sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Encantamentos - Kathryn Harrison [Opinião]

Título: Encantamentos
Autor:
Kathryn Harrison
Tradutor: J. Teixeira de Aguilar
Págs.: 352
PVP: 16,60 €

Sinopse:
No primeiro dia de 1917, ano de todas as mudanças na Rússia, o corpo de Rasputine é resgatado das águas geladas do Neva, em São Petersburgo. Horas mais tarde, as duas filhas do Monge Louco são levadas para o palácio e acolhidas pela família imperial, pois a czarina espera que Masha, a mais velha, consiga salvar o filho Alyosha, o enfermiço herdeiro do trono. Masha não tem o misticismo magnético do pai, mas descobre o dom encantatório das suas histórias. E é com elas que, sempre entre a vida e a morte, os dois adolescentes conhecerão o amor e um país imenso, a Rússia, que Alyosha nunca chegará a governar.
Inspirando-se na vida aventureira da filha de Rasputine, Xerazade russa que viria a ser domadora de leões na América, Kathryn Harrison retrata uma era em que a História se impacienta e o mundo mudaria, com a Revolução Bolchevique e o fim da lendária dinastia dos Romanov.

A minha opinião: 
O assassinato de Grigory Rasputine, apelidado de "Monge Louco", vai fazer com que as suas duas filhas sejam levadas para o palácio dos Romanov, com o intuito de que Masha, a filha mais velha, pudesse salvar o seu único filho varão, Alyosha.

Pensando que Masha possuía os mesmos poderes que o pai, a czarina Alexandra deixa que os dois jovens passem muito tempo juntos, levando a troca de confidências e a um amor pueril por parte de ambos.

Baseado em factos reais, Encantamentos, de Kathryn Harrison, é centrado na história da Rússia Pré-revolucionária, que queria a todo o custo depor os Czares e, consequentemente, de toda a dinastia Romanov. Vivenciado na primeira pessoa por Maria que, não fazendo parte da família, acabou por se salvar, o livro é profundo, mostrando o lado sentimental de Alyosha, com problemas normais para a idade de um rapaz de 14 anos, não esquecendo a sua doença, que enchia de cuidados a mãe, mas também todos os apoiantes dos Romanov, que não viam em Alyosha um grande futuro. A era dos Romanov, a revolução russa, têm fascinado diversos autores resultando em muitos livros centrados nesta época. Este não é o primeiro livro que leio sobre a família, até porque eu também gosto da história desta época russa. Mas este livro é uma descoberta porque, além de contar a história dentro do palácio, conta também a convivência de Marsha com o pai, de Alyosha depois da despedida de Marsha (explanada num diário) e da vida da filha de Rasputine depois de refugiada em França.

Mostrando ser uma mulher forte e determinada, Marsha acaba por casar com uma homem que acha desprezível, mas que vai de encontro às premonições do pai. Felizmente para ela, o marido morre aos 30 anos deixando-a livre para fazer o que realmente gostava: ser amazona e mais tarde domadora de felinos e ursos, tendo trabalhado para diversos circos demasiado conhecidos na época, incluindo para Barnum & Bailey uma companhia que unia diversas atracções circenses.

Reunindo personagens fortes, como não podia deixar de ser tratando-se dos Romanov, Kathryn Harrison brinda-nos com uma história belíssima, contada pelas mãos de Marsha Rasputine, levando-me a uma vontade maior de ler mais livros seus.
Excertos:
"Se não fosse a sua eterna doença, o meu pai nunca teria sido assassinado."
"... as pessoas passavam fome e gelavam, e não apenas as mais pobres."




Sem comentários: