos somos capazes de aprender novos truques. Desde que estejamos vivos, temos de continuar a transformar-nos.” pag. 177

1 comentário:

Joana Almeida disse...

Olá :)

Terminei hoje de ler este livro. Deixo aqui a minha opinião:

"Um livro que me surpreendeu pela história, o que não estava a contar pela sinopse. Acho que não é um livro para ler nesta altura (e tão nova que sou!), pois apesar de já ter vivido e passado por muito, ainda não vive metade do que tenho para viver e que vou descobrir com o passar dos anos.
Contudo, continuei a sua leitura para começar a entender as várias fases da vida, tal como Erik Erikson e a sua mulher (Joan) previram. É um livro interessante, mas falta algo no final, acabamos por não entender como a autora (Joan, que coincidência!) se recria depois da morte de Joan (mulher do Erikson). É bom descobrir, que na velhice ainda se aprende, pois o espírito vive dentro de nós, só não podemos estagnar e sentir que sermos velhos é igual à inutilidade. Somos muito mais que isso e, com a voz e os ensinamentos de Joan Erikson, acabamos por descobrir muito mais de nós.
Um livro de autodescoberta, de sentimentos de pertença e individualidade (que em alguns casos me surpreendeu e me fez pensar "será que é mesmo assim?", "seria eu capaz de deixar todos durante 1 ano e redescobrir-me sozinha?"). Em todo o caso, tal como Joan, o mar faz-nos pensar, fazer ver o outro lado da moeda e dá-nos respostas. Quando duvido de alguma coisa ou tenho medo de algo, o mar dá-me todas as respostas e sinto-me reconfortada com ele em vários momentos. Foi esta paz de espírito e este encontro com o livro que mais me aproximou, pois acontece igual comigo."