domingo, 4 de novembro de 2012

Tóquio - Mo Hayder [Opinião]


Título: Tóquio
Autor: Mo Hayder

Grey, obcecada por um passado que não consegue compreender, vai para Tóquio à procura de um filme raro que anda perdido há décadas. Um filme feito durante o famoso massacre de Nanquim, em 1937. Há quem diga que o filme nunca existiu. Apenas um homem pode ajudar Grey. Um sobrevivente do massacre. Hoje professor universitário em Tóquio. Imerso nos seus livros e desconfiado de desconhecidos, no início quase que se recusa a falar com Grey. Cada vez mais desesperada numa cidade estranha onde não conhece ninguém, Grey aceita trabalhar como acompanhante num clube de nomeada cuja clientela é formada por homens de negócios e mafiosos abastados. Um mafioso domina. É um velho confinado a uma cadeira de rodas guardado por um séquito temível, e diz-se que tem em seu poder um elixir poderoso para lhe prolongar a vida. Um elixir que muitos desejam para si próprios - a qualquer preço...

A minha opinião:
Para quem já conhece Mo Hayder não se admira da sua escrita, das histórias cruéis e inimagináveis que conta aos seus ávidos leitores. No entanto, este chocou-me mais do que qualquer outro livro que já tenha lido dela, porque pode conter algum fundo de verdade. É certo e sabido que houve e continua a haver massacres ao longo da nossa história, mas confesso que este entre chineses e japoneses não tinha conhecimento. O massacre de Nanquim viria a fazer 300 000 vítimas e Mo Hayder aproveita fazer uma história dentro da própria História real.

É certo que este livro é ficção e os relatos impressionantes do que foi feito aos chineses por parte dos seus vizinhos não aconteceram, mas faz-nos pensar que podem muito bem ter sido semelhantes… e, no final do livro, Hayder levanta uma questão, que talvez tenha sido o ponto de partida para a escrita deste livro, muito parecida com a génese da história: um filme com imagens de parte do massacre e que continua desaparecido.

Mo Hayder mostra uma cidade obscura, mas cuja vida é facilmente facilitada a quem não se coíbe de trabalhar em qualquer coisa. Quando a protagonista decide sair de Inglaterra para tirar teimas de uma história que tinha tomada conhecimento e aterra em Tóquio, praticamente sem dinheiro para sobreviver, tudo parece mais fácil quando decide trabalhar como acompanhante num clube. E é nesse mesmo clube que vai encontrar as respostas para todas as suas questões.

Depois junta-se a máfia japonesa, a medicina tradicional japonesa, à tentativa de visionar o filme que se encontra nas mãos de um velho professor, passando pela procura do elixir da vida eterna.

Sem comentários: