sábado, 17 de setembro de 2016

Novidade Quinta Essência: Gritos Silenciosos, de Angela Marsons


Título: Gritos Silenciosos
Autor: Angela Marsons
PVP: 16,90€ 
N.º de Páginas: 392

Cinco pessoas reúnem-se em volta de uma campa rasa. Todos se tinham revezado a cavar. Uma cova para um adulto teria levado mais tempo.. Uma vida inocente fora tirada, mas o pacto fora feito. Os segredos deles seriam enterrados, ligados no sangue...

Anos mais tarde, uma mulher é encontrada brutalmente estrangulada, o primeiro de uma série de assassínios que choca a região inglesa conhecida como Black Country.

Mas quando são descobertos restos humanos num antigo orfanato, são também desenterrados segredos perturbadores. A inspectora detective. Kim Stone percebe rapidamente que procura um indivíduo cruel cujos homicídios se estendem por décadas. Uma vez que as mortes continuam, Kim tem de parar o assassino antes que ele ataque de novo. Mas, para o capturar, será Kim capaz de enfrentar os demónios do seu passado antes que seja demasiado tarde?

Os fãs de Rachel Abbott, Val McDermid e Mark Billingham irão ser agarrados por esta excepcional nova voz na ficção criminal britânica

Sobre a autora: 
Angela Marsons fez a sua estreia no género do thriller, alcançando um imediato êxito internacional. Gritos Silenciosos é o primeiro capítulo na série protagonizada pela inspectora detective Kim Stone. Angela vive na região inglesa de Black Country, a mesma onde se passam os seus thrillers.


O Luto É a Coisa com Penas - o deslumbrante livro de estreia de Max Porter

Título: O Luto é a coisa com Pedras
Autor: Max Porter
N.º de Páginas: 128
PVP: 13,29€
Saída a 19 de setembro
Tradução do poeta Daniel Jonas
Capa com ilustração do premiado Lord Mantraste

«Como lembrança, como aviso, como pincelada de noite ao alvorar. Como uma pequena fresta no pensar. Dar-te-ei qualquer coisa em que pensar, segredei eu. Ele acordou e não me encontrou no meu da escuridão do seu trauma.»

Aqui está ele: marido e pai, romântico desarranjado e académico apaixonado por Ted Hughes, um homem perdido depois da morte súbita da sua mulher. E ali estão os seus dois filhos, a enfrentarem, como ele, a tristeza insuportável que os engoliu no seu apartamento londrino perante um vaivém de amigos bem intencionados e um futuro de absoluto vazio.
Neste momento de desespero, são visitados pelo Corvo - antagonista, trapaceiro, curandeiro, babysitter. Este pássaro «sentimental» é atraído pelo luto da família e ameaça permanecer com eles até que não mais precisem da sua ajuda.
À medida que o tempo passa, as semanas se tornam meses e a dor se transforma em memória, esta pequena unidade de três pessoas começa a curar-se.
Numa estreia absolutamente extraordinária - parte novela, parte fábula polifónica, parte ensaio sobre o luto, Max Porter combina sensibilidade e um estilo corajoso, criando um efeito deslumbrante.
Carregado de um humor inesperado e marcado por uma profunda verdade emocional, O Luto É a Coisa com Penas marca a chegada de uma nova voz literária, entusiasmante e original.

Elogios:
«O Luto É a Coisa com Penas funciona por causa do que exige ao leitor: já todos perdemos alguém, ou amamos alguém que receamos perder, e por isso o livro convida-nos a preencher os seus espaços vazios e silêncios com o nosso luto, o nosso amor, a nossa esperança, o que transforma esta obra numa experiência de leitura luminosa.» —The Times
“[Porter] has an excellent ear for the flexibility of language and tone, juxtaposing colloquialisms against poetic images and metaphors. The result is a book that has the living, breathing quality of the title's 'thing with feathers.'. . . [Grief Is the Thing with Feathers] is about both the triumphs and failures of memory, and art's power of evocation. . . . One of the things this luminous novel insists upon is that loss endures, even as grief departs. Our recoveries are always partial, and this sense of having been splintered is what finally defines us.”—New York Times Book Review

Sobre o autor:
Max Porter é coordenador editorial da divisão literária da Granta. Vive em South London com a família.
O Luto É a Coisa com Penas, o seu primeiro livro, foi galardoado com o Dylan Thomas, um dos mais importantes a nível internacional para autores de estreia.


sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Valter Hugo Mãe regressa com Homens imprudentemente poéticos

Título: Homens imprudentemente poéticos
Autor: Valter Hugo Mãe
Págs.: 216
Capa: mole com badanas
PVP: 16,60 €

Homens imprudentemente poéticos, novo romance do escritor, publicado quando este assinala 20 anos de edição

Três anos depois de A Desumanização, obra aclamada por leitores e críticos de vários países, e numa altura em que assinala 20 anos de percurso literário, Valter Hugo Mãe regressa com Homens imprudentemente poéticos, um novo e magistral romance que a Porto Editora faz chegar às livrarias a 3 de outubro. Na véspera, o livro é apresentado no Porto, na Casa da Música, e uma semana depois em Lisboa, no Teatro S. Luiz.
Ao sétimo romance, motivado pela tradição japonesa da honra e da espiritualidade, Valter Hugo Mãe apresenta uma visão deslumbrante do mais inspirador Oriente. Na esteira da herança de Wenceslau de Moraes, Hugo Mãe procura auscultar o Japão para entender a beleza dos seus modos – a profundidade da cultura e da sua prudência poética.
Segundo o poeta José Tolentino Mendonça, este novo livro constitui «uma luminosa parábola que fica a reverberar muito tempo depois». Já o romancista Richard Zimler considera que «as fascinantes personagens deste romance vivem num Japão que é ao mesmo tempo mitológico e íntimo, criado pela imaginação prodigiosa e profundamente poética do autor».

20 ANOS DE LIVROS CELEBRADOS EM DOIS GRANDES EVENTOS 
Desde que pela primeira vez publicou, em 1996, Valter Hugo Mãe ofereceu aos leitores cerca de uma dezena de livros de poesia, quatro obras para crianças, um livro de contos e sete romances. O percurso deste autor, que em 2016 ano liderou as listas de vendas na Islândia, que, entre outros países, se vê prestigiado em França ou Croácia e aclamado no Brasil, faz dele um dos nomes imprescindíveis da literatura portuguesa contemporânea. Não espanta, portanto, que as mais recentes edições dos seus livros (Porto Editora) estejam entusiasticamente prefaciadas por figuras como Ferreira Gullar (o nosso reino, 7.ª edição), José Saramago (o remorso de baltazar serapião, 10.ª edição), Adonis (o apocalipse dos trabalhadores, 9.ª edição), Caetano Veloso (a máquina de fazer espanhóis, 19.ª edição), Alberto Manguel (O filho de mil homens, 12.ª edição) ou Mia Couto (Contos de cãs e maus lobos, 3.ª edição).
Para celebrar estes 20 anos de livros, a Porto Editora está a preparar dois grandes eventos, no Porto e em Lisboa. As iniciativas, que duram todo o dia, foram apresentadas hoje, na Feira do Livro do Porto, pelo escritor e por Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, que se associa à efeméride. A 2 de outubro, a Casa da Música, no Porto, recebe o primeiro evento, que conta com a participação de nomes como Teresa Salgueiro, Ana Deus ou Adolfo Luxúria Canibal, para além de diversos académicos de diferentes proveniências e de momentos dedicados às crianças. A 8 do mesmo mês, no Teatro S. Luiz, em Lisboa, o evento, que tem contornos semelhantes ao da iniciativa do Porto, conta com nomes como Márcia, Ana Bacalhau ou Pedro Lamares.
Programação completa disponível em www.portoeditora.pt/valter-hugo-mae
.
Sinopse:
Num Japão antigo o artesão Itaro e o oleiro Saburo vivem uma vizinhança inimiga que, em avanços e recuos, lhes muda as prioridades e, sobretudo, a capacidade de se manterem boa gente.
A inimizade, contudo, é coisa pequena diante da miséria comum e do destino.
Conscientes da exuberância da natureza e da falha da sorte, o homem que faz leques e o homem que faz taças medem a sensatez e, sobretudo, os modos incondicionais de amarem suas distintas mulheres.
Valter Hugo Mãe prossegue a sua poética ímpar. Uma humaníssima visão do mundo.

Sobre o autor:
Valter Hugo Mãe é um dos mais destacados autores portugueses da atualidade. A sua obra está traduzida em variadíssimas línguas, merecendo um prestigiado acolhimento em países como o Brasil, a Alemanha, a Espanha, a França ou a Croácia. Publicou seis romances: A desumanização; O filho de mil homens; a máquina de fazer espanhóis (Grande Prémio Portugal Telecom Melhor Livro do Ano e Prémio Portugal Telecom Melhor Romance do Ano); o apocalipse dos trabalhadores; o remorso de baltazar serapião (Prémio Literário José Saramago) e o nosso reino. Escreveu alguns livros para todas as idades, entre os quais: Contos de cães e maus lobos, O paraíso são os outros; As mais belas coisas do mundo e O rosto. A sua poesia foi reunida no volume contabilidade, entretanto esgotado. Publica as crónicas Autobiografia Imaginária no Jornal de Letras.


Novidade Esfera dos Livros: A Rainha Santa de Isabel Machado

Isabel tinha 12 anos quando se casou com D. Dinis. De personalidade rara, era inteligente, devota e caridosa (além de bela) e cobiçada por várias cortes europeias para uma aliança de casamento. Os interesses políticos fizeram com que viesse parar a Portugal, em 1282. Não foi submissa nem se alheou dos problemas do reino. Revelou-se firme na defesa dos pobres, dos doentes e dos excluídos e por diversas vezes enfrentou o rei D. Dinis com grande coragem, tendo um papel determinante em momentos políticos decisivos na Península Ibérica. De tal maneira que o rei a desterrou para Alenquer para evitar a sua influência. Mesmo assim, usou os conhecimentos e laços familiares para conseguir a paz entre D. Dinis e o filho D. Afonso – futuro D. Afonso IV – durante a guerra que os opôs.

É mais conhecida pelas curas e pelos milagres que alegadamente realizou. Quem nunca ouviu a história do milagre das rosas? Foi beatificada pelo Papa Leão X em 1516, passam este ano 500 anos, e mais tarde canonizada (graças ao grande empenho da dinastia filipina) pelo Papa Bento XIV. Mas , na verdade, Isabel sempre foi Santa na memória do povo.

É a historia desta Rainha Santa, figura enigmática ao redor de quem se construíram muitas lendas e sobre quem na realidade pouco se sabe, que Isabel Machado nos traz, baseando-se numa pesquisa exaustiva de onde se destacam factos como os seus profundos conhecimentos de medicina.

À venda a 16 de Setembro.

Sobre a autora:
Isabel MachadoIsabel Machado é escritora e jornalista, nasceu em Lisboa, concluiu o 12.º ano nos Estados Unidos e é licenciada em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa. Nos anos 80 recebeu o primeiro prémio nacional de um concurso europeu de dissertação, promovido pela Alliance Française de Paris e, em 2003, foi-lhe atribuído um prémio de jornalismo da Fundação Roche e da Liga Portuguesa Contra o Cancro, por uma reportagem publicada na revista LuxWoman sobre cancro infantil. Fez trabalhos de tradução e de interpretação simultânea, leccionou Português e Francês no ensino básico e Português como língua estrangeira. Durante 11 anos foi pivô e jornalista da Televisão de Macau, colaborando regularmente com publicações locais. Em Portugal, foi pivô do Canal Parlamento desde 2003 até Janeiro de 2011. Em 2011 publicou o seu primeiro romance histórico, Isabel I e o seu médico português e, em 2014, Vitória de Inglaterra – A rainha que amou e ameaçou Portugal. Já em 2015 publicou Constança – A princesa traída por Pedro e Inês, cuja acção decorre num período da História de Portugal imediatamente posterior ao de A Rainha Santa, o seu quarto romance histórico.





Porto Editora - José Saramago - Novos livros a 22 de setembro

Título: O Ano da Morte de Ricardo Reis
Págs.: 496
PVP: 17,70 €
Caligrafia da capa: Carlos Reis

O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago, regressa no dia 22 de setembro às livrarias numa nova edição da Porto Editora. Publicado pela primeira vez em 1984, é um dos romances mais lidos do Nobel português e está neste momento em cena, no teatro A Barraca, numa adaptação do encenador e dramaturgo Hélder Mateus da Costa. A caligrafia da capa desta edição é do Professor Carlos Reis.

Sobre O Ano da Morte de Ricardo Reis, disse José Saramago ao Jornal de Letras, Artes e Ideias: «Neste livro nada é verdade e nada é mentira.
Não é verdade que Ricardo Reis tenha existido. Mas é verdade que se ele tivesse existido tinha sentido atribuir-lhe essa vida a partir da obra que deixou e dos dados que Fernando Pessoa nos deu dele. Mas é também verdade que Fernando Pessoa já não estava vivo nessa altura.
E no entanto é verosímil. Não está vivo mas entra na história. Nada é mentira e nada é verdade no livro.»

Sinopse:
Um tempo múltiplo. Labiríntico. As histórias das sociedades humanas.
Ricardo Reis chega a Lisboa em finais de dezembro de 1935. Fica até setembro de 1936. Uma personagem vinda de uma outra ficção, a da heteronímia de Fernando Pessoa. E um movimento inverso, logo a começar: «Aqui onde o mar se acaba e a terra principia»; o virar ao contrário o verso de Camões: «Onde a terra acaba e o mar começa.»
Em Camões, o movimento é da terra para o mar; no livro de Saramago temos Ricardo Reis a regressar a Portugal por mar. É substituído o movimento épico da partida. Mais uma vez, a história na escrita de Saramago. E as relações entre a vida e a morte. Ricardo Reis chega a Lisboa em finais de dezembro e Fernando Pessoa morreu a 30 de novembro. Ricardo Reis visita-o ao cemitério. Um tempo complexo. O fascismo consolida-se em Portugal.


Título: O Lagarto
Autor: José Saramago
Págs.: 24
PVP: 13,30 €
Xilogravuras: J. Borges

Livro será apresentado no FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos a 22 de setembro
A Porto Editora lança no dia 22 de setembro O Lagarto, um livro que une as palavras de José Saramago e as xilogravuras de J. Borges, mestre brasileiro de arte popular. Nesse dia, às 18:30, este livro será apresentado no FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos, numa sessão que inclui a inauguração da exposição com as matrizes em madeira das gravuras que constam no livro. Alejandro Schnetzer, editor que concebeu este projeto, estará presente na sessão.
O Lagarto é um conto breve incluído em A Bagagem do Viajante (1973), volume que reuniu as crónicas escritas por José Saramago para o diário A Capital e para o semanário Jornal do Fundão. A história narra o aparecimento, no Chiado, de um misterioso lagarto, cuja presença surpreende os transeuntes e mobiliza os bombeiros, o exército e a aviação.
«Saramago conhecia e gostava muito do trabalho de J.Borges (...) dizia que para ele J.Borges compreendia e explicava o mundo de forma aparentemente simples e ao mesmo tempo profunda. Este Borges aproximava-se, para Saramago, dos seus avós na forma de olhar o mundo. Além disso, Saramago tinha muito apreço pelos trabalhos de criação. Na sua mesa de trabalho, por exemplo, estava um crucifixo que um artesão lhe dera de presente após ler O Evangelho Segundo Jesus Cristo. Para ele não era uma homenagem a um homem crucificado mas sim ao homem que fez aquela peça e que a compartilhou. Criar é compartilhar, e agora dois Josés presenteiam-nos com uma obra que deve ser compartilhada. Um grande presente.» Palavras de Pilar del Río ao Jornal do Commercio, do Brasil, a propósito do livro.

Sobre o autor:
Autor de mais de 40 títulos, José Saramago nasceu em 1922, na aldeia de Azinhaga. Até 2010, ano da sua morte, a 18 de junho, em Lanzarote, José Saramago construiu uma obra incontornável na literatura portuguesa e universal, traduzidas em todo o mundo. José Saramago recebeu o Prémio Camões em 1995 e o Prémio Nobel de Literatura em 1998.

Sobre o ilustrador:
José Francisco Borges nasceu em Bezerros (Pernambuco, Brasil) no ano de 1935. Aos 20 anos começou a vender cordéis nas feiras. Em 1964 assinou o seu primeiro trabalho autoral. Tornou-se gravurista para ilustrar os cordéis que produzia. Durante a vida escreveu algumas centenas de cordéis. Ilustrou o livro As palavras Andantes, de Eduardo Galeano, e expôs o seu trabalho em vários lugares do mundo, entre eles EUA, Suíça, França, Alemanha, Venezuela, Itália e Cuba. Em 2006 recebeu o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco, outorgado pelo Governo do Estado. Atualmente vive na sua cidade natal, num local que foi transformado num espaço artístico, o Memorial J.Borges, onde ensina a arte da xilogravura aos mais novos.


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Topseller: Felizes para sempre é apenas o início...

Título: Satisfaz-me
Autor: J. Kenner
N.º de Páginas: 160
PVP: 14,39€

J. Kenner é uma autora de referência no panorama atual da literatura erótica.

Vencedora do Prémio Melhor Romance Erótico atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance com o livro Deseja-me, publicado pela Topseller e já na 4.ª edição.

É uma das autoras de literatura erótica mais populares da Amazon.

Satisfaz-me é ​​mais um capítulo sensual e arrebatador na história de Damien Stark e Nikki Fairchild ​ (série Stark).

Sobre a autora:
​J. Kenner é uma autora norte-americana cujas obras estão em todas as listas de bestsellers do seu país, incluindo as do New York Times e doUSA Today. Entre os mais de quarenta romances, novelas e contos que já publicou, a série Stark é a que tem maior êxito.

Deseja-me venceu em 2014 o Prémio RITA para Melhor Romance Erótico, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance. J. Kenner vive no interior do Texas com o marido e as duas filhas.

Saiba mais sobre a autora em www.juliekenner.com










Satisfaz-me já se encontra nas livrarias (Ed. Topseller | 160 pp. | 14,39€) e as primeiras páginas podem ser lidas aqui.
















