sexta-feira, 13 de março de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

Amar não é Pecado - Flávio Capuleto [Opinião]


Título: Amar Não É Pecado
Autor: Flávio Capuleto
N.º de Páginas: 272 páginas
PVP: 15,99 €
Nas livrarias a 18 de Fevereiro
Guerra e Paz|Clube do Livro SIC

Sinopse:
Uma pergunta abala os alicerces do Vaticano: os padres podem ou não podem casar?

Há congregações em luta. Cada uma escolhe as suas armas, nem sempre as mais honestas. O inspector português Luís Borges e a ardente simbologista Valéria Del Bosque têm nas mãos um argumento de choque, um manuscrito que vai ser um terramoto na Santa Sé.

Contra bispos, cardeais e a máfia russa, de Roma a Moscovo, passando por Paris, Jerusalém e Damasco, Luís e Valéria vivem aventuras cheias de perigos e pecados, todos mortais. Entre prostitutas e criminosos, Luís e Valéria estão à beira de encontrar o verdadeiro Jesus Cristo. Se o manuscrito que descobriram for verdadeiro, então, definitivamente, AMAR NÃO É PECADO. Nem mesmo na Santa Sé.

Depois do êxito de Inferno no Vaticano, Amar não É Pecado é o romance em que Flávio Capuleto vai até à mais recôndita intimidade de Jesus, o Deus que se fez Homem. Um escândalo? Não, não é, porque Amar não É Pecado.

Se Jesus amou, porque não podem os padres amar?

A minha opinião:
Depois de Inferno no Vaticano, publicado no início do ano passado, estava curiosa por ler mais uma aventura do inspector Luís Borges e da simbologista Valéria Del Bosque. Se no primeiro romance policial havia mortes nas catacumbas do Vaticano, neste segundo thriller Flávio Capuleto leva-nos para um achado surpreendente: a descoberta de um manuscrito antigo que vai abalar a Santa Sé.

Mais uma vez este achado vai reunir esta dupla de investigadores, que vão contar com uma equipa forte de agnósticos que os vai ajudar nas mais diversas adversidades, quer no Egipto, quer na Rússia, para conseguir os seus objectivos. Mas alcançar o manuscrito não é tão fácil como imaginam e todos andam à procura do mesmo...

Entretanto, uma questão se vai colocando no Vaticano: os padres devem ou não devem casar? Sabendo que há cada vez mais padres a abandonar o sacerdócio para casar, será que deve-se colocar um ponto final ao celibato? Essas são questões pertinentes colocadas no livro e que poderão estar correlacionadas com o manuscrito. Será o manuscrito a chave para todas as questões?


Este é um género de história que me atrai bastante, começando pelas questões que implica, pelas dúvidas que coloca no seio da igreja católica. Normalmente a acção neste género de livros decorre a um ritmo surpreendente e sem que nos apercebamos o livro lê-se num instante, num só fôlego.

O único senão é que a história foi pouco explorada e acabou por ficar o gosto amargo de ter querido ler um pouco mais. O final um pouco abrupto, o facto de não ter entendido muito bem o sentido de os russos também andarem à procura do manuscrito, a falta de química entre os dois protagonistas, que continuam a tratar-se por você, mesmo durante as cenas íntimas, levou-me a desejar um pouquinho mais.

Mesmo assim recomendo.



O outro livro do autor:
Inferno no Vaticano





Novidade Clube do Autor: A Noite Sonhada - Prémio Primavera de Romance - dia 19 nas livrarias


Título: A Noite Sonhada
Autor: Màxim Huerta
Prémio Primavera de Romance


Tradução: Ana Glória Lucas
N.º de Páginas: 352 
PVP: 16,50€
19 de Março nas livrarias
 
«Uma história de amor e de dor protagonizada por um rapaz que quer mudar o destino da sua família.» El País

«Justo é o exemplo daquilo que somos capazes de fazer por amor e para trocar a vida que temos por aquela que desejamos.» El Mundo

«Uma história memorável e emotiva.» Que Leer

A Noite Sonhada, nas livrarias a 19 de Março, é um romance sobre a busca da felicidade e sobre aquilo que somos capazes de fazer para transformar os sonhos em realidade, os anseios em concretizações.

Ao longo das suas páginas, o leitor descobrirá que a viagem mais intensa da vida é aquela que nos leva em direção ao amor e, por isso, nunca devemos de deixar de sonhar e de lutar por ele.

É isso que faz Justo, o benjamim da família Brightman e protagonista desta história. Na pequena aldeia de Calabella, na Costa Brava, todos os habitantes esperam ansiosamente pela noite mais importante do ano, a véspera de São João. Justo escolheu essa noite para fazer da sua família uma família feliz. Naquela data, todos pediam desejos; Justo Brightman decidiu torná-los realidade.

Trinta anos depois, Justo visita a mãe, decidido a contar-lhe a verdade sobre o passado. O que aconteceu de facto na noite de São João? E como foi que a sorte de ambos mudou naquele verão?

O primeiro romance do jornalista espanhol Màxim Huerta publicado em Portugal depressa conquistou a crítica e os leitores. Vencedor do Prémio Primavera de Romance 2014, A Noite Sonhada esteve várias semanas no top dos livros mais vendidos.

Porto Editora : "Diálogos com José Saramago" e "Folhas Políticas"

Título: Diálogos com José Saramago
Autor:
Carlos Reis
Págs.: 184
PVP: 13,30 €

Em Lanzarote, no ano de 1996, José Saramago recebeu Carlos Reis para uma conversa de largas horas onde a criação literária e a condição de escritor foram temas centrais. Daí resultou o livro Diálogos com José Saramago, que a Porto Editora publica a 20 de março, um documento que, como diz o professor Carlos Reis, revela «alguma coisa do seu pensamento estético e da sua forma de estar na vida, como escritor, mas também como cidadão».
A sessão de lançamento deste livro está agendada para o dia 16 de abril, às 18:30, na sede da Fundação José Saramago (Casa dos Bicos, Rua dos Bacalhoeiros, 10, Lisboa).
Informamos ainda que já está nas livrarias a nova edição de Folhas Políticas, um livro que reúne os artigos escritos por José Saramago entre 1976 e 1998 para jornais e revistas portugueses e estrangeiros; artigos de vincado teor político mas com espaço para outros assuntos, como a cultura, memórias e crónicas do quotidiano.

Sinopse:
José Saramago entrevistado por Carlos Reis. Um registo de testemunhos realizado durante cerca de sete horas em que o professor universitário questiona o criador de Blimunda sobre a formação, a aprendizagem, a profissão e a condição de escritor. Sobre a História como experiência. José Saramago fala-nos sobre a linguagem da literatura, os géneros literários, a narrativa e o romance, sem omitir os temas e valores, os sentidos e destinos comuns. Uma obra disponibilizada para «leitores de diversa motivação: do leitor corrente dos romances de Saramago ao estudioso da sua obra, passando pelo professor que trabalha com os seus textos e pelo estudante que (supostamente) os lê».

Sobre Carlos Reis:
Carlos Reis é professor catedrático da Universidade de Coimbra, sendo especialista em Literatura Portuguesa dos séculos XIX e XX.
Autor de cerca de uma quinzena de livros, ensinou em diversas universidades da Europa, dos Estados Unidos e do Brasil. É Doutor Honoris Causa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Dirige a Edição Crítica das Obras de Eça de Queirós e a História Crítica da Literatura Portuguesa. Foi diretor da Biblioteca Nacional (1998-2002) e reitor da Universidade Aberta (2006-2011). É autor de vários ensaios sobre José Saramago e a sua obra.

Sobre Folhas Políticas
Não vai faltar quem me acuse de que alguns destes textos são desapiedados e injustos, que, tendo sido já politicamente inoportunos e impertinentes na própria época em que foram escritos, muito mais o vêm a ser agora, e que, argumento final, não é atitude das mais prudentes e sensatas da minha parte, considerando que todos temos os nossos «telhados de vidro», reabrir as chagas que o tempo, melhor ou pior, teve a caridade de cicatrizar. Disso, como do resto, pensará cada um o que quiser, e por isso responderá. Em todo o caso, creio que estas Folhas Políticas, de cuja honradez cívica não reconheço a ninguém o direito de duvidar, levam dentro verdades suficientes para que sejam capazes de defender-se sozinhas, sem ajuda. Nem sequer a minha.
José Saramago

Novidade Guerra & Paz: O drama de vida de Fernando Correia



Título: Piso 3, Quarto 313
Autor: Fernando Correia
N.º de Páginas: 184 páginas + 8 (a cores)
PVP: 15,20 €
Nas livrarias a 18 de Março
Guerra e Paz|Clube do Livro SIC

Sinopse:
Pode um livro nascido da dor transmitir felicidade?

Fernando Correia, voz maior da rádio portuguesa, nome grande do desporto e da televisão, teve a vida pessoal abalada pela doença que atingiu a sua mu­lher, a doença de Alzheimer. Sofre, luta diariamente, em família e com a reser­va a que tem direito.

Fernando Correia escreveu Piso 3, Quarto 313 para dar testemunho, com to­tal compreensão pelos doentes e pelos familiares que sofrem, amam e tantas vezes choram, na impossibilidade de fazerem melhor.

Fernando Correia apresenta-nos Vera, a mu­lher da sua vida, bonita, inteligente, luta­dora, mãe-coragem de três filhas, que se transformou na habitante incógnita de um mundo sem memória, sem saudade e sem amor.

Este é um livro que avisa e prepara os que ainda não conhecem os efeitos do Alzheimer. Um livro que consola e anima todos os que na sua vida se confrontam com essa impiedosa doença.

Sobre o autor:
Jornalista, comentador de rádio e te­levisão, professor, nasceu em 1935 e dividiu a sua infância entre a Moura­ria, o Alto de Santo Amaro e São Do­mingos de Benfica.
Entrou para a Emissora Nacional em 1958. Trabalhou depois na RDP, Rádio Clube Português, Rádio Co­mercial e TSF. Foi director do Diário Desportivo e redactor e colaborador dos jornais Record, A Capital, O Diá­rio, Gazeta dos Desportos, Jornal de Notícias e Diário Popular.
Actualmente colabora na Rádio Amália e é comentador residente da TVI.
Sportinguista assumido, colabora com a Sporting TV, depois de ter sido director adjunto e director do jornal do clube. É casado, pai de cinco filhos e avô de dez netos. Nascido num dia quente de Verão, é Caranguejo de sig­no.








Lançamento O Que Não Pode Ser Salvo, de Pedro Vieira



Autoridade = Crianças Felizes ? Sim, é possível!!

Porque a felicidade dos nossos filhos é sempre um assunto importante e porque procuramos cada vez mais estratégias que nos ajudem a educar com autoridade mas que estimulem a auto-estima das crianças, convidamos a especialista em coaching e aconselhamento parental, Magda Gomes Dias e autora do blog Mum’s the Boss a escrever o livro Crianças Felizes.

Este livro pretende ajudar os pais a aperfeiçoar a sua autoridade e a auto-estima dos filhos, através de uma linguagem prática e directa, com muitas sugestões e recorrendo a exemplos do dia-a-dia para educarmos crianças resilientes, positivas e felizes, sem abdicar da autoridade, mas equilibrando tudo com mimo, empatia, carinho e amizade

A ideia é conseguirmos perceber o porquê daquela birra que aparece vinda do nada, aprendermos a falar com os nossos filhos, tendo em conta não só o que dizemos mas também como dizemos.

Sinopse:
Quantas vezes deixamos os nossos filhos na escola e vamos para o trabalho a pensar «por que é que temos sempre de nos aborrecer logo de manhã uns com os outros? Por que é que as coisas não correm bem?» Prometemos que quando os formos buscar, as coisas serão diferentes. Planeamos actividades para fazermos no final do dia, idealizamos os momentos que queremos viver, para depois esbarrarmos no cansaço deles [e no nosso] e é o «vira-o-disco-e-toca-o-mesmo». Zangamo-nos, gritamos, afastamo-nos e sentimos o nosso coração a ficar pequenino porque sabemos que não é nada daquilo que queremos... Mas há formas simples e práticas de dar a volta ao texto e de educarmos crianças resilientes, positivas e felizes, sem abdicar da autoridade, mas equilibrando tudo com mimo, empatia, carinho e amizade. Basta percebermos o porquê daquela birra que aparece vinda do nada, aprendermos a falar com os nossos filhos, tendo em conta não só o que dizemos, mas também como dizemos. Magda Gomes Dias, especialista em Coaching e Aconselhamento Parental, através de uma linguagem prática e directa, e recorrendo a exemplos do dia-a-dia e muitas sugestões, apresenta-nos um livro fundamental para desfrutarmos a 100% da relação com os nossos filhos. Porque se a relação parental for equilibrada, pacífica e saudável, sobrar-nos-á tempo para vivermos em conjunto a felicidade de sermos pais e filhos.      

Sobre a autora:
Magda Gomes Dias é formadora nas áreas comportamentais e comunicacionais há mais de 12 anos. Porque sabe que os comportamentos se escolhem e que «comportamento gera comportamento», aborda as questões parentais e da educação positiva através dessa lente. Com certificação internacional em Inteligência Emocional, em Educação Positiva e em Coaching, esta mãe de duas crianças é também a autora do blogue Mum’s the boss e do site ParentalidadePositiva.com  Seja nos workshops, nas conferências, nas empresas, no blogue ou até nas suas sessões de Coaching e Aconselhamento Parental, a missão da Magda é entusiasmar os pais para estas temáticas, provando que é possível educar com base no respeito mútuo, desenvolvendo relações felizes e com profundo significado. Educar da cabeça para o coração, e portanto para a felicidade, é o que a move.


 

 
quinta-feira, 12 de março de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidade «100 Maneiras de fazê-los obedecer», da psicóloga Anne Bacus

Título: 100 Maneiras de Fazê-los Obedecer
Autor:  Anne Bacus
Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 256
Editor: Matéria Prima
PVP: 15,80€

Sinopse:
Há formas simples de evitar os confrontos e o descontrolo entre pais e filhos. É possível fazê-los obedecer sem dramas e conseguir recuperar a harmonia familiar. A psicóloga Anne Bacus ajuda a resolver estas e muitas outras questões que preocupam cada vez mais os pais.
Evite os confrontos, aceite o lugar de chefe, pare de gritar, dê autonomia, valorize os momentos em família, imponha regras, defina limites, permita desvios, não tenha medo de dar afeto. Estes são apenas alguns dos 100 conselhos simples e eficazes que Anne Bacus apresenta neste livro. Só tem de escolher aqueles que mais se adequam a cada momento, à criança e à sua dinâmica familiar.

Sobre a autora:
Anne Bacus é psicóloga há mais de 20anos,em França, onde é uma profissional de referência. Tem-se dedicado a melhorar o bem-estar das famílias. Interessa-lhe a família como um todo, mas também cada um dos seus elementos, porque só quando as partes funcionam o conjunto pode ser feliz.
Autora de vários livros sobre crianças, Anne Bacus defende a autonomia da criança, num ambiente onde a disciplina e a autoridade não podem ser esquecidos. Este é o seu primeiro livro de pedagogia editado em Portugal.



Em Busca de Segurança, novo livro de Joseph E. Stiglitz, a 13 de março nas livrarias

Título: Em Busca de Segurança
Autor: Joseph E. Stiglitz e Mary Kaldor
Género: Economia
Tradução: Sara M. Felício
N.º de páginas: 560
Data de lançamento: 13 de março
PVP: 22,20€

«Este livro expõe diretamente as falhas do governo global e oferece soluções pragmáticas para a construção de um mundo seguro, sustentável e pós-crise.» George Papandreou, ex-primeiro-ministro grego
Os ensaios nesta coletânea enfrentam corajosamente a questão da procura de segurança decorrente das crises sociais, económicas, ambientais e políticas, e das transformações ocorridas no nosso século.
Num mundo globalizado, sem a presença de um governo global, com um sistema de governação global que não está a altura da tarefa, como conseguiremos alcançar a segurança sem recorrer ao protecionismo e ao recuo da globalização?
Joseph E. Stiglitz e Mary Kaldor e os seus colaboradores fazem nestas páginas uma análise ampla e equilibrada da paisagem global e dos fatores que contribuem para o crescimento da insegurança, não esquecendo o impacto da violência sobre o ambiente e as cidades, e abordando ainda o futuro da governança global.


Sobre os autores:
Joseph E. Stiglitz é professor universitário e copresidente da Comissão de Pensamento Global na Universidade de Columbia. Vencedor do Prémio Nobel de Economia em 2001, é um dos principais autores do relatório de 1995 do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas das Nações Unidas – entidade que em 2007 partilhou o Prémio Nobel da Paz com Al Gore. Foi presidente do Conselho de Consultores Económicos dos Estados Unidos durante a administração Clinton e foi economista -chefe e vice -presidente sénior do Banco Mundial, de 1997 a 2000. Publicou recentemente o livro O Preço da Desigualdade (2013, Bertrand Editora).
Mary Kaldor é professora de Governança Global e diretora do Núcleo de Investigação em Sociedade Civil e Segurança Humana da London School of Economics. É autora de vários livros e foi fundadora do European Nuclear Disarmament (END) e da Helsinki Citizen’s Assembly. É presidente do Grupo de Estudos de Segurança Humana.

O Enigma da Chegada, romance de V. S. Naipaul inédito em Portugal, nas livrarias a 20 de março C

Título: O Enigma da Chegada
Autor: V. S. Naipaul
Género: Romance
Tradução: José Vieira de Lima
N.º de páginas: 440
Data de lançamento: 20 de março
PVP: 19,90€

O romance mais autobiográfico do Prémio Nobel da Literatura, inédito em Portugal.
«A grande e incessante correnteza dos homens e das coisas sobre a face da Terra.» Daily Telegraph
«O trabalho de um homem sem ilusões que confirma mais uma vez a verdade de que é um dos melhores e mais influentes escritores entre nós.» Sunday Times
«Grande dignidade, compaixão e candura.» Anthony Burgess, Observer
A história de um jovem indiano do Caribe que chega a uma Inglaterra pós-imperial e do caminho que este trilha na descoberta de si enquanto escritor. Uma particularíssima viagem desde a colónia britânica de Trindade às regiões rurais da velha Inglaterra, e também de um estado de espírito para outro. Um romance riquíssimo de notável inventividade.

Sobre o autor:
V.S. Naipaul nasceu nas Caraíbas (em Trindade), em 1932, no seio de uma família de origem indiana. Em 1950 foi estudar para Inglaterra, graças a uma bolsa de estudo. Após os primeiros quatro anos na Universidade de Oxford, começou a escrever, atividade a que, desde então, se dedicou ininterruptamente: entre o romance e o ensaio, Naipaul publicou mais de uma vintena de livros, entre os quais o extraordinário conjunto que a Quetzal tem vindo a editar: A Curva do Rio, Uma Casa para Mr. Biswas, A Máscara de África. Em 1971 V.S. Naipaul foi galardoado com o Booker Prize e, em 2001, com o Prémio Nobel da Literatura.

quarta-feira, 11 de março de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

O Meu Nome é Alice - Lisa Genova [Opinião]

Título: O Meu Nome é Alice
Autor: Lisa Genova
Tradução: Elsa T. S. Vieira
Edição/reimpressão: 2015
N.º de Páginas: 320
Editor: Lua de Papel
PVP: 14,90€

Sinopse:
O mundo de Alice é quase perfeito. É professora em Harvard, vive com o marido uma relação que resiste à passagem dos anos, às exigências da carreira, à partida dos filhos. E tem também uma mente brilhante, admirada por todos, uma mente que não falha… Um dia porém, a meio de uma conferência, há uma palavra que lhe escapa. É só uma palavra, um brevíssimo lapso. Mas é também um sinal, o primeiro, de que o mundo de Alice começa a ruir.
Seguem-se as idas ao médico, as perguntas, os exames e, por fim, a certeza de um diagnóstico terrível. Aos poucos, quase sem dar por isso, Alice vê a vida a fugir-lhe das mãos. Ama o marido intensamente, ama os filhos, e todos eles estão ali, à sua volta. Ela é que já não está, é ela que se afasta, suavemente embalada pelo esquecimento, levada pela doença de Alzheimer.
O Meu Nome É Alice é a narrativa trágica, dolorosa, de uma descida ao abismo. É o retrato de uma mulher indomável, em luta contra as traições da mente, tenazmente agarrada à ideia de si mesma, à memória da sua vida, à memória de um amor imenso.

A minha opinião: 
Confesso que se não fosse o filme, protagonizado por Julianne Moore, este livro ter-me-ia passado ao lado. Não vi grande publicidade sobre ele quando foi publicado, ou então não me puxou assim tanto para lê-lo. O que é certo é que perderia uma excelente leitura, porque de facto gostei bastante dele, bem mais do que do filme em si, que visionei depois de o ter lido.

Alice é uma mulher brilhante. Professora de psicologia na Universidade de Harvard, vive praticamente para o seu trabalho dando conferências em várias partes do país. A sua mente não a trai até que um dia, numa conferência se esquece de uma palavra. Seria o princípio do fim.

Esta poderia ser uma história banal de mais uma paciente de Alzheimer caso Alice não tivesse cinquenta anos. De facto, não é muito usual vermos pacientes tão novas com esta doença. Confesso que não sabia existir, Alzheimer precoce mas depois do mediatismo à volta do filme, a revista Sábado fez uma reportagem com pessoas que sofrem de Alzheimer precoce e fiquei deveras impressiona. A realidade está bem perto de nós e existe. Pior: Este tipo de Alzheimer é hereditário e há forte probabilidade de os filhos poderem vir a "herdar" estes genes...



Tudo isso o leitor vai vivenciando no livro. O declínio de Alice é alucinante. E como é uma mulher inteligente tudo parece ser ainda mais precoce. E nem os remédios que poderiam retardar a morte das células parece fazerem efeito. Em menos de um ano, Alice está dependente de todos. Alice usa de todos os métodos para se poder lembrar das mais pequenas coisas, mas nem isso a parece ajudar. E foram as pequenas coisas do dia a dia que mais me impressionaram.

Lisa Genova, a autora, é neurocientista, percebendo-se perfeitamente que sabe do que fala. Depois de ter convivido com a doença decidiu dar voz a Alice e escrever um livro emotivo, envolvente, que nos fez ver a Alzheimer de uma outra forma.

Recomendo.





 Excerto:

"Normalmente pensamos na Alzheimer como uma doença que afecta os mais idosos, mas dez por cento das pessoas com Alzheimer têm essa forma precoce e menos de sessenta e cinco anos."

"- Tenho tanta pena de ter isto. Não aguento pensar em como vai ser ainda pior. Não aguento pensar que um dia vou olhar para ti, para esta cara que amo, e não vou saber quem tu és."






Apresentação Biochá



Novidade Asa: Vítimas da Tradição, de Jean Sasson

Título: Vítimas da Tradição
Autor: Jean Sasson
PVP: 16,50€
e-book: 11,99€
N.º de Páginas: 368

No bestseller A Vida Secreta das Princesas Árabes, a princesa Sultana abriu o coração e revelou ao mundo o seu brutal e humilhante quotidiano. As suas palavras emocionaram milhões de pessoas em todo o mundo.

Alguns anos passaram mas a repressão e a violência continuam a ditar o destino das mulheres da Arábia Saudita. Sob o véu da lei e da tradição são cometidas as maiores atrocidades, e os seus autores raramente castigados.

Ainda que pertença a uma das famílias mais ricas e poderosas do país, Sultana é mais uma vítima deste flagelo. Mas para além das dificuldades que enfrenta enquanto filha, irmã e esposa, o seu coração sofre também por todas as mulheres que a rodeiam. São relatos sofridos aqueles que Sultana, a sua filha mais velha e Jean Sasson nos contam. São dramas humanos, e Sultana, na sua eterna demanda por justiça, não quer deixá-los cair no esquecimento do mundo. Estas são as suas histórias.

Com coragem e fé inabaláveis, Sultana continua a batalhar pela dignidade feminina num país que teima em manter-se à margem dos mais básicos princípios dos Direitos Humanos. Um livro, mais do que nunca, urgente.

Sobre a autora:
Jean Sasson viveu na Arábia Saudita durante mais de dez anos e vive atualmente nos Estados Unidos, de onde é natural. O seu profundo conhecimento do Médio Oriente permitiu-lhe escrever uma vasta obra. Os seus livros são bestsellers internacionais e venderam já mais de 14 milhões de exemplares.

Para mais informações sobre a autora pode consultar o site: www.jeansasson.com

Pode também visitar o blogue da Coleção Documentos asa-documentos.blogs.sapo.pt

Ou encontre-nos no Facebook em www.facebook.com/asa.documentos

Marcador publica novo Livro de Sarah Lark - A Canção dos Maoris



Título: A Canção dos Maoris 
Autor: Sarah Lark
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 648
PVP: 21,95 €
À venda a partir de 17 de março

Elaine e Kura movem-se entre as suas raízes britânicas e o apelo ao povo Maori, forjando o próprio destino ultrapassando as circunstâncias da vida numa terra paradisíaca.

Esta é a história de duas primas completamente diferentes, mas com uma coisa em comum: a sua força interior.

Kura com ascendência maori tem uma atitude diferente perante a vida e perante os homens, é muito mais despreocupada. O campo não lhe desperta qualquer interesse, apesar de ser herdeira da quinta do seu pai. O seu grande desejo é tornar-se uma grande cantora. Enquanto Elaine, herdou da sua avó, o carácter e o gosto pela criação de ovelhas e por passear a cavalo. Mas as suas escolhas amorosas recam sempre em homens errados, o que faz dela uma mulher desencantada.

A relação entre as duas mulheres não é a melhor porque Elaine inveja a beleza e a arte de sedução de Kura. Mas a vida dá muitas voltas e acabam por partilhar uma vida de luta e conquista numa pequena cidade mineira isolada do mundo.


Sobre a autora:
SARAH LARK é um pseudónimo de Christiane Gohl. Nascida na Alemanha, vive atualmente em Almería, Espanha. Formou-se em Educação e trabalhou como guia turística, redatora publicitária e jornalista. A inclinação para a escrita marcou todos os empregos por onde passou. Com uma produção literária vastíssima, alcançou o sucesso de vendas e o reconhecimento literário graças à saga maori cujo primeiro volume, No País da Nuvem Branca, está já publicado pela Marcador. Com mais de dois milhões de leitores em todo o mundo, para ela «escrever romances não é muito mais do que sonhar acordada».