sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Pura Coincidência - Renee Knight [Opinião]

Título: Pura Coincidência
Autor: Renee Knight
Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 304
Editor: Suma de Letras
PVP: 17,50€

Sinopse:
E se de repente se apercebesse de que é o protagonista do aterrador romance que está a ler? Catherine tem uma boa vida: goza de grande sucesso na profissão, é casada e tem um filho. Certa noite, encontra na sua mesa-de-cabeceira um livro de título O perfeito desconhecido.

A minha opinião: 
Catherine goza de uma boa vida junto do marido. Realizadora de documentários, tem uma vida estável junto de Robert. O seu filho é emancipado e vive num apartamento dividido com outros colegas.  

Até que numa noite, Catherine se depara com um livro na sua mesinha de cabeceira e, apesar de saber que não foi ela que o lá colocou, decide lê-lo. O Perfeito Desconhecido acaba por se tornar demasiado coincidente com a realidade que Catherine viveu há 20 anos. Catherine vê-se enredada numa teia de chantagem e, ao mesmo tempo, luta contra o tempo para que o livro não caia nas mãos erradas.

No entanto, apesar de todo o cuidado, tanto Robert como Nicholas o filho de ambos, acabam por ler o livro e as reações não são nada boas. E de repente até no trabalho de Catherine chegam exemplares do livro. 

Mas o mistério adensa-se. Se Jonathan, o jovem que Catherine conheceu há 20 anos numa estância balnear em Espanha está morto, e só ele podia saber o que se passou, quem é que a persegue e como sabe do seu segredo?
   

Narrado a duas vozes Pura Coincidência dá-nos a conhecer os dois lados da mesma história. A história por quem a viveu e a história de quem a imaginou e a passou para o papel.
À medida que a história vai avançando vamos conhecendo cada vez mais as características tanto de Catherine como do autor, ou melhor, produtor do livro, Stephen, o que torna o livro ainda mais interessante. O facto de ter poucas personagens vamos esmiuçando ainda melhor as fragilidades de cada uma delas. Confesso que não criei empatia com nenhuma delas, talvez por todas terem demasiados defeitos e esqueletos no armário para que me pudesse rever. Mas o facto de querer chegar ao final do livro para conseguir desvendar todo o mistério em torno daquelas férias em Espanha me aguçaram o apetite pela sua leitura e não larguei o livro até que o terminei.
Muito bom.  



quinta-feira, 29 de outubro de 2015

As Gémeas do Gelo - S. K. Tremayne [Opinião]

Título: As Gémeas do Gelo
Autor: S. K. Tremayne
Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 320
Editor: TopSeller
PVP: 17,69€

Sinopse:
EU SOU A KIRSTIE
EU SOU A LYDIA
EU SOU CONFIANTE E ANIMADA
EU SOU PENSATIVA E SOSSEGADA
EU ESTOU VIVA
EU ESTOU MORTA
QUAL DELAS SOU?

Lydia e Kirstie tinham 6 anos e eram gémeas idênticas. Quando Lydia morre acidentalmente na queda de uma varanda, os pais mudam-se para uma pequena ilha escocesa, na esperança de reconstruírem, com a filha que lhes resta, as suas vidas dilaceradas.
Mas um ano depois, a gémea sobrevivente acusa os pais de terem cometido um erro e afirma que quem caiu da varanda foi Kirstie e não ela.
Na noite em que uma tempestade assola a ilha e deixa mãe e filha isoladas, elas dão por si a serem torturadas pelo passado e por visões inexplicáveis, que quase as levam à loucura. O que terá acontecido realmente naquele fatídico dia em que uma das gémeas morreu?

A minha opinião:
Lydia e Kristie são gémeas idênticas. Tão idênticas que nem os pais as conseguem distinguir. Quando uma delas cai de uma varanda e morre a mãe acredita que a que partiu foi Lydia acreditando no que a outra gémea lhe diz. No entanto, 14 meses depois, quando a gémea sobrevivente lhe diz que é Lydia e não Kristie dá-se uma reviravolta naquela família, já completamente destruída pela morte da criança.

"- Mama? Mama? Mama? Quem sou eu?" pag. 89

Certo é que todo o comportamento da criança muda e os gostos pessoais da outra gémea acabam por se instalar na sobrevivente, mas não será isso uma refúgio? Uma forma de não se sentir tão sozinha? Visto que eram tão cúmplices, tão amigas, tudo isso poderá ser normal.
No entanto, de dia para dia Lydia ou Kristie vai criando um muro à sua volta tornando a convivência com a crianças da sua idade insustentável, achando que ela é completamente diferente delas. Acham-na bastante esquisita e acabam por afastá-la do grupo.

"Todo o amor é uma forma de suicídio."



Ao longo do livro vamos explorando a vida desta família completamente disfuncional, que se isola numa ilha procurando, assim, uma terapia para todos os seus problemas. Será que vai conseguir?Certo que ao longo do passar das páginas descobri coisas que me deixaram de boca aberta. Não estava mesmo nada à espera do desfecho e foi isso que tornou este livro tão espectacular. Fantástico!
Recomendo.







TOPSELLER: Fenómeno «A Rapariga no Comboio» estreia nos cinemas em outubro de 2016


Fenómeno de vendas mundial, não sendo Portugal exceção – 13 semanas consecutivas no 1.º lugar do Top Ficção, mantendo-se ainda no Top 5; 11.ª edição; 61 mil livros editados pela Topseller em apenas 4 meses, A Rapariga no Comboio já tem data de estreia no Grande Ecrã.

O thriller de Paula Hawkins, que será realizado por Tate Taylor, responsável pelo premiado "As Serviçais", chega então às salas de cinema no dia 7 de outubro de 2016, segundo anúncio da Disney, com um elenco recheado de caras bem conhecidas.

Emily Blunt será Rachel na tela, assumindo o papel principal, num filme que contará, ainda, com Jared Leto, Haley Bennett (Megan), Rebecca Ferguson (Anna) e Edgar Ramirez (Dr. Kamal Abdic).

Chris Evans, dado como certo no papel de Tom, ex-marido de Rachel, por incompatibilidades de agenda teve de recusar o papel. Justin Theroux é apontado como provável substituto.

Sobre a história:

O livro que vai mudar para sempre o modo como vemos a vida dos outros.

Todos os dias, Rachel apanha o comboio...

No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente.

Até que um dia...

Rachel assiste a algo errado com o casal... É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada.

Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afetando as vidas de todos os envolvidos.

De leitura compulsiva, absorvente e perturbador.


Sobre a autora:
Foi jornalista na área financeira durante quinze anos, antes de se dedicar inteiramente à escrita de ficção. Nascida e criada no Zimbabué, mudou-se para Londres em 1989, onde vive atualmente.

A Rapariga no Comboio é a sua primeira obra, que imediatamente se tornou um verdadeiro fenómeno mundial, com mais de 6,5 milhões de livros vendidos em todo o mundo. A Topseller irá publicar a sua próxima obra, prevista para 2017, que já está a ser escrita.

Elogios ao livro:
«Um livro assim, capaz de viciar, escrito em crescendo e carregadinho de surpresas e desmentidos, só acontece raramente.» - Diário de Notícias

«É a autora do novo fenómeno literário de que se fala. A Rapariga no Comboio é um page turner que mexe com fantasmas coletivos.» - Visão

«É o bestseller do momento. Paula Hawkins absorve várias influências. Dos policiais escritos por mulheres a Cormac McCarthy, há um nome que vem da adolescência: Agatha Christie.» - Jornal i

«A Rapariga no Comboio é o mais envolvente romance com um narrador inconfiável desde Em Parte Incerta. Este livro vai deixar os seus leitores arrepiados.» - New York Times

ÚLTIMA HORA: JEFF KINNEY vem a Lisboa, em inédita digressão mundial, apresentar «O Diário de um Banana 10: Dantes É que Era»



Dia 3 de novembro chega às livrarias o livro mais desejado de 2015 pelos jovens leitores portugueses. Décimo volume da coleção infantojuvenil mais vendida em Portugal, O Diário de um Banana 10: Dantes É que Era (Booksmile l 224 pp l 16,59€) será lançado em simultâneo por 16 editoras internacionais – até final de 2015 estará à venda em 90 países - numa maratona que tornará este lançamento o maior e mais esperado do ano, não só nos EUA, como em todo o mundo.

E, como as boas notícias normalmente chegam aos pares, Jeff Kinney, no âmbito de uma mediática e inédita digressão mundial – 15 cidades espalhas pelos 5 Continentes, vai estar em Lisboa nos dias 20 e 21, com o lançamento do livro a decorrer no dia 21, a partir das 15 horas, no Centro Comercial Colombo – zona infantil, 1.º piso.

Um lançamento que contará com a presença de Jeff Kinney e do Greg, e onde pais e filhos poderão, à semelhança do que aconteceu na FLL 2014, conviver, fazer perguntas, pedir autógrafos. Para os mais jovens, a Booksmile tem algumas surpresas preparadas, com oferta de brindes exclusivos (limitado ao stock existente).

Recordamos que O Diário de um Banana 9: Assim Vais Longe, lançado em novembro de 2014, foi o segundo livro mais vendido em Portugal na época natalícia (atrás de José Rodrigues dos Santos) e permaneceu no TOP 10 Geral de Ficção durante várias semanas consecutivas.

A coleção bestseller mundial, que com o lançamento do 10.º volume irá alcançar os 164 milhões de exemplares editados, está traduzida em 48 línguas, com 53 diferentes edições – inclusive em Latim, tendo sido uma cópia entregue em mão ao Papa Francisco - e já ultrapassou os 755 mil editados em Portugal.


 
​O Diário de um Banana é, neste momento, a coleção preferida dos jovens leitores em todo o mundo, apresentando números que deixam outras coleções, igualmente bem-sucedidas, bem longe na tabela de vendas e emoções. Ou não fosse Jeff Kinney, segundo a última lista publicada pela Forbes, o 6.º autor mais bem-sucedido em todo o mundo (23 milhões de dólares totalizados no último ano).

Sinopse:
Jeff Kinney faz-nos regressar aos primórdios da série, com o Greg a iniciar um novo ano escolar e a ser confrontado com novos desafios que nunca imaginara ter de enfrentar. Dantes é que era! Ou não? Esta é a grande dúvida do Greg, porque a sua cidade resolveu voltar aos tempos da velha escola e mandou desligar todos os aparelhos eletrónicos. Mas o Greg não parece feito para viver no antigamente, e a tensão aumenta, dentro e fora da casa dos Heffley. Conseguirá o Greg adaptar-se, ou será que a vida como era dantes é demasiado para ele?


quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Novo livro de Kate Morton a 4 de novembro: O Último Adeus

Título: O Último Adeus
Autor:
Kate Morton
Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 632
Editor: Suma de Letras

Sinopse:
O melhor romance da autora reconhecida mundialmente pelo público e a crítica.

Numa majestosa casa de campo inglesa um miúdo desaparece sem deixar rasto. Setenta anos depois Sadie Sparrow, de visita a casa de seu avô, encontra uma mansão abandonada. Espreita através de uma janela e sente que alguma coisa terrível aconteceu nessa casa.



Mistério desvendado!

Mistério desvendado!

Obrigado Nuno por todos estes postais que muito me intrigaram e deliciaram, confesso. Adorei!

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Sessão de lançamento de «EUA versus China», de José Manuel Félix Ribeiro



Novidades Booksmile: Bicicleta à Chuva, de Margarida Fonseca Santos


Título: Bicicleta à Chuva
Autor: Margarida Fonseca Santos
N.º de Páginas: 128
PVP: 8,79€
Saída a 26 de outubro

De uma das autoras de referência do género infantojuvenil, Margarida Fonseca Santos, em Bicicleta à Chuva, traz-nos uma história sobre temas atuais como o bullying, a coragem e amizade.
Crescer é um desafio enorme. Mas às vezes é difícil decidir que caminho devemos seguir. A Escolha É Minha é uma coleção sobre as opções que tens de tomar todos os dias com histórias de vida contadas por jovens como tu. Esta história, Bicicleta à Chuva, podia bem ser a tua ou quem sabe a de alguém que conheces.
O Jaime carrega um enorme segredo: um grupo de rufias, os Alcaides, toma conta da sua vida de muitas maneiras, deixando- lhe o corpo e a mente com marcas difíceis de apagar.
O Valdomiro, o chefe dos Alcaides, luta para, de alguma forma, conseguir ser importante naquele bairro tão complicado.
Um dia, em frente à paragem do autocarro, o Jaime vê uma bicicleta antiga encostada ao muro de pedras, e desenha-a. Cai uma chuva miudinha, mas o dono da bicicleta, o Joaquim, não se incomoda com isso, e interessa-se por aquele desenhador.
Nasce assim uma amizade capaz de revolucionar a vida do Jaime e de muitos outros. Queres saber como?
Então, vem daí!
Um livro tão comovente e emocionante que os mais novos não vão conseguir parar de ler!

Sobre a autora:
Publicou o seu primeiro livro para crianças há vinte e um anos. Desde esse instante, nunca mais parou de escrever para este público, um verdadeiro desafio que se transformou numa grande paixão.
Autora reconhecida e muito querida do público, tem uma grande parte das suas obras no Plano Nacional de Leitura.
Paralelamente a isso, escreve para adultos e para teatro, trabalha na área da escrita criativa e do treino mental, algo que ficou do tempo em que se dedicava à Pedagogia e à Formação Musical. Esta coleção, A Escolha É Minha, é o reflexo de todo este percurso.



Livros do Brasil: A ficção completa de Dylan Thomas

Título: Retrato do Artista quando Jovem Cão e outras histórias
Autor: Dylan Thomas
Tradutor: José Lima
N.º de Páginas: 472
PVP: 18,80 €

Poeta consagrado aos 22 anos, Dylan Thomas nunca ocultou a sua veia de contista, e esta seria reconhecida com a publicação, há 75 anos, de Retrato do Artista quando Jovem Cão. Agora, pela primeira vez em Portugal, os contos desse emblemático volume, mas também todos os que publicou de modo disperso, e ainda o seu romance inacabado (Aventuras no Comércio de Peles) são reunidos pela Livros do Brasil em Retrato do Artista quando Jovem Cão e outras histórias.
Este livro, que reúne toda a ficção narrativa de Dylan Thomas, chega dia 29 de outubro às livrarias, na semana em que este celebraria o seu aniversário.
Desde as primeiras visões alucinatórias das forças obscuras que se escondem sob a superfície da vida no País de Gales, até à inimitável comédia dos seus últimos escritos autobiográficos, estas mais de 40 histórias traçam um percurso pela ampla obra ficcional deste enorme escritor, prematuramente desaparecido aos trinta e nove anos.

Sobre o autor:
Dylan Thomas nasceu em Swansea, no País de Gales, a 27 de outubro de 1914. Aos dezassete anos começou a trabalhar como jornalista no South Wales Evening Post e pouco depois rumou a Londres, onde rapidamente se afirmou como um dos poetas líricos mais importantes da sua geração. A partir de 1934 publicou vários livros de poesia, que culminaram na publicação dos seus Collected Poems em 1952.
Ao longo da vida foi também escrevendo contos, sendo o seu livro mais célebre o autobiográfico Retrato do Artista quando Jovem Cão, de 1940. Foi autor de guiões para filmes e de programas para a rádio, entre eles a peça radiofónica Under Milk Wood. Entre 1950 e 1953 fez quatro visitas aos Estados Unidos da América, na sequência de convites para conferências. A 9 de novembro de 1953, pouco depois do seu trigésimo nono aniversário, com uma saúde enfraquecida pelo alcoolismo, faleceu em Nova Iorque após colapsar no quarto de hotel onde estava hospedado.




segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Vai e Põe uma Sentinela - Harper Lee [Opinião]

Título: Vai e Põe uma Sentinela
Autor:
Harper Lee
Título Original: Go Set a Watchman
Tradução: Isabel Nunes e Helena Sobral
Páginas: 240
Coleção: Grandes Narrativas N.º 619
Género: Ficção e Literatura / Clássicos Estrangeiros.
Público-Alvo: Diversas gerações de leitores.
PVP: 16,90€


Jean Louise Finch - Scout - a inesquecível heroína de Matar a Cotovia, regressa de Nova Iorque a Maycomb, a sua cidade natal no Alabama, para visitar o pai, Atticus. Decorre o turbulento período de meados de 1950, numa nação dividida em torno das dramáticas questões raciais. É com este pano de fundo que Jean Louise descobre verdades perturbadoras acerca da sua família, da cidade e das pessoas de quem mais gosta, o que a leva a interrogar-se sobre os seus valores e princípios, e a confrontar-se com complexos problemas de ordem pessoal e política.

A minha opinião: 
Parti para a leitura deste livro completamente em branco já que não li o premiado livro "Matar a Cotovia". De facto, apesar de ter o livro em casa há anos, por nenhuma razão válida, nunca o li, apesar de ter uma ou outra vez ter pegado nele para o fazer. Depois de ter terminado de ler "Vai e Põe uma Sentinela" chego à conclusão que o devia ter mesmo feito. 


Se no primeiro livro Jean Louise, Scout, a protagonista é uma criança de seis anos que vê o pai, advogado, a defender um negro que é falsamente acusado de violar uma branca, e que acaba por pô-lo num pedestal de rectidão e de modelo a seguir, neste segundo livro, só encontrado em 2014, a mesmo protagonista é uma jovem adulta que regressa à sua terra natal e apanha uma desilusão. Maycomb, uma localidade completamente fictícia, mas que pode muito bem ter sido baseada na terra natal da própria Harper Lee, Monroeville, vive um período onde as grandes questões raciais são verdadeiramente dramáticas. As pessoas ficam completamente divididas e brancos e negros raramente se juntam. Outrora amigos, naquela altura pouco se falavam. Scout que vem de uma cidade como Nova Iorque repara na mudança da sua localidade e fica chocada com a alteração de comportamentos das pessoas, nomeadamente do seu pai e do seu amigo de infância. O choque é evidente.

Scout é forçada a lidar com questões pessoais e políticas por forma a tentar entender a atitude do pai, assim como de outras pessoas da sociedade de Maycomb, mas tudo isso a deixa  desiludida com o local onde passou a sua infância. 
Completamente diferente das amigas de escola, tanto no que concerne às ideias de família, do que é o ser humano, do papel da mulher na sociedade, a jovem vê-se completamente desenquadrada naquela terra que já não vê como sua. E Nova Iorque está tão longe, mas bem mais perto dos seus ideais, onde as raças se vêem como um todo, onde homens e mulheres trabalham e são todos iguais. 

Vai e Põe uma Sentinela foi uma verdadeira surpresa. Um livro que me transportou para os anos 50 de Martin Luther King e para a luta dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos. Excelente leitura. 




Planeta: Novidades Outubro

Título: Sem Compaixão - A Vingança 3
Autor: Malenka Ramos
N.º de Páginas: 336
PVP: 18,85 €
Disponível a partir de 29 de outubro

Uma história de vingança que explora o sexo alternativo e o lado possessivo de um homem.

A Vingança é uma série de livros intensos, românticos e eróticos. Não existem limites e destinam-se a descobrir o proibido.

Uma história de vingança. Um homem bem-sucedido, Dominic, deseja que a mulher que ama e que sempre troçou dele na escola, Samara, pague a humilhação que sentiu e que continua a sentir. Sente por ela um sentimento de amor-ódio. A história é narrada do ponto de vista deste homem.
Nesta conclusão, o suspense, a dor e o amor voltam com mais força do que nunca. De novo, nada é o que parece.

Bem-vindos mais uma vez ao palácio do delírio!

Bem-vindos à Quimera

A Quimera fora há anos um orfanato onde as crianças viviam verdadeiras provações. Com o passar do tempo, já adultos, essas crianças criaram os seus impérios e juraram que os filhos jamais sofreriam as dolorosas experiências a que foram submetidas.
Divididos por várias famílias e clãs, não hesitam em ajudar-se, seja a nível pessoal ou laboral.
A vida de Samara prossegue junto ao seu amor, tudo parece maravilhoso e, em determinados momentos, até roça a normalidade.
Mas na realidade não é assim. Dominic infringiu as regras da casa para evitar que ela seja mais uma escrava e isso desencadeará uma trama que fará que os implacáveis, amorais e vingativos membros do clã Malbaseda reapareçam nas suas vidas.

Alguém tece uma teia tão espessa e consistente que a obscuridade que Dominic julgava ter afastado da sua alma renasce.

Sobre a autora
A autora nasceu nas Astúrias em 1978 e a sua paixão pela literatura foi herdada do pai, que esteve sempre rodeado pela sua biblioteca particular.
Um dos primeiros livros que leu com dez anos foi A Ilíada, e a partir daí os clássicos tornaram-se a sua paixão.
Escritora em fóruns de narrativas e contos criou a trilogia Vingança por uma simples aposta, a de escrever textos pertencentes a um género tão difícil como apaixonante: o romântico-erótico. E diz difícil porque, afinal, acabou por se tornar num trabalho de seis anos, feito à base de narrativas que tiveram um milhão de leitores na Internet.


Título: Eu Fui a Espia que amou o Comandante 
Autor:
Marita Lorenz
N.º de Páginas: 248 + 16 páginas
PVP: 17,95 €
Disponível a partir de 28 de Outubro

São poucas as pessoas que podem dizer que viram passar uma parte importante da história do século XX ante os seus próprios olhos. Não como meros espectadores, mas quase que a devorando.
Marita Lorenz é uma delas.
Nasceu na Alemanha em 1939, nas vésperas da invasão da Polónia. O seu pai, alemão, era capitão de barcos; a sua mãe, americana, tinha sido actriz.
Em criança, foi enviada para um campo de concentração – Bergen-Belsen. Pouco depois de terminar a guerra, aos sete anos, foi vítima de violação.
Chamo-me Ilona Marita Lorenz. Nasci na Alemanha em 1939, poucos dias antes de Hitler invadir a Polónia. Durante a guerra, passei pelo hospital de Drangstedt e pelo campo de concentração de Bergen-Belsen. Sobrevivi. Pouco depois da libertação, aos sete anos, fui violada por um sargento norteamericano.
Embarcou com o pai várias vezes nos anos seguintes.
Em 1959, a bordo do Berlin, aportou numa Havana revolucionária. Um grupo de barbudos, encabeçado por Fidel Castro, subiu a bordo.
Foi amor à primeira vista. Uma semana depois, el Comandante mandava buscá-la a Nova Iorque e fazia dela sua amante. Tinha dezanove anos.
Logo descobriu que estava grávida, mas submeteram-na a uma intervenção cirúrgica e o bebé não chegou a nascer… ou pelo menos foi o que lhe contaram.
Quando tinha 19 anos, conheci Fidel Castro. Tornei-me sua amante e fiquei grávida. Em Cuba, fui drogada e forçada ao que me disseram ter sido um aborto, mas, duas décadas depois, Fidel apresentou-me Andrés, o filho que me arrancaram naquela mesa de operações. Poder-se-á imaginar o que isso significou para uma mãe que saiu da ilha de ventre vazio?

A CIA convenceu Marita de que Fidel era o responsável pelo sucedido e enviaram-na de volta a Havana com a missão de o assassinar, mas ela não foi capaz de o fazer: continuava apaixonada por ele.
Empurrada pela CIA e pelo FBI, envolvi-me na Operação 40, uma maquinação governamental que associou gente ligada a agências federais, ao exílio cubano, mercenários e a máfia para tentar, infrutiferamente, derrubar Fidel  Castro. Enviaram-me a Havana para o assassinar com dois comprimidos. E não se deu o caso de fracassar, como aconteceu a centenas de outros que o tentaram depois: simplesmente, fui incapaz de o fazer. Não o lamento, pelo contrário: é aquilo de que mais me orgulho na minha vida.
Tudo isto pode parecer suficiente para preencher duas vidas, mas há mais. De regresso a Miami, conheceu o ex-ditador venezuelano Marcos Pérez Jiménez e teve uma filha com ele.
Pouco depois, em Miami, apaixonei-me por Marcos Pérez Jiménez, o ditador venezuelano, e tive uma filha, Mónica, Moniquita. Quando foi repatriado e o nosso advogado me roubou os fundos que Marcos nos tinha destinado, tentei segui-lo, mas acabei abandonada durante meses, com a minha menina, na selva venezuelana com uma tribo de índios ianomâmi.
Em Novembro de 1963 viajou de Miami a Dallas numa comitiva que integrava Frank Sturgis, um dos detidos no Watergate, e um tal de Ozzie, ou seja, Lee Harvey Oswald.
Mais tarde foi party girl da máfia nova-iorquina e informante da polícia. Casou-se e teve um filho com um homem que espiava diplomatas soviéticos para o FBI.

Sobre a autora:
Fui party girl da máfia nova-iorquina, na qual se incluíam alguns dos meus amantes, embora também tenha tido um da polícia, figura importante. Casei-me e tive um filho – Mark, Beegie – com um homem que espiava diplomatas do bloco soviético para o FBI, missão a que me associei. Quando, antes do testemunho no Congresso, Sturgis revelou publicamente na imprensa aquilo a que eu me dedicava, o meu mundo começou a desmoronar-se.
Fui mulher numa esfera de homens. Inventei mentiras para me proteger, a mim e aos meus filhos, e disse a verdade quando foi da minha conveniência.
Quero agora deixar as coisas claras, talvez fazer pensar a determinada pessoa que trabalhe na sombra para o governo norte-americano que não vale a pena deixar que outros tomem decisões por ela.
A história de Marita teve luzes e sombras.
Mas é sobretudo uma história de amor e de perigo.
A de uma espia que acima de tudo e apesar de si própria, amou el Comandante.
Tenho vivido nos últimos anos da assistência social, sem qualquer pensão, num rés-de chão em Queens com o meu cão Bufty, uma gata, uma tartaruga e um enorme peixe cor de laranja que, ocasionalmente, se atira contra o vidro do aquário como se em missão suicida. Nunca pensei em suicidar-me, embora por vezes desejasse morrer.
Morrer, porém, é fácil; o desafio está em viver. Cada dia é uma luta.


Novidades Marcador já à venda

Título: Kaya África
Autor: Adelaide Passos
Editora: Marcador 
Nº de Páginas: 368
PVP: 18,50€ 

Kaya África, um livro baseado nas recordações vividas pela autora, que nasceu e viveu em Moçambique, este é um relato precioso e documental dessa existência que se perdeu no tempo, mas não na memória, como um álbum de fotografias em que ainda se mantém iluminado o amor à família e a África. E é também um livro impregnado da beleza da paisagem moçambicana, um almanaque dos hábitos, dos lugares e das personagens que abandonavam as giestas em busca dos embondeiros.

Quando, no princípio do século XX, Sara abandona uma pequena aldeia no Norte de Portugal para se juntar ao marido, José, em Moçambique, inicia-se também a epopeia de uma família ao longo de três gerações, uma aventura que espelha a história do país através da vida daqueles que arriscavam tudo num território tão generoso quanto cruel. Kaya África é um romance ambicioso e de fôlego, histórico e familiar, sobre a vida dos portugueses em África.

Sobre a autora:
Adelaide Passos é natural de Moçambique. Licenciou-se em Direito pela Universidade de Lisboa e trabalhou como advogada em Maputo. Emigrou depois para a África do Sul, onde ingressou numa firma multinacional de consultoria e auditoria, tendo-se tornado uma das suas sócias internacionais. Transferiu-se posteriormente para Genebra e finalmente para Lisboa. É autora do livro O Céu Pode Esperar, que chegou ao top nacional de vendas, e de vários artigos publicados em revistas internacionais. Participou em inúmeros seminários como oradora e lecionou em diversas cidades a profissionais de vários continentes. É casada, tem dois filhos e quatro netos. Atualmente vive em Sintra.

Título: Pontinhos de Amor
Autor: Rute Granja
Editora: Marcador 
Nº de Páginas: 144 
PVP: 19,50€ 
À VENDA A PARTIR DE 07 DE OUTUBRO 

Em Pontinhos de Amor descobrimos o mundo encantado da Rute Granja, um mundo recheado de bonecos, bichinhos, rendas, tecidos, fitas, botões, linhas, agulhas e pincéis... 

Neste livro iremos encontrar vinte e quatro projetos encantadores − dois por cada mês − inspirados nas festividades anuais e pensados para celebrar o melhor que cada época tem para dar. A maior parte são trabalhos fáceis e acessíveis a qualquer pessoa, mesmo para quem não tem grande perícia e à-vontade nesta área. Os projetos são explicados passo a passo, ilustrados com fotos exemplificativas e trazem os respetivos moldes para que todos os consigam realizar facilmente. 

Peças únicas que encantam quem as recebe, mas principalmente quem as faz… 

Sobre a autora:
Rute Granja nasceu em Torres Vedras a 2 de dezembro de 1974. Cresceu e estudou numa bonita vila no litoral Oeste, Sobral de Monte Agraço, apenas a 37 km de Lisboa. É uma mulher feliz, sensível, por vezes impulsiva, e um pouco desastrada. É casada, tem dois filhos, a Margarida e o Rafael, e é na família que encontra o apoio, o carinho e a felicidade. Sempre gostou de artes manuais e desde cedo revelou vocação para a costura e pintura. Há uns anos dedicou inteiramente a sua vida ao mundo das artes onde cada vez mais se sente realizada. Criou a sua própria marca e, no seu atelier, idealiza, desenha e confeciona peças decorativas, bonecos, bichos e enxovais, principalmente para os mais pequenos. 



Título: Dicionário Prático da Cozinha Portuguesa 
Autor: Virgílio Nogueiro Gomes 
Editora: Marcador 
Nº de Páginas: 392
PVP: 18,50€ 

O Dicionário Prático da Cozinha Portuguesa é constituído por um vasto conjunto de termos culinários, produtos alimentares, receitas e produtos – ordenados alfabeticamente e de fácil consulta -, o que permitirá enriquecer e melhorar os conhecimentos gastronómicos dos seus leitores.

Este é um livro prático e útil, fundamental para os amantes de cozinha, bem como para os curiosos das comidas portuguesas, assumindo-se ainda como um auxiliar indispensável para quem se quiser integrar numa vida profissional relacionada com restaurantes ou locais de alimentação.

«UMA DAS PERSONALIDADES MAIS INFLUENTES NA GASTRONOMIA EM PORTUGAL.» Público

Sobre o autor:
Virgílio Nogueiro Gomes nasceu em Bragança a 30 de Junho de 1949. Com formação superior em Gestão Hoteleira pelo Institut International de Glion, na Suíça, fez carreira em gestão hoteleira com incidência em alimentos e bebidas. É investigador em História da Alimentação, e professor de Gastronomia e Cultura e de História da Alimentação. É membro da Academia de Letras de Trás-os-Montes, autor do livro Transmontanices – Causas de Comer e co-autor do livro A Cozinha do Mar. Escreve com regularidade em diversos jornais e revistas. Publicou, também pela Marcador, o livro Tratado do Petisco e das Grandes Maravilhas da Cozinha Nacional e os Doces da Nossa Vida. Visite a página do autor: www.virgiliogomes.com 


Título: A Teoria do Futebol 
Autor: Pedro Henriques e Rui Miguel Mendonça
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 200
PVP: 15,00€ |
Em A Teoria do Futebol, Pedro Henriques surge de camisola despida, integralmente, num livro surpreendente, falando sobre as ilusões e as desilusões com o mundo do futebol, os segredos de balneário nunca revelados, os elogios e as ameaças recebidas como comentador de televisão.

Mais do que uma biografia, esta é uma história de vida sobre uma vida cheia de vidas.

Sobre os autores:
Pedro Henriques nasceu em Lisboa, em 1974. Fez a sua formação no CF Belenenses, onde começou a jogar, aos nove anos, e onde permaneceu durante cinco épocas. Depois transferiu-se para a SL. Benfica, tendo aí terminado a sua formação e iniciado a sua carreira ao mais alto nível. Tem o 1.º e o 2.º níveis do curso de treinador de futebol. Como comentador, tem colaborado na SporTV, desde 2007, e, depois de 2010, também na Rádio Renascença.

Rui Miguel Mendonça nasceu em Lisboa, em 1975. E foi algures na capital que se formou em Ciências da Comunicação, pela Universidade Autónoma de Lisboa. É jornalista desde 1997. A Rádio Comercial deu-lhe voz ao sonho durante um ano e meio. Em 2014, publicou a sua primeira obra, Entrar nas Linhas. É um apaixonado, um eterno apaixonado. Vive em intimidade com a vida e em partilha de bens com a escrita. 



Novidade Vogais: Sete Mares, de Johanna Basford - a autora n.º1 de livros de colorir para adultos

Título: Sete Mares
Autor: Johanna Basford
N.º de Páginas: 80
PVP: 10,99€
Saída a 26 de outubro

Johanna Basford, a autora n.º1 mundial de livros de colorir para adultos, publica pela primeira vez na Vogais.
E é com grande expectativa que os amantes dos livros de colorir têm aguardado por Sete Mares, cujo lançamento em Portugal será em simultâneo com os principais mercados editoriais fora de portas. Trata-se de um livro com ilustrações belíssimas e detalhadas que levam os leitores a uma viagem deslumbrante pelos oceanos.
Sete Mares é uma aventura deliciosa pelos oceanos, repleta de ilustrações encantadoras às quais deve dar cor e vida. Há muito por descobrir, desde delicadas tranças de algas marinhas até jardins de coral e magníficos navios naufragados! Ao longo deste livro irá encontrar muitos seres que aguardam pela sua imaginação e criatividade: sereias encantadas, peixes exóticos, caranguejos, polvos e búzios.
Não existe aventura sem tesouro, claro: por isso, se pesquisar com cuidado poderá encontrar, espalhados pelas páginas, arcas de tesouros e artefactos preciosos. Sete Mares Inclui um poster destacável, para que possa criar a sua obra de arte e exibi-la em casa ou oferecê-la.

Sobre a autora:
Johanna Basford é ilustradora, licenciada em Têxteis Impressos pela Duncan of Jordanstone College of Art and Design. Prefere canetas e lápis a pixeis. As suas ilustrações intrincadas e totalmente desenhadas à mão são amadas em todos os mares e continentes.
Os seus dois livros anteriores, O Jardim Secreto e A Floresta Encantada (ed. Edicare), são os livros de colorir para adultos mais bem-sucedidos em todo o mundo.
Conheça melhor a autora em: johannabasford.com


Lançamento de A guerra que Portugal quis esquecer