​Sobre o livro:​




Eu nunca imaginei que algo pudesse superar a nossa lua de mel, mas a vida como Sra. Damien Stark é muito melhor do que qualquer fantasia. Estamos para sempre unidos pelo nosso amor e pelo nosso desejo.




No entanto, os fantasmas do passado ainda nos assombram. Não conseguimos escapar dos nossos segredos, nem evitar as pessoas que nos querem separar. Nós não estamos seguros, nem mesmo no Dia dos Namorados.




Eu farei o que for preciso para proteger o Damien, para lhe dar tudo o que precisa. O seu beijo é a minha devoção, a sua paixão, o meu êxtase. Os perigos que enfrentamos, agora enfrentamo-los juntos, e nada, jamais, nos irá separar.



VOGAIS: «Grit», o livro de não-ficção mais cobiçado em Frankfurt chega às livrarias

GRIT: O PODER DA DA PAIXÃO E DA PERSEVERANÇA, de Angela Duckworth foi o livro de não-ficção mais cobiçado da Feira de Frankfurt em 2014, mas só agora lançado mundialmente. Escrito a partir da TED Talk, uma das mais vistas de sempre com mais de 9 milhões de visualizações (vídeo).

Elogios:
One of "The Hottest Spring Nonfiction Books" — The Wall Street Journal

Grit is a persuasive and fascinating response to the cult of IQ fundamentalism. Duckworth reminds us that it is character and perseverance that set the successful apart.”— Malcolm Gladwell, author of The Tipping Point, Blink and Outliers

A "Must-Read Business Book for 2016" — Forbes

Angela Duckworth, doutorada em, Psicologia e bolseira da prestigiada Fundação MacArthur, explica neste livro que, para se alcançar o sucesso, mais do que ter talento ou sorte, é fundamental lutar com persistência pelos nossos sonhos – é essencial ter grit, determinação, garra.

Filha de um cientista que frequentemente a recriminava pela sua falta de génio, Angela Duckworth tornou-se investigadora, professora e consultora de renome. O seu premiado trabalho de investigação levou-a a descobrir que o que impulsionava o sucesso na carreira profissional, no percurso académico e na vida comum é uma combinação única de paixão e perseverança, conceito a que chamou grit.

O seu trabalho revela:
» Que os seus esforços suplementares colocam-no duas vezes mais próximo do seu objetivo;

» Que a perseverança pode ser aprendida, independentemente do quociente de inteligência ou das circunstâncias da sua vida;

» Que os interesses podem ser estimulados em permanência;

» O que é melhor para o seu filho – um abraço, padrões de vida e princípios sólidos;

» A regra mágica dos Objetivos Duradouros.

Grit: O Poder da Paixão e da Perseverança (Vogais l 352 pp l 19,99€) é um livro sobre o que lhe acontece quando tem um percalço, e de que forma a sua reação a esse obstáculo – e não o talento ou a sorte – faz toda a diferença para ser bem-sucedido.

Sobre a autora:
Angela Duckworth é professora de Psicologia na Universidade da Pensilvânia e bolseira da Fundação MacArthur desde 2013. A sua investigação foca-se em conceitos como o autocontrolo ou o grit, que assume como substitutos do quociente de inteligência na avaliação do potencial e na previsão do sucesso académico ou profissional. Neste contexto, é consultora para a Casa Branca, o Banco Mundial, várias equipas da NBA e da FNL, e alguns dos mais conceituados CEO do mundo.

É licenciada em Neurobiologia pela Universidade de Harvard, mestre em Neurociência pela Universidade de Oxford e doutorada em Psicologia pela Universidade da Pensilvânia. Antiga professora do ensino básico e secundário, Angela participou na criação do Laboratório do Caráter (Character Lab), organização de fins não lucrativos, cuja missão é investigar o desenvolvimento do caráter nas crianças.

Saiba mais sobre a autora: www.angeladuckworth.com


Gradiva: Novidades para setembro

Título: Numa Casca de Noz
Autor: Ian McEwan
Colecção «Obras de Ian McEwan», n.º 17
N.º de Páginas: 184 
PVP: €14,00

Um mestre da narrativa: assim é Ian McEwan. Este livro, publicado no nosso país em simultâneo com a edição inglesa, tem um registo surpreendente: o narrador é nada menos do que um bebé no ventre da mãe. Uma ideia brilhante, para um exercício de escrita soberbo. A trama, essa, é intensa, pois aqui se enredam negras maquinações. Trudy, a mãe, tem um plano para matar o pai do bebé (John) em conluio com o irmão dele. No meio do drama, há o amor. As ligações aoHamlet de Shakespeare não serão coincidência. Tudo somado resulta numa obra impossível de largar.


Título: Eu e os Políticos – O que não pude (ou não quis) escrever até hoje
Autor: José António Saraiva
Colecção «Fora de Colecção», n.º 478
N.º de Páginas: 264 
PVP: €12,50
Uma obra para conhecer o que não teve lugar nas páginas dos jornais. Para descobrir o que pressentia ou talvez nem imaginasse. Episódios vividos com múltiplos políticos (e não só), contados na primeira pessoa, são agora revelados. De Marcelo Rebelo de Sousa a Mário Soares, 42 personalidades aqui se destacam. O autor, que foi director do Expressodurante 23 anos e director do Sol por 9, afirma: «[…] sinto ser o momento de divulgar aquilo que não pude (ou não quis) escrever até hoje.» Um livro que seguramente quererá ler.

Título: Deus, Religiões, (In)Felicidade
Autor: Anselmo Borges
Colecção «Fora de Colecção», n.º 474
PVP: €13,00

Grande clareza sobre temas que interessam a todos, em torno de Deus, da felicidade e da religião.

«Tenho a certeza de que este livro […] será para muitos leitores e leitoras uma ocasião propícia para se aproximarem de uma visão excepcionalmente lúcida sobre os graves problemas do nosso mundo.»
Andrés Torres Queiruga, Filósofo e Teólogo, Universidade de Santiago de Compostela

«Anselmo Borges nunca terá ido assim longe e tão fundo. É fascinante acompanhá-lo uma vez mais.»
José Manuel Mendes, Escritor, Universidade do Minho

Título: 90% do Caro Leitor foi Feito nas Estrelas
Autor: Alexandre Aibéo
Colecção «Ciência Aberta», n.º 216
PVP: €14,00

Uma viagem às estrelas emocionante pela mão do astrónomo Alexandre Aibéo, que reúne o saber e uma capacidade de comunicação admirável, sendo um jovem divulgador científico de primeira água. Numa linguagem fresca e imaginativa, este é um livro para descobrir o cosmos e, com isso, conhecermo-nos a nós próprios. Quando olhamos para as estrelas contemplamos as nossas remotas origens. Saiba porquê.

Título: Mudança no Jogo Global – Como a Faixa Sul Irá Transformar o Mundo
Autor: John Naisbitt e Doris Naisbitt
Colecção «Trajectos», n.º 106
N.º de Páginas: 308 
PVP: €19,00

O mundo está em mudança e compreendê-la é fundamental para ser bem-sucedido. Este é um guia indispensável para perceber a transformação que ocorre globalmente, no campo económico, do consumo, das relações de poder. A perspectiva é multicêntrica. Mostra a empreendedores, instituições, empresas e governos como se reposicionarem, informadamente, no novo contexto mundial. À incerteza junta conhecimento. O leitor sai a ganhar, pois é imperioso ajustar-se aos novos tempos.


Título: A Floresta em Portugal – Um apelo à inquietação cívica
Autor: Victor Louro
Colecção «Trajectos Portugueses», n.º 105 
N.º de Páginas: 270 
PVP: €15,00

O país arde. A floresta, um activo importantíssimo para o país, continua a ser maltratada. E, com frequência, incompreendida. Este livro reflecte o amplo conhecimento do autor sobre o tema: apresenta números, fornece informação histórica, analisa opções políticas, abordando a floresta nas suas várias vertentes. Conheça os problemas e possíveis soluções para a floresta em Portugal.





terça-feira, 13 de setembro de 2016

Topseller: O Samaritano de Mason Cross

Título: O Samaritano
Autor: Mason Cross
N.º de Páginas: 384
PVP: 18,79€
Saída a 05 de setembro

«Mason Cross é autêntico e tem a sua própria voz. O seu talento único para criar momentos de tensão eleva a adrenalina quase até ao limite.» Daily Mail
«Os leitores vão ficar extasiados.» Publishers Weekly

Se o seu carro avariar de repente, tenha medo, tenha muito medo…
Elas pensavam que ele queria ajudar… Estavam enganadas.
Após uma noite de tempestade, em Los Angeles, a detetive Jessica Allen é chamada ao local onde houve um deslizamento de terras. O motivo? Uma descoberta macabra: foi encontrado o corpo de uma jovem cujo pescoço foi degolado com um corte invulgar.
No mesmo dia, são descobertos perto daquele local outros dois corpos mutilados de maneira semelhante. A detetive descobre que se trata da obra de um assassino que opera há mais de dez anos, sem nunca ter sido apanhado. É conhecido como o «Samaritano» e captura jovens desamparadas, cujos carros avariaram, deixando-as paradas e sozinhas na estrada.
É então que Carter Blake aparece para oferecer os seus serviços a esta investigação policial. O secretismo em volta das suas verdadeiras intenções leva a detetive a desconfiar dele. Mas quando o Samaritano prossegue com uma escalada de assassínios, os dois terão de se unir para o deter de uma vez por todas…

Sobre o autor:
Nasceu em Glasgow, na Escócia, em 1979. Licenciou-se em Línguas e fez uma pós-graduação em Tecnologias de Informação, o que lhe permitiu descobrir que tem muito mais êxito com as palavras do que com os computadores.
Sempre se dedicou à escrita, sendo autor de um número considerável de contos policiais, incluindo A Living, que foi finalista do prémio Quick Reads
«Get Britain Reading».
É autor de O Caçador , igualmente publicado pela Topseller, e deste O Samaritano, o seu mais recente thriller, que foi selecionado para o Richard and Judy Book Club.




Topseller: A história magnífica da mulher que lutou incansavelmente para manter um império - Sissi: Coragem Até ao Fim

Título: Sissi: Coragem até ao Fim 
Autor: Allinson Pataki
N.º de Páginas: 480
PVP: 21,98€

«A história magnífica da mulher que lutou incansavelmente para manter um império.» Publishers Weekly

Sissi foi a imperatriz mais marcante no imaginário popular, imortalizada no cinema por Romy Schneider.
Este romance, inspirado em acontecimentos reais, recorda uma das mulheres mais fortes e desafiadoras de todos os tempos.
Em meados do século XIX, a imperatriz Isabel da Áustria-Hungria — carinhosamente conhecida pelo povo como Sissi — já não é a menina ingénua e inocente de 15 anos que casou com o imperador Francisco José, mas a mãe do príncipe herdeiro e a mulher do líder de um poderoso império.
Sissi vive, no entanto, sufocada pelas regras do protocolo real e por um casamento turbulento, e por isso viaja com frequência para a sua propriedade na Hungria, o refúgio onde vive segundo as suas próprias regras e onde pode receber as visitas do conde Andrássy, por quem se apaixonou.
Contudo, trágicas notícias que chegam de Viena vão obrigá-la a regressar e a enfrentar a realidade que tanto a afugenta. Conseguirá Sissi vencer as inúmeras adversidades, as provações do amor e o sentimento de perda e continuar a ser uma imperatriz dedicada?
Estará ela à altura do desafio de manter a sua família unida e o seu direito ao trono?

Sobre a autora:
Allison Pataki é autora de romances históricos, bestseller do New York Times.
Formada com distinção na Universidade de Yale, com especialização em inglês, dedicou-se durante vários anos à escrita para televisão e para agências de notícias online.
Allison é colaboradora regular do Huffington Post e da FoxNews.com, e é membro da Historical Novel Society, uma associação literária dedicada à promoção e divulgação da ficção histórica.
Saiba mais sobre a autora em www.allisonpataki.com



Ricardo Gomes escreve AAmir um indiano que sobrevive em Lisboa

Sinopse
Aamir veio para Lisboa para tentar sair da pobreza a que parecia irremediavelmente condenado. Os anos passaram entre esquemas e uma indigência banhada a álcool na baixa da cidade. Um acaso mudou-lhe a vida, levando o indiano a acreditar que poderia contrariar os deuses, ousando traçar o seu próprio destino.

Sobre o autor:
Ricardo Gomes nasceu em Lisboa mas viveu a maior parte da vida na outra margem do Tejo. Licenciou-se em Engenharia do Ambiente e os seus interesses não são muito diferentes de outra pessoa na casa dos 30. Viajar com a namorada, filmes, livros, praia, jantaradas com os amigos, ver o Benfica e jogar à bola.

Começou a escrever “Aamir” durante um curso de escrita criativa. Viu-o sentado num banco nos Restauradores a olhar quem passava. Aquele indiano, semelhante a outros que tentaram a sorte em Lisboa, inspirou-o a escrever esta história

.

O regresso de Jojo Moyes com Viver Sem Ti

Título: Viver Sem Ti
Autor: Jojo Moyes
Tradução: Ana Maria Chaves e Márcia Montenegro
Págs.: 408
Capa: mole com badanas
PVP: 17,70 €

A muito esperada continuação de Viver Depois de Ti é publicada dia 19 de setembro

No dia 19 de setembro, chega às livrarias Viver Sem Ti, o novo romance de Jojo Moyes. A muito esperada continuação do bestseller Viver Depois de Ti é o sétimo título da autora a ser publicado pela Porto Editora.
Lou Clark é uma pessoa completamente diferente depois da sua vida se ter cruzado com a de Will Traynor, em Viver Depois de Ti. Após os acontecimentos dramáticos do primeiro livro, Lou tem agora de enfrentar a vida sozinha. Será possível seguir em frente e ser feliz depois de se perder a pessoa amada? Como construir uma vida que valha a pena ser vivida?
Com mais de 7 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, Viver Depois de Ti foi recentemente adaptado ao grande ecrã, tendo estreado nos cinemas portugueses no passado mês de agosto.

Sinopse:
Louisa Clark já não é uma jovem banal a viver uma vida banal. O tempo que passou com Will Traynor transformou-a, sendo agora uma pessoa diferente que tem de enfrentar a vida sem ele. Quando um insólito acidente obriga Lou a regressar a casa dos pais, é impossível não sentir que está de volta ao ponto de partida.
Lou sabe que precisa de um empurrão que a traga de novo à vida. E é assim que acaba por ir parar ao grupo de apoio Seguir em Frente, cujos membros partilham sentimentos, alegrias, frustrações e bolos intragáveis. Serão também eles que a levarão até Sam Fielding - um paramédico que trabalha entre a vida e a morte, e o único homem que talvez seja capaz de a compreender. Mas eis que uma personagem do passado de Will surge de repente e lhe altera todos os planos, lançando-a num futuro muito diferente…. Para Lou Clark, a vida depois de Will Traynor significa reaprender a apaixonar-se, com todos os riscos que isso implica.
Em Viver Sem Ti, Jojo Moyes traz-nos duas famílias, tão reais como a nossa, cujas alegrias e tristezas nos tocarão profundamente ao longo de uma história feita de surpresas.

Sobre a autora:
Jojo Moyes estudou Jornalismo e foi correspondente do jornal The Independent durante 10 anos, até se dedicar a tempo inteiro à escrita criativa. Foi uma das poucas autoras a ganhar por duas vezes o prémio Romantic Novel of the Year, primeiro com Foreign Fruit (2003) e com A Última Carta de Amor (2010). Do catálogo da Porto Editora constam já os romances Silver Bay - A Baía do Desejo, Um Violino na Noite, Retrato de Família, A última carta de amor, Viver Depois de Ti e O Olhar de Sophie.


domingo, 11 de setembro de 2016

Novidade Topseller: O Casamento Escandaloso de Lady Isabella de Jennifer Ashley

Título: O Casamento Escandaloso de Lady Isabella 
Autor: Jennifer Ashley
N.º de Páginas: 320
PVP: 18,79€

Da autora vencedora do prémio RITA para Melhor Romance, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance. Isabella fugiu de um casamento intenso, mas Mac estava decidido a reconquistá-la.
Durante o seu baile de debutante, Lady Isabella, de 18 anos, é «roubada» pelo mal-afamado Lorde Mac Mackenzie e casam nessa mesma noite, escandalizando a sociedade londrina. Depois de três anos de um casamento atribulado, Isabella volta a escandalizar Londres ao separar-se de Mac.
Destruído pela separação, Mac dedica-se apenas à pintura. Mas sem a sua musa, percebe que também o seu talento o abandonou. Quando Isabella vê exposto um quadro do ex-marido, percebe que se trata de uma imitação e que há um falsificador a fazer-se passar pelo famoso Mac Mackenzie. Um mistério que faz Isabella reentrar na vida de Mac.
Quando a sua linda mulher volta a cruzar a porta de casa, Mac percebe que a quer de volta à sua vida e à sua cama e tudo fará para reconquistá-la. Isabella tenta resistir-lhe, mas ao aceitar ser pintada por ele, em poses eróticas, percebe que o desejo entre ambos é uma força imparável que apenas aumentou ao longo dos anos.

Sobre a autora:
Jennifer Ashley é uma autora norte-americana, bestseller do New York Times e do USA Today, que já conta com mais de 80 obras publicadas.
Os seus livros têm recebido vários elogios e prémios, incluindo o Prémio RITA para Melhor Romance, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance, o Prémio Romantic Times Reviewer’s Choice, entre muitos outros.
Os seus livros já venderam mais de cinco milhões de exemplares, tendo sido traduzidos para mais de dez línguas.
Saiba mais sobre a autora em www.jenniferashley.com



VOGAIS: A "guru" dos livros de pintar para adultos está de volta

Já passaram quase dois anos desde o lançamento de Jardim Secreto de Johanna Basford, o livro que dominou os tops de vendas por todo o mundo e que lançou a moda dos livros de pintar para adultos. Dois anos volvidos, pintar faz já parte dos hábitos de muitos portugueses “crescidos” e Johanna Basford continua a ser a autora mais desejada.

Selva Mágica (Vogais l 88 pp l 11,9€) é o mais recente livro de colorir para adultos da artista britânica e já chegou às livrarias. Faça uma pausa. Dê cor às fabulosas imagens de Johanna Basford e deixe-se tocar pelo seu efeito terapêutico.

Sinopse:
Embarque nesta maravilhosa expedição através da selva e descubra o caminho para o deslumbrante mundo da flora e da fauna mais exóticas e desconhecidas, a que ajudará a dar vida, colorindo-as. Entre rãs escondidas na vegetação abundante, aves tropicais ou flores únicas, deixe a sua imaginação correr livremente e usufrua de momentos de pura descontração.

Ao longo desta fabulosa viagem de cor, vai ainda encontrar muitas surpresas escondidas na floresta. Se alguma delas continuar camuflada na vegetação, poderá descobri-la nas soluções do final do livro.

Sobre a autora:
Johanna Basford é ilustradora, licenciada em Têxteis Impressos pelo Duncan of Jordanstone College of Art and Design. Prefere canetas e lápis a píxeis. As suas ilustrações intrincadas e totalmente desenhadas à mão são amadas nas selvas, mares, florestas e jardins de todo o mundo.

Os seus livros anteriores, Jardim Secreto e Floresta Encantada (ed. Edicare), e Sete Mares (ed. Vogais), são os livros de colorir para adultos mais bem-sucedidos em todo o mundo. Saiba mais sobre a autora: johannabasford.com


Novidade Topseller: novo livro da escritora brasileira bestseller - Carina Rissi

Título: Encontrada: À Espera do Felizes para Sempre 
Autor: Carina Rissi
N.º de Páginas: 448
PVP: 17,69€

Depois da publicação de Perdida, a emocionante história de amor de Sofia e Ian continua no século XIX. Descubra todos os pormenores em Encontrada: À Espera do Felizes para Sempre. Sofia está de volta ao século XIX, e mais animada do que nunca para começar a viver o seu final feliz ao lado de Ian Clarke.
No meio da loucura dos preparativos para o casamento, contudo, ela percebe que tornar-se a sra. Clarke não vai ser tão simples quanto imaginava.
As confusões encontram Sofia antes de ela chegar ao altar — e uma tia intrometida que quer atrapalhar o relacionamento de Sofia e Ian é apenas uma delas. Além disso, coisas estranhas acontecem na vila, e Ian parece estar a enfrentar alguns problemas que prefere não partilhar com a noiva.
Decidida, Sofia está disposta a tudo para ajudar o homem que ama. As suas ações, porém, podem pôr tudo a perder, e Sofia descobre que a única pessoa capaz de destruir o seu felizes para sempre… é ela própria.
Encontrada traz-nos de volta o mundo apaixonante de Sofia e Ian, permitindo-nos mergulhar uma vez mais nesta envolvente história de amor.

Sobre a autora:
Carina Rissi é uma leitora apaixonada, lê sempre a última página de um livro antes de o comprar e tem um fascínio inexplicável pelo tema «amores impossíveis». Tem em Jane Austen uma fonte de inspiração.
Nasceu em Ariranha, uma pequena cidade perto de São Paulo, onde vive atualmente com o marido e a filha. Carina Rissi é autora de vários romances, entre os quais a trilogia Perdida, Encontrada e Destinado, êxitos de vendas no Brasil e que a Topseller se orgulha de publicar.



Chega no dia 15 de setembro às livrarias O Mito de Sísifo, um dos ensaios mais lidos de Albert Camus

Título: O Mito de Sísifo
Autor: Albert Camus
Tradução: Urbano Tavares Rodrigues
N.º de Páginas: 136
PVP: 12,20 €
Coleção: Dois Mundos

Chega no dia 15 de setembro às livrarias O Mito de Sísifo, um dos ensaios mais lidos de Albert Camus, publicado pela primeira vez em 1942 e aqui traduzido por Urbano Tavares Rodrigues. Na base deste ensaio encontramos a história de Sísifo, figura da mitologia grega que diariamente carrega uma enorme pedra até ao cimo de uma montanha, com grande esforço e sofrimento físico. Aí chegado, deixa que a pedra se solte das mãos e role pela encosta abaixo. E novamente todo o processo se inicia, repetindo-se por toda a eternidade. Não há castigo mais terrível do que o trabalho inútil e sem esperança, terão pensado os deuses que assim o condenaram.
Refletindo em torno do conceito do absurdo e considerado um dos mais influentes ensaios do século XX, O Mito de Sísifo é uma exposição pungente do pensamento existencialista, peça central na filosofia do absurdo de Albert Camus.

Sobre o autor:
Albert Camus nasceu em Mondovi, na Argélia, a 7 de novembro de 1913. Licenciado em Filosofia, participou na Resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e foi então um dos fundadores do jornal de esquerda Combat. Em 1957 foi consagrado com o Prémio Nobel da Literatura pelo conjunto de uma obra que o afirmou como um dos grandes pensadores do século XX. Dos seus títulos ensaísticos destacam-se O Mito de Sísifo (1942) e O Homem Revoltado (1951); na ficção, são incontornáveis O Estrangeiro (1942), A Peste (1947) e A Queda (1956). A 4 de janeiro de 1960, Camus morreu num acidente de viação perto de Sens. Na sua mala levava inacabado o manuscrito de O Primeiro Homem, texto autobiográfico que viria a ser publicado em 1994.



Uma tarde na Feira do Livro do Porto

Depois de no ano passado não ter ido à Feira do Livro do Porto, decidi visitar novamente o evento.
Primeiro porque tinha esperança de me encontrar com algumas amigas livrólicas (acabei por só ver duas) e depois porque gostava de ver se o evento tinha melhorado desde 2014.
Obviamente que não se pode comparar este nova feira com a que era organizada pela APEL, mas notei que estava bastante melhorada. Apesar de tudo, acho que as bancas, por serem iguais, confundem um pouco os leitores. Não há distinção entre as editoras, o que se por um lado fica mais bonito, por outro deixa-nos um pouco à deriva.
Relativamente ao espaço em si, os Jardins do Palácio são o local indicado para este género de feira. São lindos!

 Com música e animadores vocacionados para entreter as crianças, faz com que este seja uma espaço a visitar por todos.

 O dia ainda serviu para conhecer autores que aprecio




E comprar alguns livros




Naquela Ilha - Ana Simão [Opinião]

Título: Naquela Ilha
Autor: Ana Simão
Editor: Marcador
Páginas: 224

Sinopse: 
Uma ilha onde nada acontece.
Um destino implacável.
Uma jovem apaixonada por um homem mais velho.
Um farol cheio de segredos.
Uma história única.

O que separa um amor do resto do mundo?

«Parece que ainda estou a ouvir aquela voz nova. Fecho os olhos e procuro-a dentro de mim. Consigo escutá-la. Gosto dela. É uma voz rouca de mel, serena e macia. Foi a única voz que ouvi quando regressei a mim. Estava tão perto e as outras tão longe. Não sei quanto tempo estive ausente, mas foi aquela voz que me trouxe à vida. Nunca a vou esquecer. Nem quero. Percebi naquele instante que estava viva e em segurança. E isso foi bom. Não sei quem é. Queria tanto agradecer-lhe: salvou-me a vida. Não sei como o vou encontrar. Já perguntei, mas ninguém sabe.»

A minha opinião: 
Estreei-me com a escrita de Ana Simão com A Menina dos Ossos de Cristal, que conta a história de Inês, uma menina que sofre de Ostogénese Imperfeita (OI), também conhecida como doença dos ossos de vidro. 

Naquela Ilha é a estreia da autora no romance. Tendo as Berlengas como pano de fundo, que infelizmente não conheço, este é um livro que fala de amor, um amor pouco provável, entre uma jovem mulher de vinte e poucos anos e o homem, maduro, que a salvou de morrer afogada. Apesar de não ter visto a cara dele, Giovanna nunca o esqueceu, nem à sua voz, e decide procurar por ele desenfreadamente. Essa procura leva-a à Ilha da Berlenga e ao farol. Lá vivem uma história de amor intensa e única, mas nem tudo são rosas.

A diferença de idades, os habitantes da ilha, que ao imiscuirem-se na vida alheia resulta em mal-entendidos, leva a que o casal tenha alguns desaguisados. 

Gostei do romance entre os dois protagonistas, mas gostei ainda mais da história da ilha, dos seus habitantes, na sua grande maioria idosos e que olham pelo bem-estar da ilha e dos seus vizinhos, quase fazendo dela uma espécie de condomínio fechado. 

A autora repete-se um pouco ao longo da história, e a alternância entre a primeira e a terceira pessoa leva a que, por vezes, o livro fique um pouco confuso. À parte disso, Naquela Ilha é um livro de agradável leitura. 

Capítulos curtos, uma história de amor quase perfeita e uma ilha linda, são os ingredientes que resultam numa boa leitura, leve para ler numa tarde de verão. 



Legado nos Ossos - Dolores Redondo [Opinião]

Título: Legado nos Ossos
Autor:
Dolores Redondo
N.º de Páginas: 504
PVP: 19,95€

Sinopse:
O julgamento do padrasto da jovem Johana Márquez está prestes a começar. A ele assiste uma grávida Amaia Salazar, a inspectora da Policía Foral que há um ano resolveu os crimes do denominado Basajaun, que semearam de terror o vale do Baztán. Amaia também reuniu as provas incriminadoras contra Jasón Medina, que imitando o modus operandi do Basajaun assassinou, violou e mutilou
Johana, a filha adolescente da mulher.
De repente, o juiz anuncia que o julgamento será cancelado: o réu acaba de se suicidar na casa de banho do tribunal. Face à expectativa e à irritação que a notícia provoca entre a assistência, Amaia é chamada pela polícia: o réu deixou um bilhete de suicídio dirigido à inspectora, um bilhete que contém uma mensagem concisa e inquietante: Tarttalo.
Essa única palavra que remete para a personagem fabulosa do imaginário popular basco desvendará uma trama terrífica que envolve a inspectora até culminar num trepidante desfecho.

A minha opinião: 
Segundo livro da trilogia Baztán, O Legado nos Ossos traz de novo a protagonista Amaia Salazar, inspectora de polícia, para resolver mais um caso. Tendo como pano de fundo o vale de Baztán e as suas crenças e mitologias, este é mais um livro misterioso, que agarra o leitor a uma história consistente e intrigante.

Profanações de cadáveres para rituais religiosos proliferam na zona, embora os casos relatados pela comunicação social sejam bem inferiores à realidade. Apelidados de Santeria, pessoas vindas de países como Haiti, República Dominicana, Cuba e algumas regiões de África praticam a profanação e gozam de bastante aceitação entre os europeus.

Um ano desde a investigação do caso Basajun, Amaia passou de inspectora designada para conduzir o caso e é agora chefe de departamento de homicídios. Um suicídio na casa de banho do tribunal, quando o réu iria finalmente ser julgado e um estranho bilhete deixado pelo mesmo com a palavra Tarttalo deixa Amaia intrigada. Isto porque a estranha palavra remete para uma personagem do imaginário popular basco.

Mais uma vez Amaia vê-se enredada numa investigação que junta o real com o profano e vai descobrindo, ao longo da mesma, uma cadeia de suicídios que têm a mesma palavra em comum.
Aliado a isto, a autora explora, e muito bem, a vida da jovem inspectora. A sua família um tanto ou quanto peculiar, uma marido que a apoia a cem por cento e um juiz que a assedia...

"Quando uma pessoa decide que ama tanto uma pessoa que renuncia a todas as outras não fica cega nem se torna invisível, continua a ver e a ser vista. Não há nenhum mérito em ser-se fiel quando o que vemos não nos tenta ou quando ninguém olha para nós. A verdadeira prova apresenta-se quando aparece alguém por quem nos apaixonaríamos se não fôssemos comprometidos, alguém que nos enche as medidas, que nos agrada e nos atrai. Alguém que seria a pessoa perfeita não fosse o caso de já termos escolhido outra pessoa perfeita. E isso é a fidelidade." 

Com todas estas dificuldades, Amaia prova que está à altura do cargo que ocupa e, mais uma vez, é a peça chave para o desvendar de mais uma história misteriosa.

Melhor ainda que o primeiro, Legado nos Ossos foi uma grande surpresa. Melhor dizendo, esta trilogia tem sido uma descoberta surpreendente. Eu, que não aprecio histórias fantásticas, estes ambientes no vale de Baztán, tem sido uma leitura que me conquista a cada página que leio.
Muito, muito bom.


Opinião do primeiro livro da trilogia aqui