sexta-feira, 6 de setembro de 2013

O Barão - Sveva Casati Modignani [Opinião]

Título: O Barão
Autor:
Sveva Casati Modignani
Tradução: Regina Valente
Págs.: 504
Capa: mole com badanas
PVP: 16,60 €

Sinopse:

Bruno Brian di Monreale, o Barão, como é conhecido, é o último descendente de uma antiga e nobre família siciliana. Bruno cresce na Califórnia, com um pai severo e distante e uma mãe dividida entre um casamento precipitado, onde não existe amor, e uma paixão deixada na sua Sicília longínqua. No entanto, são as raízes sicilianas que levam Bruno a regressar à sua ilha natal, ao seu avô, um velho aristocrata e a Calò, o padrinho sempre presente. Serão estas duas figuras que lhe irão transmitir o saber ancestral das velhas famílias e da sua ética e código de justiça.

Bruno di Monreale envolve-se nos negócios do petróleo e das grandes multinacionais, tornando-se num homem poderoso e fascinante. Os amores inconsequentes e os casos fortuitos sucedem-se na sua vida glamorosa mas dominada pela insatisfação, até que se cruza com Karin, uma mulher reservada e misteriosa. Karin revelar-se-á o desafio por que Bruno ansiava e vai trazer-lhe o equilíbrio há tanto desejado.

Em O Barão, um dos primeiros romances da autora, Sveva Casati Modignani revela-nos os meandros de uma sociedade disposta a tudo para manter os seus privilégios, criando um mosaico de personagens vibrantes.

A minha opinião: 
Saber que o Barão foi um dos primeiros romances da autora faz com que partamos para a leitura deste livro, publicado pela Porto Editora recentemente, com muita curiosidade. Este não é o seu melhor livro e ainda bem que Sveva aprofundou o seu jeito de escrita e organizou melhor as diversas histórias que tem habituado os seus leitores mais assíduos.


Primeiro não ganhei qualquer afinidade com o Barão. Bruno di Monreale, descendente de um outro barão, apesar de ser uma pessoa bastante forte a nível emocional e profissional, não está tão enriquecido por Sveva como outros personagens que já tão bem conhecemos. Descendente de um nobre italiano, das profundezas da Sicília, herda do avô o seu gosto pela terra mãe e nem com um pai com fortuna consolidada nos Estados Unidos o faz querer permanecer lá por muito tempo. Depois de ter estudado, decide voltar às suas origens e manter o seu legado.


Numa história um quanto desordenada a autora vai-nos dando a conhecer a infância de Bruno, da sua mãe uma jovem impetusosa que faz quase tudo por impulso e pelo pai, um combatente da Segunda Guerra Mundial que a conhece quando o Barão dá guarida ao seu batalhão.


Por outro lado, entra em cena Karin Venier e também a vida dela vai ser detalhadamente contada pela autora. Karin, uma jovem secretária de um advogado, que teve uma vida dura, mas que conseguiu vingar na sua carreira profissional, tornando-se uma mulher de sucesso. Por ser tão retraída em relação ao sexo masculino faz com que se torne uma personagem interessante, sobretudo para Bruno, que se apaixona perdidamente por ela.

Pelo meio ainda vemos variadas intrigas a nível económico, financeiro e político, que envolvem um pequeno país situado na África do Sul, Burwhana, que podia ter sido mais bem explorado pela autora, que tornaria o livro ainda mais interessante.

Apesar de ser dos primeiros romances de Sveva já se nota o toque especial da autora em valorizar as diferentes passagens temporais que nos permitem conhecer ainda melhor cada uma das personagens.


O Barão não foi dos livros que mais gostei de Sveva, mas para quem é fã, como eu, vai gostar na mesma das diversas histórias de amor e intriga que se passam ao longo de toda esta obra.

Para quem é apreciadora do género de escrita da escritora italiana, recomendo a sua leitura.
 

Sem comentários: