quarta-feira, 6 de abril de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidade Marcador: Os Jardins da Luz de Amin Maalouf

Título: Os Jardins da Luz
Autor: Amin Maalouf
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 256
PVP: 18,50€

A OBRA-PRIMA DA CIVILIZAÇÃO ORIENTAL
«Todos os ingredientes de um grande romance estão presentes em Os Jardins de Luz, que nos põe a par da lenda e da verdade. O talento do contador nos mostra sua grandeza e a voz do "pesquisador da verdade".» - Le Monde
«Vim do país de Babel», dizia ele, «para fazer ecoar um grito através do mundo.»

Durante muitos anos, o seu grito foi ouvido. No Egito, chamavam-lhe o Apóstolo de Jesus; na China, cognominavam-no o Buda de Luz; a sua esperança florescia à beira dos três oceanos. Porém, rapidamente surgiu o ódio, surgiu o encarniçamento. Os príncipes deste mundo amaldiçoaram-nos; tornou-se para eles o «demónio mentiroso», o «recipiente repleto de mal» e, no seu humor cáustico, o «maníaco»; a voz dele, «um pérfido encantamento»; a sua mensagem, «a ignóbil superstição», «a pestilencial heresia». Depois, as fogueiras cumpriram a sua missão, consumindo num mesmo fogo tenebroso os seus escritos, os mais perfeitos dos seus discípulos, e essas mulheres altivas que se recusavam a cuspir sobre o seu nome.
Este livro é dedicado a Mani. Ele quis contar a sua vida. Ou aquilo que se pode adivinhar dela após tantos séculos de mentira e esquecimento.
«Quando o mundo tiver abandonado os sábios, estes deixá-lo-ão. Então, o mundo ficará sozinho, e sofrerá com a sua solidão.»

Sobre o autor:AMIN MAALOUF é um jornalista e romance libanês. Venceu o Prix des Maisons de la Presse, o prémio Goncourt e o prémio Príncipe das Astúrias. É membro da Academia Francesa desde 2011. Foi chefe de redação, e mais tarde editor, do Jeune Afrique. Durante 12 anos foi repórter, tendo realizado missões em mais de 60 países. A maior parte dos seus livros apresenta um cenário histórico e, à semelhança de Umberto Eco, Orhan Pamuk e Arturo Pérez-Reverte, Maalouf mistura factos históricos fascinantes com fantasia e ideias filosóficas. Numa entrevista, afirmou que o seu papel enquanto escritor consiste em criar «mitos positivos». Escritas com a habilidade de um magnífico contador de histórias, as obras de Maalouf dão-nos uma visão apurada dos valores e comportamentos de diferentes culturas do Médio Oriente, de África e do mundo mediterrânio.

«O autor dedica seu livro a Mani, personagem esquecido e de quem nós pronunciamos o nome sem saber, quando dizemos a palavra maniqueísta. O livro traz uma escrita vigorosa e discussões ternas, simples, fortes e convincentes» L’Express
«Característica fundamental do autor a de conseguir a coexistência do mito com o documento, a lenda com a heurística, numa perfeita simbiose da técnica romanesca ao serviço da História.» Elle


Novidade Saída de Emergência: Príncípes da Medicina de Mário Cordeiro

Sabia que?

· Imhotep foi arquitecto das pirâmides do Egipto, e descobriu que se dormia melhor com a cabeça virada para norte, por causa das forças magnéticas terrestres (esta parte não sabia ele…)

· Pedro Hispano foi o único Papa português, mas foi também o oftalmologista que curou Michelangelo, quando este, enquanto pintava o tecto da Capela Sistina, fez uma lesão ocular grave

· Garcia de Orta foi um grande botânico e daí os jardins do Parque das Nações terem o seu nome… e foi tão perseguido pela Inquisição que até depois de morto foi desenterrado para queimarem os seus ossos

· Júlio Diniz, escritor romântico, sofreu de tuberculose, da qual veio a morrer, mas foi precisamente quando estava retirado, em tratamento para a doença, que começou a escrever.

· Miguel Bombarda, não era crente e deixou instruções para um funeral não religioso, o que era raro na altura, mas as suas últimas palavras para o seu assassino foram: “Não lhe façam mal, é um doente. Não sabe o que faz!”

