sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Laurentino Gomes e Rubem Fonseca vencem Prémio Jabuti

Os autores Laurentino Gomes e Rubem Fonseca, editados em Portugal pela Porto Editora e pela Sextante Editora, respetivamente, venceram o Prémio Jabuti, atribuído pela Câmara Brasileira do Livro.
Com 1889, que a Porto Editora publicará em 2015, Laurentino Gomes venceu na categoria “Reportagem”; na categoria “Contos e crónicas”, o distinguido foi Rubem Fonseca, pelo livro Amálgama, que chega a Portugal na próxima semana, a 24 de outubro, com chancela da Sextante Editora.
Neste mais recente livro de Rubem Fonseca, reencontramos o estilo único do maior contista brasileiro em histórias onde residem a crueza, o erotismo, a violência, a velocidade narrativa, o clima noir. Ao longo de 32 contos e dois surpreendentes poemas, somos confrontados com personagens e situações unidas pela tristeza, pela dor, pela raiva, pelo fracasso, pela ternura e pelo amor, uma verdadeira amálgama de vidas que se constroem e se destroem num instante. Em 1889, Laurentino Gomes aborda a Proclamação da República Brasileira e fecha uma trilogia iniciada com 1808, sobre a fuga da corte portuguesa de D. João VI para Rio de Janeiro, e continuada com 1822, sobre a Independência do Brasil.

Apresentação do novo livro de Ana Garcia Martins: O problema não és tu sou eu



Novidades Porto Editora - Não Ficção: "Truques com Cartas", de João Miranda

Título: Truques com Cartas
Autor:
João Miranda
Págs.: 152
Capa: integral
PVP: 15,00 €

24 de outubro, a Porto Editora publica Truques com Cartas, o novo livro
de magia de João Miranda, fundador da Escola de Magia do Porto e um
dos mágicos portugueses mais requisitados.
Dois anos depois da publicação do sucesso Escola de Magia, até então
a única obra desta área com fotos dos vários passos de cada truque, o
mágico João Miranda apresenta mais um livro de características únicas.
Por ser ilustrado passo a passo, com fotografias que tornam muito mais
percetível a forma de execução de cada nova habilidade, Truques com
Cartas é uma ferramenta fundamental para as milhares de pessoas que,
em Portugal, pretendem desenvolver estas técnicas.
João Miranda é também proprietário da Oporto Magic, uma empresa exportadora de artigos de magia para todo o mundo.

Sinopse:
Bem-vindo ao fascinante mundo da magia com cartas, a mais apreciada das variantes do ilusionismo. Neste livro, João Miranda explica, passo a passo e por diferentes níveis de dificuldade, as técnicas-base de manuseamento do baralho e mais de 40 truques que deixarão todos os seus amigos espantados.
Com a ajuda deste precioso auxiliar, fazer aparecer, adivinhar e até mesmo rasgar e reconstituir uma carta deixarão de ser segredo para si. Pegue no seu baralho de cartas e prepare-se para fazer magia!

Sobre o autor:
João Miranda é um dos mágicos portugueses mais requisitados, apostando fortemente na criação de novas ilusões e na recuperação de antigos números de magia, aliados às novas tecnologias. Conta no seu percurso com atuações em festivais de magia (entre eles o MagicValongo, considerado o maior festival português de magia), espetáculos das mais prestigiadas empresas sediadas em Portugal e em programas de televisão dos três canais generalistas portugueses e ainda no Porto Canal, onde no início de 2010 produziu e apresentou o programa de magia de rua “Porto Mágico”.
Em 2011 criou, em parceria com o seu amigo Gonçalo Gil, a Escola de Magia do Porto. É ainda proprietário de uma empresa exportadora de artigos de magia para todo o mundo (www.oportomagic.com).


Afonso Reis Cabral é o vencedor do Prémio Leya 2014

O romance “O meu irmão”, granjeou a Afonso Reis Cabral, o Prémio LeYa de Literatura, no valor de cem mil euros.
O livro conta a relação entre dois irmãos, um dele com síndrome de Down e o júri revelou na sessão do anúncio: "A realidade é trabalhada de uma forma objectiva e com a violência que estas situações humanas, podem desenvolver, dando também um retrato social que evita tomadas de decisão fáceis, obrigando a um investimento numa leitura que nos confronta com a dificuldade de um mundo impiedoso. Há no entanto uma tonalidade lírica na relação que se estabelece entre dois deficientes e que salva, através de apontamentos de poesia e de humor, o desconforto de quem vive este problema.", segundo se pode ler no site da Leya.
Afonso Reis Cabral, de 24 anos, é trineto de Eça de Queirós, escreve desde os 9 anos, tendo começado pela poesia. Em 2005 viria  publicar o livro de poemas "Condensação", onde reúne poemas escritos entre os 10 e o 15 anos. Depois passou para a prosa.  

O autor premiado tem 24 anos e, segundo o próprio, que esteve presente na cerimónia do anúncio, é trineto do escritor Eça de Queiroz.
Na sessão de anúncio, o presidente do júri, Manuel Alegre, disse que o livro “trata de um tema delicado que podia suscitar uma visão sentimental vulgar: a relação entre dois irmãos, um deles com síndrome de Down“.
O júri salientou que a realidade foi “trabalhada de uma forma objetiva e com a violência que estas situações humanas podem desenvolver” e que o romance faz “um retrato social que evita tomadas de decisão fáceis, obrigando a um investimento numa leitura que nos confronta com a dificuldade de um mundo impiedoso”.
Afonso Reis Cabral nasceu em Lisboa, cresceu e estudou no Porto até ao ensino secundário. Em 2005 publicou o livro de poemas “Condensação”, escrito entre os 10 e os 15 anos. Atualmente a trabalhar na editora Alethêia, o vencedor é licenciado em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Universidade Nova de Lisboa, onde fez também um mestrado de Estudos Portugueses.
Ao Prémio Leya de Literatura concorreram 361 originais de autores de 14 países.
Além de Manuel Alegre, o júri integrou ainda os escritores Nuno Júdice, Pepetela e José Castello, assim como José Carlos Seabra Pereira, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Lourenço do Rosário, reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo, e Rita Chaves, professora da Universidade de São Paulo.
No ano passado, o galardão distinguiu, pela primeira vez, uma mulher, Gabriela Ruivo Trindade, de 43 anos, portuguesa residente no Reino Unido, pelo romance “Uma outra Voz”. O primeiro vencedor do Prémio LeYa, em 2008, foi o romance “O Rastro do Jaguar”, do jornalista brasileiro Murilo Carvalho.
Em 2009 venceu o romance “O Olho de Hertzog”, do escritor moçambicano João Paulo Borges Coelho, na edição de 2010 o júri decidiu, por unanimidade, não atribuir o Prémio LeYa dada a falta de qualidade dos originais a concurso, em 2011 foi distinguido o romance “O Teu Rosto Será o Último”, estreia literária do português João Ricardo Pedro, e em 2012 venceu o português Nuno Camarneiro, com o romance “Debaixo de Algum Céu”.

Assírio & Alvim - Literatura - Novas edições de Eugénio de Andrade e Maria Velho da Costa

Título: Limiar dos Pássaros
Autor: Eugénio de Andrade
Prefácio: Pedro Eiras
N.º de Páginas: 88
PVP: 11,00 €

Título: Memória Doutro Rio
Autor: Eugénio de Andrade
Prefácio: Fernando Guimarães
N.º de Páginas: 80
PVP: 11,00 €

Dois livros de Eugénio de Andrade regressam às livrarias, no dia 17 de outubro: Limiar dos Pássaros e Memória Doutro Rio, com prefácios de Pedro Eiras e Fernando Guimarães, respetivamente.
Limiar dos Pássaros foi publicado, pela primeira vez, em 1976, e divide-se em três partes: «Limiar dos Pássaros», «Verão sobre o Corpo» — um conjunto de textos em prosa — e «Rente à Fala». Estas partes estruturam o livro e estabelecem entre si uma continuidade que permite associá-las musicalmente a três andamentos de uma mesma obra. Por outro lado, os temas presentes neste livro estabelecem, também eles, uma continuidade com os livros anteriores, embora surja aqui uma tonalidade melancólica nova na sua obra.
Tendo tido a sua primeira edição em 1978, Memória Doutro Rio é um livro onde a terra e a infância se impõem como mito de uma idade passada, sob a forma de poema em prosa.
Na Assírio & Alvim estão já publicados os livros: Primeiros Poemas - As Mãos e os Frutos - Os Amantes sem Dinheiro; As Palavras Interditas – Até Amanhã; Coração do Dia – Mar de Setembro; Ostinato Rigore; Afluentes do Silêncio; Obscuro Domínio; Véspera da Água; e Escrita da Terra – Homenagens e outros epitáfios.

Sobre o autor:
Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas, nasceu a 19 de Janeiro de 1923 no Fundão. Em 1947 ingressou na função pública, como funcionário dos Serviços Médico-Sociais, e em 1950 fixou residência no Porto. Manteve sempre uma postura de independência relativamente aos vários movimentos literários com que a sua obra coexistiu ao longo de mais de cinquenta anos de atividade poética. Revelou-se em 1948, com As Mãos e os Frutos, a que se seguiria, em 1950, Os Amantes sem Dinheiro (já publicados pela  Assírio & Alvim). Os seus livros foram traduzidos em muitos países e ao longo da sua vida foi distinguido com inúmeros prémios, entre eles o Prémio Camões, em 2001.

Título: Da Rosa Fixa
Autor: Maria Velho da Costa
Prefácio: Jorge Fernandes da Silveira
N.º de Páginas: 248
PVP: 16,60 €

Publicado pela primeira vez em 1978, Da Rosa Fixa, de Maria Velho da Costa, ganha uma nova edição, que agora se apresenta profundamente revista e com um prefácio de Jorge Fernandes da Silveira. Este livro chega às livrarias no dia 17 de outubro, com a chancela Assírio & Alvim.
«Os livros de amor são escritos com uma exterioridade absoluta. Partilham a surpreendente resposta do vegetal à respiração que aflore, ao acto do derrame de águas, indirecto. População de agrários hortícolas e floreiros, há que aguardar aqui com a gentileza tersa do felino que caça levitando sobre folhas, a ameaça tão leve.»

Sobre a autora:
rémio Camões 2002, Maria Velho da Costa (n. 1938) é licenciada em Filologia Germânica pela Universidade de Lisboa. Foi leitora do King's College em Londres, presidente da Associação Portuguesa de Escritores e adida cultural em Cabo Verde. Ficcionista, ensaísta e dramaturga é coautora com Maria Isabel Barreno e Maria Teresa Horta de Novas Cartas Portuguesas. A sua escrita situa-se numa linha de experimentalismo linguístico que viria a renovar a literatura portuguesa nos anos 60 e, como afirmou Eduardo Lourenço, é «de um virtuosismo sem exemplo entre nós».


Sextante Editora publica o mais recente livro de Rubem Fonseca

Título: Amálgama
Autor:
Rubem Fonseca
Págs.: 144
PVP: € 13,30

A Sextante Editora publica a 24 de outubro o novo livro de contos de Rubem Fonseca, Amálgama. Aqui, reencontramos o estilo único do maior contista brasileiro em histórias onde residem a crueza, o erotismo, a violência, a velocidade narrativa, o clima noir. Ao longo de 32 contos e dois surpreendentes poemas, somos confrontados com personagens e situações unidas pela tristeza, pela dor, pela raiva, pelo fracasso, pela ternura e pelo amor, uma verdadeira amálgama de vidas que se constroem e se destroem num instante.
Rubem Fonseca é um dos maiores escritores lusófonos da atualidade e, nos últimos anos, considerado por muitos como o principal candidato ao primeiro Prémio Nobel da Literatura brasileiro. A Sextante Editora tem já publicados seis livros deste consagrado autor.

Sobre o livro:
Um assassino de anões que reflete sobre o amor; um homem que mata gatos e cães mas tem pudor em proferir palavras torpes; um rapaz que odeia gente má e usa a sua bicicleta como instrumento da justiça; vários escritores frustrados. No mais recente livro de Rubem Fonseca, os contos e alguns poemas – pungentes, intrigantes, secos como um soco – perambulam pela cidade.

Sobre o autor:
Carioca desde os oito anos, Rubem Fonseca nasceu em Juiz de Fora, a 11 de maio de 1925. Contista, romancista, ensaísta, guionista e «cineasta frustrado», é um dos mais originais prosadores brasileiros contemporâneos.
Em 1963, a primeira coletânea de contos, Os prisioneiros, foi reconhecida pela crítica como a obra mais criativa da literatura brasileira em muitos anos; quatro anos depois, Lúcia McCartney, tornou-se um bestseller e ganhou o maior prémio para narrativas curtas do Brasil. Já era considerado o maior contista brasileiro quando, em 1973, publicou o seu primeiro romance, O caso Morel. Em 2003, ganhou o Prémio Juan Rulfo e o Prémio Camões, o mais importante da língua portuguesa. Recebeu cinco vezes o Prémio Jabuti e, em 2012, foi-lhe atribuído o Prémio Correntes d'Escritas/Casino da Póvoa para o romance Bufo & Spallanzani.
Com várias das suas histórias adaptadas ao cinema, ao teatro e à televisão, Rubem Fonseca já publicou quinze coletâneas de contos, onze romances e O romance morreu, que reúne crónicas publicadas no Portal Literal.



quinta-feira, 16 de outubro de 2014

A Mulher Má - Marc Pastor [Opinião]

Título: A Mulher Má
Autor: Marc Pastor
Páginas: 256
Editor: TopSeller
PVP: 15,98€

Sinopse:
Barcelona, 1912. Há crianças a desaparecer. Quando um cadáver é encontrado numa viela estreita, dilacerado e sem um pingo de sangue, surgem rumores bizarros sobre um «vampiro» que se move pelas sombras da cidade e que anda a roubar as almas dos inocentes.
Para a polícia trata-se apenas de mais um cadáver, num lugar onde a morte e o crime são tão frequentes que se tornaram banais. E quanto às crianças desaparecidas, ninguém quer saber dos filhos das prostitutas que povoam Barcelona.
Mas para o inspetor Moisès Corvo — um polícia rude e dissoluto, mas com um sexto sentido peculiar — este é um mistério que tem de ser resolvido, com um criminoso que afinal é uma mulher.
Gótico e chocante, A Mulher Má revela um mundo macabro, uma história verídica que nos faz duvidar de um dia ter realmente existido uma mulher tão pérfida, capaz de crimes tão monstruosos.
Um livro assombroso que agarrará o leitor da primeira à última página.

Tão cativante quanto assustador. Uma mistura de CSI com Jack, o Estripador, na Barcelona do início do século XX.

A minha opinião: 
1912. Na sombria cidade de Barcelona anda a desaparecer crianças. Mas é quando um cadáver de um homem aparece numa viela, sem um pingo de sangue, começam a surgir rumores de que há um monstro por perto, que se pode assemelhar a um vampiro...

As crianças, na sua maioria filhas de prostitutas continuam a ser relegadas para segundo plano. São invisíveis aos olhos da maioria e mesmo a polícia não se mostra muito interessada em resolver tamanho mistérios. Todos excepto o inspector Moisès Corvo que não descansa enquanto não descobrir o paradeiro das crianças desaparecidas.

Com o decorrer das investigações o investigador sombrio Corvo vai fazer uma descoberta surpreendente. O mostro que assola as ruas e vielas de Barcelona não é um homem como a maioria pensa, mas sim uma mulher.

Baseado em factos reais A Mulher Má relata alguns dados sobre a vida de Enriqueta Martí, uma mulher odiosa e pérfida, que matava crianças a seu bel prazer para comer os seus órgãos e para fazer inclusive mezinhas.

Ao longo da investigação de Moisès Corvo, vamos também acompanhando o dia, mas sobretudo a noite da Barcelona do início do século XX, onde a tuberculose e doenças sexualmente transmissíveis espreitavam ao virar da porta. A prostituição era uma constante e era também nesses meandros que se encontra a serial killer espanhola. Apesar de viver desafogadamente, a pérfida mulher além de se prostituir, prostitui ainda as crianças que sequestra, crianças que vão desde os 3 aos 14 anos.

Desconhecia completamente a história de Enriqueta e confesso que esperava mais. Estava ansiosa em ler o livro porque gosto bastante de livros sobre esta temática, mas apesar de ter sido uma boa leitura fiquei com vontade de querer saber mais sobre esta mulher, que o autor tivesse desenvolvido mais e melhor a sua vida.

O narrador , a morte, com um sentido de humor peculiar, é uma personagem a destacar no meio de tantas cuja vida é questionável. Num mundo onde até pessoas dos mais altos cargos poderão estar envolvidas e em que o silêncio é a melhor opção, Corvo, que perdeu dois filhos, não descansa até encontrar a mulher má, que é  descoberta quando sequestra uma menina e boas famílias.

Referências a outras obras e autores como Edgar Allan Poe, Bram Stoker com Drácula, Mary Shelley com Frankenstein deu mais interesse ao livro que me proporcionou uma boa leitura. 


 



quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Novidade Casa das Letras: Ideias com Amor e Lima de Maria de Melo Santos

Título: Ideias com Amor e Lima
Autor: Maria de Melo Santos
PVP: 17,90€
N.º de Páginas: 272 

Com quatro ingredientes essenciais, Amor, Confiança, Inspiração e Motivação, apresentamos 89 ideias para fazer você mesma.

Ideias com Amor e Lima desperta o lado mais curioso de cada um de nós e ensina como tornar pequenas ideias em magníficos projetos, através materiais e técnicas simples. Projetos para nós, para os que nos rodeiam, para a casa, como forma de distribuir carinho e viver mais intensamente o dia a dia.

Aprenda a fazer presentes diferentes e especiais, a decorar a sua casa reutilizando materiais ou objetos antigos, a criar os seus próprios eventos sem ter de recorrer a mais ninguém. E delicie-se ainda com receitas inspiradoras e decorações florais de sonho.

Um livro apaixonado que a vai deixar viciada e adepta de trabalhos manuais.

Sobre a autora:
Autora do projeto Amor e Lima, Maria de Melo Santos é uma jovem apaixonada e muito curiosa perante a vida. Foi esta curiosidade, a paixão pelo romantismo das coisas e a constante procura pela inovação que levaram Maria a lançar o projeto AMOR E LIMA, e a começar a criar os seus desafios. A sua formação profissional, em gestão de marcas, nada tem a ver com a bricolagem, a decoração ou até mesmo com a culinária e, por isso, costuma dizer que é o exemplo de que qualquer pessoa é capaz de criar projetos tão ou mais giros que estes.

É apenas necessário ser curioso, e muito atento. Visite em https://www.facebook.com/momentosamorelima

 





Novidade Porto Editora: Quem disser o contrário é porque tem razão de Mário de Carvalho

Título: Quem disser o contrário é porque tem razão
Autor:
Mário de Carvalho
Págs.: 280
PVP: 16,60 €

Pela primeira vez, um dos mais importantes ficcionistas portugueses, Mário de Carvalho, aventura-se num guia prático de escrita de ficção. Quem disser o contrário é porque tem razão é um livro que procura aconselhar e desbravar caminhos para a escrita, mas também promover a discussão sobre este tema. Mário de Carvalho dá-nos ainda conta da sua experiência enquanto leitor e escritor, sempre no tom bem-humorado a que já nos acostumou. Com a chancela da Porto Editora, esta novidade para leitores, curiosos e (futuros ou atuais) escritores chega às livrarias no dia 24 de outubro.
De acordo com o que diz na sua «Nota Prévia», «O autor não tenciona, nem de longe, nem de perto, atrever-se ao terreno da teorização narratológica e visa muito aquém dos estudos literários. Pretende tão-só, num itinerário vagamundo, desvendar uns poucos caminhos, anotar-lhes as curvas e contracurvas, prevenir dos salteadores e trapaceiros, e indicar algumas razoáveis estalagens».

Sinopse:
Ser escritor. O texto ficcional. Dilemas, enigmas e perplexidades do ofício. No vale das contrariedades. Nada do que parece é. O «assertivismo» é um charlatanismo. A valsa dança-se aos pares: escrita e leitura, autor e leitor, personagem e ação, causalidade e verosimilhança, contar e mostrar, o dentro e o fora, a superfície e o fundo. O bico-de-obra do primeiro livro. Por onde começar? Com que começar? Com quem começar? A manutenção do interesse. Não há regra sem senão; não há bela sem razão. Ou o oposto. Riscos, cautelas e relutâncias.

Sobre o autor:
Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico. Desde então, tem praticado diversos géneros literários, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas. Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do Pen Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram-se traduzidos em várias línguas. Recentemente, foi agraciado com o Grande Prémio de Conto "Camilo Castelo Branco" CM Vila Nova de Famalicão/APE pelo livro A Liberdade de Pátio (Porto Editora, 2014).


Sessão de lançamento do Dicionário Ilustrado do Vinho do Porto



Richard Flanagan é o Man Booker Prize 2014

The Narrow Road to the Deep North valeu a Richard Flanagan o Man Booker Prize 2014. O livro é o relato de  um cirurgião no tempo da II Guerra Mundial.
Este é o sexto livro do escritor e narra a história de Dorrigo Evans, um cirurgião num campo de prisioneiros japonês no mortífero caminho-de-ferro entre a Tailândia e a Birmânia, construído durante a II Guerra Mundial.

Mais informações aqui

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Novidade Assírio & Alvim: Cartas, Visões e outros Textos do Sr. Pantaleão de Fernando Pessoa

Título: Cartas, Visões e outros Textos do Sr. Pantaleão
Autor:
Fernando Pessoa
Organização: Manuela Parreira da Silva e Ana Maria Freitas
N.º de Páginas: 128
PVP: 14,40 €
Coleção: Obras de Fernando Pessoa

A 17 de outubro a Assírio & Alvim publica Cartas, Visões e outros Textos do Sr. Pantaleão, um livro que reúne o conjunto dos textos atribuídos ou atribuíveis a este alter ego de Fernando Pessoa. Com organização a cargo de Manuela Parreira da Silva e Ana Maria Freitas, este livro inclui 39 textos inéditos e outros 3 que, só agora, têm publicação integral.
A personalidade literária do Sr. Pantaleão, que se manifesta nos anos 1908-1910, encarna a fase de maturação cívica e política do jovem Fernando Pessoa, confrontado com a dura realidade portuguesa dos finais da Monarquia. Assume, assim, uma atitude crítica e satírica, porventura mais antimonárquica do que republicana, em relação aos males da pátria e, sobretudo, aos seus mais diretos responsáveis. Mas não deixa também de antecipar, em muitos escritos de caráter reflexivo, o pendor filosofante que viria a marcar exemplarmente a obra pessoana.



Apresentação - No Céu a Olhar por Mim - Marta Aragão Pinto




Novidade Bertrand: Os Salteadores do Nilo de Steven Saylor

Título: Os Salteadores do Nilo
Autor: Steven Saylor
Género: Romance Histórico
Tradutor: Pedro Carvalho e Guerra e Rita Carvalho e Guerra
N.º de páginas: 376
Data de lançamento: 17 de outubro
PVP: 17,70€

Um mistério no Antigo Egito protagonizado por Gordiano, o Descobridor
Em 88 a. C., o mundo parece estar em guerra – de Roma à Grécia, passando ainda pelo Egito, a civilização está à beira do conflito. Gordiano, um jovem romano que vive em Alexandria, quando não está a resolver quebra-cabeças, passa o seu tempo com Bethesda, a sua escrava, enquanto espera que o mundo volte à normalidade. No entanto, no dia em que Gordiano faz vinte e dois anos, Bethesda é raptada por bandidos que a confundem com a amante de um homem rico. Para salvar Bethesda, que afinal significa mais para si do que suspeitava, Gordiano tem de encontrar os raptores antes que eles se apercebam do seu erro e arranjem maneira de minimizar as suas perdas. Usando tudo aquilo que aprendeu com o seu pai, Gordiano tem de encontrá-los e convencê-los de que pode oferecer-lhes algo em troca da sua libertação.
À medida que as ruas de Alexandria mergulham lentamente no caos e os cidadãos começam a revoltar-se, depois de rumores sobre uma iminente invasão por parte do irmão do rei Ptolomeu, Gordiano vê-se envolvido numa perigosa trama – o saque do sarcófago de Alexandre, o Grande.

Sobre o autor:
É autor da série Roma Sub-Rosa, que tem merecido os mais rasgados elogios da crítica. Os seus romances estão traduzidos em mais de dezoito línguas e o autor tem figurado, na sua qualidade de especialista na política e vida romana em geral, em documentários no Canal História.
Saylor divide o seu tempo entre Berkeley, na Califórnia, e Austin, no Texas.
O seu site pode ser consultado em: www.stevensaylor.com

«O conhecimento enciclopédico de Saylor e o seu cuidado com o pormenor são óbvios, assim como a sua impressionante capacidade de tecer séculos de história numa narrativa de entretenimento.» Historical Fiction Review
«Saylor evoca o mundo antigo de forma mais convincente do que qualquer outro escritor da sua geração.» The Sunday Times


segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Apresentação de Os Descendentes de Merlin



Ken Follett em direto no facebook - 19 de outubro



NASCENTE: "A Cura pela Mente" - Aprenda a escutar o seu corpo


Durante mais de oito anos, a Dra. Lissa Rankin exerceu convictamente a sua especialidade médica. No entanto, começou a sentir que à medicina convencional faltava reconhecer algo crucial e, até, subestimado:

- O nosso corpo tem a capacidade inata de se autocurar.
- Podemos controlar os mecanismos de autocura, com o poder da mente.

Através da descrição de casos reais de autocura e da apresentação de provas científicas, a autora demonstra em A Cura pela Mente (Nascente I 320 pp I 17,69), já à venda em todo o país, que os sentimentos negativos danificam o corpo, enquanto o poder das relações pessoais, da meditação ou do amor podem desencadear processos de autocura.

- Conheça os pontos fracos e as limitações da medicina convencional e saiba como contorná-los.
- Saiba como alcançar a sua própria cura, seguindo o programa de 6 tratamentos apresentado pela autora.
- Descubra como autodiagnosticar os desequilíbrios da sua vida que podem estar na origem dos seus problemas de saúde.
- Aprenda a escutar os sussurros do seu corpo, antes que se transformem em gritos, e a preparar-se para que nele aconteçam «milagres»




A Dra. Lissa Rankin é médica, coach, escritora, oradora, artista, blogger e fundadora das comunidades online de saúde e bem-estar OwningPink.com e LissaRankin.com.
A autora está empenhada em ajudar as pessoas a curarem-se, a ligarem-se e a florescerem, não apenas nos seus corpos, mas também nos seus corações e nas suas almas. Outra das suas paixões é apoiar terapeutas e coaches a tornarem-se saudáveis de forma integral, em todos os aspetos das suas vidas.
Quando não está a viajar pelo mundo, a espalhar a sua mensagem, gosta de pintar, esquiar, praticar ioga, dançar e caminhar junto ao mar e pelos bosques da Califórnia, onde vive. Para saber mais sobre como viver e amar sem medo, siga o blogue da autora em LissaRankin.com.



5 Sentidos: As Promessas da Noite", de Sadie Matthews

Título: As Promessas da Noite
Autores: Sadie Matthews
Tradução: Catarina Campos
Págs.: 264
Capa: mole com badanas
PVP: 15,50 €

O aguardado desfecho da trilogia de Sadie Matthews, que a 5 Sentidos tem vindo a publicar ao longo do ano, chega finalmente no dia 17 de outubro com As Promessas da Noite. Neste novo romance, a protagonista ver-se-á no centro de um triângulo amoroso e terá de confrontar as suas dúvidas, ameaças e paixões para alcançar a felicidade, mesmo que isso implique sair da sua zona de conforto.
Sadie Matthews, que tem escrito sob vários pseudónimos, publicou já seis romances de literatura feminina. Os outros dois títulos desta trilogia são O Abraço da Noite e Os Segredos da Noite.
SINOPSE O fim de relação com Dominic deixou Beth de coração despedaçado. Acreditara desde o início na força daquele amor que seria eterno, mas um mal-entendido mostrou-lhe a fragilidade da relação e deitou tudo a perder. Por mais que tentasse evitar a constante presença e interferência de Andrei Dubrovski no seu relacionamento, o poder deste impedia-a de ser livre. Desde que o conhecera que Andrei teimava em impedir a sua felicidade junto a Dominic, e desta vez parecia ter finalmente alcançado o seu objetivo. Dominic partira rumo a um novo projeto profissional e, porventura, a uma nova vida amorosa sem Beth. Mas será que Andrei conseguirá o que quer? A persistência de Beth no amor que sente por Dominic, e a certeza de que nada pode ter feito de errado, irão levá-la a viajar desesperadamente até Paris, atrás de Dominic, na esperança de uma reconciliação e, quem sabe, de provar que o verdadeiro amor pode superar as mais graves das provações.

A AUTORA
Sadie Matthews já escreveu, sob vários pseudónimos, seis romances de literatura feminina. Esta trilogia foi considerada pela revista Cosmopolitan uma das dez leituras obrigatórias para todos os fãs de As Cinquenta Sombras de Grey.


Herdeiros do Ódio - Virginia C. Andrews [Opinião]

Título: Herdeiros do Ódio
Autor: Virginia C. Andrews
Páginas: 400
Editor: Quinta Essência
PVP: 15,50€

Sinopse:
Os quatro filhos da família Dollanganger levavam vidas perfeitas - uma bela mãe, um pai amoroso e dedicado, uma linda casa. De repente, o pai morre num acidente de viação e a mãe fica endividada e não possui qualificações para ganhar a vida e sustentar a família. Assim, decide escrever aos pais - os seus pais milionários, dos quais as crianças nunca tinham ouvido falar.
A mãe fala-lhes dos avós ricos, de como Chris, Cathy e os gémeos irão levar vidas de príncipes e princesas na luxuosa mansão dos avós. As crianças deleitam-se com as perspetivas da nova vida, até descobrirem que existem algumas coisas que a mãe nunca lhes contou. Nunca lhes contou que eram consideradas pelos avós «filhos do demónio» e que nunca deviam ter nascido. Não lhes conta que é obrigada a ocultá-las do avô porque deseja herdar a fortuna dele. Não lhes conta que devem permanecer trancadas numa ala isolada da casa, tendo apenas o sótão escuro e abafado onde brincar. Prometeu-lhes, porém, que seriam apenas alguns dias... Contudo, os dias transformaram-se em meses, os meses em anos. Desesperadamente isolados, aterrorizados pela avó, Chris e Cathy tornam-se tudo um para o outro e para os gémeos. Agarram-se ao amor mútuo como última esperança, única força sólida - uma força quase mais poderosa que a morte. Herdeiros do Ódio é um romance de terror, traição e salvação através do amor. 


A minha opinião: 
Não conhecia este livro, e consequente saga, até ser reeditado, agora pela chancela Quinta Essência.

A sinopse é esclarecedora no que ao conteúdo do livro diz respeito e só posso dizer que adorei!

V. C. Andrews pega na história de um casal e quatro filhos que se vê privado de tudo quando o marido morre num acidente. Corrine, que nunca trabalhou, não consegue arranjar emprego e perde tudo. E vê uma única solução: voltar a casa dos pais ricos. No entanto, tudo o que promete aos filhos para que estes saiam com ela de casa, é em vão e nada se concretiza. É certo que os avós são ricos, mas a vida opulenta que diz que os filhos terão nunca chega a acontecer e logo que chega a casa dos pais Corrine tranca os seus quatro filhos no sótão privando-os até da luz do dia. A fúria do pai, avô das crianças, por uma coisa que Corrine fez no passado é a desculpa que ela dá para a reclusão dos filhos, que terão de estar calados durante parte do dia para que o avô não descubra que tem netos.

Pelas 400 páginas vamos vivendo o dia a dia destas quatro crianças acompanhando os horrores pelos quais vão passando. Os dois filhos mais velhos, de 14 e 12 anos, vão ter de ser os verdadeiros pais para os gémeos de 4 anos, tentando dar-lhes uma vida boa dentro do possível. O que à partida pensavam que seria apenas um dia que viveriam naquele quatro, passa a ser meses e anos...




Cathy é a narradora, e segunda filha de Corrine. Avaliadora da sua situação sob um perspectiva mordaz, mas verídica, Cathy é um jovem esperta, sonhadora, mas responsável, que trata dos seus irmãos como seus filhos. E com elas vamos acompanhando o crescimento de todos o que torna o livro ainda mais real.

Confesso que a atitude da mãe nunca me convenceu e chocou-me bastante. É completamente incompreensível como é que uma mãe deixa os filhos presos num quarto, andando feliz da vida em liberdade, em troco de uma promessa futura de um herança choruda. Não há dinheiro que pague a prisão dos filhos, ver os seus desenvolvimentos, sentir o que pensam sobre determinado assunto.

A descrição pormenorizada do dia a dia das crianças pode tornar-se um pouco maçudo para alguns leitores, mas é essa descrição que torna o livro mais intenso.

Gostei muito e a parte final é chocante.

Fica o desejo de esperar pelos próximos livros (mais quatro), que continuarão com a saga dos Dollanganger.

Excertos:


Porto Editora publica "A Primeira Regra dos Feiticeiros" - Parte II

Título: A Primeira Regra dos Feiticeiros – Parte II
Autor:
Terry Goodkind
Tradução: Ângelo dos Santos Pereira
Págs.: 424
PVP: 17,70 €

A Porto Editora publica a segunda parte de A Primeira Regra dos Feiticeiros, de Terry Goodkind, um mês depois de lançar o primeiro livro da saga épica do género fantástico A Espada da Verdade. Este livro, que chega às livrarias no dia 13 de outubro, dá continuação à aventura de Richard e Kahlan na busca das caixas de Orden. Qual a primeira regra dos feiticeiros? «As pessoas são estúpidas e acreditam no que querem acreditar.»
Desde que começou a ser publicada, em 1994, esta saga alcançou o sucesso internacional, foi traduzida para 20 línguas e conta com mais de 26 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo.

Sinopse:
Esta é a primeira regra dos feiticeiros: as pessoas são estúpidas e acreditam no que querem acreditar.
Richard e Kahlan têm uma missão: encontrar as caixas de Orden e frustrar os planos de Darken Rahl, cuja sede de vingança tem conduzido os seus mundos ao infortúnio e ao mais profundo dos abismos: se o malévolo governante conseguir o que deseja, a vida, tal como é conhecida, extinguir-se-á.
Mas o caminho que conduz à verdade, pavimentado com alianças inesperadas, segredos indescritíveis, traição e dor, não é certamente fácil… Em tempos sombrios, o seeker e a Madre Confessora serão obrigados a lutar contra os seus próprios sentimentos, contra aquilo que julgam conhecer e contra a sua própria natureza por forma a garantirem o futuro da humanidade.

Sobre o autor:
Terry Goodkind nasceu em 1948 em Omaha, no Nebrasca. Em 1994 publicou o primeiro livro da série de fantasia épica A Espada da Verdade, que viria a ter um sucesso retumbante, com mais de 26 milhões de exemplares vendidos e traduções em mais de 20 línguas.

Imprensa:
Este primeiro romance de Goodkind proporciona uma variante interessante às sagas de fantasia. Library Journal
Uma estreia maravilhosamente criativa, coerente, e vibrante. Kirkus Reviews
Terry Goodkind concebeu uma história precisa e inteligente que é crível desde o primeiro momento.
Fantasy Book Review
Este livro arrebata-nos desde a primeira página. The Examiner
A Primeira Regra dos Feiticeiros, tal como os restantes livros da saga A Espada da Verdade, é um romance de qualidade excecional, com personagens bem construídas e um enredo ritmado, ao qual não falta temáticas mais "adultas". SFBook Reviews


VOGAIS: A biografia definitiva e apaixonante do autor de "O Principezinho"



«A biografia de Webster está escrita de forma encantadora e revela uma investigação impressionante.» - International Herald Tribune
«Esta biografia está recheada de revelações.» - Le Figaro
«Uma biografia enérgica, simpática e vigorosa.» - Scotsman
«Webster percorre habilmente toda a carreira de Saint-Exupéry, mas mantendo sempre os seus próprios pés bem assentes na terra.» - Financial Times
«Esta é uma biografia que possui todas as qualidades: uma investigação meticulosa, bem escrita e repleta de revelações psicológicas perspicazes. O livro é tão bom que nos deixa a ansiar por mais.» - Sunday Telegraph

Em julho de 1944, durante a Segunda Guerra Mundial, um avião de reconhecimento da Força Aérea Francesa desapareceu no Mar Mediterrâneo. O corpo do piloto nunca foi encontrado. A aeronave era um dos aparelhos mais rápidos e modernos da aviação aliada, um P-38 Lightning americano. Aos comandos ia Antoine de Saint-Exupéry. A sua morte, aos 44 anos, ficou assim envolta para sempre em mistério e romantismo.

Todo o percurso de Saint-Exupéry é recheado de aventuras e episódios fascinantes, até porque a sua vida abrange os mais controversos anos da história francesa. E se por um lado era um aristocrata, com o título de Conde, que representava toda uma classe em extinção, por outro lado foi um corajoso pioneiro da aviação e um aclamado romancista, que privou com as personalidades mais importantes do século XX.

Baseada numa investigação meticulosa, Antoine de Saint-Exupéry: Vida e Morte do Principezinho (Vogais I 320 pp I 18,79€) é uma biografia que relata todos esses detalhes. Com uma escrita empolgante, revela também novas informações que irão fascinar quer os leitores mais aventureiros quer os mais apaixonados. E surpreender os fãs de O Principezinho!

Poucas personalidades do século XX inspiraram tanto a investigação por parte de historiadores e biógrafos. Esta biografia traz de volta à vida um herói, um homem apaixonado que combinou a carreira perigosa de aviador com a de autor de clássicos como O Principezinho.


Paul Webster (1937–2004), jornalista conceituado, foi, durante mais de 30 anos, o correspondente do jornal The Guardian em Paris. Embora fosse um jornalista talentoso e altamente reconhecido, ele era muito mais do que isso. Por detrás de uma grande modéstia, a sua capacidade de desbravar novos caminhos, na última década da sua vida, fez dele um autor de grande reputação, por trazer a lume uma nova e importante visão sobre os conturbados tempos da guerra em França, país que o acolheu desde 1974.

Autor de várias biografias de personalidades de renome — como é o caso de Mitterrand, L'autre histoire —, foi a biografia do autor de O Principezinho que lhe valeu a projeção internacional ao ser traduzida e publicada em diversas línguas.