sexta-feira, 13 de junho de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Coolbooks - primeiro evento Coolbooks (Instituto Camões)



Apresentação de O Menino de Deus

O que têm em comum Catarina Furtado, Mário Augusto e Valter Hugo Mãe? Os três ficaram rendidos ao caso espantoso de João Carlos Costa, um menino português com autismo, que, para surpresa de familiares e terapeutas, consegue comunicar através da escrita. O Menino de Deus é um livro que vai dar que falar e cuja apresentação está agendada para dia 19 de junho, às 18:30, na CasaPorto.

Tu, João, com este livro, estás a ensinar-nos a viver num outro estado, mas isso só acontecerá se estivermos realmente disponíveis. Catarina Furtado

Obriga a pensar. Obrigado, João, pela tua vontade, pelas tuas palavras e pela partilha de emoções fortes. Mário Augusto

Este livro é humanidade. Faz de nós gente. Valter Hugo Mãe, do prefácio

Parabéns Fernando Pessoa!

Imagem retirada da internet

A estante está mais cheia #15

Depois de ter lido excelentes críticas na blogosfera sobre A Casa Negra de Peter May, decidi que não podia perder a oportunidade de ler este excelente livro. Agradeço à Marcador por me ter proporcionado tão boa leitura. A opinião pode ler-se aqui.

Mais um livro de Ken Follett, mais uma opinião (aqui). Por cortesia da Editorial Presença, pude ler, logo que saiu, Os Filhos do Paraíso e, mais uma vez, o autor não desilude.

Da Guerra & Paz chegou A Enfermeira Saturada e promete fazer-me soltar grandes risadas. Para ler brevemente.

Como já devem ter percebido pelo meu blogue sou fã de Kate Morton. Na semana passada chegou o livrinho e já estou quase a terminá-lo. Muito bom. Obrigada à Suma de Letras.

O novo livro de Lesley Pearse também não podia faltar na minha estante. Perdoa-me será uma das minhas próximas leituras. Gentilmente cedido pela Asa.

Da Planeta chegou hoje o primeiro livro de uma nova trilogia erótica: Este Homem - O Amante de Jodi Ellen Malpas.

Do próprio autor, Gerard Cappa chegou Black Boat Dancing esta semana. Um livro que passa por Portugal e que promete. Estou muito curiosa.

E como compras não resisti as umas pechinchas. Dois livros de João Tordo (cada vez gosto mais deste autor), O Bom Inverno e As 3 Vidas e Ulianov e o Diabo de Pedro G. Rosado. Serão as minhas leituras de férias, que se avizinham.

Feira do Livro - Últimas sessões de autógrafos




O Gatilho, no rasto do assassino que levou o mundo para a guerra, de Tim Butcher, a 20 de junho nas livrarias

Título: O Gatilho 
Autor: Tim Butcher
Género: Biografia / História
Tradutor: Fernanda Oliveira
N.º de páginas: 344
Data de lançamento: 20 de junho
PVP: 17,70€

Numa manhã estival em Sarajevo, há cem anos, um jovem de dezanove anos sacou do revólver do bolso e disparou os dois primeiros tiros da Primeira Guerra Mundial, marcando o início da história moderna. Ao matar o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do Império Austro-Húngaro, Gavrilo Princip, deu início a um ciclo de acontecimentos que haveria de fazer 15 milhões de mortos entre 1914 e 1918. Para coincidir com o centenário do homicídio, a 28 de junho de 1914, O Gatilho narra a história deste jovem que sonhava com a independência do seu país e mudou o mundo para sempre.
Num relato apaixonante, que combina a história, as viagens, a biografia e a literatura, Tim Butcher narra todo o contexto que deu origem à Primeira Guerra Mundial, bem como as suas consequências, sobretudo a da Guerra da Bósnia. Descreve a viagem de Princip e a sua própria viagem seguindo-lhe os passos, contextualizando o território e a história e conhecendo inclusive os descendentes da família Princip.

Sobre o autor:
Tim Butcher nasceu em 1967 e estudou em Oxford. Fez a cobertura dos principais conflitos recentes, incluindo o da Bósnia, Kosovo, Iraque, Argélia, Serra Leoa e Líbano. É um jornalista premiado e decidiu fazer a travessia do Congo depois de 4 anos em África como correspondente do Daily Telegraph. Atualmente, vive na Cidade do Cabo com a família.


quinta-feira, 12 de junho de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Os Filhos do Éden [Opinião]

Título: Os Filhos do Éden
Autor: Ken Follett 
Coleção: Grandes Narrativas
Nº na Coleção: 579
Data 1ª Edição: 03/06/2014
Nº de Edição:
PVP: 18,90 €
Género: Ficção e Literatura/Thriller.
Público-Alvo: Apreciadores do género. Fãs de Ken Follett.

Sinopse: 
Desde os longínquos anos 60, da Guerra do Vietname e da explosão da cultura hippie, na Califórnia, uma pequena comunidade vive isolada no sopé da Serra Nevada. Aí, os seus membros praticam agricultura de subsistência, para consumo próprio, mas também se especializaram na produção de um excelente vinho que vendem, proporcionando-lhes os meios para a aquisição de outros bens necessários. Mas aqueles anos de paz e felicidade chegam ao fim quando o governo anuncia que vai construir uma barragem perto daquele local, que ficará submerso pelas águas. Desesperadas, as pessoas que construíram ali as suas vidas reagem de uma forma inesperada e quase inverosímil, ameaçando provocar um abalo sísmico de proporções épicas, fazendo-se passar por um grupo ecoterrorista…


A minha opinião: 
Quando o governador do estado da Califórnia decide instalar uma central eléctrica no vale do Rio Silver, uma pequena comuna de velhos hippies que se encontra a viver naquele local decide encontrar todos os meios para impedir tal desastre ambiental.

Os Filhos do Éden assim se auto-denominam, presididos por Priest, nome utilizado por um cadastrado, juntamente com uma das suas companheiras, Star, decidem roubar um vibrador sísmico (máquina utilizada na indústria do petróleo para para explorar o subsolo), com o intuito de provocar um tremor de terra.

A intenção é divulgada num programa de rádio popular, mas inicialmente ninguém dá valor a que um grupo de alucinados decide dizer.

O que parece uma atitude de reivindicação por parte do grupo, que vive das colheitas para sobreviver, torna-se numa questão que vai para além de um ato de rebeldia. Priest decide ir por cima de tudo e de todos, mesmo que isso signifique a morte de alguns, para levar avante o seu intento. E quando uma das suas companheiras lhe diz que esse tremor de terra é possível, Priest decide avançar mesmo com o projeto.

Por outro lado, depois de investigarem mais a fundo em relação à ameaça dos Filhos do Éden, o FBI decide destacar uma agente para averiguar a veracidade da mesma, embora no início estejam bastante cépticos. Judith, uma agente que se sente injustiçada e legada para segundo plano para investigar um caso, que pensa ser secundário, depressa se mostra bastante interessa na potencialidade de um grupo, com a ajuda de um vibrador sísmico, gerar um terramoto, sendo que para tal basta encontrar uma brecha numa rocha.

Ken Follett usa mais uma vez a sua mestria para criar boas personagens. Apesar de desprezível nas suas ideias, Priest é o exemplo de uma pessoa que, apesar de analfabeto e de ninguém o saber, consegue liderar um grupo que vive apenas sob as leis da natureza, transformando-o num grupo de eco-terrorismo, que quase se sai bem.

Mais informações consulte o site da Presença aqui

 

Novidade Oficina do Livro: O Livro das Perguntas do Alta Definição, de Daniel Oliveira

Título: O Livro das Perguntas do Alta Definição
Autor:
Daniel Oliveira
PVP: 15,50€
N.º de Páginas: 240

Esta é a oportunidade de estar em «Alta Definição» e de se colocar no papel de quem responde, mostrando a si e aos seus o que afinal dizem os seus olhos…

Um livro que pode ser lido de forma aleatória ou consequente, pensado e respondido de seguida ou no momento certo, e pode ser um exercício para descobrir as respostas que procuramos em uma conversa entre Amigos.

E quais são as suas perguntas certas?

Todos nós – por instinto de sobrevivência, por amor, por vergonha ou por orgulho – nos codificamos ao longo da vida, construindo uma zona de conforto que nos permite ser o que os outros esperam de nós em diferentes circunstâncias da vida comum. Só nós sabemos o que somos e quais as perguntas e respostas da nossa vida.

Sobre o autor:
Daniel Oliveira nasceu em 1981. Apresenta, desde 2009, o programa «Alta Definição», na SIC, estação onde, nesse mesmo ano, assumiu as funções de subdirector de gestão e desenvolvimento de conteúdos. Em 2000 integrou a equipa fundadora da SIC Notícias. É autor, entre outros, do programa de entretenimento mais premiado internacionalmente na história da televisão portuguesa - «Os Incríveis».

Em 2013, foi considerado pelo semanário Expresso um dos 100 portugueses mais influentes.
quarta-feira, 11 de junho de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidade Planeta: Este Homem - O Amante de Jodie Ellen Malpas

Título: Este Homem - O Amante
Autor: Jodie Ellen Malpas
N.º de Páginas: 528
PVP: 18,85 €
Nas livrarias a partir de 18 de Junho

AS SUAS NOITES NUNCA MAIS VÃO AS MESMAS.
O primeiro livro de uma trilogia erótica que nos traz mais luzes do que sombras.

Este homem chegou para ficar. Sedução. Sexo. Prazer. Erotismo

Está preparada?
Mergulhe na nova trilogia erótica do momento: três, dois um zero…desfrute!
Um livro viciante, uma história de amor com personagens surpreendentes, bem construídas e adoráveis. Se gostar de ler sobre um homem que assume o controlo e que manda na cama, então esta é a sua próxima leitura.
«Uma quente e sexy trilogia da mais recente autora-sensação na ficção erótica.» Marie Claire
«O Amante, de Jodi Ellen Malpas, apaixonou-me desde o início. É erótico, apaixonado e romântico... e também a deixará a querer mais.» BookishTemptations.com

BEM-VINDA AO MUNDO SENSUAL DE ESTE HOMEM
O Amante é o primeiro livro da trilogia Este Homem, que narra a história do aristocrata Jesse Ward e de Ava O’Shea, uma jovem designer de interiores.
Quando Ava é contratada para um trabalho no Manor, nunca pensou ir encontrar Jesse, um homem confiante, lindo de morrer e em busca de prazer sem limites.
Ava tenta resistir, mas não consegue controlar o desejo irresistível que Jesse lhe desperta. Ela tem consciência que poderá vir a sofrer e, embora o instinto lhe diga para sair desta situação enquanto é tempo, ele não está disposto a deixá-la ir.
Jesse está determinado a tê-la.
Oh, céus! O coração martela-me o esterno e o meu ritmo respiratório salta para níveis alarmantes. Sinto-me de repente zonza e a minha boca ignora as ordens do cérebro para ao menos dizer qualquer coisa. Fico aqui a olhar embasbacada para este homem. A voz rouca paralisou‑me, mas vê-lo… bem, vê-lo transformou‑me num destroço trémulo e incapaz de reagir.[…]
Contorna a enorme secretária e avança devagar na minha direcção. É então que o pleno impacte me atinge em cheio. Engulo em seco. Este homem é tão perfeito que quase faz doer. Os cabelos louro-sujos dão a impressão de terem feito uma tentativa de assentar numa qualquer espécie de penteado e acabado por desistir. Os olhos são de um verde‑turvo, mas brilhantes e demasiado intensos, e o restolho de barba que lhe cobre o queixo quadrado nada faz para esconder a beleza das feições. A pele tem um ligeiro bronzeado e… Oh Deus, é arrasador.» Excerto do livro

Sobre a autora:
Jodi Ellen Malpas nasceu em Northampton, onde vive com a família. Enquanto trabalhava na empresa de construção do pai foi cimentado a trama de a trilogia e criou a personagem de Jesse Ward. Em 2012 decidiu autopublicar O Amante, o primeiro livro, e a massiva resposta das leitoras motivou-a a terminar a trilogia. Catapultada para o número 1 do New York Times, a trilogia Este Homem converteu-se no fenómeno do ano coroando Jodi Ellen Malpas como a nova rainha do romance erótico. Mais de um milhão de leitoras apaixonaram-se por Jesse...


Sextante Editora: A saga familiar de Edward St Aubyn

Título: Alguma esperança | Leite materno
Autor:
Edward St Aubyn
Tradutor: Daniel Jonas
Págs.: 360
PVP: € 16,60

Alguma esperança | Leite materno, de Edward St Aubyn, é o segundo volume do quinteto sobre a família Melrose iniciado com Deixa lá | Más novas, cuja publicação em Portugal foi recebida com elogios por leitores e pela imprensa, sendo mesmo considerado um acontecimento literário.
A 20 de junho, o novo volume chega às livrarias, editado pela Sextante Editora.
Edward St Aubyn é um dos mais proeminentes escritores ingleses da sua geração. Um dos romances incluídos neste livro, Leite materno, foi finalista do Booker Prize em 2006 e vencedor dos prémios Femina Étranger e South Bank Show em 2007. Por sua vez, Miguel Esteves Cardoso considerou-o «uma obra-prima».

Sinopse:
«Se tens um talento, usa-o. Ou serás infeliz o resto da tua vida.» Em Alguma esperança, o 3.º romance do quinteto em torno da vida de Patrick Melrose, este começa a deslindar, refletindo sobre o inesperado conselho que o pai em tempos lhe dera, o carácter do homem que por pouco não lhe destruiu a vida. Entretanto, é o convidado relutante e crítico de uma festa que reúne a flor da aristocracia britânica, a nata dos arrivistas e a acerba princesa Margarida.
Em Leite materno, Patrick regressa, talvez pela última vez, à casa da família no Sul de França para passar o verão. A mãe, Eleanor, um destroço físico e mental, deixa-se manipular por um burlão New Age. Mary, a mulher, suspeita que Patrick esteja a ter um caso extraconjugal. E Patrick, melancólico e encurralado, vive no medo de passar aos filhos os seus traumas latentes, ao mesmo tempo entrevendo neles uma promessa de futuro.

Sobre o autor:
Edward St Aubyn nasceu em Londres, em 1960, e estudou Literatura Inglesa em Oxford. Os cinco romances sobre Patrick Melrose foram premiados, aclamados pela crítica e pelos pares, e culminaram na consagração internacional do autor.

Imprensa:
Leite materno é uma obra-prima. Miguel Esteves Cardoso
Talvez o mais brilhante romancista inglês da sua geração. Alan Hollinghurst
Nada nos pode preparar para a comédia rica e acerba do mundo de St Aubyn ou para a sua densidade filosófica. Zadie Smith
Uma obra-prima. Edward St Aubyn é um autor de imenso talento. Patrick McGrath
Fiquei viciada logo nas primeiras linhas. […] Uma intensa comédia social, a um tempo espirituosa e comovente, que me fez chorar no fim. Antonia Fraser, Sunday Telegraph
Leite materno tem o frenesim cerebral e a graça contundente de St Aubyn no seu melhor. Tatler


Amanhã, apresentação da biografia "Jorge Coelho. O Todo-Poderoso" de Fernando Esteves. 18h.30. Fnac Colombo



NASCENTE: "Só o Amor Consegue", o novo romance de Zibia Gasparetto

Em Terras de Vera Cruz são poucos os autores tão acarinhados como Zibia Gasparetto. Aos 87 anos, e com 45 títulos publicados, entre romances, crónicas e pensamentos, Zibia Gasparetto é a autora espiritualista mais lida no Brasil, somando 15 milhões de livros vendidos.

Depois de Onde Está Teresa?, Vencendo o Passado, A Vida Sabe o que Faz, Nada é Por Acaso e Abraçar a Vida, já chegou às livrarias o novo romance de Zibia Gasparetto Só o Amor Consegue (Nascente I 320 pp I 17,69€).

Dora e Fernando tentam ter filhos há vários anos. Insucessos contínuos levam Dora a fazer uma promessa: se conseguir engravidar, também adotará uma criança. Quando o casal é finalmente abençoado com o nascimento da filha Luiza, adota a pequena Margarida, que desde cedo revela ter dotes de médium.
Com o passar do tempo, a insegura Dora começa a desconfiar de uma possível traição do marido. Fernando é um deputado que viaja com muita frequência e parece estar cada vez mais distante da sua mulher. Envolta por dúvidas, medo e angústia, Dora acaba por se deixar influenciar pelo espírito de Mila, que fora amada por Fernando noutra encarnação, e que procura agora vingar-se por ter caído no esquecimento.
A jovem Margarida é a única que consegue ver Mila. Cabe-lhe por isso combater as dificuldades que ela traz à família. Nesta tarefa é auxiliada por outros espíritos e pessoas, determinados em ajudar a angustiada família a enfrentar as adversidades, para que possa viver em paz e harmonia.


Zibia Gasparetto nasceu em Campinas, mas vive desde os seis anos de idade em São Paulo. Aprendeu a ler aos quatro anos e, aos oito passava horas sentada a escrever histórias. Parou de escrever na adolescência e só viria a retomar a escrita sob a forma de psicografia quando as suas faculdades mediúnicas surgiram. Adorada no Brasil, e até traduzida em japonês, a sua escrita tem leitores fiéis igualmente em Portugal.

BOOKSMILE: Rafe vs Georgia - Dois irmãos... a batalha final!

De nome difícil de pronunciar, Rafe Khatchadorian é fruto da imaginação bem fértil de James Patterson, autor que construiu um verdadeiro império literário. Com mais de 300 milhões de livros vendidos, número que o tornou no autor mais bem-sucedido da última década, James Patterson tem na sua carreira um propósito maior do que simplesmente… publicar livros.

«Nobel? Nah. Deixo isso para os outros, quero é pôr os miúdos a ler.», afirmou Patterson na entrevista que deu ao jornal português i. A coleção Escola é, por isso, uma das que mais prazer lhe dá a escrever, e depois de quatro títulos já editados em Portugal, chegou às livrarias o livro 4,5, Escola 4,5: A Batalha Final (Booksmile I 256 pp I 13,29€). Uma história genuinamente hilariante e bastante imaginativa, sobre um rapaz único que já conquistou os jovens leitores portugueses.

Sinopse:
«Bem-vindos à Batalha Final. De um lado Rafe, do outro, Georgia. Dois irmãos numa luta sem tréguas arbitrada pelo melhor juiz do mundo: TU!
Tu vais decidir quem é o melhor. Tu vais decidir quem tem razão. Tu vais decidir quem vai ganhar. Entra já nesta Batalha Final e não percas pitada do maior combate da História. A batalha começa AGORA! Vais encontrar ainda jogos superdivertidos ao longo das páginas deste livro.»


James Patterson já criou mais personagens inesquecíveis do que qualquer outro escritor da atualidade. É o autor dos policiais Alex Cross, os mais populares dos últimos 25 anos dentro do seu género. Entre os seus maiores êxitos estão também as coleções bestsellers Private: Agência Internacional de Investigação, The Women's Murder Club (O Clube das Investigadoras) e Michael Bennett.
James Patterson é o autor que mais livros teve até hoje no topo da lista de bestsellers do New York Times, segundo o Guinness World Records. Os seus livros já venderam mais de 300 milhões de exemplares. Patterson escreveu também diversos livros para jovens, entre os quais estão as séries Maximum Ride e Confissões de uma Suspeita de Assassínio (ed. Topseller) e Eu Cómico (ed. Booksmile).

Críticas à Coleção Escola:
"It's a chatty, funny, engaging book, one that often addresses the reader directly. It's filled with energetic cartoons... that will appeal to your little rebel, depicting teachers as dungeon-keepers, matadors and flying dragons. Patterson... knows how to structure a plot and builds in some surprising--even touching--twists.... Rafe is the bad boy with a heart of gold." - The New York Times

"A keen appreciation of kids' insecurities and an even more astute understanding of what might propel boy readers through a book.... a perfectly pitched novel." - Los Angeles Times

"The book's... dynamic artwork and message that 'normal is boring' should go a long way toward assuring kids who don't fit the mold that there's a place for them, too." -Publishers Weekly

Novidade Oficina do Livro: Nós Por Aí, de Vera Kolodzig e Diogo Amaral

Título: Nós Por Aí
Autores: Vera Kolodzig e Diogo Amaral
PVP: 15,50€
N.º de Páginas: 200


Diário de uma viagem ao outro lado do mundo. Um livro que nos fala de viagens, experiências de vida, autoconhecimento e gastronomia. Uma aventura pelo Oriente, com uma mochila às costas.

A Vera e o Diogo estavam juntos há oito meses quando decidiram partir para o outro lado do mundo. Após uma primeira novela juntos, embarcaram na primeira grande aventura a dois e viajaram quase quatro meses: Tailândia, Cambodja, Filipinas, Malásia, Vietname e, ainda, um pulinho à Austrália.

Levavam apenas uma mochila às costas, uma viagem de avião e uma noite de hotel marcadas. O resto deixaram nas mãos do acaso. Houve coisas que correram bem, outras nem por isso. Descobriram uma das praias mais bonitas do mundo, dormiram num hotel de prostitutas, nadaram com um tubarão-baleia e quase se perderam no meio do mar. Apanharam sustos de morte e fizeram amizades para sempre. Nesta viagem, conheceram-se um ao outro, verdadeiramente, nos bons e nos maus momentos, esperando que a vida nunca os separe.

Sobre os autores:
Diogo Amaral nasceu em Lisboa, a 26 de Novembro de 1981, e é actor. Estreou-se em televisão em 2002, na telenovela Sonhos Traídos, e participou em telenovelas e séries como Belmonte, Espírito Indomável, Floribella ou Morangos com Açúcar.

Vera Kolodzig é actriz e nasceu em Lisboa a 22 de Abril de 1985. Estreou-se em televisão em 2000, como protagonista da telenovela Jardins Proibidos. Tem participado em várias produções da TVI, como Espírito Indomável, Fascínios e Dei-te Quase Tudo

NASCENTE: A Santidade de João Paulo II e o processo de canonização mais rápido dos tempos modernos

Andrea Riccardi, professor de História Contemporânea na Universidade de Roma III e especialista em pensamento humanístico contemporâneo, analisa, em A Santidade de João Paulo II (Nascente I 128 pp l 14,39€), o processo de canonização mais rápido dos tempos modernos e demonstra a excecionalidade do papa João Paulo II.

«Santo Subito! A canonização mais rápida da História moderna

No funeral de Karol Wojtyła, o papa João Paulo II, em 2005, a multidão gritou Santo Subito! (Santo, já!). Em apenas seis anos, devido à pressão popular, João Paulo II era proclamado beato. A 27 de abril de 2014, menos de dez anos após a sua morte, o papa João Paulo II tornou-se santo da Igreja católica. A rapidez da canonização, aprovada pelo papa Francisco, contrasta com a tradicional lentidão e cautela destes processos, e coloca ainda mais em evidência o caráter excecional de Karol Wojtyła na história da Igreja dos últimos séculos.
Não é fácil canonizar um pontífice contemporâneo, pela complexidade do seu percurso de vida e pelas implicações das suas decisões. O que terá então levado a Igreja dos atuais papas a tomar essa decisão tão rapidamente? Este é o livro que analisa o processo de canonização mais rápido dos tempos modernos e demonstra a excecionalidade do papa João Paulo II.»

Sobre o autor:
Andrea Riccardi fundou, em 1968, a Comunidade de Sant’Egídio, uma influente organização católica dedicada à evangelização e à promoção da paz, galardoada em 2004 com o Prémio Balzan de Humanidade, Paz e Fraternidade Entre os Povos. Tem diversos livros publicados, especial- mente sobre a história da Igreja, destacando-se a mais completa biografia de João Paulo II (ed. Paulinas).

Entre as mais prestigiadas distinções que recebeu, contam-se o grau de Comandante da Legião de Honra francesa, em 2002, e o Prémio Internacional Carlos Magno, em 2009. Entre 2011 e 2013, integrou o governo italiano como ministro para a Cooperação Internacional e a Integração.


 

Firmin - Sam Savage [Opinião]

Título: Firmin
Edição Especial
Autor: Sam Savage
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 208
Editor: Editorial Planeta
PVP: 14,95€

Sinopse:
Nascido na cave da Pembroke Books, uma livraria da Boston dos anos 60, Firmin aprendeu a ler devorando as páginas de um livro. Mas uma ratazana culta é uma ratazana solitária.
Marginalizado pela família, procura a amizade do seu herói, o livreiro, e de um escritor fracassado.
À medida que Firmin desenvolve uma fome insaciável pelos livros, a sua emoção e os seus medos tornam-se humanos. É uma alma delicada presa num corpo de ratazana e essa é a sua tragédia.
Num estilo ora sarcástico ora enternecedor, Firminé uma história sobre a condição humana em que a paixão pela literatura, a solidão e a amizade, a imaginação e a realidade, fazem parte de um mundo que acarinhava os seus cinemas de reprise, os seus personagens únicos e a glória amarelada das suas livrarias. Firmin é divertido e trágico. Como todos nós.


A minha opinião:
Graças à oferta da Planeta pelos seus 5 anos, tive oportunidade de ler Firmin. Realmente não entendo que, sendo eu como um rato de biblioteca, Firmin me tenha passado completamente ao lado, no momento em que saiu.

Desde que nasceu que Firmin foi colocado à margem da família. 13.º filho de Mama, no universo animal sempre vigora a lei do mais forte, e sendo Firmin um rato mais dado às artes, frágil e vivendo no seu próprio mundo, a ele eram destinados apenas os restos de leite que os seus irmãos, já cheios, não queriam beber. Só depois das barrigas cheias dos seus irmãos, é que lá ir Firmin beber o que sobrava e isso chegava para a sua sobrevivência. Melhor ainda, a sua mãe era alcoólica, e como Firmin ficava para último, pouco restava de álcool no leito, levando-o a uma vida sem vícios, contrariamente à dos seus irmãos.


Nascido no sótão de uma livraria, a Pembroke Books, Firmin depressa ganha hábitos de leitura. Primeiro começa por devorar, literalmente, os livros que apanha pelo caminho, mas depressa vê que há coisas mais úteis que se podem fazer com os livros e torna-se num apaixonado pela leitura. Vive intensamente a vida naquela livraria, que visiona através de um buraco no tecto.

Através de Firmin, Sam Savage mostra todos os aspectos da condição humana, desde a solidão, dos problemas sociais, do dia a dia de uma pequena localidade, de um escritor cujos livros não são vendáveis, mas que tem em Firmin um seguidor assíduo.

Os arredores de Boston são tão bem retratados por Savage, que conta uma história verídica na história de Firmin. Relatos de um antigo teatro que ardeu, de um cinema em decadência que ao final do dia passava filmes pornográficos (um dos passatempos preferidos de Firmin), de ruas onde a prostituição é uma realidade, e uma livraria cada vez com menos clientes.

Muito bom.



Excerto:
"Amigo, dado o fosse que separa as tuas experiências das minhas, o mais que te posso fazer para te dar uma ideia desse sabor singular é dizer que, de uma maneira geral, os livros sabem ao cheiro do café." - pag. 69



Pedro Paixão está de regresso com dois novos livros

O Céu na Boca e Espécie de Amor são os dois novos livro de Pedro Paixão.
Espécie de Amor é o relato da memória de uma amizade de juventude entre dois homens unidos pelo amor aos livros e pela perseguição da beleza das raparigas. Um é o autor; o outro é Miguel Esteves Cardoso. Como sempre, a base da história remete para a experiência vivida do autor, o que não transforma o livro numa simples autobiografia, coexistindo outras personagens para além das duas citadas e mais ou menos situações "fabricadas".
O Céu na Boca é constituído por uma vasta colecção de histórias curtas, algumas anteriormente publicadas nas revistas Playboy e Maxim. Os temas são muito variados e transparecem dos respectivos títulos, como por exemplo: "A Luz de Nova Iorque"; "A Morder os Dentes"; "Sexo, Amor e Dinheiro"; "A Rapariga do Rolls-Royce Branco"; "Jogo Inocente"; "Tapete Voador"; ou "A Musa Irrequieta".

Francisco Moita Flores tem novo livro

Título: Segredos de Amor e Sangue
Autor: Francisco Moita Flores
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 244
Editor: Casa das Letras
VP: 16,90€

Sinopse:
Segredos de Amor e Sangue é um regresso do autor à época em que Diogo Alves, o célebre galego que matava no Aqueduto das Águas Livres, era o grande protagonista do crime em Lisboa. Em 1997 escreveu o argumento para o filme A Morte de Diogo Alves que venceu o Grande Prémio de Ficção da RTP. Agora, traz o célebre criminoso de volta como pretexto para reconstruir a Lisboa popular dos anos trinta do século XIX, um tempo em que a cidade se despia dos antigos trajes pré-liberais e dava os primeiros passos no Liberalismo emergente. Marcado pela violência e pela pobreza, este romance é uma história de ternura e de paixão, num tempo agreste, onde a força do Amor e das Letras se impõe à voracidade da guerra e do crime, num país que tinha uma população com noventa porcento de analfabetos.
É um romance com histórias apaixonadas, de amor e morte, de fascínio pela descoberta das palavras escritas em português. Manuel Alcanhões, o narrador, eternamente apaixonado por Isabel, taberneiro em Alfama, testemunha a chegada do Portugal Moderno que vai aprendendo com as lições de um padre miguelista.

segunda-feira, 9 de junho de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

VOGAIS: "A Sexta Extinção" - O elogiado livro da premiada jornalista Elizabeth Kolbert

«As longas viagens que Elizabeth Kolbert realizou durante a pesquisa para este livro, e o tratamento pormenorizado tanto dos factos históricos como dos científicos, fazem de A Sexta Extinção uma contribuição muito valiosa para a compreensão das nossas circunstâncias atuais.» - Al Gore, The New York Times Book Review

«Um livro acessível, inteligente, cientificamente irrepreensível e impossível de largar.» - Publishers Weekly

«Escrito com uma clareza rara, o relato esclarecedor e convincente de Kolbert aborda sem contenção o mais importante tema dos nossos tempos.» -Booklist

Nos últimos 500 milhões de anos, a Terra passou por cinco extinções em massa, nas quais a diversidade da vida no planeta se reduziu drástica e subitamente.

Elizabeth Kolbert traça, no livro A Sexta Extinção (Vogais I 416 pp I 21,98€ ), a evolução destas extinções no planeta e revela como o desaparecimento de várias espécies em todo o mundo está a destruir o equilíbrio dos sistemas naturais e a diversidade animal, colocando em perigo a vida na terra e a sobrevivência da humanidade.
Hoje, a comunidade científica monitoriza a sexta extinção, prevista como o evento mais devastador desde o impacto do asteroide que matou os dinossauros há 65 milhões de anos. Mas, desta vez, o asteroide somos nós.
Pela primeira vez na história da Terra, uma extinção em massa está a ser provocada por uma única espécie: o Homem. Nos últimos dois séculos alterámos a composição da atmosfera devido às emissões de CO2 geradas pela nossa atividade; aumentámos a acidez dos oceanos e a temperatura média do planeta; transformámos mais de 50% da superfície da Terra, incluindo grande parte das florestas tropicais; expulsámos espécies dos seus habitats naturais; e provocámos danos irreparáveis no ecossistema global.
Consequência direta destes atos, mais de um quarto de todos os mamíferos da Terra está em vias de extinção. O mesmo acontece com 40% dos anfíbios, um terço dos corais e dos tubarões, um quinto dos répteis e um sexto das aves.
Para escrever A Sexta Extinção, Kolbert acompanhou cientistas um pouco por todo o mundo à procura de factos concretos sobre a ação do ser humano no meio ambiente.
Entre outras viagens, atravessou rios no Panamá, à noite, para tentar encontrar sapos dourados de El Valle, que hoje existem apenas em cativeiro; embrenhou-se na floresta amazónica para mapear os efeitos da perda de habitats na biodiversidade; acompanhou biólogos marinhos que estudam a Grande Barreira de Coral; e seguiu botânicos até ao Peru para analisar a flora nos cumes dos Andes.

Sobre a autora:
Elizabeth Kolbert é jornalista da The New Yorker desde 1999, revista na qual publica regularmente reportagens extensas sobre ciência e aquecimento global. Antes de trabalhar na The New Yorker, Elizabeth Kolbert escreveu para o The New York Times durante 15 anos.

O seu trabalho sobre o aquecimento global, «The Climate of Man», venceu o National Magazine Award for Public Interest entre outros prémios. Recebeu também o National Magazine Award para recensões e críticas, bem como o Heinz Award, no mesmo ano.





Ana Marques conta como foi o nascimento das suas filhas

Título: As Minhas Gémeas: Crónica de Uma Gravidez Inesquecível
Autor: Ana Marques
N.º de Páginas: 208
PVP: 14,99 €
Nas livrarias a 18 de Junho
Guerra e Paz|Clube do Livro SIC

Sinopse:
O sonho chegou a parecer um pesadelo. Ana Marques, com carreira de sucesso na televisão, ia ser mãe de duas gémeas. Uma nuvem de felicidade tomara conta da sua vida. E, no entanto, como uma agulha, devagar e insidiosamente, as más notícias começaram a chegar. Pés inchadíssimos primeiro, uma tensão arterial descontrolada a seguir, uma entrada de urgência na Maternidade. A nuvem de felicidade ficou negra. Uma doença, a pré-eclâmpsia, punha em risco a mãe e punha em risco os bebés. Começou a luta entre a vida e a morte.

As Minhas Gémeas é o livro dramático mais divertido que algum dia já leu. Ana Marques conta os seus 33 dias de gravidez de alto risco com superior sentido de humor. Ri-se da sua própria desgraça. Faz-nos rir com as suas dores.

Prefácio da Dr.ª Lisa Ferreira Vicente, ginecologista e obstetra na Maternidade Alfredo da Costa

Sobre a autora:
Nasceu em Lisboa, mas cresceu em Setúbal.
Entrou em Sociologia aos 18 anos, já levava na bagagem dois anos de rádio pirata que lhe abriram o apetite para outros voos.
Quase licenciada, mudou de curso e fez Ciências da Comunicação. Única mulher da formação de operadores de câmara, por gentileza dos colegas acabava sempre à frente da objectiva. Foi o passo para um casting numa nova estação de televisão. Era a SIC. Entrou, dias antes da emissão inaugural.
Foi o rosto das co-produções internacionais, destacando-se o Bravo Bravissimo, Moda Roma e a Moda Paris. Apresentou mais de 20 diferentes programas e, na SIC Mulher, esteve seis anos no ar, diariamente, com o Sexto Sentido, Elas em Marte e Essência.
Já correu meio mundo, falta-lhe a outra metade. O medo de andar de avião nunca a travou.
A escrita corre-lhe no sangue, mas foi sempre adiada. Foi mãe em 2009 e agora diz: «vou ali num instante plantar uma oliveira!»



Infância Roubada é o mais recente romance de Josephine Cox publicado pela Porto Editora

Título: Infância Roubada
Autor:
Josephine Cox
Tradução: Tânia Ganho
Págs.: 304
PVP: 16,60 €

No dia 13 de junho, a Porto Editora publica o mais recente romance de uma das mais populares escritoras inglesas da atualidade, Josephine Cox. Infância Roubada é a história da longa e solitária viagem de um rapaz na redescoberta do sentido de família, um livro enternecedor sobre o amor, a amizade e a esperança num final feliz, que ao mesmo tempo revela um lado mais impactante e dramático da autora.
Josephine Cox tem uma extensa obra publicada - este é o seu 50.º livro - e cerca de 16 milhões de exemplares vendidos, sendo que as sagas familiares da autora, muitas vezes inspiradas na sua própria experiência de vida, têm sido as favoritas dos leitores. O jornal Daily Mail considera que «o talento de Josephine Cox como contadora de histórias não permite ao leitor perder o encantamento».

Sinopse:
Edward Carter é um homem cruel e violento, habituado a instilar o medo em todos aqueles com quem se cruza e a dirigir com pulso de ferro as vidas da sua mulher e do seu filho. Peggy é uma mulher meiga e tímida. Com o passar dos anos, aprendeu a não contrariar o marido. Sabe que enfrentá-lo só piorará a situação, a ponto de fazê-lo perder a cabeça e cometer uma loucura contra ela ou contra o filho de ambos. Para proteger o filho, não resta outra opção a Peggy senão a de subjugar-se ao homem perigoso que tornou as suas vidas um verdadeiro pesadelo.
Introvertido e sem amigos, Adam é um menino receoso: não por si, mas pela mãe. Temendo que tudo o que faça desperte a ira do pai, Adam não vive como a criança que é.
Phil é um homem de natureza bondosa e de princípios. Conduz o autocarro escolar e é o único amigo de Adam. Num final de tarde, após o regresso da escola, Phil e Adam deparam-se com uma tragédia chocante, que forjará uma amizade indestrutível, nascida da mais profunda dor. Uma história de perda, mas também de grande companheirismo e da longa e solitária viagem de um rapaz na redescoberta do sentido de família.

Sobre a autora:
Josephine Cox nasceu em Blackburn, no Reino Unido. Com dezasseis anos conheceu o futuro marido, Ken, de quem tem dois filhos. Quando as crianças ingressaram na escola, decidiu retomar os estudos acabando por ser convidada para um lugar na Universidade de Cambridge. Mas como isso significava ausentar- -se de casa, optou pelo ensino e pela escrita. Quando terminou o seu primeiro romance, a família pregou-lhe uma partida e candidatou o livro, sem o seu conhecimento, ao prémio Superwoman of Great Britain, que viria a vencer.
Visite o site da autora em www.josephinecox.com

Imprensa:
Mais uma obra-prima. Best
Graças à sua escrita imaculada, a empatia pelos personagens irá alternando e à medida que os acontecimentos se aproximam da emocionante conclusão torna-se difícil para o leitor separar-se da história. News of the World
Mais um sucesso para Josephine Cox. Sunday Express
O mais recente romance de Josephine Cox não desiludirá o seu exército de fãs. Woman’s Weekly