sexta-feira, 8 de maio de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidade Esfera dos Livros: O que são as "Crianças Índigo"?

Tereza Guerra, doutorada em Psicologia Educacional, fala-nos neste livro de crianças que nascem com dons especiais capazes de causar admiração e espanto e que se destacam por serem curiosas, criativas e sábias, e ensina-nos como educar e estimular crianças com capacidades sensoriais invulgares.

Muitas vezes são chamadas de crianças Índigo, crianças de cristal, ou azuis. Ao longo do livro ficamos a conhecer estas crianças, por vezes olhadas como diferentes por terem comportamentos estranhos, mas que revelam qualidades que lhes permitem ir mais longe na capacidade de acumular conhecimentos, de perceber os sentimentos dos outros e compreender que o essencial é invisível aos olhos. Mas aquilo que muitas vezes se apresenta como um problema pode ser um potencial escondido que importa despertar.

Esta é uma óptima oportunidade para criarmos discussão à volta deste tema controverso.  Aproveite para falar com Tereza Guerra e esclarecer as suas dúvidas sobre o que são, de facto, estas crianças. 


Sinopse:
O seu filho destaca-se no meio das outras crianças?
Atualmente quantas crianças são rotuladas de hiperativas, com défice de atenção ou dislexia? Que não se enquadram na escola e no modelo de educação que lhes impomos. Muitos são os pais que se confrontam com este enorme dilema, com o coração apertado pelo facto de não saberem como agir, como educar estas crianças que são especiais porque olham para o mundo que as rodeia de um modo diferente. Mas aquilo que muitas vezes se apresenta como um problema pode ser um potencial escondido que importa despertar. Muitas destas crianças olhadas como diferentes por terem comportamentos estranhos acabam por revelar qualidades que lhes permitem ir mais longe na capacidade de acumular conhecimentos, de perceber os sentimentos dos outros e compreender que o essencial é invisível aos olhos. Tereza Guerra, doutorada em Psicologia Educacional, fala-nos neste livro de crianças que nascem com dons especiais capazes de causar admiração e espanto e que se destacam por serem curiosas, criativas e sábias. Fazem parte do quotidiano de cada um de nós, estão nas famílias e nas escolas e obrigam-nos a interrogarmo-nos sobre o modo como vivemos e como criamos os nossos filhos.

Sobre a autora:

Tereza Guerra é doutorada em Psicologia Educacional, licenciada em Filosofia, Mestre em Ciências da Educação. Possui pós-graduações em Filosofia, Psicologia e Educação e ainda variadíssimas formações complementares nas áreas da Psicologia Transpessoal, Energética, Consciencial. Mestre de Reiki Multidimensional e Cura Quântica. Em 2004 fundou a Casa Índigo com Alain Aubry, onde orienta Cursos de Formação para Pais, Educadores, Professores.
Autora de vários livros sobre a temática das Crianças Índigo, sendo que em 2004 publicou o primeiro livro em Portugal sobre Crianças Índigo.

 
 

A Rapariga no Comboio exemplar de avanço a caminho

Quem esteve atento à minha página do facebook ontem viu que vou ser uma e várias bloggers a receber um exemplar de avanço do livro sensação em Inglaterra e nos EUA, "Rapariga de Comboio.
Confesso que estou em pulgas para começar a lê-lo.

Para os mais curiosos aqui fica a sinopse (o livro sai para as livrarias dia 8 de junho)
O êxito de vendas mais rápido de sempre.
O livro que vai mudar para sempre o modo como vemos a vida dos outros.
Todos os dias, Rachel apanha o comboio... No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente.

Até que um dia...

Rachel assiste a algo errado com o casal... É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada.

Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afetando as vidas de todos os envolvidos.


quinta-feira, 7 de maio de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidades Gradiva de Maio


Título: Número Zero
Autor: Umberto Eco
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 441
N.º de Páginas: 164
PVP:  € 12,00

Sinopse:
A redacção de um jornal, reunida à pressa, prepara um diário menos preocupado com a boa informação do que com interesses próprios. Eco, brilhante contador de histórias, apresenta uma obra que, a pretexto da preparação do número zero de um periódico, não deixa ninguém indiferente à reflexão sobre os jornais e a missão do jornalismo. Escrita com uma ironia fina, esta é uma história empolgante de conspiração, intriga e morte, de um grande autor que surpreende sempre.


Título: Comunicação
Autor: José Rodrigues dos Santos
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 442
N.º de Páginas: 172
PVP: € 12,00

Sinopse:
«Comunicar é sobretudo significar, através de qualquer meio», escreve o autor nesta obra. A aparente simplicidade da ideia assenta num conceito que nem sempre reúne consenso. O que está por detrás da escolha das mensagens a difundir? Quão forte é a sua influência nos comportamentos?

Este livro, apresentando várias teorias e estudos, não se fica pelas perguntas. Aponta possíveis respostas, numa escrita segura e directa, bem ao estilo do autor.


Título: Em Diálogo com Eduardo Lourenço
Autor: Ana Nascimento Piedade
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 439
N.º de Páginas: 268
PVP: € 14,90

Sinopse:
Este é um livro baseado numa conversa ampla e interessante que permite conhecer melhor um dos mais importantes pensadores da actualidade, abordando tanto a obra como a pessoa. O diálogo que aqui se apresenta permite ao leitor «escutar» o que Eduardo Lourenço refere sobre «o que merece ser pensado e mesmo o que não merece ser pensado». O livro atravessa vários temas, sendo de leitura intensa e cativante.

Título: Assim Falava Zé dos Pneus
Autor: Victor Bandarra
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 443
N.º de Páginas: 264
PVP: € 12,00

Sinopse:
A democracia, o emprego (ou a falta dele), a crise ou a violência, entre muitos outros assuntos, estão na mira do jornalista e cronista Victor Bandarra que, através das tiradas e citações do conhecido Zé dos Pneus, capta o pulsar da vida dos Portugueses em tempos de troika, seja dos que por cá se aguentam, seja dos que foram levados a sair. Uma escrita certeira, recheada de ironia e humor.


Título: Irão os Puns Destruir o Planeta? e outras perguntas (e respostas) extremamente importantes
Autor: Glenn Murphy
Coleção: «Gradiva Júnior», n.º 147
N.º de Páginas: 232
PVP: € 10,00

Sinopse:
A mudança climática está a afectar o presente e afectará ainda mais o futuro do planeta Terra. Isto, claro, se nada for feito. Ou se nos ficarmos apenas pelas perguntas. Este novo livro do autor de Porque É Que o Ranho É Verde? coloca questões, muitas e variadas, e não hesita nas respostas, sempre interessantes. Com informações incríveis sobre o futuro dos alimentos, da água, dos transportes, da energia e do ambiente, contém material do bom, sem nenhumas partes chatas! Esta obra, que nos transporta até 2050, está pensada para os mais jovens, mas, seguramente, também os pais e os professores irão gostar de a ler.


Lançamento da Gradiva Ibérica uma iniciativa pioneira da Gradiva

A partir de Maio de 2015, a Gradiva começará a editar em castelhano, para distribuição em Espanha e na América Latina. A nova editora iniciará a sua actividade com um conjunto selecionado de títulos que se considera poderem ser bem recebidos nesse mercado.

A primeira obra que traduziu para venda no país vizinho é do seu autor bestseller, José Rodrigues dos Santos. Seguir‑se‑ão, nomeadamente, títulos de Carlos Fiolhais, Nuno Crato, João Lobo Antunes e Luís Portela.

A proximidade geográfica de Espanha, a colaboração já assegurada de uma das mais qualificadas empresas de distribuição espanholas e o perfil internacional de vários autores do catálogo da Gradiva são algumas razões que justificam esta nova iniciativa da editora.


 
Título: La Llave de Salomón
Autor: José Rodrigues dos Santos

A Chave de Salomão, na 9.ª edição em Portugal e já com 115 mil exemplares vendidos neste país, é a primeira iniciativa da GRADIVA IBÉRICA. La Llave de Salomón estará à venda nas principais cadeias de livros espanholas já a partir de Maio.
Esta obra, tal como os outros thrillers do autor, sendo ficção, usa informação científica genuína para desvendar as espantosas ligações entre a mente, a matéria e o enigma da existência.







A história verídica do judeu alemão que capturou o kommandant de Auschwitz, a 8 de maio nas livrarias

Título: Hanns e Rudolf
Autor:
Thomas Harding
Género: História / Literatura
Tradução: Joana Neves
N.º de páginas: 344
Data de lançamento: 8 de maio
PVP: 17,70€

«Um thriller incrível, um crime inenarrável e uma história essencial.» John Le Carré

Maio, 1945. No rescaldo da Segunda Guerra Mundial, a primeira  equipa britânica de investigação de crimes de guerra é reunida para caçar os oficiais nazis responsáveis pelas maiores atrocidades alguma vez vistas.
Um dos principais investigadores é o tenente Hanns Alexander, um judeu alemão que serve no Exército Britânico. Rudolf Höss é o seu alvo – como Kommandant de Auschwitz, não só foi o responsável pelo assassinato de mais de um milhão de pessoas, como também quem aperfeiçoou o programa de extermínio em massa idealizado por Hitler.
Hanns e Rudolf revela, pela primeira vez, a incrível história em redor da captura de Höss, um encontro que teve consequências até aos dias de hoje. Das campanhas no Médio Oriente da Primeira Guerra Mundial à Berlim boémia da década de 1920, passando pelo horror dos campos de concentração e aos julgamentos em Belsen e Nuremberga, este livro narra-nos a história de dois homens alemães – um judeu e um católico – cujas vidas divergiram e se intersectaram de um modo extraordinário.


Sobre o autor:
Thomas Harding é realizador e jornalista, tendo colaborado com o Financial Times e o Guardian, entre outras publicações. É cofundador de uma estação televisiva em Oxford e vive em Hampshire, Inglaterra.


terça-feira, 5 de maio de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

Paloma Díaz-Mas na 9ª edição do LeV – Literatura em Viagem

Paloma Díaz-Mas, autora de O Que Aprendemos com os Gatos, publicado recentemente pela Quetzal, é uma das convidadas da 9ª edição do LeV – Literatura em Viagem, que decorrerá entre 8 e 11 de maio, em Matosinhos, na Galeria Municipal da Biblioteca Municipal Florbela Espanca. A escritora espanhola participará, juntamente com Tessa de Loo, na mesa com o tema Entre o Latido e o Miado: Conflitos Ancestrais, no sábado, dia 9, às 16h15. A moderação estará a cargo do jornalista Sérgio Almeida.


Apresentação de "Os Combatentes Portugueses do Estado Islâmico" de Nuno Tiago Pinto



segunda-feira, 4 de maio de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

A estante está mais cheia #27


Dos oito livros que vieram para a estante no mês de Abril apenas um foi lido: Tempo de Partir de Jodi Picoult. Dei 5 estrelas e a opinião está desde hoje no bloguel. Um livro imperdível. Oferta gentil da Editorial Presença. À Morte Ninguém Escapa é a minha presente leitura e tal como Um Dó Li Tá do mesmo autor está a prender-me de tal maneira que penso lê-lo em três tempos. Está a ser mesmo muito bom. Oferta da Topseller. Alex Cross, A Caça e À Espera de Moby Dick custaram 5€ cada e e eram dois livros que já estavam na minha wishlist há algum tempo. Rainhas Malditas e Rejeitada foram ofertas gentis da Planeta. Já comecei a ler umas páginas do primeiro e confesso que já fiquei rendida à escrita simples de Cristina Morató e à vida da Rainha Sissi, a primeira monarca a ser retratada no livro. Acho que vou ter de dividir leituras :).
Da Marcador, o segundo livro da trilogia de Peter May: Um Homem sem Passado. Estou com grande expectativas. 
Por último, uma oferta gentil da Chiado, Um Paraíso no Inferno de Laura Alho.

Novidades Livros do Brasil

Título: Contos de Nick Adams
Autor:
Ernest Hemingway
Tradutor: Fernanda Pinto Rodrigues e Alexandre Torres
N.º de Páginas: 288
PVP: 14,40 €
Coleção: Dois Mundos
Contos de Nick Adams reúne num único volume todos os textos criados por Ernest Hemingway em torno de uma personagem que é, em larga medida, o seu alter ego. De criança que acompanha o pai nas suas consultas médicas a adolescente apaixonado pela pesca e pela caça, a soldado na Primeira Guerra Mundial, a veterano de volta à sua terra, a escritor, a pai – cronologicamente dispostos, os episódios da vida de Nick Adams deixam entrever o percurso da vida do próprio Hemingway, permitindo uma aproximação intimista à história de um dos maiores autores do século XX. Escrito nas décadas de 1920 e 1930, este conjunto só viria a ser publicado postumamente, em 1972, e no próximo dia 14 de maio, chega às livrarias nacionais numa renovada edição da Livros do Brasil.

Sobre o autor:
Ernest Hemingway nasceu em Oak Park, no Illinois, a 21 de julho de 1899, e suicidou-se em Ketchum, no Idaho, em julho de 1961. Em 1953 ganhou o Prémio Pulitzer, com O Velho e o Mar, e em 1954 o Prémio Nobel de Literatura. Romances como O Adeus às Armas ou Por Quem os Sinos Dobram, além do já citado O Velho e o Mar, consagraram-no como um dos grandes nomes da literatura do século XX.

Título: Tudo o que Conta
Autor:
James Salter
Tradutor: Francisco Agarez
N.º de Páginas: 352
PVP: 16,60 €
Coleção: Dois Mundos
A Livros do Brasil publica, a 14 de maio, Tudo o que Conta, o mais recente livro de James Salter que surge 30 anos depois do seu último romance.
Salter retoma aqui o seu estilo de prosa depurada para contar com furiosa intimidade a história da vida de um homem na qual se espelha o grande confronto entre o arrebatamento e a devastação da experiência humana.
Tudo o que Conta acompanha o percurso do jovem oficial Philip Bowman, que regressa das batalhas navais de Okinawa, na Segunda Guerra Mundial, à vida civil e se torna editor de livros em Nova Iorque. Num mundo feito de conhecimentos, viagens à Europa, carreiras literárias decididas por encontros furtivos, cocktails, jantares e festas pela noite dentro, Bowman rapidamente triunfa. Em matéria de amor, porém, é sucessivamente derrotado: um casamento corre mal, outro acaba por nem acontecer. E, quando finalmente conhece uma mulher que o cativa, vê-se colocado numa posição em que nunca se imaginara.

Sobre o autor:
Nasceu em Nova Iorque a 10 de junho de 1925. Piloto da Força Aérea norte-americana, James Salter abandonou a carreira militar em 1957, um ano após a publicação do seu primeiro romance, The Hunters, com o qual captou desde logo as atenções da crítica. Passou pelo cinema, onde foi argumentista e realizador, antes de se dedicar em exclusivo à escrita, o que faz desde 1979. Destacam-se na sua obra romances como A Sport and a Pastime (1967) e Solo Faces (1979), os livros de memórias Burning the Days (1997) e Gods of Tin (2004), assim como o volume de contos Dusk and Other Stories, lançado em 1988 e premiado no ano seguinte com o PEN/Faulkner. Em 2010 foi distinguido com o Rea Award for the Short Story e em 2012 com o PEN/Malamud. É membro da Academia Americana de Artes e Letras desde o ano 2000.

Imprensa:
Se existisse um Monte Rushmore para os escritores, ele já lá estaria. The New York Times
O herói de uma nova geração de romancistas. Lire
Salter é um génio da verosimilhança e do movimento inexorável do fluxo dos tempos... Um clássico vivo. El País

Título: As Três Últimas Novelas
Autor:
Thomas Mann
Tradutor: Gilda Lopes Encarnação
N.º de Páginas: 280
PVP: 15,50 €
Coleção: Dois Mundos
A Livros do Brasil publica, a 14 de maio, As Três Últimas Novelas de Thomas Mann. Traduzidas pela primeira vez do alemão, as obras As Cabeças Trocadas, A Lei e A Mulher Atraiçoada são agora integradas num só volume por onde perpassa uma mesma voz de grande ironia e paródia, um questionamento constante das normas e uma reflexão poeticamente tecida sobre a complexidade do comportamento humano. História de uma mulher de meia-idade em tumulto físico e emocional, que pode ser lida como o contraponto feminino de A Morte em  Veneza, A Mulher Atraiçoada foi a última novela publicada por Thomas Mann, em 1953. Mais de uma década antes, em 1940, lançara As Cabeças Trocadas, a sua versão filosófica de uma lenda indiana em torno de um triângulo amoroso. E, entre as duas, em 1943, escreveu A Lei (novela inédita em português), um novo olhar sobre a vida de Moisés, o nascimento do povo judeu e a construção de um código moral que os nazis procuravam então destruir.
Esta edição inclui um posfácio da tradutora, Gilda Lopes Encarnação.

Sobre o autor:
Thomas Mann nasceu em 1875, na cidade alemã de Lübeck. A sua carreira literária iniciou-se de modo fulgurante em 1901, com a publicação de Os Buddenbrook. Seguiram-se-lhe obras como Tonio Kröger, A Morte em Veneza e A Montanha Mágica, entre outras, que lhe valeram a atribuição do Prémio Nobel em 1929. Em 1933, com a subida de Hitler ao poder, Mann mudou-se primeiro para a Suíça e depois para os EUA, onde ensinou na Universidade de Princeton e se naturalizou americano. São desta época obras como a tetralogia José e os seus Irmãos, Lotte em Weimar e Doutor Fausto. Morreu em Zurique, em 1955.

Do Posfácio
«A ironia e a paródia são verdadeiras armas demolidoras na escrita de Thomas Mann. Elas vão invertendo sentidos, desconcertando interpretações, minando silenciosamente a semântica e a rede de associações. As histórias que Mann nos conta nunca são simples, ainda que a sua trama pareça comum e quotidiana, e as leituras devem ser avisadas e atentas.»


Novidade Asa: A Historia de Lupita de Laura Esquivel

Título: A História de Lupita
Autor: Laura Esquivel
PVP: 14,90€
N.º de Páginas: 224

Lupita é uma mulher fora de série. Forte. Ardente. Inesquecível. Numa sociedade obcecada com as aparências, o dinheiro e o poder, ela é uma heroína improvável. Uma lutadora que protege os mais fracos e injustiçados.

Na sua busca por amor, ela dá por si no lugar errado à hora errada. Bastarão apenas uns segundos para mudar a sua vida. Ao testemunhar um assassinato, Lupita passa a ser uma mulher marcada. Mas a revolta que nasce dentro de si é mais forte do que o medo que sente. A vítima, Arturo, era o único homem em que acreditava incondicionalmente. A sua morte leva-a a tomar uma decisão extrema: lutar até ao limite das suas forças e fazer justiça… por Arturo, por si própria e por todos aqueles que não têm voz.

A escritora mexicana Laura Esquivel, autora do clássico contemporâneo Como Água para Chocolate, está de volta com uma parábola mágica sobre afetos, coragem e redenção. A sua linguagem plena de misticismo e espiritualidade dá vida a uma mulher excecional, uma heroína atípica que ficará gravada para sempre na memória dos leitores.

Sobre a autora:
Laura Esquivel nasceu em 1950, na Cidade do México. Começou por ser professora e escreveu peças de teatro para a infância. Revela-se como argumentista, até que, ao publicar o seu primeiro romance, Como Água para Chocolate, obtém um clamoroso êxito internacional. De sua autoria, a ASA publicou Como Água Para Chocolate, A Lei do Amor, Íntimas Suculências, A Pequena Estrela do Mar, O Livro das Emoções, Tão Veloz como o Desejo, Malinche e o livro de não-ficção Escreva a Sua Própria História – Como mudar a sua vida em 12 lições.

Tempo de Partir - Jodi Picoult [Opinião]

Título: Tempo de Partir
Autor: Jodi Picoult
Título Original: Leaving Time
Tradução: Manuela Madureira
Páginas: 440
Coleção: Grandes Narrativas N.º 603
PVP: 17,90€

Durante mais de uma década, Jenna Metcalf não deixa de pensar na sua mãe, Alice, que desapareceu em misteriosas circunstâncias na sequência de um trágico acidente. A criança que era então não conservou lembranças dos acontecimentos, mas Jenna recusa-se a acreditar que a mãe a tivesse abandonado e relê constantemente os diários que ela escrevia com as observações da sua pesquisa sobre elefantes, tentando encontrar uma pista oculta. Desesperada por obter respostas, Jenna contrata dois improváveis ajudantes, uma médium famosa por encontrar pessoas desaparecidas e um detetive que já tinha estado envolvido na investigação do desaparecimento de Alice, e parte determinada a descobrir a verdade.

A minha opinião: 

Jodi Picoult é bem conhecida do público português. Publicada agora pela Editorial Presença, sempre granjeou seguidores, sobretudo por parte do público feminino devido aos seus romances, muitos deles abordando doenças raras ou mortais, que puxam facilmente a lágrima.

"Tempo de Partir" aborda outro tema, o tema do abandono, da solidão. Jenna Metcalf é uma jovem adolescente obcecada pelo desaparecimento da sua mãe há 10 anos. Sem que haja um motivo válido para o seu desaparecimento a jovem Jenna decide aventurar-se na descoberta da verdade e contrata um dos detectives que esteve envolvido na investigação do desaparecimento da sua mãe e uma médium outrora famosa, mas que actualmente está caída em desgraça.

Este trio pode, aparentemente formar um grupo caricato e uma história estranha, mas torna um livro bastante envolvente e interessante. Mais ainda é toda a informação à volta dos elefantes, animais que apesar de não serem de todo dos meus favoritos, acabaram por ocupar um lugar no meu coração.

Mais uma vez Picoult prova ser mestre nas pesquisas sobre qualquer assunto. Neste caso, a pesquisa sobre os elefantes resulta muito bem. Estes seres gigantes, mas que nos dão uma lição tão grande sobre o que é o amor pelas crias, pelo próximo, pela vida em grupo, até por quem trata deles, poderia advir daí grandes exemplos para a humanidade...

No que à investigação diz respeito, pouco posso referir sem que caia no risco de criar spoilers. Jenna baseia parte da sua procura na sua memória, embora que pequena já que quando a sua mãe, Alice, tratadora de elefantes, desapareceu Jenna tinha apenas três anos, e no diário desta. Em parte vai ter a ajuda de Serenety, a médium, que a vai ajudar a descobrir pistas esquecidas ou ocultas durante dez anos e de Virgil Stanhope, o ex-detective, que a vai ajudar a encontrar as respostas há muito esquecidas para a maior parte das pessoas.

"Tempo de Partir" é o sexto livro que leio de Jodi Picoult e a cada livro que leio da autora me surpreendo mais. Não é, pois, de estranhar, que já tenha vendido mais de 40 milhões de exemplares em todo o mundo. Este foi, sem dúvida, o livro que mais gostei de ler até agora. Um livro com uma história ternurenta, com um enredo envolvente, uma história sobre animais e com policial à mistura como eu gosto...

E o final...

O final é surpreendente!

Excelente aposta. 




Excerto:
"Gostava de ter o tipo de avó que, quando eu era pequena, me mostrasse fotografias da minha mãe desaparecida, ou fizesse um bolo no seu dia de anos, em vez de se limitar a encorajar-me a selar os meus sentimentos dentro de uma caixinha." pag. 27