sexta-feira, 6 de março de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

A estante está mais cheia #25

Mais um mês, mais livros novos na estante.
Da autora Pat R chegou O Pijama da Gata. Uma edição de autor que, pela sinopse, me parece bastante apetecível.

Também do autor, veio O Espião Português. Nuno Nepomuceno mudou-se para a Topbooks e o seu espião também. Parabéns pela capa e felicidades para este novo desafio. Eu já li o livro e posso dizer que me surpreendeu muito. Estou à espera do segundo livro da série. A opinião sairá muito em breve no blogue, talvez ainda hoje.

Da Planeta chegou o segundo livro da última série erótica de Megan Maxwell, Adivinha Quem Sou Esta Noite. A opinião do primeiro livro da série será brevemente publicada no blogue.

Também da Planeta chegou A Herança Bolena de Philippa Gregory e será uma das minhas próximas leituras.

Da Topseller chegou o novo livro de James Patterson, Private Los Angeles. Um livro a ler em breve.

Da Guerra & Paz veio o novo de Flávio Capuleto, Amar não é Pecado. Mais uma investigação do inspector Luís Borges nos meandros do Vaticano.

Linda - Como no Homicídio Linda de Leif G. W. Person veio pela Bertrand. Mais um livro que quero ler ainda este mês.

Da Esfera dos Livros veio O Monstro de Monsanto de Pedro Jardim. Será a próxima leitura do blogue.

O Meu Nome é Alice de Lisa Genova foi oferta da Lua de Papel. Uma excelente leitura, uma excelente história. Um livro que merece ser lido. Opinião em breve no blogue.

Da Porto Editora chegou a nova edição de O Principezinho. Um livro intemporal que vai para o lado do meu antigo livro oferecido por uma tia quando tinha 11 anos.









Juíza Maria Perquilhas e ator João Ricardo apresentam novo romance de Jorge Araújo



O Que Não Pode Ser Salvo - novo romance de Pedro Vieira nas livrarias a 20 de março

Título: O Que Não Pode Ser Salvo
Autor: Pedro Vieira
Género: Romance
N.º de páginas: 288
Data de lançamento: 20 de março
PVP: 16,60€

«[Pedro] Vieira é um repórter nato, com poderes de observação e  empatia raros, e com uma especial atenção ao uso da língua portuguesa.»
Pedro Mexia, Expresso

Depois de Última Paragem, Massamá (Prémio Pen Clube Português para Primeira Obra em 2012) e de Éramos Felizes e Não Sabíamos, Pedro Vieira regressa à ficção com O Que Não Pode Ser Salvo – um romance de grande força e actualidade.
Um triângulo amoroso que liga França, o Norte rural português, Lisboa e a margem sul. Uma jovem francesa, filha de emigrantes portugueses, que vem viver para a terra a que não pertence; um rapaz que luta para sair do meio devorador em que nasceu; um miúdo burguês, canhestro, com uma família de fachada; e um quarto elemento que completa o elenco de uma tragédia contemporânea de ressonâncias clássicas: história de amor, racismo, ciúme, traição, vingança e inquietação, qual Otelo de Shakespeare e de fancaria na era do rap, do Facebook e do call center. O Que Não Pode Ser Salvo é também o retrato dos males sociais e culturais que afligem um país enfraquecido pela crise económica e pela falência dos valores.
 
Lançamento no dia 19 de março, às 21h30, na Galeria Zé dos Bois. O jornalista Joaquim Furtado apresentará o livro.

Sobre o autor: 
Pedro Vieira nasceu em Lisboa, em 1975, cidade onde escreve, desenha e vive. Trabalha como consultor na empresa Booktailors, como guionista no Canal Q
das Produções Fictícias, como ilustrador na revista LER – e como português entre os escombros.




Lançamento de Desamparo de Inês Pedrosa - Terça-feira na Fnac Chiado



Sextante Editora: A estreia de Hans Keilson em Portugal

Título: Comédia em modo menor
Autor:
Hans Keilson
Tradutor: Carlos Leite
Págs.: 128
PVP: € 14,40

Em 1962, um livro de Hans Keilson estava entre os dez melhores do ano da revista Time, ao lado de títulos de Jorge Luis Borges, William Faulkner e Vladimir Nabokov. O autor judeu, que tinha sido um membro ativo da Resistência holandesa ao nazismo, acabou por cair no esquecimento. Mas, em 2009 (tinha Keilson 100 anos), a publicação da tradução norte-americana de Comédia em modo menor volta a trazê-lo à ribalta literária. É precisamente com este romance que, a 6 de março, numa edição da Sextante Editora, o autor se estreia em Portugal, no momento em que se assinalam os 70 anos do fim do Holocausto. A crítica internacional tem considerado genial este pequeno romance irónico, cheio de humor negro e brilhantemente moderno, que fala de gente comum que resiste à ocupação nazi, lembrando escritores como Joseph Roth e Franz Kafka.

Sinopse:
Comédia negra em tempo de guerra, este notável pequeno romance de Hans Keilson, originalmente publicado em 1947, revela-nos um autor excecional: profundamente irónico, escrita aguda, brilhante, moderna. É uma história de gente comum resistindo à ocupação nazi na Holanda: um casal, Wim e Marie, esconde em sua casa um judeu em fuga, Nico, e vai ter de livrar-se do seu corpo quando este morre de pneumonia.

Sobre o autor:
Hans Keilson (1909-2011) é um escritor judeu alemão-holandês, poeta e psicanalista. Foi um membro ativo da Resistência holandesa à ocupação nazi e tornou-se famoso pelos seus romances tendo como pano de fundo a Segunda Guerra Mundial. Francine Prose, quando Keilson cumpriu 100 anos e foi publicada a tradução de Comédia em modo menor nos Estados Unidos, classificou-o como «um dos grandes escritores mundiais».

Imprensa:
Leiam este livro e juntem-se a mim colocando Hans Keilson na lista dos melhores escritores do mundo. Francine Prose, New York Times
Keilson é um génio? Os seus romances são obras-primas? Não importa. Mas leiam-no. Eles vão enfeitiçar-vos. Inga Clendinnen, The Monthly
Devastador… Um sonho… Owen Richardson, The Age
Comédia em modo menor é uma afirmação do poder da consolação numa situação inconsolável, não para tornar as coisas melhores mas para nos permitir ver as coisas como elas são. Los Angeles Times


Apresentação de livro: 'Xerazade', de Manuela Gonzaga, por Vítor Rua


Lançamento de A Casa das Rosas, de Andréa Zamorano, apresentado por Pilar Del Rio hoje, às 21h30



Porto Editora publica um guia para a inteligência emocional

Título: Inteligência Emocional – Aprenda a ser feliz
Autora:
Manuela Queirós
Págs: 240
PVP: € 14,40
Preço WOOK: 12,96 €

A Porto Editora apresenta o livro Inteligência Emocional – Aprenda a Ser Feliz, da autoria de Manuela Queirós, especialista com grande experiência profissional e académica nesta matéria.
Inteligência Emocional – Aprenda a Ser Feliz é um guia sério e prático, sustentado em sólidas bases científicas, que explora o tema da Inteligência Emocional com vista a ajudar os leitores a entenderem e a regularem as suas emoções por forma a aprenderem a ser felizes.
Com um percurso académico ligado a esta temática, Manuela Queirós tem também uma vasta experiência prática, nomeadamente através da elaboração de um programa de desenvolvimento dos níveis de inteligência emocional de alunos, do pré-escolar ao ensino secundário, que hoje abrange várias escolas dos distritos de Braga, Porto, Aveiro e Leiria, mas também na realização de conferências e oficinas em que participam profissionais de diferentes áreas.
Mas este livro resulta, também, da experiência vivida pela autora no combate a uma doença grave. O conhecimento adquirido ao longo dos anos permitiu-lhe saber gerir as suas emoções e, assim, encontrar forças para levar de vencida a doença.
José Tavares, professor da Universidade de Aveiro que assina o prefácio do livro, sublinha: “Por isso, ‘jogue o seu jogue da felicidade e recorde-se todos os dias de como pode ser feliz’ é o grito da autora que aqui gostaria de deixar a todo aquele que se venha a encontrar com este livro e possa tornar mais humano e ser feliz”.

Sobre a autora:
Manuela Queirós é doutorada em Investigação em Didáticas Especiais, com acreditação do grau de Doutor Europeu, pela Universidade de Vigo, Mestre em Ativação do Desenvolvimento Psicológico e Pós-Graduada em Ciências da Educação, pela Universidade de Aveiro. Realizou a tese de doutoramento (2004) e a dissertação de mestrado (2000) na área da Inteligência Emocional.
É professora de Educação Física há 41 anos. Na Inspeção-Geral da Educação, exerceu funções nas áreas do Ensino Básico e Secundário e do Ensino Superior. Desde 2001 é docente convidada do curso de Mestrado em Administração e Gestão Escolar, na ESE Jean Piaget/Arcozelo. Desempenhou ainda as funções de coordenadora da prática pedagógica e orientadora de estágio e de dissertações de mestrado.
Autora do Programa MQ – Aprender a ser feliz, IGAC-MC - 4693/2010, criou o Projeto CIEE – Clube de Inteligência Emocional na Escola, do qual é coordenadora nacional.
É também formadora em diversas ações sobre o tema da Inteligência Emocional na Educação, todas elas creditadas pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua. Tem sido conferencista convidada em diversos eventos e preletora em conferências e simpósios nacionais e internacionais.
Desde 2000, tem publicado variados artigos em revistas científicas nacionais e estrangeiras, relativos a investigações realizadas no âmbito da Inteligência Emocional, área em que trabalha há cerca de 16 anos.


Novidade Esfera dos Livros: "1974 Depois da revolução de Abril..." uma história de Filipe Verde

Filipe Verde, na sua primeira incursão pelo romance, traz-nos um livro verdadeiramente surpreendente: um retracto de um regime fictício, mas que há quatro décadas esteve perto de despontar em Portugal.

Depois da revolução de 1974, os comunistas conquistam o poder em Portugal, com um golpe militar apoiado por Moscovo, e o País fica completamente isolado do exterior e com fronteiras vigiadas, tornando-se um dos últimos bastiões do comunismo no mundo, resistindo até à queda do Muro de Berlim e ao colapso da URSS. 

Esta é uma história desconcertante sobre resistência, amor e sofrimento num país cruel que atraiçoou os ideais de Abril e inquietante pela sua proximidade, porque nele se projectam alguns dos maiores receios das sociedades modernas, como o triunfo dos radicalismos e a privação das liberdades individuais.   

Este livro é um óptimo exercício para imaginarmos como seria Portugal em 1974 se, realmente esta história tivesse acontecido. À venda dia 6 de março.

SINOPSE
A 28 de Setembro de 1974, ainda o povo celebrava a liberdade conquistada na revolução de Abril, um golpe militar apoiado por Moscovo, e consentido por Washington, coloca os comunistas no poder em Portugal. A propriedade privada é abolida, uma base militar soviética é construída em Sines e uma nova polícia política prende, tortura e condena ao esquecimento todos os opositores do regime. Ano após ano, cerimónias grandiosas em Lisboa e no Porto celebram com paradas militares e bandeiras vermelhas os sucessivos aniversários da revolução comunista. O País mergulha num longo período de trevas que
resistirá à queda do Muro de Berlim e ao colapso da URSS. No recanto mais Ocidental da Europa, completamente isolado do exterior e com fronteiras vigiadas, subsiste um dos últimos bastiões do comunismo no mundo. É neste ambiente opressivo que se confrontam as personalidades de dois antigos amantes. Francisco, um escritor dissidente, e Maria, uma cada vez mais importante figura da nomenclatura. Francisco paga um preço demasiado alto por afrontar o regime com um livro perigoso para o poder, Maria age à luz da fé inabalável, urgente e implacável de tudo destruir para fazer nascer um mundo novo.
Retratando um mundo, mas que há quatro décadas esteve perto de despontar em Portugal, este é um romance inquietante pela sua proximidade – e porque nele se projetam alguns dos maiores receios das sociedades modernas, como o triunfo dos radicalismos e a privação das liberdades individuais.    
 

Sobre o autor:  
Filipe Verde nasceu em 1961. A primeira vocação encontrou-a na adolescência, corredor de motas. Mais tarde, o fascínio sobre as sociedades que pareciam viver na idade da pedra levou-o a estudar Antropologia. É o que faz há 30 anos, ensinando-a há 25. Publicou três livros numa contracorrente antropológica muito própria, e o que de entre eles prefere é O Homem Livre – Mito, Moral e Carácter numa Sociedade Ameríndia, uma comparação dos mitos e universos éticos de Ameríndios, Gregos clássicos e Europeus modernos. No último ano começou a escrever ficção, escrevendo dois romances. 1974 é o primeiro que publica. 



 

Novidade Bertrand: Coisas que uma mãe descobre de Filipa Fonseca Silva

Título: Coisas que Uma Mãe Descobre (e de que ninguém fala)
Autor: Filipa Fonseca Silva
Género: Prático
N.º de páginas: 144
Data de lançamento: 20 de março
PVP: 17,70€

Cheio de humor e algum sarcasmo, este é um livro indispensável para pais recentes, que descobrem algumas dicas de como lidar com as situações mais inesperadas, para pais experientes, que se vão rever em muitas das peripécias descritas, para pais grávidos, que vão poder preparar-se para o que os espera, e ainda para todos aqueles que nunca quiseram ser pais e que precisam de novas razões para continuarem a não querer.
Uma compilação de crónicas em que Filipa Fonseca Silva partilha a sua experiência na grande aventura da gravidez e maternidade e que, graças às ilustrações da talentosa Sofia Silva, pode ser completado com fotografias e notas de quem o lê, tornando-se, no final, um divertido álbum de recordações sobre o incrível mundo das mães.
«O mais importante é que são todas mães, ou seja, seres superiores que geram vidas e transbordam amor. Cada uma à sua maneira, cada uma com as suas manias, mas todas com as melhores das intenções.»

Sobre as autoras:
Filipa Fonseca Silva
Nasceu no Barreiro em 1979. Licenciada em Comunicação Social e Cultural pela Universidade Católica, preferiu a Publicidade ao Jornalismo, tornando-se criativa publicitária em 2004, profissão que ainda exerce. Aventurou-se na escrita em 2011 e a versão inglesa do primeiro romance, Os 30 – Nada é como Sonhámos, fez com que se tornasse a primeira autora portuguesa a atingir o Top 100 da Amazon.
Além de escrever, adora pintar, colecionar sapatos e comer melancia.
Vive em Lisboa com o marido, os filhos e o gato Gucci.
Coisas que Uma Mãe Descobre é o seu terceiro livro.
Pode acompanhar a autora no seu blogue - http://cronicasdumafashionvictim.blogspot.pt/

Sofia Silva
Nasceu em Lisboa em 1970. Com formação em artes plásticas pela António Arroio, e depois de uma breve carreira como vocalista de uma banda rock, aterrou na publicidade, onde trabalha como diretora de arte desde 1995. Nunca deixou de desenhar e embora este Coisas que Uma Mãe Descobre seja o seu primeiro trabalho publicado fora da publicidade, tem inúmeras ilustrações no portefólio e muitas mais na cabeça. Vive num mini-zoo em Benfica, com o marido, o filho, dois cães, dois gatos e dois canários.
http://mademoisellesilva.blogspot.pt/



quinta-feira, 5 de março de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

Resultado do Passatempo Adivinha Quem Sou Esta Noite

Obrigada a todos que participaram no passatempo "Adivinha Quem Sou Esta Noite" realizado pelo Marcador de Livros, a Planeta e a Gifts & Crafts.

O feliz contemplado com um exemplar do livro é:
Rui Alves - Água Longa


Além do seu nome figurar no blogue, o contemplado foi ainda avisado através de email.
quarta-feira, 4 de março de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidade Marcador: A Mistura de Atrevimento e Romance



Título: Estranho Irresistível 
Autor: Christina Lauren
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 284
PVP: 15,95€

UM PLAYBOY CHEIO DE CHARME
UMA JOVEM DETERMINADA A COMEÇAR A VIVER
UMA LIGAÇÃO SECRETA QUE SE REVELA EM TONS DEMASIADO QUENTES

Para esquecer um ex-namorado infiel, a especialista em finanças Sara Dillon muda-se para Nova Iorque, aproveitando uma oportunidade profissional para se afastar das desilusões recentes na sua vida amorosa. O facto de conhecer, numa discoteca, aquele homem irresistivelmente sexy não deveria ter passado de uma noite de diversão. Mas a forma – e a rapidez – com que ele acaba com todas as suas inibições faz com que se revele mais do que uma aventura ocasional: ele torna-se o seu Estranho Irresistível.

Sobre as autoras:
CHRISTINA LAUREN é uma combinação dos nomes das duas parceiras/melhores amigas/almas gémeas desde há muito tempo Cristina Hobbs e Lauren Billings, autoras de bestsellers do New York Times e USA TODAY, como a série de livros Irresistível. Os seus livros estão traduzidos em 23 línguas. Desde sempre apaixonadas por romances, separadas pelo estado do Nevada, estas coautoras e melhores amigas falam uma com a outra várias vezes por dia, concordam que o verniz para as unhas Ruby Pumps é o melhor de todos e ficariam, se pudessem, o dia inteiro a olhar para o mar, no cais de San Clemente.


TOPSELLER: "Antes Que Morras" - Um thriller perverso e intenso


«Um thriller absolutamente brilhante que o obrigará a acelerar até ao chocante final. Atenção: pode tirar-lhe o sono!» - Closer.

Se, Até que Sejas Minha deixou os fãs de thrillers psicológicos absolutamente rendidos, o mais recente livro de Samantha Hayes não vai desiludir. E, a sugestão anterior mantém-se: aconselha-se a leitura durante o dia, pois Antes que Morras (Topseller I 304 pp I 17,69€) pode tirar-lhe o sono à noite…

Perverso, intenso e totalmente compulsivo, Antes Que Morras confirma Samantha Hayes como uma das grandes autoras de suspense da atualidade.

Sinopse:
Dois anos após uma assustadora vaga de suicídios entre adolescentes, a vila remota de Radcote começa a retomar a normalidade. A inspetora Lorraine Fisher acaba de chegar para visitar a família, e o que encontra é uma atmosfera tensa e preocupante. A comunidade vê-se a braços com novas mortes misteriosas e até o seu sobrinho adolescente, Freddie, parece estar a afundar-se em pesadelos do passado.
Quando Freddie desaparece, Lorraine sabe que tem de agir rapidamente… antes que seja tarde demais.



Samantha Hayes é escritora profissional desde 2006, contando já com seis títulos publicados (Blood Ties, Unspoken, Tell Tale, Someone Else's Son, Até Que Sejas Minha e Antes Que Morras). Os seus livros estão publicados em múltiplos países: Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Holanda, Noruega, França, Espanha, Itália, Turquia, Hungria, Rússia, Brasil, Polónia e China.
Samantha Hayes viveu na Austrália e nos Estados Unidos antes de, finalmente, se estabelecer na sua terra natal, no centro de Inglaterra. Escreve sobretudo thrillers psicológicos ambientados na vida familiar e focados em assuntos do quotidiano. Até Que Sejas Minha, também publicado pela Topseller, foi um bestseller internacional, com críticas arrebatadoras.
A autora disponibiliza, em www.samhayes.co.uk, uma lista de perguntas e respostas (Q&A).



Novidades Planeta para Março

FICÇÃO ESTRANGEIRA

Título: Cress
Autora
: Marissa Meyer
Páginas: 504
PVP: 21,95 €
Disponível a partir de 4 de Março

A autora best-seller do The New York Times regressa agora com o terceiro livro da série Crónicas Lunares, uma moderna distopia baseada nos contos de fadas clássicos.
Em Cinder, o primeiro livro, recontava-se a história da Cinderela.
No segundo, ficámos a conhecer a história futurista do clássico Capuchinho Vermelho.
Este terceiro livro é baseado na história de Rapunzel.

Em Cress temos três histórias paralelas: a continuação das aventuras de Cinder e Scarlet que se cruzam com Cress, uma jovem presa num satélite desde a infância e que apenas tem os netscreens como companhia, o que fez dela uma excelente hacker.

«Este conto futurista do clássico Cinderela, será do agrado de quem leu o original e dos que nunca o leram. Marissa Meyer é brilhante na forma como pega na história e a rescreve com grande imaginação, que nos transporta para uma outra dimensão» Publishers Weekly

Neste terceiro livro de Marissa Meyer, Cinder e o capitão Thorne estão escondidos com Scarlet e Wolf. Juntos, conspiram para derrubar a rainha Levana e impedir o seu exército de invadir a Terra.
A sua melhor esperança é Cress, uma jovem presa num satélite desde a infância e que apenas tem os netscreens como companhia. Todo este tempo passado a olhar para os ecrãs fez dela uma excelente hacker.
Mas infelizmente, é obrigada a trabalhar para a rainha Levana, e recebeu ordens para localizar Cinder e o seu bonito cúmplice.
Quando o ousado resgate de Cress corre mal, o grupo desmembra-se.
Cress obtém por fim a liberdade, mas com um preço mais elevado do que jamais pensou.
Entretanto, a rainha Levana não vai deixar nada impedir o seu casamento com o imperador Kai. Cress, Scarlet, e Cinder podem não ter sido designadas para salvar o mundo, mas são a única esperança do mundo.

«Meyer cria aqui um conto de fadas feminista para os adolescentes modernos.» Wall Street Journal

Sobre a autora:
Vive em Tacoma, Washington, na companhia do marido e de dois gatos.
É fã de coisas bizarras, como Sailor Moon ou Firefly e organiza a biblioteca por cores.
Desde criança que é apaixonada por contos de fadas, um mundo que não tenciona abandonar. Pode ser que seja cyborg, ou talvez não.
Cinder é o seu primeiro romance.

NÃO FICÇÃO NACIONAL
Título: Equívocos, Enganos e Falsificações da História de Portugal Autor: Sérgio Luís de Carvalho
Páginas: 160
PVP: 14,40€
Nas livrarias a partir de 04 de Março

Um livro que pretende esclarecer e repor factos da História portuguesa tal como são, desfazendo mitos vulgares que sobre eles ainda pendem.

Sabe quem foi de facto Viriato?
O que trazia a Rainha Santa Isabel no regaço do milagre das rosas?
E o feito de Martim Moniz, será lenda?
Conhece a verdadeira história da padeira de Aljubarrota?

Com a seriedade, o rigor e o estilo vivo e irónico que lhe são característicos, Sérgio Luís de Carvalho clarifica os mitos e equívocos da História de Portugal e repõe os factos históricos.
Este livro não tem como missão (se alguma missão tem) revelar quaisquer falsificações, omissões, ocultações ou erros que os historiadores pratiquem, consciente ou inconscientemente.
Este livro tem outro objectivo. É o de esclarecer temas e assuntos da História portuguesa que são popularmente alvo de erros, de preconceitos e de equívocos na sua interpretação comum.
Dito de outra forma, o objectivo deste livro é o de afirmar a verdade histórica de determinados assuntos que têm sido alvo de deturpação ao longo do tempo.
Não se pretende desfazer alegadas falsidades forjadas pelos historiadores por motivos tenebrosos, mas antes repor os factos tal como são (à luz dos atuais conhecimentos historiográficos) desfazendo mitos vulgares, que popularmente sobre eles ainda pendem.

Sobre o autor:
Sérgio Luís de Carvalho nasceu em Lisboa em 1959.
Licenciado em História e com um mestrado em História Medieval, tem até ao momento mais de 30 livros publicados em várias áreas: estudos históricos, livros infanto-juvenis e romances.
Na Planeta publicou, até à data, o romance O Destino do Capitão Blanc (2009), os livros para os mais novos O Caminho dos Reis de Portugal (2011), O Caminho dos Presidentes da República (2011) e A Minha Primeira História de Portugal (2012) e os livros de pesquisa e divulgação ultural e histórica Nas Bocas do Mundo – Uma viagem pelas histórias das expressões portuguesas (2010), O Rei Embevedado de Amor, a Rainha Pé de Cabra, as Amantes Feiticeiras do Rei que Casou com a Cunhada e outras 208 histórias bizarras, trágicas e curiosas dos nossos reis e rainhas, e Dicionário de Insultos (2014).

Visite o site do autor em: www.sergioluisdecarvalho.com

NÃO FICÇÃO ESTRANGEIRA
Título: Mindfulness
Autor: Oli Doyle
Páginas:
136
PVP: 12,95 €
Disponível a partir de 4 de Março
Um livro essencial para se iniciar na prática do mindfulness, uma técnica inspirada na meditação oriental que ajuda a encontrar o equilíbrio e a paz interior.

 Neste guia vai encontrar conselhos e truques fundamentais para acabar com o stress e a ansiedade, libertar a mente e, de facto, pelo auto-conhecimento, ser muito mais feliz.
Mindfulness (atenção plena) é o mais recente fenómeno para alcançar o bem-estar. É uma prática de meditação que tem como finalidade última melhorar a sua qualidade de vida, através da colocação da atenção e do foco naquilo que pretende atrair para si.
Paz e felicidade estão agora a um passo, mais próximas do que imagina.
São necessários apenas uns minutos para mergulhar no momento presente - vai conseguir concentrar-se mais, ver com mais clareza e ser mais eficiente, em termos gerais, do que alguma vez achou possível.
Isto não é conversa fiada, não são princípios religiosos, nem uma demanda new age, são apenas ferramentas para ser mais feliz e mais confiante. E sem stress!

Um livro de referência pela sua linguagem simples clara e acessível, e por ir «directo ao assunto».


O autor é um reconhecido professor desta técnica e dá uma aula diária de mindfulness, disponível no seu site www.alittlepeaceandquiet.com e também no iTunes (descarregada 8000 vezes nos últimos 30 dias).

Sobre o autor:
Oli Doyle é formador de mindfulness, reconhecido especialmente por ensinar a arte àqueles que não têm qualquer experiência na sua prática.
Começou a praticar mindfulness em 2003, quando apenas existiam livros do Dalai Lama e de outros budistas. Como muitas outras pessoas, Oli Doyle achou por demais difícil aplicar aquelas palavras à prática e, por isso, dedicou-se a aproximar os ensinamentos à prática,
registando-os numa linguagem simples e acessível a todos.
Hoje em dia, Oli Doyle dedica-se a sessões de workshop de mindfulness, disponíveis no seu site
www.peacethroughmindfulness.com.au, e ao seu projecto nesta área www.alittlepeaceandquiet.com, que fornece aulas práticas que ajudam os formandos a aprofundar a sua prática rapidamente.




Novidade Bertrand: O regresso de Jeffrey Archer

Título: Só o Tempo Dirá
Autor: Jeffrey Archer
Género: Thriller
Tradutor: Fernanda Oliveira
N.º de páginas: 408
Data de lançamento: 6 de março
PVP: 17,70€

Regresso do escritor de sucesso que conta com 250 milhões de livros vendidos em 97 países.
«Só o Tempo Dirá» é o primeiro volume da série As Crónicas de Clifton.
A épica história de Harry Clifton começa em 1920, com as palavras: «Disseram-me que o meu pai morreu na guerra.» Harry nunca chegou a conhecer o pai e só chegado aos 22 anos descobre como foi que ele morreu realmente, mas essa verdade traz consigo uma pergunta inevitável: seria ele de facto seu pai? Será ele filho de Arthur Clifton, estivador, ou o primogénito de um herdeiro da alta sociedade britânica?
Criado nas docas pelo tio, a sua vida sofre uma reviravolta quando ganha uma bolsa de estudos. Mas uma vez mais, dois caminhos se estendem diante de si e Harry terá de escolher entre ir para Oxford ou alistar-se na Marinha para lutar contra Hitler.
Das docas de Inglaterra e da devastação da Grande Guerra às animadas ruas de Nova Iorque dos anos 40 e ao rebentar da Segunda Guerra Mundial, esta viagem extraordinária dá vida a um século inteiro para revelar uma história familiar que nem o leitor nem o próprio Harry poderiam imaginar.

Sobre o autor: 
Tem mais de 250 milhões de exemplares vendidos em 97 países e 37 idiomas. Autor de 16 romances, seis coleções de contos, três peças de teatro, três volumes do seu diário da prisão e um evangelho. É o único autor que foi número 1 em ficção (15 vezes), contos (quatro vezes) e não ficção (Os Diários da Prisão). Archer é casado com Dame Mary Archer DBE, têm dois filhos e vivem em Londres e Cambridge.



Livros do Brasil: O regresso da coleção Dois Mundos

A chancela Livros do Brasil regressa às livrarias nacionais no dia 6 de março com nova imagem e renovado trabalho editorial.
Nove títulos que integram a icónica coleção dedicada à grande literatura universal.
No início do ano foi anunciada a integração da Livros do Brasil no Grupo Porto Editora. Dois meses depois, mais precisamente a 6 de março, chegam às livrarias portuguesas os primeiros nove livros com esta chancela, inseridos na coleção Dois Mundos, a prestigiada coleção dedicada à grande literatura universal. Nesse conjunto, está incluído o romance Música para Camaleões, do americano Truman Capote, uma estreia no catálogo da Livros do Brasil, com uma nova tradução de Paulo Faria. Ganham ainda nova edição os livros As Vinhas da Ira, A Pérola e O Inverno do nosso Descontentamento, do Nobel John Steinbeck, O Adeus às Armas, Paris é uma Festa e Na Outra Margem, entre as Árvores, do também Nobel Ernest Hemingway, A Condição Humana, de André Malraux, e Mrs Dalloway, de Virginia Woolf.
O novo grafismo dos livros da coleção Dois Mundos é da responsabilidade do atelier Silvadesigners.

Título: Música para Camaleões
Autor:
Truman Capote
Tradutor: Paulo Faria
Págs.: 272
PVP: € 15,50

Um psicopata seguidor de Charles Manson em conversa entre cigarros na sua cela da prisão de San Quentin. Uma empregada de limpezas em visita pelas casas dos seus diversos clientes. Marilyn Monroe num funeral a partilhar mexericos sexuais. Uma elegante aristocrata crioula a tocar piano para camaleões num salão da Martinica. E, lado a lado com todos eles, Truman Capote com um olhar de lucidez implacável sobre a poesia e a violência da vida, num relato onde histórias e personagens reais se revelam com o brio estilístico da melhor ficção. Música para Camaleões reúne catorze contos que são, ao mesmo tempo, grande literatura e grande jornalismo, na linha do projeto de narrativa não-ficcional que o autor iniciara brilhantemente com A Sangue Frio. Publicada em 1980, esta foi a última grande obra lançada por Capote.

Título: As Vinhas da Ira
Autor:
John Steinbeck
Tradutor: Virgínia Motta
Págs.: 576
PVP: € 19,90

Na década de 1930, as grandes planícies do Texas e do Oklahoma foram assoladas por centenas de tempestades de poeira que causaram um desastre ecológico sem precedentes, agravaram os efeitos da Grande Depressão, deixaram cerca de meio milhão de americanos sem casa e provocaram o êxodo de muitos deles para oeste, rumo à Califórnia, em busca de trabalho. Quando os Joad perdem a quinta de que eram rendeiros no Oklahoma, juntam-se a milhares de outros ao longo das estradas, no sonho de conseguirem uma terra que possam considerar sua. E noite após noite, eles e os seus companheiros de desdita reinventam toda uma sociedade: escolhem-se líderes, redefinem-se códigos implícitos de generosidade, irrompem acessos de violência, de desejo brutal, de raiva assassina. Este romance que é universalmente considerado a obra-prima de John Steinbeck, publicado em 1939 e premiado com o Pulitzer em 1940, é o retrato épico do desapiedado conflito entre os poderosos e aqueles que nada têm, do modo como um homem pode reagir à injustiça, e também da força tranquila e estoica de uma mulher. As Vinhas da Ira é um marco da literatura mundial.

Título: A Pérola
Autor:
John Steinbeck
Tradutor: Clarisse Tavares
Págs.: 80
PVP: € 11,00

História comovente de uma pérola enorme, de como foi descoberta e de como se perdeu, levando com ela os sonhos bons e maus que representava. História também de uma família e da solidariedade especial entre uma mulher, um pobre pescador índio e o filho de ambos. Baseada num conto popular mexicano, A Pérola constitui uma inesquecível parábola poética sobre as grandezas e as misérias do mundo em que vivemos.

Título: O Inverno do Nosso Descontentamento
Autor:
John Steinbeck
Tradutor: João Belchior Viegas
Págs.: 304
PVP: € 15,50

O último romance que Steinbeck publicou, em 1961, é dominado pelos temas sociais, que conferiram à obra do autor uma unânime ressonância internacional. O núcleo do romance é o dinheiro, a hipocrisia e os falsos valores, a crítica serena mas implacável às engrenagens de uma sociedade que mutila o homem no que ele tem de mais autêntico. Na ponta final da sua carreira literária, John Steinbeck reencontra o fulgor de As Vinhas da Ira, o seu romance mais famoso, galardoado em 1939 com o Prémio Pulitzer.

Título: O Adeus às Armas
Autor:
Ernest Hemingway
Tradutor: Adolfo Casais Monteiro
Págs.: 320
PVP: € 15,50

O Adeus às Armas, provavelmente o melhor romance americano resultante da experiência da Primeira Guerra Mundial, é a história inesquecível de Frederic Henry, um condutor de ambulâncias que presta serviço na frente italiana, e da sua trágica paixão por uma enfermeira inglesa. Romance de amor e sofrimento, de lealdade e deserção, O Adeus às Armas, escrito quando o autor tinha apenas trinta anos, ficará para sempre como uma das obras-primas de Ernest Hemingway.

Título: Na Outra Margem, entre as Árvores
Autor:
Ernest Hemingway
Tradutor: João Palma-Ferreira
Págs.: 240
PVP: € 14,40

No rescaldo da Segunda Guerra Mundial, o coronel americano Richard Cantwell aporta em Veneza – e é aí que viverá as suas últimas vinte e quatro horas. Entre o terror da memória e a debilidade provocada por uma saúde em declínio, surge inesperado um amor vertiginoso por uma jovem condessa italiana, um sentimento capaz de superar a razão, os medos, a implacabilidade do fim iminente. Uma homenagem ao amor espontâneo, à resiliência do espírito humano e à beleza da cidade que os inspira, Na Outra Margem, entre as Árvores surge como uma resposta de esperança e de afeto aos gestos de desumanização provocados pela guerra. Livro enternecedor e trágico, publicado em 1950, levou o escritor John O’Hara a considerar Ernest Hemingway «o mais importante autor desde Shakespeare».


Título: Paris é uma Festa
Autor:
Ernest Hemingway
Tradutor: Virgínia Motta
Págs.: 168
PVP: € 13,30

Em 1921, um jovem Ernest Hemingway chega a Paris decidido a abandonar o jornalismo e a iniciar carreira como escritor. De bolsos vazios e a cabeça povoada de sonhos, percorre as ruas de uma cidade vibrante nos dias de pós-Primeira Guerra Mundial, senta-se nos seus cafés para escrever, recolhe-se em retiros apaixonados com a sua primeira mulher, Hadley, e partilha aprendizagens e aventuras com algumas das mais fulgurantes figuras do panorama literário da época, como Ezra Pound, F. Scott Fitzgerald ou a madrinha desta – por si apelidada – «geração perdida», Gertrud Stein. Situada entre a crónica e o romance, Paris é uma Festa é a memória destes anos e a obra mais pessoal e reveladora de Hemingway. Deixada inacabada pelo autor, seria publicada postumamente, em 1964.

Título: A Condição Humana 
Autor: André Malraux
Tradutor: Jorge de Sena
Págs.: 304
PVP: € 15,50

Numa Xangai rendida à violência, quatro homens vivem o fervilhar dos primeiros dias da revolução chinesa de 1927: Kyo Gisors, um dos líderes da luta comunista, idealista e intelectual, a braços com a sua própria crise familiar; Tchen, um terrorista atormentado pelos assassínios perpetrados; Clappique, um boémio francês, traficante de ópio e negociador de armas; e Katov, o revolucionário russo que tranquilamente observa o desenrolar dos acontecimentos até ao momento do seu sacrifício derradeiro. Publicado em 1933, e nesse mesmo ano distinguido com o Prémio Goncourt, A Condição Humana é um documento incontornável de reflexão sobre o indivíduo, sobre o confronto entre ética pessoal e convicção ideológica, sobre traição e morte, sobre amor e liberdade. Uma «duradoura obra-prima da literatura universal», escreve Jorge de Sena, tradutor e prefaciador desta edição portuguesa, depois de cuja leitura «se não é o mesmo».

Título: Mrs Dalloway
Autor:
Virginia Woolf
Tradutor: Mário Quintana
Págs.: 176
PVP: € 13,30

Numa clara manhã de primavera, Clarissa Dalloway resolve sair para comprar flores para a festa que acolherá naquela mesma noite, em sua casa. Enquanto passeia pelas ruas de Londres, são recolhidas imagens, sensações e ideias, entrelaçadas com as personagens que habitam o seu mundo – do marido, Richard Dalloway, à filha, Elizabeth, e a Peter Walsh, amigo de juventude acabado de voltar da Índia – e que com ele se cruzam fatalmente – como Septimus Warren Smith, veterano da Primeira Guerra Mundial assombrado pela doença mental. Romance que revelou em pleno o talento de Virginia Woolf, a sua perspicácia, a sensibilidade transparente e, sobretudo, a arte suprema de descrever os segredos das almas – não os atos mas as sensações que eles despertam – fazem de Mrs Dalloway uma obra-prima indiscutível da literatura universal.







TOPSELLER: "Uma Nova Esperança", um novo romance arrebatador



«Colleen Hoover é uma das vozes mais vigorosas da ficção para jovens adultos.» - Kirkus Reviews

«De vez em quando aparece um livro assim, que nos corta a respiração.» - USA Today

Com o intenso romance Um Caso Perdido (Hopeless), a autora Coleen Hoover, que já atingiu o 1.º lugar no top de vendas do New York Times, conseguiu comover e arrebatar as leitoras portuguesas. Agora está de regresso com um novo romance, Uma Nova Esperança (Hope) (Topseller I 304 pp I 17,69€), a continuação da emocionante história de Hope e Holder.

Sinopse:
Holder é um adolescente em busca da sua melhor amiga, Hope, a quem voltou costas um dia, há treze anos. O mesmo dia em que ela foi raptada e levada para sempre. Quando uma tragédia envolve a irmã gémea de Holder, Less, a necessidade de encontrar Hope torna-se mais forte do que nunca. Holder sente-se diariamente perseguido por fortes sentimentos de culpa, e os remorsos que sente por não ter conseguido ajudar nem a sua irmã, nem Hope, são devastadores.

Quando um dia, inesperadamente, se cruza com uma rapariga que se parece com Hope, Holder vai fazer tudo para se aproximar dela a fim de reencontrar a paz de que tanto necessita. Mas porque insiste Hope em dizer que se chama Sky e que não o conhece? E, por outro lado, porque sente Holder que esta rapariga, que o rejeita e se tenta afastar, precisa tanto dele quanto ele precisa dela?

Uma Nova Esperança (Hope) narra pela voz de Holder um reencontro que trará memórias há muito esquecidas e que revelará verdades que poderão doer demasiado. Para alcançarem a paz e a felicidade, Holder e Hope terão de encarar a mais dolorosa e íntima das memórias. Conseguirão ambos traçar um caminho juntos após desenterrarem um passado tão difícil? E será o amor de Hope a chave para uma nova esperança na vida de Holder?

Sobre a autora:
A autora norte-americana, que antes de se tornar escritora a tempo inteiro vivia numa rulote, ganhava 9 dólares por hora e publicava e-books por carolice, comoveu muitas leitoras com os dez livros que escreveu, incluindo Um Caso Perdido (Hopeless), publicado em Portugal, em 2014, pela Topseller.
Colleen cresceu numa quinta, no Texas, casou-se aos 20 anos e tirou uma licenciatura em Serviço Social. Trabalhou nos Serviços de Proteção a Crianças, antes de voltar aos estudos para concluir a sua formação em Educação Especial e Nutrição Infantil. Vive com o marido e os três filhos à beira de um lago no Texas.





Novidade Casa das Letras: O Rei, de J. R. Ward

Título: O Rei
Autor: J. R. Ward
N.º de Páginas: 720
PVP: 21,90€

Vencerá o verdadeiro amor… ou a linhagem real ficará comprometida?
Durante séculos, Wrath esteve de costas voltadas para as obrigações do trono. Mas agora, com a ajuda da sua amada companheira, resolve finalmente assumir o manto e o trono do pai. No entanto, o peso da coroa sobre a sua cabeça é brutal. Enquanto a guerra com a Sociedade dos Minguantes prossegue sem dar tréguas e a ameaça do Bando de Bastardos parece finalmente ter atingido o alvo, Wrath é forçado a fazer uma escolha que coloca tudo – e todos – em risco. Beth Randall julgou que estava consciente dos problemas que poderiam surgir quando acasalou com o último vampiro puro-sangue do planeta: nunca seria uma tarefa fácil! Mas quando decide que quer ter um filho, percebe que não estava preparada para a reação de Wrath – ou para a distância que essa decisão criaria entre eles.


Sobre o autor:
J. R. Ward vive no Sul dos Estados Unidos, com o seu marido incrivelmente generoso e o seu amado golden retriever. Depois de se ter formado em Direito, começou a sua vida profissional na área da saúde, em Boston, tendo passado muitos anos como chefe de equipa de um dos centros clínicos do país. A escrita foi sempre a sua paixão, e a sua ideia de Céu é um dia inteiro com mais nada além do seu computador, o seu cão e a caneca de café. Este é o décimo segundo volume da saga «Irmandade da Adaga Negra».