quarta-feira, 15 de maio de 2013

Mildred Pierce - James M. Cain [Opinião]

Título: Mildred Pierce
Autor:
James M. Cain
Selo:
Suma de Letras
Páginas:
368
Preço:
16,50€

Sinopse:
Mildred Pierce foi abençoada com umas pernas de fazer perder a cabeça, jeito para a cozinha e uma personalidade que não é para brincadeiras. Tudo isso lhe foi útil quando teve de sobreviver ao divórcio e à pobreza e abrir o caminho de saída da baixa classe média. Mas Mildred tem também duas fraquezas: uma tendência para se apaixonar por homens indolentes e uma devoção irracional pela filha mimada e egoísta. Cain é um observador nato da natureza humana, das suas idiossincrasias, fraquezas e motivações. Mildred Pierce, o romance de 1941, é de uma força emocional devastadora e executa uma crítica social contundente. Mildred Pierce, a heroína, é uma personagem memorável, com cujas ambições e mágoas qualquer leitor poderá identificar-se.

A minha opinião:
Mildred Pierce é um excelente romance de época, que retrata na perfeição a época que sucedeu a Grande Depressão de 1929. Com o desemprego a aumentar, fruto da derrapagem de muitas empresas, a vida de Mildred não é diferente da maioria das famílias norte-americanas.

Com o mercado imobiliário a desabar, Bert, marido de Mildred afoga-se em dívidas, e não tem perspectivas de arranjar emprego. A única fonte de rendimento é a própria mulher, que se "desenrasca" a fazer tartes para fora. De facto, mesmo em época de crise, as pessoas têm de comer, como lhe alertou a sua vizinha e única amiga, a srª Gressler.

Com apenas 28 anos, com duas filhas pequenas, e um marido traidor, Mildred decide mudar radicalmente a sua vida: escurraça o marido de casa e decide arranjar um trabalho. É precisamente no seu local de emprego que decide montar um negócio por conta própria tornando-se numa empresária de sucesso. Numa época em que emancipação da mulher está apenas a ter início, Mildred é uma pioneira. Com uma personalidade forte e decidida, é dona da sua vida e das escolhas que vai fazendo, tanto a nível profissional como pessoal. No entanto, os homens que vai escolhendo para companheiros e a filha mimada e arrogante Veda, vão ser o seu calcanhar de Aquiles.

É precisamente Veda que vai infernizar Mildred ao longo da história, tornando-se numa personagem cada vez mais detestável e desprezível. Fruto de uma educação pouco cuidada, talvez por ser filha de pais separados, Veda é uma menina ambiciosa e com uma frustração latente: não ter nascido em berço de ouro. Permanentemente com vergonha de uma mãe que, apesar de rica, ser originária de uma família pobre e que tem de trabalhar para sobreviver, Veda consegue sempre inferiorizar Mildred ao ponto de a tornar insegura.

James M. Cain brinda-nos com personagens ricas, bem criadas, e profundamente marcantes, caracterizando na perfeição o ambiente que se passava naquela época. O facto de ter sido escrito em 1941 também ajudou, por estar muito próximo da época retratada.

Excelente. Tenho agora de ver o filme e depois a série.

Excerto:
"Ele vivia num mundo de sonhos, refastelado à beira do rio, a ver as nuvens passar."

2 comentários:

Ash disse...

Vi a série e gostei bastante.

Maria Manuel Magalhaes disse...

Eu tenho mesmod e ver a série...