sexta-feira, 13 de abril de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

Passatempo O Circo dos Sonhos

O blogue Marcador de Livros, em conjunto com a Civilização Editora, tem para oferecer 1 exemplar do livro de Erin Morgenstern, O Circo dos Sonhos.

Regras do Passatempo:
- O passatempo decorre até às 23:59 do dia 20 de Abril.

- Para participarem terão de responder acertadamente às quatro perguntas presentes no formulário abaixo.
- O premiado será sorteado aleatoriamente e o seu nome será publicado neste blogue e o mesmo será avisado por email.
- Só serão permitidas participações a residentes em Portugal e apenas uma por participante e residência.

As respostas ao passatempo poderão ser encontradas aqui

Passatempo terminado
quinta-feira, 12 de abril de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

Oficina do Livro lança O Alfaiate Lisboeta de José Cabral

Título: O Alfaiate Lisboeta
Autor: José Cabral
PVP: 16,60 eur
N.º de Páginas: 280 págs.
Nas livrarias a 16 Abril

José Cabral contactou mais de 200 pessoas de sítios diferentes para autorizarem a publicação das fotografias, de conhecidos e desconhecidos na rua.

Sobre o Livro:
Este livro é essencialmente uma compilação de momentos, daqueles que nos fazem olhar para trás e comentar para o lado. De momentos que José Cabral, autor do blogue O Alfaiate Lisboeta, achou que valeria a pena guardar e partilhar com o resto mundo. Não é um livro sobre estilo. Este livro é, ele mesmo, estilo. O estilo que José Cabral encontrou em cada uma das pessoas aqui retratadas. Mas é também - e é isso que distingue este lisboeta de outro autor, seja ele milanês, parisiense ou nova-iorquino - um livro sobre pessoas; sobre as gentes e os lugares que habitam; sobre as gentes que fazem esses lugares; sobre cada uma das cidades onde estas pequenas narrativas acontecem. Sobre o significado que têm para o autor e sobre os imaginários para onde cada uma delas nos transporta. Porque o que todas estas pessoas têm em comum é que, muito antes de José Cabral as ter fotografado, elas já eram momentos - desses que nos fazem olhar para trás e comentar para o lado.

O lançamento do livro “O Alfaiate Lisboeta” está marcado para 17 de abril na livraria Buchholz, às 18.30h, em Lisboa.


Sobre o Autor:
José Cabral nasceu em Lisboa, em 1980. Em 2009 iniciou o blogue O Alfaiate Lisboeta, onde começou a publicar os retratos que fazia pelas ruas de Lisboa e, mais tarde, noutras cidades do mundo. O blogue não tardou a despertar o interesse dos media. Passou então a colaborar com o diário Metro, com o site da revista Vogue e, mais recentemente, com a Revista do Expresso, onde assina uma página sobre objectos e tendências. As suas fotografias podem ser vistas todas as semanas na New York Magazine . Em 2011, foi distinguido com um Fashion TV Award para a Melhor Comunicação Digital. Já em 2012, através d´ O Alfaiate Lisboeta, concebeu a singular e inovadora campanha Lisboa Somos Nós para a Câmara Municipal de Lisboa.

Novidade Esfera dos Livros: "Ensina o teu Filho a Estudar" de Renato Paiva


Será que algumas destas questões já o preocuparam? O meu filho não gosta da escola, como lhe consigo explicar a sua importância? Os trabalhos de casa são realmente necessários? Que metodologia de estudo devo incentivar? Ele quando chega a casa está cansado e eu também…
Será possível que consiga estudar a ver televisão ou ouvir música?Quais os alimentos que favorecem o estudo? Como devo reagir quando as notas são negativas? A minha filha distrai-se com tudo, até com uma mosca! O meu filho é disléxico. Como posso ajudar? Estas e outras perguntas são respondidas neste livro por Renato Paiva, orientador educacional com vasta experiência no acompanhamento de pais e alunos. Com uma linguagem prática e direta, com exercícios, e orientações claras, estratégias e ideias-chave. O autor ajuda-nos a escolher a melhor escola para os nossos filhos, a promover a autonomia de estudo, a enraizar métodos de aprendizagem desde cedo e a enfrentar problemas como a hiperatividade, a dislexia ou outras dificuldades de aprendizagem.

«Um livro onde se fala (…) da relação entre pais e filhos, no que reporta ao estudo, entre pais e professores, entre a família e a escola, dessa coisa fantástica mas terrível que são as atividades extracurriculares, e também dos insucessos escolares, das falhas educativas, dos deficits de aprendizagem, das situações em que se sentem – pais e filhos – tristes, sem esperança, sem farol e sem rumo. De tudo isto o Renato nos fala. Com a calma de quem sabe. Com a atenção de quem se preocupa. Com a moderação e o bom-senso de quem tem experiência. E de um modo coloquial, acessível, que se lê com gosto. Este livro não faz a parte que vos compete – alunos, professores e pais -, mas ajudá-los-á, a todos – e muito -, e facilitará a vossa tarefa.» Mário Cordeiro, in Prefácio.

Sobre o autor:
Renato Paiva é diretor da Clínica da Educação. Licenciado no Curso de Professores do Ensino Básico pela Escola Superior de Educação de Setúbal, mestre em Multimédia na Educação pela Universidade de Aveiro. O autor exerce também coaching pedagógico e é orientador de estudo nomeadamente a nível de técnicas de estudo, organização, planificação e gestão de tempo. Acompanha também alunos com dislexia, hiperatividade e défice de atenção.

Os Malaquias, de Andréa del Fuego, chega às livrarias a 23 de abril

Título: Os Malaquias
Autor: Andréa del Fuego
Págs.: 200
Capa: mole com badanas

PVP: 13,30 €

Depois de recentemente ter sido dado a conhecer em edição do Círculo de Leitores, chega a todo o mercado português, a 23 de abril, o romance vencedor do Prémio Literário José Saramago 2011, Os Malaquias, de Andréa del Fuego.
Atribuído pela Fundação Círculo de Leitores, o Prémio Literário José Saramago distingue autores de língua portuguesa com idade não superior a trinta e cinco anos. Nomes tão marcantes como Gonçalo M. Tavares ou José Luís Peixoto estão entre os vencedores.
Este romance da brasileira Andréa del Fuego foi também finalista, em 2011, do Prémio São Paulo de Literatura e do prestigiado Prémio Jabuti, na categoria romance.
Pílar del Rio, membro do júri, enalteceu o «estilo conciso», as «frases que golpeiam» e «a beleza sem artifícios». Vasco Graça Moura, também jurado, destacou o «ritmo muito seguro, perturbante e por vezes quase alucinatório». O escritor José Luís Peixoto, por sua vez, considerou Os Malaquias uma obra «magistral». Mais elogios para quê?

O enredo:
Serra Morena. Um raio esturrica o casal, em luz e carne. Os filhos ficam órfãos, com destinos diferentes. Antônio, o menino que não cresce. Nico, o patriarca engolido por um bule de café. Júlia, a menina em fuga permanente. Um lugar onde as sombras da terra e da água convivem. Onde a morte e a vida são o mesmo mundo. Um poema seco à humanidade de cada um de nós.
Uma escrita áspera mas poética, desenhada com a vertigem das memórias da família Malaquias, e que evolui como tributo pessoal da autora aos seus antepassados.
Transcendental e mágico, este romance do insólito revela-se uma leitura para o coração.
Um livro forte, aclamado, invulgar.

Sobre a autora:
Andréa del Fuego nasceu em São Paulo, em 1975. É autora da trilogia de contos Minto enquanto posso (2004), Nego tudo (2005) e Engano Seu (2007). Escreveu também os juvenis Sociedade da Caveira de Cristal (2008) e Quase Caio (2008). Integra, entre outras, as antologias Os cem menores contos brasileiros do século e 30 mulheres estão fazendo a nova literatura brasileira.
Mantém o blogue: andreadelfuego.wordpress.com.
Em 2011, foi finalista dos Prémios São Paulo de Literatura e Jabuti (na categoria romance) e venceu o Prémio Literário José Saramago.

Opiniões:
«Um estilo conciso, frases que golpeiam, a beleza sem artifícios da origem do mundo. Quando tiverem necessidade de interromper a leitura, garanto-vos que procurarão encontrar-se de novo com os Malaquias, saber deles, onde estão, que partida lhe pregará o destino, se conseguirão vencê-la. De tal forma Andréa os alojou junto ao nosso coração.» Pílar del Rio, membro do júri do Prémio Literário José Saramago
«Vale a pena ler Os Malaquias para sabermos de nós próprios. Um dia, depois de tudo, se estivermos à altura da vida, cada uma das nossas histórias fará parte de uma vertigem como a que é descrita nestas páginas. Então, talvez possa haver leitores a se emocionarem, a se sobressaltarem, a se deslumbrarem, como acontece ao longo desta obra magistral de Andréa del Fuego.» José Luís Peixoto
«Todas as famílias têm uma história, mas poucas servem esta tensão da escrita com o seu sistema de referências requintado e próprio da arte do romance. Os Malaquias dão-se a conhecer num intrincado jogo que a escrita controla e refaz. O resultado é misterioso mas absolutamente fascinante.» Ana Paula Tavares, membro do júri do Prémio Literário José Saramago
«Os Malaquias é um romance áspero, poético, original. Voltado para a paisagem rural, a que raramente os autores contemporâneos se circunscrevem, seu perfil arcaico e trágico suscitam emoções intensas. Oferta-nos uma leitura da qual não se sai incólume, cada capítulo traçado para nos perturbar.» Nélida Piñon, membro do júri do Prémio Literário José Saramago
«A escrita surpreende insuspeitados recursos de estranheza na coloquialidade quotidiana e desenvolve-se num ritmo muito seguro, perturbante e por vezes quase alucinatório.» Vasco Graça Moura, membro do júri do Prémio Literário José Saramago

Imprensa:
«A intriga é convencional, mas Andréa del Fuego resgata-a com o domínio perfeito da linguagem (…) A exatidão das palavras transfigura a realidade, fazendo do mundo possível o mundo real. Não é essa a função da literatura?» Eduardo Pitta, Sábado
«Uma [prosa] das mais estimulantes de entre as que se escrevem em língua portuguesa hoje em dia.» José Mário Silva, Expresso
«Com um dos mais belos arranques da recente literatura em língua portuguesa, Os Malaquias (…) venceu o Prémio José Saramago 2011. Atribuição muito justa para uma obra de exceção entre a nova ficção brasileira, há muito (demasiado) tempo dominada pelo universo urbano.»
Filipa Melo, Sol

Recém publicado com a Bubok, o livro Maldade ou Destino narra na primeira pessoa a história pouco doce de uma vida de maus tratos

Recém publicado com a Bubok, o livro Maldade ou Destino narra na primeira pessoa a história pouco doce de uma vida de maus tratos. São dois volumes juntos num só livro sem espaço para finais felizes que a autora auto-publicou com a Bubok repetindo a mesma coragem que já tinha usado para alterar o seu doloroso destino.
“Eu escrevi este livro baseada na minha história”, diz a autora sob o pseudónimo Tónia de Souza nas primeiras linhas de “Maldade ou Destino”. O relato é real e infelizmente comum a muitas mulheres. Uma narrativa sobre violência física e psicológica a que a autora foi sujeita primeiro pelo marido e mais tarde pela sua própria filha. Um testemunho que pretende agora partilhar com outros homens e mulheres para que conheçam a violência que muitas casas ocultam.
Nas palavras da autora, esta é a “história duma menina mulher que casou muito nova e que durante 22 anos ficou presa numa vida triste, passando por verdadeiro terror. Aguentou violência física e mental”, até ter tomado uma atitude que a fez mudar o seu destino.
Num mesmo livro dividido em dois tomos, a autora revive os 22 anos do seu casamento, memórias recordadas “muitas vezes com angústia mas já quase sem pesadelos”. A escrita traz ao de cima situações que “estavam escondidas no meu cérebro e que (...) hoje me vêm à memória com muita tristeza e dor”. Se no primeiro volume a filha surge como razão de viver para a autora, na segunda parte desta história é a própria filha quem provoca dor e angústia na Mãe já liberta da violência a que esteve presa durante anos.
“Maldade ou Destino” é também uma história de sobrevivência. Como escreve a autora, “um grito de coragem” publicado em livro para servir de exemplo a outras mulheres, mães e filhas que sofreram e ainda sofrem de maus tratos.
terça-feira, 10 de abril de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

Uma Melodia Inesperada - Jodi Picoult [Opinião]


Título: Uma Melodia Inesperada
Autor: Jodi Picoult
Título original: Sing you Home
Tradução: Ana Figueira
Formato: 155 x 235 mm
Lombada: 26 mm
Páginas: 480
Peso: 755 g
Encadernação: Capa mole
Coleção: Literatura
Público-alvo: Adultos
ISBN: 978-972-26-3384-0
Preço: 17,90€

Sinopse:
Zoe Baxter passou dez anos a tentar engravidar e, quando parece que este sonho está prestes a realizar-se, a tragédia destrói o seu mundo. Como consequência da perda e do divórcio, Zoe mergulha na carreira como terapeuta musical. Ao trabalhar com Vanessa, o relacionamento profissional entre as duas transforma-se numa amizade e depois, para surpresa de Zoe, em amor. Quando Zoe começa a pensar de novo em formar família, lembra-se de que ainda há embriões dela e de Max congelados que nunca foram usados.

A minha opinião:
Quem conhece a autora sabe que Jodi Picoult prima pela polémica. Uma Melodia Inesperada não podia ser excepção e é essa a fórmula do sucesso da sua escrita.
Desta feita pegou num tema actual, o da homossexualidade, somando o facto de um casal de lésbicas desejar ter uma criança. Tal era possível por uma das personagens, Zoe, já tinha sido casada e nas diversas tentativas para engravidar, congelou três embriões.
O facto de não ter conseguido levar nenhuma gravidez avante, a infertilidade do casal Zoe e Max, abalou esta família ao ponto de criar uma ruptura e à consequente divisão de bens, excepto os embriões congelados que ficaram na clínica de fertilidade.
Quando se apaixona por Vanessa, Zoe vê ali a única possibilidade de ter um filho...
Mas é aqui que entram os ideais de uma igreja altamente conservadora, que vê na homossexualidade um pecado mortal, que poderá ser “curado”.
Jodi Picoult consegue surpreender mais uma vez. Adorei e recomendo este livro livre de preconceitos.


Excertos:
“Todas as vidas têm uma banda sonora.”
“Para mim, a música é a linguagem da memória.”
“O passado é apenas um degrau para o futuro.”
“Deixou de haver lugar para mim no meu casamento, a não ser como material genético. Muita gente fala do que as mulheres sofrem quando não conseguem ter um bebé. Mas nunca ninguém pergunta pelos homens.”
“Sexo com uma mulher é o que desejávamos que fosse com um homem mas que raramente é: centrado na viagem e não no destino. São os preliminares para sempre.”
“A ansiedade é como uma cadeira de baloiço. Dá-nos qualquer coisa para fazer, mas não nos leva muito longe.”


Novidade Quinta Essência: Ao Encontro do Nosso Amor de Michael Baron

Título: Ao Encontro do Nosso Amor
Autor: Michael Baron
N.º de Páginas: 200
PVP: €13,30
ISBN: 9789898228871

Ficção Estrangeira

A história de um amor imortal Livro Joseph, um homem à beira dos quarenta anos, acorda desorientado e constrangido num local que não reconhece. Parte numa viagem para encontrar a sua casa, sem saber para onde vai, orientado apenas pela visão preciosa e indelével da mulher que ama. Antoinette é uma mulher de idade, que vive numa residência para séniores e que se refugiou no seu mundo interior. Aí, o corpo e a mente não a atraiçoaram. Aí, é uma jovem recém-casada com um marido que a idolatra e uma vida inteira de sonhos para viver. Aí, ela está verdadeiramente em casa. Warren, filho de Antoinette, é um quarentão anos que atravessa uma das fases mais difíceis da sua vida. Com tempo a mais, resolve tentar recriar as recordações de casa confeccionando os melhores pratos da mãe e saboreá-los com ela. Joseph, Antoinette e Warren são três pessoas que andam à procura de casa, cada uma à sua maneira. No modo como se ligam umas às outras nesta fase crítica das suas vidas reside o fundamento do tipo de história profunda e comovente que nos habituámos a esperar de Michael Baron.


Imprensa:
«Nunca pensei que um homem poderia escrever tão bem ficção para mulheres. Se querem romances profundamente emotivos e românticos que vos levam até ao coração de um homem, precisam de ler Michael Baron.»Susan Elizabeth Phillips
«Os apreciadores de Nicholas Sparks ficarão radiantes ao saber que há um novo autor que escreve maravilhosamente sobre o amor e as relações carregadas de emoção.»RT Book Reviews
«Ao Encontro do Nosso Amor é um prato principal de amor, com um acompanhamento de riso, uma pitada de bondade, e umas gotas de esperança. Fez-me reviver momentos da minha vida que eu tinha há muito esquecido, revelando uma história de amor que testemunhei enquanto crescia, uma história de amor que eu tinha esquecido, e por isso, Michael Baron tem os meus sinceros agradecimentos!»Book Crazy
«Não achei que ele pudesse melhorar depois de ler Ficarei à tua Espera, mas enganei-me. Michael Baron entrou na minha lista de autores preferidos.Irão apaixonar-se por todas as personagens desta história, tal como eu.... Ao Encontro do Nosso Amor vai fazê-los ansiar por casa. O final irá surpreender-vos.»Cheryl’s Book Nook


Sobre o autor
:
Michael Baron é o pseudónimo de um reconhecido autor de obras de não ficção. A Quinta Essência publicou também Ficarei à tua Espera e Nunca Te Esqueci.

Porto Editora edita "Fernando Pessoa - Uma quase autobiografia"

Título: Fernando Pessoa – Uma quase-autobiografia
Autor: José Paulo Cavalcanti Filho
Págs.: 712 Capa: mole com badanas
PVP: 25,00 €

Fernando Pessoa – Uma quase-autobiografia, de José Paulo Cavalcanti Filho, ex-Ministro da Justiça do Brasil, é uma monumental obra sobre a vida de Fernando Pessoa. Chega às livrarias a 19 de abril, com chancela da Porto Editora.
José Carlos de Vasconcelos escreveu, na apresentação à edição portuguesa, que este é «um livro absolutamente invulgar, extraordinário, "apaixonado"» e que as centenas de páginas que tem, «se leem como um romance, acrescentam muito ao conhecimento do percurso existencial de Pessoa e dos que lhe são próximos». O jornalista e diretor do Jornal de Letras salienta ainda a inteligência e a seriedade da investigação, ressalvando, porém, o possível cariz controverso de certas conclusões.
No Brasil, a revista Veja considerou Fernando Pessoa – Uma Quase- Autobiografia «a mais completa e detalhada reconstituição que jamais se fez da vida do autor». Mas este livro foi notícia também em Espanha. O El País revelou que contém «novidades surpreendentes sobre o genial poeta português» e que colocou o «mundo das letras em polvorosa». Na generalidade dos artigos, merecem elogio o esforço notável de pesquisa por parte do autor, a amplitude da obra – personalidades como Richard Zenith, Tereza Sobral Cunha, Eduardo Galeano ou Millôr Fernandes também o confirmam – e o facto de esta conseguir desmontar mitos e lendas em torno de Pessoa.

A obra vista pelo autor:
«Este livro, pois, não é o que Pessoa disse, ao tempo em que o disse; é o que quero dizer, por palavras dele. Com aspas é ele, sem aspas sou eu (…).
Não é um livro para especialistas, por já terem, à disposição, páginas de mais. Que contam seus poemas octossilábicos, ano a ano — três em 1919, seis em 1920, e por aí vai; ou os advérbios de modo usados, equivalentes a 2,94% das frases de sua obra; ou estudam o uso do vocativo nos seus versos; ou examinam cada palavra de Mensagem — após o que se sabe haver, no livro, dez com 13 sílabas; ou sustentam que castelos, espadas, gládios e padrões, expressões nele tão frequentes, seriam símbolos fálicos; ou relacionam o horizonte paradigmático que modifica o buraco negro da luz ofuscante da melancolia de Bernardo Soares com as teorias de um filósofo alemão da Escola de Frankfurt ou com a lituraterra da psicanálise; ou discutem o número de vezes, 125, em que neles aparece a palavra coração. Sendo mais frequente na obra, só para constar, a palavra mar — em Mensagem, 35 vezes; no seu mais longo poema, “Ode marítima”, 46; mais 13, em fragmento de uma “Ode to the sea” que escreveu como Alexander Search; muito mais, parei de contar quando o número se aproximava das duas centenas. Nem proponho uma nova interpretação de Pessoa — que também muitas existem, para todos os gostos. Reduzidos, então, os bons propósitos dessas páginas, a serem simples guia para não iniciados.»
In Um quase-prefácio

O autor:
Advogado no Recife, consultor da Unesco e do Banco Mundial, ex-Ministro da Justiça.
Nasceu em 1948 e é membro da Academia Pernambucana de Letras.

Sinopse:
«Conheci Fernando Pessoa em 1966, pela voz de João Villaret. Foi o começo de uma paixão que até hoje me encanta e oprime.»
Enamorado desta figura de romance por escrever e de uma obra imensa que dispensa apresentação, José Paulo Cavalcanti Filho partiu à descoberta do homem que aqui nos dá a conhecer, de corpo inteiro: um Fernando Pessoa multifacetado, homem vaidoso, com dons de inventor e astrólogo, de ambições desmedidas e existência modesta; uma vida banal e triste para uma obra verdadeiramente universal.
Da reconstituição das esferas culturais da época aos pormenores do quotidiano, Cavalcanti decifra a vida por trás das palavras, a solitária multidão de um só Pessoa.

Novidade Esfera dos Livros: "Arrisca-te a Viver" de Gustavo Santos

Arrisca-te a Viver. É o conselho de Gustavo Santos. Conhecido apresentador de televisão que nos convida a mergulhar na nossa vida e tornarmo-nos mais felizes.
Quando foi a última vez que arriscou? Que disse «não» alto e em bom som?Que agiu, pegando sem medo nas rédeas da sua vida?
Muitas vezes parece que vivemos ao sabor da vida. Somos conduzidos pela sociedade e os seus preconceitos, pelos limites que nos impusemos a nós mesmos e pelo medo, pura invenção da nossa mente. Sem qualquer tipo de amor-próprio, estima ou confiança, regemo-nos por valores que não são nossos, por pessoas que nos sorriem e a quem permitimos tudo e mais alguma coisa, mas que são verdadeiramente tóxicas para a nossa vida. Chega de viver assim! É tempo de mudar e o risco é a graça da vida. É aventura, é o desconhecido, é a busca e a mais valiosa oportunidade para crescer e alcançar aquilo que julgava inalcançável, mas que afinal estava aqui tão perto. Para viver a vida em pleno é preciso arriscar. Para isso tem que agir, que se entregar ao «agora», não se deixar influenciar pelos outros, pelas suas opiniões, críticas, pelos juízos de valor e entregar-se à vida com paixão. Com mais de 100 perguntas e exercícios, este livro leva-nos a ultrapassar os nossos preconceitos, obstáculos e a ver que que vida pode ser muito mais rica e positiva do que aquilo que imaginamos.


Sobre o autor:
Gustavo Santos nasceu a 27 de maio de 1977 e, desde cedo, dedicou-se às artes. Iniciou a sua aventura profissional na dança, tendo-se tornado campeão mundial de Hip-Hop com o grupo Hexa, em Los Angeles. Após algumas lesões que o obrigaram a ter de escolher outro rumo de vida, enveredou pela representação. Agora podemos vê-lo como apresentador no programa da Sic Mulher, Querido, mudei a casa. Paralelamente a toda esta jornada, houve algo que nunca mudou: a sua paixão pelas palavras. Iniciou-se pela literatura, tendo já publicado três romances. Orador em inúmeras palestras sobre o tema e sendo formado em Coaching segundo as normas da ICF, Arrisca-te a Viver é a espinha dorsal do que acredita serem as bases de uma vida feliz.
segunda-feira, 9 de abril de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

Entrevista a Eduardo Spohr dia 12 de Abril, pelas 15h no facebook da Presença

Quem quer participar na entrevista em direto a Eduardo Spohr, autor do fenómeno da literatura fantástica “A Batalha do Apocalipse”?
Sete perguntas serão escolhidas e respondidas em direto pelo autor, no dia 12 de abril às 15h, na página de Facebook da Editorial Presença (www.facebook.com/presenca).

Enviem as vossas perguntas até terça-feira, 10 de abril, para marketing@presenca.pt e façam parte desta entrevista conjunta! Mais informações sobre a obra em http://www.presenca.pt/livro/ficcao-e-literatura/romance-fantastico/a-batalha-do-apocalipse.

Antes de Adormecer - S. J. Watson [Opinião]


Título: Antes de Adormecer
Autor:
S. J. Watson

Título original: Before I Go to Sleep
Tradução: Ana Cunha
Formato: 155 x 235 mm
Lombada: 24 mm
Páginas: 344
Colecção: Literatura
Família: Literatura
PVP: 17,50€


Sinopse:
Durante o sono, a minha mente apagará tudo o que fiz hoje. Amanhã acordarei como acordei hoje de manhã. A pensar que ainda sou uma criança. A pensar que tenho toda uma vida de escolhas pela frente… As memórias definem-nos. O que acontece se perdemos as nossas memórias cada vez que adormecermos? O nosso nome, a nossa identidade, o nosso passado,
até mesmo as pessoas de quem gostamos – tudo perdido numa noite. E a única pessoa em quem confiamos poderá estar a contar-nos apenas metade da história.
Bem-vindos à vida de Christine.

A minha opinião:
Christine sofre de amnésia permanente, o que faz com que sempre que acorda não se lembre de nada do seu passado, quem é nem quem são as pessoas que fazem parte do seu quotidiano.
Quando acorda pensa que ainda está no corpo de uma rapariga de 29 anos. Não sabe que já se passaram quase 20 anos depois disso e já está quase a entrar nos cinquenta.
O homem que está ao seu lado conta-lhe que sofreu um terrível acidente quando tinha 29 anos e que, devido aos traumatismos, nunca mais conseguiu recuperar. Mas perante algumas perguntas insistentes de Christine, esta vai-se apercebendo que o seu companheiro lhe poderá estar a esconder algo.
Com a ajuda do Dr. Nash que a aconselha a escrever um diário para desta forma a ajudar pelo menos a auxiliá-la do que se tem passado no dia-a-dia, a protagonista conta-nos a sua história, mas sem que o marido, Ben, saiba. E nem tudo o que parece é.
É assim que o livro é apresentado ao leitor: em forma de diário que nos vai relatando pormenorizadamente o que Christine sente, a transformação do seu corpo, as dúvidas que tem em relação ao seu passado e à sua família... até à descoberta de toda a verdade.
Simpatizei muito com a personagem principal, mas também com a dedicação prestada por parte de Ben, que olhava por ela com muito amor e com certas doses de paciência.
Este primeiro livro de S. J. Watson leva-nos a questionar-nos sobre a doença, mas ao mesmo tempo sobre a persistência de um médico jovem, que acreditou que o novo tratamento poderia, de certa forma, mudar a vida da sua paciente. No entanto criou sempre mistério à volta de todas as personagens para que o leitor conjecturasse quem seria o mau da fita. Penso que aí esteve muito bem. O final foi excelente e muito bem criado.