segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Bairro da Estrela Polar - Francisco Moita Flores [Opinião]

Título: Bairro da Estrela Polar
Autor:
Francisco Moita Flores
Editora: Casa das Letras
N.º de Páginas: 352

Sinopse:

Diana nasceu no bairro da Estrela Polar. Algures em Lisboa. Um daqueles bairros cercado por estradas com muito movimento, isolado da cidade, voltado sobre si, feito de gente que veio de todos os lados do mundo. No Estrela Polar existe o café Futuro de Portugal, dirigido pelo Bazófias, carteirista reformado, burlão de grandes talentos. É aqui que se reúne a quadrilha agora encabeçada por Diana, líder conhecida como a «Robin dos Bosques», que rouba aos ricos para dar aos pobres. Comandados pela bela Diana, Tosta Mista, Zé Cigano, Francisquinho, Batman, Clara, Manela e Paulo monopolizam o tráfico de droga no bairro, deixando a polícia sempre desorientada, e organizam-no para que o crime seja actividade rentável para sair da crise. Quanto mais não seja para financiar a organização do arraial de recolha de fundos para a construção do centro social da igreja do bairro. Diana dirige assaltos e operações perigosas mas não é assassina. Mas a raiva que habita no seu coração contra os homens que destruíram o pai, tem cada um deles uma bala à espera. É essa a sua obsessão. Uma história dos nossos dias, que consegue cruzar a violência com o humor, a ternura e a união de personagens pícaras do submundo do Portugal do século XXI.


A minha opinião:
Francisco Moita Flores é versado em histórias de carteirista, gangues e bandidos no geral. Para este livro, o autor também se inspirou em algumas criaturas que foi conhecendo ao longo da vida. E que figuras!

O Bairro da Estrela Polar cuja série vai ser transmitida na televisão, retrata a vida de muitas personagens peculiares que até por vezes vamos sentido afecto. Desde um carteirista reformado que agora é dono de um café, até um lindíssima rapariga, líder do gangue, cujo principal objectivo na vida é vingança, vingança pelo suicídio do pai, provocado por um despedimento numa grande empresa.

Depois existem os pequenos traficantes, todos a trabalhar para Diana, cujas vidas davam, cada uma, a sua história. Vidas de jovens que cedo perderam os pais, ou então vivem numa família disfuncional, cujo pai bate na mãe todos os dias... E apesar de maus, todos eles têm o seu quê de bons, prova disso é o facto de todos eles organizarem um arraial com o intuito de angariar verbas para o centro social.

Como todos os livros que já li de Moita Flores ( e já li bastantes) este é também um livro a recomendar. Bom!

Sem comentários: