quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Novidades Planeta a partir de hoje nas livrarias

Título: O Teu Aroma a Pêssego
Autor: Megan Maxwell
N.º de Páginas: 464 
PVP: 18,85 €
Nas livrarias a partir de 26 de Outubro

Um romance sexy, cheio de ritmo, que fará com que se apaixone pela história e pelas personagens.
Uma história de amor, na mesma linha de Deixa-te levar, com cenas eróticas, bem ao estilo de Megan Maxwell, que conquistou as leitoras portuguesas com as séries eróticas Pede-me o que quiseres e Adivinha quem sou e ainda Surpreende-me, sendo a autora de romance erótico mais vendida em Portugal, depois de E.L. James.
Amor e sexo para ler sem moderação.
Ana e Nekane gerem um estúdio fotográfico na zona antiga de Madrid.
Um dia deflagra um incêndio no seu edifício e, apesar de estarem habituadas a trabalhar com modelos glamorosos, não podem deixar de se surpreender ante aqueles corajosos machões vestidos de azul que não se preocupam por o seu cabelo se encrespar ou por sujarem as mãos.
Quando a objectiva da máquina fotográfica de Ana se centra em Rodrigo, o seu coração indica-lhe que já nada voltará a ser igual. Ele dá-se conta da maneira apatetada como ela está a olhar para ele e, apesar de não simpatizar com ela, iniciam uma estranha amizade.
Tudo se complica quando Ana descobre que está grávida e Nekane a encoraja a cumprir a sua fantasia sexual com o bombeiro antes que a barriga, as estrias e os enjoos matinais se manifestem e o espantem.
No entanto, uma mentira de Ana aos pais dará origem a um sem-fim de enredos e situações alucinantes que deixarão Rodrigo sem fala.

Sobre a autora
Megan Maxwell é uma reconhecida e prolífica escritora do género romântico. Filha de mãe espanhola e pai americano, publicou vários romances.
Em 2010 ganhou o Premio Internacional Seseña de Novela Romántica; em 2010, 2011 e 2012 recebeu o Premio Dama de Clubromantica.com; e em 2013 o Aura Galardão do Encuentro Yo Leo RA.
Vive numa encantadora aldeia nos arredores de Madrid, na companhia do marido, dos filhos, do cão Drako e do gato Romeo. Encontrará mais informação sobre a autora e a sua obra em www.megan-maxwell.com

Título: A Primeira Pedra
Eu, padre gay, e a minha revolta contra a hipocrisia da Igreja
Autor: Krzysztof Charamsa
N.º de Páginas: 256 
PVP: 16,95€
Nas livrarias a partir de 26 de Outubro

Um testemunho sem precedentes: um alto prelado do Vaticano rompe o silêncio, revelando um rosto inquietante da Igreja.
«Rezava a Deus para que aquele homem verdadeiro nunca mais me deixasse sozinho. Mas como? Na verdade, ele deveria deixar me o mais rapidamente possível, porque eu… era padre. E ele não sabia. [...]
Naquela noite vira Deus que me amava, me abraçava, me aceitava, porque me compreendia. Eu, especialista em Deus e em tudo o que é divino e… homofóbico ao mesmo tempo, vira finalmente Deus. Encontrara um homem, mas vira Deus.
E, felizmente, estava a perder de vista a sua Igreja medíocre.»

Krzysztof Charamsa era Monsenhor e funcionário da Santa Sé (onde tinha substituído o padre Georg Gänswein, que se tornara secretário pessoal do Papa Bento XVI).
Em Outubro do ano passado, assumiu publicamente a sua homossexualidade. Foi suspenso pelo Vaticano, por quebra do voto de celibato.
O caso foi notícia nos principais meios de comunicação em todo o mundo.

Este livro é a sua história, contada na primeira pessoa.
Uma autobiografia honesta e absolutamente invulgar que relata o que é ser homossexual por debaixo de uma batina. Charamsa decidiu denunciar ao mundo a hipocrisia da Igreja Católica, uma instituição que, considera, há séculos utiliza o sexo com a finalidade de impor o seu poder.
O autor debruça-se – com profundo conhecimento – sobre a posição da Igreja Católica sobre o tema ao longo dos últimos anos, apontando incongruências baseadas em factos que ele próprio viveu ou testemunhou.
Charamsa sustenta que mais de metade do clero é homossexual; defende que os evangelhos e a mensagem de Jesus não são homofóbicos; afirma que a homossexualidade é o dom de Deus para os homossexuais, como a heterossexualidade é para os heterossexuais; considera que a Igreja, que diz ser feita de homossexuais reprimidos, tem demonizado a homossexualidade para consolidar o seu próprio poder.
Tudo isto sedimentado na sua experiência pessoal no seio da estrutura da Igreja Católica, onde chegou a membro da Congregação para a Doutrina da Fé.
Num registo íntimo, tocante e incomum, Monsenhor Charamsa fala aberta e pungentemente de um tema tabu para a Igreja, num livro raro e incontornável que não vai deixar ninguém indiferente.

«No fundo, a congregação para a doutrina da fé (ex-santo ofício, exsanta inquisição) é uma espécie de departamento de serviços secretos. Vivi mais de doze anos naquela simpática e caótica sucursal católica do KGB. Hoje creio que deveria ser ilegalizada, tal como ela própria ilegalizou durante séculos os gays e as lésbicas: esta congregação não tem o mínimo direito de interferir na política dos Estados democráticos e deveria ser encerrada. Mas sei que tal não acontecerá.»

Com A Primeira Pedra, Charamsa pretende agitar consciências e criar as bases para uma necessária renovação da Igreja Católica, instituição na qual ainda hoje deseja acreditar.
Uma Igreja que, para continuar a existir como guia espiritual – como escreveu no dia em que se assumiu numa carta ao papa Francisco, publicada na íntegra pela primeira vez neste livro –, deve começar a respeitar cada pessoa na sua orientação sexual, encetando um diálogo profícuo com a ciência. A Igreja Católica do futuro.

«O que era verdadeiramente inacreditável no Santo Ofício era (e é) o ódio contra o papa Francisco, considerado um progressista irresponsável. O meu chefe deplorava aquele povinho que ficava na Praça de São Pedro à espera da audiência, batendo palmas ao novo pontífice. À homofobia juntava se uma curiosa espécie de Francescofobia Aos olhos do santo ofício não bastava sequer que Bergoglio, ainda cardeal, tivesse feito divagações – de mau gosto – sobre o carácter diabólico do amor matrimonial entre homossexuais. Agora aquele diabolismo voltava-se contra ele: agora era ele a representar o perigo infernal.
Agora, para o santo ofício, o demónio parecia vestir-se de branco…»

Sobre o autor
Krzysztof Charamsa nasceu em Gdynia, Polónia, em 1972.
Estudou filosofia, teologia e bioética na Polónia, na Suíça e em Itália, para depois empreender uma importante carreira nos mais elevados níveis da Igreja Católica, como oficial do gabinete mais importante do Vaticano: a Congregação para a Doutrina da Fé, ex-Santo Ofício, ex-Santa Inquisição. Foi segundo secretário da Comissão Teológica Internacional, organismo que reúne oficialmente os teólogos mais influentes da Igreja.
Autor de diversos livros e artigos ensinou teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana e no Pontifício Ateneu Regina Apostolorum de Roma.
Tudo isto até 3 de Outubro de 2015, dia em que assumiu a sua homossexualidade e lhe foram automaticamente retiradas todas as funções.
Hoje vive feliz com o seu companheiro Eduard Planas e dedica-se à defesa dos direitos humanos das mulheres e das pessoas LGBTIQ.



Novo romance de Tiago Rebelo " A Magia do Acaso"

Título: A Magia do Acaso
Autor:
 Tiago Rebelo
N.º de Páginas: 384 
PVP 17,00€

O que acontece quando a magia de um encontro improvável muda radicalmente as vidas de um homem e uma mulher?

Sofia, secretária num escritório de um famoso advogado, casada com André, um bem-sucedido administrador de uma empresa do ramo imobiliário, e eterna sonhadora, sente-se insatisfeita com a confortável vida que leva. Num encontro improvável conhece Bernardo, um fascinante homem de negócios. Apesar do charme inebriante deste e da inesperada atracção que sente não se decide a pôr em causa o seu casamento.

Mas um acontecimento inesperado encarregar-se-á de fazer tremer os pilares da vida monótona que hesita em deixar. Após inúmeros encontros e desencontros, peripécias e reviravoltas, Sofia consegue finalmente fazer uma ruptura total com a vida que levou até aqui, virar a página e entregar-se por completo a Bernardo. Os sonhos e a magia do acaso vencem sempre.

Sobre o autor:
Tiago Rebelo é um escritor que nos faz procurar compreender quem somos através das suas histórias empolgantes e das suas personagens consistentes. Com uma longa carreira de produção literária recheada de êxitos, é um dos autores preferidos do público português, sendo os seus livros uma presença habitual nos lugares cimeiros das principais tabelas de vendas nacionais. A sua obra está disponível em países como Angola, Brasil, Moçambique, Itália, Suíça, Argentina e Roménia.


Como se vive com um nome diabolizado pela História e pela Humanidade? Os filhos dos nazis

Título: Os Filhos dos Nazis
Autor: Tania Crasnianski
N.º de Páginas: 242
PVP: 16,00 €
Não Ficção/História
Nas livrarias a 2 de Novembro
Guerra e Paz Editores

Sinopse
Até 1945, os seus pais eram heróis. Depois da derrota alemã, o mundo passou a chamar-lhes carrascos. Gudrun, Edda, Niklas, entre outros, são filhos de Himmler, Göring, Hess, Frank, Bormann, Höss, Speer e Mengele, apelidos que são sinónimos do terror nazi. Estas crianças alemãs passaram a II Guerra Mundial no meio do luxo, acarinhados por pais afectuosos, que ao fim do dia regressavam a casa após uma jornada de morte. Para eles, o fim do III Reich foi um desastre. Inocentes, tiveram de lidar com os crimes perpetrados pelos pais: uns condenaram--nos, outros continuaram a reverenciá-los. Crianças assombradas por uma herança que não puderam repudiar. Que ligações mantiveram com os seus pais? Como se vive com um nome diabolizado pela História e pela Humanidade? Sentir-se-ão responsáveis pelas atrocidades nazis? Setenta anos depois, quando a memória se começa a perder, este é um documento perturbador, um documento apaixonante, um documento essencial.


Sobre o autor:
Tania Crasnianski. Foi advogada penalista em Paris. Hoje, vive entre a Alemanha, Londres e Nova Iorque. Os Filhos dos Nazis é o seu primeiro livro. De origem russa, francesa e alemã, o seu avô materno foi oficial da Força Aérea Alemã no tempo do nazismo. Sempre se recusou a falar sobre esse período negro. Foi uma das razões para a autora escrever este livro, e assim procurar compreender as implicações presentes deste passado negro.


terça-feira, 25 de outubro de 2016

Momentos Wook

Para aceder à campanha clique aqui

Novidades HarperCollins para novembro

Título: Broken - Destroçada
Autor: Karin Slaughter
Publicação: Novembro 2016
PVP: 17,70 €
Páginas: 464
Tema: romance contemporâneo

Quando o agente especial Will Trent chega ao condado de Grant, depara-se com uma esquadra determinada a proteger as inúmeras questões sem resposta, acerca da morte de um detido. Não percebe por que motivo a detetive Lena Adams lhe oculta segredos; não compreende o seu papel na morte do popular chefe da polícia do condado de Grant; também não entende por que motivo a viúva desse homem, a doutora Sara Linton, precisa dele mais do que nunca, para a ajudar a deslinda esse caso. Enquanto a polícia investiga o homicídio de uma mulher jovem encontrada num lago gelado, Trent investiga a própria polícia, pressionando Adams precisamente quando ela está prestes a ceder. Encurralado entre duas mulheres complexas e determinadas, e tentando compreender a desconfiança passional de Linton por Adams, os factos que rodearam a morte do chefe Tolliver, bem como as complexidades dessa cidade insular, Trent vai encarar um caso pejado de segredos explosivos e deparar-se com uma linha muito ténue que, a ser pisada, poderia ser fatal.

Slaughter reúne pela segunda vez, depois de Génesis, as personagens do condado de Grant e as de Atlanta num thriller excecional. Quando a doutora Sara Linton regressa a casa, ao condado de Grant, na Geórgia, por ocasião das férias de Ação de Graças, deseja evitar a polícia, nomeadamente a detetive Lena Adams, a quem atribui a responsabilidade pela morte do marido, o chefe da polícia, Jeffrey Tolliver.
Porém, quando a estudante universitária, Allison Spooner, é encontrada morta num lago e Tommy Braham, um rapaz da terra, é detido pelo homicídio, não sem relutância, Sara concorda em ir vê-lo. A investigação rapidamente se descontrola após a morte de Tommy enquanto estava sob custódia policial. Sara contacta o Bureau de Investigação da Geórgia e o agente especial, Will Trent, vem de Atlanta para conduzir a investigação, sendo recebido com desconfiança pela polícia local.
Will terá de avaliar a vingança pessoal de Sara contra a detetive Adams e os factos do caso, cujo grau de complexidade aumenta, à medida que vai desenterrando os segredos daquele pequeno condado. Slaughter consegue manter um elevado nível de tensão emocional ao longo de todo o livro. Publishers Weekly

Com um ritmo intenso e fascinante, Broken é Karin Slaughter no seu melhor. Eis uma inesquecível história com emoções fortes, premissas perigosas, o intrincado e mortal jogo da traição, e a determinação de um homem em expor as mais dolorosas verdades do ser humano, por mais ocultas que sejam... Por mais devastadoras que possam ser.

Os best-sellers internacionais de KARIN SLAUGHTER são notáveis, tanto pelos vívidos retratos de vidas tingidas pela perda e pela mágoa, como pelas dramáticas investigações policiais. O seu último livro traz-nos o regresso das suas personagens mais irresistíveis e apresenta-nos outras memoráveis num relato de corrupção, homicídio e confronto, que deixará mais de uma vida... Destroçada. www.karinslaughter.com

Título: A Cada Respiração
Autor: Maya Banks
Publicação: Novembro 2016
PVP: 17,70 €
Páginas: 304
Tema: romance contemporâneo

Eliza Cummings libertou-se de um monstro que a aterrorizava quando era uma adolescente inocente e ajudou a pô-lo atrás das grades para sempre. Ninguém, nem mesmo as pessoas mais próximas, conhece os seus segredos mais sombrios. Aceitou um emprego na Devereaux Security Services e dedicou todo o seu tempo a combater o que quase a destruiu. Mas, agora, o assassino arranjou uma forma de ser libertado e é apenas uma questão de tempo até a encontrar. A única coisa que pode fazer é afastar o monstro das pessoas que ama.

Wade Sterling viveu sempre segundo as suas próprias regras e nunca deixou que alguém se aproximasse o suficiente para ver o homem que se esconde por trás da máscara impenetrável, mas há uma mulher que ameaça o seu controlo férreo. Pôs-se à frente de uma bala destinada a Eliza, mas não foi a bala que lhe atingiu o coração, foi a coragem de uma mulher que antepõe a sua vida à dos outros. Quando Wade vê que está assustada, sabe que algo está muito mal, pois Eliza não teme nada. Assim, quando Eliza tenta acabar com aquele monstro, os seus instintos mais básicos vêm à superfície. Talvez ela não saiba, mas pertence-lhe. Desta vez, não será Eliza a protetora, mas a protegida. E enquanto ele respirar, ninguém magoará a mulher que ama.

MAYA BANKS AUTORA BEST-SELLER do USA Today e do NEW YORK TIMES OFERECE-NOS OUTRA HISTÓRIA PASSIONAL, DE UMA MULHER FORTE E BRILHANTE, QUE ENCONTRA O ÚNICO HOMEM QUE A FAZ PERDER O CONTROLO.

«As suas personagens são uma prova da força do espírito humano e do poder que o amor tem de curar até mesmo as feridas mais profundas.» Linda Howard, autora best-seller do New York Times

M AYA B A N K S é uma autora norte-americana com presença habitual, durante semanas consecutivas, nas listas de best-sellers do New York Times e do USA Today.
Já escreveu mais de cinquenta livros, de géneros como o romance erótico, de suspense e contemporâneo, e também conquistou leitores com a sua ardente série de romances históricos escoceses. Maya Banks vive em Buna, no Texas. www.mayabanks.com



Richard Zimler no Porto de Encontro

No próximo dia 29 de outubro, às 17:00, o auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett recebe o romancista Richard Zimler para a 49.ª sessão do Porto de Encontro.
A conversa é também o pretexto para a apresentação de Evangelho segundo Lázaro, o mais recente livro do autor.
Publicado no dia 13 de outubro, o novo livro de Richard Zimler narra aquele que é um dos mais determinantes momentos do Novo Testamento – a ressurreição de Lázaro – e introduz o leitor na tradição mística judaica e na vida quotidiana da época, contando a relação de amizade que Jesus e Lázaro terão mantido, bem como toda a vida desta última figura.
Este Porto de Encontro conta ainda com uma participação muito especial de Valter Hugo Mãe, que protagoniza as habituais leituras, e de Hélder Pacheco, que se junta à conversa entre Sérgio Almeida e Richard Zimler.
Promovido pela Porto Editora desde 2011, este ciclo de conversas reuniu quase 15.000 espectadores em 48 edições realizadas em diversos espaços da cidade, como a Casa da Música, o Teatro Rivoli, a Casa das Artes ou o Teatro Nacional São João.
Esta 49.ª edição do Porto de Encontro conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto, do Jornal de Notícias, da Antena 1, das Livrarias Bertrand e da Arcádia.
Esta iniciativa está a ser divulgada no sítio do Porto de Encontro em www.portoeditora.pt/portodeencontro e também em www.facebook.com/portodeencontro.



"Todos Iguais, Poucos Diferentes" é o primeiro livro de Morais de Carvalho

Durante o dia de hoje já teve tempo para parar e respirar? Já teve tempo para se sentar num banco de jardim? A nossa vida é cada vez mais longa, mas o nosso tempo é cada vez mais curto... É isso que a personagem principal da obra “Todos Iguais, Poucos Diferentes” constata todos os dias. Sem nome, porque ele representa todos aqueles que são diferentes, este homem de quarenta e alguns anos foi diagnosticado com uma doença mental durante a sua adolescência, e desde então procura passar despercebido nesta sociedade cada vez mais seletiva. Fechado no seu apartamento ou sentado no seu banco de jardim, ele observa a vida dos outros, a vida de todos nós.
Ao olhar para o mundo, sem que o mundo olhe para ele, esta personagem cativa o leitor ao contar na primeira pessoa a opinião do que vê acontecer à sua volta, levando a que nós façamos uma crítica à nossa própria vida, interrogando-nos se realmente vivemos, ou se só existimos. O seu pilar que lhe transmite equilíbrio é a Dona Maria, uma vizinha já idosa que o aceita como um filho, após a sua própria família o ter abandonado. O destino leva-o a vigiar o quotidiano desta outra mulher que o fascina e a sua relação não amorosa, mas fatídica, acaba por transformar a vida deste homem. Alienado da realidade que passa à sua volta, ele faz-nos ponderar a cada parágrafo se será ele o louco, ou apenas a única pessoa sã a viver num mundo de loucos. Mais do que contar a sua estória, este louco faz-nos iniciar uma análise crítica à nossa própria existência.

Sobre a autora:
(Diana) Morais de Carvalho nasceu em Moimenta da Beira, estando a viver atualmente na ilha de Malta. O gosto por viajar já a levou não só a atravessar a América pela velha Route 66, como também até à Fronteira da Faixa de Gaza e à Palestina. Escrever sempre foi algo natural, e naturalmente surgiu esta sua primeira obra “Todos Iguais, Poucos Diferentes”.


Lançamento de «A Sebenta do Tempo», de Mário Augusto