sexta-feira, 5 de abril de 2013

Conheça os "Os Mistérios do Abade de Priscos" de Fortunato da Câmara

Sabe qual a origem da receita Bacalhau à Gomes de Sá? E a dos ovos moles?? E do Pudim do Abade de Priscos? O crítico gastronómico Fortunato da Câmara responde a estas e outras questões neste delicioso livro, com 80 histórias curiosas e deliciosas da gastronomia.

Por exemplo: sabia que Lasanha, a “mãe” das paste alla italiana nasceu numa cozinha grega?  Que a famosa sobremesa Tiramisú quer dizer literalmente “anima-te” e a sua paternidade é disputada em Itália? Que as tirinhas de bife com natas, a que chamamos Stroganov, são um prato que tem origem numa das mais importantes famílias aristocratas da Rússia, de apelido Stroganov.

Sinopse:
«Posso assegurar – porque é essa a minha experiência pessoal bem forte – que um leitor atento não voltará a olhar da mesma forma para a lista de um restaurante, em Portugal ou em outros lugares do mundo, após ter lido este livro. Passará a ter, com toda a certeza, uma curiosidade acrescida para ir à procura de novas experiências que coloquem a expressão de um sabor nas várias tipologias gastronómicas aqui destacadas, seja como mero apreciador dos prazeres da mesa, seja como artista, profissional ou amador, das artes culinárias.» Francisco Seixas da Costa, in «Prefácio»

Um pudim de ovos com toucinho é a mais conhecida, e única, obra de um pároco de uma aldeia minhota, escrita e cozinhada de cor há mais de 100 anos pelo palato de milhares. São 15 gemas de ovo, uma calda de açúcar com 50 gramas de toucinho fresco e vinho do Porto, uma forma forrada com caramelo, uma hora ao lume em banho-maria – paciência e gulodice – e já está! O seu criador foi Manuel Joaquim Machado Rebelo, mais conhecido como Abade de Priscos. Um homem de alguns mistérios, um deles, o desaparecimento do livro de receitas que pensava publicar no final dos seus dias…O livro que tem entre mãos não é um livro de História, nem tão pouco um livro de receitas, mas sim um livro onde o crítico gastronómico Fortunato da Câmara nos conta, depois de uma exaustiva e original pesquisa, histórias desconhecidas e curiosidades apetitosas de algumas iguarias, pratos, ingredientes que estamos habituados a degustar, com prazer no dia-a-dia, sem questionar o porquê da sua designação, a sua origem geográfica ou as figuras a eles ligados. Sabia que a lasanha, a «mãe» das paste alla italiana, nasceu numa cozinha grega? Que os famosos scones do elegante chá das cinco parecem ter tido uma origem rudimentar por terras da Escócia? A famosa sobremesa Tiramisu quer dizer literalmente «anima-te» e a sua paternidade é disputada em Itália? Que as tirinhas de bife com natas, a que chamamos Strogonof, são um prato que tem origem numa das mais importantes famílias aristocratas da Rússia, de apelido Stroganov? Um livro sobre receitas, que não contém nenhuma… Porque há pedaços da História que se podem saborear sem dar uma única dentada!
                                                                                         
Sobre o autor:
Fortunato da Câmara nasceu em 1977 na cidade de Lisboa. Frequentou o curso de Produção Alimentar em Restauração da Escola Superior de Hotelaria do Estoril. Com o aparecimento do Semanário SOL em 2006, iniciou-se na escrita de gastronomia colaborando no guia Essencial como crítico de restaurantes e cronista de história da alimentação. Foi responsável pelas rubricas «Acabado de chegar», «Baú de sabores» e «Encontro de Tradições», tendo assinado igualmente trabalhos na área de gastronomia para a revista Tabu. Entre 2009 e 2011 assinou a rubrica «Na rota das iguarias», crónica semanal sobre história da alimentação na rádio SIM, do grupo Renascença. O seu primeiro livro, Alimentos ao sabor da história – receitas e curiosidades (Colares Editora), foi distinguido nos Gourmand World Cookbooks Awards como o melhor de Portugal em 2011 na categoria «Culinary History». Em 2012 concluiu em França o «Diplome Universitaire du Goût, de la Gastronomie et des Arts de la Table» organizado pelo Institut des Hautes Études du Goût em parceria com a Universidade de Reims. Actualmente é colaborador na área de gastronomia da revista Fugas do jornal Público.

Bertrand Editora: A dívida explicada em Banda Desenhada

Título: Isto é um Assalto
Autores:
Francisco Louçã e Mariana Mortágua
Ilustrações: Nuno Saraiva
Género: Economia/BD
Design: Rita Gorgulho
N.º de páginas: 176

Em março de 2012, a Bertrand Editora publicou A Dividadura, de Francisco Louçã e Mariana Mortágua.
Um ano depois, regressamos ao tema que tem dominado a vida dos portugueses, numa edição em Banda Desenhada.

Do texto de contracapa:
«Este livro descreve o assalto que Portugal está a sofrer. Eles estão a cobrar impostos acima das nossas possibilidades, a retirar subsídios de férias e de Natal, que eram as nossas possibilidades, a destruir o Serviço Nacional de Saúde, a escola pública e a Segurança Social que deveriam ser a devolução dos nossos tributos. Eles querem tudo. Eles, a finança, cobram uma renda sobre o nosso futuro e ainda querem convencer-nos de que somos culpados. Por isso, em Isto é um Assalto, faz-se a conta e cobra-se a fatura: verá como os bancos foram financiados pelos nossos impostos, como a austeridade e a chantagem da dívida estão a criar o maior desemprego da história do nosso país, como a troika destrói a vida das pessoas.»

A banca floresceu com a especulação e a dívida: os seus ativos cresceram para 800% do produto nacional em Chipre, 700% na Islândia, 500% na Irlanda. Até ao dia do colapso. E os impostos foram convocados para pagar o resgate bancário: 60 mil milhões em Espanha só para a banca, 80 mil milhões em Portugal para a banca e credores. Tragédia na Grécia, desastre em Chipre, Portugal a empobrecer.
Para financiar este desastre, a troika impôs colossais aumentos de impostos, queda de salários e pensões, mais desemprego. A consequência é mais dívida. Isto é um assalto.
Então e se discutíssemos a dívida? É o que se faz neste livro. Da Bíblia à história de D. Sebastião, da restruturação da dívida da Alemanha ao Jogo do Monopólio e ao Feiticeiro de Oz, de Júlio César a Filipe II, dos bancos mafiosos ao triângulo do Espírito Santo com os nazis e com Salazar, aqui tem a história deste assalto moderno.

Francisco Louçã, professor catedrático de Economia, e Mariana Mortágua, economista, escreveram os textos. Nuno Saraiva ilustrou e criou a BD. A Rita Gorgulho coube o design.

A Filha do Conspirador - Philippa Gregory [Opinião]

Título: A Filha do Conspirador
Autor:
Philippa Gregory
N.º de Páginas: 496
Tradução: Miguel Romeira
Capa: Mole
PVP: 17,90€

Sinopse:
“Perdi o meu pai numa batalha, a minha irmã às mãos de uma espia de Isabel Woodville, o meu cunhado às mãos do seu carrasco e o meu sobrinho às mãos de um seu envenenador, e agora o meu filho foi vítima da sua maldição…” A apaixonante e trágica história de Ana Neville e da sua irmã Isabel, filhas do Conde de Warwick, o nobre mais poderoso da Inglaterra durante a Guerra dos Primos. Na falta de um filho e herdeiro, Warwick usa cruelmente as duas jovens como peões, mas elas desempenham os seus papéis de forma previdente e poderosa. No cenário da corte de Eduardo IV e da sua bela rainha Isabel Woodville, Ana é uma criança encantadora que cresce no seio da família de Ricardo, Duque de Iorque, transformando-se numa jovem cada vez mais corajosa e desesperada quando é atacada pelos inimigos do seu pai, quando o cerco em seu redor se aperta e quando não tem ninguém a quem possa recorrer, a quem possa confiar a sua vida. 

A minha opinião:
Sempre que leio Philippa Gregory fica sempre a vontade de querer ler mais e mais. Estou cada vez mais rendida à autora e tenho mesmo de estar atenta à promoções dos seus livros para adquirir alguns para a minha estante.


A Filha do Conspirador pertencente à série "Guerra dos Primos" tem como protagonista Ana Neville, uma das duas filhas do Fazedor de Reis, Ricardo Neville, Conde de Warwick.


Desta série apenas li A Rainha Vermelha,uma das personagens que aparece neste romance, se bem que com uma relevância menor. Em cada livro Gregory coloca uma heroína diferente, mas sempre com papel preponderante para a história de Inglaterra e de uma forma simples e agradável.


Ana é a narradora desta história que vai estar envolta em guerras e ódios, mas também no amor que o seu pai tem por si. Para Ana Ricardo Neville é o seu herói e, por isso mesmo, decide levar sempre à letra aquilo que ele lhe diz. Pai de duas bonitas raparigas, o seu desejo é apenas um: que uma delas se torne rainha de Inglaterra. Mas o casamento de um dos seus protegidos e pretendente ao trono inglês, Eduardo, com uma plebeia deita por terra todos os seus desejos, Isabel Woodville, personagem retratada em A Rainha Branca.


Mesmo assim decide casar a sua filha mais velha com o irmão de Eduardo, Jorge, continuando com a esperança que as coisas mudem.


No entanto, tudo aquilo que muda, muda para pior para a casa dos Neville. Daí ter-se aliado ao inimigo de Eduardo e outrora seu inimigo também e casar a jovem Ana com Eduardo filho de Margarida de Anjou e Henrique VI destituido do trono precisamente por Ricardo Neville (tendo começado nessa altura a Guerra das Rosas, anteriormente designada por Guerra dos Primos).


Obviamente nem Ana nem Eduardo se amam e vão contrariados para este casamento, mas as familias levam a sua avante...


Mesmo para quem não tenha lido os anteriores livros, facilmente entra na história, até porque Gregory cria uma personagem complemente independente, que nos leva a visionar uma história muito própria, uma história sempre do ponto de vista da personagem principal.


Num instante Philippa Gregory passa de uma heroína, retratada num livro, para vilã, aos olhos da protagonista de outro. Daí a sua leitura ser tão estimulante.

Excerto:
"Isabel e eu éramos as mais ricas herdeiras de Inglaterra e agora não tenho nada."
"Podemos subir muito ou descer muito baixo, mas raramente conseguimos fazer a roda girar segundo a nossa vontade."
 

A Fada Iris - Os olhos do Coração - Cláudia Sofia Vieira [Opinião]

Título: A Fada Iris - Os olhos do Coração
Autor: Cláudia Sofia Vieira
N.º de Páginas: 24
Editora: Papiro Editora

Iris é uma fada muito bondosa, mas também muito  vaidosa. Todos os dias perde muito tempo no espelho tentado escolher como quer ser fisicamente. Um dia encontra a menina Serena, uma criança  careca e, apesar de a fada prontamente a querer ajudar, a menina recusa a sua oferta. Serena adora não ter cabelo, algo que inicialmente a fada não consegue compreender até que a menina lhe mostra os olhos do coração. Neste conto, Iris aprende a aceitar a sua real forma física e a compreender que não interessa como somos exteriormente desde que a nossa beleza interior continue constante.

A minha opinião:
O que dizer deste livrinho que não seja fantástico? Desde as ilustrações à história ternurenta da Fada Íris, Cláudia Sofia Vieira está de parabéns.
A Fada Íris é uma persongem tão ternurenta que apetece levar para casa, para que ande sempre connosco.
Segundo conta no seu blogue (http://abatalha-cancrodamama.blogspot.pt/2012/12/um-livro-especial.html) este livro surgiu resultante de uma conversa com outras companheiras do grupo "gang da mama": o que mais custava às suas companheiras era ver o cabelo cair, resultado da quimioterapia.
Apesar de não estar muito de acordo com as companheiras, Cláudia decidiu escrever um livro que falasse sobre isso, mas também sobre muitas outras coisas, mais importantes que o facto de não ter cabelo. Foi assim que Íris conheceu a menina Serena, uma menina sem cabelo, mas que não se importava e que se achava na mesma linda. Inicialmente para a fada isso causou-lhe espécie porque valorizava demasiado o seu longo cabelo, mas Serena depressa lhe disse que o mais importante é as pessoas verem com o coração e não apenas o aspecto exterior.
A Fada Íris é sobretudo um hino ao amor, à entre-ajuda, à amizade, mas sobretudo, a gostar de nós tal qual somos.

Excerto:
"Não preciso de ser igual aos outros. Gosto de ser como sou."
"Os olhos do coração são aqueles que veem a verdadeira natureza do que somos. Nada mais importa."

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Bertrand publica Primeira Linha de Fogo, um retrato único da Guerra Civil de Espanha

Título: Primeira Linha de Fogo
Autor: José Viale Moutinho
Género: Ensaio
N.º de páginas:
552
Data de lançamento:
12 de abril
PVP:
18,80€

Por alturas do 25 de Abril, contavam-se pelos dedos da mão os livros sobre a Guerra Civil de Espanha publicados em Portugal. Geralmente, eram recolhas dos textos de imprensa marcados por um nacionalismo exacerbado, alguns deles dedicados a Carmona e a Salazar. Tiveram de passar alguns anos para começarem a surgir novos textos sobre o conflito – de César Oliveira, Iva Delgado, Varela Gomes, entre outros. No Diário de Notícias, no verão de 1995 e 1996, saíram numerosos textos de José Viale Moutinho, fazendo com que alguns leitores exigissem a edição desses textos em livro e outros explodissem de ira contra os termos com que o autor se exprimia. Alegava este que haviam sido demasiados anos em que o franquismo e respetivos apaniguados beneficiaram de tempo de antena, cabendo agora a vez às vozes libertas com a chamada transição.
Conversando com protagonistas de várias linhas de intervenção no conflito, José Viale Moutinho encontra, por exemplo, Álvaro Cunhal, que nunca se referira ao tema. Neste livro, o leitor encontrará o que decerto nunca descobriu noutros livros sobre o mesmo tempo. É o seu interesse.
Autor:
José Viale Moutinho nasceu no Funchal, em 1945. Jornalista durante 40 anos, dedicou à Guerra Civil de Espanha e aos Campos de Concentração Nazis alguns dos seus projetos de investigação. Isso levou-o a percorrer a raia luso-espanhola, toda a Espanha e parte da Europa que esteve dominada pelos nazis. Às reportagens, publicadas no Diário de Notícias, foram atribuídos o Prémio Norberto Lopes e uma Menção do Bordalo da Casa da Imprensa de Lisboa. Sobre estes temas escreveu também os livros No Pasarán! (1998), Trincheiras (2003) e Nas Cinzas do Inferno (2004), bem como prefácios, conferências e comunicações a congressos internacionais. José Viale Moutinho tem obras publicadas no Brasil e traduzidas em italiano, alemão, russo, búlgaro, castelhano, esloveno, húngaro, romeno e galego. É membro de honra da Real Academia Galega. Em 2012 recebeu o Prémio de Carreira do Pen Clube da Galiza.

Novidades Planeta para Abril

Título: Dalila
Autor: Eleanor de Jong
N.º de Páginas: 280
PVP: 18,85 €
Disponível a partir de 04 de Abril

O romance de estreia desta autora dá-nos a conhecer uma Dalila sedutora e sensual, bem distante da personagem que tem sido apresentada, segundo a visão de uma história dominada pelos homens.
Eleanor de Jong consegue retratar com mestria o tempo, o ambiente e a época histórica de lutas entre filisteus e israelitas. A época em que Dalila, difamada como a cortesã que revelou o segredo do poderoso Sansão por dinheiro, se tornou sinónimo de traição.
Mas por trás do mito existe uma história muito mais trágica...
Ela é teimosa, desejável e imprudente e a sua beleza morena e sedutora rapidamente se torna um ímã para os homens de ambos os lados em confronto.
Mas também é vítima de uma sociedade patriarcal, em que as mulheres eram usadas como instrumentos políticos e simples peões de negociação. O preço da tentação era demasiado alto…
Na antiga Terra Santa, israelitas e filisteus estão envolvidos num amargo conflito. Sansão – um adversário poderoso e invencível – foi elevado a símbolo do heroísmo israelita e os vigorosos filisteus estão desesperados para descobrir o segredo do seu poder.
Dalila – desejável, bela, sedutora, determinada e temerária – está cansada da vida de donzela recatada. Ambiciosa, quer mais da vida e é atraída por uma proposta irrecusável: descobrir onde reside o poder de Sansão.

Decide arriscar, pois o jogo da sedução é algo que a alicia. Mas este não é um jogo fácil como ganhar ou perder. Enredada na perigosa missão que teceu, Dalila faz uma descoberta impressionante, algo que nunca teria imaginado: amar e ser amada! Mas uma sequência de acontecimentos foi posta em movimento e só um milagre poderá mudar o curso da História…
Dalila descobre o segredo da força de Sansão, mas pagará um preço muito elevado: a morte de quem ama.

Sobre a autora
Eleanor de Jong é a filha de académicos e cresceu na Europa, América e Reino Unido. Estudou História e Política na universidade. Dalila é o seu primeiro romance.

Título: Os Homens Preferem-nas Roliças
Autor: Dr. Pierre Dukan
N.º de Páginas: 212
PVP: 16,60 €
Disponível a partir de 4 de Abril

O Dr. Pierre Dukan, autor do best-seller Je ne sais pas maigrir, e cuja dieta é seguida por mais de 24 milhões de pessoas em todo o mundo, volta a seduzir-nos e a surpreender-nos com um novo livro que não deixará ninguém indiferente.

Um livro para ajudar as mulheres a aceitarem-se tal como são. Polémico, directo e incisivo, com uma generosa dose de humor, Pierre Dukan critica falsos gurus, líderes de opinião, estilistas e até mesmo o cinema.
Devastadoras e reais alegações a favor da mulher e da sua feminilidade, como nunca ninguém escreveu.
Por que se deve ler este livro:
1 O autor defende que as curvas e as formas roliças do corpo da mulher devem ser estimuladas, porque é nelas que reside a chave da sedução.
2 O objectivo deste livro é denunciar o dano que representa essa ‘paixão’ insólita e artificial pela magreza e ausência de formas.
3 No final do livro, o Dr. Dukan inclui várias cartas abertas aos homens, aos grandes costureiros e aos jornalistas de moda e beleza, onde argumenta ainda com maior veemência a sua defesa pelas formas, como condição da feminilidade.

Há muitas mulheres que buscam incessantemente a magreza, convencidas de que nela reside a chave da sedução. Para o Dr. Dukan, a nossa sociedade mediática procura por todos os meios fazer-nos acreditar neste erro. Mas as provas científicas não deixam dúvidas e demonstram que as formas roliças e torneadas são naturais, atraem os homens e aguçam-lhes o desejo.

Sobre o autor:
O Dr. Pierre Dukan é especialista em análise do comportamento alimentar. É também autor de Je ne sais pas maigrir, Evaluator (o primeiro avaliador dos alimentos) e do Dictionaire de diététique et de nutrition.

Título: A Guerra dos Tronos Vol. II
Autor: George R. R. Martin
N.º de Páginas: 192
PVP: 17,76€
Disponível a 04 de Abril

Depois do enorme sucesso de vendas do primeiro livro desta série de graphic novels, chega agora mais um volume da adaptação em banda desenhada de A Guerra dos Tronos, a segunda parte da saga  best-seller em todo o mundo, que conta com quatro volumes. George R. R. Martin junta-se ao conhecido romancista Daniel Abraham e ao ilustrador Tommy Patterson para dar uma nova vida à obra-prima da fantasia heróica A Guerra dos Tronos, como nunca foi visto em graphic novels a cores, dando uma visão única do mundo idealizado por Martin.
George R. R. Martin trabalhou dez anos em Hollywood como escritor e produtor de diversas séries e filmes de grande sucesso. Autor de muitos best-sellers, foi em meados dos anos 90 que começou a sua mais famosa obra: A Guerra dos Tronos, que se tornou na saga de fantasia mais vendida dos últimos anos.


Sobre o autor:Nasceu em 1948, em New Jersey. Trabalhou dez anos em Hollywood como argumentista e produtor de diversas séries e filmes de grande sucesso. Em meados de anos 90 que começou a sua obra mais famosa, As Crónicas de Gelo e Fogo. Com cinco volumes já publicados, é o maior sucesso do escritor e a saga de fantasia mais vendida dos últimos anos. A primeira obra da colectânea, A Guerra dos Tronos, publicada em 1996, foi adaptada para formato televisivo, pelo canal norte-americano HBO, em 2011.
Além da série de televisão, os livros de George R. R. Martin foram adaptados para um grande número de formatos, como jogos de computador ou livros de banda-desenhada.
George R.R. Martin é tido como um dos escritores de literatura fantástica de maior sucesso da actualidade, considerado pela revista Time como um dos 100 homens mais influentes do mundo.
O autor tem as suas obras traduzidas em 20 línguas e cerca de 15 milhões de livros vendidos em todo o mundo.

Short Stories - Contos com preços pequenos


quarta-feira, 3 de abril de 2013

Novidades Oficina do Livro

Título: Também Há Finais Felizes
Autor: Fernanda Serrano
PVP: 15,10€
Nas livrarias a 15 de Abril
Sinopse:
Um diagnóstico terrível. Uma gravidez inesperada. E uma decisão corajosa.
No dia do nascimento da sua segunda criança, por mero acaso, Fernanda Serrano tocou no peito e sentiu um caroço. O obstetra garantiu que não era nada. Mas era um cancro, como mais tarde se concluiu – e muito agressivo.
Quando soube da notícia, o sorriso mais bonito de Portugal desvaneceu-se. Mas nem o medo da morte o fizeram desaparecer.
Depois de muita luta, a actriz conseguiu ultrapassar a doença, voltar à normalidade e preparar o regresso aos palcos e à televisão. Sentia-se a renascer.
Contada pela primeira vez, esta é a história da fase mais tenebrosa na vida da actriz portuguesa. Uma história de dor e angústia, coragem e resiliência – com um final feliz.






Título: Os Últimos Presos do Estado Novo
Autor: Joana Pereira Bastos
PVP: 15,90€
Nas livrarias a 20 de Abril

Sinopse:
Depois de uma curta «Primavera Marcelista», o País assistiu a uma escalada da violência contra todos os portugueses que enfrentavam a ditadura. Entre 1973 e 1974, mais de 500 pessoas, pertencentes a vários movimentos políticos e oriundas de diferentes classes sociais, foram presas e violentados pela PIDE.
No forte de Caxias, muitas eram sujeitas às mais sofisticadas e brutais formas de tortura, ensinadas através de um manual entregue pela CIA à polícia política portuguesa, enquanto lá fora se preparava a revolução de 25 de Abril. 
Sofrendo até ao fim, os últimos presos políticos do Estado Novo só conheceram a liberdade na madrugada de 27 de Abril de 1974 – dois dias depois da revolução que pôs termo a  48 anos de ditadura.
 




Título: O Fim da Inocência II
Autor: Francisco Salgueiro
PVP: 15,90€
Nas livrarias a 2 de Maio

Sinopse:
Com boas notas, e a estudar num dos melhores colégios de Lisboa, Gonçalo é o filho que todos os pais gostariam de ter.
 Desde cedo, ele e o grupo de amigos são bombardeados com imagens sexuais em filmes, séries, videoclips, anúncios e celebridades levando a uma erotização precoce. A ausência de educação sexual por parte dos pais e colégio leva-os a investigar o extenso mundo da pornografia na internet.  
Em simultâneo, a sua impreparação para lidarem com as redes sociais leva-os a serem participantes e vítimas na busca vertiginosa de likes para ultrapassarem a mítica marca dos 1000 amigos. Eles apenas pensam nos desafios e nunca nas consequências. As drogas legais, o sexting, a masturbação online com estranhos, serem paparazzi da vida uns dos outros e a prostituição com mulheres mais velhas fazem parte do seu estilo de vida, onde o futuro não existe, apenas o logo à noite.
 Depois do best-seller que abalou a sociedade portuguesa, Francisco Salgueiro regressa com uma nova história sobre os adolescentes portugueses do século 21.




TOPSELLER: O autor mais bem-sucedido do mundo regressa com "Private"

«Jack Morgan, antigo fuzileiro naval e agente da CIA, herdou do seu pai a Private, uma reputada agência internacional de investigação e segurança e, com ela uma carga de trabalhos que pode levá-lo ao ponto de rutura.

Os segredos dos homens e mulheres mais poderosos chegam diariamente a Jack e aos seus agentes, que usam técnicas forenses de ponta para resolver os seus casos. Como se não lhe bastasse ter de apurar a verdade sobre um escândalo de jogo ilegal na liga de futebol americano e tentar resolver um inquérito criminal sobre as mortes selváticas de 18 raparigas, Jack ainda vai ter de desvendar o tenebroso assassínio da mulher do seu melhor amigo — e sua antiga amante.»


Com uma narrativa que se desenvolve a um ritmo alucinante, Private: Agência Internacional de Investigação é o mais excitante e vibrante thriller de James Patterson.

«Um excelente policial, de leitura compulsiva e com uma narrativa de ritmo estonteante» - Daily Mail
« O prolífico Patterson continua imparável» - USA Today
«James Patterson sabe como criar suspense e emoção, numa prosa limpa e consistente» - People

Depois de Alex Cross (policial) e Maximum Ride, volumes 1 e 2 (ficção fantástica, young adult), chega às livrarias, no dia 4 de abril, o novo livro de James Patterson, o primeiro da série bestseller: Private: Agência Internacional de Investigação.

Private: Agência Internacional de Investigação promete deixar os amantes do género policial viciados no ritmo de leitura que o livro imprime, característica, aliás, da escrita do autor.

James Patterson já criou mais personagens inesquecíveis do que qualquer outro escritor da atualidade. É o autor dos policiais Alex Cross (ed. Topseller), os mais populares dos últimos 25 anos dentro do seu género. Entre os seus maiores êxitos estão também as séries Private, cuja publicação se inicia agora, O Clube das Investigadoras e Michael Bennett.
James Patterson é o autor n.º 1 em todo o mundo (fonte: Forbes) e o que mais livros teve até hoje no topo da lista de bestsellers do New York Times, figurando no Guinness (76 títulos, 19 dos quais consecutivos). Desde que o seu primeiro romance venceu o Edgar Award, em 1977, os seus livros já venderam mais de 250 milhões de exemplares, ultrapassando os 3,7 milhões de seguidores no Facebook.
Patterson escreveu também obras de grande êxito para leitores jovens, entre as quais estão Maximum Ride (ed. Topseller), Escola e Eu Cómico (ed. Booksmile). www.jamespatterson.com

 

Porto Editora: Revolução Paraíso é o romance de estreia de Paulo M. Morais

Título: Revolução Paraíso
Autor:
Paulo M. Morais
Págs.: 360
Capa: mole
PVP: 16,60 €

Em 2013, a 18 de abril, e depois das inerentes alegrias prévias, chega o momento aguardado: o romance Revolução Paraíso, uma obra sobre a liberdade e a revolta no pós-25 de abril, fica disponível nas livrarias, com chancela da Porto Editora.
A aposta neste novo autor português deu-se em função da qualidade e da pertinência da escrita de Paulo M. Morais. Alternando realidade e ficção, este é romance que transporta o leitor para os agitados dias da pós-revolução: o retrato de um país que, entre o PREC e as eleições livres, procura um novo rumo.
Revolução Paraíso é apresentado no dia 19 de abril, na FNAC Chiado, às 18:30.

Sinopse:
Enquanto nas ruas se decide o futuro de um país, na tipografia de Adamantino Teopisto vive-se um misto de enredo queirosiano, suspense de um policial e ternura de uma novela: com sabotagens, amores proibidos e cabeças a prémio; tudo num ambiente de revolução apaixonado. O rebuliço generalizado tem repercussões no alinhamento do jornal e no dia a dia das gentes de São Paulo e do Cais do Sodré. A revolução é o tópico das conversas nas tascas, nas ruas, no prédio da Gazela Atlântica, contribuindo para o exacerbar das tensões latentes entre o patrão Adamantino e os funcionários. A vivacidade de uma estagiária, as manigâncias de um ex-PIDE foragido, os comentários de um taberneiro e as intromissões de um proxeneta e de uma prostituta agravam ainda mais a desordem ameaçadora que paira no ar. Nada foi igual na vida dos portugueses após a Revolução dos Cravos. Nada foi igual na vida da “família” Gazela Atlântica após o 25 de Abril.

Sobre o autor:

Paulo M. Morais, nascido em 1972, cresceu nos arredores de Lisboa entre jogatanas de futebol, livros de aventuras e matinés de filmes clássicos. Licenciado em Jornalismo, trabalha em imprensa e multimédia. Fez crítica de cinema; especializou-se em gastronomia e viagens. Em 2006, de mochila às costas, deu a volta ao mundo. Nos últimos anos, além de escrever ficção, tem-se dedicado a conhecer e a divulgar o arquipélago dos Açores. Tem uma filha e já plantou um pessegueiro em Trás-os-Montes. Revolução Paraíso é o seu primeiro romance publicado.




Excerto:
«Adamantino Teopisto e César Precatado adoravam-se e odiavam-se como só acontece nas amizades extraordinárias. Facilmente evoluíam do elogio à injúria, do gracejo ao amuo, do companheirismo ao distanciamento. Mas, no fim, havia sempre um retorno como se as suas almas e existências terrenas fossem inseparáveis. Vinha de Moçambique a instituição, fácil e veloz, daquela intimidade enlaçada por referências e citações retiradas das obras de Eça de Queiroz. A camaradagem entre os dois chegava a ofender quem ocupava o mesmo espaço; eles consideravam-se de uma dimensão superior, com direito de admissão reservado apenas aos detentores da senha. Mas se havia realmente senha, mais ninguém a conhecia. Frequentemente, as conversas entre Adamantino e César acabavam em brindes e exultações, assinaladas com gritos de «hurra!», face à conivência de ideias e à partilha de crenças. Igualmente casmurros, também prodigalizavam em arrelias. Ao encontrarem um assunto separatista, entrincheiravam-se em frentes de batalha opostas. A primeira fase da ofensiva costumava ser cavalheiresca, por apreciarem o confronto ideológico feito com as armas da argumentação. Porém, o debate honrado facilmente descambava numa guerra desenfreada, onde os excessos de linguagem eram arremessados como obuses. Adamantino, mais fervoroso, enfurecia-se com a aparente calma de César; o revisor raramente desatava a expressão estática do rosto. Mas qualquer um deles, ao seu estilo, era capaz de libertar uma saraivada de impropérios antiquados.»






1.º livro lido do desafio literário

Vermelho: A Conspiração do Silêncio - David Baldacci
Laranja: A Quinta Mulher - Henning Mankell
Amarelo: Não Matem a Cotovia - Harper Lee
Verde: Compaixão - Jodi Picoult
Azul:
Mel - Ian McEwan
Opinião aqui Indigo: Os filhos da liberdade - Marc Levy
Violeta: O livro do Amanhã - Cecelia Ahern


Mel - Ian McEwan [Opinião]

Título: Mel
Autor:
Ian McEwan
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 388
Editor: Gradiva Publicações
Coleção: Obras de Ian McEwan
Sinopse:
Grã-Bretanha, 1972. Serena Frome, a bela filha de um bispo anglicano, é aliciada para os Serviços Secretos no seu ano final em Cambridge.
A guerra fria cultural prossegue e o país é assolado por convulsões sociais e actos de terrorismo.
Serena é então enviada numa «missão secreta» que a faz imergir no mundo literário de Tom Haley, um jovem escritor promissor.
Ela começa por gostar das suas histórias, mas rapidamente passa a gostar do próprio homem que as escreve.
Conseguirá Serena manter a ficção da sua vida oculta?
Para isso, ela vai ter de ignorar a primeira regra do espião: Não confies em ninguém.
A mestria de Ian McEwan deslumbra-nos nesta história empolgante, soberbamente construída, sobre traição e intriga, amor e o «eu»inventado. Um autor que não cessa de surpreender pela elegância e destreza com que se movimenta em diferentes registos literários.

A minha opinião:
Apesar de ter Expiação em casa, numa compra efectuada quando vi o filme, ainda não o li. Isto porque ainda tenho a história do filme muito presente e não gosto de ler os livros assim.

No entanto, pela grande intensidade dos personagens do filme e pela história magnífica que visionei, fiquei sempre de olho em Ian McEwan.

Mel retrata a história de Serena Frome, uma rapariga lindíssima e inteligente tornada espia pelo seu amante, Tony Canning. Ao serviço do MI5 ela tenta combater o anti-terrorismo no período conturbado da Guerra-Fria.

Assim, o seu departamento "recruta-a" para a operação Mel, com o intuito de "angariar" escritores para a sua causa. Através de uma fundação fantasma, Serena capta promissores escritores levando-os a escrever em nome de uma causa: difundir os ideais do ocidente, contra os ideais comunistas, em troca de uma verba mensal.

É aí que conhece Tom Haley e se apaixona pelo próprio "isco". Aprsesentando-se como uma espécie de angariadora de talentos literários, Serena promete ajuda Tom na publicação dos seus livros, podendo inclusive suspender o seu trabalho enquanto professor. Mas como uma boa amante do género literário (Serena devora livros), ela própria cai na rede e apaixona-se pelo seu alvo pondo em risco a missão.

Depois entramos numa cadeia onde se junta realidade com ficção com surgindo nomes de escritores famosos como George Orwell e a obra provavelmente financiada por um departamento do género, O Triunfo dos Porcos, assim como William Golding e Martin Amis.


Muito além de um livro de espionagem, Mel é um livro de relações humanas que se torna mais intenso no final.

Novidades Presença para a 1.ª quinzena de Abril

Título: Triplo
Autor: Ken Follett
P.V.P.: 17,01 €
Coleção: Grandes Narrativas
Nº na Coleção: 545
Data 1ª Edição: 02/04/2013
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-5033-4
Nº de Páginas: 400
Sinopse: No ano de 1968, Israel esteve por detrás do desaparecimento de 200 toneladas de urânio, material destinado a dotar o Egito da bomba atómica com a ajuda da União Soviética. Contudo nunca se conseguiu determinar como é que um carregamento daquele minério, suficiente para produzir 30 armas nucleares, desapareceu no mar alto sem deixar provas que comprometessem Israel. Follett pegou nesta enigmática ocorrência e criou a partir dela um thriller único, onde um suspense de alta voltagem se combina com factos históricos.

Triplo é a fascinante história de um espantoso golpe de espionagem e um dos mais bem guardados segredos do século passado. New York Times Bestseller

Título: Inverno de Sombras
Autor: L.C.Lavado
P.V.P.: 15,93 €
Editora:
Data 1ª Edição: 02/04/2013
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-84-7086-7
Nº de Páginas: 592
Sinopse: Em 1833, em Lisboa, cinco monges reúnem-se para decidir o destino a dar a uma caixa secreta e à sua chave. Muitos anos depois, uma família ainda as guarda, escondidas do mundo através das gerações. Mas há alguém que entende que é a chegada a hora desse poder lhe pertencer e está decidido a encontra-las e a fazê-las mudar de mãos.
Os protagonistas de Inverno de Sombras são seres mágicos, feiticeiros poderosos sedentos de sangue. Entre guerras e lutas, nasce uma história de amor inesquecível. Difícil será distinguir quem são os bons e os maus nesta trama.

Numa autêntica caça ao tesouro, as peças vão-se movendo como um jogo de xadrez, com momentos em que o tempo para e é preciso suster a respiração.

Uma história que vai cativar e vai fazer as delícias dos leitores mais exigentes de fantasia urbana.Escolha dos Leitores no site Goodreads.

Título: A Casa Vermelha
Autor: Mark Haddon
P.V.P.: 15,21 €
Coleção: Grandes Narrativas
Nº na Coleção: 546
Data 1ª Edição: 02/04/2013
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-5034-1
Nº de Páginas: 288
Sinopse: O novo romance de Mark Haddon, A Casa Vermelha é a evocação magistral de uma família problemática que tenta reatar os laços que o tempo foi afrouxando. Richard, recém-casado em segundas núpcias, decide reaproximar-se da irmã, Angela, e convida-a, e à família, a passar uma semana de férias numa casa que alugou junto da fronteira galesa. Mas, quando os oito elementos da família se reúnem na tranquila paisagem de campo, as inquietações, os segredos e as crises latentes em cada um deles irrompem com inesperada violência a superfície da normalidade. Uma abordagem única da vida familiar e das relações humanas.  

Título: A Casa da Seda
Autor: Anthony Horowitz
P.V.P.: 13,95 €
Coleção: Diversos
Nº na Coleção: 62
Data 1ª Edição: 02/04/2013
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-5035-8
Nº de Páginas: 284
Sinopse: Com um enredo genial e uma excelente caracterização, Anthony Horowitz criou um novo policial de Sherlock Holmes, captando totalmente o espírito dos livros originais de Sir Arthur Conan Doyle. Holmes regressa com a inteligência, a subtileza e o poder de dedução que fizeram dele o mais famoso detetive de sempre e, com ele, o seu inseparável amigo e biógrafo Watson. Os acontecimentos relatados nestas páginas figuram, segundo Watson, entre os mais sensacionais da carreira de Sherlock Holmes... A Casa da Seda é um livro que se recomenda vivamente aos fãs de Sherlock Holmes e a todos aqueles que apreciam um policial de excelência. 

 
Título: Adapte-se
Autor: Tim Harford
P.V.P.: 16,11 €
Coleção: Sociedade Global
Nº na Coleção: 53
Data 1ª Edição: 02/04/2013
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4965-9
Nº de Páginas: 340
Sinopse: Nesta obra inovadora, Tim Harford, autor do livro O Economista Disfarçado, apresenta-nos uma abordagem pioneira e inspiradora para a resolução dos problemas mais prementes das nossas vidas, apontando como essencial a capacidade de nos adaptarmos. Congregando psicologia, biologia evolutiva, antropologia, física e economia, Harford salienta a importância do método de tentativa e erro no combate ao terrorismo, às alterações climatéricas, à pobreza e à crise financeira bem como a necessidade de fomentarmos a inovação e a criatividade nos nossos negócios e vidas pessoais.
Adapte-se dá-nos a conhecer todos os ingredientes que nos possibilitam transformar o fracasso em sucesso.

Mais de um milhão de leitores aguardava a solução de Tim Harford para os novos desafios.


Título: O que vou vestir hoje?
Autor: Cátia Dias Amaral, Dora Dias e Margarida Marques de Almeida
P.V.P.: 13,41 €
Coleção: Diversos
Nº na Coleção: 58
Data 1ª Edição: 02/04/2013
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-5036-5
Nº de Páginas: 160
Sinopse: No nosso dia a dia movemo-nos numa grande variedade de contextos e é importante que saibamos vestir-nos de forma adequada. É nesse sentido que esta obra, da autoria de três experientes consultoras de imagem, pode ajudar a leitora. Nela encontrará conselhos para escolher a roupa que melhor se adequa a cada momento da sua vida e princípios de estilo que poderão servir de inspiração para construir a sua imagem pessoal. Em O Que Vou Vestir Hoje? encontrará também regras básicas sobre maquilhagem, cabelos, acessórios, cores e materiais, e dicas sobre como conciliar o seu gosto particular com o seu tipo físico e as tendências da moda.

Um guia de que não poderá prescindir se quiser ter sempre a imagem perfeita para cada ocasião.
  
Título: As Coisas que a Minha Mãe Dizia
Autor: Amaya Ascunce
P.V.P.: 14,85 €
Editora:
Data 1ª Edição: 02/04/2013
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-84-7087-4
Nº de Páginas: 400
Sinopse: Este livro é para todos aqueles que ouviram essas frases inesquecíveis como: «Bebe o sumo depressa, que as vitaminas desaparecem», «as marcas são uma invenção para cobrar o dobro pelo mesmo pacote de leite» ou «achas que sou dona de um banco?» É para aquelas crianças de cotoveleiras e fatos de treino de nylon, que sabiam que os cromos que nos eram oferecidos à porta da escola tinham droga e que era preciso fazer a digestão durante duas horas antes de tomarmos banho. Mas também é para aqueles que garantem, com convicção, que nunca serão como as suas mães. Infelizes.
Em As Coisas que a Minha Mãe Dizia e que Eu Jurei Não Repetir... estão compiladas as frases que jurámos nunca repetir aos nossos filhos, juntamente com a opinião de alguns especialistas, como Javier Urra e Rocío Ramos-Paul – a supernanny da televisão espanhola –, e a contribuição de centenas de leitores anónimos, que contaram a sua versão. E claro, também a história da menina – a protagonista – que sabe que a parte negra da banana não é boa, por muito que a sua mãe diga que sim.

Título: O Segredo da Caixa Chinesa
Autor: Tea Stilton
P.V.P.: 8,06 €
Nº na Coleção: 14
Data 1ª Edição: 02/04/2013
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-5038-9
Nº de Páginas: 148
Sinopse: «Uma viagem à China com a Violet e aí estão as Tea Sisters envolvidas numa nova aventura. Conheçam a misteriosa Madame Ho, desvendem o segredo da caixa de madeira lacada e acompanhem as raparigas num passeio pela Muralha da China, até encontrarem o Jade da Verdade.»

Porto Editora aumenta oferta da coleção CityPack publicando quatro novos guias de viagem

Coleção: Guias de Viagem CityPack
Págs.: 128 ou 176
Capa: integral
PVP: 13,30 €

A 8 de abril, a coleção CityPack passa a contar com quatro novos livros pensados para, de forma simples mas completa, guiar o visitante em Madrid, Praga, Rio de Janeiro e Veneza.
Esta coleção já incluía seis títulos com tudo o que um turista precisa de saber para fazer viagens de sonho a Paris, Londres, Roma, Barcelona, Amesterdão ou Nova Iorque.
Em formato de bolso e integralmente a cores, estes livros repletos de fotografias elencam as vinte e cinco principais atrações de cada cidade, fazem propostas de passeios e indicam os melhores lugares para fazer compras, comer, divertir-se e dormir (para várias carteiras). Incluem, ainda, uma enorme mais-valia face a outros guias existentes no mercado: um mapa de bolso desdobrável e muito resistente.

terça-feira, 2 de abril de 2013

BOOKSMILE: Pippi das Meias Altas é estrela no Dia Internacional do Livro Infantil

Pippi das Meias Altas (Pippi Långstrump em sueco) tornou-se, em meados dos anos 70, numa verdadeira heroína para as crianças.

Afinal, aquela miúda ruiva de 10 anos, com o cabelo preso por duas espécies de tranças, e com meias altas coloridas, destacava-se por ser irreverente, bem-disposta, corajosa e, acima de tudo, por ter uma força de fazer inveja ao Obélix!

O êxito da série televisiva, transmitida ainda a preto e branco, aos domingos à tarde, na RTP, foi tal que Pippi das Meias Altas teve direito a uma caderneta de 180 cromos, revelando-se uma verdadeira loucura entre os mais novos.

Mas o universo criado em torno desta famosa e simpática personagem (cinema, televisão, merchandising) teve o seu “Big Bang” num fantástico livro.

De forma a entreter a filha acamada, Astrid Lindgren desenhou uma história sobre uma valente rapariga, que tinha como companheiros um cavalo e um macaquinho chamado Mr. Nilson, e, como melhor amigos, Tommy e Annika. Uma história que tornaria a autora sueca conhecida em todo o mundo.

Para que os mais novos conheçam as fantásticas aventuras de Pippi das Meias Altas, que tanto fizeram sonhar os seus pais, e para que a geração de 70 e 80 possa recordar parte da sua infância, a Booksmile trouxe para Portugal uma edição especial (à venda a partir de 4 de abril, 12,99€) desta referência incontornável da literatura contemporânea. À imaginação da escrita de Astrid Lindgren juntam-se neste livro as brilhantes ilustrações da premiada artista Lauren Child.

Astrid Lindgren é uma das autoras de livros infantis mais amadas e bem-sucedidas de sempre: as suas coleções venderam mais de 145 milhões de exemplares, tendo sido traduzidas em 91 idiomas.

A Pippi das Meias Altas está de volta, e continua engraçada, arisca e incrivelmente forte!

O Tomás e a Anita estão fascinados pela sua nova vizinha, que vive sozinha, acompanhada apenas do seu cavalo de estimação e de um macaco, o Senhor Nelson. Os dois irmãos rapidamente percebem que ela é uma menina mesmo peculiar: ninguém lhe diz o que deve fazer, está sempre metida em sarilhos e peripécias, faz os seus próprios biscoitos e é mais forte do que qualquer outra pessoa do mundo.


Novidades Quetzal para Abril


Conheça os 101 Lugares para ter medo em Portugal de Vanessa Fidalgo


Maria João Vieira dá curso de escrita criativa


segunda-feira, 1 de abril de 2013

Ler no Chiado, esta quinta-feira


Se pudesse voltar atrás é o novo livro de Marc Levy

Título: Se Pudesse Voltar Atrás
Autor:
Marc Levy
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 248
Editor: Bertrand Editora
PVP: 16,60€

Sinopse:
Andrew Stilman, jornalista do New York Times, acaba de se casar. Na manhã de 9 de julho de 2012, bem cedo, está a fazer jogging na margem do Hudson quando, de súbito, é violentamente agredido. Uma dor fulgurante atravessa-lhe o corpo e ele sente-se submergir num rio de sangue. Andrew perde os sentidos… e, ao recuperar a consciência, está a 9 de maio de 2012.
Dois meses mais cedo, dois meses antes do seu casamento.
A partir desse momento, Andrew tem 60 dias para descobrir o seu assassino, 60 dias para mudar o curso do seu destino. E, a partir de então, cada minuto conta…
A sua investigação leva-o numa viagem vertiginosa, de Nova Iorque a Buenos Aires, e até aos meandros dos momentos mais obscuros da ditadura argentina. Uma corrida contra o tempo, entre o suspense e a paixão.
 


domingo, 31 de março de 2013

Ritual - Mo Hayder [Opinião]


Título: Ritual
Autor:
Mo Hayder
Um caso para o Inspector Jack Caffery
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 360
Editor: Europa-América
Coleção: Crime Perfeito
PVP: 23,12€
Sinopse:
Nas águas do porto de Bristol, um mergulhador encontra a mão de um cadáver. Mais perturbante do que a ausência de um corpo é a descoberta, alguns dias depois, de uma mão. E todas as provas apontam para que o corpo tenha sido decepado ainda com vida.
Transferido de Londres, o agente Jack Caffery pertence à unidade de investigação criminal de Bristol e as suas buscas levam-no aos meandros de um submundo sinistro: o lugar mais terrível que já conheceu. 


A minha opinião:
É certo que já li quase todos os livros de Mo Hayder publicados em Portugal, mas também é mais certo ainda que não os li na devida ordem, o que por vezes me causou um pouco de confusão em relação ao desenrolar de alguns acontecimentos no que diz respeito aos protagonistas, nomeadamente Jack Caffery e à mergulhadora Flea Marley. Mas tal facto não me deixou desistir da leitura de Ritual até porque Mo Hayder envolve tão bem o leitor nos seus livros que o que apetece é relê-los todos e desta vez pela ordem correcta. 
Tudo começa com a descoberta macabra de uma mão decepada no porto de Bristol. Mas de corpo nada, o que leva os detectives a pensar que esta mão pode ter sido retirada estando o seu "dono" ainda vivo. 
Depressa a autora nos vai dando a entender que pode tratar-se de uma espécie de ritual oriundo de tribos africanas, mas só mais para o final do livro é que vamos perceber o macabro destes rituais e quem os efectua. 
Mais uma vez somos catapultados para uma onda de crimes invulgares, mas também ficamos a conhecer melhor as personagens principais, de uma forma peculiar. Ambos, Jack e Flea, transportam os seus próprios fantasmas e também eles podem tornar-se uns marginais. Jack consumidor de álcool e frequentador de prostitutas e Flea consumidora de droga para expiar problemas do passado, e de um presente tumultuoso, com um irmão problemático. 
No entanto, de todos os livros que entra a personagem Jack, este foi o que menos gostei.