sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O Inverno do Mundo - Ken Follett - Opinião 1.ª parte [Opinião]

Título: O Inverno do Mundo - Livro II
Autor: Ken Follett
P.V.P.: 25,20 €
Coleção: Grandes Narrativas
Nº na Coleção: 533
Data 1ª Edição: 18/09/2012
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4876-8
Nº de Páginas: 832
Sinopse: Este volume vem dar continuação à extraordinária trilogia de Ken Follet, O Século, depois do êxito internacional alcançado pelo volume inaugural, A Queda dos Gigantes. A história recente do conturbado século XX continua a desenrolar-se como se diante dos nossos olhos, as figuras históricas e os acontecimentos reais evoluindo e decorrendo em simultâneo com as vidas da segunda geração das cinco famílias que já protagonizaram o primeiro volume, misturando-se num grandioso e colorido fresco em amplas pinceladas que, graças a uma rigorosa fundamentação e a um talento narrativo raro, se encaixam numa totalidade cheia de vida realismo. O Inverno do Mundo decorre entre a ascensão do nazismo e as suas dramáticas consequências até ao início da Guerra Fria.  

A minha opinião:

No Inverno do Mundo vamos acompanhar novamente a vida das mesmas cinco famílias, entretanto aumentadas por outras gerações: as famílias americana, alemã, russa, inglesa e escocesa . Se o primeiro livro relatou essencialmente o período da Primeira Guerra Mundial, da Revolução Russa e do Movimento Sufragista, neste novo volume entramos na Segunda Guerra Mundial. Podem ler as minhas opiniões de A Queda dos Gigantes aqui, aqui e aqui

Tal como no anterior volume, e como este também é bastante extenso, decidi fazer a minha opinião por partes, assim como o próprio livro está dividido.

Na primeira parte do livro Ken Follett faz o enquadramento do antes da segunda grande guerra. Apesar de os diferentes países ainda não se encontrarem em guerra existem já relatos impressionantes que antevêem o que vai acontecer com a chegada de Hitler ao poder. A derrota na Primeira Guerra Mundial deixa os alemães com uma moeda desvalorizada e uma subida do n.º de desempregados.

Em 1933, na Alemanha encontramos Maud e Walter levando uma vida desafogada com os seus dois filhos: Carla, de 11 anos e Erik, de 13 anos. Maud, trabalha agora para um jornal alemão, mas de conteúdo comunista. Apesar de estar num país estrangeiro os seus ideais não se desvanecem e continua a ver no jornalismo um grande veículo para demonstrar o quanto o fascismo a desagrada. No entanto, o fascismo já se começa a instalar e a marcar o seu desagrado com aqueles que não obedecem às suas leis. Porém, nem todos os membros da família partilham os mesmos gostos políticos...

De visita à Alemanha, Lloyd, filho de Eth, também vai viver na pele as atrocidades dos nazis. O racismo e xenofobia já se torna evidente e os castigos corporais são cada vez mais violentos.

A nova lei proposta por Hitler é aprovada por quase todos os partidos políticos. A excepção foi dos sociais democratas no qual se inseria Walter, o que lhe vai trazer dissabores...

Nos Estados Unidos vive-se ainda tempos de grande descontracção, embora os olhos e ouvidos estejam sempre atentos ao que se vai passado na Europa. Olga e Lev Péchov vivem um casamento de fachada, com Lev a coleccionar amantes e a levar a sua vida de sempre, não olhando a meios para atingir os fins. Com a indústria cinematográfica cada vez mais em ascensão, Lev é agora um empresário na sétima arte. Apesar de ricos, a alta sociedade não vê esta família com bons olhos e a mais prejudicada é a filha de ambos: Daisy, que decide partir para Inglaterra.

Nesta altura Lloyd já tem regressado ao seu país natal e continua a envolver-se na política. Quando rebenta a guerra civil espanhola, decide ir para lá. Mais relatos de horrores, desta feita pelo regime de Franco, mas também das tropas exteriores, quer sejam inglesas, mas sobretudo russas, que também por lá combatem.

Moscovo: a carreira de Gregori estagnou nos anos 20. No entanto, o seu filho Volódia herdou as ambições do pai e decide entrar na política russa. 


Com o fim da guerra em Espanha, a espionagem continua até porque a Alemanha constitui, no momento, uma ameaça cada vez maior para a URSS. No entanto, pouco tempo depois, Estaline e Hitler fazem as pases através de um pacto. Durante esse tempo, as coisas mudaram completamente na Alemanha e a família de Maud perde qualidade de vida...
A Inglaterra entra em guerra. Começa a Segunda Guerra Mundial.

Excertos:

“Para os cobardes não há clemência” - pag. 245

“Se alguma coisa aprendi em Espanha é que temos de lutar contra os comunistas tanto como contra os fascistas. São ambos horríveis.” - pág. 247

Sem comentários: