segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Selvagens - Don Winslow [Opinião]

Título: Selvagens
Autor:
Don Winslow
Tradutor: Maria João Delgado
Págs: 288
PVP: 16,60 €
Coleção: Alta Tenção

Sobre o livro:

Ben, filantropo e ambientalista em part-time, e o seu amigo Chon, ex-mercenário, dirigem um negócio bastante rentável de plantação de marijuana em Laguna Beach.
Chon sempre se encarregou de eliminar qualquer ameaça ao seu território, mas agora os dois amigos deparam-se com um problema que os ultrapassa – o Cartel de Baja, o núcleo do narcotráfico mexicano, quer uma parte do negócio e não está disposto a aceitar um «não».
Quando Ophelia, amiga e amante de ambos, é raptada, eles terão de tomar uma decisão: ceder à chantagem, resgatar Ophelia, ou pagar vinte milhões de dólares…
Selvagens é uma combinação hábil de adrenalina e suspense, numa visita guiada ao mundo do crime e da guerra contra o narcotráfico pela mão de um dos mestres do thriller.

A minha opinião:


Selvagens, um policial de Don Winslow, dá também o mote ao novo filme de Oliver Stone que já estreou nas salas de cinema portuguesas.

Don Winslow soube imprimir realismo a um livro pejado de traficantes de droga, com muito suspense e acção, levando o leitor a desejar ver também o filme. De referir que a avó de Winslow trabalhou para um chefe da máfia, daí ser o melhor autor para retratar uma história de violência, mas também de amizade fiel, como o dos amigos bem, Chon e Ophelia (O).

Se por um lado Winslow nos apresenta os três amigos, envolvidos directamente na produção da droga em si, por outro apresenta-nos o Cartel de Baja, um grupo enorme de narcotráfico que deseja que o grupo de Ben se alie a eles. Não aceitando uma negativa, ambos partem para a violência, que tem início com o rapto de O.

Abusando do calão, próprio deste tipo de grupos, o autor junta personagens diferentes entre si, mas que acabam por se dar bem: por um lado temos bem, o produtor de marijuana, mas que deseja mudar de vida; Chon, um rapaz duro e sem qualquer problema em matar, e O, filha de mãe ausente e de um sem número de padastros, que se apaixona pelos dois amigos, formando um triângulo romântico.

Não posso dizer que adorei o livro, penso até que iria gostar bem mais do filme, apesar de Winslow ter incluído bastante acção, colocando curtos capítulos e frases pequenas.

Sem comentários: