sábado, 7 de julho de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

Nunca Digas Adeus - Lesley Pearse [Opinião]


Título: Nunca Digas Adeus  
Autor: Lesley Pearse
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 432
Editor: Edições Asa

Sinopse:

Num chuvoso dia de outono, Susan Wright entrou numa clínica, matou duas pessoas a sangue-frio e aguardou que a polícia chegasse. Terá sido um ato de loucura? Uma vingança planeada? Susan não parece interessada em defender-se e recusa falar. O seu silêncio estende-se a Beth Powell, a advogada a quem é atribuído o caso. Beth é uma mulher de sucesso com uma carreira brilhante mas nada a preparara para o momento em que identifica a autora daquele crime tão bárbaro. Quando eram crianças, Beth e Susan juraram ser amigas para sempre. Vinte e nove anos depois, mal se reconhecem. Mas as memórias dos verões felizes das suas infâncias são suficientemente poderosas para as unir de novo. Enquanto as provas contra Susan se acumulam, elas partilham recordações e revelam os segredos que ditaram o rumo das suas vidas.
A amizade entre as duas mulheres torna-se cada vez mais forte mas sobre uma delas pende a implacável mão do destino…

A minha opinião:

Nunca Digas Adeus é o meu livro de estreia de Lesley Pearse. Adorei a forma como a autora descreve os acontecimentos e o modo como eles vão evoluindo. Ao contrário dos outros livros publicados em Portugal este novo romance é contemporâneo com a história a centrar-se no ano de 1995. Duas amigas, Beth e Susan encontram-se depois de tantos anos de ausência mas, infelizmente, as circunstâncias não são as melhores. Quando é chamada para defender uma mulher que havia matado duas pessoas, Beth nunca iria imaginar que teria de ser advogada da sua melhor amiga.

Este reencontro vai abrir velhas feridas, onde é desvendado o passado de cada uma destas raparigas que tiveram rumos completamente diferentes. Sem saberem uma da outra, cada uma amiga inveja a outra por pensar que está a ter uma vida de sonho, uma vida que a outra sonhava também para si.

Ao longo do livro, a autora vai-nos mostrando a importância da amizade, dos principios familiares, do sentido de justiça…

Embora um tanto previsível, gostei desta estreia. Vou pegar, certamente, nos livrinhos que tenho da autora.

Excerto:
“Olhando para trás, da perspectiva de um adulto estávamos ambas a esconder os nossos segredos de família”
sexta-feira, 6 de julho de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

Bertrand publica o livro de Sebastian Barry: Do Lado de Canaã


Título: Do Lado de Canaã
Autor: Sebastian Barry

Género: Romance
Tradutor: Carla Escarduça
Formato: 15 x 23,5 cm
N.º de páginas: 400
PVP: 17,70 €



Sebastian Barry foi, com esta obra, finalista do Man Booker Prize e vencedor do Walter Scott 2012, na categoria de romance histórico. O autor de «Escritos Secretos» e «A História de Eneas» mostra-nos mais uma vez a beleza da sua escrita e o seu dom para contar histórias.
Do Lado de Canaã conta a história da inesquecível Lilly Bere, que no início do livro está de luto pela morte de Bill, o seu neto. Mas depois somos levados ao passado, ao tempo em que Lilly foi obrigada a fugir de Dublin, em finais da Primeira Guerra Mundial, e seguimos a sua vida no mundo novo que é a América, um mundo cheio de esperança, mas também de perigo. Ao mesmo tempo épica e intimista, a narração de Lilly vai-se desenrolando numa vida trágica e rica e ela tenta dar um sentido aos seus desgostos e perdas.
Ao longo de quase sete décadas, concentradas num período de dezassete dias no presente, Lilly passou por duas guerras mundiais e viveu intensamente, através do filho e do neto, as guerras do Vietname e do Iraque. Conheceu a crueldade e a ternura dos homens, foi perseguida por uns e acolhida por outros e viveu duas grandes histórias de amor.
«Uma obra de grande beleza lírica.» The Times
«Uma maravilha de empatia e tato.» Joseph O’Neill, autor de Netherland: Terra de Sombras
«Imbuído de tristeza, alegria, ternura e também de momentos de muito humor… uma história bela e luminosa que bem merece o seu lugar na lista para o Booker, e muito mais.» Independent on Sunday



Sobre o autor:
Sebastian Barry nasceu em Dublin em 1955, onde estudou e foi Writer Fellow. Dramaturgo, romancista e poeta, conquistou diversos prémios literários, incluindo o Irish-America Fund Literary Award, o Christopher Ewart-Biggs Prize, o London Critics Circle Award e o Kerry Group Irish Fiction Prize. Foi finalista do Man Booker Prize por três vezes, com A Long Long Way, Escritos Secretos (vencedor do prémio Costa) e Do Lado de Canaã. Vive em Wicklow com a mulher e os três filhos.




Um novo romance da autora bestseller Penny Vincenzi chega às livrarias no dia 16 de julho pela Porto Editora: Promessas Desfeitas


Título: Promessas Desfeitas
Autor: Penny Vincenzi
Tradutor: Isabel Alves
Págs.: 632
PVP: 17,70 €



Um novo romance da autora bestseller Penny Vincenzi chega às livrarias no dia 16 de julho pela Porto Editora: Promessas Desfeitas, uma história passada na Inglaterra tradicional dos anos 60 sobre um casal que luta pela custódia de uma criança.
Neste novo livro, Penny Vincenzi explora a condição das mulheres na turbulenta sociedade da época, onde se assiste a uma emancipação feminina que contrasta com bailes de debutantes e demais costumes conservadores.


Sobre o livro:
Esta é a história de dois jovens promissores: ela, Eliza, uma deslumbrante editora de moda, vinda de uma família rica e conservadora; ele, Matt, de origem humilde mas com ambição suficiente para se tornar num magnata do setor imobiliário.
Depressa se apaixonam, casam e têm uma filha. Mas este é um casamento condenado: a paixão inicial vai dar lugar a uma relação conflituosa que acabará num divórcio tumultuoso e numa batalha épica pela custódia da filha – Emmie, uma criança adorável e precoce, que acaba por se tornar numa vítima dos erros dos pais.
Penny Vincenzi, em Promessas Desfeitas, obriga-nos a refletir sobre o elemento mais frágil das famílias em rutura: os filhos, que raramente são ouvidos no auge do conflito.



Sobre a autora:
Penny Vincenzi é uma das escritoras britânicas com mais sucesso. Foi jornalista, colaborando em publicações como The Daily Mirror, The Times, Vogue e Cosmopolitan, entre outras, antes de iniciar uma carreira literária de sucesso – os seus livros já venderam em todo o mundo mais de sete milhões de exemplares.
O seu primeiro romance, Old Sins, foi publicado em 1989, tendo escrito depois muitos outros, dos quais se destacam Cruel Abandono, O Jogo do Acaso e Uma Mulher Diferente, já publicados pela Porto Editora.
Página da autora: www.pennyvincenzi.com


Imprensa:
Em Promessas Desfeitas, Penny Vincenzi explora a condição das mulheres e as fragilidades das leis do divórcio nos anos 60, época de grande expansão sociocultural. Um romance enternecedor, uma leitura viciante. Sunday Express
Penny Vincenzi oferece-nos um romance extraordinário, com um ritmo de tal maneira alucinante, e tantas camadas narrativas magistralmente articuladas, que é impossível parar de ler. The Washington Post 
Mesmo a tempo de preencher o vazio que nos deixou a aclamada série Downton Abbey, Penny Vincenzi oferece-nos um romance com todos os ingredientes queridos pelos admiradores da tradição inglesa: laços que transpõem as barreiras sociais, matriarcas dominadoras, diálogos bem elaborados e personagens ricas e complexas. Sentirá que perdeu amigos quando virar a última página. USA Today
Um interessante olhar sobre o modo de vida britânico na turbulenta década de 60. Kirkus Review


Asa publica Noites de Jasmim, de Julia Gregson

Título: Noites de JasmimAutor: Julia Gregson
PVP: 16,90 €
N.º de páginas: 554 

Exótico, decadente e perigoso. Uma história grandiosa.

Sobre o Livro:

1942. Numa Europa devastada pela guerra, a jovem Saba tem uma vida protegida. Demasiado protegida. Ela anseia por liberdade e é suficientemente obstinada para desafiar as convenções e a própria família e perseguir o seu sonho: cantar. Ao atuar num hospital militar britânico, a jovem conhece Dom, um piloto em convalescença. A atração é imediata mas ambos sabem estar perante um amor condenado. Dom debate-se com o trauma das suas cicatrizes de guerra e está decidido a voltar rapidamente ao combate.

Atormentada pelos perigos que o homem que ama está disposto a correr, Saba renuncia aos seus sentimentos e decide partir numa jornada que a levará ao glamour do Cairo e ao calor e opulência de Istambul. Um mundo tumultuoso e decadente de soldados, espiões e agentes duplos. Um mundo onde não há lugar para a inocência e todos buscam mais do que aparentam. Alguns querem apenas desfrutar da sua belíssima voz. Outros, sentir o seu amor. Mas há também quem queira os segredos que só ela, graças ao círculo social em que se move, pode descobrir.

No turbilhão em que se tornou a sua vida, há algo que se mantém inalterado: as suas memórias dos momentos que passou com Dom. Desde então, o mundo mudou irremediavelmente, mas os seus caminhos voltarão a cruzar-se um dia… e da forma mais inesperada.

Sobre a Autora

Julia Gregson trabalhou em diversas revistas femininas no Reino Unido e Estados Unidos, tendo também sido correspondente na Índia e no Vietname.

Para além de Noites de Jasmim, na ASA está já publicado o seu romance A Leste do Sol, que vendeu mais de 500 mil exemplares em todo o mundo e venceu, em 2009, o Prémio para o Melhor Livro Romântico do Ano, atribuído pela Romantic Novelists’ Association.

Os direitos de adaptação desta obra foram também adquiridos para o cinema e a televisão.
terça-feira, 3 de julho de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

O Segredo da Casa de Riverton - Kate Morton [Opinião]


Título: O Segredo da Casa de Riverton Autor: Kate Morton
Edição/reimpressão: 2008
Páginas: 480
Editor: Porto Editora
PVP: 17,70€

Sinopse:

Como sobrevivem os que presenciam a tragédia?

verão de 1924
Na noite de um glamoroso evento social, um jovem poeta perde a vida junto ao lago de uma grande casa de campo inglesa. Depois desse trágico acontecimento, as suas únicas testemunhas, as irmãs Hannah e Emmeline Hartford, jamais se voltariam a falar.

inverno de 1999
Grace Bradley, de noventa e oito anos de idade, antiga empregada da casa de Riverton, recebe a visita de uma jovem realizadora que pretende fazer um filme sobre a morte trágica do poeta.
Memórias antigas e fantasmas adormecidos, há muito remetidos para o esquecimento, começam a ser reavivados. Um segredo chocante ameaça ser revelado, algo que o tempo parece ter apagado mas que Grace tem bem presente.
Passado numa Inglaterra destroçada pela primeira guerra e rendida aos loucos anos 20, O Segredo da Casa de Riverton é um romance misterioso e uma emocionante história de amor.

A minha opinião:

Demorei a entrar no espírito da história, mas a partir das 100 páginas Katie Morton voltou a cativar.

Mais uma vez a autora história passa-se entre dois espaços temporais distintos: período que antecede a entrada da Inglaterra na Primeira Guerra Mundial e a actualidade com a protagonista ainda viva, com 98 anos.

A casa de Riverton vai ser palco da vida de Hannah, Emmeline, mas também da criada Grace que partilha as alegrias, mas também das tristezas destas duas irmãs tão diferentes, mas que se dão tão bem.

Apesar de parecer um elemento secundário naquela casa, é Grace que está no centro de tudo, tem olhos e ouvidos sempre atentos e é a personagem que nos acompanha em toda a história deste fantástico livro. Seguindo as pisadas de sua mãe, Grace entra na casa de Riverton com 16 anos, com o fim de servir uma família tradicional em que os mais velhos não vêem com bons olhos as mudanças que se avizinham no país. A entrada da Inglaterra na Primeira Grande Guerra, as mudanças de visual e de costumes, dando mais autonomia às mulheres, a possibilidade de escolha, nada disto é aceite pelo pai e restante família das irmãs Hartford. No entanto, a guerra vai trazer com ela algumas amarguras, como as dificuldades económicas, que não vão atingir apenas os mais probres, mas todos de uma maneira geral. Os negócios passam a não ser rentáveis e as escolhas que o pai das irmãs Hartford tinha para elas vão alterar completamente.

Pelo meio conhecemos ainda o enigmático Robert Hunter, poeta e amigo do irmão de Hannah e Emmeline que parte juntamente com David para a guerra. Robert Hunter vai ser uma personagem fundamental para o desenrolar do livro, tornando-o ainda mais enigmático.

Kate Morton soube distinguir muito bem as diferenças que existiam naquela altura entre as diversas classes sociais. Até na guerra elas se faziam notar. A autora estabelece, a meu ver bem, um parelismo entre a entrada de David, irmão de Hannah e Emmeline na Guerra e do empregado da família, Albert. Enquanto que o jovem David tem um espaço e uma posição confortáveis no coambate, Alfred vai sentir na pele as amarguras da guerra mesmo antes de partir. No entanto, apesar do conforto do primeiro as coisas não correm pelo melhor.

Mais do que um excelente livro, o segredo da Casa de Riverton, a primeira obra da autora, é um poço de segredos que se vão degustando ao longo da narrativa. Um livro para ler devagar para sentir na pele todas as mudanças que surgiram nos loucos anos 20, uma época cheia de sedução, de danças e roupas de sonho.

Excertos:

“... os que vivem em memórias, nunca morrem definitivamente” (pág. 33)

“Só quem está infeliz no presente procura conhecer o futuro.” (pág. 297)

Apresentação de "365 Actividades para fazer com os seus filhos" de Andreia Vidal


Após O Fogo de Istambul e A Serpente de Pedra, é publicado no dia 12 de julho, pela Porto Editora, O Mistério do Quadro de Bellini, de Jason Goodwin

Título: O Mistério do Quadro de Bellini
Autor:
Jason Goodwin
Tradutor: José Vieira de Lima
Págs: 304
PVP: 16,60 €

Os livros de Jason Goodwin já se encontram traduzidos para 38 línguas e têm sido premiados com diversos galardões: O Fogo de Istambul foi galardoado com o prémio Edgar Award for Best Novel em 2007 e nomeado para o CWA Ellis Peters Historical Award em 2006 e A Serpente de Pedra foi nomeado para o CWA Ellis Peters Historical Award em 2007.

Sobre o livro: 
Istambul, 1840. Yashim Togalu, o brilhante detetive eunuco, é convocado para uma audiência com o jovem sultão Abdiilmecid, que o encarrega de encontrar uma obra de arte há muito desaparecida: o retrato de Mehmet, o Conquistador, pintado em 1479 pelo famoso mestre veneziano Bellini. O sultão está convencido de que o quadro se encontra em Veneza e, disfarçados, Yashim e o seu inestimável amigo, o embaixador polaco Stanislaw Palewski, atravessam o Mediterrâneo. Veneza é então uma cidade decadente, de palácios desertos e canais silenciosos onde se cruzam negociantes de Arte, falsificadores e aristocratas. O que começa por ser uma simples investigação em breve se torna num jogo perigoso e fatal, e os dois homens veem-se envolvidos numa conspiração que põe em causa quer a estabilidade do Império Otomano, quer a paz na Europa.
Jason Goodwin, neste seu terceiro romance da série protagonizada pelo detetive Yashim, torna a oferecer-nos um retrato fascinante, com
um apurado detalhe histórico, do Império Otomano e da Veneza dominada pelos Habsburgo.

Sobre o autor:
Jason Goodwin interessou-se por Istambul quando estudou História Bizantina na Universidade de Cambridge. Depois do sucesso do seu primeiro livro, The Gunpower Gardens percorrer, a pé, a distância entre a Polónia e Istambul, e o relato dessa viagem, On Foot to the Golden Horn, valeu-lhe o Ma\il on Sunday Prize, que lhe foi atribuído em 1993. Atraído pela a influência do Império Otomano na Europa de Leste, e depois de uma investigação exaustiva, publicou o livro de referência Lord of the Horizons: A History of the Ottoman Empire. O Fogo de Istambul, primeiro livro desta série, alcançou o reconhecimento da crítica e do público internacional, foi galardoado com o Edgar Award for Best Novel e traduzido para trinta e oito línguas.
No catálogo da Porto Editora constam os dois primeiros livros desta série: O Fogo de Istambul e A Serpente de Pedra.

Biografia de Angélico com sessão de lançamento no Porto


segunda-feira, 2 de julho de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

Lançamentos Civilização: Julho

 FICÇÃO/NÃO FICÇÃO

Título: A Arca 
Autor: Victoria Hislop [AUTORA DE BESTSELLER A ILHA REGRESSA COM LIVRO QUE DECORRE NA GRÉCIA]
N.º de Páginas: 416
Tradução: Isabel Batista
Capa: Mole
PVP: 15,90€
Sinopse: Tessalonica, 1917. No dia em que Dimitri Komninos nasce, um incêndio devastador varre a próspera cidade grega, onde cristãos, judeus e muçulmanos vivem lado a lado. Cinco anos mais tarde, a casa de Katerina Sarafoglou na Ásia Menor é destruída pelo exército turco. No meio do caos, Katerina perde a mãe e embarca para um destino desconhecido na Grécia. Não tarda muito para que a sua vida se entrelace com a de Dimitri e com a história da própria cidade, enquanto guerras, medos e perseguições começam a dividir o seu povo.
Tessalonica, 2007. Um jovem anglo-grego ouve a história de vida dos seus avós e, pela primeira vez, apercebe-se de que tem uma decisão a tomar. Durante muitas décadas, os seus avós foram os guardiões das memórias e dos tesouros das pessoas que foram forçadas a abandonar a cidade. Será que está na altura de ele assumir esse papel e fazer daquela cidade a sua casa?

Título: Miramar
Autor: Naguib Mahfouz [PRÉMIO NOBEL DA LITERATURA; TRADUZIDO DIRETAMENTE DO ÁRABE]
N.º de Páginas: 192
Tradução: Badr Hassanein
Capa: Mole
PVP: 15,90€
Sinopse: Um romance coeso e de grande carga emocional sobre vidas que se cruzam, Miramar desenrola-se na Alexandria do início dos anos 60. Seis personagens, todas agora exiladas por força das circunstâncias, tornam-se residentes da elegante e decadente Pensão Miramar. A figura central é Zohra, a bela camponesa cuja relação com as outras cinco personagens simboliza a essência da realidade política e social da época.



FICÇÃO JUVENIL
 
Título: O Feitiço da Clorofila (Leila Blue n.º 3)
Autor: Miriam Dubini
N.º de Páginas: 168+16
Tradução: Francesco Mai
Capa: Mole
PVP: 9,20€
Sinopse: Uma mensagem misteriosa chega à cave mágica de Primrose com um pedido de ajuda da bruxinha mais desastrada do mundo. Leila tem de cumprir a sua primeira missão como bruxa! No entanto, tem uma enorme surpresa: a mensagem vem do jardim da sua pior inimiga, Ivy Bullitpot, recentemente nomeada a nova rainha das bruxas. Com a ajuda do inseparável Florian, Leila vai viajar para os maravilhosos fiordes noruegueses, onde há harpas encantadas e lobos que falam, e descobrir a mais poderosa de todas as magias: o perdão.
Título: André Topa-Tudo no País dos Minorcas
Autor: António Torrado
N.º de Páginas: 128
Ilustração: Madalena Moniz
Capa: Mole
PVP: 9,20€
Sinopse: O André Topa-Tudo é um superbebé que já nasceu ensinado. Parece que, depois das aventuras por que passou no primeiro livro da série, André Topa-Tudo no País dos Gigantes, se esqueceu, em grande parte, do que tinha aprendido. Mas esqueceu-se mesmo? Uns estranhos escuteiros rechonchudos começam a aparecer na loja de flores da mãe do André e esgotam os amores-perfeitos. Ao que vêm eles? O Andrezinho, de chupeta ao canto da boca, franze a testa. Terá suspeitado de algum perigo? Algo de muito grave está para acontecer. Mas o quê? Só lendo se saberá.

LIVRO ILUSTRADO – INFANTO-JUVENIL
 
Título: O Segredo da Felicidade
Autor: Luísa Ducla Soares
N.º de Páginas: 24
Ilustração: Joana Alves
Capa: Dura
PVP: 11,50€
Sinopse: Era uma vez um rei tão infeliz que chorava pelos olhos e pelo nariz. Nada lhe parava as lágrimas, que alagavam o palácio e constipavam a rainha, forçada a dormir numa cama sempre molhada. Vieram médicos famosos e bruxas de renome, até que um sábio declarou que o rei se curaria se vestisse a camisa de um homem feliz. Poderia o conto acabar com um provérbio: A RIQUEZA NÃO TRAZ A FELICIDADE, mas a autora e os criados não se conformaram com este fim e inventaram mais três, todos terminados com provérbios populares. Não há provérbios para todas as situações?

Novidade Bertrand: A Valsa Esquecida de Anne Enright

Título: A Valsa Esquecida
Autor: Anne Enright
Género: Romance
Tradutor: Ana Falcão Bastos
Formato: 15 x 23,5 cm
N.º de páginas: 232
Data de lançamento: 29 de junho
PVP: 15,50 €

Autora vencedora do Man Booker Prize, Anne Enright foi também, com este livro, finalista do Orange Prize e vencedora do Andrew Carnegie Medal for Excellence.

