sexta-feira, 13 de maio de 2016

"A Casa Misteriosa", de Marzia Bisognin nas livrarias nacionais a 24 de maio

Título: A Casa Misteriosa, de Marzia Bisognin
Autor: Marzia Bisognin
Ficção Estrangeira
P.V.P: 13,30 €
N.º de Páginas: 192 pp.

Sinopse:
Pelas mãos da famosa YouTuber Marzia «CutiePieMarzia» Bisognin chega-nos uma história de suspense paranormal sobre uma rapariga cuja casa de sonho se torna rapidamente um pesadelo.

Quando Amethyst encontra a sua casa de sonho perfeita, não pode deixar de se sentir encantada por ela, embora se aperceba de algo um pouco... diferente. É tudo o que ela sempre quis numa casa, por isso, quando os Bloom a convidam a passar lá a noite para evitar a tempestade iminente, ela aceita de imediato.
No entanto, quando acorda na manhã seguinte, sozinha e incapaz de se obrigar a sair, Amethyst depara-se com inesperadas presenças - como Alfred, o assustador jardineiro; Avery, o vizinho giro, mas misterioso; e uma menina que continua a aparecer e a desaparecer dentro da casa.
Enquanto Amethyst procura os Bloom e tenta desvendar a verdade, a sua ligação à casa torna-se mais forte. Irá ela ser capaz de se libertar do fascínio da casa, ou será que os seus segredos vão mantê-la presa para sempre?
 
Sobre a autora:

Marzia Bisognin é uma vlogger de moda, beleza e lifestyle conhecida pelo seu canal no YouTube «CutiePieMarzia», que tem cerca de seis milhões de subscritores. Nascida em Vicenza, Itália, Marzia reside atualmente em Brighton, Inglaterra, com o seu noivo, Felix Kjellberg, também conhecidos como «PewDiePie», e os seus cães, Edgar e Maya. A Casa Misteriosa é o seu romance de estreia.



Guerra e Paz: Para acabar de vez com a desconfiança entre jovens e adultos

Título: O Que Nunca Um Adulto Te Disse
Autor: Ana Amorim Dias
N.º de Páginas: 176
PVP: 14,90 €
Género: Não Ficção/Pedagogia
Nas livrarias a 18 de Maio
Guerra e Paz Editores

Advogada, empresária, escritora e barmaid, Ana Amorim Dias puxa para si a hercúlea missão de aproximar jovens e adultos no livro O Que Nunca Um Adulto te Disse, que chega às livrarias a 18 de Maio. Aos 40 anos, mãe de dois rapazes, a autora rapidamente percebeu a dificuldade que existe na comunicação entre pais e filhos, adultos e adolescentes, crianças e crescidos. E percebeu que tem uma missão: aproximar as duas partes.

De igual para igual, Ana Amorim Dias fala com os jovens em discurso directo sobre o amor, o sexo, a escola, os comportamentos de risco, os pais, as drogas, o bullying e as redes sociais. O Que Nunca Um Adulto te Disse é um livro com uma linguagem franca e inteligente. Escrito a pensar nos filhos e escrito a pensar nos pais.

O Que Nunca Um Adulto te Disse não é só um livro, é uma conversa simples e descomplexada que a autora tem directamente com os jovens. Estes vão descobrir como conquistar os pais e fazer com que passem de «carrascos» a cúmplices. Vão ler sobre a importância do amor, da escola e de todos os relacionamentos humanos. Vão descobrir como manter a segurança nas redes sociais e nas festas. E também vão perceber como devem reagir quando se sentirem desintegrados ou tiverem que enfrentar processos de divórcio dos pais, ausências, bullying e outros problemas. E mais: É que se emprestarem este livro aos pais, eles vão finalmente entendê-los!


Porto Editora: Luis Sepúlveda - A comovente e bela "História de um cão chamado Leal"

Título: História de um cão chamado Leal
Autor: Luis Sepúlveda
Ilustrador: Paulo Galindro
Tradutor: Helena Pitta
Págs.: 128
PVP: 14,40 €

Chega no dia 16 de maio às livrarias o novo livro infantojuvenil de Luis Sepúlveda, História de um cão chamado Leal, que mais uma vez conta com as magníficas ilustrações de Paulo Galindro. Descendente de uma longa linhagem de contadores de histórias, o escritor cumpre o seu destino narrando uma comovente história que lhe foi transmitida em criança pelo tio-avô, que pertencia ao povo indígena Mapuche, Gente da Terra, do Sul do Chile. «Sempre quis contar uma história às crianças mapuches […] Agora que me aproximo da idade do meu tio-avô, Ignacio Kallfukura, conto-vos a história de um cão que cresceu com os mapuches. De um cão chamado Leal. Convido-vos, pois, a virem à Arucânia, a Wallmapu, ao país da Gente da Terra.»
Luis Sepúlveda, que foi recentemente distinguido com o Prémio Eduardo Lourenço, estará em Portugal no mês de junho:
Porto: No dia 8 de junho, será protagonista do Porto de Encontro, na Casa da Música
Coimbra: a 10 de junho participa, juntamente com Richard Zimler, na Viagem Literária em Coimbra, no Teatro Académico Gil Vicente.
Lisboa: o autor vai estar presente na Feira do Livro de Lisboa nos dias 11 e 12 de junho, acompanhado por Paulo Galindro

Sinopse:
Afmau, que significa «leal e fiel» na língua mapuche, a língua da Gente da Terra, é o nome ideal para um filhote de pastor-alemão que, sobrevivendo à fome e ao frio da montanha onde nasceu, assim demonstra a sua enorme lealdade à vida. Na companhia de Aukamañ, um rapazinho mapuche, Afmau aprende a conhecer o mundo que o rodeia e a respeitar a diversidade da natureza. Porém, nem todos pensam da mesma forma: um bando de estrangeiros, com costumes estranhos aos da Gente da Terra, chega à aldeia onde Afmau vive, semeando o caos e o medo.
Condenado daí em diante a uma vida de servidão e crueldade, obedecendo a uma missão odiosa – perseguir e capturar todos os que se oponham ao bando de estrangeiros –, o destino acaba por proporcionar a Afmau uma derradeira oportunidade de redenção, numa fábula maravilhosa e naturalista onde Luis Sepúlveda reflete sobre o peso do passado e da memória, a força da amizade e da solidariedade e o respeito pela Terra e por todos quantos nela habitam.

Sobre os autores:
Luis Sepúlveda nasceu em Ovalle, no Chile, em 1949. Da sua vasta obra (toda ela traduzida em Portugal), destacam-se os romances O Velho que Lia Romances de Amor e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar. Mas Mundo do Fim do Mundo, Patagónia Express, Encontros de Amor num País em Guerra, Diário de um Killer Sentimental ou A Sombra do que Fomos (Prémio Primavera de Romance em 2009), por exemplo, conquistaram também, em todo o mundo, a admiração de milhões de leitores. História de um cão chamado Leal é o seu 17º livro na Porto Editora. Recebeu recentemente o Prémio Eduardo Lourenço.
Nascido em 1970 e licenciado em arquitetura, Paulo Galindro é autor de diversos livros ilustrados, feitos em parceria com alguns dos mais importantes escritores nacionais e internacionais, como Luis Sepúlveda, António Mota, David Machado, entre outros. Viu a sua obra premiada por diversas vezes. Juntamente com Natalina Cóias criou o coletivo de ilustração Pintarriscos. Mais informações em www.paulogalindro.com


quinta-feira, 12 de maio de 2016

O Pai - Anders Roslund & Stefan Thunberg [Opinião]

Título: O PAI
Autor:
Anders Roslund & Stefan Thunberg
N.º de Páginas: 520
PVP: 21,90€

Um thriller intenso e inquietante inspirado na extraordinária história real de três irmãos – os irmãos de um dos autores deste romance, Stefan Thunberg - que cometeram dez audaciosos assaltos a bancos na Suécia, em apenas dois anos.
Nunca nenhum cometera um crime.
Todos tinham menos de vinte e quatro anos.
Transformaram-se nos criminosos mais procurados da Suécia.
O seu vínculo foi forjado enquanto cresceram sob o jugo de uma família violenta.
E do homem que os moldou dessa forma: o pai.
Quando o seu incrível percurso chegou ao fim no turbilhão da imprensa internacional, todos mudaram para sempre como indivíduos e como família.
Baseado numa série de acontecimentos violentos e macabros que marcaram a Suécia na década de 1990, o livro é a história de um destino comovente de uma família, do amor que une três irmãos e da complexa relação entre pais e filhos.
O livro é narrado a dois tempos: no passado, onde podemos perceber a dinâmica familiar, assim como a tirania e influência negativa do pai, e no presente, onde decorrem os assaltos.
A fuga durante meses do trio de assaltantes que ludibriava a polícia acaba com a sua prisão pelo detective John Bronk e com uma pena exemplar na história da Suécia.

A minha opinião: 
Baseado na história verídica de Stefen Thunberg, um dos autores do livro, O Pai foi uma leitura aliciante entre o saber a história de um pai violento e de três filhos que se transformam em assaltantes de bancos e causaram o terror na Suécia durante dois anos, na década de 90.

Narrado entre dois espaços temporais completamente diferentes, (infância dos assaltantes e presente), vamos percebendo toda a violência que padeceram estes três miúdos, assim como a mãe destes, que na última tareia que sofreu quase que morria às mãos de um homem que abusava da bebida e da violência. Mesmo depois de fugir de casa, a pobre mãe era perseguida pelo marido que, fazendo-se acompanhar por um dos filhos, tentou incendiar a casa onde morava com o pai desta, para que morresse queimada. Tudo isto afecta as jovens crianças, que acabam por viver sempre na violência e fazem dela um modo de vida. 

Habituados a defenderem-se usando a força desde muito novos (os autores descrevem muito bem como o pai os ensinou a defenderem-se de uma tentativa de bullying na escola), tudo dava a entender que Leo, Felix e Vincent não seguissem os passos do pai. No entanto, a vida dá uma volta e, juntamente com o amigo de infância de um dos irmãos, Jasper, entram numa onda de assaltos a carrinhas de valores e depois a bancos de tal forma bem feitos que ninguém parecida saber de quem se tratavam.

Porém, nem sempre a violência gera violência e Stefan soube, a um dado momento, dizer não e acabar por não participar em nenhum destes assaltos, acabando por ser um mero espectador de toda a trama.

Apesar de não vir explicado no livro, daí ser parte dele ficção, no final da obra vem uma entrevista entre Anders Roslund jornalista que se encarregou do caso na altura e o próprio Stefan Thunberg, que ajudam a perceber um pouco melhor da história do "Gangue Militar", nome que a imprensa atribuiu ao grupo de assaltantes, seus irmãos.

A realidade cruza-se com a ficção, mas isso não faz com que o livro perca o interesse, muito pelo contrário. Faz-nos questionar certas coisas, é certo, mas dá-nos curiosidade em querer saber mais.

Sou fã de histórias verídicas e se bem escritas e aliadas a factos policiais ainda melhor. São ingredientes perfeitos para darem um bom livro, que culminará num filme. Os direitos do livro já foram comprados pela Dreamworks e a realização ficará a cargo de Steven Spielberg. 




Paulo Cardoso, Pedro Barroso e Patrícia Matos apresentam o livro «A Dieta da Meditação», do nutricionista Alexandre Fernandes


Ana Gil Campos, escritora portuguesa, publica novo romance, Quando Ruiu a Ponte sobre o Tamisa, pela Editorial Novembro.

Título: Quando Ruiu a Ponte Sobre o Tamisa
Autor: Ana Gil Campos

Sinopse:
“Eu sou aquela que vive numa brisa morna quando ardo por dentro e toco friamente no mundo, porque não lhe chego a tocar. Nasci com o título eloquente de princesa, mais usado pelos outros do que por mim, transformei um belo sapo num astuto príncipe, parecendo mais príncipe do que esta princesa com quem se casou, e vivo amenamente no luxo dos meus dias. Sou uma princesa indiana. É isto que dizem que sou e é isso que aceito, mornamente.”
Uma misteriosa mulher encontrada inconsciente numa rua de Bombai. O dia a dia de uma família real indiana. Uma inquietante viagem por Goa. A luxuosa vida de uma princesa indiana em Londres. Um amigo inusitado (e conhecido por todos) com quem a princesa tem as mais íntimas confissões. As certezas de um casamento seguro e tranquilo abaladas por uma paixão inesperada que a princesa não sabe explicar nem controlar. Reencontros, dúvidas, angústias e revelações na vila de Sintra.
Numa escrita marcada pela fantasia, paixão, beleza e exotismo, a autora aborda temas como a globalização, as disparidades entre a pobreza e a riqueza, o nosso papel na sociedade, o amor e a paixão.

«E aqui auguro, junto à folha branca que antecede a contracapa, a permanência no talento e na dignidade tocante dos teus andamentos de escritora.» José Manuel Mendes

Sobre a autora:
Ana Gil Campos, autora do romance “A segunda pele da acácia mimosa”, escreveu para o Expresso de 2009 a 2014 e colaborou com a revista Exame de 2011 a 2013. Esporadicamente publica contos na plataforma Capazes desde Maio de 2015.

Apresentação do livro "Relato - Histórias de Futebol" de Hugo Vinagre e Tiago Beato, hoje, às 18h30, Fnac Chiado



Apresentação do livro de Feliz Divórcio



Rosa Montero no Porto de Encontro

O “Porto de Encontro” do mês de maio é dedicado a Rosa Montero, um dos grandes nomes da literatura espanhola contemporânea. A 46.ª edição deste ciclo de conversas com escritores está marcada para 22 de maio, às 17:00, e promete encher o Teatro do Campo Alegre com os leitores de obras como A ridícula ideia de não voltar a ver-te, Lágrimas na chuva, ou o mundialmente famoso A louca da casa.
Lídia Jorge, que já protagonizou uma edição do “Porto de Encontro” (34.ª), é uma das convidadas desta sessão muito especial, sendo as habituais leituras asseguradas pelo escritor galego Carlos Quiroga.
No dia 16 de maio, a Porto Editora lança O Peso do Coração, o mais recente romance de Rosa Montero e um dos seus livros mais realistas. Usando a ficção científica como género, «uma ferramenta poderosíssima para falar do mundo e das suas possibilidades», neste título encontram-se os temas fundamentais na obra da autora – a identidade, a memória, o dogmatismo e a morte –, num livro que é simultaneamente um thriller, uma distopia, uma história de amor e uma reflexão sobre o peso da vida e a criação literária.
Esta 46.ª edição do “Porto de Encontro” conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto, do Jornal de Notícias, da Antena 1, das Livrarias Bertrand e da Arcádia.
Esta iniciativa está a ser divulgada no sítio do Porto de Encontro em www.portoeditora.pt/portodeencontro e também em www.facebook.com/portodeencontro.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Apresentação do livro «Os dias portugueses de Isabel II»



Topseller: A Rainha do romance histórico regressa com «A Rainha do Verão»

Título: Leonor de Aquitânia. A Rainha do Verão
Autor: Elizabeth Chadwik
N.º de Páginas: 480
PVP: 21,98€
Saída a 09 de maio

«Reconhecida pela profundidade dos seus romances históricos, Elizabeth Chadwick relata-nos uma guerra dos sexos através dos olhos de uma grande mulher.» -New York Post
«Vai sentir-se a entrar numa viagem magistral!» -Daily Telegraph

Leonor de Aquitânia.
Uma das mulheres mais poderosas da História.
Jovem, bonita e privilegiada, Leonor tinha tudo para viver um futuro brilhante como herdeira da próspera Aquitânia. Quando o seu pai, Guilherme, Duque de Aquitânia, morre subitamente no verão de 1137, Leonor tem de abandonar a sua infância e assumir se como duquesa.
Enviada para Paris e forçada a casar com o príncipe herdeiro Luís VII, Leonor pouco ou nada se tinha ainda adaptado à sua nova vida quando o rei morre e ela se torna Rainha de França.
Com apenas 13 anos, tem de deixar tudo para trás e aprender a viver na bruma complexa da Corte e do Clero. Depois de se confrontar com os mais diversos desejos, intrigas e ambições, Leonor apercebe-se de que poderá controlar o futuro se souber escolher o momento certo para agir.
Com A Rainha do Verão, Elizabeth Chadwick dá início a uma trilogia sobre Leonor de Aquitânia, onde nos deslumbraremos com a sua história, triunfos e tragédias, e nos deixaremos levar numa fascinante viagem ao alvor da Idade Média.

Sobre a autora:
Autora bestseller do New York Times, Elizabeth Chadwick conta com mais de 20 romances históricos publicados em diversas línguas. Os seus livros foram contemplados com inúmeros prémios, entre os quais o de Melhor Romance Histórico da Romantic Novelists Association e o Betty Trask Award.
Apaixonada pela Idade Média e pelo dia a dia desta época, Elizabeth é hoje uma das mais importantes romancistas históricas da Grã- -Bretanha e foi considerada pela Historical Novel Society como «a melhor escritora de ficção medieval» da atualidade.
Saiba mais sobre a autora em www.elizabethchadwick.com.



Momentos wook estão de volta


terça-feira, 10 de maio de 2016

O Quinto Evangelho - Ian Caldwell [Opinião]

Título: O Quinto Evangelho
Autor: Ian Caldwell
Título Original: The Fifth Gospel
Tradução: Maria do Carmo Figueira
Páginas: 504
Coleção: Grandes Narrativas N.º 631
PVP: 21,90€

Uma semana antes da inauguração de uma exposição de arte nos museus do Vaticano, Ugo Nogara, o curador responsável, é encontrado morto em Castel Gandolfo. A polícia papal não consegue descobrir o autor do crime, e o padre Alex Andreou, amigo do curador assassinado, decide investigar por conta própria. Para encontrar o homicida, tem de desvendar o segredo do curador – a verdade dos evangelhos acerca da relíquia sagrada mais controversa e misteriosa do Cristianismo. Porém, quando começa a compreender os contornos da morte de Ugo Nogara, e as suas consequências para o futuro das Igrejas Católica e Ortodoxa, o padre Alex apercebe-se de que também corre perigo. Este thriller arrebatador, baseado numa profunda investigação histórica e bíblica, dá-nos a conhecer os meandros da Santa Sé.

A minha opinião: 
Depois de ter lido A Regra de Quatro em 2012 era com grande expectativa que aguardava um novo livro do autor Ian Caldwell. O Quinto Evangelho demorou dez anos a ser escrito. Felizmente, como não tinha lido o seu primeiro livro aquando da sua saída, não precisei de esperar tanto tempo para ler a segunda obra. 

Tal como no seu anterior livro, Caldwell junta o thriller e o romance histórico, transformando a leitura de O Quinto Evangelho muito atractiva e fascinante. 

Através da morte do curador de arte Ugo Nogara, o autor conta a história de "rivalidade" entre dois irmãos que se encontram em pólos opostos na Igreja: um pertence à igreja Católica outro à Ortodoxa, levando, por isso, estilos de vida completamente diferentes no interior do Vaticano. O que torna este livro ainda mais interessante de ler e de descobrir. 

Ao contrário da Igreja Católica, a Ortodoxa permite que os seus padres casem e tenham filhos, antes da sua ordenação. Alexandre é disso exemplo. Assim como o seu pai e pai de Simão. Gostei de acompanhar o dia a dia do narrador, tanto na investigação da morte do seu amigo, como na educação do seu filho, sozinho, uma vez que a sua mulher abandonou a casa ainda o filho de ambos era um bebé. Acredito que não deva ser fácil para um homem, ainda para mais sacerdote, cuidar de uma criança.

Se Simão é o primeiro a ver o corpo de Ugo, é Alex, o irmão Ortodoxo que começa a investigar a morte do amigo de ambos e a descobrir a verdade dos evangelhos o que poderá estar por detrás do Sudário de Turim, o ponto fulcral da exposição que Ugolino Nogara estava prestes a inaugurar. 

Ao longo de 500 páginas vamos acompanhando Alex, o narrador no livro, nos meandros do Vaticano, conhecendo um pouco dos mistérios em volta do Estado mais secreto do mundo, assim como dos Evangelhos e as suas discrepâncias, dando relevo para o Evangelho de João, quarto e o último a ser escrito. 

Toda esta informação é bem explicada ao longo do livro, mas por vezes confesso que se tornou um pouco repetitiva, o que tornava a sua leitura morosa em algumas partes. No entanto, a vontade de querer saber mais sobre o Vaticano e sobre a morte de Ugo levou-me a não querer largar a sua leitura.

O Quinto Evangelho é recomendado a todos os que gostam de uma boa leitura que junte segredos do Vaticano e com algum thriller




«O Assassínio de Cinderela», de Mary Higgins Clark, nas livrarias dia 13 de maio

Título: O Assassínio de Cinderela
Autor: Mary Higgins Clark e Alafair Burke
Género: Literatura / Romance
N.º de páginas: 320
Data de lançamento: 13 de maio de 2016
PVP: € 16,60

«Muita intriga e emoção» - Publishers Weekly

Aos 88 anos, Mary Higgins Clark continua a ser uma das autoras mais bem-sucedidas a nível mundial, pautando-se por uma carreira verdadeiramente prolífica. O Assassínio de Cinderela é o seu mais recente título editado pela Bertrand, com data saída para dia 13 de maio, e desta vez escrito em parceria com a escritora best-seller Alafair Burke.
O Assassínio de Cinderela é o primeiro volume da série Sob Suspeita. Em 2017, já está prevista a publicação do segundo título desta série: Toda Vestida de Branco.
Com mais de 150 milhões de livros vendidos em todo o mundo, Mary Higgins Clark é conhecida por ser a Rainha do Suspense, epíteto que mantém há 40 anos.

«Os leitores vão estar constantemente a tentar adivinhar este fascinante mistério» - Booklist

Sobre as autoras:
Mary Higgins Clark é autora de mais de trinta romances que obtiveram um êxito assinalável, tendo vendido mais de 150 milhões de exemplares dos seus livros em todo o mundo.
Foi secretária e hospedeira, mas depois de se casar, dedicou-se à escrita. Com a morte prematura do marido, que a deixou com cinco filhos pequenos, a autora investiu na escrita de guiões para rádio e, depois, nos romances. Rapidamente se tornou um dos grandes nomes da literatura de suspense, conquistando os tops de vendas, a crítica e os fãs.

Alafair Burke é autora best-seller de mais de uma dúzia de livros. Antiga advogada de acusação, é hoje professora de direito criminal em Manhattan.



VOGAIS: Imagimorphia - ​Entre no estranho e fabuloso mundo de Kerby Rosanes

Kerby Rosanes é um jovem desenhador filipino que utiliza vulgares canetas pretas na criação do seu mundo encantado de desenhos exaustivamente detalhados. As suas criações eram um hobby que se transformou em trabalho assim que surgiu o reconhecimento por parte de blogues de design, revistas e comunidades online. É hoje um dos desenhadores de doodles mais populares em todo o mundo, com mais de 2 milhões de seguidores na sua página de Facebook.

Abandonou recentemente o seu emprego como designer gráfico para abraçar finalmente a sua paixão: criar mais arte para projetos pessoais e para diversos clientes, entre os quais se encontram empresas como a Nike, a Ford, a Mazda ou a Huawei.

Imagimorphia (Vogais l 96 pp l 10,99€) é o mais recente livro para colorir de Kerby Rosanes, sucedendo a Animorphia, o livro de colorir mais cobiçado pelas editoras nas Feiras de Bolonha e Londres em 2015 e já editado em Portugal pela Vogais.

N​​o estranho e fabuloso mundo de Kerby Rosanes, os animais e os objetos transformam--se numa explosão de pormenores. Ao dar vida a cada uma das intrincadas imagens, colorindo e descobrindo os objetos escondidos em cada página, sentimo​-​nos uns verdadeiros artistas. Após pintadas, as páginas de Imaginorphia revelam-se uma obra de arte, com uma qualidade extraordinária, muito acima do habitual em livros de colorir para adultos.


John Banville apresenta novo romance em Lisboa

Título: A Guitarra Azul
Autor: John Banville
Tradução: Tânia Ganho
Págs.: 240
PVP: 16,60 €

Conceituado escritor irlandês estreia-se na Feira do Livro de Lisboa para lançamento de A Guitarra Azul John Banville, «um dos escritores mais imaginativos de língua inglesa dos dias de hoje», tem um novo livro: A Guitarra Azul, que a Porto Editora publica a 19 de maio, dias antes de o autor chegar a Portugal para o apresentar na Feira do Livro de Lisboa, a 28 de maio.
Recentemente distinguido com o Prémio Príncipe das Astúrias das Letras, John Banville foi ainda premiado com o Man Booker Prize – pelo romance O Mar –, com o Prémio Kafka e o seu nome já surge inclusivamente nas listas de candidatos ao Prémio Nobel da Literatura. Os seus livros têm sido aclamados pela crítica, que reconhece na sua escrita ecos de James Joyce, Vladimir Nabokov, Samuel Beckett, Dylan Thomas e, ainda, José Saramago.

Sobre o livro:
Abandonado pelas musas, Oliver Orme pode já não ser um pintor, mas será sempre um ladrão. Orme não rouba por dinheiro, mas pela necessidade de reter e corrigir o mundo em seu redor e pelo prazer, quase erótico, de furtar algo aos outros; bens irresistíveis como Polly, a mulher do seu melhor amigo Marcus. Quando o caso de ambos é descoberto, com consequências irreparáveis para Marcus, Polly, Orme e a sua mulher Gloria, o culpado refugia-se na sua casa de infância, enveredando por um caminho que irá forçá-lo a enfrentar-se a si próprio em busca de redenção.
Mordaz, espirituoso, emocional e devastador, A Guitarra Azul disseca a natureza do ciúme e dos relacionamentos e revela uma vida assombrada pelo desejo da posse, permanentemente consciente da fragilidade do coração dos homens.

Sobre o autor:
John Banville nasceu em Wexford, na Irlanda, em 1945. Na sua já vasta e premiada obra destacam-se Doutor Copérnico (James Tait Black Memorial Prize 1976), Kepler (The Guardian Fiction Prize 1981), Fantasmas, O Intocável, O Livro da Confissão (finalista do Booker Prize 1989) e O Mar (vencedor do Man Booker Prize 2005). Em 2011 foi distinguido com o Prémio Kafka e, em 2014, com o Prémio Príncipe das Astúrias das Letras.

Imprensa:
Eloquente […]. Oliver tem aquele ar sarcasticamente desgraçado, típico de uma personagem de Samuel Beckett. The Wall Street Journal
A escrita de Banville está polvilhada de alusões explícitas e implícitas a Keats, Dylan Thomas, Botticelli, Coleridge, Washington Irvine, Bonnard. The Independent
Banville é o arquiteto da palavra por excelência. Todas as que aparecem neste livro foram cuidadosamente pensadas e todas são essenciais. Publishers Weekly
Maravilhoso […] Tal como em Proust ou Nabokov, os acontecimentos passados surgem refratados através de artifícios linguísticos que redimem as memórias dolorosas. Um drama poderoso […] hábil e comovente. The Daily Telegraph
Tal como José Saramago, Banville oferece-nos um mundo aleatório, onírico, mas ao mesmo tempo arraigado na experiência. (sobre Luz Antiga) Sunday Times
Banville é um mestre e a sua prosa um prazer infindo. Martin Amis
Um dos escritores mais imaginativos de língua inglesa dos dias de hoje. The Washington Post


O novo livro de J. Kenner promete incendiar os leitores...

Título: Incendeio-te
Autor: J. Kenner
N.º de Páginas:  320
PVP: 16,99€
Saída a 09 de maio

Incendeio-te conclui a publicação da trilogia Most Wanted.
Da autora vencedora do prémio Melhor Romance Erótico 2014, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance.
Não sabia o que era o risco até o ter conhecido. Não entendia o que era a paixão até ter sentido o seu toque. Devia ter-me mantido à distância, mas como, se ele era tudo aquilo que eu desejava? Se eu sabia que só ele poderia concretizar as minhas fantasias mais obscuras? Eu queria-o, tão simples quanto isso.
Kat Laron esconde segredos de um passado conturbado, tendo adotado uma falsa identidade e entrado num jogo de mentiras em que a regra principal é não atrair atenções.
Cole August, dono de uma galeria de arte na zona de Chicago, é um homem influente e desejado por muitas mulheres, por quem Kat se sente tremendamente atraída. Mas existe alguma coisa por definir no comportamento de Cole, algo que revela que também ele esconde segredos – uma verdade sombria que o marcou profundamente.
Kat, contudo, não consegue abandonar aquele jogo de sedução, arriscando quebrar as próprias regras para satisfazer as suas fantasias mais obscuras…

Sobre a autora:
J. Kenner é uma autora norte-americana cujas obras estão em todas as listas de bestsellers do seu país, incluindo as do New York Times e do USA Today. Entre os mais de quarenta romances, novelas e contos que já publicou, a série Stark – Liberta-me, Deseja-me, Ama-me, Possui-me, Captura-me, todos publicados pela Topseller – é a que tem maior êxito.
Deseja-me venceu em 2014 o Prémio RITA para Melhor Romance Erótico, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance.
J. Kenner vive no interior do Texas com o marido e as duas filhas. Saiba mais sobre a autora em www.juliekenner.com



O Pavilhão Púrpura, o novo romance de José Rodrigues dos Santos será lançado a 21 de maio

Título: O Pavilhão Púrpura
Autor:
José Rodrigues dos Santos
Colecção: Fora de Colecção, n.º 469
N.º de Páginas: 704
PVP: 22€

O Pavilhão Púrpura é o novo romance de José Rodrigues dos Santos e estará à venda a partir de dia 19 de Maio. O Pavilhão Púrpura é o segundo tomo da saga iniciada com o romance As Flores de Lótus lançado em Outubro de 2015.

A apresentação está marcada para sábado, 21 de Maio pelas 17h00, na Sociedade de Geografia, na Rua das Portas de Santo Antão, n.º 100, em Lisboa. O novo romance do autor será apresentado por Jorge Rangel. A sessão contará com uma demonstração de quimono tradicional japonês por Kimino Chiyo, com uma apresentação de caligrafia japonesa por Shihoko Y. Gouveia e com a exibição de um combate de kendo por praticantes do Clube de Kendo de Lisboa.

O Pavilhão Púrpura é o décimo quarto romance de José Rodrigues dos Santos, autor da Gradiva que já vendeu mais de três milhões de exemplares em todo o mundo e está publicado em mais de vinte línguas. Tal como em Portugal, o autor tem alcançado os primeiros lugares dos tops de vendas em diversos países, nomeadamente em França, onde lança este mês o romance Fúria Divina.

José Rodrigues dos Santos é ainda o escritor preferido dos portugueses segundo estudos das Seleções do Reader’s Digest e do Prémio 5 Estrelas.

A saga iniciada com o romance As Flores de Lótus ficará concluída em 2017 com a publicação do romance O Reino do Meio.

 




Quem não teve um amigo imaginário? Crenshaw, é uma história profunda e mágica sobre a importância da família, amizade e esperança.

Título: Crenshaw 
Autor: Katherine Applegate
N.º de Páginas: 240
PVP: 13,29€
Saída a 9 maio

Depois do bestseller O Único e Incomparável Ivan, que brevemente será adaptado ao cinema pela Disney, a multipremiada Katherine Applegate, regressa com Crenshaw, uma história sobre a importância da família, amizade e esperança.
Amigo é aquele que surge no momento certo para te lembrar do que é importante.
A curta vida do Jackson nunca foi muito fácil, nem muito parecida com a dos outros miúdos. A sua família tem vivido tempos difíceis. Desde que o pai ficou doente e a mãe perdeu o emprego, tem sido mais difícil pagar a renda, a mobília tem desaparecido e nem sempre há comida em casa. Os seus pais, a sua irmã mais nova e a cadela podem acabar a morar na carrinha. Mais uma vez.
O Crenshaw é um gato. É grande, quase gigante, ferozmente sincero e… imaginário. Voltou a surgir na vida do Jackson para o ajudar. No início, pareceu apenas atrapalhar. Foi ficando e recusou-se a desaparecer. Mas no momento certo, lembrou ao Jackson que a sinceridade e a amizade podem fazer a diferença. Será um amigo imaginário o suficiente para salvar esta família de perder tudo?
Uma história profunda e mágica sobre a importância da família, da amizade e da esperança.

Sobre a autora:
Katherine Applegate é uma escritora norte-americana multipremiada, que vendeu mais de 40 milhões de livros em todo o mundo. A sua obra infantojuvenil é vasta e já lhe granjeou inúmeros prémios.
O Único e Incomparável Ivan, também publicado pela Booksmile, é o seu romance mais conhecido. Em 2013 foi galardoado com a John Newbery Medal, um dos mais importantes e mundialmente prestigiados prémios de literatura infantojuvenil, e é impressionante o número de outros prémios com que foi distinguido.
Esta obra está já traduzida e publicada em dezenas de línguas, e brevemente dará origem a um filme produzido pela Disney. Katherine Applegate vive na Califórnia com o marido, os dois filhos e uma variedade de animais de estimação muito amados, ainda que excêntricos. Mais sobre a autora em: www.katherineapplegate.com

Elogios: 
«Um livro encantador, cheio de sabedoria.» The New Yorker
«Uma história fantástica, bela e delicada como uma teia.» The Saturday Review



Novidade Saída de Emergência: Conheces Sancho?

Continuando a colecção A História de Portugal em Romances, a Saída de Emergência publica agora o livro Conheces Sancho? de Maria Helena Ventura

D. Sancho II, é uma das figuras mais trágicas e misteriosas da História de Portugal. Bisneto de D. Afonso Henriques, herdou um reino pobre e uma coroa em conflito com a nobreza e o clero. Enquanto entrava em guerra com os mouros, o próprio irmão cobiçava-lhe o trono e até o papa o traiu, destituindo-o e obrigando-o a fugir do reino que governara durante mais de duas décadas.

Sinopse:
Sancho II é um dos grandes enigmas da História de Portugal. Bisneto de D. Afonso Henriques, herdou um reino pobre e uma coroa em conflito com a nobreza e o clero. Órfão muito novo, e sem um regente familiar para o amparar, foi desconsiderado pelos grandes pares do reino, apenas interessados em aumentar os próprios privilégios.

Procurando ser tolerante e justo, cresceu numa luta constante para se impor e recuperar a dignidade, mas os poucos amigos afastavam-se, clero e nobreza conspiravam, o próprio irmão lhe cobiçava o trono. Se nos jogos palacianos Sancho perdia, nos campos de batalha saía vencedor: com o auxílio das ordens religiosas acumulou vitórias sobre os mouros. Mas nem isso foi suficiente. Quando decidiu fazer de Mencia, uma jovem e bela viúva castelhana, a rainha de Portugal, até o papa o traiu, destituindo-o e obrigando-o a fugir do reino que governara durante mais de duas décadas.


Maria Helena Ventura_Nova.jpg
Sobre a autora:
Maria Helena Ventura é natural de Coimbra, reside no concelho de Cascais. É licenciada em Comunicação Social, vertente de Jornalismo, e mestre em Sociologia da Cultura.
Escreve desde criança, tendo colaborado em jornais e revistas e no programa radiofónico Tempo de Juventude. Em 1983 começa a publicar Poesia, o género literário da sua preferência, tornando-se nesse mesmo ano membro da APE.
Em 1999 sai o seu primeiro romance. E o gosto pela ficção nunca mais a abandona.
Até ao momento tem sete livros de poesia e nove romances.




Novidade Booksmile: A Teia da Carlota agora em livro!

Título: A Teia de Carlota
Autor: E. B. White
N.º de Páginas: 192
PVP: 12,99€
Saída 9 maio

Depois de adaptado ao cinema em 2006, A Teia de Carlota, um dos maiores clássicos da literatura infantil, chega agora às livrarias portuguesas sob a chancela Booksmile. Considerado como um dos 100 melhores livros de sempre para a revista Time, este emocionante livro relata a história de uma amizade entre um porquinho, uma aranha e uma menina.
O porquinho Abílio é o mais fraco e mais pequeno da ninhada. Por isso, todos o põem de lado. Todos exceto Flor, um doce de menina, que decide cuidar dele.
Entretanto, Flor é obrigada a separar-se de Abílio e a levá-lo para a quinta dos tios. As constantes visitas de Flor alegram os dias do porquinho, que vai crescendo e vivendo uma vida pacata, pelo menos até descobrir que está prestes a ser servido como jantar de Natal! Horrorizado, Abílio tenta fugir, mas parece não ter como escapar.
Os lamentos do porquinho são ouvidos por Carlota, uma sábia aranha cinzenta, que se torna amiga de Abílio e decide ajudá-lo. Mensagens inspiradoras vão surgindo na teia de Carlota, e um verdadeiro milagre irá acontecer!
Repleto de personagens inesquecíveis, A Teia de Carlota é uma história intemporal sobre a amizade, o amor e a lealdade.
Um dos maiores clássicos da literatura infantil, lido por milhões em todo o mundo. Emocionante e absolutamente mágico!

Sobre o autor: 
Nascido em Nova Iorque, foi, desde sempre, um apaixonado pela literatura e pela escrita. Aos 22 anos começou a trabalhar na revista The New Yorker , onde permaneceu como editor e jornalista durante toda a sua carreira.
E. B. White escreveu três livros para crianças que se tornaram clássicos mundiais e que foram, também, adaptados para cinema: A Teia de Carlota (distinguido com a Newbery Honor Book Medal), Stuart Little e Trumpet of the Swan, estes dois últimos a publicar pela Booksmile em 2017.
Muitos jovens leitores perguntaram ao autor se as suas histórias eram verdadeiras. Numa carta aos fãs, ele respondeu: «Não, são contos de fadas... mas existe a vida real e também a vida da imaginação.»
Além de livros infantis, E. B. White também escreveu poesia e diversos ensaios, que lhe valeram numerosas distinções, entre as quais um prémio Pulitzer.

Elogios: 
«Um livro encantador, cheio de sabedoria.» - The New Yorker
«Uma história fantástica, bela e delicada como uma teia.» - The Saturday Review


segunda-feira, 9 de maio de 2016

Conheça a nova WOOK

A WOOK inicia hoje um novo capítulo com uma plataforma adaptativa que permite ao utilizador uma experiência de compra simplificada.
A partir de hoje, os clientes da WOOK.pt vão ter acesso ao novo site daquela que é a maior livraria de Portugal.
O design adaptativo da nova plataforma permitirá ao utilizador ter uma melhor experiência de navegação, independentemente do dispositivo de acesso – desktop, tablet ou smartphone. A maior rapidez e assertividade dos motores de busca é outra das novidades da nova WOOK. A tecnologia utilizada vai ainda permitir ao utilizador uma maior fluidez e melhor experiência de compra.
Ao longo dos últimos 17 anos, a WOOK conseguiu alargar a sua presença no mercado e já conta com cerca de 700 mil clientes registados e um catálogo com mais de 8 milhões de livros e eBooks, incluindo toda a edição portuguesa e milhares de títulos espanhóis, ingleses e franceses.
Para além de livros e eBooks também é possível encontrar manuais escolares, auxiliares de ensino e livros universitários.
Atualmente, a WOOK vende para mais de 90 países e cerca de 80% das encomendas são expedidas no próprio dia.

Rosa Montero e Sérgio Godinho levam a Viagem Literária a Leiria

No próximo dia 19 de maio, a partir das 21:30, o Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, acolhe o encontro de dois grandes nomes da cultura espanhola e portuguesa, Rosa Montero e Sérgio Godinho, naquela que é a 14.ª etapa desta viagem a Portugal através dos livros e da literatura.
A partir das 21:30, o jornalista João Paulo Sacadura conduz uma conversa entre os dois convidados, com as suas obras em destaque (e as obras futuras, como o romance que Sérgio Godinho se encontra a escrever), rumando às suas afinidades e diferenças, a atualidade social e os seus percursos artísticos e biográficos. Durante estes 90 minutos, haverá espaço para as questões da plateia e, no final, para a habitual sessão de autógrafos e contacto mais direto com os escritores.
No dia 16 de maio, a Porto Editora lança O Peso do Coração, o mais recente romance de Rosa Montero e um dos seus livros mais realistas. Usando a ficção científica como género, «uma ferramenta poderosíssima para falar do mundo e das suas possibilidades», neste título encontram-se os temas fundamentais na obra da autora – a identidade, a memória, o dogmatismo e a morte –, num livro que é simultaneamente um thriller, uma distopia, uma história de amor e uma reflexão sobre o peso da vida e a criação literária.

Rosa Montero nasceu em Madrid em 1951 e estudou Jornalismo e Psicologia. Desde 1976 que colabora em exclusivo com o jornal El País, tendo obtido em 1980 o Prémio Nacional de Jornalismo e em 2005 o Prémio Rodríguez Santamaría de Jornalismo, como reconhecimento dos méritos de toda a sua carreira profissional. É considerada uma figura central da literatura espanhola contemporânea.

Cantor, compositor, escritor (para adultos e crianças), ator (de teatro e cinema), realizador, Sérgio Godinho é, para citar uma das suas canções clássicas, o verdadeiro “homem dos sete instrumentos”. Mas, numa carreira artística de invejável longevidade, que se prolonga há mais de 40 anos de modo quase intocável, foi o seu trabalho enquanto cantor-compositor que o tornou num ícone capaz de reunir à volta das suas canções gerações de diferentes idades, vivências e aspirações. “O Primeiro Dia”, “A Noite Passada”, “É Terça-Feira”, “Com um Brilhozinho nos Olhos”, “Espectáculo”, “Cuidado com as Imitações”, “Lisboa que Amanhece”, “Liberdade”, “Coro das Velhas”, “Dancemos no Mundo”, “Barnabé”, “O Velho Samurai” para apenas citar uma dúzia, atestam o seu talento para traduzir de modo pessoal, numa conjugação inseparável de palavras e melodias, experiências e emoções universais.

Na estrada desde abril de 2015, a Viagem Literária completou já 11 etapas em Portugal continental e 2 grandes sessões nas Regiões Autónomas. Depois de Leiria, a Viagem Literária continua o seu percurso e segue para Coimbra, cumprindo a sua missão de levar os escritores ao encontro dos seus leitores, contribuindo para a descentralização e democratização do acesso à cultura. Os espaços em que decorrerão as sessões serão, preferencialmente, os teatros municipais, por forma a permitir a participação de centenas de leitores, e os bilhetes serão gratuitos.
A “Viagem Literária” tem espaços próprios de contacto com o grande público: no site da Porto Editora, no Facebook e no Instagram.
Texto adaptado à nova ortografia através do Conversor do Acordo Ortográfico da Porto Editora.

Naus I e Naus II, das autoras Patrícia Faria e Mariana de Melo, chegam às livrarias dia 13 de maio

Título: Naus I e Naus II
Autores: Patrícia Faria e Mariana de Melo

Aventureiros, ladrões e clandestinos no tempo dos Descobrimentos portugueses. Espiões, crendices e perseguições  no tempo dos inquisidores.

Naus I e Naus II, das autoras Patrícia Faria e Mariana de Melo, são dois livros dirigidos ao público juvenil, entre os 10 e os 14 anos, e dão a conhecer a história dos Descobrimentos portugueses e o tempo dos inquisidores. De uma forma simultaneamente lúdica e pedagógica, sempre pautado por um rigor histórico, os jovens são convidados a apreenderem mais sobre a história de Portugal.

O primeiro volume de Naus havia sido publicado pela primeira vez em 2004 e foi um sucesso, encontrando-se esgotado. A Bertrand Editora reedita agora este título, ao qual junta o segundo volume, que é uma completa novidade.

As aventuras de Naus I arrancam em 1500, com a armada de Pedro Álvares Cabral a rumar em direção à Índia. Magdala, Maria de Jesus, Raimundo, Mateus, Afonso e Diogo são os seis amigos que vão viver uma série de aventuras e episódios nesta grandiosa época dos Descobrimentos portugueses. Já em Naus II a história foca-se sobretudo em Magdala e na sua mãe, que são muçulmanas e acreditavam em Alá, revelando-nos um tempo de intolerância que acabou por determinar a emigração para vários destinos daqueles que eram perseguidos por motivos religiosos.

As autoras, Patrícia Faria e Mariana de Melo, partem da observação privilegiada que as suas atividades profissionais permitem para escreverem estes dois livros.

O lançamento dos livros acontecerá dia 28 de maio pelas 16h00, no âmbito do encerramento da exposição Ceuta Ontem. Ceuta Hoje. no museu World of Discoveries. À apresentação, seguir-se-á um debate com representantes das diferentes comunidades religiosas.
Em Lisboa, no dia 4 de junho às 17h00, haverá ainda uma apresentação seguida de debate, também com representantes das diferentes comunidades religiosas, durante a Feira do Livro, no auditório da APEL.

Naus I
Género: Literatura Juvenil
N.º de páginas: 168
Data de lançamento: 13 de maio de 2016
Sinopse:
Lisboa, 1500. A armada de Pedro Álvares Cabral partia de Lisboa rumo à Índia… Levava consigo um segredo… (mais não dizemos). Quando, naquele dia de festa, na Praça da Ribeira, os seis se cruzaram por acaso, uma amizade forte nascia, iniciando-se então uma corrente de aventuras, de que não vemos o fim… Sabiam que Afonso Ribeiro, que entra na nossa história, existiu mesmo? E que ficou no Brasil a aprender a língua e os costumes dos índios para informar El-Rei? Perigos, naufrágios, aventura, sobrevivência, magnetismo, perseguição, tudo isto acontece nesta extraordinária história…

Naus II
Género: Literatura Juvenil
N.º de páginas: 160
Data de lançamento: 13 de maio de 2016
Sinopse:
Tudo começa em setembro de 1500, em Lisboa, na Praça da Ribeira, ponto de encontro para muitas e desvairadas gentes, de marinheiros a espiões, todos mergulhados numa enorme diversidade de mercadorias com cores e aromas surpreendentes. É nesta metrópole cosmopolita, enquanto transpiram notícias da armada de Pedro Álvares Cabral e da Terra de Vera Cruz, que vamos encontrar Magdala e a sua mãe, Fatmah, subitamente envolvidas numa corrente de aventuras onde a intolerância e o fascínio pelo Novo Mundo se vão confrontar… (mais não dizemos).

Sobre as autoras
Mariana de Melo Tavares Correia nasceu na cidade do Porto e é natural de São João da Madeira. Licenciou-se em História na faculdade de Letras da Universidade do Porto e é Pós Graduada em Leitura, Aprendizagem e Integração das Bibliotecas nas atividades Educativas. Como professora exerceu atividade letiva na área da História, Geografia e Língua Portuguesa. Foi formadora no Ensino Profissional tendo lecionado Mundo Atual, Cidadania, Cultura, Língua e Comunicação. Desde sempre manteve um espírito aberto à descoberta do mundo nas suas múltiplas vertentes, particularidades e mundividências. Exploradora de catedrais, templos, esplanadas, aventuras, metáforas e algoritmos espaciais… Sempre perspetivou a arte como forma de vida e é, pois, na escrita e nas mais difusas e imprevistas divagações e histórias que encontra a sua identidade.

Patrícia Pinto César de Faria nasceu no Porto, é licenciada em História, mestre em Estudos Ibéricos e Ibero-americanos na Universidade de Bordéus e doutoranda em História Moderna (Descobrimentos e Expansão Portuguesa) na FLUP. O trabalho de investigação na área dos Descobrimentos Portugueses catapultaram-na para os meandros dos corredores da Torre do Tombo, do Arquivo das Índias e do Arquivo dos Jesuítas (Vaticano). Foi a partir daqui, nos cenários que envolvem os documentos, nas personagens que os atravessam, mas também nas viagens que efetuou e no mundo à sua volta, que deixou a imaginação dar asas às histórias que ora se contam, convidando o leitor a projetar-se no outro lado do tempo: rumo ao século XVI.
É professora de História e foi Leitora de Língua, Literatura e Cultura Portuguesa na Universidade de Montreal. Dinamizou encontros e debates entre diferentes comunidades linguísticas, teatros e atividades lúdicas para os mais novos sempre a convite da História. Em 1995 ganhou o primeiro prémio no concurso literário da CMP, “Engenheiro Nuno Meireles”, com a obra a Rua do Regresso.