· Carolina Beatriz Ângelo foi a primeira mulher a ser cirurgiã, e fez, com as suas mãos, com a ajuda de Adelaide Cabete, também médica, a primeira bandeira verde-rubra quando da implantação da República

· Ricardo Jorge, o grande infecciologista e sanitarista que, por causa da gripe, dizia que era muito melhor cumprimentarmo-nos com uma vénia do que apertando as mãos

· Arthur Conan Doyle, o escritor que “inventou” Sherlock Holmes era jogador de futebol, entre muitas outras ocupações, e depois de “matar” a sua personagem, teve de a ressuscitar a mando do público

· Pulido Valente foi um grande político e um excelente professor, de um enorme rigor, contando-se algumas histórias engraçadas com os seus assistentes. Tem o nome num dos maiores hospitais de Lisboa.

· Bissaya Barreto, grande amigo de Salazar, começou por ser revolucionário e maçon, e desenvolveu uma imensa obra social, desde creches, centros de saúde, consultas a pobres até ao Portugal dos Pequenitos, que tantos portugueses já visitaram



Em Príncipes da Medicina, novo livro do pediatra Mário Cordeiro, poderá encontrar estas e outras curiosidades de médicos extraordinários que sobressaíram noutras áreas, como a pintura, literatura, política, filosofia, escultura e história.



Novidade Simon's Books: "Em Nome da Ordem - Os Cavaleiros da Figueira"

Título: Em Nome da Ordem
Autor: Norberto Horta

1546. Portugal. Após uma vida de inteira dedicação, Mestre João da Piedade parte numa derradeira missão em nome da Ordem de Santiago da Espada. Enviado para as remotas planícies de Além Tejo numa tarefa aparentemente fácil, Mestre João, eternamente acompanhado do seu fiel cavalo Trovão, coloca em risco a própria vida ao serviço de Sua Majestade.

Inesperadamente, no final de uma aventura empolgante e repleta de emoções, Mestre João termina os seus dias no povoado que viria a ser a aldeia de Figueira dos Cavaleiros.

E este é o caminho a percorrer… Em Nome da Ordem!

Um enredo envolvente pautado pela ação, constituída por batalhas, escravatura, traição e intriga, mas também por amor, perda e amizade, amizade, e que revela o legado do homem para sempre ligado às origens de um povo.

Num registo ficcionado mas com contornos verídicos, Norberto Horta relata na obra, Em Nome da Ordem – Os Cavaleiros da Figueira, a sua versão da história das origens até hoje desconhecidas de Figueira dos Cavaleiros. Uma história que bem podia ter acontecido.

Sobre o autor:
Norberto Horta nasceu em 1981, em Figueira dos Cavaleiros. Topógrafo de profissão, foi desde cedo um apaixonado por História e pela sua aldeia. Trabalhou em diversos pontos no sul do país, embora quase sempre fora da sua região, apregoando sempre orgulhosamente as suas origens alentejanas. Em Nome da Ordem – Os Cavaleiros da Figueira é o seu primeiro livro.



Quetzal Editores: Uma Senhora Nunca, romance de Patrícia Müller

Título: Uma Senhora Nunca
Autor: Patrícia Müller
Género: Romance
Série: língua comum
N.º de páginas: 280
Data de lançamento: 15 de abril
Capa: Rui Cartaxo Rodrigues
PVP: 16,60

Nenhuma vida foi a mesma depois de 25 de Abril de 1974. A de Maria Laura não foi exceção.
Depois do romance Madre Paula, Patrícia Müller – que escreve sempre que pode e onde pode e espera fazê-lo – regressa aos livros. Partindo da vida da sua bisavó, documentada em retratos e conversas, conta em Uma Senhora Nunca uma parte da história do século XX e traz à luz da ficção a vida de quem se viu despojado em lugar de inebriado. Maria Laura é a protagonista.
Para escrever este livro, Patrícia Müller contou com a ajuda da avó que um dia lhe disse: «Sabias que a minha mãe tinha sido raptada pelo meu pai?» As conversas entre as duas duraram muitos meses e resultaram neste livro, que recua aos tempos da I República, atravessa o Estado Novo e termina depois da revolução de Abril, arrastando consigo personagens que vivem sempre à beira do abismo. Foi uma experiência irrepetível, mas talvez todas as experiências da autora sejam, para ela, irrepetíveis. Patrícia Müller (nascida em Lisboa, em 1978) escreveu reportagens, séries, telenovelas, telefilmes, crónicas.

Sinopse
Maria Laura é senhora desde que nasceu. Oriunda de uma família antiga e latifundiária, nunca trabalhou um dia na vida. Casa-se, tem filhos, gere um país próprio – o apartamento onde mora numa zona rica de Lisboa. Cuida de vivos e de mortos com devoção cristã. Depois, enlouquece de medo e de rancor contra todas as mudanças que vêm com a revolução de abril de 1974.
Esta é a vida de Maria Laura, da sua insignificância e das suas memórias familiares. Mas também a história de um amor pelo filho do marido, a da obsessão em cumprir regras que nunca discutiu, a da demência que a transporta até à morte. E a resistência aos turbilhões sentimentais, a vitória da vida sobre o tempo que nos devora.
Esta é também uma narrativa romântica, violenta e voluptuosa da vida dos pais e dos filhos, extensões naturais dos braços tentaculares da Senhora. E uma história intimista e sexual do século XX: uma família que vive com o poder e a glória – e que tudo perde com o 25 de abril.

Sobre a autora: 
Patrícia Müller nasceu em Lisboa, em 1978. Estudou Ciências da Comunicação, na Universidade Nova de Lisboa, e começou a vida profissional como jornalista na Elle. Colaborou com outras revistas e estreou-se na televisão em 2000. Inaugurou a carreira de argumentista em 2002 e, desde então, tem escrito filmes, séries, telefilmes, novelas. Em 2014 lançou Madre Paula, romance histórico baseado na relação entre D. João V e uma freira de Odivelas. Uma Senhora Nunca é a primeira proposta totalmente ficcionada. Aliás, parcialmente ficcionada – porque esta é uma história baseada na bisavó da autora.

Excertos de Uma Senhora Nunca:
«Maria Laura distrai-se: a voz marido a culpá-la. Sim, ela podia ser ríspida por vezes. Áspera, em alguns dias. Uma cabra, diriam as criadas, quando não diziam uma santa. Mas Carlos tinha uma forma particular de a fazer sentir-se mal sem a agredir. Carlos – para lhe destroçar a alma – usava a gentileza, uma submissão trocista que ela detestava, porque acentuava a frieza com que os dois se relacionavam fisicamente. Ela sabia que ele tinha uma vida secreta, amigos e amantes.»

«Quando Maria Laura chegou a casa, não havia ninguém nas ruas. Rezou. Tanto rezou que os nós dos dedos avermelharam no contacto uns com os outros. Rezou sem saber porque rezava. Um abismo instalou-se dentro dela, mas não era o primeiro. Era medo. Rezou para afastar o mal. Não dormiu. Dores nas têmporas. Palpitações. A certeza absoluta de que o fim estava para breve. Pediu que nada acontecesse nas vinte e quatro horas seguintes. O pedido não foi atendido.»




5 Sentidos - "Eve e o caos" traz o escaldante final da trilogia "Marcados"

Título: Eve e o caos
Autor: Sylvia Day
Tradução: Leonor Bizarro Marques
Págs: 336
Capa: mole com badanas
PVP: 14,40 €

A 5 Sentidos publica, no dia 7 de abril, Eve e o caos, terceiro e último volume da série fantástica Marcados de Sylvia Day.
Depois das aventuras de Eve e as trevas e Eve e a destruição, Evangeline Hollis, a forte protagonista desta série, enfrenta anjos e demónios para se libertar da maldição que a persegue.
Os títulos da trilogia Marcados apresentam os principais ingredientes que fazem de Sylvia Day líder das mais importantes listas de vendas internacionais (com a série Crossfire, também publicada pela 5 Sentidos, a encabeçar as preferências das leitoras) e desenvolve um enredo repleto de ação e erotismo num cenário com forte presença do paranormal.

Sinopse:
Quando Evangeline Hollis cedeu a uma noite ardente com o sedutor Alec Caim, ela não fazia ideia de que, anos mais tarde, seria punida pela transgressão. Amaldiçoada por Deus, é obrigada a tornar-se caçadora de demónios para expiar os seus pecados.
Para Eve, viver com a Marca de Caim já é tão complicado que não quer arranjar mais problemas. Infelizmente, Satanás está demasiado furioso para lhe fazer a vontade.
Exasperado com a perda do seu animal de estimação, pôs a cabeça de Eve a prémio e os habitantes do Inferno estão a responder em massa. Algo que, para além de dificultar as caçadas de Eve, também traz o caos à sua vida.
Entretanto, Caim está cada vez mais distante. Apesar de ainda desejar Eve, a sede de poder está a dar-lhe a volta à cabeça. Eve acredita que o Caim que conhecia ainda existe, mas a frieza com que a trata está a aproximá-la mais de Abel, o irmão irreverente.

Eve poderá encontrar uma solução para os seus problemas... desde que faça um pacto com o próprio Diabo. Mas será assim tão fácil?

Sobre a autora:
Sylvia Day é autora n.º 1 nas listas do New York Times e bestseller internacional de cerca de 20 romances premiados e publicados em mais de 40 países. Autora de eleição para seguidores de vários géneros, é bestseller em 28 países e conta já com dezenas de milhões de livros impressos em todo o mundo.
Os direitos para televisão da série Crossfire foram adquiridos pela Lionsgate.
Saiba mais sobre a autora em www.sylviaday.com e
facebook.com/authorsylviaday e ainda twitter.com/sylday


terça-feira, 5 de abril de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Ovos Verdes e Presunto - Dr. Seuss [Opinião]

Título: Ovos Verdes e Presunto
Autor: Dr. Seuss
Páginas: 72
Editor: Booksmile
PVP: 13.99€

Sinopse
Ovos Verdes e Presunto é um história muito divertida que revela aos mais pequenos que experimentar coisas novas pode acabar por ser uma agradável surpresa.
«Será que gostas de ovos verdes e presunto?»
Esta é a pergunta que o Sam faz insistentemente ao amigo, procurando convencê-lo a provar algo novo. Apesar das suas tentativas, o amigo teima em dizer que não gosta, sem nunca ter provado…
Com muita imaginação, o Sam fará de tudo para convencer o amigo. Será que vai conseguir?
A minha opinião: 
Conheci este livro de Dr. Seuss quando tinha cerca de oito anos quando a minha mãe, me trouxe dos EUA o livro original «Green Eggs and Ham». Apesar de não dominar o inglês (naquela altura nós crianças sabíamos bem menos línguas do que as crianças de hoje em dia, vejo pela minha filhota), gostei tanto daquele livro laranja e com um boneco tão engraçado na capa, que quis logo folheá-lo. 

Que estranhos ovos eram aqueles? Verdes??? Será que existiam ovos verdes? Escrito em 1960 «Green Eggs and Ham» não tem mais de 50 palavras pelo que o decorei num ápice. E acabou por ser um dos meus livros de infância preferidos, apesar de não ser em português e não ser uma história de encantar. Certo é que me acompanhou sempre e continua a figurar na minha estante em lugar de destaque. Não é pois de estranhar que «Green Eggs and Ham» seja uma dos dos livros para crianças mais vendidos dos EUA.

Agora, a Booksmile publicou o livro em português e eu delirei. Já li o original à minha filha, mas logo que chegou a casa o português não resisti e li-o logo. A magia passou para a geração mais nova e acho que ela vai gostar tanto do livro como a mãe.

De uma forma divertida Sam, eu sou, vai explicando ao amigo que experimentar coisas novas, mesmo que parecendo que estranhas, pode ser bom. O amigo, relutante, vai dizendo que não a todas as tentativas de Sam. Mas Sam não desiste e vai dando opções divertidas e com muita imaginação.

Muito bom. 




A 14 de abril, chega às livrarias As cores de Branca, segundo romance de Lara Morgado

Títulos: As cores de Branca
Autora: Lara Morgado
Págs.: 224
Capa: mole
PVP: 15,50 €

A 14 de abril, chega às livrarias As cores de Branca, segundo romance de Lara Morgado e o primeiro na Porto Editora. Esta obra, que confirma a guionista e dramaturga como romancista emergente, retrata a vida de Branca Galvão, a única sobrevivente de uma tragédia que marcou a pequena vila em que habita.
As cores de Branca tem como ponto de partida a demanda de António Galvão por um filho varão, sistematicamente contrariada pelo destino, que lhe oferece sete meninas.
Apesar de jovem, Lara Morgado escreveu e encenou dezenas de peças de teatro, apresentadas em todo o país. É também autora e guionista da série Dentro, com estreia na RTP 1 em 2016.
Este romance é lançado no Porto, na livraria Bertrand do Shopping Cidade do Porto, a 30 de abril, às 19:00.

O Enredo:
António Galvão, o homem mais importante de uma pequena vila do interior, decide dar o mesmo nome a todas as filhas. Elas eram apenas a espera, o desgosto, o antes, as vidas que apenas existiam para que o homem chegasse. Mas a natureza não colaborou com os seus planos e António viu nascer sete Brancas. Uma macabra tragédia abate-se sobre a família Galvão e um inesperado fenómeno começa a ser construído naquela pequena localidade. Da palidez do nome daquelas meninas, da ferida de toda a insignificância daquelas irmãs nasce uma revolução sem precedentes que deixará Galvão, para sempre, na história dos homens.

Sobre a autora:
Lara Morgado nasceu em 1981, no Porto.
Licenciada em Psicologia, desde cedo se dedicou à escrita literária. No ano 2000, fundou o grupo de teatro X-Acto e, desde então, assinou a dramaturgia e encenação de dezenas de peças de teatro, apresentadas em salas de espetáculos de todo o país.
Em 2012, lançou o seu primeiro livro, Por Acaso - casos de vida casos de morte, e, em 2013, o romance Sete Minutos.
Participou ainda em vários projetos televisivos, sendo autora e guionista da série Dentro, com estreia na RTP1 em 2016.

Excerto:
Quando a sexta filha nasceu, António desmaiou. Teve uma quebra de tensão e ficou internado no hospital para observação. A mãe Branca apenas pestanejou, virou a cara para o lado e continuou com o seu múmico silêncio.
António ponderou a hipótese de se tratar de um castigo divino. Só podia ser. Pensou no seu comportamento, na forma como se distanciara das filhas, na frase que a primeira Branca lhe dissera no dia do funeral do pai, e pareceu-lhe evidente. Seis filhas? Era castigo e pela mão de Deus.
Quando a sétima filha nasceu, António partiu a casa inteira.
Irene acorreu ao seu desgosto e ele chorou durante duas horas no colo da mãe. A expressão da mãe Branca permaneceu inalterada. Virou a cara para o lado e nem uma lágrima lhe escorreu dos olhos ressequidos.


segunda-feira, 4 de abril de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidade Suma de Letras: O Pacto de Elle Kennedy

Título: O Pacto
Autor: Elle Kennedy
Páginas: 444
Editor: Suma de Letras
PVP: 17,90€

Sinopse:
Hannah Wells encontrou finalmente aquela pessoa. Segura e confiante em todas as outras facetas da vida, enfrenta uma série de receios e inseguranças no que toca a sexo e sedução. Se quiser prender a atenção da sua nova conquista terá que sair da sua zona de conforto... mesmo que tal signifique ter que aturar o arrogante e infantil capitão da equipa de hóquei... E vai ser tão bom. Ser jogador de hóquei profissional foi tudo o que Garrett Graham sempre quis, mas as notas de final de formatura ameaçam deitar por terra esse sonho, pelo qual tanto tem lutado. 
Se ajudar uma morena, muito gira e cheia de sarcasmo , a fazer ciúmes a outro lhe garantir a posição na equipa, que seja! Mas um inesperado beijo leva-os às cenas de sexo mais incríveis das suas vidas, e não vai levar muito tempo até que Garrett perceba que fingir não será o caminho... Terá, sim, que convencer Hannahn de que o homem que ela procura se parece em tudo a Garrett. 

Sobre a autora:Elle Kennedy é autora best seller do New York Times, USA Today e Wall Street Journal. Cresceu nos subúrbios de Ontário, no Canadá, e formou-se em Estudos Ingleses na Universidade de York. Desde muito cedo quis ser escritora e começou a dar os primeiros passos nesta arte ainda na adolescência.
Escreve romances de suspense e eróticos contemporâneos. Heroínas fortes e sensuais, e heróis sexy e musculados são marca dos seus livros, temperados com muito «calor» e alguns perigos, pelo que já conquistou um vastíssimo público leitor.


Novidade Presença: O Quinto Evangelho de Ian Caldewell

Título: O Quinto Evangelho
Autor: Ian Caldewell
Título Original: The Fifth Gospel
Tradução: Maria do Carmo Figueira
Páginas: 504
Coleção: Grandes Narrativas N.º 631
PVP: 21,90€
Data de Publicação: 6 Abril 2016

THRILLER SOBRE OS MEANDROS DA SANTA SÉ PARA FÃS DE DAN BROWN
Bestseller do New York Times
Direitos vendidos para 22 países
4.1 estrelas na Amazon.com
Do mesmo autor de A Regra de Quatro, bestseller em Portugal (72.000 exemplares vendidos)
Autor com mais de 2 milhões de cópias vendidas em todo o mundo


Uma semana antes da inauguração de uma exposição de arte nos museus do Vaticano, Ugo Nogara, o curador responsável, é encontrado morto em Castel Gandolfo. A polícia papal não consegue descobrir o autor do crime, e o padre Alex Andreou, amigo do curador assassinado, decide investigar por conta própria. Para encontrar o homicida, tem de desvendar o segredo do curador – a verdade dos evangelhos acerca da relíquia sagrada mais controversa e misteriosa do Cristianismo. Porém, quando começa a compreender os contornos da morte de Ugo Nogara, e as suas consequências para o futuro das Igrejas Católica e Ortodoxa, o padre Alex apercebe-se de que também corre perigo. Este thriller arrebatador, baseado numa profunda investigação histórica e bíblica, dá-nos a conhecer os meandros da Santa Sé.

Sobre o autor:
Ian Caldwell é coautor de A Regra de Quatro, um romance de estreia que rapidamente se tornou um fenómeno de vendas em todo o mundo e também em Portugal, publicado pela Presença. Traduzido em 35 línguas, esteve 49 semanas na lista de bestsellers do New York Times e foi comparado a O Nome da Rosa. O seu novo romance, O Quinto Evangelho, tornou-se de imediato um bestseller do New York Times e tem sido largamente aclamado pela crítica. Os direitos encontram-se vendidos para cerca de 20 países.

GÉNERO: Ficção e Literatura / Thriller / Romance Histórico.
PÚBLICO-ALVO: Público adulto. Apreciadores de thrillers históricos.

CITAÇÕES IMPRENSA ESTRANGEIRA:
«Um thriller religioso de grande talento, notável pela forma profunda como explora a existência e a espiritualidade.» Publishers Weekly

«Este thriller inteligente e cheio de suspense do coautor de A Regra de Quatro é uma leitura obrigatória para os leitores de Dan Brown.» People

«Uma leitura surpreendente e viciante. Parte mistério, parte drama familiar, parte história religiosa, este thriller literário mantém-nos em alerta. Num estilo elegante, Ian Caldwell constrói um enredo provocador. Não conseguimos deixar de ler.» Library Journal

Booktrailer: 



Mais informações no site da Presença aqui 


Novidade Jacarandá: 'Três Vezes Nós', de Laura Barnett

Título: Três Vezes Nós
Autor: Laura Barnett

E se uma pequena escolha pudesse alterar a sua vida para sempre?
Lançamento a 6 de abril

Quando os seus caminhos se cruzam, em 1958, Eva e Jim são dois jovens estudantes de Cambridge. Jim passeia na rua quando Eva, que se aproxima de bicicleta, dá uma guinada para se desviar de um cão.
O que acontece a seguir determinará as suas vidas.
Seguimos três versões diferentes do seu futuro–juntos e separados–, à medida que a sua história de amor segue diferentes percursos e reviravoltas até chegar ao desfecho, em 2014.
Três Vezes Nós é um romance notável sobre as decisões que tomamos e os diferentes caminhos que as nossas vidas podem seguir.
E se uma pequena escolha pudesse alterar a sua vida para sempre?

Há momentos que mudam tudo
- No Reino Unido entrou para todos os tops logo na 1ª semana de lançamento-#1 top ficção e #9 top geral.
-Foi escolhido pelo Richard & Judy Book Club em Janeiro 2016, como um dos oito melhores livros da Primavera 2016.
-Foi o romance de estreia de autor que mais rapidamente vendeu em 2015 e está na Best Seller List do The Sunday Times.
- Escolhido pela cadeia de livrarias Waterstones como Book-of-the-Month, em Junho, e New Year Book Club list.
- Foi o livro mais falado em 2015,com excelentes críticas e comum enorme buzz nas redes sociais.
-Uma história de amor muito bem escrita que nos mostra a importância das pequenas decisões na nossa vida. Um romance cativante para todos os que alguma vez se debateram com a questão ‘Ese…?’.
- Relembra os sucessos Um Dia de David Nicholls e o filme Instantes Decisivos.
- Direitos de tradução já vendidos em 21 países.
- O livro será adaptado a televisão, pela produtora Trademark Films.

Sobre a autora:
Laura Barnett é escritora, jornalista e crítica de teatro.Trabalhou no Guardian e no Daily Telegraph e colabora atualmente como Guardian, o Observer, a Time Out e outras publicações britânicas como jornalista cultural freelancer. Nasceu em Londres em 1982, onde vive com o marido. Publicou também Advice from the Players, uma compilação de conselhos para atores, e contos, distinguidos com vários prémios. Três Vezes Nós é o seu primeiro romance.

Crítica: 
«Uma estreia triunfante. Um livro sensato, bem pensado, sobre a influência da sorte e do destino nas nossas vidas.» SundayTelegraph
«Um Dia encontra Instantes Decisivos.»Elle
«Três Vezes Nós faz-nos refletir e prende-nos até ao como vente final.» Daily Express
«É muito natural que encontre outras pessoas à beira da piscina com a cabeça enfiada nesta clássica leitura de verão. Um Dia encontra Mad Men numa história sobre as diferentes formas como a relação de um casal poderia ter evoluído entre finais dos anos 50 e o presente.» Metro
«Um livro arrebatador e profundamente comovente sobre os relacionamentos, as possibilidades,o arrependimento e a natureza complexa do amor.»Sunday Business Post




Novidade Topseller: Vidas Esquecidas, de Diane Chamberlain

Título: Vidas Esquecidas
N.º de Páginas: 384
PVP: 18,79€
Saída a 28 de março

«Um romance inquietante e comovente que irá agradar a fãs de Jodi Picoult.» - Booklist
«Um romance poderoso.» - Library Journal

Sinopse:
Com uma sinceridade inquietante, Vidas Esquecidas conta a história comovente de duas mulheres de mundos opostos, cujos caminhos assombrados pela tragédia estão unidos por laços de amor, dedicação e coragem.
Carolina do Norte, 1960. A vida de recém-casada Jane Forrester como assistente social está longe de ser o que ela esperava. Entre as plantações de tabaco de Grace County, Jane encontra um mundo de extrema pobreza, muito distante da vida que conhecia.
Após perder os pais, Ivy Hart, de 15 anos, tem de cuidar da avó, da irmã mais velha e do seu sobrinho. Lidar com o envelhecimento da avó, a doença mental da irmã e a sua epilepsia é cada vez mais difícil, e Ivy vai-se apercebendo de que a sua família precisa de mais apoio.
Quando uma jovem assistente social começa a acompanhar a família Hart, não imagina o quanto a sua ajuda é necessária. À medida que entra nos corações das mulheres Hart, Jane descobre segredos sombrios e obscuros, e é empurrada para um dilema que coloca a sua carreira em risco, ameaça destruir o seu casamento, e, em última análise, determinará o destino de Ivy e da sua família para sempre.

Sobre a autora:
Diane Chamberlain é uma autora bestseller norte-americana, com 24 títulos publicados em mais de 20 línguas. Apaixonada pela leitura e pela escrita desde criança, viu o seu primeiro romance publicado em 1989, título esse que lhe valeu um prémio RITA, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance.
É licenciada em Serviço Social pela Universidade de San Diego, ainda que já não exerça a sua profissão para poder dedicar-se inteiramente à escrita e aos livros. Para a autora, a verdadeira magia da escrita está na possibilidade de tocar os leitores com as suas palavras.
Saiba mais sobre a autora em www.dianechamberlain.com



Livro de Jorge Barreto Xavier com lançamento quarta-feira no Grémio Literário

Olhar o mundo a partir da cultura e a cultura a partir do mundo – esta é a proposta que Jorge Barreto Xavier apresenta com a publicação de A cultura na vida de todos os dias, que será lançado na próxima quarta-feira, 6 de abril, 18:00, no Grémio Literário, em Lisboa, estando confirmada a presença de inúmeras personalidades ligadas à cultura e à política.
Com prefácio de Guilherme D’Oliveira Martins, este livro reúne um conjunto alargado de textos que refletem o percurso do fundador do Clube Português de Artes e Ideias, a sua experiência, as suas ideias e convicções, abordando os mais diversos temas relacionados com a Cultura e que se encontram organizados em duas partes – antes (2004-2011) e durante o período em que foi membro do Governo com a tutela da Cultura, no XIX Governo Constitucional (2012-2015).
Para Jorge Barreto Xavier, “a cultura é um elemento-chave para a construção de um mundo melhor para todos e não só para alguns”, pelo que este livro procura contribuir para a demonstração de como a cultura é um elemento essencial na vida de todos os dias.
De referir que o livro será apresentado também em Coimbra (7 de abril, 18:00, no Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, com apresentação de Álvaro Laborinho Lúcio e Carlos Fortuna) e no Porto (8 de abril, 18:00, na Livraria Lello, com apresentação de Rui Moreira e João Teixeira Lopes).

Sobre o autor:
Jorge Barreto Xavier é professor de Políticas Públicas da Cultura e de Gestão das Indústrias Criativas no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Criou, em 1986, o Clube Português de Artes e Ideias (CPAI) e, mais tarde, o Programa Jovens Criadores, Paideia – arte, nas escolas, a Bienal de Jovens Criadores dos Países Lusófonos e o Lugar Comum – Centro de Experimentação Artística. Foi vereador da Cultura e Juventude da Câmara Municipal de Oeiras e diretor-geral das Artes. Entre 2012 e 2015 foi Secretário de Estado da Cultura.


Numa Floresta Muito Escura - Ruth Ware [Opinião]

Título: Numa Floresta Muito Escura
Autor:
Ruth Ware
Páginas: 328
Editor: Clube do Autor
PVP: 17€

Sinopse
Uma mulher solitária recebe um convite inesperado para a despedida de solteira de uma amiga que não via há muito tempo. Relutantemente, ela aceita participar na reunião de amigas, algures numa casa isolada na floresta.
Quarenta e oito horas depois, Nora acorda numa cama do hospital. Está ferida mas não se recorda exatamente do que se passou. Sabe, no entanto, que alguém morreu. O que fiz eu?, pergunta-se ela, consciente de que algo muito grave aconteceu naquela casa na floresta escura, muito escura…

A minha opinião: 
Nora Shaw, uma escritora de livros policiais, recebe um email de uma desconhecida, mas com uma amiga em comum, a convidá-la para uma despedida de solteira. Apesar de hesitante, uma vez que não via essa amiga há dez anos, Nora acaba por aceitar. A reunião de amigas leva-a a uma casa isolada numa floresta recôndita, onde não existe vivalma. Ideal para confraternizarem, mas um pouco assustadora. 

Pouco dada a amizades, Nora é o que se pode chamar de uma anti-social. Se não fosse Nina, colega de infância, uma das seis pessoas convidadas para a despedida de solteira a convencê-la a ir, Nora era bem capaz de ter recusado. Não conhecia mais ninguém do grupo a não ser Nina e Clare (a noiva) e não entendia o porquê da sua presença, já que nem sequer tinha sido convidada para o casamento. 

Quando começou a conhecer os outros elementos do grupo e o local onde ficariam durante o fim de semana, isolados do resto do mundo, Nora desejava, cada vez mais, não ter aceite o convite. Nina começava a concordar com a amiga. 

Obrigada a conviver com pessoas que não se identifica e a ter de responder a perguntas do passado que não pretende, Nora sente-se cada vez mais claustrofóbica. Somando a isso, estão fechados numa casa de vidro, com uma floresta escura, cujos ruídos à noite podem ser cada vez mais assustadores. Ingredientes perfeitos para transformar este livro num thriller com uma leitura completamente viciante. 

Depois, Nora acorda numa cama do hospital, gravemente ferida, e não sabe o que se passou. De vítima passa a suspeita e com o tempo vai-se lembrando de pequenas coisas até que se recorda que morreu alguém naquela noite...

Desde que saiu a novidade que sabia que era um livro que me ia surpreender. A capa é excelente, o título também, a sinopse já desvenda um pouco daquilo que vai acontecendo na trama, mas a história, a riqueza das personagens, sobretudo Clare e Flo (Nina também me deixou intrigada em algumas coisas), faz com que tenha adorado o livro e que o recomende aos amantes de thrillers