sexta-feira, 3 de maio de 2013

Os Abutres do Vaticano - Eric Frattini [Opinião]

Título: Os Abutres do Vaticano
Autor:
Eric Frattini
Género: Ensaio
Tradutor: Pedro Carvalho
N.º de páginas: 296
PVP: 16,60€
A 19 de abril de 2005, o cardeal Ratzinger foi eleito Papa. Mal sabia ele que, como os seus antecessores, iria encontrar um osso duro de roer: o IOR (Instituto para as Obras Religiosas) ou o Banco do Vaticano. Os Abutres do Vaticano revela uma história de mordomos traidores, filtragem de documentos e fugas de informação, comissões secretas de investigação, serviços de espionagem e contraespionagem do Vaticano, prelados que denunciam a corrupção e são imediatamente afastadas de São Pedro, lavagem de dinheiro, altos membros da máfia siciliana, um plano para assassinar o Papa, uma adolescente desaparecida e supostamente usada como escrava sexual, um guerra entre jornalistas e diretores da imprensa católica, um presidente do IOR com medo de ser morto. No Estado do Vaticano, a realidade é sempre mais estranha que a ficção. 

A minha opinião:
Observador atento sobre os acontecimentos que se vão passando no Vaticano, Eric Frattini tornou-se um visionário da renúncia de Bento XVI como Papa.

Escrito em Outubro de 2012, o autor já adivinhava que o fim do papado de Ratzinger estava perto. Depois de se ter descoberto uma cadeia de infiltradores que passavam mensagens para fora do Vaticano, assim como documentos secretos, aos jornalistas, Ratzinger ficou completamente de rastos. Paolo Gabriele, mordomo do Papa, foi um deles, mas este foi apenas um peão nas mãos dos cardeais Angelo Sodano e Tarcisio Bertone. A traição de Paolo Gabriele foi o que o marcou mais visto ser este uma pessoa de alta confiança por parte do Papa.


Mas comecemos pelo início. Bento XVI foi eleito Papa a 19 de Abril de 2005 e logo no início se deparou com um osso duro de roer: o Banco do Vaticano, ou IOR: Instituto para as Obras Religiosas. Com intuito de fazer uma remodelação no Banco mais secreto do mundo, Ratzinger cavou a sua sentença.

Munido de documentos oficiais, os tais documentos que foram desviados por Paolo Gabriele, Eric Frattini sustenta a história dos abutres com factos, comprovando-os nos documentos que presentes ao longo do livro.

O escândalo do Vatileaks, as várias suspeitas de que o Banco do Vaticano está ligado a grupos maifiosos, passando pelo atentado ao Papa João Paulo II pela turco Mehmet Ali Agca a 13 de Maio de 1981, e até o sequestro de uma jovem de 15 anos dentro da cidade do Vaticano a 22 de Junho de 1983 ajudaram para terminar com o papado. Notícias em jornais de todo o mundo davam conta da fragilidade pela qual estava a passar o Estado do Vaticano e o título de um jornal italiano em fevereiro de 2012 era disso exemplo: "Conspiração contra o Papa: Bento XVI vai morrer dentro de doze meses."

Este livro é a prova de que os altos senhores do Vaticano continuam e poderão continuar a comandar o que se passa lá dentro. E o Papa nada poderá fazer. Angelo Sodano e Tarcisio Bertone não foram condenados e continuam a ocupar altos cargos. 

Os Abutres do Vaticano é um livro muito actual e que aborda assuntos pertinentes para quem quer saber mais do que se passa no Estado mais rico do mundo, mas também o mais secreto... Aconselho a sua leitura.

Excertos:
"Nunca te esqueças, caro Eric, que, para o Vaticano, tudo o que não é sagrado é secreto."
"No Estado da Cidade do Vaticano a realidade supera sempre a ficção."

Sem comentários: