sexta-feira, 14 de março de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

A estante está mais cheia #11


Estas últimas semanas foram profícuas em livrinhos.

Chegou até à minha estante, gentileza da Bertrand, A Rapariga-Corvo que me apaixonou pela sinopse. Tanto, que já comecei a sua leitura e já estou presa a este thriller.

O erótico Vejo-te de Irene Cross, uma surpresa da Suma de Letras, promete ser um excelente livro e conto lê-lo muito brevemente.
Pela Presença chegou-me às mãos o novo livro de Ken Follett, novo por aqui já que O Escândalo Modigliani foi dos primeiros livros a ser escritos por um dos meus autores favoritos, ainda com pseudónimo, desta vez Zachary Stone.
A opinião já está no blogue.

O Olhar de Sophie, o novo livro de Jojo Moyes (brevemente com opinião no blogue) e A Sétima Porta de Richard Zimler foram gentilmente oferecidos pela Porto Editora. O Olhar de Sophie prendeu-me desde a primeira páginas e não consegui largá-lo até terminar a sua leitura. Muito bom.
Depois de ter lido A Sentinela estou expectante neste A Sétima Porta de Zimler. Espero que seja tão bom como a anterior publicação da Porto Editora.

O Bibliotecário, de A. M. Dean é um livro baseado em factos reais e retrata a história da antiga Biblioteca de Alexandria, um dos maiores tesouros da História. Obrigada Clube do Autor. Espero que este livro me traga bons momentos de leitura já que estou muito curiosa em relação a ele.
Depois de ter lido o primeiro livro da série Jack Morgan, logicamente não poderia perder o segundo Private - Principal Suspeito, publicado pela Topseller. Obrigada à editora por me ter facultado mais este livro que será também uma das próximas leituras.
Por fim, restam as minhas compras. Numa ida à Fnac vi-me tentada a comprar mais um livro de Mary Hiigins Clark. Apesar de gostar muito da autora já há muito que não leio um livro dela. Como estava a um preço apetecível decidi trazê-lo para casa. Do Fundo do Coração promete uma excelente leitura.


Por último, restam os livros que vieram da Presença, através da aplicação A Grande Aventura dos Livros Grátis. Vieram muitos livrinhos para a estante porque toda a família participou. E não nos esquecemos da mais pequena que já é uma apaixonada por livros tanto quanto a mãe.






Guerra & Paz publica o livro que pode ajudar a mudar Portugal

Título: Portugal, A Economia de Uma Nação Rebelde
Autor: José Manuel Félix Ribeiro
N.º de Páginas: 232 páginas
PVP: 16,90 €
Género: Não Ficção/Economia
Nas livrarias a 19 de Março
Guerra e Paz Editores

Sinopse:
Com a democracia fizemos escolhas. As escolhas fundadoras da nossa jovem democracia, os choques externos sobre a nossa economia e as preferências europeias acabaram por interagir imprimindo uma dinâmica à nossa vida económica e social que puseram Portugal de joelhos.

Portugal é um dos «elos mais fracos do sistema do euro». As deficiências na criação do euro converteram-nos num alvo de sucessivos ataques dos mercados financeiros, a que sucumbimos aumentando a nossa dívida externa e reduzindo drasticamente a nossa liberdade de acção presente e futura. Temos de rever as nossas escolhas fundadoras: é preciso mudar o modelo económico e social; é preciso alterar o nosso compromisso europeu.

Há soluções. Este livro defende que Portugal deve ter como prioridade externa integrar uma Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento da Europa com os EUA, o Canadá e México. O autor aponta escolhas que defendem Portugal e o podem fazer crescer. Avançando para uma especialização mais inteligente, Portugal pode ser um actor ganhador na globalização.

Sobre o autor:
Nasceu em 1948, licenciou-se em Economia em 1973, pelo então Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, e doutorou-se em Relações Internacionais pela Universidade Nova de Lisboa, em 2012.
Fez carreira na Administração Pública. Coordenou, de 1986 a 1994, a preparação de programas estruturais para o desenvolvimento da Ciência e Tecnologia negociados com a Comissão Europeia e, de 1995 a 2007, no Departamento de Prospectiva e Planeamento do Governo português, participou nos trabalhos preparatórios de três dos Planos de Desenvolvimento co-financiados pelos Fundos Estruturais da União Europeia.
A sua actividade distribuiu-se pelas áreas da economia industrial, internacional, estudos prospectivos e análise geopolítica.
Tem uma extensa lista de publicações e de colaborações institucionais, entre outras, desde 1986, com o Instituto da Defesa Nacional.




Documentário sobre J. Rentes de Carvalho exibido no próximo dia 18, na Universidade Nova de Lisboa

O documentário J. Rentes de Carvalho – Tempo Contado, de António-Pedro Vasconcelos e Leandro Ferreira, terá a primeira exibição no próximo dia 18 de março, às 18h, na Universidade Nova de Lisboa (auditório 1, Torre B).
Durante décadas celebrado no país que o acolheu, a Holanda, e desconhecido em Portugal, o escritor transmontano J. Rentes de Carvalho só nos últimos anos tem tido o reconhecimento merecido. A publicação das suas obras pela Quetzal, desde 2009, e, acima de tudo, a inegável qualidade literária das mesmas impuseram Rentes de Carvalho como um nome maior da literatura portuguesa contemporânea.
O documentário que agora terá a sua estreia é um reflexo desse estatuto entretanto alcançado, uma justa homenagem e uma forma de levar ainda a mais leitores a obra do escritor. Ao longo do filme, entrevistado em Amesterdão e na aldeia transmontana de Estevais, Rentes de Carvalho evoca a sua vida e fala da sua obra, testemunho que é completado pelas pessoas que, na Holanda ou em Portugal, com ele conviveram.



O livro Portugal, a Flor e a Foice chega às livrarias no dia 21 de março. No dia seguinte, sábado, o livro será apresentado pelo jornalista Henrique Monteiro na Fnac Chiado, às 17h, numa sessão que contará com a presença do autor.


Workshop de cozinha saudável com a nutricionista das celebridadades Ana Bravo - Continente NorteShopping: 15 Março - 11h00



quinta-feira, 13 de março de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidades Gradiva a partir de 27 de Março

Título: A Batalha - 14 de Agosto de 1385
Autor: Pedro Massano
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 407
N.º de Páginas: 88
PVP: € 15, 00 (cartonado)

Páginas de História de Portugal iluminadas pelo traço inconfundível de Pedro Massano e as palavras dos cronistas da época. Um relato épico de um acontecimento marcante, com pranchas arrebatadoras e de grande beleza. A Batalha de Aljubarrota pela mão de um mestre, para oferecer e guardar para si. 

Título: Porque Pirilampiscam os Pirilampos?
E muitas outras perguntas luminosas sobre química
Autores: Carla Morais e João Paiva
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 411
N.º de Páginas: 164
PVP: €11,00

A ciência ao alcance de todos, neste livro acessível, prático e esclarecedor. Recheado de factos curiosos e respostas aos mais intrigantes fenómenos, será apreciado pelos miúdos e graúdos que querem saber como funciona o mundo à sua volta. Uma bela edição, apelativa e informativa.

Título:  Mil Novecentos e Setenta e Cinco
Autor: Tiago Patrício . Prémio Lit. Revelação Agustina Bessa-Luís 2011
Coleção: «Gradiva», n.º 148
N.º de Páginas: 440
PVP: €17,50

Trás-os-Montes, 1975. Numa época confusa, há amores tardios, mortes adiadas, fugas e regressos triunfais, infidelidades descobertas dentro de armários, alfaiates e coveiros desempregados, mulheres que lavam no ribeiro e rapazes que as espreitam, ferroviários, comerciantes e vários tipos de pobres: esfomeados, deserdados, perseguidos e protegidos que tentam subir as escadas dos antigos e dos novos proprietários. Um romance brilhante, de um humor irresistível e onde cabe tudo, pela pena de um autor já reconhecido como voz a um tempo regional e universal, no que à essência humana diz respeito.

Título: Pessoa, Portugal e o Futuro
Autor: Onésimo Teotónio Almeida
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 412
N.º de Páginas: 328
PVP: €13,95

«O autor de Mensagem que emerge do minuciosamente investigado e intensamente argumentado estudo de Onésimo Teotónio Almeida sobre as intenções poéticas e o literário desígnio (insisto no termo) revela-se claramente como um teórico da acção social e da intervenção política. [...] em Mensagem não apenas o poeta sabia o que pretendia, mas ainda [...] a sua mensagem é tão directa e, de certa maneira, tão prática que é quase como se tivesse sido necessário um acto colectivo de perversidade para que fosse tão egregiamente mal entendida [...].»  George Monteiro, World Literature Today

Título: Experiência Antárctica
Relatos de um Cientista Polar Português
Autor: José Xavier
Coleção: «Ciência Aberta», n.º 207
N.º de Páginas: 220
PVP: €14,00

Há cientistas que vão até ao fim do mundo para encontrar a Natureza em estado puro. É o caso de José Xavier, biólogo marinho premiado, que passou nove meses seguidos nos gelos da Antárctida, onde, apesar do clima adverso, o mundo vivo é espantoso e abundante. Neste livro conta-nos a aventura que é a experiência da descoberta científica no pólo e a vida longe da civilização.

Os jovens vão sentir-se seduzidos pela aventura. Os jovens de há mais tempo vão saber o que é a paixão pela ciência alimentada por uma voraz curiosidade. Empolgante.














José Jorge Letria lança novo livro

Título: A Volta ao Medo em 80 Dias
Autor: José Jorge Letria
N.º de Páginas: 208 páginas
PVP: 14,99 €
Nas livrarias a 19 de Março
Guerra e Paz|Clube do Livro SIC

Sinopse:
Este livro é acima de tudo uma história de amor a Portugal, à vida e às mulheres.

A Volta ao Medo em 80 Dias é a história de um homem, de um cidadão português que, vivendo intensamente os conflitos e as utopias do seu tempo, nunca desiste de ser feliz. Nascido num Portugal marcado pelo espectro do medo, revisita, neste livro, todas as situações que, antes e depois do 25 de Abril, na ditadura e na democracia, na guerra e na paz, o fizeram pronunciar essa palavra – a palavra medo – com um misto de reserva e inquietação interior.

A Volta ao Medo em 80 Dias é também uma história de amor. Fragmento da nossa história colectiva e dos sonhos que ficaram por cumprir, este livro é acima de tudo uma história de amor a Portugal, à vida e às mulheres que representaram os afectos mais perenes de um percurso longo e tantas vezes doloroso. O herói deste livro é um homem que tem de vencer uma maldição – é o homem português.

Sobre o autor:
É ficcionista, mas também jornalista, poeta, dramaturgo, nasceu em Cascais, em 1951. Tem livros traduzidos em mais de uma dezena de idiomas e foi premiado em Portugal e no estrangeiro, destacando-se dois Grandes Prémios da APE, o Prémio Aula de Poesia de Barcelona, o Prémio Internacional UNESCO, o Prémio Eça de Queirós-Município de Lisboa e o Prémio da Associação Paulista de Críticos de Arte.
O essencial da sua obra poética encontra-se condensado nos dois volumes da antologia O Fantasma da Obra. Ao lado de nomes como José Afonso e Adriano Correia de Oliveira, foi um dos mais destacados cantores políticos portugueses, tendo sido agraciado em 1997 com a Ordem da Liberdade. Mestre em Relações Internacionais, é presidente da SPA.



Sextante Editora: Lançamento de "Do branco ao negro" em Lisboa



Porto Editora publica "Canadá", de Richard Ford

Título: Canadá
Autor
: Richard Ford
Tradução: Francisco Agarez
Págs.: 432
PVP: 17,70 €

Richard Ford é um dos mais importantes autores norte-americanos contemporâneos e foi o único distinguido em simultâneo com os prémios Pulitzer e Pen/Faulkner para uma mesma obra. Canadá, o seu romance mais recente, já foi premiado com o Prix Femina Étranger e o Andrew Carnegie Medal for Excellence. Este livro é publicado pela Porto Editora a 21 de março.
Protagonizado pelo inquietante Dell Parsons, a quem a sorte não tem sido favorável, Canadá é uma «epopeia sem lirismos sobre a família e sobre segundas oportunidades» (El País), e sobre o desafio de arriscar uma vida melhor, mesmo que seja noutro país.

Sinopse:
Seria difícil para Dell Parsons imaginar o quanto a sua vida se alteraria no dia em que os pais, desesperados, decidem assaltar um banco. A consequente detenção lança sérias ameaças sobre o futuro incerto de Dell, que se verá ainda mais desamparado após o repentino desaparecimento da sua irmã gémea.
Mas Dell não ficará sozinho: uma amiga da família decide resgatá-lo do desnorte, levando-o numa viagem de autodescoberta ao longo da fronteira do Canadá, com o objetivo de lhe oferecer novas perspetivas de vida. É durante essa viagem pelas pradarias de Saskatchewan que Dell é recebido por Arthur Remlinger, um norte- -americano que transporta doses iguais de carisma e mistério.
A procura de harmonia e paz, debaixo do vasto céu azul da pradaria, parece revelar-se infrutífera à medida que Dell vai cedendo à vertigem de Remlinger e aos tormentos e impulsos homicidas que inspira. Conseguirá Dell descobrir a força de carácter necessária para reencontrar um rumo para a sua vida?

Sobre o autor:
Autor de sete romances e três coletâneas de contos, Richard Ford nasceu em Jackson, Mississípi, em 1944.
Reconhecido pela crítica como um dos grandes retratistas dos temas estruturantes da sociedade norte- -americana, mantém o recorde de ter sido o único autor distinguido em simultâneo com os prémios Pulitzer e Pen/Faulkner para uma mesma obra.
Publicado originalmente em 2013, Canadá foi agraciado com o Prix Femina Étranger em França e o Andrew Carnegie Medal for Excellence.

Imprensa:
Brilhante. Colm Tóibín
[Canadá] confirma a posição [de Richard Ford] como um dos mais refinados artistas e mais humanos contadores de histórias americanos… o seu livro mais elegíaco e profundo… The Washington Post
Robusto e poderoso … Ford é capaz de tocar em qualquer coisa de decisivo e elementar no profundo caos moral que está por trás das ações de gente aparentemente responsável… Ford criou uma história sobre a descoberta assustadora do coração anárquico do mundo. Wall Street Journal
Uma voz triunfal… A escrita… é frugal, mas de partir o coração. USA Today
Canadá: um livro que deslumbra e comove. ABC


Historiadora Raquel Varela apresenta novo livro no Festival Literário da Madeira

História do Povo na Revolução Portuguesa 1974-75, o novo livro da investigadora Raquel Varela, terá a sua primeira apresentação no Festival Literário da Madeira, que decorre entre 17 e 23 de março. A sessão será no próximo dia 20 de março, às 18h, no Teatro Municipal Baltazar Dias. O livro será apresentado pelo escritor Miguel Real.
Na primeira entrevista sobre este livro publicada na edição de hoje da revista Visão, Raquel Varela afirmou que esta «História do Povo não é sobre o povo todo, nem referente à ideia de nação. É focada nas comissões de trabalhadores, nas comissões de moradores, nas greves, nas manifestações, nas pessoas que se auto-organizaram para definir a estrutura social dos seus bairros, no movimento estudantil, na história das mulheres que passaram por movimentos emancipatórios fortíssimos, em 1974/75 – por coisas tão básicas como o direito a ter dois meses de licença de maternidade, o direito ao divórcio, ou que os filhos não fossem considerados ilegítimos.


História do Povo é a história das pessoas a descobrirem que podem tomar a vida nas suas próprias mãos, que o poder pode ser exercido diretamente por elas, coletivamente, sem ser delegado.»
História do Povo na Revolução Portuguesa 1974-75 chega às livrarias esta sexta-feira. Após o lançamento no FLM, o livro será apresentado em Lisboa, a 21 de abril, e no Porto a 2 de maio, entre outros locais a anunciar brevemente.




Novidade Matéria-Prima «Pai, Tiveste Medo?» de Catarina Gomes

Título: Pai, tiveste medo?
Autor: Catarina Gomes 
Género: História
Número de páginas: 248
PVP: € 15,50

UM LIVRO SOBRE A MEMÓRIA, A GUERRA E A INQUEBRÁVEL LIGAÇÃO ENTRE PAIS E FILHOS
O LIVRO
Quarenta anos depois do fim da Guerra Colonial, a memória do conflito continua viva em muitos portugueses. Não só pelas marcas deixadas nos militares que combateram, mas pela forma como ela se propagou junto das suas famílias, nomeadamente dos filhos. Para os que tiveram um pai a combater em África, a guerra também foi deles, apesar de nunca terem sequer disparado uma arma.
A jornalista Catarina Gomes, filha de um ex-combatente da Guerra Colonial, reúne neste livro 12 dessas histórias. Entre livros gastos, cartas antigas de madrinhas de guerra, malas empoeiradas, cabeças de animais e relatos distantes, cada uma desses filhos herdou uma história e foi atrás de um passado para perceber um pouco melhor o pai que regressou ou que nunca chegaram a conhecer.

Sobre a autora:
Catarina Gomes é jornalista do Público desde 1998. Entre 2002 e 2003 fez uma pausa para pensar nas lides do jornalismo à distância, rumou a Londres onde tirou o Master of Science in Media and Communications na London School of Economics and Political Science. Em 2011 aventurou-se como argumentista do documentário Natália, a diva tragicómica (RTP2/Real Ficção).


quarta-feira, 12 de março de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Jorge Sampaio apresenta livro de José Manuel Félix Ribeiro



Último livro da trilogia Divergente, de Veronica Roth, publicado a 21 de março

Título: Convergente
Autor:
Veronica Roth
Tradução: Alcinda Marinho
Págs.: 416
Capa: mole com badanas
PVP: 15,50 €


Nunca a data de publicação de um livro motivou tantos leitores a contactarem a Porto Editora. Finalmente, é oficial: Convergente, o último livro da trilogia Divergente, de Veronica Roth, é publicado em Portugal a 21 de março.
Este livro sucede a Divergente e Insurgente, obras que garantiram a uma muito jovem autora (tinha 23 anos aquando da publicação do primeiro livro) um sucesso à escala global e muitos fãs em Portugal. As aventuras desta saga desenrolam-se em cenário futurista, verosímil e sem figuras sobrenaturais. Figuraram em várias listas de melhores do ano – Amazon, Publishers Weekly, Goodreads, Barnes & Nobles – echegaram a número um do top do The New York Times.
Convergente chega às livrarias poucos dias antes de estrear nos cinemas portugueses, a 3 de abril, o filme Divergente, produzido pela Summit Entertainment/Lionsgate, estúdio conhecido pela saga Crepúsculo.

Sinopse:
A sociedade de fações em que Tris Prior acreditava está destruída – dilacerada por atos de violência e lutas de poder, e marcada para sempre pela perda e pela traição. Assim, quando lhe é oferecida a oportunidade de explorar o mundo para além dos limites que conhece, Tris aceita o desafio. Talvez ela e Tobias possam encontrar, do outro lado da barreira, uma vida mais simples, livre de mentiras complicadas, lealdades confusas e memórias dolorosas. Mas a nova realidade de Tris é ainda mais assustadora do que a que deixou para trás. As descobertas recentes revelam-se vazias de sentido, e a angústia que geram altera as vontades daqueles que mais ama. Uma vez mais, Tris tem de lutar para compreender as complexidades da natureza humana ao mesmo tempo que enfrenta escolhas impossíveis de coragem, lealdade, sacrifício e amor. Convergente encerra de forma poderosa a série que cativou milhões de leitores, revelando os segredos do universo Divergente.

Sobre a autora:
Veronica Roth estudou Escrita Criativa na Northwestern University. Nos seus tempos de faculdade, preferiu dedicar-se a escrever o que viria a ser a sua primeira obra, Divergente, e deixar de lado os trabalhos de casa – uma escolha que acabou por transformar totalmente a sua vida. Veronica Roth foi considerada a melhor autora pelo GoodReads Choice Awards em 2012. Divergente foi eleito o melhor livro de 2011 e Insurgente o melhor livro de fantasia para jovens-adultos em 2012, pela mesma entidade, a única cujas distinções são atribuídas exclusivamente pelos leitores.

Convite para lançamento do livro «A Porta para a Liberdade» de Pedro Prostes da Fonseca



Assírio & Alvim publica mais dois livros de Sophia de Mello Breyner Andresen

Título: Dia do Mar
Autor:
Sophia de Mello Breyner Andresen
Prefácio: Gastão Cruz
N.º de Páginas: 128
PVP: 13,30 €

Título: O Cristo Cigano
Autor:
Sophia de Mello Breyner Andresen
Prefácio: Rosa Maria Martelo
N.º de Páginas: 56
PVP: 11,00 €

No próximo dia 14 de março chegam às livrarias as novas edições de Dia do Mar e O Cristo Cigano, com prefácios, respetivamente, de Gastão Cruz e Rosa Maria Martelo.
Dia do Mar é o segundo livro de Sophia de Mello Breyner Andresen, publicado em 1947. Aqui, como de resto em muita da sua obra, a poeta busca a perfeição, a pureza e a harmonia, utilizando alguns lugares recorrentes como o mar, a praia, a casa e o jardim. Visitando a infância, onde aprendeu a ouvir as vozes das coisas, o mar é aqui uma fonte de purificação e um lugar onde tudo adquire sentido.
O Cristo Cigano foi publicado pela primeira vez em 1961 e sobre ele teve uma grande influência o poeta João Cabral de Melo Neto. No prefácio de Rosa Maria Martelo a esta edição podemos ler que «[…] O Cristo Cigano é um livro absolutamente singular no conjunto da poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen, ao que não será alheio o facto de ter sido escrito sob o signo do encontro da autora com um poeta que também tinha a paixão da geometria e do concreto e a mesma solidariedade com o sofrimento humano».

Sobre a autora: 
Sophia de Mello Breyner Andresen nasce a 6 de novembro de 1919 no Porto, onde passa a infância. Entre 1936 e 1939 estuda Filologia Clássica na Universidade de Lisboa. Publica os primeiros versos em 1940, nos Cadernos de Poesia. Casada com Francisco Sousa Tavares, passa a viver em Lisboa. Tem cinco filhos. Participa ativamente na oposição ao Estado Novo e é eleita, depois do 25 de Abril, deputada à Assembleia  Constituinte.
Autora de catorze livros de poesia, publicados entre 1944 e 1997, escreve também contos, histórias para crianças, artigos, ensaios e teatro. Recebeu entre outros, o Prémio Camões 1999, o Prémio Poesia Max Jacob 2001 e o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana. A sua obra está traduzida em várias línguas. Faleceu a 2 de julho de 2004, em Lisboa.


Esfera dos livros assinala os 40 anos do 25 Abril com a publicação de "Capitãs de Abril" de Ana Sofia Fonseca



terça-feira, 11 de março de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Sextante Editora publica novo romance de Teolinda Gersão: Passagens

Título: Passagens
Autor:
Teolinda Gersão
Págs.: 184
PVP: € 15,50

A Sextante Editora publica, a 21 de março, Passagens, o novo romance de Teolinda Gersão, um livro que começa com um cenário de luto, mas que é, na verdade, um olhar penetrante sobre a vida e a sua complexidade, através de personagens de quatro gerações de uma família.
Por meio de diferentes vozes abordam-se grandes temas universais, como o amor, o sexo, a vida em comum, com os seus encontros e desencontros, o nascimento das novas gerações, o decurso do tempo e a morte, que não é mais do que uma passagem.
Teolinda Gersão é a convidada da próxima edição do Porto de Encontro, sessão que se realiza no dia 23 de março, às 17:00, na Biblioteca Almeida Garrett, e que conta com a participação de Nuno Carinhas e José Carlos Tinoco.

Sobre o livro:
«Os segredos das famílias. As mentiras, as histórias falsas, que dão origem a memórias falsas. Os grandes erros que alguém comete, e são pagos pelas gerações seguintes. Mesmo que se queira apagá-los, silenciá-los, estão lá. E voltam à superfície para serem pagos.»

Sobre a autora:
Teolinda Gersão estudou nas universidades de Coimbra, Tübingen e Berlim, foi leitora de português na Universidade Técnica de Berlim e professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa, onde ensinou Literatura Alemã e Literatura Comparada. A partir de 1995 passou a dedicar-se exclusivamente à escrita literária. Viveu três anos na Alemanha, dois anos em São Paulo, Brasil, e conheceu Moçambique, onde se passa o romance A árvore das palavras (1997). É autora de 14 livros de ficção, traduzidos em 11 línguas. Foram-lhe atribuídos os seguintes prémios: por duas vezes o Prémio de Ficção do PEN Clube (O silêncio, 1981, e O cavalo de sol, 1989), o Grande Prémio de Romance e Novela da APE (A casa da cabeça de cavalo, 1995), o Prémio Fernando Namora (Os teclados, 1999), o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco (Histórias de ver e andar, 2002), o Prémio Máxima de Literatura (A mulher que prendeu a chuva e outras histórias, 2008), o Prémio da Fundação Inês de Castro (2008), o Prémio Ciranda e o Prémio da Fundação António Quadros (A Cidade de Ulisses, 2011). Três dos seus livros foram adaptados ao teatro e encenados em Portugal, Alemanha e Roménia. Foi escritora-residente na Universidade de Berkeley em 2004. As suas obras mais recentes, publicadas na Sextante Editora, são o romance A Cidade de Ulisses e Cadernos II - As águas livres.
Página pessoal: www.teolinda-gersao.com
Página no Facebook: www.facebook.com/teolindagersao


Cidades da Noite Vermelha, de William S. Burroughs, a 21 de março nas livrarias

Título: Cidades da Noite Vermelha
Autor: William S. Burroughs
Género: Romance
Tradução: Jorge Pereirinha Pires
N.º de páginas: 384
Data de lançamento: 21 de março
PVP: 18,80 €

Um viciado em ópio perde-se na selva; homens fazem guerra a um império de mutantes; um jovem e belo pirata confronta-se com a sua execução; e a população mundial está infetada por uma epidemia radioativa. Estas histórias ligam-se através de uma narrativa maior de mutilação e caos.
Cidades da Noite Vermelha, publicado em 1981, marca uma nova etapa na escrita de William S. Burroughs, que desenvolve aqui a sua poética plástica, recorrendo à incorporação de variadíssimos níveis de linguagem e diferentes meios de expressão artística, como a pintura ou a música.
A ação desenvolve-se em dois planos, fazendo-nos navegar entre o século XVIII, em que a atuação de um grupo de piratas se rege pelos «Artigos» do capitão James Mission (que antecederam em cem anos os princípios da Revolução Francesa), e o século XX, em que um detetive investiga o desaparecimento e a morte ritual de um rapaz.
Em Cidades da Noite Vermelha, William S. Burroughs satiriza duramente as sociedades modernas, através de uma história de sexo, drogas, doença e aventura.

Sobre o autor:
William S. Burroughs nasceu em 1914 no Missouri. O seu primeiro e mais autobiográfico romance, Junky, o retrato clássico do constante ciclo da dependência das drogas de que foi vítima toda a sua vida. Em 1951, ao fazer o número de um Guilherme Tell bêbado, matou acidentalmente a mulher com quem era casado. Membro fundador do movimento Beat, Burroughs celebrizou-se através do cut-up, método de escrita que utilizou no romance Naked Lunch (Festim Nu), mas também da sua intervenção noutras áreas, como a pintura ou as artes performativas. Em 2013, a Quetzal publicou E os Hipopótamos Cozeram nos Seus Tanques, livro seminal do movimento Beat, que permaneceu inédito mais de meio século, escrito com Jack Kerouac. William S. Burroughs morreu em 1997.

Lançamento do livro «Perfumes Eróticos em Tempo de Vacas Magras», de Manuel da Silva Ramos