sábado, 12 de abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Imagem... mil palavras #7

Foto retirada do facebook de José Luís Peixoto

Novo livro de David Baldacci – dia 16 nas livrarias

Título: O Atentado
Autor: David Baldacci
N.º de Páginas: 436
PVP:16,90€
Tradução: Maria João Lourenço

Não espanta que David Baldacci seja considerado o maior autor do thriller internacional. Desde que foi lançado, O Atentado já vendeu mais de 1,2 milhões de exemplares, só nos EUA, esteve 11 semanas consecutivas no top do The New York Times e alcançou o 6º lugar do top de vendas anual da Amazon. Foi ainda eleito um dos melhores livros de 2013 pelo jornal USA Today e bateu as vendas do bestseller anterior do autor, Os Inocentes, com 102.000 exemplares em apenas 12 semanas.

Há quem defenda que o segredo de tanto sucesso se deve às intrigas de espionagem de alcance internacional, ao suspense mantido até às últimas páginas, à escrita simples e acessível, à leitura viciante das obras que cria. Certo é que já vendeu mais 110 milhões de exemplares em todo o mundo, está traduzido em mais de 45 idiomas e presente em 90 países.

Depois de Os Inocentes, David Baldacci regressa agora às livrarias nacionais com um livro que tem o Médio Oriente como palco e uma cimeira internacional como alvo da próxima missão de Robie.

Robie é encarregado de matar uma «companheira de armas», depois de surgirem provas que apontam para que Jessica Reel, assassina de profissão como ele, terá mudado de campo. A missão de Robie consiste em apanhar Jessica Reel, morta ou viva. No entanto, Robie não tarda a dar-se conta de que a situação vai além da mera traição. Com efeito, por detrás do ataque de Reel esconde-se uma ameaça muito maior, e que poderá provocar ondas de choque suscetíveis de atingir o mundo inteiro.

«Baldacci escreve como ninguém sobre conspirações e conquista-nos com o seu herói solitário que luta contra tudo e contra todos.» The Washington Post

«Com um ritmo alucinante, personagens sedutoras e reviravoltas surpreendentes, O Atentado é, sem dúvida, um daqueles romances que prendem a atenção do leitor da primeira à última página.»
The Times-News

«O melhor romance de Baldacci nos últimos anos... Quando o livro chega ao fim, Baldacci conseguiu estabelecer com os leitores um elo emocional que permanece muito depois de eles terem chegado à última página.» Associated Press

«Uma intriga absorvente e ação que fazem disparar o ritmo cardíaco.» Daily Mail

«As páginas folheiam-se rapidamente, a ação progride a um ritmo acelerado, num livro repleto de surpresas e com emoções fortes em catadupa. Ou, numa única palavra: fascinante.» Deseret News

«Baldacci mantém a tensão crescente, proporcionando uma leitura absorvente, que avança a uma velocidade vertiginosa. Mais um êxito absoluto deste mestre do thriller.»Examiner.com






Vem aí o livro dos Mundiais

Tìtulo: Muito Mais do Que Um Jogo
Autor: Luís António Coelho
N.º de Páginas: 216
PVP: 14,99 €
Género: Não Ficção/Desporto
Nas livrarias a 16 de Abril
Guerra e Paz Editores

Sinopse:
Leia as mais vibrantes histórias dos Campeonatos do Mundo de Futebol

O futebol não nos obriga só a ser fiéis a um clube, a comemorar ou sofrer com os golos. O futebol também nos conta histórias. Dramáticas e redentoras, com heróis e vilões, capazes de despertar surpresa ou comoção. Muitas vezes, são histórias que se prolongam para além dos relvados.
Este livro, que percorre todos os Campeonatos do Mundo, é a melhor prova da dimensão épica do futebol. Alguns dos desafios mais lendários de sempre tiveram como palco o Mundial. E foi no Mundial que quase todos os grandes jogadores conheceram os seus maiores momentos de glória ou de desilusão.
Este livro recorda as melhores dessas histórias, os maiores dos protagonistas que o Mundial eternizou. Mas recupera também figuras que, embora tenham caído no esquecimento, ajudaram o futebol a tornar-se aquilo que é: muito mais do que um jogo.
Este é o jogo que nunca mais esqueceremos.

Sobre o autor:
Nasceu em Agosto de 1978. Durante a infância desejou ser, por esta ordem, cowboy, futebolista, piloto de Fórmula 1e tenista. Na adolescência reduziu as expectativas e limitou-se a querer ser escritor e realizador de cinema. Chegou à idade adulta e não foi nada daquilo que pensou estar-lhe destinado, mas variedade não lhe tem faltado no percurso profissional.
Trabalhou numa loja de música, no serviço de apoio a alunos com deficiência de uma faculdade, andou pelo jornalismo e deu formação de inglês, fez tradução e revisão de textos, e há vários anos que trabalha num hospital na aquisição de medicamentos.
Muito Mais do Que Um Jogo é o seu primeiro livro e permitiu-lhe conciliar duas paixões que o tempo não apagou: a escrita e o futebol.


sexta-feira, 11 de abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

O segundo volume da obra mais visionária de Stephen King, nas livrarias a 17 de abril

Título: A Escolha dos Três – A Torre Negra – Livro 2
Autor: Stephen King
Género: Romance / Fantástico
Tradução: Rosa Amorim
N.º de páginas: 424
Data de lançamento: 17 de abril
PVP: 17,70 €

Depois de seu confronto com o homem de preto no final de O Pistoleiro, Roland acorda e encontra três portas na praia do mar Ocidental. Todas elas o conduzem a Nova Iorque, mas em três momentos distintos no tempo. Através destas portas, Roland vai ao encontro das três personagens cruciais para a sua busca da Torre Negra.
Em 1987, ele encontra Eddie Dean, o Prisioneiro, um jovem viciado em heroína. Em 1964, conhece Odetta Holmes, a Senhora das Sombras, uma afro-americana que perdeu as pernas num acidente de metro e ganhou uma segunda personalidade. E em 1977, encontra Jack Mort, um homem responsável por crueldades inimagináveis.
Será que Roland encontrou novos companheiros para a demanda? Ou terá ele desencadeado algo totalmente diferente?
Passada num mundo de circunstância extraordinárias, com um imaginário visual espantoso e personagens inesquecíveis, a série A Torre Negra é ímpar. A obra mais visionária de Stephen King é um misto mágico de fantasia e horror.

Sobre o autor: 
Stephen King, apelidado por muitos de «mestre do terror», escreveu mais de quarenta livros, incluindo Carrie, A História de Lisey e Cell, Chamada para a Morte. Vencedor do prestigiado National Book Award e nomeado Grande Mestre nos prémios Edgar Allen Poe de 2007, conta hoje com mais de trezentos milhões de exemplares vendidos em cerca de trinta e cinco países. Números e um currículo impressionantes a fazerem jus ao seu estatuto de escritor mais bem pago do mundo.


Novidade Esfera dos Livros. "A Culpa "Não" é Sempre da Mãe" de Sónia Morais Santos

Sónia Morais Santos, jornalista e autora do conhecido blog Cocó na Fralda escreveu um livro bem humorado, com base em relatos de diversas mães, recorrendo à análise de psicólogos, pediatras, e com a experiência da autora de 12 culposos anos de maternidade.

«É tão certo como dois e dois serem quatro, como a noite vir a seguir ao dia, como o Natal ser a 25 de dezembro. Mãe que é mãe sente culpa. Culpa do que fez e do que não fez e podia ter feito. Culpa com fundamento e sem fundamento. Culpa por ter gritado, por ter chegado demasiado tarde a casa, culpa por aquela palmada, culpa por não ter lido a história para o filho adormecer, culpa porque perdeu as estribeiras quando ajudava os miúdos com os trabalhos de casa, culpa porque discutiu com o marido à frente das crianças, culpa por aquela perna partida do mais novo que aconteceu quando nem sequer estava presente (mas devia ter estado presente, claro, se estivesse presente a perna estava inteirinha, logo a culpa é só sua!)

Revê-se nisto? Já o sentiu? Fez um certo em todas as situações referidas ou em quase todas? Então este livro é para si.

Culpa, culpa, culpa. Porque é que somos tão duras connosco? Porque é que achamos que tudo é da nossa responsabilidade? Para quê insistir em sermos perfeitas quando a perfeição não existe?»

Com base em relatos de diversas mães, recorrendo à análise de psicólogos, pediatras, e com a experiência de 12 culposos anos de maternidade, a jornalista Sónia Morais Santos, mãe de três crianças, traz-nos A Culpa não é sempre da Mãe! Um livro bem-humorado da autora do blogue Cocó na Fralda, onde as leitoras se vão comover com algumas histórias, identificar-se com outras tantas situações, gozar consigo próprias, pensar sobre a maternidade e rir-se à gargalhada com situações por que todas nós já passámos. Porque a maternidade não é uma competição. Porque as mães não são super-heroínas, apenas mães e como todas nós sabemos … não há mães perfeitas!

Sobre a autora:
Sónia Morais Santos nasceu em Lisboa, em 1973. Licenciada em Ciências da Comunicação, começou a trabalhar em 1996. Primeiro na Rádio Clube de Sintra, depois com Pedro Rolo Duarte em diversos projetos: no programa «Mundo de Aventuras» da Rádio Comercial, nos programas «Canal Aberto» e «Falatório» da RTP. Quando surgiu o DNA (suplemento do Diário de Notícias), fez parte da equipa fundadora e ficou até à sua extinção. Nesses nove anos, fez reportagens, entrevistas, dedicou-se à crónica. Em 2006 integrou a secção de Sociedade do Diário de Notícias, onde continuou a fazer reportagens. Ganhou prémios de jornalismo, como o Prémio Revelação do Clube Português de Imprensa, o Prémio Norberto Lopes ou o Prémio AMI- Jornalismo Contra a Indiferença. Fez parte da equipa fundadora da Time Out Lisboa, onde foi editora executiva durante dois anos. Pelo meio, fez quatro programas de rádio na Antena 1. Atualmente colabora com a revista Notícias Magazine, Seleções do Reader’s Digest, Pais & Filhos e com o Jornal de Notícias.

É casada, tem três filhos e um blogue com nome escatológico, o Cocó na Fralda.





Morreu a criadora de Adrian Mole, Sue Townsend


Sue Townsend, criadora de Adrian Mole, morreu ontem, quinta-feira em sua casa. A escritora de 68 anos sofria de diabetes, o que a foi cegando nos últimos anos.

Mais informações aqui e aqui 

Morte em Palco - Caroline Graham [Opinião]

Título: Morte em Palco
Autor: Caroline Graham
Colecção: Crime à hora do chá
N.º de Páginas: 368
PVP: 14,90€

Sinopse:
Todos os atores adoram um bom drama e os membros da Causton Amateur Dramatic Society não fogem à regra. Românticas cenas de amor, momentos de ciúme e desespero, reconciliações operáticas, egos em fúria… as emoções estão ao rubro nesta produção amadora da peça Amadeus. Todavia, até as mentes mais criativas têm de admitir que assassinar o protagonista em palco é um pouco excessivo. Felizmente, o inspetor Tom Barnaby está na plateia e assume o controlo da situação. Da ex-mulher ressabiada a inesperados amantes secretos e atores invejosos, não lhe faltam suspeitos. O que parece faltar-lhe, sim, é objetividade. O bom inspetor conhece perfeitamente todos os envolvidos, são seus vizinhos e amigos, e por isso mesmo, conseguirá ver quem eles realmente são? 

A minha opinião: 
Neste segundo livro de Caroline Graham publicado na série Crime à Hora do Chá, o inspector Tom Barnaby vai-se deparar com um crime um tanto ou quanto peculiar.

Na estreia de uma peça de teatro amador, em Causten, uma pequena localidade britânica, um dos actores principais é assassinado. Mas o crime é quase perfeito. Na hora do protagonista fingir um suicídio com uma lâmina, que deveria ter sido protegida com fita adesiva, esta torna-se real e o actor acaba por morrer em palco. A assistir à peça está quase toda a população de Causton e, claro está, Tom, com a sua família.

Confesso que o início foi um pouco chato, com demasiadas descrições e demasiadas personagens, mas no momento antes do assassinato e depois disso, o romance começou a ganhar outra vida e transformou-se num excelente policial.

Quem segue a série na Fox Crime, depressa consegue visualizar Tom, Joyce e a população rústica, mas atractiva que aparece sempre nos crimes. Eu sou fã deste género de séries, mais "caseiras", onde toda a gente se conhece e onde qualquer um poderá ter motivos para ser o assassino. Muitas vezes motivos tão básicos, mas que acontecem na realidade.

Neste caso, o crime dá-se num grupo de teatro amador, sendo os principais e únicos suspeitos, claro está, os seus colegas de palco e bastidores.

Por um lado, temos uma esposa abandonada, trocada por uma jovem fogosa e que dá nas vistas, que também pertence à companhia; por outro, existem vários actores, seus colegas, que o detestam pela sua falta de modéstia, e por outro, pessoas mais frágeis que podem ter sido "gozados" num ou outro momento por ele.

Adoro policiais britânicos, desde que descobri Agatha Christie na minha juventude. Posso até arriscar que são os meus preferidos ainda. Caroline Graham consegue, além de criar uma intriga policial como é devido neste género de livros, mostrar os seus personagens tal qual eles são, simples, pessoas normais, o que dá um aspecto mais real a toda a narrativa. Mais uma vez recomendo a leitura desta série da Asa.

Excerto:
"Ter pena das pessoas não é bondade. Rebaixa-as. E aqueles que procuram a pena dos outros não merecem respeito."

Opinião de Morte na Aldeia aqui


Ebooks com a Sábado

Nos dias 10 e 17 de Abril a Revista Sábado vai disponibilizar os livros A Causa das Coisas de Miguel Esteves Cardoso e Longe de Manaus de Francisco José Viegas, ambos em formato ebook. Para tal bastante ler o QR Code presente na revista e desfrutar de uma boa leitura. Eu já tenho o do Miguel Esteves Cardoso, que espero ler brevemente. Resta-me esperar pelo de Francisco José Viegas, um autor que aprecio.

Novidade «Lá em casa Mando Eu» de Catarina Pereira e Manuel Neves

Título: Lá em casa mando EU!
Autores: Catarina Pereira e Manuel Neves
Género: Humor
N.º de páginas: 240
PVP: € 14,15

«O Manel tem uns boxers do Benfica. E eu podia terminar aqui que vocês já iam gozá-lo. Mas ele convenceu-se que, usando aqueles boxers nos jogos, o Benfica era invencível.» C.
«Não é que eu vá deixar de gostar dos filhos que tivermos, mas se um desses putos feiosos for do Porto, a mãe que os pariu que os leve a sair à noite, que aqui o “pai lampião” está a dormir.» M.

Sobre o livro:
Este é um livro de dois apaixonados, um casal que poderia ser igual a tantos outros. Poderia, mas não é. Ela é portista ferrenha; ele é doente do Benfica. Para além do amor que têm pelo outro e pelos seus clubes têm em comum o ódio pelo clube do outro.
Este livro é composto por uma série de textos muito divertidos sobre a vida dos autores, mas sempre em relação directa com o futebol.

Sobre os autores:
Catarina Pereira é jornalista da tvi24.pt. Nasceu no Porto, na época de 1986/1987 e logo para ver o FC Porto a ganhar o título de Campeão Europeu. Portista ferrenha está até hoje para perceber como é que se conseguiu apaixonar por um lampião da pior espécie.
Manuel Neves nasceu para ser do Benfica. Nada na sua vida é ao acaso, nem o ano em que nasceu (1984 ano em que o Benfica se sagrou campeão Nacional). Quando não é adepto do Benfica é médico, profissão que adora, mas ainda sonha vestir a camisola 7 e levar o Estádio da Luz ao delírio.


quinta-feira, 10 de abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Porto Editora publica novo livro de Luis Sepúlveda: História de um caracol que descobriu a importância da lentidão

Título: História de um caracol que descobriu a importância da lentidão
Autor:
Luis Sepúlveda
Ilustrações: Paulo Galindro
Tradutor: Helena Pitta
Págs.: 112
PVP: 13,30 €

Luis Sepúlveda tem um novo livro dedicado a jovens e adultos: História de um caracol que descobriu a importância da lentidão. Com publicação marcada para dia 17 de abril, esta novidade ilustrada por Paulo Galindro narra a aventura de um caracol sem nome que, inconformado com a sua lentidão, ousa ultrapassar os limites que lhe tentavam impor e parte numa viagem para o desconhecido. Um livro sobre a rebeldia de ultrapassar barreiras impostas e preconceitos, em busca da liberdade.
História de um caracol que descobriu a importância da lentidão vem juntar-se a outros livros do género, já publicados pela Porto Editora: História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, com cerca de 90 mil exemplares vendidos em Portugal, e de História de um gato e de um rato que se tornaram amigos, lançado no ano passado com assinalável sucesso.

Sinopse:
Os caracóis que vivem no prado chamado País do Dente-de-Leão, sob a frondosa planta do calicanto, estão habituados a um estilo de vida pachorrento e silencioso, escondidos do olhar ávido dos outros animais, e a chamar uns aos outros simplesmente «caracol». Um deles, no entanto, acha injusto não ter um nome e fica especialmente interessado em conhecer os motivos da lentidão. Por isso, e apesar da reprovação dos restantes caracóis, embarca numa viagem que o vai levar ao encontro de uma coruja melancólica e de uma tartaruga sábia, que o guiam na compreensão do valor da memória e da verdadeira natureza da coragem, e o ajudam a orientar os seus companheiros numa aventura ousada rumo à liberdade.

Sobre o autor:
Luis Sepúlveda nasceu em Ovalle, no Chile, em 1949. Da sua vasta obra (toda ela traduzida em Portugal), destacam-se os romances O Velho que Lia Romances de Amor e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar. Mas Mundo do Fim do Mundo, Patagónia Express, Encontros de Amor num País em Guerra, Diário de um Killer Sentimental ou A Sombra do que Fomos (Prémio Primavera de Romance em 2009), por exemplo, conquistaram também, em todo o mundo, a admiração de milhões de leitores.


Apresentação de "O Ataque aos Milionários" de Pedro Jorge Castro por Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, dia 15 de abril, às 18h00, na FNAC Santa Catarina



Livraria Bertrand espalha mil livros a 23 de abril

Abril, livros mil.

Livros para encontrar e vales para comprar mais livros.

No dia 23 de abril, para comemorar o dia mundial do livro, as Livrarias Bertrand vão libertar mais de mil (1000) livros por todo o país, em autocarros, jardins, estações de metro e outros transportes públicos. Os livro deixados neste Bookdropping estarão acompanhados de um vale de desconto no valor de 5€ que poderá ser utilizado em compras em qualquer livraria Bertrand. Esta ação vai decorrer em 29 cidades onde a Bertrand está presente. Os leitores são convidados a fotografar os seus achados e publicar a fotografias usando as referências #bookdropping e #livrariasbertrand, no facebook e instagram (rede a que recentemente a Bertrand Livreiros aderiu).

Ainda para celebrar o mês do Dia Mundial do Livro – comemorado a 23 de abril, decretado pela Unesco e coincidente com a morte de Miguel de Cervantes e o nascimento de Nabokov – as livrarias Bertrand publicam mais um número da Somos Livros, com um conto inédito de Valério Romão, uma entrevista com Beatriz Batarda e o habitual catálogo de descontos.

No dia 23 de abril, em Lisboa, está agendado um Ler no Chiado especial. Esta edição extra da tertúlia moderada por Anabela Mota Ribeiro será dedicada aos livros e liberdade de expressão, intitulada «O Livro é uma Arma» conta com a presença de escritores, jornalistas e editores. No Porto, no mesmo dia, haverá Encontro com Autores. Na Bertrand do Shopping Cidade do Porto, às 18h30, Manuel Jorge Marmelo, Miguel Miranda e Richard Zimmler falam com Tito Couto sobre os livros que marcaram as suas vidas.


O Tamanho da Culpa é novo livro de Jorge Vieira Cardoso

O Tamanho da Culpa é novo livro de Jorge Vieira Cardoso. Publicado pela Chiado Editora a sua apresentação será a 31 de Maio na Lixa. O local e a hora ainda carecem de confirmação.
quarta-feira, 9 de abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

12 ABR.| 17h30| Cascais - Estilista Nuno Gama, acompanhado pelos seus amigos de quatro patas, apresenta o livro «Conversas com Animais», de Marta Sofia Guerreiro


Porto Editora: Apresentação da nova coleção de Álvaro Magalhães

Títulos: Mexe esse rabo gordo, pá! | Parem a Terra que eu quero sair!
Autor:
Álvaro Magalhães
Coleção: Picasso & Van Gogh
Público-alvo: 6-10 anos
Págs.: 48
Capa: dura
PVP: 9,90 €
A Porto Editora acaba de publicar os primeiros dois livros de Picasso & Van Gogh, uma nova coleção para crianças, da autoria de Álvaro Magalhães, um dos mais prestigiados autores portugueses de literatura infantil. A apresentação acontece este sábado, 12 de abril, às 15:00, na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto. As ilustrações de Mexe esse rabo gordo, pá! e de Parem a Terra que eu quero sair! são de Carlos J. Campos. Esta série de divertidas aventuras destina-se a crianças dos seis aos dez anos.
Álvaro Magalhães, autor de mais de oitenta livros para crianças, assinalou recentemente trinta anos de vida literária.

Sobre a coleção:
Picasso & Van Gogh, gato e cão, vivem em casa de uma pintora e nem se dão mal. Van Gogh é um cão ingénuo e generoso e Picasso um gato gordo e pachorrento, que sonha com uma vida (ainda mais) sossegada, sem ontem nem amanhã. Mas isso era se não houvesse no mundo tantos Duas Patas (nós, as pessoas). Mas há.

MEXE ESSE RABO GORDO, PÁ!
Picasso está muito ocupado a descansar, não quer investigar o misterioso desaparecimento do retrato do pai, e nem Van Gogh o consegue convencer. Mas quando ele descobre, no forro da almofada, o mapa de um tesouro escondido, arrisca sair de casa e viver uma aventura – a sua primeira aventura.

PAREM A TERRA QUE EU QUERO SAIR!
O que se passa? Não há comida nem aquecimento ligado? Para Picasso, a culpa é de uma tal Crise. Ou então é porque a Terra está a dar uma volta e nós estamos de cabeça para baixo. Mas o pior foi quando os levaram de casa, cão e gato, em duas gaiolas. Iriam abandoná-los?

Sobre o autor:
Álvaro Magalhães nasceu no Porto, em 1951. A sua obra para crianças e jovens, que integra poesia, conto, ficção e textos dramáticos, repartindo-se por cerca de 80 títulos, caracteriza-se pela originalidade e invenção, quer na escolha dos temas quer no seu tratamento. Foi várias vezes premiado pela Associação Portuguesa de Escritores e Ministério da Cultura. Em 2002, O limpa-palavras e outros poemas foi integrado na Honour List do Prémio Hans Cristian Anderson e, em 2004, Hipopóptimos – Uma história de amor foi distinguido com o Grande Prémio Calouste Gulbenkian.
Várias das suas publicações integram o Plano Nacional de Leitura e constam do corpus das Metas Curriculares de Português. Parte da sua obra (21 títulos) está publicada em Espanha, França, Brasil
e Coreia do Sul.


Guerra & Paz faz oito anos


A editora Guerra e Paz editores completa amanhã 8 anos. Aqui fica a breve história:
Na tarde do dia 10 de Abril de 2006, no Auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian, estando na mesa como convidados, entre outros, João Bénard da Costa, Maria Filomena Mónica e Maria Andresen Sousa Tavares, nasceu a Guerra e Paz editores. Os primeiros livros apresentados nessa sessão eram a «Correspondência» de Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner e «Fama e Segredo na História de Portugal», de Agustina Bessa-Luís. Ao lado do editor Manuel S. Fonseca, Agustina devia ter presidido a essa sessão, mas um problema de saúde forçou a que a sua amiga Inês Pedrosa a substituísse. Agustina não voltou a recuperar e foi esse o último livro que escreveu para a Guerra e Paz.

Uma editora é uma casa de histórias. Um lugar de drama, por vezes de comédia, um lugar de conversa e um lugar de pensamento. Tudo isso, ao longo de oito anos, foi também a Guerra e Paz Editores. Já publicou Eça, Camilo, Camões e Pessoa. Como já publicou algumas das correspondências de Jorge de Sena. No seu arranque, a editora viveu sobretudo de desafios. Convidou, por exemplo, Eduardo Prado Coelho para fazer uma radiografia dos símbolos cultos ou populares que são uma marca da identidade portuguesa. Nasceu assim «Nacional e Transmissível», um livro surpreendentemente confessional, delicadamente íntimo, o livro em que Eduardo Prado Coelho se despede, tranquilo, irónico, sedutor, da vida e de Portugal.

Houve fracassos e sucessos. O maior de todos, com vendas que atingiram os 170 mil exemplares, foi «Maddie, A Verdade da Mentira», da autoria do inspector Gonçalo Amaral. Hoje, a colecção mais popular da editora é o «Clube do Livro SIC», uma colecção que combina testemunhos, livros de entrevistas e de auto-ajuda, romances.

A Guerra e Paz é uma casa de histórias, mas é também uma casa de reflexão. Os seus «Livros Politicamente Incorrectos» andam à procura de leituras controversas da História, da actualidade e das artes portuguesas. É uma colecção onde se escreve hoje o que se há-de pensar amanhã.

Numa colaboração com a SPA, criou-se «o fio da memória», uma colecção que quer registar, contra o esquecimento, pela palavra dos próprios, vidas e obras que marcaram Portugal, como seja o caso dos livros de e sobre Eduardo Lourenço e Cruzeiro Seixas. Esta é a Guerra e Paz Editores, que acabou de publicar «Portugal, A Economia de uma Nação Rebelde», de José Manuel Félix Ribeiro, e vai já publicar, a seguir, «Retratos de Camões», de Vasco Graça Moura.


Com Manuel S. Fonseca, trabalham Tânia Raposo, na área editorial, Ilídio Vasco, na área de design gráfico, José Cardoso, na área financeira, Américo Araújo, na área comercial, Vânia Custódio, na comunicação, e Carla Castela, na área administrativa. Todos juntos, dão corpo a uma pequena editora portuguesa, independente, distribuída pela VASP, com parcerias com a SIC e a SPA. Três accionistas apenas: Manuel Fonseca, António Parente através da Madre SGPS, e Abílio Nunes. É esta a Guerra e Paz. Com oito anos, 294 títulos publicados, porque é preciso virar a página. Dizem em comunicado.

O Marcador de Livros endereça os parabéns a esta ainda jovem editora, mas que tem vindo a publicar livros que ficarão na memória e nas bibliotecas dos seus leitores.


 A Guerra e Paz faz a festa com a reedição, em novos formatos ou com alterações gráficas e acrescentos, de dois dos mais prestigiantes títulos do seu catálogo.

A «O Livro de Agustina», a única autobiografia da maior escritora portuguesa, aliamos a reedição de «As Meninas», um livro precioso onde a escrita de Agustina Bessa-Luís encontra a pintura de Paula Rego. Dois livros lindos que são dois estimáveis objectos para coleccionadores, para bibliófilos. Mas dois livros, também, com uma escrita fulgurante: n’ «As Meninas», Agustina transforma Paula Rego numa das suas personagens, atacando-lhe os segredos, as suas coisas proibidas, as suas conspirações; n’«O Livro de Agustina», Agustina ficciona as suas próprias vivências, em trechos tão deliciosos como este:
“Nessa altura já me chamavam a eremita de Esposende. Estava a tornar-me típica e, além disso, a ficar bronzeada. Detesto apanhar sol, partilho aquele preconceito que a própria Sulamita confessou, que era o ser morena. Não se é Bessa Leite sem motivo.”

Sobre As Meninas:
O texto de Agustina Bessa Luís é espantoso. Belíssimo.
Francisco José Viegas

… chega-me o soberbo livro de Agustina Bessa-Luis sobre alguns quadros de Paula Rego intitulado As Meninas… livro de iniciação: às vezes esquecemo-nos de que Agustina é uma feiticeira… Maria Elisa

É aí que Agustina entra. E parecendo que não, como ficcionista consumada, mais do que interpretar as personagens acaba, afinal, por fazer de Paula Rego também uma personagem. Vasco Graça Moura




Sobre O Livro de Agustina:
E acho que o texto está muitíssimo bem adaptado àquele grafismo. Acho que é um belo livro. Agustina, ela-própria sobre a primeira edição deste livro

O Livro de Agustina. A escritora escreveu o texto, deu as fotografias do seu arquivo pessoal. Não é uma fotobiografia. O que é? Um acompanhamento. Como numa procissão. Tereza Coelho

… um belo livro sobre uma personagem extraordinária – e uma meditação sobre a vida que Agustina aceita descrever. Francisco José Viegas





Conheça a "A Força das Palavras" de Gustavo Santos

Um dos maiores problemas da nossa sociedade em geral é a não-comunicação ou a má comunicação entre as pessoas. Esta falta de capacidade para comunicar resulta sempre em mal-entendidos, conflitos desnecessários e em enormes doses de sofrimento. Quantas vezes já dissemos sim quando nos apetecia dizer não? Com medo de magoar alguém, de melindrar o outro, acabamos por nos magoar a nós.

Todos nós já ficámos arrependidos de não termos sido capazes de dizer “obrigado” no momento certo. E todos nós já fomos tocados por alguém que simplesmente nos pediu perdão com toda a sua sinceridade…

A Força das Palavras. A assertividade. Gustavo Santos aborda neste livro a importância de sermos coerentes com aquilo que pensamos e sentimos, e dize-lo sem falsos moralismos ou pena de alguém, apenas porque nos respeitamos.

Sobre o livro:
Quantas vezes querias ter dito «não» e acabaste por dizer «sim» porque tiveste medo de magoar alguém? Porque achaste que o outro ia gostar menos, ou se calhar pensar mal de ti? Pensa bem. E como é que te sentiste a seguir? Feliz e bem contigo próprio, ou desiludido, frustrado e triste? Quantas vezes já disseste com todo o coração «obrigado»? Quantas vezes te sentiste tocado por o perdão de alguém? Quantas vezes usaste a palavra «amor» com todo o teu coração? As palavras que dizemos no nosso dia a dia têm um poder capaz de transformar a nossa vida de um momento para o outro. Escolhi abordar a força das palavras neste meu novo livro, pois tenho vindo a constatar, infelizmente e com maior frequência nos meus workshops, conferências e sessões individuais de coaching, que as pessoas vivem com uma enorme dificuldade em dizer o que realmente pensam e sentem. É-lhes estranho afirmar as suas verdades e assumir aquilo em que acreditam, pois, e consecutivamente, escolhem não ser a sua prioridade! Isso, além de perigoso, afasta-as do comando das suas vidas, da confiança e, por conseguinte, da assertividade e da felicidade. Nos meus anteriores livros – Arrisca-te a Viver e Agarra o Agora – falei-te sobre essa maravilhosa possibilidade que temos de sair da nossa zona de conforto e arriscarmos a fazer diferente, isto é desligar a mente para ligar o coração naquele momento mágico e único que é o "Agora". Neste livro falo-te de um poder diferente. A força das palavras, daquilo que nós dizemos aos outros e também a nós próprios. E ser assertivo não é mais do que sermos coerentes com aquilo que pensamos e sentimos e afirmá-lo, sem apelo nem agravo, sem falsos moralismos, nem pena de ninguém, apenas e somente porque nos respeitamos.
 Um livro poderoso que inclui 10 palavras potenciadoras capazes de transformar a tua vida.


Sobre o autor:
Gustavo Santos nasceu a 27 de maio de 1977 e, desde cedo, dedicou-se às artes. Iniciou a sua aventura profissional na dança, tendo-se tornado campeão mundial de Hip-Hop com o grupo Hexa, em Los Angeles. Após algumas lesões que o obrigaram a ter de escolher outro rumo de vida, enveredou pela representação, tendo participado em algumas peças de teatro e inúmeras séries e telenovelas bem conhecidas do público português. É apresentador do programa da Sic Mulher, Querido, mudei a casa. Paralelamente a toda esta jornada, houve algo que nunca mudou: a sua paixão pelas palavras. Iniciou-se pela literatura, tendo já publicado três romances. Com a chancela de A Esfera dos Livros publicou Arrisca-te a Viver, que se encontra em 6ª edição e Agarra o Agora, em 3.ª edição. Na área da valorização pessoal é orador em inúmeras palestras. Arrisca-te a Viver é a espinha dorsal do que acredita serem as bases de uma vida feliz. Como costuma dizer: «Eu partilho o meu conhecimento e dou as ferramentas, a mudança depende de cada um.» É formado em Coaching segundo as normas da ICF.
Blogue: gustavosantosescritor.blogspot.com

Novo livro de Miguel Esteves Cardoso publicado a 22 de Abril

Título: Amores e saudades de um português arreliado
Autor:
Miguel Esteves Cardoso
Págs.: 328
Capa: mole
PVP: 16,60 €

A Porto Editora publica, a 22 de abril, o novo livro de Miguel Esteves Cardoso, intitulado Amores e saudades de um português arreliado. O sucessor do grande êxito Como é linda a puta da vida, editado em 2013, vai ser apresentado no início de maio em Lisboa e no Porto.
No prefácio desta nova obra, MEC explica que «dantes tentava escrever coletivamente, generalizando sempre que podia», mas que, atualmente, tem aprendido que «é melhor» escrever sobre os próprios sentimentos, porque «os leitores facilmente apagam e substituem os objetos de amor, saudade e arrelias» que o agitaram. Até porque «uma emoção bem contada é uma emoção que toda a gente sente». E remata: «a melhor coisa que pode acontecer a quem escreve é alguém, do outro lado, pensar “sim, é mesmo assim”».

Amores e saudades de um português arreliado é apresentado a 3 de maio, em Lisboa, na nova loja A Vida Portuguesa, no largo do Intendente, e a 10 de maio, no Porto, na Casa das Artes.

Em 2013, Como é linda a puta da vida foi apresentado em Lisboa, nos Pastéis de Belém, e no Porto, na Biblioteca Almeida Garrett, perante quase 500 pessoas.

Juntamente com este novo livro, vai chegar às livrarias As minhas aventuras na República Portuguesa (revistas). No total, são 7 as obras de MEC – com  capas de Rui Ricardo – publicadas pela Porto Editora.

Sobre o novo livro:
«A única coisa é a vida. A única coisa é a vida de cada um. Sem vida, nada feito. Viver não é a melhor coisa que há: é a única coisa. Cada momento da vida não é único. Mas há momentos únicos. A nossa felicidade não é passá-los como quisermos. É dar por ela a aproveitá-los. (…) A única coisa é saber que um dia virá em que nos será tirada a vida. Para sempre. Mas, por sabermos isso, não podemos perder tempo a pensar  nisso. (…) A única coisa é estar aqui, agora, a escrever isto. Enquanto posso. Enchendo-me de alegria.»

Sobre o autor:
Em 1955 nasceu em Lisboa. Em janeiro de 1981 nascem em Manchester as duas filhas, Sara e Tristana. Em 2000 casou-se com a Maria João Lopes Pinheiro, amor da vida dele. A partir desse ano, dedica-se tanto ao casamento como ao trabalho. Desde 2009 escreve diariamente no Público e, em 2013, passa a ser autor da Porto Editora, a quem confia a obra inteira. É feliz da vida e vive com a Maria João em Colares.


Baptista-Bastos editado na Bulgária

A prestigiosa editora Ferrago Print, de Sófia, Bulgária, vai publicar o romance de Baptista-Bastos Viagem de um Pai e de um Filho pelas Ruas da Amargura, em tradução de Sidónia Poljarieva, professora e investigadora de literatura portuguesa.

Esta obra é a quarta do autor editada naquele país, depois de As Palavras dos Outros, Cão Velho entre Flores e O Cavalo a Tinta-da-China. De salientar, igualmente, que o romance Cão Velho entre Flores foi, há anos, o livro mais requisitado na Biblioteca Municipal de Sófia.



Imagem... mil palavras #6


Corpos Subtis, de Norman Rush, nas livrarias a 17 de abril

Tìtulo: Corpos Subtis
Autor: Norman Rush
Género: Romance
Tradução: Tânia Ganho
N.º de páginas: 232
Data de lançamento: 17 de abril
PVP: 16,60 €

Do vencedor do National Book Award
«Na obra de Norman Rush encontram-se algumas das páginas mais extraordinárias escritas por um romancista americano contemporâneo.» James Wood

Nina e Ned estão a tentar conceber um filho. Em pleno período fértil de Nina, Ned apanha subitamente, e sem aviso prévio, um avião, para ir ao funeral de Douglas, um misterioso amigo dos seus tempos de estudante. Nina, furiosa, põe-se a caminho, atrás dele, para poderem ir para a cama no momento certo.
Douglas era o chefe de um círculo de amigos da faculdade, e Nina estranha o ascendente que, volvidos tantos anos e malgrado o afastamento, o grupo – e em especial Douglas, mesmo depois de morto – tem sobre o marido.
Corpos Subtis explora a reconfiguração e a reavaliação desse grupo de amigos, na sequência da morte de um deles, e questiona as razões pelas quais fazemos os amigos que fazemos, porque os conservamos e qual o sentido que damos às nossas histórias pessoais.
É um retrato sábio e divertido, e uma observação finíssima da inconstância das relações e das novas verdades que podem emergir de velhas certezas.
Como a toda a obra de Norman Rush, a Corpos Subtis também se aplica a máxima «ficção é a verdade contada de forma excessiva e belíssima». É também uma envolvente e rigorosa lição na arte do romance.

Sobre o autor:
Norman Rush é autor de quatro romances, entre eles um vencedor do National Book Award (Mating, a ser publicado pela Quetzal). Trabalhou no Corpo de Paz, no Botswana, e vive na zona norte do estado de Nova Iorque. Corpos Subtis, o seu mais recente romance, acabado de aparecer em língua inglesa pela Granta, é uma aguardada estreia literária em Portugal.

Cruzeiro Seixas no fio da memória

Título: Cruzeiro Seixas: A Liberdade Livre
Diálogo com José Jorge Letria
N.º de Páginas: 136 páginas
PVP: 13,99 €
Género: Não Ficção/Biografia
Nas livrarias a 16 de Abril
Guerra e Paz Editores | o fio da memória

Sinopse:
Artur Cruzeiro Seixas é um artista livre. É poeta, é pintor, por esta ou por outra ordem, de preferência pela desordem que se queira.

Neste livro, em entrevista a José Jorge Letria, Cruzeiro Seixas fala de tudo, das suas viagens por vários continentes, da sua paixão por África, da sua participação e forte envolvimento nos movimentos surrealistas, da sua criação artística. Fala com humor, irreverência, sem reservas.

Isto é, fala com liberdade, com a liberdade livre que é seu apanágio. Uma e a mesma fidelidade perpassam nas palavras deste artista, a fidelidade à criação, e a total abertura à descoberta ou, como ele diz: «O mundo está grávido de algo que ainda ninguém sabe o que vai ser.»

Sobre o autor:
É um artista plástico, comprometido com uma estética surrealista, a que se ligou no final dos anos 40 e da qual nunca mais abdicou.
Viveu intensamente. Viajou pelo mundo e radicou-se em Angola durante quase 20 anos. A vivência de África e o mergulho na etnografia e nas «artes primitivas» invadem toda a sua
obra.
É poeta. Os seus Desaforismos, tão belos como haikus, deviam ser lidos nas escolas como forma de abrir as mentes: «Por toda a parte há sonhos a empurrar outros sonhos para o abismo.»

Sobre a colecção
o fio da memória é uma colecção que quer preservar uma património cultural precioso: vida e obra de grandes artistas, escritores e pensadores portugueses. E quer fazê-lo de uma forma simples: dando voz aos próprios.
Numa entrevista conduzida por José Jorge Letria, o artista plástico e poeta Cruzeiro Seixas fala de si, da sua obra e do seu tempo. É a liberdade em discurso directo.

Próximo volume: João Abel Manta
terça-feira, 8 de abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Deixa Dormir o Diabo - John Verdon [Opinião]

Título: Deixa Dormir o Diabo
Autor:
John Verdon
Tradução: José Lima Ferreira
Págs.: 480
Capa: mole
PVP: 16,60 €

Sinopse:
David Gurney, um ex-detetive da Polícia de Nova Iorque, aceita encontrar-se com uma jovem que está a realizar um documentário sobre o Bom Pastor. Uma década atrás, uma série de assassinatos fizeram deste serial killer notícia de primeira página. Mas os crimes pararam, sem que ninguém tenha percebido porquê. Para o FBI este era um caso arquivado, até que Gurney descobre elementos que a investigação inicial tinha desprezado e arrisca a própria vida para encontrar o Bom Pastor, transformando-se no próximo alvo do assassino.
Dave Gurney sabe que está perante um homem perigoso e inteligente … um diabo que despertou.

A minha opinião: 
Estreei-me com John Verdon no livro Pensa num Número (opinião aqui), que não me impressionou por aí além. No entanto, fiquei curiosa com a sinopse deste seu novo livro e decidi arriscar. Em boa hora o fiz porque este livro é muito bom.

Verdon pega num assassino em série, que matou seis pessoas há 10 anos, e trá-lo novamente para a realidade actual. Com o objectivo de ajudar uma jovem num documentário sobre os assassinatos do Bom Pastor, David Gurney, um ex-detective da Polícia de Nova Iorque, acaba por se envolver mais do que queria inicialmente na investigação de uma assassino que nunca foi descoberto.

David Gurney é uma personagem com uma certa complexidade. Depois de uma vida cheia de aventuras, onde foi considerado um super polícia, o ex-detective vive na monotonia, em depressão, depois de ter sido ferido em serviço e acabado por se aposentar.

Confesso não criei imediatamente empatia por ele, talvez por no início se ter tornado numa personagem apática, que se esquecia de coisas básicas. No entanto, com o desenrolar da história e da investigação iniciada por uma jovem, Kim, perguntei-me várias vezes porque é que se retirou daquilo que sabe fazer melhor: apanhar assassinos.

Com a investigação em andamento, depressa Gurney como Kim se tornam de descobridores da verdade a possíveis alvos a abater. São escutas e estranhas gotas de sangue que aparecem em casa de Kim, até ao fogo no celeiro e cartas ameaçadoras... tudo passa por ambos, mas não os leva a desistir.

Tudo isso fez com que todos os momentos livres que tive fossem dedicados a desvendar o mistério que estava por detrás do Bom Pastor. Gostei da lógica estabelecida por David até chegar ao assassino, embora só descobrisse quem era bem no final do livro.

Verdon, além de criar um detective bastante "real", imprimiu-lhe vida pessoal, coisa que valorizo num policial/trhiller. A par da investigação é-nos dado a conhecer a vida pessoal do protagonista, a sua mulher, um grande apoio, o seu filho um pouco esquecido durante grande parte da sua vida, mas que passa a ter uma papel importante agora, o facto de ser um pouco esquecido em relação a questões domésticas e pessoais, mas bastante atento a tudo o que se passa a nível da investigação.

Em suma, um livro muito bem escrito, com muita acção e bem planeado. Bem melhor que o primeiro.

Recomendo.


5 abril | 19h| Lisboa (LX Factory - Ler Devagar) - Lançamento de «O Livro da Tua Vida", de Sara Rodrigues


Novidades Assírio & Alvim - Fernando Pessoa e Jorge Sousa Braga

Título: Poemas Esotéricos
Autor:
Fernando Pessoa
Organização: Fernando Cabral Martins e Richard Zenith
N.º de Páginas: 168
PVP: 9,90 €

Cinco poemas inéditos alteram o nosso conhecimento sobre a poesia ortónima

No próximo dia 17 de abril, a Assírio & Alvim publica Mensagem e outros poemas sobre Portugal e Poemas Esotéricos, os próximos dois livros da Coleção Pessoa Breve, organizada por Fernando Cabral Martins e Richard Zenith.


Título: Mensagem e outros poemas sobre Portugal
Autor:
Fernando Pessoa
Organização: Fernando Cabral Martins e Richard Zenith
N.º de Páginas: 176
PVP: 9,90 €

O volume Mensagem e outros poemas sobre Portugal revela-nos agora cinco poemas inéditos que revolucionam o nosso conhecimento sobre Fernando Pessoa ortónimo. De acordo com Richard Zenith, pensava-se até agora que Fernando Pessoa, em adulto, só tinha começado a versejar em português em 1908 — os poemas inéditos incluídos neste volume, datáveis de 1906, colocam em causa essa teoria. Para além da Mensagem, e dos poemas inéditos, este livro inclui ainda poemas antimonárquicos, antissalazaristas e muitos outros relacionados com a história, a política e o destino de Portugal. Poemas Esotéricos apresenta-nos uma antologia rigorosa de um dos temas que mais fascinaram Fernando Pessoa, e que mais fascina os seus leitores. A temática do oculto está muito presente na obra de Fernando Pessoa, sobretudo na poesia que assina com o seu próprio nome. O mistério, Deus, o além, o símbolo, a iniciação são alguns dos seus elementos. Aqui se antologiam poemas ortónimos marcados pelo
esoterismo, que são também dos mais belos que escreveu.
 
Sobre o autor: 
Fernando Pessoa nasceu em Lisboa a 13 de junho de 1888. Em vida apenas publicou uma ínfima parte da sua vasta obra. O trabalho em redor da famosa arca pessoana continua, ainda hoje, a mostrar ao público novos inéditos, alguns deles a revelar em livros futuros desta coleção. É, a par de Camões, o maior ícone da literatura portuguesa, estando traduzido em dezenas de línguas, do espanhol ao inglês, do russo ao japonês. Faleceu a 30 de novembro de 1935 na mesma cidade que o viu nascer.

Título: O Poeta Nu
Autor:
Jorge Sousa Braga
N.º de Páginas: 384
PVP: 22,00 €
Coleção: Documenta Poética

A Assírio & Alvim publica, a 17 de abril, a nova edição de O Poeta Nu, um volume que reúne toda a poesia de Jorge Sousa Braga e inclui já o seu último livro, O Novíssimo Testamento e Outros Poemas.
«Nestas trezentas e tantas páginas desvenda-se uma visão do mundo que poetiza todas as coisas. […] O poeta, ao jeito dos grandes mestres asiáticos, enumera e combina estorninhos e nuvens, cisnes e macieiras, tentando que a transparência mas também a densidade misteriosa da natureza revelem a sua especial sabedoria. [...] É uma súmula da poesia de Jorge Sousa Braga, que vê sempre o lírio que há em todo o delírio.» Pedro Mexia, Público
«A poesia de Jorge Sousa Braga ganha muito em ser reunida: ganha a consistência de uma inventividade, também formal, que abre para uma utopia do literário, para uma libertação da palavra que tem muito mais o carácter de um método do que de uma fórmula. A poesia de Jorge Sousa Braga [...] nasce da mais primordial atitude poética: o amor pelas palavras, pelo ilimitado a que elas dão acesso.» António Guerreiro, Expresso

POEMA DE AMOR
Esta noite sonhei oferecer-te o anel de Saturno
E quase ia morrendo com o receio de que não
te coubesse no dedo

Sobre o autor:
Jorge Sousa Braga nasceu em 1957, em Cervães, e concluiu o curso de Medicina da Universidade do Porto em 1981 com a especialidade de Obstetrícia / Ginecologia. Autor de uma singular obra poética tem participado também em numerosas antologias de poesia, como organizador e tradutor, e tem-se dedicado à escrita de livros infantis. O seu Herbário foi distinguido com o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura Infantil.



TOPSELLER: Uma história comovente sobre uma filha em busca do pai

«Uma história de amor palpável, de busca emocional e aceitação, e com um final que nos proporciona uma leitura envolvente e sentida.» - Publishers Weekly

«Um livro que encantará os seus leitores…vívido e escrito com uma imensa profundidade de sentimentos.» - Library Journal

O Jardim das Memórias, um romance envolvente de Amy Hatvany, chega às livrarias nacionais no dia 10 de abril (Topseller I 384 pp I 18,79€). A Topseller disponibiliza os primeiros capítulos para leitura imediata, aqui.

Uma história comovente sobre uma filha em busca do pai.
Quando Eden tinha dez anos, encontrou o pai, David, caído no chão da casa de banho. A tentativa de suicídio conduziu ao divórcio dos pais e David desapareceu quase por completo da sua vida. Vinte anos depois, Eden é uma chef bem-sucedida, mas após uma série de relacionamentos românticos falhados percebe que é tempo de procurar o pai, que se encontra a viver na rua, para poder perdoá-lo e seguir em frente.
A sua busca leva-a até um albergue para sem-abrigo e até Jack Baker, o diretor. Jack convence Eden a fazer trabalho de voluntariado no albergue e, em troca, ajuda-a na sua busca. À medida que Eden e Jack se apaixonam e a sua procura os aproxima de David, Eden vê-se obrigada a enfrentar as suas verdadeiras emoções e a dolorosa pergunta acerca do pai: será que depois de todos aqueles anos ele quer mesmo ser encontrado?
Enquanto Eden não fizer as pazes com o passado, jamais será capaz de abraçar o futuro…

Sobre a autora:
Escritora norte-americana formada em Sociologia, a experiência académica de Amy Hatvany possibilitou-lhe um grande conhecimento da natureza humana. Nos seus livros aborda diversos temas controversos, incluindo doenças mentais, violência doméstica e alcoolismo.
É autora dos livros The Language of Sisters, Heart Like Mine, Safe With Me e de O Jardim das Memórias, o seu título de maior êxito, que a Topseller se orgulha de publicar. Os seus livros têm sido alvo de grandes elogios por parte da crítica. Saiba mais sobre a autora em www.amyhatvany.com.