sábado, 8 de outubro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

«Cuidado Com o Que Desejas», de Jeffrey Archer, nas livrarias a 14 de outubro

Título: Cuidado Com o Que Desejas
Género: Literatura / Romance
Tradução: Fernanda Oliveira
N.º de páginas: 416
Data de lançamento: 14 de outubro

O quarto volume das Crónicas dos Clifton, da autoria de Jeffrey Archer, um dos autores contemporâneos de maior sucesso
É a 14 de outubro que chega às livrarias o quarto volume das Crónicas dos Clifton, de Jeffrey Archer, com o título: Cuidado Com o Que Desejas. Este é um livro muito aguardado por aqueles que acompanham esta saga absolutamente fascinante, que atravessa várias gerações familiares ao longo de um século de história.
Neste volume, o escritor conta a história da família Clifton entre 1957 e 1964, estando no centro de todo o drama a batalha entre a família Clifton e o seu principal inimigo, o magnata e gangster argentino Don Pedro Martinez. Jeffrey Archer introduz ainda novas personagens neste quarto volume, que prometem agitar as vidas da família.
Simultaneamente a saga de uma família e a saga de um século vivida dos dois lados do Oceano Atlântico, as Crónicas dos Clifton são livros riquíssimos com todos os elementos fundamentais a uma grande obra de ficção: romance, sexo, amores proibidos, intriga política, história do século XX, o mundo das grandes corporações, mas também da arte e da aristocracia. Ingredientes que não passam despercebidos à crítica internacional, que tece os melhores elogios à obra e à escrita de Jeffrey Archer. «Um contador de histórias da estirpe de Alexandre Dumas… um talento inultrapassável», afirma o Washington Post.
Todos os livros da série são nº1 do The New York Times e do Sunday Times.
«Não há melhor contador de histórias vivo.» - Larry King

Sinopse:
Harry Clifton e a sua mulher, Emma, correm para o hospital para saber o destino do filho Sebastian, envolvido num acidente fatal. Mas quem morreu? Sebastian ou o seu melhor amigo Bruno?
Quando Ross Buchanan é obrigado a deixar a presidência da Barrington Shipping Company, Emma Clifton quer tomar o seu lugar. Mas Don Pedro Martinez tem a intenção de lá colocar o major Alex Fisher, um homem que ele manipula e controla, para destruir a empresa da família justamente quando se planeia construir um novo navio de luxo.
Em Londres, a filha adotiva de Harry e Emma ganha uma bolsa de estudo para a conceituada Slade School, onde se irá apaixonar por um colega, Clive Bingham, que a pede em casamento. As duas famílias estão encantadas, até ao momento em que a futura sogra de Jessica recebe a visita de uma velha amiga, Lady Virginia Fenwick, ansiosa por destilar o seu veneno.
E depois, inesperadamente, Cedric Hardcastle, de quem nunca se ouviu falar, passa a ocupar um lugar na direção de Barrington’s. A situação gera um tumulto que ninguém tinha previsto e mudará para sempre a vida de todos os membros das famílias Clifton e Barrington.
A primeira decisão de Hardcastle será escolher se vai apoiar Emma Clifton ou o major Alex Fisher para a presidência. E com essa decisão, tudo mudará.

Sobre o autor:
Jeffrey Archer tem mais de 250 milhões de exemplares vendidos em 97 países e 37 línguas. É autor de 16 romances, seis coleções de contos, três peças de teatro, três volumes do seu diário da prisão e um Evangelho. É o único autor que foi número 1 em ficção (15 vezes), contos (quatro vezes) e não ficção (Os Diários da Prisão). Archer é casado com Dame Mary Archer DBE, têm dois filhos e vivem em Londres e Cambridge.



Novidade Esfera dos Livros: João XXI O Papa Português

Se há vidas excepcionais que merecem ser contadas, esta é uma delas.

Passam em 2016, 740 anos da aclamação de Pedro Hispano ao lugar mais alto da Igreja Católica. Quem era afinal este homem, que ficou conhecido como João XXI?

O historiador Armando Norte percorre a vida de João XXI nas suas três principais facetas: o homem, o intelectual e o pontífice. O seu nome de baptismo, Pedro Julião, convida-nos a olhar para as suas raízes, remetendo para os anos iniciais da sua vida e para o percurso que construiu, desde muito cedo, no interior da Igreja. Já a designação de Pedro Hispano, pela qual ficou conhecido nos meios intelectuais, liga-o de imediato ao cientista, ao académico e à autoridade incontestada que também foi. E, por fim, o seu nome apostólico, João XXI, evoca o seu pontificado e a curta carreira que protagonizou na Cúria Romana enquanto papa.

Uma vida que foi uma trajectória longa e improvável, quando se olha para um indivíduo originário de um reino ultraperiférico – sendo Portugal a periferia de uma periferia, chamada Península Ibérica – que parecia condenado à obscuridade, mas que se tornou papa. Uma obra essencial para resgatar do esquecimento a vida e a obra desta figura ímpar da História de Portugal.

À venda a partir de 7 de outubro.
P.V.P.
18 €



DSC_0877
Sobre o autor:
Armando Norte nasceu em 1974, na Marinha Grande. É doutorado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, na especialidade de História Medieval. A sua tese, dedicada ao tema dos Letrados e Cultura Letrada em Portugal (séculos XII-XIII), foi distinguida com o prémio «A. de Almeida Fernandes em História Medieval», no ano de 2013. É investigador do Centro de História da Universidade de Lisboa e membro da Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais. Tem vários artigos publicados em revistas especializadas, nacionais e internacionais, além de livros editados, individualmente e em colaboração. Nos últimos anos, intensificou a sua presença em eventos científicos, em Portugal e no estrangeiro, os contributos em obras colectivas, a participação em projectos de investigação e a organização de encontros científicos. Os seus principais tópicos de pesquisa são a história da cultura, a história das universidades e a história eclesiástica.





No dia 13 de outubro a Sextante Editora publica Zero K, o novo romance de Don DeLillo

Título: Zero K
Autor: Don DeLillo
Tradutor: Paulo Faria
Págs.: 272
PVP: 17,70 €

No dia 13 de outubro a Sextante Editora publica Zero K, o novo romance de Don DeLillo, «o mais importante escritor vivo da América» (The Observer).
Com uma história passada nos dias de hoje mas colocando questões urgentes sobre o nosso futuro próximo, Zero K é uma ode à humanidade e uma reflexão sobre a fatalidade da morte. Como acontecera com Submundo (Sextante Editora, 2010), Zero K tem sido considerado pela crítica uma obra-prima e o seu romance mais sábio e comovente dos últimos anos: «Um dos mais misteriosos, emocionantes e bem escritos livros da longa carreira de Don DeLillo, inesperadamente tocante […], consola-nos recreando tão bem o mistério e o espanto da vida real… terminei a leitura perplexo e agradecido», escreveu Joshua Ferris, do The New York Times Book Review.
Don DeLillo foi recentemente agraciado pela National Book Foundation pela sua contribuição para as Letras americanas e é um habitual candidato ao Prémio Nobel da Literatura.

Sobre o livro:
«Nascemos sem escolhermos existir. Deveremos ser obrigados a morrer da mesma maneira? Não será uma das glórias humanas a recusa de aceitar um destino marcado?»
O pai de Jeffrey Lockhart, Ross, é um sexagenário bilionário e principal investidor num remoto e secreto laboratório onde a morte é sofisticadamente controlada. Ali, os corpos são cuidadosamente preservados até uma altura futura em que os avanços biomédicos e as novas tecnologias possam trazê-los de volta a uma nova vida.

Quando Jeff é convidado por Ross para visitar esse laboratório, percebe que Artis, a jovem mulher do pai, está gravemente doente e é um dos pacientes cujo corpo será preservado. E enquanto se prepara para a despedida da madrasta, Jeff vê-se progressivamente confrontado com algumas das mais difíceis perguntas que a humanidade se coloca – acerca do legado que deixamos, da nobreza da morte, e do real valor das intricadas perplexidades do nosso tempo, aqui na terra.
O novo romance de Don DeLillo, sedutor, de escrita brilhante e de espetacular capacidade de observação, toma o peso ao lado escuro do mundo – terrorismo, inundações, incêndios, pragas – face à beleza e à humanidade da vida de todos os dias.

Sobre o autor:
Nasceu em Nova Iorque em 1936. É autor de quinze romances, entre os quais Ponto Ómega, O homem em queda, Ruído branco, Libra e Submundo, todos publicados em Portugal pela Sextante. Foi galardoado com numerosos prémios nos Estado Unidos e no estrangeiro: o National Book Award, o PEN/Faulkner Award for Fiction, O Prémio Jerusalém, para a totalidade da sua obra, e a William Dean Howells Medal da Academia Americana de Artes e Letras, para o romance Submundo. Em 2010 recebeu o PEN/Saul Bellow Award de carreira literária. Escreveu também peças de teatro e contos. Foi recentemente galardoado com a National Book Foundation’s Medal for Distinguished Contribution to American Letters.

Imprensa:
Um homem de uma capacidade de perceção assustadora. Joyce Carol Oates
Os deuses deram a DeLillo as antenas de um visionário. Martin Amis
O grande romancista norte-americano. The Guardian
Nenhum escritor foi tão presciente e terrivelmente profético como DeLillo acerca do século XXI. New York Times


VOGAIS: David Bowie pelos olhos do editor da Rolling Stone, Rob Sheffield

«Bowie não representa apenas inovação em nome próprio, ele simboliza a modernidade no rock, enquanto expressão em que a palavra, a arte, a moda, o estilo, a sexualidade e a crítica social são apenas uma.» - Rolling Stone

«Divertido, comovente e perversamente sagaz.» - Billboard

O mundo da música mudou para sempre a 10 de janeiro de 2016. Apenas dois dias depois da edição de Blackstar, o último álbum de David Bowie, a notícia da morte do artista londrino provocou uma perturbadora surpresa entre fãs, admiradores e conhecedores da sua música. Foi quase tão chocante como a sua carreira, feita de experimentalismos sonoros, de ruturas e de um modernismo avassalador.

Em Sobre Bowie (Vogais l 224 pp l 15,98€), Rob Sheffield, crítico e editor da Rolling Stone desde 1997, partilha as suas observações e emoções mais intensas numa viagem pessoal, mas abrangente, pela vida e obra do músico britânico.


O planeta Terra está muito mais sombrio sem David Bowie, a maior estrela de rock que alguma vez passou neste ou em qualquer outro mundo. Ele era o vadio mais excitante, o vagabundo mais esquivo, a estrela mais bela a alguma vez ter gritado «Não estão sozinhos!» a uma plateia repleta dos miúdos mais solitários do mundo. Era o mais humano e o mais alienígena dos artistas de rock, enfrentando sem receio o incomum, comunicando com o freak que existe em qualquer um. Ele fitava-nos, nos olhos ansiosos de adolescente, para que soubéssemos que tínhamos rasgado o vestido e que a nossa cara estava uma miséria, mas que, no entanto, era precisamente por isso que triunfávamos. Independentemente do Bowie que mais adorássemos — o starman glam, o baladeiro elegante, o arquiduque de Berlim —, ele fazia-nos sentir mais corajosos e mais livres, e era por isso que o mundo nos parecia diferente depois de ouvirmos Bowie. A nave espacial deste homem sempre soube qual o caminho a seguir. - Rob Sheffield



Excerto:
Bowie também arranjava alguma publicidade ao liderar uma organização chamada Liga para a Prevenção da Crueldade contra os Homens de Cabelo Comprido. Fez com que fosse falado nos jornais, mas não com que aparecesse nos tops. Depois de o seu cabelo tê-lo afastado do programa pop da BBC Gadzooks! It’s All Happening, conseguiu protagonizar uma polémica suculenta nos tabloides. O produtor estava por dentro da tramoia, claro (mais tarde garantiu que a ideia fora sua), e forneceu à imprensa citações revoltadas, prometendo cancelar a atuação dos Manish Boys a menos que o cantor cortasse as melenas. No Daily Mirror, sob a manchete «Discussão por Causa do Cabelo de Davie», o artista declarava: «Não cortaria o meu cabelo pelo primeiro-ministro, muito menos pela BBC. A minha namorada também não gosta do meu cabelo. Talvez seja porque, quando estamos juntos, eu seja convidado mais vezes do que ela para sair.»


Sobre o autor:
Rob Sheffield é editor da Rolling Stone, onde tem escrito sobre música, televisão e cultura pop desde 1997. Sheffield é igualmente autor dos bestsellers internacionais Love Is a Mix Tape, Talking to Girls About Duran Duran e Turn Around Bright Eyes. Sobre Bowie é o seu livro mais recente. Vive com a mulher em Brooklyn. Saiba mais em: www.robsheffield.com



quinta-feira, 6 de outubro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Do livro para o filme: A Rapariga no Comboio

A oportunidade de ver a antestreia do filme A Rapariga no Comboio surgiu e não podia deixar passar. Depois de convidar uma amiga para me fazer companhia lá fui ver o tão desejado filme, visto ter adorado o livro (podem ver a minha opinião aqui.
Sem grandes expectativas em relação ao filme (normalmente os livros são bem melhores), fiquei surpreendida por este ter sido tão fiel ao livro.
A personagem principal, Rachel, maravilhosamente interpretada por Emily Blunt, surpreendeu-me na medida em que encaixa na perfeição no papel criado por Paula Hawkins. O desespero de Rachel, a decadência e a obsessão dela pela vida perfeita dos que visiona da janela do comboio estão bem retratados por Blunt.
Parado em algumas partes, mas fantástico noutras, foi importante para mim ter ido com uma amiga que não teve oportunidade em ler o livro. Estava sempre a tentar adivinhar quem era o assassino, o que me dava um gostinho especial por saber que não estava nem de perto para a resolução do caso. Obviamente que visionar um filme policial já sabendo quem é o assassino não tem aquele gostinho especial, mas fez-me reparar noutros pormenores que não teria reparado à primeira, caso fosse completamente em branco ao cinema.
Para os amantes do livro, mas também para os amantes de cinema A Rapariga no Comboio é um filme a não perder.

Resultado do passatempo A Espia

Obrigada a todos que participaram no passatempo "A Espia" realizado pelo Marcador de Livros e a Pergaminho.

O feliz contemplado com um exemplar do livro é:
Luís Filipe Martins de Coimbra

Além do seu nome figurar no blogue, o contemplado foi ainda avisado através de email.

Apresentação com Mario Vargas Llosa em Lisboa - 8 de outubro, 18h00, CCB


Novidade Quinta Essência: Louca por Compras espera um bebé de Sophie Kinsella

Título: Louca por Compras espera um bebé
Autor: Sophie Kinsella
N.º de Páginas: 344
PVP: 16,60 €

Lançamento: 11 de Outubro de 2016

Com um estilo ágil e directo, Sophie Kinsella conta já com 25 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Nos seus livros nada é previsível e cada página nos faz rir constantemente. Este livro vem acompanhado de um conto em ebook para download grátis: “Louca por Compras em lua de mel”.

Sobre o livro
Becky Bloom está de regresso… e com uma enorme barriga!

Becky Bloom (agora Brandon) está mais feliz do que nunca. O seu casamento corre muito bem. Luke, o marido, encontra-se prestes a fechar o negócio mais importante da sua carreira, um negócio que irá torná-los milionários. Becky é personal shopper numa loja “chique”, acabada de abrir em Londres e, mais importante, está grávida!

Tudo deve ser perfeito para o nascimento do bebé. A nova família precisa de encontrar um lar adequado, possivelmente com uma cozinha equipada com máquina de sushi, um jardim com churrasco e um closet para os sapatos. E a seguir tem de lidar com todas as possíveis necessidades do futuro bebé Brandon. Mas Becky não desanima. No fundo, as compras ajudam-na a superar os enjoos matinais. E como se não bastasse, para enfrentar da forma mais responsável esta fase delicada de sua vida, a futura mãe não pode deixar de ter a Dr.ª Venetia Carter: é a ginecologista/obstetra das estrelas, a mais popular do momento, e só ela pode segui-la até ao parto com massagem tailandesa e flores de lótus. Becky tem de conseguir consulta a todo o custo. Quando isso finalmente acontece e tudo parece controlado, começam os problemas. Os negócios de Luke estão a correr mal, a loja onde Becky trabalha não consegue ter sucesso e, acima de tudo, a extraordinária Venetia Carter não passa de uma ex-namorada do seu marido... e as coisas complicam-se.

Sobre a autora
Sophie Kinsella tem romances publicados em quarenta países, com um total de 25 milhões de exemplares vendidos. Escreveu 6 livros na série «Louca por Compras»; tem ainda seis romances independentes, como este que agora a Quinta Essência publica. Além disso, as suas histórias são românticas, com protagonistas muito reais, apesar dos seus momentos mais disparatados. Sophie Kinsella é assim. A autora vive em Londres com o marido e a família. Para mais informações, visite o seu site: www.sophiekinsella.co.uk





«Para a Minha Irmã», de Jodi Picoult, nas livrarias dia 14 de outubro

Título: Para a Minha Irmã
Autor: Jodi Picoult
Género: Literatura / Romance
Tradução: Fernanda Oliveira
N.º de páginas: 456
Data de lançamento: 14 de outubro de 2016

Jodi Picoult confronta o leitor com um novo dilema ético e moral:
até onde podemos ir para salvar uma criança?
Jodi Picoult, uma das autoras de romance feminino mais internacionais e populares da atualidade, está de regresso com um novo livro: Para a Minha Irmã. Conhecida pelas suas obras em que as personagens se debatem com difíceis questões éticas e morais, Jodi Picoult aborda neste livro a problemática da genética e das consequências de criar uma vida apenas para prestar assistência médica a outra. Um romance provocador e que questiona os limites da sobrevivência a qualquer custo.
Adaptado com sucesso para o cinema em 2009, mas com um final diferente do livro, o filme tem as atrizes Cameron Diaz e Abigail Breslin nos principais papéis. Para a Minha Irmã está repleto de sentimentos e emoções do princípio ao fim, colocando o leitor perante os desafios e as dúvidas sobre a maneira mais correta de lidar com estes dilemas. Este drama é retratado pela escritora com graciosidade, sensibilidade e sabedoria.
Autora nº1 do The New York Times, Jodi Picoult assina com esta obra mais um best-seller na sua carreira, que a consagra como uma «mestre, quase clarividente, na abordagem de temas fortes e a escrever livros viciantes sobre eles», segundo as palavras do Washington Post.
«Um romance que hipnotiza» – Publishers Weekly –

Sinopse:
Até onde se pode ir para salvar a vida de uma criança?
Anna não está doente, mas até parece estar. Aos treze anos, já fez inúmeras cirurgias e transfusões para que Kate, a sua irmã mais velha, possa combater a leucemia que a afeta desde a infância. Anna foi concebida para ser dadora de medula compatível com Kate, uma vida e um papel que ela nunca questionou...até agora. À semelhança da maior parte dos adolescentes, Anna começa a questionar quem realmente é. Mas, ao contrário da maioria dos adolescentes, sempre foi definida em função da irmã. E é então que Anna toma uma decisão impensável para a maioria das pessoas, uma decisão que faz com que a sua família desmorone e que pode ter consequências fatais para a irmã que ela adora.
Para a Minha Irmã questiona o que significa ser um bom pai ou mãe, uma boa irmã, uma boa pessoa. Será moralmente defensável fazer qualquer coisa para salvar a vida de uma criança, mesmo que isso implique desrespeitar os direitos de outra? Valerá a pena tentar descobrir quem se é de facto, quando essa pergunta nos faz gostarmos menos de nós próprios? Deveremos seguir o nosso coração, ou deixar-nos conduzir por outros?

Sobre o autor:
Jodi Picoult nasceu e cresceu em Long Island. Estudou Inglês e Escrita Criativa na Universidade de Princeton e publicou dois contos na revista Seventeen enquanto ainda era estudante. O seu espírito realista e a necessidade de pagar a renda levaram a autora a ter uma série de empregos diferentes depois de se formar: trabalhou numa corretora e numa editora, foi copywriter numa agência de publicidade e professora de inglês. É uma das autoras mais populares da atualidade. Em 2003 foi galardoada com o New England Bookseller Award for Fiction.


«Diário de um Adolescente na Lisboa de 1910»: Novo livro de Alice Vieira na ESCRITARIA


Premiada autora portuguesa com mais de oito dezenas de títulos publicados, Alice Vieira lança novo livro no âmbito do festival que celebra a sua vida e a sua obra.

Alice Vieira será a escritora homenageada na edição deste ano do Festival Literário ESCRITARIA, que se realiza de 6 a 9 de outubro, em Penafiel. Ao longo de quatro dias será possível descobrir a vida e a obra da consagrada escritora portuguesa de livros infantis e juvenis pelas ruas e em diversos espaços da cidade de Penafiel.

Um dos pontos altos da ESCRITARIA 2016 será o lançamento do novo livro de Alice Vieira, Um Diário de um Adolescente na Lisboa de 1910 (LeYa/Texto), a ter lugar no dia 7 de outubro, pelas 21h30, noMuseu Municipal de Penafiel, com apresentação de Sílvia Alves. Neste seu novo livro, Alice Vieira recria a vida de um jovem lisboeta de 14 anos em 1910. Pai republicano, avó monárquica, criada com namorado da Carbonária e aluno de um dos homens que mataram D. Carlos e D. Luís Filipe, facilmente se compreende a confusão que vai na cabeça de José Joaquim. O seu diário é o registo bem-humorado desses dias de sobressalto que vão culminar no 5 de Outubro de 1910.

Alice Vieira nasceu em 1943 em Lisboa. É licenciada em Germânicas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Em 1958, iniciou a sua colaboração no Diário de Lisboa e a partir de 1969 dedicou-se ao jornalismo profissional. Desde 1979, tem vindo a publicar regularmente livros, tendo editado mais de oito dezenas de títulos. Recebeu em 1979 o Prémio de Literatura Infantil Ano Internacional da Criança com Rosa, Minha Irmã Rosa; em 1983, com Este Rei que Eu Escolhi, o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura Infantil; e, em 1994 o Grande Prémio Gulbenkian, pelo conjunto da sua obra. Foi indicada, por duas vezes, como candidata portuguesa ao Prémio Hans Christian Andersen. Foi igualmente apresentada por duas vezes como candidata ao ALMA (Astrid Lindgren Memorial Award). A edição francesa do seu livro Os Olhos de Ana Marta recebeu, em 2000, o Prix Octogone de Romance Juvenil, e a edição sueca de Flor de Mel recebeu, em 2009, a Estrela de Prata do Prémio Peter Pan. Além de escrever regularmente para a imprensa, é também autora de três livros de poesia, de várias coletâneas de crónicas e de livros de ficção escritos em colaboração.

Entre as múltiplas iniciativas de homenagem à vida e obra de Alice Vieira previstas nesta edição da ESCRITARIA constam conferências e debates, duas exposições (Alice Vieira: Ler = Interpretar + Escrever + Desenhar = Criar, na Biblioteca Municipal de Penafiel; e Olhar Alice Vieira, no Museu Municipal de Penafiel, em colaboração com a Hemeroteca de Lisboa), teatro de rua, arte pública, música, momentos de leitura, uma feira do livro, sessões de autógrafos e iniciativas com as escolas.

A organização da Escritaria é da responsabilidade da Câmara Municipal de Penafiel e da Editorial Novembro. Em edições anteriores a “Escritaria” homenageou outros grandes escritores como Mário Cláudio, Lídia Jorge, Mário de Carvalho, Urbano Tavares Rodrigues, Mia Couto, António Lobo Antunes, José Saramago e Agustina Bessa-Luís.

O programa completo do festival literário de Penafiel encontra-se disponível aqui. Mais informações sobre a Escritaria 2016 em www.facebook.com/Escritaria .

Porto Editora - Richard Zimler assina "O Evangelho segundo Lázaro"

Título: O Evangelho segundo Lázaro
Autor: Richard Zimler
Tradução: Daniela Garcia
Págs.: 456
PVP: 17,70 €

Lázaro, uma das principais figuras da Bíblia, é protagonista do novo romance do autor

A Porto Editora publica a 13 de outubro o novo romance de Richard Zimler, O Evangelho segundo Lázaro. É no Novo Testamento, no Evangelho segundo São João, que é narrado o episódio de ressurreição de Lázaro, um dos mais importantes milagres de Jesus e determinante para os seus inimigos o terem passado a considerar uma ameaça. Aqui, Richard Zimler conta não só essa história como toda a vida de Lázaro e a sua relação de amizade com Jesus, num romance bem documentado que introduz o leitor na tradição mística judaica e na vida quotidiana da época.
A sessão de lançamento deste livro está marcada para dia 19 de outubro, às 18:30, no El Corte Inglés de Lisboa, e a apresentação estará a cargo de Edite Estrela.

Sinopse:
No Novo Testamento, ficamos a saber que Jesus ressuscitou um amigo próximo de nome Lázaro. Contudo, em parte alguma do Evangelho segundo São João - que contém este episódio -, se menciona como é que ele realizou o milagre ou se teria algum motivo especial para o fazer. Em O Evangelho segundo Lázaro, Richard Zimler preenche estas e outras lacunas, narrando a história da perspetiva de Lázaro, descrevendo como ele e Jesus se conheceram em crianças, a transcendência da ligação que os une e o momento em que Lázaro acordou no túmulo, desorientado e sem qualquer memória de uma vida após a morte.
Porém, só trinta anos depois da crucificação do seu velho amigo, Lázaro começa a entender a extensão do papel que sempre ocupou na vida de Jesus e talvez ainda venha a ocupar. É que a derradeira prenda de Jesus a Lázaro - deixada num dos locais malditos de Jerusalém - parece conter a chave que ajudará Lázaro a concretizar os desígnios de uma Terra Prometida. Deverá ele arriscar tudo e levar a cabo os perigosos planos de Jesus?
Com a voz única a que Richard Zimler nos habituou, este romance apaixonante e amplamente documentado, situado no contexto das práticas e tradições judaicas da era antes de Cristo, irá certamente perturbar alguns leitores e tocar profundamente outros.

Sobre o autor
Richard Zimler nasceu em 1956 em Roslyn Heights, um subúrbio de Nova Iorque. Fez um bacharelato em Religião Comparada na Duke University e um mestrado em Jornalismo na Stanford University. Trabalhou como jornalista durante oito anos, principalmente na região de São Francisco. Em 1990 foi viver para o Porto, onde lecionou Jornalismo, primeiro na Escola Superior de Jornalismo e depois na Universidade do Porto. Tem atualmente dupla nacionalidade, americana e portuguesa. Desde 1996, publicou onze romances, uma coletânea de contos e quatro livros para crianças. A sua obra encontra-se traduzida para 23 países.


«Doutor Sono», de Stephen King, nas livrarias a 14 de outubro

Título: Doutor Sono
Autor: Stephen King
Género: Literatura / Terror
Tradução: Ana Lourenço e Maria João Lourenço
N.º de páginas: 584
Data de lançamento: 14 de outubro

A muito aguardada continuação de The Shining, um dos maiores sucessos de Stephen King
«Uma fortíssima sequela de The Shining». É desta forma que o jornal The Observer descreve Doutor Sono, no qual Stephen King recupera um dos seus livros mais célebres, adaptado ao cinema por Stanley Kubrick, e prossegue a história de Danny Torrance, o menino com poderes psíquicos e uma sensibilidade para as forças sobrenaturais no asfixiante e perturbador Hotel Overlook. Danny é agora o adulto Dan e tenta escapar a um passado tortuoso, numa história de regeneração em que o bem e o mal irão medir forças numa guerra épica.
Considerada pela crítica internacional uma das suas melhores obras, Doutor Sono tornou-se, inevitavelmente, nº 1 do The New York Times. Neste livro, premiado com o Bram Stoker Award, Stephen King volta a mostrar o seu talento para conseguir prender o leitor à história. Uma narrativa de leitura compulsiva, que combina magistralmente os elementos pelos quais Stephen King é mais conhecido: crime, terror e cultura pop.
O sucesso desta história abriu já as portas para o cinema, com Akiva Goldsman, vencedor de um Óscar com Uma Mente Brilhante, a ser apontado como o responsável pela adaptação do argumento e Stephen King a assumir as funções de produtor executivo.
«A reserva de vapor criativo do próprio King não dá mostras de escassear.» – The Sunday Times –

Sinopse:
Uma tribo de gente chamada o Nó Verdadeiro viaja à procura de sustento pelas autoestradas da América. Parecem inofensivos e são, sobretudo, velhos. Mas, tal como Dan Torrance bem sabe, e Abra Stone não tarda a descobrir, os membros do Nó Verdadeiro são quase imortais e vivem do «vapor» produzido pelas crianças com o «brilho» quando são lentamente torturadas até à morte.
Assombrado pelos residentes do Hotel Overlook, onde passou um ano horrível da sua infância, Dan anda há décadas à deriva, tentando libertar-se do legado de desespero, alcoolismo e violência deixado pelo seu pai. Por fim, instala-se numa cidade de New Hampshire, numa comunidade de Alcoólicos Anónimos que o apoia e num trabalho num lar, onde o «brilho» que lhe resta oferece um derradeiro conforto aos moribundos. Com o auxílio de um gato presciente, torna-se o «Doutor Sono».
E depois Dan conhece a evanescente Abra Stone, e é o espetacular dom dela, o brilho mais vivo que ele já viu, que dá novo alento aos fantasmas de Dan e o impulsiona para uma guerra épica entre o bem e o mal para salvar Abra e a sua alma.

Sobre o autor:
Stephen King, apelidado por muitos de «mestre do terror», escreveu mais de quarenta livros, incluindo Carrie, A História de Lisey e Cell, Chamada para a Morte. Vencedor do prestigiado National Book Award e nomeado Grande Mestre nos prémios Edgar Allan Poe de 2007, conta hoje com mais de trezentos milhões de exemplares vendidos em cerca de trinta e cinco países. Números e um currículo impressionantes a fazerem jus ao seu estatuto de escritor mais bem pago do mundo.
www.stephenking.com


Novidades Marcador

Título: Concerto em Memória de um anjo
Autor: Eric-Emmanuel Schmitt
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 184
PVP: 17,5€

PRÉMIO GONCOURT

Eric-Emmanuel Schmitt escreve neste livro sobre arrependimento e redenção, acerca do papel do amor e da memória nas nossas vidas, tudo com uma luz e uma compaixão raras e inspiradoras.
Que relação existe entre uma mulher que envenena sucessivamente os seus maridos e um presidente da República apaixonado? Qual a ligação entre um simples e honesto marinheiro e um escroque internacional que vende bugigangas religiosas fabricadas na China?
Por que milagre uma imagem de Santa Rita, padroeira das causas perdidas, assume o papel de guia misteriosa das suas existências? Todas estas personagens tiveram a possibilidade de se redimir, de escolher a luz em vez da sombra. A todas foi um dia oferecida a salvação. Algumas aceitaram-na, outras recusaram-na, outras ainda não souberam reconhecê-la.
Quatro histórias com ligações entre si. Quatro histórias que atravessam o que de mais comum e mais extraordinário existe na nossa vida. Quatro histórias que exploram uma questão: somos livres ou estamos presos a um destino?
Será que podemos mudar?

Sobre o autor:
Nascido em 1960, Eric-Emmanuel Schmitt estudou na École Normale Supérieure de Paris, onde fez um doutoramento em Filosofia. Escritor e dramaturgo, a primeira obra a dar-lhe notoriedade foi a peça de teatro Le Visiteur, que descreve um encontro hipotético entre Freud e Deus. Rapidamente outros sucessos se seguiram: Variations énigmatiques, Le Libertin, Hôtel des deux mondes, Petits crimes conjugaux, Mes Évangiles, La Tectonique des sentiments, Kiki Van Beethoven… Aclamadas tanto pelo público como pela crítica, as suas obras teatrais foram agraciadas com diversos prémios Molière e com o Grand Prix du Théâtre da Academia Francesa. Os seus livros estão traduzidos em mais de 40 línguas e as suas peças foram representadas em mais de 50 países. Embora se mantenha afastado do mundo literário e da política, Eric-Emmanuel Schmitt recebeu numerosos prémios, entre os quais o prémio Goncourt para o conto, precisamente com Concerto em Memória de um Anjo. Reside em Bruxelas desde 2002.



Título: O Homem do Gelo
Autor: Jonh Sandford
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 352
PVP: 18,50€

É inverno nos bosques remotos e escuros do Wisconsin. Mas os arrepios sentidos pelo xerife local nada têm que ver com o frio da estação. A extravagância do crime que tem em mãos é nova para ele: um homem, uma mulher, uma criança, assassinados com um machete; e as cinzas da casa queimada espalham-se sobre o gelo e a neve.
Em desespero, o xerife recorre à ajuda de Lucas Davenport, um agente policial introvertido que tem uma cabana nas redondezas. Davenport aceita o convite com relutância, mas não tardará a ter motivos para lamentar tal decisão. Ao perscrutar as cinzas do caso, emergem outros crimes chocantes. Torna-se claro que o mal anda à solta naqueles bosques, um mal que lhe é estranho mas que está, ao mesmo tempo, mais perto do que ele imagina.
O Homem do Gelo é o inimigo mais determinado que Lucas Davenport alguma vez enfrentou – um serial killer decidido a cobrir com sangue o seu trilho implacável. Neste romance de cortar a respiração, o escritor John Sandford volta a criar um suspense quase insuportável, enquanto aguardamos pelo ataque da faca afiada do Homem do Gelo.

Sobre o autor:
John Sandford nasceu com o nome John Camp em 24 de Fevereiro de 1944, em Cedar Rapids, no Iowa. Frequentou escolas públicas de Cedar Rapids e concluiu o liceu na Washington High School em 1962. Esteve no exército dos EUA entre 1966 e 1968, trabalhou como repórter no Cape Girardeau Southeast Missourian entre 1968 e 1970, e regressou à Universidade do Iowa em 1970–1971, para tirar um mestrado em Jornalismo. Trabalhou como jornalista para o The Miami Herald entre 1971 e 1978, e depois para o St.Paul Pioneer-Press entre 1978 e 1990; em 1980 foi finalista do prémio Pulitzer, que veio a vencer em 1986 com uma série de reportagens sobre a crise agrícola no Midwest estadunidense. Escreve thrillers desde 1990. Também publicou dois livros de não-ficção, um sobre cirurgia plástica e outro sobre arte. É o principal nanciador de um grande projecto de arqueologia no vale do Jordão, em Israel, com sítio na Internet em www.rehov.org. Além da arqueologia, interessa-se muito por arte (pintura) e fotografia. Também caça e pesca.


Título: Uma Mulher Respeitável 
Autor: Célia Correia Loureiro
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 330
PVP: 17,5€

No Portugal das Guerras Liberais e na Irlanda ferida pela cólera, duas mulheres lutam para cumprir os seus sonhos e vingar as suas ofensas
- 1831 -
Pouco depois de se casar, a sorte do conde de Cerveira sofre um revés. Uma série de infortúnios deixam-no à beira da ruína financeira, e não demora muito para que comece a desconfiar dos intentos da estranha de beleza intrigante que desposou. Perante a dúvida, decide enviar Leonor Sanches para um exílio temporário junto do tio, que ensina na prestigiada Trinity College, em Dublim. Conforme a epidemia de cólera vai ceifando as vidas de cristãos e anglicanos na Irlanda, também o coração de Leonor Sanches se oferece à tragédia.
- 1857 -
Cinquenta anos depois de perder o seu bem mais precioso para as tropas de Napoleão, Mariana Turner sente que está a um passo de descobrir toda a verdade sobre os acontecimentos de Março de 1809. Novas revelações apontam para que a condessa de Cerveira, encarcerada no Porto, seja a chave para resolver o mistério. Munida de uma determinação inabalável, tudo fará para conseguir deslindar o passado de Leonor Sanches – fidalga e anjo caído.

Sobre a autora:
CÉLIA CORREIA LOUREIRO nasceu em Almada, em 1989. Licencia-se em Informação Turística pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, mas garante que a sua vocação é a escrita. Aos doze anos lê o seu primeiro romance e, desde aí, não pára de ler nem de escrever. Apaixonada por História, publica em 2014 o seu primeiro romance, A Filha do Barão.


Título: O Mercado de Sonhos de Lisboa
Autor: Gene Coyle
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 340
PVP: 17,50€

Shawn Reilly, oficial da CIA, recruta oficiais de informações estrangeiros para espiarem para os Estados Unidos, e considera que o seu trabalho é como vender sonhos a pessoas que precisam de dinheiro, pretendem ver os seus egos enaltecidos ou desejam vingar-se dos seus chefes ou dos seus governos.
Após passar muitos anos nos lugares mais infernais do Planeta, chega, no crepúsculo da sua carreira, a Lisboa, onde enfrenta um chefe «certinho», um casamento falhado e Boris, o director do serviço de informações russo em Portugal, que, por sua vez, também assentou a sua mira em Reilly. Ao mesmo tempo, os serviços de espionagem líbios tentam atrair para o seu país um especialista em armas químicas da Ásia Central e a agência russa persegue esse cientista. A atraente filha de Boris, que chega de visita a Moscovo, é envolvida nas intrigas, nas quais nem tudo é o que parece ser.
Os vários fios da teia confluem em Lisboa. E é então que, além de desempenhar os deus deveres profissionais, Reilly se vê forçado a enfrentar a questão acerca do que é realmente importante na vida para um espião à beira da reforma – o dever ou o amor? Baseado nas experiências reais do autor neste mundo de sombras, este livro penetra nas mentes dos principais actores para explorar a psicologia da espionagem.

Sobre o autor:
GENE COYLE passou vinte e nove anos como oficial na Direção de Operações da CIA, quase metade dos quais no estrangeiro, infilltrado. Após se tornar um funcionário «aberto» da agência, é agora professor numa importante universidade americana. As suas experiências pessoais em muitos países, bem como o seu conhecimento acerca da forma como as pessoas são realmente recrutadas para se tornarem espiãs, permitem-lhe contar uma história de espionagem ficcional, mas muito realista. Gene Coyle foi agraciado com a Medalha de Mérito da CIA.




Livros do Brasil e Vampiro editam novos livros de William Faulkner e Ellery Queen

Título: O Mistério dos Fósforos Queimados
Autor: Ellery Queen
Tradução: Wilson Velloso
N.º de Páginas: 304
PVP: 7,70 €
Coleção: Vampiro

O sexto título da renovada coleção Vampiro é O Mistério dos Fósforos Queimados, de Ellery Queen, e chega às livrarias a 6 de outubro.
Escrito em 1936, O Mistério dos Fósforos Queimados é uma das mais fascinantes obras de Ellery Queen, assente numa lógica dedutiva espantosamente conduzida, uma história de investigação em que para descobrir o assassino a primeira questão que o escritor-detetive terá de solucionar é quem foi o assassinado.
Um dos admiradores deste livro foi Jorge Luis Borges: «cumpre com os principais requisitos do género policial: apresentação de todos os aspetos do problema, economia de personagens e recursos, primazia do “como” sobre o “quem”, resolução necessária e maravilhosa, mas não sobrenatural.»

Sinopse:
O homem conhecido como Joseph Kent Gimball era uma figura de proa da fulgurante alta-roda nova iorquina que se passeava pelas ruas de Manhattan na companhia da sua elegante mulher. O homem conhecido como Joe Wilson poderia muito bem ser apresentado como o epítome da classe média americana, com a sua casa, esposa, cão e relvado para cortar ao fim de semana num modesto subúrbio de Filadélfia. Tudo indicaria que Gimball e Wilson nunca se viriam a cruzar – não fora o caso de os dois habitarem o mesmo corpo. E um corpo que acabaria por ser encontrado cadáver numa Casa de Recuperação a meio caminho entre as suas duas vidas.

Sobre o autor:
Ellery Queen é o pseudónimo conjunto de Frederic Dannay (de seu verdadeiro nome Daniel Nathan, nascido em 1905 e falecido em 1982, em Nova Iorque) e do seu primo Manfred B. Lee (Manford Lepofsky, também nascido em 1905 e falecido em 1971, naquela mesma cidade). Ambos com experiência em publicidade e leitores ávidos das histórias de Sherlock Holmes, a dupla escreveu o seu primeiro romance, O Mistério do Chapéu Romano, em 1929, apresentando então o detetive Ellery Queen, ele próprio escritor de romances policiais, formado em Harvard, dono de uma genialidade tão grandiosa quanto a sua arrogância. Até 1971, Ellery Queen foi autor e herói de mais de trinta romances, numerosas novelas, peças radiofónicas, filmes e séries de televisão.

Já na coleção Vampiro:
N.º 1: Os Crimes do Bispo, de S.S. Van Dine
N.º 2: Vivenda Calamidade, de Ellery Queen
N.º 3: O Falcão de Malta, de Dashiell Hammett
N.º 4: O Imenso Adeus, de Raymond Chandler
N.º 5: Picada Mortal, de Rex Stout


Título: A Mansão
Autor: William Faulkner
Tradução: Ana Maria Chaves
N.º de Páginas: 456
PVP: 16,60 €

História de ascensão de Flem Snopes e do seu clã no sul dos Estados Unidos do pós-Guerra Civil, a trilogia Snopes foi escrita por William Faulkner, Prémio Nobel da Literatura, ao longo de mais de trinta anos.
A partir de 6 de outubro, ficará pela primeira vez na íntegra ao alcance dos leitores portugueses, com a publicação do seu último volume, A Mansão, que sucede aos romances A Aldeia e A Cidade.
A Mansão, publicado em 1959, é um livro de escrita aguçada, trespassada por um humor mordaz e por um sentido de fatalismo arrepiante. Se nos livros anteriores o protagonista conseguiu alcançar uma vida de sucesso, neste derradeiro capítulo fica latente uma ameaça que pode deitar tudo por terra.

Sinopse:
De pobre jornaleiro rural do Mississípi a presidente do banco de Jefferson residente na mansão, não restam dúvidas de que Flem Snopes foi hábil a galgar a escada social. No entanto, o conforto proporcionado pela sua nova respeitabilidade parece estar a enfraquecer-lhe os talentos demoníacos. Eis então que um outro da sua tribo, Mink, preso há trinta e oito anos, regressa, decidido a vingar-se. A Mansão completa a fabulosa trilogia de William Faulkner em torno dos Snopes, sucedendo aos volumes A Aldeia e A Cidade, e dá conta do fim desta indomável família do pós-Guerra Civil Americana que, ao longo de uma geração, ardilosamente garantiu o domínio de toda a cidade de Jefferson, sede do mítico condado de Yoknapatawpha, no Mississípi, e sobre ela tombou.

Sobre o autor:
William Faulkner nasceu a 25 de setembro de 1897 em New Albany, Mississípi. A decadência do sul dos Estados Unidos da América, onde sempre viveu, está no centro de grande parte dos seus romances, entre os quais se destacam O Som e a Fúria (1929), Luz em Agosto (1932) e Absalão, Absalão! (1936). Distinguido com o Prémio Nobel da Literatura em 1949, recebeu por duas vezes o Prémio Pulitzer de Ficção, com A Fábula (1954) e Os Ratoneiros (1962). Autor central da literatura norte-americana e um dos maiores escritores do século XX, morreu a 6 de julho de 1962.



«História de Um Canalha» é o novo título de Julia Navarro. Nas livrarias a 14 de outubro

Título: História de Um Canalha
Autor: Julia Navarro
Género: Literatura / Romance
Tradução: Àlex Tarrabelas e Rita Custódio
N.º de páginas: 816
Data de lançamento: 14 de outubro

Célebre pelos seus best-sellers de romance histórico, Julia Navarro aventura-se numa história inteiramente contemporânea
História de Um Canalha é o novo título de Julia Navarro, conhecida escritora espanhola célebre pelos seus fortíssimos best-sellers no género romance histórico. Com este novo livro, que tem data de saída prevista para o dia 14 de outubro com o selo da Bertrand Editora, a autora faz uma ousada mudança de tema e estilo, aventurando-se numa história inteiramente contemporânea protagonizada por um homem sem escrúpulos, que dedicou a sua vida às áreas mais sinistras e imorais da publicidade e da assessoria de imagem (a destruição de reputações, a troca de influências e a compra de opiniões). Thomas Spencer é a personagem central deste livro.
Julia Navarro, que trabalhou como jornalista nos principais meios de comunicação espanhóis, tece através deste livro uma crítica feroz aos nossos tempos, à falta de ética na política e no jornalismo.
A sua carreira enquanto escritora pauta-se pelo êxito estrondoso no género que habitualmente publica e apesar desta mudança de registo o seu livro foi muito bem recebido pela crítica e pelos leitores que seguem o seu trabalho. Em entrevista ao jornal El País, a autora explica como se deu esta viragem. «Sei que estou a dar um salto. Porém, não planeei mudar de registo, não foi um processo assim tão sofisticado, mas sim natural. Queria contar uma história e contei-a.»
«História de um Canalha é um romance cheio de coragem. O melhor de Julia Navarro. Um romance em que a complexidade psicológica se alia ao melhor do thriller.» ABC Cultural

