quinta-feira, 28 de março de 2013

Guerra e Paz aposta na Literatura Portuguesa

A correspondência inédita de Jorge de Sena e João Gaspar Simões e um livro de Bruno Vieira Amaral são as apostas da editora para a Feira do Livro de Lisboa

Um poeta e romancista, um crítico literário e um autor contemporâneo dão corpo às próximas apostas da Guerra e Paz Editores, já a pensar na Feira do Livro, que se realiza de 23 de Maio a 10 de Junho, em Lisboa. São dois livros que vão ter impacto no meio literário português: um é a correspondência inédita e polémica entre Jorge de Sena e Gaspar Simões; o outro apresenta 50 personagens dos romances portugueses dos dois últimos séculos.

«Correspondência 1943-1977», de Jorge de Sena e João Gaspar Simões, surge na linha de outras correspondências do poeta já publicadas pela editora, das quais se destacam as cartas trocadas com Sophia de Mello Breyner. Um acontecimento literário, revelando o carteio de duas grandes personalidades da cultura portuguesa do século XX ao longo de quatro décadas.

Com «Guia Para 50 Personagens da Ficção Portuguesa», Bruno Vieira Amaral vem preencher uma lacuna dos estudos literários portugueses. Como o título indica, a obra apresenta 50 das mais importantes personagens do romance nacional. O autor apresenta, de uma forma tão cuidada como original, figuras que já fazem parte do imaginário dos leitores, como Padre Amaro ou João da Ega, de Eça de Queirós, Eurico, de «Eurico, o Presbítero», de Alexandre Herculano, mas também personagens mais recentes como Luís Bernardo Valença, de «Equador», de Miguel Sousa Tavares. Um livro que fazia falta à literatura portuguesa.

A praia das pétalas de rosa: Novo romance de Dorothy Koomson, autora de A filha da minha melhor amiga

Título: A praia das pétalas de rosa
Autor:
Dorothy Koomson
Tradução: Irene Ramalho
Págs.: 544
Capa: mole com badanas
PVP: 16,60 €


Desde que, em 2006, deu a conhecer às leitoras portuguesas A filha da minha melhor amiga – um enorme sucesso, já na 14.ª edição –, a Porto Editora tem vindo a publicar com regularidade a obra da escritora Dorothy Koomson. Em 2012, lançou O outro amor da vida dele; um ano depois, prepara-se para publicar, a 8 de abril, o novíssimo A praia das pétalas de rosa, oitavo livro da autora editado em Portugal.
A mestria com que aborda as relações amorosas é um dos trunfos desta autora inglesa de origem ganesa. A praia das pétalas de rosa deixa uma interrogação no ar: «seria capaz de magoar alguém por amor?».
O sucesso em Portugal é apenas parte do crescente prestígio internacional de Dorothy Koomson, que assinalou, no último mês, dez anos de carreira literária.


Sinopse:
Todas as histórias de amor sofrem reviravoltas.
Depois de quinze anos de um grande amor e um casamento perfeito, Scott, marido de Tamia, é acusado de algo impensável. De repente, tudo aquilo em que Tamia acreditava - amizade, família, amor e intimidade - parece não ter qualquer valor. Ela não sabe em quem confiar, nem sonha o que o futuro lhe reserva. Então, uma estranha chega à cidade, para lançar pétalas de rosa ao mar, em memória de alguém muito querido e há muito perdido. Esta mulher transporta consigo verdades chocantes que transformarão as vidas de todos, incluindo Tamia que será obrigada a fazer a mais dolorosa das escolhas...
O que estaria disposta a fazer para salvar a sua família?


Sobre a autora:
Apaixonada desde sempre pela palavra escrita, Dorothy Koomson escreveu o seu primeiro romance aos 13 anos. A filha da minha melhor amiga foi o seu primeiro livro editado em Portugal. A história comovente de duas amigas separadas pela mentira e unidas por uma criança encantou as leitoras portugueas. Pedaços de ternura, Bons sonhos, meu amor, O amor está no ar e Um erro inocente, Amor e chocolate e O outro amor da vida dela foram igualmente bem-sucedidos, consagrando a autora como uma referência para as leitoras.


Mais informações aqui


O Gafanhoto garoto não pode brincar - Maria João Saraiva de Menezes [Opinião]

Título: O Gafanhoto garoto não pode brincar
Autor:
Maria João Saraiva de Menezes
Ilustrador: Elisabetta Rossini
Colecção: Emoções
PVP: 13,50€

Nesta história, o Gafanhoto Garoto não tinha tempo para brincar nem para saltar e estava a ficar infeliz e deprimido. Felizmente, os pais do gafanhoto compreenderam que brincar é tão importante como estudar e que deve haver tempo para ambas as coisas. Com a ajuda dos pais-gafanhotos, o Gafanhoto Garoto passou a ser um bicho feliz e muito bom aluno na escola dos insectos do quintal florido! O stress infantil e a importância de brincar são temas relevantes no dia-a-dia de todas as crianças. Na escola, é esperado corresponderem ao ritmo de trabalho que os vai preparar para a vida. No entanto, e não fugindo às responsabilidades, há que ter tempo para brincar e para correr em espaços abertos com os amigos. As crianças são mais felizes e aprendem melhor na escola quando têm tempo para brincar e para serem crianças.


A minha opinião:
"É proibido não brincar?", assim termina este delicioso livrinho de um pequeno gafanhoto que andava triste por não haver tempo para brincadeiras. Uma história que facilmente transportamos para a realidade. Desde cedo se imputam responsabilidades cada vez maiores às crianças, sem que elas tenha tempo para fazer o que realmente devem fazer, que é brincar. Brincar é fundamental porque os ajuda a crescer e a serem uns adultos melhores e mais felizes. Uma criança feliz é a melhor coisa do mundo, mas quando lhe tiram espaço para poderem brincar e fantasiar ficam como este pequeno gafanhoto: com stress porque anda a estudar de mais e a brincar de menos. 
A vida deste pequeno gafanhoto era feita numa perfeita correria, desde que se levantava até à hora de dormir. Tinha de se levantar depressa, vestir-se depressa, tomar o pequeno almoço depressa porque os pais também viviam uma vida agitada. Tão agitada que não tinham tempo nem disposição para as brincadeiras do filho. Na escola era a mesma coisa, tanta responsabilidade para aprender que quando não sabia a lição tinha de ficar de castigo na sala de aula, sem recreio. 
Uma bela lição de moral para pais e educadores.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Desafio Arco-Íris


Não costumo ligar muito a desafios porque gosto de ler ao sabor do momento, sem que nada se imponha perante a minha leitura, mas achei muita piada a este, pelo que decidi aceitar. 
Agradeço desde já aos blogues Melodia das Letras e Menina dos Policiais pelo selinho.

As regras são simples:
1 - Referir quem vos deu o selo

2 - Postar uma foto de uma pilha com as cores do arco-íris.
3 - Passar o selo a 10 blogs super-hiper-mega-coloridos!




Vermelho: A Conspiração do Silêncio - David Baldacci
Laranja: A Quinta Mulher - Henning Mankell
Amarelo: Não Matem a Cotovia - Harper Lee
Verde: Compaixão - Jodi Picoult
Azul: Mel - Ian McEwan
Indigo: Os filhos da liberdade - Marc Levy
Violeta: O livro do Amanhã - Cecelia Ahern


Relativamente aos blogues dou este selinho a todos os blogues que quiserem participar neste desafio.

BOOKSMILE: Bananus Maximus - O miúdo que queria ser o maior herói da Roma Antiga

O Dia Internacional do Livro Infantil está a chegar, e com o Bananus Maximus vai ser só gargalhar!

«O meu nome é Bananus Maximus, e um dia serei o maior herói da história de Roma. No futuro, quando eu for rico e poderoso, hão-de querer escrever a minha biografia. Por isso resolvi criar este diário. Mas acho que esse dia ainda está longe. É que a vida não me anda a correr muito bem. Os meus amigos gozam comigo, o Pai não me dá atenção e a Mãe só tem olhos para as suas galinhas sagradas. O meu grande objetivo na vida é aprender a lutar como um gladiador. Eu sei que há um guerreiro destemido dentro de mim... Só espero que não demore muito a aparecer!»

É este o enredo de Bananus Maximus, um livro absolutamente hilariante (7+ / 9,99€), que vai deixar completamente vidrados na leitura os milhares de fãs da coleção infantojuvenil atualmente mais vendida em Portugal, O Diário de um Banana.

Bananus Maximus, centrado na vida de um jovem na Roma Antiga, está recheado de divertidas ilustrações. Porque rir é o melhor remédio, leia os primeiros capítulos aqui.

Sobre o autor:
Tim Collins, autor de Bananus Maximus, já escreveu mais de uma dezenas de livros. A série O Diário de um Vampiro Banana, também editado em Portugal pela Booksmile (o quarto volume já está no forno), é das mais vendidas na Amazon.co.uk (paródias). Depois dos mortos-vivos, que também se apaixonam e se desiludem, descubra o que um jovem romano terá de fazer para se tornar no maior herói do Império Romano!

Novidade Asa: «O tempo entre nós», de Tamara Ireland Stone - Bestseller Internacional

Título: O Tempo entre Nós
Autor: Tamara Ireland Stone
ROMANCE

Um romance caloroso, capaz de enganar o tempo

Sobre o livro:
Anna e Bennett nunca deveriam ter-se conhecido. Porque haveria isso de acontecer?

Anna é uma jovem de 16 anos em 1995, ferozmente determinada a assegurar uma bolsa de estudo de desporto, para poder sair da sua cidade pacata e enfadonha e finalmente viajar pelo mundo. Bennett tem 17 anos em 2012, vive em São Francisco e tenta controlar a sua capacidade de viajar pelo tempo – um dom incrível mas também uma maldição imprevisível, que constantemente ameaça separá-lo das pessoas que ama.

Quando um pequeno erro de cálculo coloca em perigo a sua irmã Brooke, Bennett dá por si a três mil e duzentos quilómetros e dezassete anos de distância – no mundo de Anna. Enquanto procura por Brooke, Bennett é atraído de modo estranho e inevitável para Anna, mas, por mais desesperado que Bennett esteja para ficar com Anna, a sua incontrolável situação irá inevitavelmente mandá-lo de volta ao lugar a que pertence – e Anna ficará sozinha, presa no tempo que os separa.

Sobre a autora:
Tamara Ireland Stone na primeira pessoa: “Tenho um casamento feliz. Sou uma super-heroína ocasional aos olhos de duas impressionantes pessoas pequenas. Amiga dos animais. Leitora ávida. Doida por engenhocas. Estou alegremente encravada nos anos 90. Escrevo ficção sobre coisas como viagens, música, romance e pessoas normais com talentos extraordinários.

O meu romance de estreia, O Tempo Entre Nós, está publicado em dezasseis línguas e vai ser adaptado ao cinema.Escrever sempre foi uma coisa natural para mim. Às vezes as minhas histórias são divertidas, outras vezes são tristes, e algumas vezes são meramente lamechas – mas sempre foram uma coisa apenas: só para mim. Até há pouco tempo.”



Novidade Matéria-Prima: « À Minha Maneira Como Salazar resolveu o grande escândalo financeiro do Estado Novo» de Filipe S. Fernandes

Título: À Minha Maneira
Autor: Filipe S. Fernandes
Género:História/Economia
N.º de páginas: 184
PVP: € 15,50


Caso BNU: O BPN de Salazar
Descubra o que foi feito para impedir que o banco arruinasse o sistema financeiro do país.


Sobre o livro:
Os escândalos financeiros em Portugal não são novidade. Se agora nos deparamos diariamente com notícias sobre o BPN e o BPP, há oito décadas atrás, o então Ministro das Finanças, Oliveira Salazar, tinha pela frente um desafio semelhante: RESGATAR O BANCO NACIONAL ULTRAMARINO.
Neste livro, que resulta de uma investigação inédita do jornalista Filipe S. Fernandes, apresenta-se o domínio da crise do BNU no contexto da Grande Depressão, mostrando como Salazar resolveu o grande escândalo financeiro do Estado Novo, evitando que este abalasse os alicerces de um regime ditatorial que se erigia e que durou até 1974.


Sobre o autor:
Filipe S. Fernandes é licenciado em Ciências da Comunicação pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e iniciou a sua carreira de jornalista em 1985 no jornal Semanário. Em 1988 integrou a equipa fundadora da revista de negócios Exame, e, três anos depois, fez parte do grupo de criadores da revista Fortuna, depois Fortunas & Negócios. Entre 2000 e 2012 foi editor do Diário Económico e do Jornal de Negócios e director-adjunto da Exame. É autor de vários livros. Publicou, em 2012, O Segredo Não É Alma do Negócio na Matéria-Prima Edições.




Miguel Almeida apresenta obra em Viseu


terça-feira, 26 de março de 2013

Novidade Bertrand: O livro que previu a renúncia de um Papa chega às livrarias a 12 de abril

Título: Os Abutres do Vaticano
Autor:
Eric Frattini
Género: Ensaio
Tradutor: Pedro Carvalho
N.º de páginas: 296
Data de lançamento: 12 de abril
PVP: 16,60€



A 19 de abril de 2005, o cardeal Ratzinger foi eleito Papa. Mal sabia ele que, como os seus antecessores, iria encontrar um osso duro de roer: o IOR (Instituto para as Obras Religiosas) ou o Banco do Vaticano. Os Abutres do Vaticano revela uma história de mordomos traidores, filtragem de documentos e fugas de informação, comissões secretas de investigação, serviços de espionagem e contraespionagem do Vaticano, prelados que denunciam a corrupção e são imediatamente afastadas de São Pedro, lavagem de dinheiro, altos membros da máfia siciliana, um plano para assassinar o Papa, uma adolescente desaparecida e supostamente usada como escrava sexual, um guerra entre jornalistas e diretores da imprensa católica, um presidente do IOR com medo de ser morto. No Estado do Vaticano, a realidade é sempre mais estranha que a ficção.

Sobre o autor:
Eric Frattini nasceu em Lima, Peru, em 1963. Ensaísta, jornalista, professor universitário, guionista de televisão e escritor, foi correspondente e trabalhou com diversos órgãos de comunicação no Médio Oriente.
Foi professor na Faculdade de Ciências da Informação na Universidade Complutense de Madrid e professor de Jornalismo na Universidade Camilo José Cela de Madrid.
Perito da União Europeia no âmbito de Segurança e Inteligência, Terrorismo Islâmico e Crime Organizado, tem sido consultor de vários serviços de inteligência internacional e forças policiais em países como Espanha, Itália, Roménia, Ucrânia, Bulgária, Hungria, EUA e Chile. Participou também, entre 2009 e 2012, em programas de operações antiterrorismo no Iraque e no Afeganistão.


O Filho de Ninguém - Olivia Darko [Opinião]


Título: O Filho de Ninguém
Autor:
Olivia Darko
N.º de Páginas: 97
Editora: Chiado Editora
Colecção: Viagens Na Ficção
Data de publicação: Março de 2012

Justino viveu isolado do mundo os primeiros 26 anos da sua vida, tendo apenas a mãe por companhia.

Quando faz a transição para a vida em sociedade, os lapsos de memória que sempre o tinham acompanhado recomeçam, mais fortes e menos espaçados, e assaltam-no memórias de vivências que não tem a certeza de serem reais, mas que se tornam cada vez mais vívidas e perturbadoras.

A aproximação de uma mulher, Sofia, provoca um turbilhão de emoções contraditórias que o conduzem a um caminho sem retorno, e o único fim possível acaba por ser a descoberta da terrível verdade que estava enterrada no seu subconsciente.


A minha opinião:

Justino é fruto da educação repressiva que a mãe sempre lhe deu. Isolado do mundo até praticamente aos 26 anos, Justino é um rapaz que vive muito para si, mas sobretudo para mãe, de quem é completamente dependente. Quando fez sete anos a mãe decidiu deixá-lo ir para a escola, mas essa seria uma opção pouco acertada, já que os miúdos, como sempre cruéis, gozavam com ele. Primeiro pelo nome, Justino, pouco adequado aos nomes habituais naquela altura, e depois por não saber a data exacta do seu nascimento. Quando a professora adoeceu e houve necessidade de encerrar a escola de vez, Maria, a sua mãe decidiu ela mesma ensiná-lo a ler, escrever e a fazer contas, isolando-o do mundo. A não ser a presença assídua do pároco local, Carlos, Justino e Maria não viam mais ninguém.

Carlos foi sempre preponderante nas decisões familiares. Procurando estar presente em todas as ocasiões lá foi convencedo Maria que, com 26 anos, Justina teria de arranjar uma ocupação. Seria a libertação do rapaz, pensou ele, mas nem tudo resultou.

As perdas de memória começam a ser cada vez maiores, e nem mesmo Sofia, colega na empresa onde trabalha, consegue abstraí-lo do seu próprio mundo.

É numa viagem de trabalho que Justino começa a recordar um episódio sangrento, que não sabe ser realidade ou pura imaginação. No entanto, a descoberta vai mudar para sempre a vida de ambos (Justino e Sofia).

Um livro que se lê de uma acentada, até porque é bastante pequeno (97 páginas), mas também porque a sua leitura é leve e nos dá desejos de saber o final da história, que posso dizer ser surpreendente em algumas partes. Outras, mais previsíveis, não deixaram mesmo assim de me surpreender.

Só me resta perguntar à autora: para quando o próximo livro?



Guerra & Paz: A sua vida foi um fracasso? Connosco, a sua morte será um sucesso!

Título: A Loja dos Suicídios – 3.ª Edição
Autor:
Jean Teulé
Género: Ficção/Romance
PVP: 14,00 €
Nas livrarias desde 21 de Março

«Morto ou reembolsado!»

Eis o slogan da Maison Tuvache, uma lojinha que comercializa tudo o que há de mais fino e eficaz para a lúgubre empresa do suicídio. Há dez gerações que a Loja dos Suicídios satisfaz 100% da clientela: morrem todos e não fica nenhum para reclamar.

Mishima, o pai, é especialista em mortes violentas e dirige o negócio com mão de ferro. Lucrèce, a matriarca, é grande adepta dos envenenamentos e detém as receitas mais fatais. A prole, composta por Vincent, que projecta um parque de diversões temático, e Marilyn, que se vê obrigada a renunciar ao suícidio para manter o bom nome da família, aumenta com o nascimento de Alan, a criança que traz com ela uma terrível maldição: a alegria de viver.

O pequeno Alan passa os dias a cantarolar, a consolar os clientes e, pior que tudo, a rir. Sim, Alan gargalha. Alan é um optimista. E prepara-se para sabotar com gáudio e devoção o próspero negócio de família.

Sobre o autor:
Jean Teulé é autor de quatorze romances, entre os quais Montespan, Prémio Maison de la Presse e Grande Prémio Palatine du Roman

Historique, também publicado em Portugal, que chegará ao grande ecrã em 2013.

A Loja dos Suicídios foi adaptado a filme de animação em 2012, por Patrice Leconte, e está traduzido em dezanove idiomas.


Depois de O Atlas Esmeralda, a Porto Editora publica, a 1 de abril, o segundo volume da trilogia Crónicas da Origem, de John Stephens, intitulado A Crónica de Fogo

Título: A Crónica de Fogo
Autor:
John Stephens
Coleção: Crónicas da Origem
Tradução: Jorge Lima
Págs.: 504
Capa: mole
PVP: 14,90 €


Depois de O Atlas Esmeralda, a Porto Editora publica, a 1 de abril, o segundo volume da trilogia Crónicas da Origem, de John Stephens, intitulado A Crónica de Fogo.
O jornal britânico The Guardian recomenda: «Pare tudo o que está a ler neste momento, por muito bom que seja, e pegue neste, porque (…) está a perder a oportunidade de ler um grande livro». A Publishers Weekly, por seu turno, não tem dúvidas em afirmar que «Os fãs de O Atlas Esmeralda vão encontrar tudo o que adoram: o enredo cheio de aventura, vários momentos de cortar o fôlego e a interpretação de Stephens dos dragões, anões e elfos que Tolkien consagrou serão certamente bem recebidos».
Esta série é protagonizada por três irmãos – Kate, Michael e Emma –, deixadas pelos pais ao cuidado de estranhos, no dia de Natal. Durante dez anos, os três irmãos saltam de orfanato em orfanato, sabotando todas as tentativas de adoção, sempre à espera de que os pais voltem para os resgatar. Certo dia, são levados para o orfanato do Dr. Stanislaus Pym, um casarão velho e estranho, cheio de coisas mágicas e onde não existem mais crianças. Um cenário perfeito para um sem-número de aventuras e personagens assustadoras e entusiasmantes.


Sinopse:
Três irmãos. Dois mundos. Uma profecia.
Kate... A mais velha, guardiã do Atlas do Tempo. Desapareceu para salvar os irmãos. Michael… É quem manda agora. Cabe-lhe revelar os segredos da Crónica de Fogo. Emma... A mais nova e a mais intrépida dos três. Está ansiosa por ver a família reunida. Com um feiticeiro malvado a persegui-los, não vai ser fácil...


Sobre o autor:
John Stephens mora em Los Angeles e trabalhou durante dez anos como argumentista para séries televisivas. Mas a sua verdadeira aspiração era ser escritor. O Atlas Esmeralda, a sua estreia literária, roubou-lhe algumas horas de sono durante quatro anos. Mas o seu empenho e dedicação foram recompensados por uma receção mundial extraordinária, tendo sido vendido em poucos dias para cerca de quarenta países.



Imprensa:
Os fãs do primeiro livro não ficarão desiludidos e ficarão ainda mais ansiosos pelo livro seguinte. O Atlas Esmeralda era muito bom. Este é ainda melhor. School Library Journal
Humor irreverente e aventura de capa e espada colidem numa fantasia imperdível. Kirkus Reviews
Pare tudo o que está a ler neste momento, por muito bom que seja, e pegue neste, porque (...) está a perder a oportunidade de ler um grande livro. The Guardian
Os fãs de O Atlas Esmeralda vão encontrar tudo o que adoram: o enredo cheio de aventura, vários momentos de cortar o fôlego e a interpretação de Stephens dos dragões, anões e elfos que Tolkien consagrou serão certamente bem recebidos. Publishers Weekly





segunda-feira, 25 de março de 2013

Férias em Saint-Tropez - Elizabeth Adler [Opinião]

Título: Férias em Saint-Tropez
Autor:
Elizabeth Adler

 
Um mistério cheio de glamour no encantador sul da França…
Numa villa em St. Tropez, no sul da França, cinco turistas que não se conhecem - todos eles a fugirem da sua vida do dia-a-dia – veem-se reunidos à força no pequeno Hotel dos Sonhos.

Chez Violette parecera ser o refúgio perfeito para o detetive privado Mac Reilly e a sua namorada/parceira, Sunny Alvarez, e para os seus cães Pirate e Tesoro. Sunny chega primeiro e descobre que foram enganados, juntamente com várias outras pessoas que julgaram estar a alugar aquela elegante casa na riviera francesa. De repente e de forma inesperada, são forçados a solucionar um crime e a desvendar um homicídio, tendo como pano de fundo a soalheira e glamorosa Saint-Tropez.

ALUGA-SE CASA DE VERÃO EM SAINT-TROPEZ
Ao mês ou por períodos mais longos
Encantadora villa tradicional em pedra adaptada de um pequeno mosteiro antigo. Terraços soalheiros, piscina forrada a azulejos, pátio com cobertura abobadada e oliveiras, terreno generoso e isolado, dando para encosta de pinheiros e com vista direta para o mar.
Cinco quartos, cinco casas de banho. Elegantemente mobilada. Cozinha bem equipada. Empregados disponíveis se solicitado.
Com perfeita privacidade

A minha opinião: 
Apesar de não ter lido o primeiro livro da série Mac Reilly, "De Malibu, com Amor" e se não me tivessem chamado a atenção para tal passava-me completamente ao lado a série, consegui lê-lo perfeitamente, tendo a autora o cuidado de não estabelecer muitos paralelismos com o passado. Portanto, não me senti perdida.

Mac Reilly é um apresentador famoso nos Estados Unidos. Dirige um programa cujo objectivo é descobrir crimes. Como tal, a veia de detective fala mais alto e quando vê que foi enganado por um falso anúncio na internet decide tentar descobrir o que está por detrás da burla. Sem sequer imaginar, Mac, juntamente com umas adoravéis crianças, vai descobrir uma perigosa rede de roubo de obras de arte, mas também um homicidio, cujo autor ainda ainda não tinha sido descoberto.

A fotografia no anúncio da internet levava a crer que iam passar umas férias idílicas. Mac e a noiva Sunny estavam com esperança que iam passar umas férias de sonho. Mas eis senão quando chegam ao local, um à frente do outro devido a um último percalço e deparam com uma casa em ruínas, e mais cinco pessoas que cairam na mesma burla.
Por solidariedade decidem todos procurar um outro lugar para passarem as merecidas férias e acabam por formar um grupo divertido.

Todos diferentes, com características únicas, mas todos com o mesmo objectivo: descobrir quem está por detrás da burla. E é precisamente este o ponto forte do romance: aliar persongans fortes, ao mistério que os envolve em Saint-Tropez, um local que adorava conhecer.

Se por um lado o casal Mac e Sunny se destacam à primeira vista até porque são as personagens principais, o que mais teve graça para mim foi o estranho Bertrand Olivier, um rapaz que gostava de viver nas sombras e passar despercebido. Mas que se vai revelando aos poucos...
Depois há a lindíssima e escultural Belinda Lord, que foge de um mafioso russo que a persegue como se fosse sua propriedade, e Sara, que também foge de um namorado que a trai, mas que apresenta muitas fragilidades.
Temos ainda Billy Bashford e a estranha filha que aparece sempre vestida de bailarina. Logo no início descobrimos o porquê de tão estranha indumentária.
Existe ainda a história por detrás da casa em ruínas, outrora uma das casas mais bem frequentadas de Saint-Tropez, que tornou a leitura deste romance ainda mais fantástica.

A série Mac Reilly é constituída por dois volumes, faltando publicar "It all began in Monte Carlo" e "From Barcelona, with love". Até lá vou ter de ler o primeiro "De Malibu, com Amor" que me deixou bastante curiosa.


Excerto:
"Ambos escondiam o seu sentimento de perda: ela a mãe que morrera e ele a mãe que simplesmente o deixaram para trás. Eram parecidos."




 

Porto Editora lança "Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde", de Mário de Carvalho a 1 de Abril

Título: Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde
Autor:
Mário de Carvalho
Págs: 360
PVP: 16,60 €


Segundo o The New York Times Book Review, Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde «é simultaneamente um estudo envolvente sobre a conduta moral de um homem e uma reflexão provocadora sobre a dificuldade de se levar uma vida virtuosa numa era em constante mudança». Este romance, internacionalmente conhecido e o mais premiado de Mário de Carvalho, regressa aos escaparates das livrarias nacionais no dia 1 de abril, agora publicado pela Porto Editora, quase vinte anos após a sua primeira edição.

Sobre o livro:
Lúcio Valério Quíncio é o magistrado de Tarcisis, cidade romana da Lusitânia no século II d. C. Como dirigente máximo, cabe-lhe tomar todas as decisões, enquanto tumultuosos acontecimentos conduzem a pequena cidade ao descontentamento geral. No exterior, notícias de uma invasão bárbara iminente, proveniente do Norte de África, obrigam-no a drásticas medidas, enquanto, no interior das muralhas, uma nova seita, a Congregação do Peixe, põe em causa os valores da romanidade, evocando os ensinamentos dum obscuro crucificado. No plano íntimo, a paixão devastadora por uma mulher, Iunia, perturba-o e confunde-o, mas sem o afastar do cumprimento do seu dever.
Neste romance em que a ficção se sobrepõe à História, traduzido em nove línguas e galardoado com o Prémio de Romance e Novela da APE, o Prémio Fernando Namora, o Prémio Pégaso de Literatura e o Prémio Literário Giuseppe Acerbi, Mário de Carvalho reconstitui as características culturais, políticas e quotidianas do Império Romano, sem nunca esquecer a «intercessão de certo deus que, nos primórdios,


Sobre o autor:
Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico. Desde então, tem praticado diversos géneros literários – romance, novela, conto e teatro –, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas. Utiliza uma multiforme mudança de registos, que tanto pode moldar uma narrativa histórica como um romance de atualidade; um tema dolente e sombrio como uma sátira viva e certeira; uma escrita cadenciada e medida como a pulsão duma prosa endiabrada e surpreendente.
Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do Pen Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram-se traduzidos em várias línguas. Obras como Os Alferes, A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho, Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde, ou O Varandim seguido de Ocaso em Carvangel são a comprovação dessa extrema versatilidade.
Página do autor: www.mariodecarvalho.com


Imprensa:
Ao longo deste livro, Mário de Carvalho recria meticulosamente a vida de um homem reto e as suas tentativas de proteger tudo o que lhe é mais querido, num ambiente em rápida mudança, ao mesmo tempo que convida o leitor a imaginar como agiria se se visse em circunstâncias semelhantes. Library of Congress
Um romance extraordinário, escrito por um autor extraordinário […] um efabulador de génio que deu a um passado morto uma vida vibrante. Sunday Telegraph

 

Romance inédito de J. Rentes de Carvalho, Mentiras & Diamantes, chega às livrarias a 12 de abril

Título: Mentiras & Diamantes
Autor:
J. Rentes de Carvalho

Género: Romance
N.º de páginas: 320
Data de lançamento: 12 de abril
PVP: 15,50 €


«Uma escrita que pede meças aos grandes mestres da nossa língua.» António-Pedro Vasconcelos

Jorge Ferreira, «o conde», recebe na sua quinta algarvia uma jovem e bela inquilina inglesa, que pretende escrever um livro. O anfitrião é um homem educado, atraente e rico, mas em extremo reservado – não se lhe conhecem amigos, amantes ou relações familiares –, que partilha a grande casa senhorial com duas amas e uma governanta. O seu passado esconde um trauma que o acompanha até hoje e que ele pretende eliminar da memória. Pelo contrário, Sarah Langton, filha de um milionário italiano, é impulsiva e aventureira, «viciada em liberdade» – o que não consegue conciliar com a reclusão e a disciplina que a escrita exige. Tudo parece concorrer para que estas duas personagens se aproximem lentamente e que comecem a processar o que as atormenta (a Jorge, os episódios do passado; a Sarah, extrema dificuldade em escrever alguma coisa pertinente para o seu livro misterioso). Mas a súbita visita de «Biafra» – «vistoso fato de linho branco, cravo na botoeira, panamá na mão» –, que vem para tentar uma pequena chantagem, dá lugar a uma cascata de revelações, desenlaces, homicídios, suicídios e desaparecimentos entre a Nigéria, Marrocos, Algarve, Londres e Amsterdão, tendo como pano de fundo o tráfico de diamantes e um país corrupto e corrompido, entregue aos seus segredos de família.
Mentiras & Diamantes, o mais recente e inédito romance de J. Rentes de Carvalho, é um thriller habilmente construído e uma narrativa implacável, violenta e sexy. E um maravilhosamente obscuro objeto de suspense.
www.quetzal.blogs.sapo.pt«Uma escrita que pede meças aos grandes mestres da nossa língua.»
António-Pedro Vasconcelos
Jorge Ferreira, «o conde», recebe na sua quinta algarvia uma jovem e bela inquilina inglesa, que pretende escrever um livro. O anfitrião é um homem educado, atraente e rico, mas em extremo reservado – não se lhe conhecem amigos, amantes ou relações familiares –, que partilha a grande casa senhorial com duas amas e uma governanta. O seu passado esconde um trauma que o acompanha até hoje e que ele pretende eliminar da memória. Pelo contrário, Sarah Langton, filha de um milionário italiano, é impulsiva e aventureira, «viciada em liberdade» – o que não consegue conciliar com a reclusão e a disciplina que a escrita exige. Tudo parece concorrer para que estas duas personagens se aproximem lentamente e que comecem a processar o que as atormenta (a Jorge, os episódios do passado; a Sarah, extrema dificuldade em escrever alguma coisa pertinente para o seu livro misterioso). Mas a súbita visita de «Biafra» – «vistoso fato de linho branco, cravo na botoeira, panamá na mão» –, que vem para tentar uma pequena chantagem, dá lugar a uma cascata de revelações, desenlaces, homicídios, suicídios e desaparecimentos entre a Nigéria, Marrocos, Algarve, Londres e Amsterdão, tendo como pano de fundo o tráfico de diamantes e um país corrupto e corrompido, entregue aos seus segredos de família.
Mentiras & Diamantes, o mais recente e inédito romance de J. Rentes de Carvalho, é um thriller habilmente construído e uma narrativa implacável, violenta e sexy. E um maravilhosamente obscuro objeto de suspense.



Sobre o autor:
J. Rentes de Carvalho nasceu em 1930, em Vila Nova de Gaia, onde viveu até 1945. Obrigado a abandonar o país por motivos políticos, viveu no Rio de Janeiro, em São Paulo, Nova Iorque e Paris. Em 1956 passou a viver em Amesterdão, na Holanda, como assessor do adido comercial da Embaixada do Brasil. Licenciou-se (com uma tese sobre Raul Brandão) na Universidade de Amesterdão, onde foi docente de Literatura Portuguesa entre 1964 e 1988. Em 2012 foi galardoado com o Grande Prémio de Literatura Biográfica APE/Câmara Municipal de Castelo Branco 2010-2011 com o livro Tempo Contado. Os seus livros Com os Holandeses, Ernestina, A Amante Holandesa, Tempo Contado, La Coca, Os Lindos Braços da Júlia da Farmácia, O Rebate, Mazagran e agora Mentiras & Diamantes estão atualmente disponíveis na Quetzal, que continuará a publicar o conjunto das suas obras.
J. Rentes de Carvalho nasceu em 1930, em Vila Nova de Gaia, onde viveu até 1945. Obrigado a abandonar o país por motivos políticos, viveu no Rio de Janeiro, em São Paulo, Nova Iorque e Paris. Em 1956 passou a viver em Amesterdão, na Holanda, como assessor do adido comercial da Embaixada do Brasil. Licenciou-se (com uma tese sobre Raul Brandão) na Universidade de Amesterdão, onde foi docente de Literatura Portuguesa entre 1964 e 1988. Em 2012 foi galardoado com o Grande Prémio de Literatura Biográfica APE/Câmara Municipal de Castelo Branco 2010-2011 com o livro Tempo Contado. Os seus livros Com os Holandeses, Ernestina, A Amante Holandesa, Tempo Contado, La Coca, Os Lindos Braços da Júlia da Farmácia, O Rebate, Mazagran e agora Mentiras & Diamantes estão atualmente disponíveis na Quetzal, que continuará a publicar o conjunto das suas obras.

A irresistível cor do desejo: Primeiro volume da série 80 Dias, de Vina Jackson, à venda dia 1 de abril

Título: 80 Dias – A Cor do Desejo
Autor:
Vina Jackson
Série: 80 Dias
Tradução: Carla Melo
Págs.: 264
Capa: mole com badanas
PVP: 16,60 €

Da autoria de Vina Jackson, A Cor do Desejo é o primeiro volume da nova série da 5 Sentidos, intitulada 80 Dias, e está à venda dia 1 de abril.
As obras desta série têm-se mostrado irresistíveis para as leitoras: já venderam mais de 1 milhão de exemplares em todo o mundo. Não admira, portanto, que estes livros estejam a partilhar os primeiros lugares das listas de vendas internacionais com as obras de outra coleção de sucesso da 5 Sentidos, a série Crossfire, de Sylvia Day.
A 5 Sentidos prepara a publicação de outras obras da coleção 80 Dias (conhecida internacionalmente como Eighty Days): A Cor da Tentação e A Cor do Prazer.
Vina Jackson é um pseudónimo de dois reconhecidos autores que escrevem juntos pela primeira vez.
SINOPSE Summer Zahova é uma violinista ardente e impetuosa, que vive uma relação frustrante com um homem que não a compreende. É na música que encontra a sua libertação. Ela passa as tardes nas estações de metro de Londres a tocar violino, perdida nas partituras de Vivaldi e Mendelsshon. Um dia o seu violino sofre um acidente irreparável e Summer recebe uma proposta inesperada de Dominik, professor universitário, um homem atormentado por desejos inconfessáveis que ficou fascinado por Summer quando a ouviu tocar. Dominik oferecer-lhe-á um novo violino na condição de ela tocar para ele em privado. Incapazes de reprimir a forte atração que sentem, Dominik e Summer embarcam numa aventura intensa e ousada. Para Summer é a oportunidade de se confrontar com o seu lado mais sombrio, no entanto, cedo se apercebe de que o prazer tem um preço elevado. Mas poderá uma relação nascida de uma tal paixão sobreviver?

Sobre a autora:
Vina Jackson é o pseudónimo de dois reconhecidos escritores que escrevem juntos pela primeira vez. Um é um escritor de sucesso, o outro, escritor com obra publicada, é um profissional da City.
Mais informações em: www.vinajackson.com

Imprensa:
Ousado e adulto. É interesante ver que o desejo pode ter muitas nuances. Belle de Jour
Se foi fã da série As Cinquenta Sombras, vai gostar do primeiro volume desta nova série acerca de uma relação impetuosa e sensual. É extremamente viciante… leia. Look
Estimulante, sedutor e bem escrito, eis um livro erótico com um enredo romântico. Perfeito para quem gostou da série As Cinquenta Sombras. Lovereading

Primeiras páginas aqui


Em pré-lançamento aqui:

Novidades Esfera dos Livros para Março

Saúde

Título: As Regras de Ouro
Autor:
Ágata Roquette
Colecção: Saúde
P.V.P: 16 €
Páginas: 188

Depois do êxito de A Dieta dos 31 dias, nas minhas consultas, por correio eletrónico ou nas redes sociais, as pessoas faziam variadíssimas perguntas, queriam esclarecer dúvidas, pediam-me conselhos e regras claras do que fazer ou não fazer quando estão a tentar perder ou a manter o seu peso ideal. Ao responder a todas estas questões, apercebi-me de que era preciso criar um conjunto de regras de ouro da minha dieta. Cheguei a 50 regras claras, explicadas ao pormenor, que servem como ferramentas para o seu dia a dia, para saber escolher, tomar decisões, sem privar-se de nada. Só precisa de conhecê-las e utilizá-las em seu benefício.
- Nunca passe fome. Para emagrecer tem de comer;
- Reduz a ingestão de hidratos de carbono;
- Durma bem para emagrecer e, de preferência, sem comer antes;
- Faça das fibras o seu melhor amigo.
Há regras que são inegociáveis e são para cumprir à risca, outras que foram feitas de propósito para os dias em que é impossível não cometer deslizes. É o caso do verão, de alguns fins de semana especiais, do Natal e da Páscoa... Mas a verdade é que, como eu costumo dizer aos meus pacientes, há sempre remédio para os grandes males.
- No verão faça dieta sem prescindir da bola de Berlim na praia;
- Coma tudo a que tem direito no Natal, mas saiba o truque para desintoxicar o corpo depois.
Como no anterior livro, deixo-lhe ainda mais 50 receitas deliciosas, práticas e económicas que a vão ajudar a pôr em prática estas regras de ouro e a sentir-se bem com o seu corpo.

Ágata Roquette é licenciada em Ciências da Nutrição e Engenharia Alimentar pelo Instituto Superior das Ciências da Saúde - Sul. Atualmente dá consultas no Dayspa Isabel Queiroz do Vale, no Estoril e colabora com empresas como a Accenture, onde dá consultas aos funcionários da mesma. Dá ainda consultas na Go Clinic no Atrium Saldanha, onde acompanha sobretudo mulheres grávidas e no pós-parto. O livro A Dieta dos 31 Dias vendeu mais de 40 mil exemplares em Portugal, tendo sido traduzido com grande sucesso em Espanha, em janeiro de 2013, onde se encontra já na 3ª edição.



Guias

 

Título: Um chá, Torradas e Yôga
Autor:
Bruno Reis
Colecção: Guias
P.V.P: 14 €
Páginas: 144

O seu dia a dia é uma correria, o telemóvel não para de tocar, o trânsito é infernal, a rotina casa-trabalho não lhe dá tempo para pensar em si… E quando alguém lhe fala de yôga o seu primeiro pensamento é: «Tenho lá tempo para estar em posição de lótus, a pensar no infinito, com a cabeça nos pés ou a fazer saudações ao sol!»

Com este livro vai perceber que o yôga pode fazer parte do seu quotidiano e preencher o seu dia com bem-estar, foco e energia. O convite do professor de yôga Bruno Reis é simples. Ao acordar espreguice-se, devolvendo força e vitalidade aos músculos do seu corpo. No banho faça expirações rápidas e sucessivas. Ao vestir-se treine o equilíbrio e alongue o corpo. Entre o chá e as torradas da manhã, respire de forma a tranquilizar a mente e a revitalizar o corpo.

Se sentir o stresse acumular, faça alguns exercícios que aliviam as tensões musculares, corrigem a postura e fortalecem a musculatura, tudo sentado à sua secretária. Se tem de um prazo para cumprir e não consegue ser produtivo, aprenda técnicas de concentração que vão produzir os resultados desejados. No tempo perdido da viagem de elevador aproveite para treinar o equilíbrio. Conheça os alimentos mais saudáveis e formas de desintoxicar o corpo. Aprenda ainda a ter maior prazer no seu relacionamento sexual e à noite, ao deitar, aproveite para meditar e assim conseguir uma noite de sono bem dormida. Bruno Reis é instrutor de yôga há 10 anos, toda a abordagem que desenvolve assenta na premissa de adaptar as técnicas orientais ao estilo de vida ocidental. Em 2003 formou-se em Yôga, em Lisboa, tendo aprendido esta arte com os melhores professores da Universidade de Yôga, onde também deu aulas práticas durante 6 anos. Em 2009 começa o seu próprio projeto e dedica-se em exclusivo ao Yôga Personal Training ao domicílio. Paralelamente, surge a oportunidade de dar aulas em empresas, em grupo, mas também com o formato de pequenas intervenções de 15 minutos. É ele quem está no aeroporto, pronto para receber os passageiros que queiram descontrair antes de levantar voo. Em 2013, na Tapada da Ajuda, organiza o «Não é na Índia, é em Lisboa», o primeiro retiro urbano na capital.

História Divulgativa

Título: Os filhos do Zip Zip
Autor:
Helena Matos
Colecção: História Divulgativa
P.V.P: 19 €
Páginas: 360 + 16 extratextos

Em 1960 existiam em Portugal 31 256 televisores. Dez anos depois, eram dez vezes mais: 387 512. Uma televisão custava, em média, 5000 escudos. Um valor significativo à época, mas um bem sentido como necessário por todos. Rodar o botão e esperar que o ecrã sintonizasse era um ritual. O país parava em frente à televisão. Para ver As Conversas em Família de Marcello Caetano, para ver chegar o homem à Lua ou para assistir a um programa que mudou a forma de ver televisão em Portugal. Marcou uma geração e transformou um país. Zip-Zip. Um programa coapresentado por Carlos Cruz, Raul Soldado e Fialho Gouveia. Pelo Zip-Zip passaram desde Almada Negreiros a um anónimo limpa-chaminés que nunca havia sonhado aparecer no pequeno ecrã. Houve polémica, transgressão, riso e muito divertimento.

Portugal estava em mudança. Salazar caíra da cadeira e cheirava-se a abertura da Primavera Marcelista que durante uns tempos nos permitiu sonhar. Os portugueses trocam as suas aldeias pelos subúrbios de Lisboa que veem nascer prédios a uma velocidade vertiginosa, onde antes existiam campos de cultivo. As crianças passavam mais tempo na rua a brincar do que dentro de portas. Trocavam cromos e pelo Natal recebiam pistolas para brincar aos cowboys, se fossem meninos, e bonecas se fossem meninas. As conversas de café andavam à volta do que se via na televisão ou dos emocionantes jogos de futebol. As compras eram feitas nos primeiros supermercados abertos pelo grupo Pão de Açúcar que despertaram a euforia consumista. As mulheres sonhavam com os modelos que apareciam nas revistas, com os mil produtos e eletrodomésticos que garantiam uma vida doméstica mais fácil e com os cremes que prometiam milagres no rostos e no corpo. A juventude dançava ao som do rock and roll, enquanto os pais ouviam falar pela primeira vez do flagelo da droga.

Helena Matos, 4 de junho de 1961. Autora da obra Salazar em dois volumes vol. 1, A Construção do Mito, vol. 2, A Propaganda (Círculo de Leitores, 2003), Costa do Estoril, Um Século de Turismo (Junta de Turismo da Costa do Estoril, 2000). Começou por ser professora do ensino secundário. Trabalhou em seguida como jornalista. Mais recentemente foi consultora histórica das séries Conta-me Como Foi (RTP) e Depois do Adeus (RTP). Faz comentário no Diário Económico e na Antena 1.



Fora de Coleção

Título: Agarra o Agora
Autor:
Gustavo Santos
Colecção: Fora de Coleção
P.V.P: 15 €
Páginas: 270

«À medida que lia este livro, sentia necessidade de abraçar as pessoas que amo e aquelas para quem o sentir é realmente importante. Dei por mim a ser ainda mais assertiva e mais clara, deixando a minha alma falar e respirar. Passei a dar raspanetes à minha mente sempre que a sentia em bicos dos pés para controlar a minha vida. Comecei a ouvir um alarme quando surgia um medo determinado a instalar-se de armas e bagagens na minha cabeça. Sempre valorizei a vida e este livro, escrito com paixão, humor e uma força incrível, consegue que nos sintamos gratos até pelo simples abrir os olhos pela manhã.» Fátima Lopes, in Prefácio.

O desafio é este: para de pensar. Desliga o teu cérebro, liga o teu coração. Esquece a culpa, os ressentimentos, o que foi e poderia ter sido, põe de lado os bloqueios e as mentiras. Os medos e as expectativas. E sente, apenas. Difícil, não é?

Recordas alguma situação onde o tempo não te tenha limitado, pressionado nem apressado? Algum instante em que tenhas vivido na plenitude que só a paixão consegue auferir? Sentido o impacto da gratidão? Em que tenhas realmente vibrado? Aquele momento, curto ou longo, de gargalhas ou até de tristeza, vivido em pleno, de forma apaixonada. Vivido em total liberdade. Como se não houvesse amanhã. Em que és tu na verdadeira aceção do teu ser. Não? Sabes o que isso significa? Que não vives o Agora. Que te esqueceste de ser. E que te perdeste de ti. O Agora é o teu passaporte para a felicidade.

Depois do enorme sucesso de Arrisca-te a Viver, em 4.ª edição, o coacher e apresentador de televisão Gustavo Santos faz-nos um convite irrecusável: Agarra o Agora. Tens coragem para isso? Para o agarrares com todas as tuas forças? Para te libertares dos fantasmas do passado, da culpa e da raiva, para deixares de viver na expectativa de uma realidade que pode ou não acontecer, numa constante ansiedade em relação ao futuro, nem agarrado às armadilhas de um presente que te prende, coarta os movimentos, anula os teus sentimentos e não te deixa voar?

Gustavo Santos nasceu a 27 de maio de 1977 e, desde cedo, dedicou-se às artes. Foi apresentador do programa da Sic Mulher, Querido, mudei a casa. Paralelamente a toda esta jornada, houve algo que nunca mudou: a sua paixão pelas palavras. Iniciou-se pela literatura, tendo já publicado três romances. Com a chancela de A Esfera dos Livros publicou Arrisca-te a Viver, que se encontra em 4ª edição. Na área da valorização pessoal é orador em inúmeras palestras. É formado em Coaching segundo as normas da ICF.


Religião
Título: O Kerigma: Nas Barracas com os Pobres
Autor:
Kiko
Argüello
Coleção: Religião
P.V.P: 12 €
Páginas: 168

Francisco José Gómez-Argüello Wirtz nasce em León (Espanha) a 9 de janeiro de 1939. Estuda Belas-Artes na Academia de San Fernando, em Madrid, onde obtém o título de Professor de Pintura e Desenho. Em 1959 recebe o Prémio Nacional Extraordinário de Pintura.Após uma profunda crise existencial, produz-se nele uma forte conversão, que o leva a dedicar toda a sua vida a Cristo e à Igreja. Em 1960, com o escultor Coomontes e o vitralista Muñoz de Pablos, funda o grupo de investigação e desenvolvimento de Arte Sacra «Gremio 62», com o qual realiza várias exposições em Madrid (Biblioteca Nacional). O grupo é escolhido pelo Ministério da Cultura para representar Espanha na Exposição Universal de Arte Sacra em Royan (França) em 1960. Ao mesmo tempo, Argüello expõe algumas das suas obras na Holanda (Galeria «Nouvelles Images»).
Convencido de que Cristo está presente no sofrimento dos inocentes, em 1964 vai viver entre os mais pobres, nas barracas do bairro de Palomeras Altas, na periferia de Madrid. Mais tarde, Kiko Argüello conhece Carmen Hernández. Levados pelo ambiente de pobreza em que se moviam, veem-se forçados a encontrar uma forma de pregação, uma síntese kerigmático-catequética, que dá lugar à formação de uma pequena comunidade cristã.

Nasce assim, entre os mais pobres, a primeira comunidade Neocatecumenal, onde se torna visível o amor de Cristo Crucificado, e que se converte em «semente» que, graças ao então arcebispo de Madrid, monsenhor Casimiro Morcillo, é semeada nas paróquias de Madrid e, mais tarde, nas de Roma e de outras cidades de todo o mundo. Pouco a pouco vai-se formando um Caminho de iniciação cristã para adultos, que revela e recupera a riqueza do batismo. Kiko Argüello, Carmen Hernández e o sacerdote italiano Mário Pezzi são hoje os responsáveis, a nível mundial, pelo Caminho Neocatecumenal, já presente em mais de cem países dos cinco continentes.


Infantil

Título: O Pai Mais Horrível do Mundo
Autor:
João Miguel Tavares e João Fazenda
Coleção: Infantil
P.V.P: 12 €
Páginas: 48

O jornalista João Miguel Tavares inspirou-se no seu filho Gui para retratar o mais antigo conflito doméstico: a vocação dos filhos para fazer asneiras e o esforço dos pais para os educar e proteger. Com belíssimas ilustrações de João Fazenda, este é o livro ideal para todos os miúdos que acham os pais uns grandes chatos, e para todos os pais que ainda assim conseguem manter o sentido de humor.

Um livro para todos os miúdos que acham os pais uns grandes chatos.

João Miguel Tavares nasceu em Portalegre em 1973. Passou pela Engenharia Química, licenciou-se em Ciências da Comunicação. Foi jornalista no Diário de Notícias e é colunista do Correio da Manhã, diretor adjunto da revista Time Out e integra a equipa ministerial do programa da TSF Governo Sombra, agora também na TVI 24.João Fazenda nasceu e cresceu em Lisboa. Enquanto estudava Pintura na Faculdade de Belas Artes de Lisboa, começa a fazer ilustração para livros e jornais acabando por se dedicar a esta área depois de terminar a licenciatura. O seu trabalho atualmente divide-se entre a ilustração, o desenho, a banda-desenhada, o cinema de animação e ocasionalmente a pintura. Colabora regularmente na imprensa nacional e estrangeira para publicações como o Público, Visão ou o New York Times. Recebeu alguns prémios e distinções e participou em exposições individuais e coletivas em vários sítios do mundo.


Novidades Quinta Essência para Abril

Título: Vertigem de Paixão
Autor:
Elizabeth Hoyt
Coleção: A Lenda dos Quatro Soldados - volume 2
N.º de Páginas: 372

Sinopse:
Durante anos, Melisande Fleming amou Lorde Vale de longe... vendo-o seduzir uma sucessão de amantes e, uma vez, entrevendo a intensidade de sentimentos sob o seu exterior despreocupado. Quando ele é abandonado no dia do casamento, ela enche-se de coragem e oferece-se para ser sua mulher. Vale tem todo o gosto em desposar Melisande, nem que seja apenas para produzir um herdeiro. Porém, tem uma agradável surpresa: uma dama tímida e recatada durante o dia, ela é uma libertina durante a noite, entregando-lhe o seu corpo... mas não o seu coração. Decidido a descobrir os segredos de Melisande, Vale começa a cortejar a sua sedutora mulher - enquanto esconde os pesadelos dos seus dias de soldado nas Colónia que ainda o atormentam. No entanto, quando uma mortífera traição do passado ameaça separá-los, Lorde Vale tem de expor a sua alma à mulher com quem casou... ou arriscar-se a perdê-la para sempre.




Título: Do Céu, Com Amor
Autora:
Michelle Holman
N.º de Páginas: 408
 

Sinopse:
Depois de uma colisão frontal entre um elegante carro desportivo e um utilitário, um anjo bondoso faz uma troca na sala de espera do Céu. Uma professora baixinha, temperamental e amante de râguebi recebe uma segunda oportunidade e encontra-se no corpo de uma americana alta, deslumbrante e promíscua. Tem um marido rico e lindo de morrer que parece ter acabado de sair de um romance -, mas por uma razão qualquer, não suporta sequer olhar para ela. Ela pensa que enlouqueceu, e se contar a alguém as pessoas saberão que isso é verdade... e irão interná-la. E ela não pode fugir e esconder-se: tem uma perna partida.



Título: Perto de Ti
Autora:
Anita Notaro
N.º de Páginas: 452

Sinopse:
Louisa está farta da sua vida. Do namorado, do trabalho, do apartamento - tudo precisa de uma reforma imediata e radical. E assim ela decide mudar tudo a favor de uma existência despreocupada, trocando o seu apartamento por uma casa móvel, o carro por uma moto, e as suas roupas elegantes por outras informais. E, acima de tudo, começa um novo trabalho como psicóloga de cães. Com as amigas Maddy e Clodagh, embarca numa nova aventura - para conhecer pessoas diferentes, descobrir novos lugares e encontrar um homem novo e fabuloso. O seu trabalho traz-lhe recompensas imediatas e extraordinárias quando ela conhece os donos de cães cujos problemas muitas vezes parecem ecoar os dos donos. Mas independentemente do stresse da sua nova vida, Louisa tem o apoio das amigas. Se ao menos isso pudesse durar para sempre...


domingo, 24 de março de 2013

O Diabo e a Gemada - Sveva Casati Modignani [Opinião]

Título: O Diabo e a Gemada
Autor:
Sveva Casati Modignani
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 168
Editor: Porto Editora

Sinopse:
Em 1943, Milão está sob as bombas dos Aliados, e nas proximidades da via Padova, uma criança extraordinariamente curiosa, inicia a sua aprendizagem de vida. Chama-se Sveva e tem 5 anos. É este o contexto de O Diabo e a Gemada, um relato autobiográfico em que a autora percorre os anos da Segunda Guerra Mundial, que se desenrolam entre a casa de família em Milão e uma quinta, nos arrozais de Trezzano sul Naviglio, na Lombardia. A comida é o fio condutor que atravessa os episódios deste relato, em que se entrelaçam memórias e emoções, sabores e receitas e cujos acontecimentos estão sempre ligados à elaboração de um prato ou a uma refeição partilhada.

Com uma descrição cuidada e rigorosa de pessoas, sabores e costumes, Sveva Casati Modignani devolve-nos um mundo, não tão longínquo, mas do qual estamos a perder a memória.



A minha opinião:
Com um forte odor a comida, comida italiana, feita, na sua grande maioria por sobras e por aquilo que conseguiam muitas vezes comprar no mercado negro, Sveva vai desenrolando a história da sua infância, até aos 10 anos, dando-nos a conhecer os momentos de privação durante os tempos de guerra, mas também a sua vida enquanto criança numa quinta na Lombardia.

Resultado: um livro forte em tradições, pleno de boas receitas, que constituem boa parte do livro, e algumas privações no seio de uma família que desejava, acima de tudo, dar o ar de abastada. Com uma educação bastante severa (não se livrava de receber umas valentes palmadas), Sveva guarda melhores recordações da avó, com quem viveu grande parte da sua infância, do que da sua mãe que nunca demonstrou o interesse de ter filhos. 
No entanto, não era isso que a impedia de fazer tropelias, próprias de infância, que levavam a avó a dizer que tinha o diabo no corpo. Oriunda de uma família profundamente religiosa, não admira que a avó trouxesse muitas vezes padres para examinarem a neta. 
Um livro de memórias, mas também com episódios caricatos que me fizeram soltar o riso em algumas partes. 

Perfil da autora no facebook: 
http://www.facebook.com/SvevaCasatiModignani?ref=ts&fref=ts


Comprar: