terça-feira, 17 de setembro de 2013

Misery - Stephen King [Opinião]

Título: Misery
Autor: Stephen King

Tradutor: Magda Viana
N.º de Páginas: 480

PVP: 9€

Paul Sheldon, um escritor famoso de romances cor-de-rosa, tornado célebre pela personagem principal das suas obras, Misery Chastain. Porém, Sheldon entendeu que estava na hora de virar a página e decidiu "matar" Misery. É então que sofre um terrível acidente de viação e é socorrido por Annie Wilkes, uma ex-enfermeira que o leva para sua casa para o tratar. O que Paul não sabe é que Annie, a sua salvadora, é também a sua maior fã, a mais fanática e obcecada de todas  -  e está furiosa com a morte de Misery.
Ferido e incapaz de andar, totalmente à mercê de Annie, Paul é obrigado a escrever um novo livro para "ressuscitar" Misery, como uma Xerazade dos tempos modernos nas mãos de uma psicopata tresloucada que há muito deixou de distinguir realidade de ficção .

Repleto de complexos jogos psicológicos entre refém e captor, Misery é uma obra de suspense e terror no seu estado mais puro.

A minha opinião:
Paul Sheldon é um escritor best-seller, arrecadando múltiplos seguidores dos seus livros. Escrevendo sobretudo para o público feminino, Sheldon criou uma personagem que o tornou famoso: Misery Chastain.

Mas Paul, decidido a mudar o rumo da sua vida, e com a ambição de prémios literários que o tornem um autor reconhecido, decide matar Misery, optando por focar a partir daí os seus livros para um público mais erudito.

O que Paul não imaginava é que numa noite de tempestade iria ter um acidente, que iria resultar no salvamento por parte da sua fã n.º 1: Annie Wilkes. O que o autor não imaginava é que além de ser sua fã, Annie foi antiga enfermeira em vários hospitais, e que esconde um passado sombrio.

Rapidamente Paul constata que algo de errado de passa com Annie já que no lugar de o tratar e o levar para o hospital, a mulher solitária mantém-no preso em sua casa obrigando-o a "ressuscitar" Misery e escrever uma nova história da saga.

A loucura de Annie é constantemente relatada sob a perspectiva do próprio Paul, o que melhora ainda mais a história. Com momentos macabros, King consegue prender o leitor, dando-lhe episódios emocionantes e ao mesmo tempo surpreendentes do que uma pessoa pode fazer a outra, caso não lhe seja feita a vontade. À medida que a história se vai desenvolvendo vai-se descobrindo o passado macabro de Annie, que ela guarda religiosamente numa espécie de diário feito por recortes de jornal. O que nos leva a pensar que o futuro de Paul naquela casa tem os dias contados.

O tom maquiavélico com que a mulher tem para com o seu prisioneiro, a forma dela ver a realidade, mostra ccada vez mais que esta sofre de perturbações mentais, levando-nos a estranhar como é que a polícia não anda mais por perto de sua casa... Ainda para mais sabendo que um escritor famoso está desaparecido.

Este é o segundo livro que leio de Stephen King e gostei bastante da forma como está descrito todo o horror pelo qual Paul passa, a forma tenebrosa que Annie o trata e a loucura de uma fã, que tudo faz para ler de novo um livro sobre a sua pesrsonagem.

Tem ainda outro lado, que é todo o processo criativo de uma escritor até à criação final, o horror de ver uma obra sua ser destruída, e a vontade de querer continuar a escrever, mesmo que as dores que sente sejam atrozes.

Muito bom.




2 comentários:

João Fialho disse...

Sem dúvida alguma, é um bom livro. Pessoalmente, sou fân de Stephen King, sendo ele a minha inspiração na escrita. Um bom livro que também recomendo, caso não tenha lido, do mesmo, é "Cell - Chamada para a morte". Um optimo livro com uma história bastante atrativa. Adorei o blog. De certo que passarei mais vezes a passar por aqui. Beijinhos

Maria Manuel Magalhaes disse...

Olá João,
Tenho o Cell para ler, quando tiver oportunidade pego nele, fiquei ainda mais curiosa.

Obrigada e espero que passe cá mais vezes.

beijinhos e boas leituras,
MM