Sinopse:
Sou um canalha e não me arrependo de o ser.
Menti, enganei e manipulei à vontade, sem me importar com as consequências.
Destruí sonhos e reputações, traí os que me foram leais, causei dor àqueles que me quiseram ajudar.
Brinquei com as esperanças dos que pensaram que poderiam mudar quem eu sou.
Thomas Spencer sabe como conseguir tudo o que quer. A saúde delicada é o preço que teve de pagar pelo seu estilo de vida, embora não se arrependa. No entanto, desde o seu último episódio cardíaco apoderou-se dele um sentimento estranho e, na solidão do seu luxuoso apartamento em Brooklyn, sucedem-se as noites em que não pode deixar de se perguntar como seria a vida que conscientemente optou por não viver.
A memória dos momentos que o levaram a ter sucesso como consultor de relações-públicas e imagem, entre Londres e Nova Iorque nos anos oitenta e noventa, revela os mecanismos dúbios que os centros de poder por vezes empregam para alcançar os seus fins. Um mundo hostil governado por homens, onde as mulheres resistem a ter um papel secundário.

Sobre a autora:
Julia Navarro nasceu em 1953 e é jornalista há mais de trinta anos, tendo trabalhado nos principais meios de comunicação espanhóis.
É autora de diversos livros de atualidade política, mas foram os romances que a tornaram conhecida internacionalmente. Está publicada em mais de trinta países e conta com mais de três milhões de exemplares dos seus livros vendidos. É detentora de diversos prémios literários, como o Premio QuéLeer, o VIII Premio dos Lectores de Crisol, o Premio Ciudad de Cartagena, o Pluma de Plata de la Feria del Libro de Bilbao, o Protagonistas de Literatura e o Premio Más que Música de los Libros.


«A Seta do Tempo», de Martin Amis - O Holocausto numa cronologia invertida. Destruição e criação tomam o lugar uma da outra

Título: «A Seta do Tempo»
Autor: Martin Amis
Género: Literatura / Romance
Tradução: Jorge Pereirinha Pires
N.º de páginas: 208
Data de lançamento: 7 de outubro
PVP: € 16,60

O Holocausto numa cronologia invertida.
Destruição e criação tomam o lugar uma da outra.

A Seta do Tempo – ou A Natureza da Ofensa, do britânico Martin Amis, chega às livrarias portuguesas na sexta-feira, dia 7 de outubro.
Finalista do Booker Prize de 1991, este romance relata a vida de um médico alemão nazi, responsável por crimes de guerra, numa narrativa de cronologia invertida.
James Wood considera-o «um feito espantoso de perigo e ousadia» e Rose Tremain afirma que é um romance que «torna um leitor velho, aborrecido, incapacitado e destroçado num leitor jovem, ofegante e deslumbrado».
«Amis cria um devastador e específico retrato da mentalidade perversa dos nazis.» The New York Times.
«Uma fonte de luz e um ato de esperança.» Rose Tremain.
«Destruição e criação tomam o lugar uma da outra.» John Mullen, The Guardian.

Sinopse: 
A história começa na América, onde Tod T. Friendly, o protagonista, vive e pratica medicina. Mais tarde, embarcará para Lisboa e daí seguirá para Auschwitz, onde será médico assistente do Tio Pepi, uma personagem inspirada na sinistra figura de Mengele.
Tod estranha o estado do mundo que habita: as pessoas ficam mais jovens (ele inclusive), a seguir ao 2 de outubro vem o 1 de outubro, e até os diálogos começam do fim e se dirigem para o início. A sua consciência – a verdadeira narradora da história – é incapaz de alterar o seu comportamento ou de o fazer compreender as implicações dos seus atos. Tod tem, de facto, dificuldade em compreender tudo o que o rodeia, mas não faz nada para mudar a situação. De vez em quando tem a visão de um homem de bata branca com botas pretas.

Sobre o autor:
Martin Amis nasceu no País de Gales e é filho do escritor Kingsley Amis.
A matéria-prima dos seus romances radica no absurdo da condição pós-moderna e nos excessos do capitalismo tardio das sociedades ocidentais; e o seu inconfundível estilo é compulsivo e terrivelmente vívido.
Saul Bellow, Vladimir Nabokov e James Joyce são as suas grandes referências literárias. Por seu turno, influenciou uma nova geração de romancistas, como Will Self ou Zadie Smith.
Depois de A Zona de Interesse, a Quetzal dá continuidade à publicação das obras de Martin Amis com um outro livro sobre o Holocausto e um dos seus mais emblemáticos romances: A Seta do Tempo.




quarta-feira, 5 de outubro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidades Topseller

Colleen Hoover é uma das autoras preferidas das leitoras portuguesas. Os seus romances são sempre ansiosamente esperados e este novo livro traz-nos a história de um amor capaz de curar e renovar a vida.

Sobre o livro:
O dia 9 de novembro
No último dia de Fallon em Los Angeles, a sua vida cruza-se com a de Ben e os dois apaixonam-se perdidamente. A química que os une é tão forte e incontrolável que, apesar de Fallon estar a caminho de Nova Iorque, os dois prometem encontrar-se novamente.
Os reencontros
Durante cinco anos, sempre no dia 9 de novembro, Fallon e Ben encontram-se para construírem a sua história de amor, entre as várias relações e atribulações das suas vidas separadas. Apesar de só estarem juntos uma vez por ano, os dois envolvem-se cada vez mais e partilham um amor pleno de entrega, paixão e intensidade, capaz de os transformar e de sarar cicatrizes profundas.
Cinco anos depois
Fallon descobre que Ben carregou um enorme segredo durante cinco anos. O choque e a desilusão tomam conta do coração da jovem, devastada com a possibilidade de tudo ter sido uma farsa.
Estarão os dois preparados para aceitar que as histórias de amor nem sempre têm um final feliz? Ou será Fallon capaz de perdoar o homem que ama?
O passado, o presente e o futuro cruzam-se num livro arrebatador e envolvente.

Sobre a autora:
Norte-americana, já atingiu o 1.º lugar no top de vendas do New York Times e comoveu muitas leitoras com os seus doze livros publicados, incluindo Um Caso Perdido, Uma Nova Esperança, Amor Cruel e Confesso, publicados em Portugal pela Topseller.
Os seus livros já foram traduzidos para cerca de 30 línguas. Colleen cresceu numa quinta, no Texas, casou-se aos 20 anos e tirou uma licenciatura em Serviço Social. Trabalhou nos Serviços de Proteção a Crianças, antes de voltar aos estudos para concluir a sua formação em Educação Especial e Nutrição Infantil. Vive com o marido e os três filhos à beira de um lago no Texas.
Saiba mais em: www.colleenhoover.com


Nenhum outro estilista deixou uma marca tão profunda na indústria da moda ou na nossa imaginação popular como Coco Chanel. Esta é a incrível história da menina abandonada que se transformou numa das mulheres mais poderosas do mundo.
Um romance extraordinário e revelador sobre um dos ícones do mundo da moda, que conta como a ambição gerou uma das figuras mais influentes e controversas do século XX.
«A minha vida não me agradava, por isso resolvi criá-la.» Gabrielle Coco Chanel

Sobre Chanel:
Gabrielle Chanel nasce no seio de uma família pobre. Aos 12 anos fica orfã de mãe e é abandonada pelo pai, sendo enviada com as irmãs para um orfanato, onde vive até à adolescência. É aí que Chanel começa a revelar as suas aptidões para a costura, que se transforma no seu sustento quando chega o momento de sair do orfanato.
No entanto, o trabalho de costureira torna-se insuficiente para sobreviver, e Chanel começa a atuar no La Rotonde — café pouco elegante frequentado por homens em busca de entretenimento ilícito —, onde fica conhecida por Coco. Aqui, conhece Étienne Balsan, o homem que lhe abrirá as portas da mais alta sociedade. A riqueza e o luxo, até então desconhecidos de Chanel, serão a chave para a sua criatividade, levando-a a abrir uma loja de chapéus. Aos poucos, Chanel alcança o reconhecimento necessário que lhe permitirá vingar no mundo da moda.
Contudo, a par da fama e do sucesso, Coco Chanel enfrenta inúmeros dissabores que contribuem para traçar o seu destino. E quando Paris é invadida pelos nazis, Chanel é forçada a fazer escolhas difíceis.

Sobre o autor:
C. W. Gortner possui um mestrado em Escrita na especialidade de Estudos Renascentistas, pelo New College of California.
Os seus romances históricos, sempre fruto de um intenso trabalho de pesquisa, têm-lhe granjeado elogios por parte da crítica internacional. Já foram traduzidos para 21 línguas.
De ascendência espanhola, C. W. Gortner vive atualmente na Califórnia.
Saiba mais sobre o autor em www.cwgortner.com

Depois da publicação de O Assassino do Crucifixo, Chris Carter traz-nos um novo livro que promete perturbar até os sonos mais tranquilos…
«Não escolha este livro a menos que tenha tempo livre, porque não vai conseguir parar de o ler. Cinco estrelas!» Crimesquad

Sobre o livro:
Imagine o seu pior medo… e depois conheça o seu pior pesadelo.
Quando a Unidade Especial de Homicídios da Polícia de Los Angeles é enviada a uma pequena igreja da cidade, depara-se com um cenário no mínimo aterrador. O padre foi decapitado, o seu corpo dilacerado, e no seu peito lê-se ainda o número 3 desenhado a sangue.
A violência é impiedosa e nada parece fazer grande sentido neste crime horrendo. Perante este quadro macabro, o detetive Robert Hunter e o seu parceiro acreditam que se trata de um crime ligado a algum ritual religioso. Mas a investigação parece não avançar e as respostas não surgem. E à medida que mais corpos e crimes são revelados, o pavor espalha-se por toda a cidade.
O que une realmente estes crimes, para além do terror e brutalidade de todas as mortes resultarem dos seus maiores medos? Será este o maior desafio de Robert Hunter? E será que não ter respostas é o seu maior pesadelo?

Sobre o autor:
Chris Carter nasceu no Brasil mas cedo se mudou para os Estados Unidos, onde se formou em Psicologia, com especialização em Comportamento Criminal, na Universidade de Michigan.
Foi psicólogo criminal durante vários anos antes de se mudar para Los Angeles e depois para Londres, onde tocou com artistas conhecidos, até que deixou tudo para se tornar escritor a tempo inteiro. Hoje, aplica na escrita a sua experiência de vários anos enquanto psicólogo criminal e já publicou seis volumes da série policial Robert Hunter , todos eles bestsellers internacionais.
Os seus livros já foram traduzidos para 14 línguas e são autênticos êxitos de vendas na Dinamarca e na Alemanha. Neste último país, Chris Carter já vendeu mais de um milhão de exemplares.
Saiba mais sobre o autor em www.chriscarterbooks.com


Uma história apaixonante sobre o vínculo inquebrável de dois irmãos.
Uma lição de vida onde se descobre que o caminho para casa pode ser aquele que menos esperamos.

Sobre o livro:
Um irmão adotado.
Outro deixado para trás.
E o colo de uma família onde nunca esperaríamos encontrá-lo.
Pode o amor de uma criança juntar o que os adultos separaram?
Leon tem nove anos e um irmão bebé chamado Jake. Os dois vão viver com Maureen, mãe de acolhimento, que tem um estranho cabelo vermelho e uma barriga grande como a do Pai Natal. Maureen é uma mulher de garra que consegue conquistar o difícil coração de Leon. Mas pouco depois chega a terrível notícia: apenas a deixarão ficar com o irmão mais velho.
A tristeza de Leon é agora constante e apenas algumas coisas o fazem sorrir, como os chocolates, andar de bicicleta, enterrar as mãos na terra, sair com um amigo que é parecido com o seu pai e, sobretudo, roubar moedas até ter dinheiro suficiente para que um dia possa resgatar Jake e voltar com ele para a mãe.

Sobre a autora:
Kit de Waal nasceu em Birmingham e é filha de um pai caribenho e de uma mãe irlandesa, que também era «mãe de acolhimento».
Trabalhou durante quinze anos em direito penal e familiar, foi conselheira dos Serviços Sociais sobre processos de adoção e acolhimento e escreveu manuais sobre estes temas.
É autora de uma vasta obra literária e vencedora de inúmeros prémios.




Porto Editora publica romance juvenil de Sophie Kinsella: Onde estás, Audrey?

Título: Onde estás, Audrey?
Autora: Sophie Kinsella
Tradução: Paulo M. Morais
Págs.: 272
Capa: mole com badanas
PVP: 15,50 €

No dia 13 de outubro, a Porto Editora publica Onde estás, Audrey?, da britânica Sophie Kinsella, autora do bestseller Louca por compras.
Onde estás, Audrey? é um divertido romance juvenil, incidindo sobre uma problemática muito séria: o bullying nas escolas e as suas sequelas. Não se alongando muito nos episódios traumáticos que condenaram a jovem a um ciclo de fobias que parece não ter fim – Audrey não consegue sair de casa e usa, em todos os momentos, os seus óculos escuros – a narrativa acompanha os meses de terapia que se seguem. Rodeada por uma família aparentemente disfuncional mas muito ternamente disparatada e um amigo especial que a ela se dedica, Audrey redescobre-se. Pelo caminho, encontra o amor e a felicidade.
Esta “aventura terapêutica” de Audrey permite uma reflexão simultaneamente suave e séria sobre aquele que é, muito provavelmente, um dos assuntos mais na ordem do dia no que toca à educação dos jovens. Com Onde estás, Audrey? é oferecido um cartaz motivacional com conselhos anti-bullying, que resulta da leitura e opinião da obra pela AABCJ – Associação Anti-Bullying com Crianças e Jovens.

Sinopse:
Audrey é uma adolescente cheia de vida, igual a tantas outras. Com 14 anos, estuda, discute com os irmãos, sonha muito e confia cegamente nas amigas. Até ao dia em que essa confiança é destruída… Vê-se obrigada a deixar a escola. Sente-se incapaz de sair casa. E esconde-se irreversivelmente atrás de um par de óculos de sol.
Então, conhece Linus, um rapaz de sorriso simpático e comentários divertidos, que parece ser o raio de sol de que Audrey precisava.
E a jovem acaba por descobrir que, mesmo quando pensamos que estamos perdidos, o amor consegue sempre encontrar-nos…

Sobre a autora:
Sophie Kinsella é escritora de romances e foi anteriormente jornalista na área financeira.
O seu primeiro livro, Louca por Compras, foi um bestseller internacional e encontra-se numa adaptação cinematográfica da Walt Disney Motion Pictures, produzida por Jerry Bruckeimer. Kinsella é ainda autora de onze livros e é considerada uma das mais populares autoras de ficção ligeira do momento.
Vive em Londres com a sua família.



Lançamento do livro «História de Um Canalha», de Julia Navarro



Passatempo Meet & Greet Julia Navarro na página da Bertrand