Uma história marcante, de desejo, segredos e perdas.
No inverno de 2009 nevou em Dublin. Gina recorda a senda de desejo e de acaso que a levou a apaixonar-se por Seán, «o amor da sua vida», e a deixar o homem com quem vivia. Enquanto a cidade lá fora fica paralisada, Gina recorda os tempos que passaram em diversos quartos de hotel: longas tardes que a felicidade e a negação tornaram indistintas. Agora, enquanto as ruas silenciosas, a quietude e a vertigem da neve que cai tornam o dia luminoso e pleno de possibilidades, Gina enfrenta a intempérie para se ir encontrar com uma rapariga a quem chama o «belo erro» de Seán: Evie, a sua frágil filha de doze anos.
Neste romance extraordinário, que é uma espécie de caixa de segredos, Anne Enright dirige-se diretamente aos leitores com o relato de acontecimentos súbitos e decisivos da vida quotidiana, com as relações voláteis entre as pessoas, com a frescura do olhar para cada estremecimento e gesto, com a captação irónica e exata das famílias, do casamento e da fragilidade da meia-idade.
«A prosa reluzente de Enright capta os matizes de luz e trevas que existem na natureza e na sociedade, criando com habilidade personagens memoráveis que vivem muito ocupados com os inúmeros pequenos nadas que constituem o drama da vida quotidiana.» Time Out Chicago
«Valsa Esquecida é uma coisa rara: uma obra literária que não conseguimos parar de ler (…) É uma representação intensamente terna dos complexos laços familiares que nos unem, um retrato delicado sobre o amor, a perda e a esperança, de uma escritora muito talentosa.» Financial Times

Sobre a autora:
Anne Enright nasceu em Dublin, onde atualmente vive e trabalha. Publicou dois volumes de contos, compilados com o título de Yesterday’s Weather, um livro de não ficção intitulado Making Babies e quatro romances, o mais recente dos quais é Corpo Presente, o Man Booker Prize de 2007 e classificado como O Romance Irlandês do Ano.

«Este romance lírico e muito bem escrito é um retrato das tensões familiares e da penumbra apática na qual uma amante tem de viver.» Sunday Express
«Passando da rebentação inicial do desejo para os compromissos da vida de Gina pós-divórcio, com o seu amante e a sua filha adolescente, cuja deselegante presença dá ao livro a sua pungência fundamental, Enright sugere que há uma tragédia silenciosa na mediocridade do adultério nos tempos modernos, na qual os custos da traição são medidos menos em termos de vergonha do que em termos de vendas de casas.» Vogue
«Este romance deslumbrante (…) mostra o seu brilho através da forma surpreendentemente eficaz com que a história é contada (…) As vicissitudes do amor extraconjugal (…) são acompanhadas de uma clareza crua, expressa numa prosa magnética e precisa.» Booklist
«Tudo em [Valsa Esquecida] foi orquestrado na perfeição, e está tão bem escrito que poderia lê-lo uma vez apenas pela sua prosa deslumbrante e depois começar de novo pelo seu conteúdo (…) Este livro faz-me pensar que Enright seria capaz de fazer qualquer coisa (…) É difícil dizer o que é mais gratificante neste livro: as suas complexidades emocionais ou a elegância frugal da sua prosa (…) Sugiro que pegue neste livro, se encoste para trás e deixe que Enright o leve para onde ela quiser.» Washington Post

Novidade Esfera dos Livros "Histórias de um Portugal Assombrado" de Vanessa Fidalgo

Sabia que o Palácio Beau Sejour, ocupado actualmente pelo Gabinete de Estudos Olisiponenses, da Câmara Municipal de Lisboa,foi noutros tempos  a residência do Barão da Glória? Consta que ainda hoje por lá anda a arrastar grossos volumes de livros e caixotes de documentos, para desespero dos funcionários, que, dias depois, voltam a encontrá-los no exato local onde haviam procurado!!

Em Langarinhos, Gouveia, há uma casa inacabada, obra que, por mais que tente, nenhum proprietário consegue finalizar?

E, que no Castelo de Almourol ou no de Bragança, amores incompreendidos deixaram espectros a pairar nas suas torres e ameias?

A jornalista Vanessa Fidalgo traz-nos um livro original, sobre as mais conhecidas histórias de assombrações, fantasmas e lendas que conhecem em Portugal. Recorrendo a um levantamento exaustivo e rigoroso, entrevistou alguns protagonistas e falou com vários especialistas de diferentes áreas, como sociólogos, psiquiatras, historiadores e  antropólogos.