sexta-feira, 10 de julho de 2015

Crime Num Quarto Fechado - Hans Olav Lahlum [Opinião]


Título: Crime Num Quarto Fechado
Crime à Hora do Chá - Volume 7
Autor: Hans Olav Lahlum
Tradução: Elsa T. S. Vieira
Páginas: 368
Editor: Edições Asa
PVP: 13,90€

Sinopse
Num pequeno prédio em Oslo onde todos os moradores se conhecem, dá-se um crime impossível. Harald Olesen é assassinado a tiro na sua sala de estar. A arma não foi encontrada. A divisão estava fechada à chave por dentro, o apartamento vazio. Admirado por todos, Harald era um lendário herói da resistência a Hitler. É difícil imaginar quem terá cometido um crime tão vil. Mais complicado ainda é imaginar como terá sido executado.
O detetive inspetor Kolbjørn Kristiansen (também conhecido como K2) é chamado ao local. À medida que interroga os vizinhos da vítima, K2 começa a desenredar uma teia 
de mentiras que teme não ter fim. Felizmente, tem uma aliada: Patrícia Borchmann. A jovem está confinada a uma cadeira de rodas mas a sua mente prodigiosa não se detém perante tais limitações. Juntos, são a única esperança de deslindar este enigma aparentemente insolúvel.



A minha opinião: 
Harold Olesen é assassinado no mesmo dia em que Martin Luther King, 4 de Abril de 1968, mas só que em locais e em circunstâncias completamente diferentes. Também o destaque da sua morte foi completamente diferente da de King. Olesen, foi um dos lendários heróis da resistência hitleriana e aos 50 anos tornou-se bastante popular na Noruega. Seria assassinado aos 73 anos na sua própria sala de estar. O assassino, viria a confirmar-se mais tarde, só poderia ter sido um dos seus vizinhos, moradores do mesmo prédio, pelo que o investigador do caso, teria a vida um pouco mais facilitada. Seriam pois, sete vizinhos, sete suspeitos.

Destacado para o caso, o detective Kolbjørn Kristiansen, um investigador bastante inexperiente já que este é o seu primeiro caso, acaba por cometer alguns erros crassos iniciais, que vão terminar com a entrada em cena de uma personagem improvável, muito ao estilo dos romances de Agatha Christie ou Conan Doyle (Hastings ou Watson), uma jovem com mobilidade reduzida. No entanto, contrariamente aos companheiros de Poirot e de Sherlock Holmes que pouco usam as células cinzentas, a detentora das mesmas é a jovem que a partir da sua própria casa, já que está de cadeira de rodas, usa a sua inteligência para dar dicas úteis a Kolbjørn Kristiansen e ajudá-lo a resolucionar o caso. 


Apesar do detective estar sempre presente no caso e acabar por ser a figura central, acaba por ser um pau mandado e uma figura que se deixa levar pelas ordens da jovem inválida que no fundo é que desvenda o mistério.

Os vizinhos são todos interessantes do ponto de vista emocional e com passados passíveis de suspeição e, à medida que se vai descobrindo cada um vai-se denotando uma mágoa para com a vítima.

Crime num Quarto Fechado, com detalhes de 2.º Guerra Mundial, que muito me agradaram, foi o melhor livro que li da série Crime à Hora do Chá. Prendeu-me desde a primeira página e levou-me a devorá-lo em pouco tempo.

Recomendo.



A estante está mais cheia #29

O mês de junho trouxe, oferta do Clube do Autor, dois livros policiais. Um género que eu adoro e que tive oportunidade de levar um deles de férias (o primeiro). Foi a minha estreia com a leitura de Tana French, O Sítio Secreto, e fiquei agradavelmente surpreendida. Podem ver a minha opinião aqui
Richard Castle não me é de todo desconhecido já que tive oportunidade de seguir a sua série no AXN. Vou de certeza adorar ler o livro, Ondas de Calor, baseado na série. Será muito em breve.

A Porto Editora ofereceu ao blogue duas leituras completamente diferentes mas extremamente agradáveis.
Primeiro veio o excelente livro de valter hugo mãe que ainda não tinha tido oportunidade de ler, o remorso de baltazar serapião, e que bom livro que estava a perder (opinião aqui). E, mais recentemente, o novo livro de Dorothy Koomson, os muitos nomes do amor, que também já tem opinião (aqui)
Da Objectiva chegou Na Pele de Uma Jihadista que me deixou muito curiosa dada a realidade actual (vai ser uma das próximas leituras) e Wayward Pines Revolta da Suma de Letras, também pertencente a uma série da Fox. ~

Da Planeta, chegou O Olhar e a Alma - Romance de Modigliani de Cristina Carvalho cuja sinopse me deixou curiosa.
A todas as editoras o meu obrigada pelo envio de tão maravilhosos livros que me proporcionaram e vão continuar a proporcionar agradáveis horas de leitura.

O Sítio Secreto - Tana French [Opinião]

Título: O Sítio Secreto
Autor:
Tana French
Tradução: Ana Lourenço
N.º de Páginas: 492
PVP: 17,80 €

Um jovem é encontrado morto nos jardins de um colégio feminino. A polícia não consegue apurar os culpados, nem clarificar as circunstâncias do crime. Mas alguém viu e sabe o que se passou… “Sei quem o matou” é a legenda de uma foto do rapaz assassinado, que aparece misteriosamente afixada no Sítio Secreto: o quadro de avisos da escola feminina, onde as alunas afixam segredos de forma anónima. Esta pista inesperada relança o detetive Stephen a desvendar um nó de segredos para chegar à verdade.



A minha opinião:
Este é o primeiro livro que leio de Tana French e fiquei surpreendida com a escrita da autora e com o enredo e a forma como foi engendrada do crime. Como amante de livros policiais não entendo como é que a escritora me passou completamente ao lado, até porque este tipo de histórias fazem completamente o meu género.

Quando Chris Harper é encontrado morto no colégio feminino vizinho ao seu, a polícia não consegue descobrir quem fez macabro acto. O jardineiro da instituição é apontado como suspeito, até porque é descoberto um pequeno delito de drogas, mas será que as drogas estarão relacionadas com o assassinato?

Um ano depois, aparece afixada num quadro de avisos do colégio feminino, denominado "Sítio Secreto", um local designado para qualquer aluna colocar desabafos anonimamente, uma fotografia com a seguinte legenda "Sei que o matou". Este será o mote para que Holly, uma das alunas, se dirigir à esquadra e falar com um dos amigos e colegas do seu pai, o detective Stephen, para lhe contar o sucedido.

Tudo isto vai desencadear uma nova investigação que nos dará a conhecer cada uma das raparigas que estaria envolvida, de uma forma ou outra com a vítima. Desta forma, vamos conhecendo dois grupos fortes: o de Selena, Julia, Holly e Rebecca e o de Joanne Orla, Allison e Gemma. É aqui que Tana French, a meu ver, mostra o ponto forte do livro. A "radiografia" que faz a cada uma das jovens, com as suas fraquezas próprias da adolescência, mas também a sua tomada de posições e chamada de atenções sobre si, o seu egocentrismo, o poder dentro do grupo, o namoricos, fazem com o que o livro se torne rico em relações humanas e poderoso em possíveis suspeitos.


Tana French é uma autora a reter e vou colocar todos os livros anteriores na minha lista de compras. E estarei atenta aos futuros, claro.    



quinta-feira, 9 de julho de 2015

os muitos nomes do amor - Dorothy Koomson [Opinião]

Título: Os muitos nomes do amor
Coleção: 
Dorothy Koomson
Tradução: Irene Ramalho
Págs.: 472
Capa: mole com badanas
PVP: 16,60 €

Sinopse:
Clemency Smittson foi adotada em bebé, e a única ligação à mãe biológica é um berço de cartão com borboletas pintadas à mão. Agora adulta, e em constante conflito com sentimentos de perda e rejeição, decide mudar drasticamente de vida e voltar a Brighton, a cidade onde nasceu.
Mas Clem não sonha que é lá que vai encontrar alguém que sabe tudo sobre a sua caixa das borboletas e a verdadeira história dos seus pais biológicos.
E quando Clemency percebe que nem tudo é o que parece, e que talvez tenha sido injusta com aqueles que mais a amam, haverá tempo para recuperar o que foi perdido?

A minha opinião:
A única coisa que a liga à sua mãe biológica é o berço de cartão com borboletas pintadas à mão, uma tradição finlandesa, apesar de o tom de pele de Clemency Smittson (Smitty) não denotar que tenha origem naquele país. 
É naquela berço que guarda as suas memórias, todas as fotografias polaroids que lhe tiraram e que posteriormente foi tirando e, que de certa forma, marcaram aspectos da sua vida, e que transporta consigo para todo o lado. 
Depois de uma traição e de uma perda enorme, Smitty, decide mudar de casa, cortando assim relações com o passado, e consigo também parte a sua mãe adoptiva. No entanto, sem quem saiba, a cidade onde escolheu para viver é a cidade que a viu nascer e Smitty acabará, por um acaso, por conhecer a sua família biológica, depois de 37 anos de abandono.


Com um início de leitura um pouco lenta, mas que depressa me prendeu à história da brilhante Smitty, Dorothy Koomson escreve mais uma brilhante livro onde aborda questões como o racismo (como não podia deixar de ser), o abandono, a doença em fase terminal, a eutanásia, a traição, tudo questões que nos deixam a questionar sobre o sentido da vida. 

"É muito bonito amarmos alguém, mas será que interessa senão passa de um substituto? Será que conta para alguma coisa ser a segunda escolha e não aquilo que realmente desejávamos?"

Smitty mostra-se uma personagem extremamente forte, mesmo depois do que aconteceu no passado e mediante o que está a descobrir a cada dia que passa. Os segredos da sua família biológica abalam-na bastante, mas o que traz com ela acaba por ser sempre mais compensador.
De destacar também a força da mãe adoptiva de Smitty. São compreensíveis todos os ciúmes e inseguranças em relação à filha adoptiva... o medo de perdê-la é mais forte. 

"São mais as coisas que temos em comum do que as que nos separam."

E o toque de mistério no final do livro acaba por apimentar ainda mais a narrativa o que, uma amante de suspense e policiais como eu, agradece. 
Um destaque para a capa que está soberba. 
Adorei! 





Sopro é o livro de poesia de Leonor Sobral

Título: Sopro
Autor: Leonor Sobral
Nº Páginas: 86
Editora: Edições Esgotadas

Sinopse:
O leitor tem diante de si um pequeno livro de poemas de extensão e medidas curtas intitulado "SOPRO". Identifica facilmente a sua estrutura: o sujeito da enunciação, o "eu", o seu interlocuttor, o "tu", e a natureza onde foi buscar a principal imagética.
Com a superioridade que lhe é inerente no acto da enunciação, o "eu" não se limita a nomear. Como um profeta, interpela o "tu", as suas hesitações, as suas ambiguidades.

De realçar, a tentiva bem conseguida de nos mostrar a face poética de três grandes poetas: Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Eugénio de Andrade. A intertextualidade, que sempre existe porque um texto é sempre um intertexto, é de louvar.
A referência à Bíblia e a Frei João dos Santos evidencia ainda a vertente da espiritualidade que percorre diversos poemas.
A natureza é esse oceano imenso, inesgotável, onde a autora, como uma garimpeiro, encontra o ouro das suas imagens, natureza que conhece bem, demonstrando a sua formação académica. A presença de lexemas do campo lexical de árvores (hipernónimo e hipónimos) é avassaladora, seguindo-se-lhe, em doses amplas, o das aves. Em suma, o leitor é convidados a ler devagar, a reler, no sentido de descobrir sentidos que sempre se embrenham na linguagem poética. Como disse Ruy Belo "É esse, hoje e sempre, o encanto da poesia."

João Guerra (poeta e professor)

Novidade Coolbooks - "A Boleia", de Carlos Soares


Título: A boleia
Autor: Carlos Soares
Formato: e-wook
N.º páginas (estimado): 153
PVP: 4,99 €

Depois de A menina, a Coolbooks continua a edição das obras do jornalista Carlos Soares e acaba de disponibilizar em coolbooks.pt e na livraria virtual wook.pt A boleia. Esta obra, num registo erótico, direciona o olhar para os limites da paixão e do desejo, explorando os tabus sociais em relação ao sexo.
Em A boleia, o leitor é conduzido por uma protagonista determinada e libidinosa que não hesita em derrubar todas as convenções sociais, em nome do desejo e do mais profundo amor.
Com os cenários do litoral e as estradas de um Portugal recôndito como pano de fundo, e sujeitos à intimidade confinada de um carro, Inês, Fernando, Maria dos Anjos e Marco António vão redescobrir os limites do amor, abrindo o corpo e a alma a sentimentos nunca antes explorados.
Falecido em 2011, Carlos Soares levou uma vida profissional inteiramente ligada ao mundo da comunicação, tendo passado pelos jornais Expresso e O Século, pela RTP e também pela Comunicasom. Mário Zambujal elogiou o seu «rigor de jornalista, pelo domínio sábio do sentido de cada palavra» e, como demonstram as obras agora publicadas pela Coolbooks, «dispunha da arte de bem escrever».

Sobre o autor: 
Carlos Soares dedicou toda a sua vida ao jornalismo, tendo trabalhado, entre outros, no jornal O Século, na RTP e na produtora televisiva de Manollo Bello. Um AVC quando o autor tinha 45 anos foi ensejo para afadigado escrever-escrever visando a recuperação possível. Bem mais recentemente, a ficção e uma opção por este género. Carlos Soares faleceu em 2011, deixando um precioso e controverso legado agora publicado pela Coolbooks.




Tiago Patrício primeiro escritor português a ser escolhido para a residência de escritores do Castelo de Hawthornden na Escócia

Tiago Patrício, escritor e poeta português, foi este ano seleccionado para a residência de escritores do Castelo de Hawthornden na Escócia (antiga morada do poeta escocês do século XVII, William Drummond), juntamente com mais cinco escritores dos EUA, Inglaterra e Ucrânia. O castelo recebe anualmente 48 escritores e tradutores de todo o mundo e Tiago Patrício foi o primeiro escritor português a ser escolhido por este júri internacional.

Depois de lançar o romance O Princípio da Noite (Gradiva) no início de 2015, Tiago Patrício está a terminar uma peça de teatro sobre a batalha entre a armada de Filipe II (durante o domínio castelhano de Portugal) e a de Isabel I de Inglaterra (que contava com Francis Drake como um dos comandantes) e que ficou conhecida como a batalha de Gravelines ou a derrota da "Armada Invencível", durante o Verão de 1588.

Para além da peça de teatro, Tiago Patrício continua a rever os manuscritos de um romance enciclopédico e de três livros de poesia com os títulos provisórios: Culpa Histórica, Poeta de Programa, Contagem das Espingardas e Poesia Medicinal. Alguns destes textos foram entretanto adaptados pela companhia Ponto Teatro do Porto, na peça Heterotopia e apresentados no Teatro Carlos Alberto (Produção do Teatro Nacional de S. João), entre os dias 26 de Junho e 5 de Julho de 2015.

No castelo não há acesso à internet e a rede telefónica é instável, tal como a meteorologia. As horas das refeições e do silêncio obedecem a regras estritas e explicadas no primeiro dia, de modo que a convivência e as horas de trabalho sejam profícuas. Apesar de a residência estar situada em terreno escocês, o modelo de funcionamento foi inspirado na famosa MacDowell Colony (New Hampshire, EUA), onde se diz que o criador do primeiro Big Brother terá feito uma residência artística nos anos 90.

No Castelo de Hawthornden são servidas duas refeições por dia: o almoço é deixado num cesto de verga à porta de cada quarto e o jantar é preparado por uma reconhecida Chef escocesa Ruth Shannon (com obra publicada na especialidade).

Para além desta residência, Tiago Patrício já foi aceite para uma estadia de curta duração na destilaria Glenfiddich no norte da Escócia, conhecida pelos apoios a projectos de arte contemporânea e que premeia anualmente artistas em início de carreira.

Sobre o autor:
Nasceu no Funchal em 1979 e foi viver para Carviçais com apenas 9 meses. Estudou na telescola, andou em carroças, conduziu carros sem carta, fez corridas de motorizada sem capacete e aos 19 anos ingressou na Escola Naval. Regressou à vida civil para estudar na Faculdade de Farmácia e em 2007 começou a trabalhar como farmacêutico. No mesmo ano venceu o prémio Jovens Escritores e foi seleccionado pelo Clube Português de Artes e Ideias para uma residência em Praga. Escreveu a peça Checoslováquia e o livro Cartas de Praga, apresentado em Skopje em 2009. Depois disso nunca mais conseguiu largar os livros nem o teatro.

Venceu os prémios Daniel Faria e Natércia Freire em poesia e o Prémio Literário Agustina Bessa-Luís em 2011 com o seu romance Trás-os-Montes.

Participou em algumas residências literárias: Turquia, Tunísia, EUA, Repúblicas Bálticas e alguns dos seus textos foram publicados no Egipto, Eslovénia, Espanha e República Checa.

Mantém o blog: http://cartasdepraga.wordpress.com



Porto Editora: "A Directiva" para o golpe de uma vida

Título: A Diretiva
Autor: Matthew Quirk
Tradução: José Vieira de Lima
Págs.: 336
PVP: 16,60 €

A Porto Editora publica, a 16 de julho, A Diretiva, um romance hipnotizante de Matthew Quirk que transporta o leitor para os meandros da corrupção de Wall Street e que, de acordo com a Kirkus Reviews, «tem ação suficiente para três livros».
Nesta trepidante sequela de Os 500, publicado no ano passado pela Porto Editora e considerado por Jeff Abbott «uma obra fascinante, de leitura voraz, na mesma linha de A Firma, de John Grisham», Matthew Quirk confirma-se como uma das vozes mais originais do thriller político. Aqui, o protagonista Mike Ford é obrigado a escolher entre uma vida honesta e a vida do irmão. Para o salvar, terá de fazer o golpe de uma vida: roubar a diretiva do Banco da Reserva Federal de Nova Iorque, que controla os mercados de todo o mundo.

Sinopse:
Mike Ford alcançou o sonho americano. Depois de ter finalmente entrado nos eixos, a vida sorri-lhe. Tem uma noiva fantástica, uma casa soberba e o seu próprio negócio. Mais importante, conseguiu-o de uma forma honesta. Porém, enquanto decorrem os preparativos do casamento, não pode deixar de sentir uma certa nostalgia pela vida emocionante que está prestes a deixar para trás. É então que o irmão Jack volta a entrar em cena.
Enredado numa poderosa teia conspirativa para roubar segredos no valor de biliões de dólares da mesa de negociações do Banco da Reserva Federal de Nova Iorque – e obrigado a escolher entre uma vida honesta e a vida do irmão –, Mike Ford mergulha no passado criminoso e alia-se a velhos contactos, num perigoso jogo de corrupção e poder contra os tubarões de Wall Street. A parada é elevada, os riscos ainda maiores. E a recompensa?

Sobre o autor:
Matthew Quirk estudou História e Literatura na Universidade de Harvard. Após a licenciatura, trabalhou durante cinco anos na conceituada revista The Atlantic, onde fez reportagem criminal e escreveu artigos sobre a indústria militar privada, o tráfico de ópio, terrorismo e gangues internacionais. É autor de Os 500, já publicado pela Porto Editora, que foi nomeado para o Edgar Award e agraciado com o International Thriller Writers’ and Strand Critics Award, para melhor romance.
Visite o site do autor em www.matthewquirk.com


Novidades Planeta a partir de 15 de Julho

FICÇÃO
Título: As Dúvidas dos 30
Autor: Susana Gaião Mota
N.º de Páginas: 336 
PVP: 17,77 €
Disponível a partir de 15 de Julho

Vibrante. Sexy. Viciante. Um livro que não pode deixar de ler.
Afinal, o Sexo e a Cidade não acontece só em Nova Iorque, pode ser vivido em Lisboa ou em outro lugar bem mais perto do que imagina.

O que esperar quando se chega aos 30?
Amor. Sexo. Amizade. Família. Carreira.
Todos estes assuntos-chave são aqui tocados de forma desconcertadamente realista.
As dúvidas dos 30 podem ser surpreendentes, mas as respostas que a vida dá são muito mais...
Um livro intenso, que dá pistas de como celebrar a vida e viver um grande amor.
O glamour não está na nossa aparência, mas na nossa cabeça!
Estela, Mia, Valesca, Benedita e Matilde. Cinco amigas de trinta e poucos anos, modernas, emancipadas, coquetes e senhoras de si; cinco histórias que se cruzam numa busca comum – o amor, sempre o amor!
Entre ilusões e desilusões, todas elas têm umas nas outras o porto seguro e cúmplice de partilha de aventuras, esperanças, alegrias e neuras. Por isso, quando Estela vai viver para o Rio de Janeiro, em busca de respostas para o seu passado e o seu presente, é inevitável que as amigas a visitem, e a loucura saudável se instale na noite carioca...

De regresso a Lisboa, procurando curar as feridas de uma relação intensa e duradoura com o ambicioso Diogo, Estela encontra no trabalho a estabilidade que lhe falta a nível sentimental, onde os flirts se sucedem mas as certezas são cada vez menos...

Entre o apoio do calmo, giro (e comprometido?) Rodrigo, que lhe oferece bem mais do que um ombro para desabafar, e o arrependimento de Diogo, que atravessa o oceano para a reconquistar, Estela navega num mar de dúvidas, sobre os homens e sobre si própria.
São as famosas dúvidas dos 30, que as cinco amigas resolvem melhor ou pior, cada uma com a sua personalidade distinta e peripécias a condizer, mas sem nunca, nunca perderem o estilo!
Um livro que termina com um brinde ao futuro e algumas certezas – entre as quais a de que o grão de loucura que nos faz arriscar é fundamental para dar sabor à vida!

Sobre a autora:
Susana Gaião Mota nasceu em Lisboa  a 2 de Outubro de 1977. Licenciou-se em Relações Internacionais no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, mas sempre quis ser jornalista. Iniciou a sua carreira aos 22 anos na SIC Notícias e três anos mais tarde mudou-se para o Brasil onde foi correspondente Internacional da TVI durante quase cinco anos. Morou em São Paulo e no Rio de Janeiro, cidade que considera a sua segunda casa. Tirou ainda um mestrado em Jornalismo Internacional na Pontífice Universidade Católica de São Paulo e um mestrado em Jornalismo na Universidade Católica Portuguesa.
Foi assessora de imprensa no Ministério da Economia e nos últimos anos colaboradora regular da TV Globo Portugal onde fez uma série de programas. Na TVI 24 concebeu e apresentou Chegadas e Partidas - um programa de viagens em Portugal.
Actualmente trabalha como jornalista, guionista e blogger. Este é o seu primeiro romance e a concretização de um sonho antigo.
Além de escrever, adora dançar, ouvir música, representar e viajar e ainda espera viver muitas coisas para contá-las através da escrita.

Título: O Chefe - Namorada - Vol. 2
Autora: Abigail Barnette
N.º de Páginas: 400 
PVP: 18,85 € 
Nas livrarias a partir de 15 de Julho

Se não conseguiu parar de ler o primeiro livro, vai ficar irremediavelmente presa ao segundo volume desta nova série erótica.

Intenso. Arrebatador. Realista
Do alter ego da autora best-seller Jenny Trout, este é o segundo livro de uma trilogia erótica diferente, onde se abordam problemas reais.
As questões sociais e de saúde são descritas nesta série.
O mundo deixa de ser apenas cor-de-rosa, em que através do sexo escaldante vivem felizes para sempre.
Uma série muito bem escrita, com personagens bem construídas e com uma trama que não é apenas regida pelas cenas de sexo.
Grávida, desempregada e caída em desgraça, Sophie Scaife tem a vida virada do avesso. A sua relação com o milionário Neil Elwood está destruída. A carreira da melhor amiga ascende rapidamente. E Sophie receia ter de tomar uma das mais difíceis decisões da sua vida sozinha...
Quando um diagnóstico devastador obriga Neil a regressar a Londres, Sophie deita a cautela para trás das costas para seguir o coração para o outro lado do Atlântico.
Manter uma escaldante relação dominador/submissa na doença como era na saúde é um desafio, mesmo para dois amantes tão inventivos como Sophie e Neil.
Mas Sophie está mais do que disposta a experimentar qualquer coisa que o seu senhor lhe ordene, e as fantasias de controlo transformam-se num refúgio para o stress diário da doença.
Embora o dinheiro e privilégios de Neil tornem mais fácil adaptar-se à nova situação, Sophie dá por si a reconstruir a vida em torno de um futuro incerto.
E, mesmo que ambos enfrentem as mudanças de cabeça levantada, têm noção de que a felicidade pode ser fugaz... e que Sophie pode perder Neil para sempre.

Sobre a autora:Abigail Barnette é o alter ego da autora, bloguista e humorista Jenny Trout.
Escrevendo sob o pseudónimo Jennifer Armintrout, entrou na lista de best-sellers do USA Today com o romance de estreia Blood Ties Book One: The Turning. O livro American Vampire foi considerado uma das melhores obras de terror de 2011 pela Booklist Magazine Online. Como Abigail Barnette, escreve romances eróticos premiados.
Quando não está a escrever, está a dormir ou incapacitada de alguma outra forma. É uma orgulhosa nativa do Michigan, mãe de duas crianças e mulher da única pessoa na terra capaz de passar extensos períodos de tempo com ela sem ter vontade de a assassinar.

BANDA DESENHADA
Título: STAR WARS
A Saga Completa
N.º de Páginas: 600 
PVP: 44€
Nas livrarias a partir de 15 de Julho

Todas as adaptações a banda desenhada dos filmes de Star Wars
num só volume!
Uma peça de colecção que não poderá perder
O melhor dos 35 anos de histórias de a saga de A Guerra das Estrelas em banda desenhada.
Para os milhares de seguidores da saga este livro é a oportunidade de reviver os momentos inesquecíveis e deliciar-se com a espectacular aventura de Star Wars.
O livro reúne, pela primeira vez, os seis episódios, num livro de grande qualidade e com as cores mais brilhantes da galáxia.
Está tudo aqui: desde o fatídico encontro de Qui-Gon Jinn e Obi Wan Kenobi com Darth Maul até à vitória de Luke Skywalker sobre os Sith e a redenção de Darth Vader.
Este volume de 600 páginas inclui as versões redesenhadas ou resmasterizadas das adaptações da Edição Especial, e a lista de guionistas e desenhadores que participaram, assim como uma de personagens do mundo da banda desenhada.
Um livro imperdível para os fãs e para os que desejam ler a saga pela primeira vez, antes da estreia do episódio VII nos cinemas, em Dezembro.


 

quarta-feira, 8 de julho de 2015

José Tengarrinha n'o fio da memória

Título: José Tengarrinha: o Passado Que Ilumina o FuturoDiálogo com José Jorge Letria
N.º de Páginas: 152
PVP: 13,99 €
Género: Não Ficção/Biografia
Nas livrarias a 15 de Julho

Guerra e Paz Editores | o fio da memória

Sinopse:
José Tengarrinha marcou, com a sua personalidade e determinação, a vida política e cultural da segunda metade do século XX português. Foi um inquebrantável militante político, sabemos todos. Viveu a clandestinidade, sofreu prisão política e contribuiu para a construção da democracia. Mas há outra e inseparável dimensão na sua vida: foi também jornalista, publicitário e escritor. E edificou uma carreira académica prestigiada, em Portugal e no estrangeiro. Ensina-nos ele: «Devemos caminhar sem nos agarrarmos a um passado fixo nem a esquemas ortodoxos. A sociedade vai-se construindo e não será feita com um golpe de mágica.»

Sobre o autor:
É um nome central da vida política e cultural portuguesa em que se afirmou como jornalista, publicitário, escritor e também como militante político desde muito cedo ligado ao PCP. Conheceu as prisões do regime e foi fundador do MDP/CDE.

Académico prestigiado, é doutorado em História, professor catedrático jubilado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Organizou com êxito os Cursos Internacionais de Verão de Cascais, tendo publicado obras, em Portugal e no estrangeiro, nas áreas de História e Ciências Sociais.


ELSINORE: Andrés Barba, um dos melhores ficcionistas de língua espanhola, em Portugal para apresentar «Na Presença de um Palhaço»


«Talvez fosse essa uma das piores tragédias do palhaço: a de que toda a gente desejasse constantemente que o palhaço fizesse de palhaço sem descanso, até ao fim dos tempos.»
Andrés Barba, eleito pela revista Granta como um dos melhores ficcionistas de língua espanhola da sua geração, volta a ser publicado em Portugal com Na Presença de Um Palhaço (Elsinore l 192 pp l 15,49€). No seu mais recente romance, Barba reforça o seu «mundo de intenções perfeitamente fechado e uma mestria rara na sua idade», que surpreendeu Mario Vargas Llosa.

Sinopse:
O cientista Marcos Trelles prepara-se para publicar um artigo numa importante revista da especialidade, mas terá de anexar uma curta biografia de trezentas palavras. Nas duas semanas de que dispõe para a escrever, viaja com a esposa até à casa da sogra, falecida um ano antes, para resolver de vez o problema da herança.

Na mesma altura, regressa a Espanha Abel, o cunhado, que pretende vender a casa da mãe e desfazer-se da última coisa que o liga ao país onde nasceu. Célebre comediante já reformado, foi ele quem, anos antes, empreendeu uma campanha política que elegesse um manequim para o Congresso, como forma de desmascarar o teatro político que nos subjuga.

Quem sou eu? Esta interrogação desafia Marcos a encontrar, no caos do nosso quotidiano de austeridade e desemprego, uma possibilidade de ordem dentro de sim, mas igualmente dentro de um país despedaçado. Neste romance, a prosa limpa de Andrés Barba esconde a navalha com que se escalpeliza o espetáculo da política.

Na Presença de Um Palhaço junta-se assim aos títulos Elsinore na procura de títulos de excelência e de autores que é urgente descobrir. Ao longo de 2015, a 20|20 Editora continuará a apresentar a sua nova chancela com o lançamento de mais títulos, cada um deles sem fronteiras de género, região ou época.

Sobre o autor:
Nascido em Madrid em 1975, foi professor de Espanhol para estrangeiros na Universidade Complutense de Madrid e é hoje formador de escrita criativa. É reconhecido como tradutor, tendo trabalhado autores como Joseph Conrad, Henry James e F. Scott Fitzgerald, além do romance Moby Dick, de Herman Melville.

Estreou-se na ficção com o aclamado romance La hermana de Katia, finalista do Prémio Herralde de Romance e adaptado ao cinema por Mijke de Jong. Seguiram-se, entre outros, Ahora tocad música de baile, Versiones de Teresa (Prémio Torrente Ballester), a recolha de novelas La recta intención, o ensaio La ceremonia del porno (em coautoria com Javier Montes, Prémio Anagrama de Ensaio), Muerte de un caballo (Prémio Juan March) e As Mãos Pequenas, editado em Portugal pela Minotauro.

Foi eleito pela revista Granta um dos melhores ficcionistas de língua espanhola da sua geração.

Andrés Barba em Portugal


O autor estará em Lisboa entre os dias 22 e 25 de julho para a apresentação da edição portuguesa do livro, cujo lançamento vai decorrer no dia 23 de julho, pelas 18.30, no Instituto Cervantes.


Porto Editora: O regresso de Becca Fitzpatrick

Título: Perigo Irresistível
Autor: Becca Fitzpatrick
Tradução: Irene Ramalho
Págs.: 336
Capa: mole
PVP: 15,50

Esta quinta-feira, 9 de julho, chega às livrarias portuguesas o novo sucesso de Becca Fitzpatrick, a jovem autora da saga hush, hush, que tantos leitores conquistou em Portugal e em mais 30 países. Perigo Irresistível é o título deste romance cheio de aventura, sedução e mistério.
Depois de uma tetralogia dedicada a anjos caídos, Becca Fitzpatrick volta a escrever pensando em jovens adultos. Perigo Irresistível inclui todos os condimentos que fizeram de hush, hush, crescendo, silêncio e finale um enorme sucesso internacional.

Sinopse:
Britt Pheiffer sonha há mais de um ano com umas férias repletas de aventura. Treinou vários percursos pelas Montanhas Rochosas, comprou equipamento especial e até se sente confiante para levar consigo a melhor amiga, mais adepta de centros comerciais do que do ar puro das montanhas. Poucas horas após o início da viagem, um nevão inesperado obriga-as a refugiarem-se numa cabana abandonada, aceitando a hospitalidade dos seus dois estranhos ocupantes: dois homens jovens, atraentes e… em fuga.
Feita refém, Britt é obrigada a guiá-los pela montanha e espera conseguir aguentar-se tempo suficiente até Calvin – o ex-namorado que ainda não conseguiu esquecer – poder encontrá-la. Nada é o que parece nesta aventura nas paisagens inóspitas do Wyoming. Mason, um dos raptores, é estranhamente simpático para Britt.
Já Shaun é claramente um homem perigoso.
Mas será Britt capaz de resistir à estranha e perigosa atração que Mason parece exercer sobre ela e, por fim, sobreviver?

Sobre a autora:
Becca Fitzpatrick (1981) é uma escritora norte-americana.
Depois de se ter licenciado em Saúde em 2001, exerceu a profissão de professora numa escola secundária em Provo, Utah. A sua vida muda de rumo em 2003, quando o marido lhe oferece a inscrição num curso de escrita criativa por ocasião do seu vigésimo quarto aniversário. A partir deste momento a fantasia e amor pelos contos tornar-se-á uma profissão a tempo inteiro, juntamente com o papel de mãe.


terça-feira, 7 de julho de 2015

Novidades Livros do Brasil - Anne Frank, Selma Lagerlöf e Albert Camus

Título: O Diário de Anne Frank – versão definitiva
Autor: Anne Frank
Tradutor: Elsa T.S. Vieira
N.º de Páginas: 448
PVP: 16,60 €

A Livros do Brasil publica uma nova edição de O Diário de Anne Frank – versão definitiva, segundo a fixação de texto de Mirjam Pressler, a única versão autorizada pela Fundação Anne Frank. Esta obra, que já se encontra nas livrarias, está recomendada no Programa Curricular de Português para o 8.º ano de escolaridade.
Escrito entre 14 de junho de 1942 e 1 de agosto de 1944, O Diário de Anne Frank foi publicado pela primeira vez em 1947, por iniciativa de seu pai, revelando ao mundo o dia a dia de dois longos anos de uma adolescente forçada a esconder-se, juntamente com a sua família e um grupo de outros judeus, durante a ocupação nazi da cidade de Amesterdão. Todos os que se encontravam naquele pequeno anexo secreto acabaram por ser presos em agosto de 1944, e em março de 1945 Anne Frank morreu no campo de concentração de Bergen-Belsen, a escassos dois meses do final da guerra na Europa. O seu diário tornar-se-ia um dos livros de não-ficção mais lidos em todo o mundo, testemunho incomparável do terror da guerra e do fulgor do espírito humano.
A maior parte das receitas obtidas com a venda deste livro revertem para a UNICEF, por vontade da Fundação Anne Frank.

Sobre a autora:
Anne Frank nasceu a 12 de junho de 1929 em Frankfurt, na Alemanha, no seio de uma família judaica. Em 1933, após a tomada de poder pelos nazis, os seus pais decidiram partir para Amesterdão, na Holanda, país que tinha fama de bem acolher as minorias religiosas. Em 1940, porém, os alemães invadem este território e iniciam uma forte perseguição aos judeus, reencaminhando-os para «campos de trabalho». Depois de dois anos de reclusão num anexo ao antigo escritório do pai, Anne Frank é detida em agosto de 1944. Viria a morrer de tifo no campo de concentração de Bergen-Belsen em março de 1945.

Título: O Livro das Lendas
Autor: Selma Lagerlöf
Tradutor: Pepita de Leão
N.º de Páginas: 160
PVP: 12,20 €

Uma rapariga humilde que conquista pela bondade a estima de pobres e ricos, um rei que descobre entre camponeses o tesouro da sua pátria, um músico arrogante que encontra a redenção nas palavras de uma velha misteriosa, dois irmãos inseparáveis fascinados pelos voos de Júlio Verne. São estas e muitas outras as personagens que Selma Lagerlöf, Nobel da Literatura em 1909, transporta da memória do mundo rural da província de Värmland da sua infância para os nove contos reunidos em O Livro das Lendas, título originalmente publicado em 1908 que a Livros do Brasil traz de regresso às livrarias a 23 de julho. Histórias simples, repletas de ensinamento e inspiração, onde se dilui a fronteira entre sonhos e realidade.


Sobre a autora:
Selma Lagerlöf nasceu a 20 de novembro de 1858, em Mårbacka, na província sueca de Värmland, e aí viria a falecer a 16 de março de 1940. Com uma obra profundamente inspirada nas histórias de encantar e lendas populares do seu país, tornou-se, em 1909, a primeira mulher a ser galardoada com o Prémio Nobel da Literatura e em 1914 foi nomeada membro da Academia Sueca. É autora de títulos como A Saga de Gösta Berling (1891), Os Milagres do Anticristo (1897) e O Tesouro (1904). A sua obra mais famosa, A Maravilhosa Viagem de Nils Holgersson através da Suécia (1906-1907), seria adotada em todas as escolas suecas e traduzida para mais de cinquenta línguas.

Título: O Estrangeiro
Autor: Albert Camus
Tradutor: António Quadros
N.º de Páginas: 96
PVP: 11,00 €

Publicado originalmente em 1942, O Estrangeiro foi o primeiro romance de Albert Camus e, a 23 de julho, chega às livrarias portuguesas numa nova edição da Livros do Brasil, revista de acordo com o texto fixado pelo autor, e com prefácio de António Mega Ferreira.
Sendo indubitavelmente uma das obras-primas da literatura francesa do século xx, foi traduzida em mais de quarenta línguas e adaptada para o cinema por Luchino Visconti em 1967. Nesta história, o protagonista Meursault recebe, um dia, um telegrama informando-o de que a mãe morreu. De regresso a casa após o funeral, enceta amizade com um vizinho de práticas duvidosas, reencontra uma antiga colega de trabalho com quem se envolve, vai à praia – até que ocorre um homicídio. Romance estranho, desconcertante sob uma aparente singeleza estilística, em O Estrangeiro joga-se o destino de um homem perante o absurdo e questiona-se o sentido da existência.

Sobre o autor:
Albert Camus nasceu em Mondovi, na Argélia, a 7 de novembro de 1913.
Licenciado em Filosofia, participou na Resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e foi então um dos fundadores do jornal de esquerda Combat. Em 1957 foi consagrado com o Prémio Nobel da Literatura, pelo conjunto de uma obra que o afirmou como um dos grandes pensadores do século xx. Dos seus títulos ensaísticos destacam-se O Mito de Sísifo (1942) e O Homem Revoltado (1951); na ficção, são incontornáveis O Estrangeiro (1942), A Peste (1947) e A Queda (1956). A 4 de janeiro de 1960, Camus morreu num acidente de viação perto de Sens. Na sua mala levava inacabado o manuscrito de O Primeiro Homem, texto autobiográfico que viria a ser publicado em 1994.



Acasalamento - Mating, de Norman Rush, nas livrarias a 17 de julho

Título: Acasalamento – Mating
Autor: Norman Rush
Género: Romance
Tradução: Tânia Ganho
N.º de páginas: 600
Data de lançamento: 17 de julho
PVP: 22,20€

Obra vencedora do National Book Award

«O romance é para mim uma espécie de substituto da religião; substitui a narrativa religiosa. Está aqui a humanidade nas suas relações.» Norman Rush, Público

Uma antropóloga americana anda à solta no Botsuana. Ferozmente inteligente e maravilhosamente inquisitiva, é dona de uma bela cintura e de um projeto de tese de doutoramento completamente encalhado. Está apaixonada por Nelson Denoon, um intelectual carismático de quem se diz ter fundado uma povoação experimental utópica num recanto remoto do Kalahari, em que ele é o único homem.
A nossa heroína acabará por empreender uma viagem, só, através do deserto, seguindo-o até Tsau, que afinal não é uma lenda: é uma comunidade de mulheres, dirigida por mulheres, um modelo de desenvolvimento autossustentado e uma alternativa – na gestão de todo o tipo de recursos – aos habituais modelos sociais e económicos. Uma vez aceite como habitante provisória da aldeia, ligar-se-á a Denoon, num longo e complexo ritual de acasalamento.

Sobre o autor:
Norman Rush é autor de quatro aclamados romances, entre eles, Acasalamento, premiado com o National Book Award. Corpos Subtis, o seu mais recente romance, foi publicado em 2014 também pela Quetzal. Rush trabalhou no corpo de Paz, no Botsuana, e vive na região norte do estado de Nova Iorque.



Novidade Clube do Autor: O que acontece quando os criminosos lutam contra os terroristas?

Título: O Lobo
Autor: Lorenzo Carcaterra
Tradução: Maria João Freire de Andrade
N.º de páginas: 340 
PVP: 16,50 €
Um livro intrigante sobre o submundo do crime organizado e o que acontece quando os criminosos se associam numa luta contra os terroristas.

O Lobo controla a mais poderosa organização criminosa do planeta, uma força vasta mas invisível. O chefe da máfia é temido pela sua crueldade e respeitado pela forma ímpar como gere os negócios.

Quando a família é apanhada num ataque terrorista, O Lobo dá início a uma vingança global. Com o apoio de grupos do crime organizado de todo o mundo, uma nova guerra ameaça a sociedade, envolvendo os interesses dos terroristas islâmicos, da máfia russa, dos cartéis de droga do México e outros poderes do submundo. O objetivo? Vingar-se ou morrer a tentar!


«Um romance poderoso com uma intriga tensa sobre os submundos da máfia e do terrorismo internacional.» New York Magazine

Este livro, que segue na senda do bestseller internacional Os Segredos do Clube de Bilderberg, chega às livrarias a 8 de julho.

Sobre o autor:
Lorenzo Carcaterra escreve há mais de vinte anos, sendo autor de obras como A Safe Place ou Sleepers, que deu origem ao filme Sleepers – Sentimento de Revolta. Escreveu e produziu a série Law & Order, em exibição na FOX.


Novidade Clube do Autor: Conheça quem ousou dizer NÂO a Hitler

Título: Nein, Hitler!
Livro aconselhado pela historiadora  Irene F. Pimentel
Autor: Randall Hansen
Tradução: António Teixeira Santos
N.º de Páginas: 460 
PVP: 18,50 €

«Neste livro, muito bem e exaustivamente investigado, o historiador canadiano Randall Hansen analisa o último ano da Segunda Guerra Mundial, entre meados de 1944 e de 1945[…]. A ênfase é dada às atitudes de “desobediência” de muitos alemães que colocaram “paus na engrenagem” do sistema criminoso nazi, nos seus últimos momentos.» Irene Flunser Pimentel



Um livro que é um verdadeiro testemunho histórico, mas que se lê com a intensidade de um thriller policial, agarrando o leitor do principio ao fim. Nestas 460 páginas, o autor repassa os últimos meses da II Guerra Mundial. Hitler ordenara a mais cruel e gratuita das violências: o envenenamento, bloqueio e destruição de todos os portos da Europa, a destruição de todas as indústrias, serviços públicos e museus da Europa e a obliteração da mais bela cidade do mundo: Paris.

Mas uma importante minoria de soldados e civis disse NÃO. Eles escolheram desobedecer, e tudo fizeram para evitar uma inútil, e absolutamente destrutiva, defesa militar das suas cidades. Se falhassem, o preço da desobediência seria a morte. Randall Hansen explora neste livro o extraordinário fenómeno da desobediência e as suas consequências.

Sobre o autor:
Randall Hansen é um conceituado historiador canadiano. O seu último livro, Fire and Fury: The Allied Bombing of Germany, 1942-45, chegou à shortlist do Governor General’s Literary Award. 



segunda-feira, 6 de julho de 2015

Novidade Clube do Autor: Embarque nesta viagem até Luanda...

Título: Espero por Ti em Luanda
Autor:
Rui Calisto
N.º de Páginas: 228 ~
PVP: 14,00 €

Baseado em factos reais, esta é a história do fim do império colonial português visto pelos olhos de uma criança. O testemunho de um momento histórico que mudou a vida e o destino de todos.

Aos nove anos de idade, Rui vive um drama intenso. Corria o ano de 1974, e a radiosa e próspera Luanda transforma-se num inferno. Milhares de portugueses são ameaçados pelas guerrilhas, sentindo as suas cabeças a prémio. Muitos são assassinados. O menino é obrigado a crescer.

No meio deste terrível cenário, surge uma elegante e terna morena de olhar intenso, que o vai fazer perder-se de amores.

Poderá um coração apaixonado manter-se vivo entre as tormentas da guerra?

Sobre o autor: 
Rui Calisto nasceu em 1965, no Brasil, mas reside atualmente em Lisboa, para onde se mudou em 2001. Viveu em Luanda de 16 de Março de 1974 a Maio de 1975. Este é o seu primeiro romance





O novo romance do Clube do Livro SIC: Mesmo Antes da Felicidade de Agnès Ledig


Título: Mesmo Antes da Felicidade
Autor: 
Agnès Ledig
N.º de Páginas: 296  
PVP: 
15,99 €
Nas livrarias a 15 de Julho

Guerra e Paz|Clube do Livro SIC

Sinopse:
Das lágrimas ao riso, um romance que nos faz regressar à essência da vida.

Há muito que Julie deixou de sonhar. Caixa num supermercado, mãe solteira, aos 20 anos passa os seus dias num trabalho mal pago à mercê de um patrão abusador. Não tem escolha: para dar o melhor que pode ao filho de três anos, Lulu, que é a luz dos seus olhos, a caixa Julie encaixa tudo isto e mais, se preciso for.

Mas um dia, o seu destino cruza-se com o de Paul, um cliente sexagenário que fala com ela, se comove com a sua situação e lhe estende a mão. Aos seus olhos, Julie não é uma mulher invisível, um robô que debita frases e suscita indiferença ou desprezo, mas uma mulher inteira, interessante, respeitável e respeitada. É este homem que, comovido com a sua história, a convida a ela e a Lulu para se juntarem a ele e ao seu filho Jérôme na sua casa de praia, na Bretanha. Magoada e abandonada pelo pai e por todos os homens que passaram pela sua vida, Julie desconfia de tanta generosidade. Mas por Lulu, para que o seu menino veja o mar e faça castelos de areia, ela acaba por aceitar…

Será que a felicidade encontrou finalmente o caminho da vida de Julie? Ou estará o destino apenas a preparar-se para lhe puxar o tapete – outra vez?

Sobre a autora:
É parteira. Começou a escrever em 2005, quando o seu filho ficou doente com leucemia. Todos os domingos, escrevia páginas e mais páginas de dúvidas, es­perança, sorrisos, lágrimas, pequenas alegrias partilhadas e coragem… a cora­gem de um menino de cinco anos.

Quando o seu pequeno anjo partiu, Agnès Ledig cumpriu a promessa que lhe tinha feito: conseguiu reerguer-se, deu forma de letra ao que de mais fundo sen­tia no seu coração, e nunca mais largou o seu novo grande amor – a escrita. Mesmo Antes da Felicidade, o seu segun­do romance, venceu o Prémio Maison de la Presse em 2013 e vendeu mais de 150 000 exemplares. Traduzido em 10 países, é um dos livros mais amados pelo público feminino, como prova a sua permanência nos tops desde que foi publicado.

www.agnesledig.fr


BOOKSMILE: Livro premiado «Fora de Mim»


De uma das professoras e escritoras mais prestigiadas dos Estados Unidos, vencedora, por cinco vezes, do Coretta Scott King Literary Award, um prestigiado prémio de literatura juvenil, chega Fora de Mim, um livro que nos apresenta a voz de uma menina que nunca mais esquecerá.

Imagine, por um momento, como será ter vontade de se expressar, de partilhar opiniões, de contar histórias, mas todos à sua volta pensam que não tem essa capacidade, por ter uma deficiência física profunda.

Imagine o que será viver assim para sempre.

Melody tem onze anos e uma memória fotográfica. O seu cérebro é como uma câmara de filmar que está sempre ligada. SEMPRE. Não existe forma de o parar. Ela é a rapariga mais inteligente da sua escola, mas ninguém imagina que isso possa sequer ser possível.

A maioria das pessoas, incluindo os seus professores e médicos, não acredita que Melody seja capaz de aprender, e os seus dias são passados a ouvir as mesmas canções da pré-escola, uma e outra vez. Se ao menos ela conseguisse falar, dizer às pessoas o que pensa e o que sabe. Mas não consegue. Não consegue falar. Não consegue andar. Não consegue escrever.

Estar presa dentro do seu corpo é cada vez mais difícil de suportar. Mas tudo está prestes a mudar com a descoberta de algo que a pode ajudar finalmente a comunicar com as suas próprias palavras. Só que nem todos à sua volta parecem estar prontos para a ouvir.

Fora de Mim (Booksmile | 304 pp | 14,99€), de Sharon M. Draper, é um livro extraordinário que nos faz ver o mundo com outros olhos. E, sobretudo, que as pessoas não se resumem às suas limitações físicas.


A Booksmile disponibiliza a leitura dos primeiros capítulos aqui.


Por falar de um assunto tão importante, tantas vezes ignorado por aqueles que não lidam diariamente com crianças com problemas físicos, que têm dificuldade em comunicar, e que, no entanto, têm os mesmos anseios e desejos que todas as crianças, enviamos informação sobre este livro, que poderá fazer a diferença na vida de muitas pessoas.

Quantas crianças haverá neste momento em Portugal na mesma situação de Melody e que estão perdidas no nosso sistema escolar?

Estarão estas crianças a ser devidamente acompanhadas de forma a poderem desenvolver o seu potencial?

Existirão cá sistemas semelhantes ao Medi-talker que permitam a crianças como Melody expressarem-se e mostrarem que são mais do que as suas limitações físicas?

Muitas questões se colocam e muitas delas a precisarem de respostas.

Sharon M. Draper é professora e escritora, e um sucesso em ambas as atividades. Já recebeu o galardão de Professora do Ano, nos Estados Unidos, e venceu, por cinco vezes, o Coretta Scott King Literary Award. É também uma autora bestseller do New York Times. No decorrer da sua carreira foi homenageada na Casa Branca seis vezes, e é frequentemente solicitada para ser embaixadora dos autores norte-americanos em eventos internacionais. Na sua já longa e prolífica carreira de escritora conta com muitos êxitos, sendo o maior Fora de Mim, que leva já mais de um milhão e meio de exemplares vendidos, só nos Estados Unidos.



Novidade Marcador: Sem Regras de John Sandford

Após três assassínios, Lucas Davenport é chamado a intervir. Na opinião dos colegas, tudo neste tenente é diferente. E têm razão – nos jogos de computador que inventa e vende, no Porsche que conduz até ao trabalho, passando pelo tipo de mulheres que atrai, e para sua busca incessante pela justiça, tudo é distinto.

O serial killer que persegue é um jogador, não é um sociopata como os que vêm nos livros; tem um gosto perverso pelo jogo, tendência que o leva a matar apenas pelo desafio.

Lucas Davenport terá de empregar toda a sua força mental – e coragem física – para aprender a pensar e a agir como o assassino. Porque a única forma de o vencer é entrando no seu jogo infernal.

«Um enredo recheado de suspense, um thriller de leitura irresistível que faz acelerar a batida cardíaca. Muitos dos autores mais conhecidos neste género literário teriam orgulho em chamar sua a esta obra.» Publishers Weekly

Sobre o autor: 

John Sandford nasceu com o nome John Camp a 24 de fevereiro de 1944, em Cedar Rapids, Iowa. Frequentou escolas públicas em Cedar Rapids e concluiu o liceu na Washington High School em 1962. Esteve no exército dos EUA entre 1966 e 1968, trabalhou como repórter no Cape Girardeau Southeast Missourian entre 1968 e 1970, e regressou à Universidade do Iowa em 1970-1971, para tirar um mestrado em Jornalismo. Trabalhou como jornalista para The Miami Herald entre 1971 e 1978, e depois para o St. Paul Pioneer-Press, entre 1978 e 1990; em 1980 foi finalista do prémio Pulitzer, que veio a vencer em 1986, com uma série de reportagens sobre a crise agrícola no Midwest americano. Desde 1990 tem-se dedicado a escrever thrillers. Também publicou dois livros de não-ficção, um sobre cirurgia plástica e outro sobre arte. É o principal financiador de um grande projeto de arqueologia no vale do Jordão, em Israel, com um sítio na Internet em www.rehov.org. Além da arqueologia, interessa-se muito por arte (pintura) e fotografia. Também caça e pesca.