quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Promessas Desfeitas - Penny Vincenzi [Opinião]

Título: Promessas Desfeitas
Autor: Penny Vincenzi
Tradutor: Isabel Alves
Págs.: 632
PVP: 17,70 €


Um novo romance da autora bestseller Penny Vincenzi chega às livrarias no dia 16 de julho pela Porto Editora: Promessas Desfeitas, uma história passada na Inglaterra tradicional dos anos 60 sobre um casal que luta pela custódia de uma criança.
Neste novo livro, Penny Vincenzi explora a condição das mulheres na turbulenta sociedade da época, onde se assiste a uma emancipação feminina que contrasta com bailes de debutantes e demais costumes conservadores.

Sobre o livro:
Esta é a história de dois jovens promissores: ela, Eliza, uma deslumbrante editora de moda, vinda de uma família rica e conservadora; ele, Matt, de origem humilde mas com ambição suficiente para se tornar num magnata do setor imobiliário.
Depressa se apaixonam, casam e têm uma filha. Mas este é um casamento condenado: a paixão inicial vai dar lugar a uma relação conflituosa que acabará num divórcio tumultuoso e numa batalha épica pela custódia da filha – Emmie, uma criança adorável e precoce, que acaba por se tornar numa vítima dos erros dos pais.
Penny Vincenzi, em Promessas Desfeitas, obriga-nos a refletir sobre o elemento mais frágil das famílias em rutura: os filhos, que raramente são ouvidos no auge do conflito.



A minha opinião:

Os livros de Penny Vincenzi vêm quase todos recheados de muitas personagens. Promessas desfeitas não foi excepção o que, neste caso, tornou a história um pouco complicada no início do livro. Até às 100 páginas confesso que andei um pouco “às aranhas” com tantas personagens e o facto de no início do livro constar o nome de todos os intervenientes e da sua relação entre si não é por engano.

Em finais dos anos 50 deparamo-nos com um grupo de jovens ambiciosos em busca por uma carreira de sucesso. No entanto, nem todos vêm com bons olhos as mulheres começarem a ter independência financeira e lugares de destaque nas empresas.

Em duas décadas as mentalidades de alguns continuam se mudar e isso vai afectar os relacionamentos que vão tendo ao longo da vida, como é o caso de Matt. Matt é um jovem que singrou sozinho, alcançando uma carreira de enorme sucesso, sem qualquer ajuda. Com parcas possibilidades, Matt estabelece-se por conta própria com o intuito de enriquecer.

Eliza é uma jovem ambiciosa que que deseja colocar o emprego acima do futuro familiar. Não deseja casar e ter filhos, até que conhece o homem que lhe arrebata o coração e muda completamente a sua forma de ver a vida... pelo menos até um certo ponto.

No meio de tantas personagens que vão tendo uma importância relevante para estes dois protagonistas a que mais gostei foi de Louise. Uma mulher batalhadora que consegue vencer num negócio marcadamente masculino. A sua maneira de negociar é absolutamente espantosa.

E depois há uma criança, que se vê envolvida no mau relacionamento dos pais e que sofre em silêncio...

No meio do boom imobiliário e das revistas de moda femininas, a autora não se esquece de enquadrar factos históricos no seu livro para dar uma ponta de realismo ao romance. O assassinato de JFK e a morte de Churchill são disso exemplos.

Apesar de não me ter cativado tanto como os seus anteriores romances, gostei do novo romance de Penny Vincenzi.


Excerto:

“O dinheiro, como compreendeu nesse momento de feroz clareza, não era apenas o meio pelo qual se adquiria o que se queria ou necessitava, o dinheiro era poder e a falta de circunstâncias domésticas mais benignas, era sinónimo de absolta e abominável impotência.” pag. 235

Sem comentários: