quinta-feira, 20 de junho de 2013

Morreste-me - José Luís Peixoto [Opinião]

Título: Morreste-me
Autor:
José Luís Peixoto
Editora: Quetzal
N.º de Páginas: 61

Pai. A tarde dissolve-se sobre a terra, sobre a nossa casa. O céu desfia um sopro quieto nos rostos. Acende-se a lua. Translúcida, adormece um sono cálido nos olhares. Anoitece devagar. Dizia nunca esquecerei, e lembro-me.

A minha opinião: 
Publicado no suplemento juvenil do Diário de Notícias como um conto, Morreste-me já mostrava o talento de José Luís Peixoto.

Este é o primeiro livro que leio do autor e cada vez fico mais rendida.

Dedicado ao pai, José João Serrão Peixoto, este é um livro que relata a sua doença grave, que culminaria na sua morte. Trata das dores do pai, mas também nas do autor, enquanto filho, na mãe enquanto viúva e nas da sua irmã. A quem já morreu um familiar próximo este livro tocará certamente e nele se reverá. Foi o que aconteceu comigo. Revi-me nas palavras de José Luís Peixoto e com ele revivi a mágoa de já não ter um ente querido, que partiu, mas que fica no coração de quem cá fica.

Um livro pequeno, mas muito grande... Que retrata de uma forma tão bonita as vivências que passou com o seu pai, o seu exemplo, aquele lhe ensinou a plantar para depois colher, aquele que o acompanhou nos diversos momentos da sua vida.

Genial!



Excertos:
"Pai. Deixaste-te ficar em tudo."
"Tudo o que te sobreviveu me agride. Pai. Nunca esquecerei."

Sem comentários: