sábado, 31 de dezembro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

A preparar o ano



 Ano novo anotações novas.
Sempre gostei de livros e blocos de apontamentos. À medida que vou lendo ou comprando livros gosto sempre de anotar tudo em cadernos, agendas, ou blocos de notas. 2017 vai ser bem recheado destas anotações com o habitual Diário de Leituras da Bertrand que já me acompanha desde 2014. Adoro!
O bloco de notas que faz lembrar legos é onde vou colocando anotações, citações das leituras que vou fazendo.
Este ano a minha agenda é de Fernando Pessoa. Logo que a vi apaixonei-me e fiquei ainda mais encantada com o seu interior.
Por fim tenho O Livro das Coisas Boas que, como o nome indica, é mesmo um livro das nossas coisas, que nos acompanha e onde vamos registando tudo o que nos acontece de bom ao longo do ano.









A estante está mais cheia #47

Dezembro é o mês típico para receber muitos presentes, mas livros nunca calham no meu sapatinho. Estes que recebi ou foram ofertas das editoras parceiras ou então foram prendas dadas por mim a mim :)
Mesmo assim estas aquisições são livros que quero muito, muito ler.
Da Penguim Random House chegaram os livros Pókemon - O guia oficial e definitivo e A História Secreta de Twin  Peaks de Mark Frost. O primeiro foi logo folheado pela mais pequena da casa, que adorou descobrir todos os Pókemons presentes no livro.
Vaticanum e O Pavilhão Púrpura, ambos de José Rodrigues dos Santos, foram oferta da Gradiva. Estavam na minha wishlist desde que saíram. Vaticanum é mais uma história com Tomás Noronha e o Pavilhão Púrpura é o segundo livro da trilogia que começou com As Flores de Lótus.
A Criança de Fogo de S. K. Tremayne, O Assassino do Crucifixo de Chris Carter, O Labirinto dos Espíritos de Carlos Ruiz Záfon e Confia em Mim de Lesley Pearse fui comprando ao longo do mês. Eram livros que, inevitavelmente teriam de vir para a minha estante. Os dois primeiros por influencia dos livros que li anteriormente dos autores e os dois últimos porque sou fã da escrita de Záfon e Pearse.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Toda a verdade sobre Fátima, no ano do centenário das aparições

Títula: Fátima – Milagre, Ilusão ou Fraude?
Autor: Len Port
N.º de Páginas: 256
PVP: 16,00 €
Não Ficção/Religião
Nas livrarias a 4 de Janeiro
Guerra e Paz Editores | Clube do Livro SIC

Sinopse
O LIVRO QUE CONTA TODA A VERDADE SOBRE FÁTIMA

Tudo o que sempre quis saber sobre Fátima está reunido neste livro intenso e polémico, destinado a informar e provocar mentes abertas e curiosas. Sem tabus, Len Port, jornalista irlandês residente em Portugal, foi à procura de respostas para as questões que o inquietavam, reunindo dados e opiniões de pessoas envolvidas na história e de especialistas que se debruçaram sobre o seu estudo.

Como é que os relatos sobre visitas sagradas de três crianças iletradas, nascidas numa terra perdida no Centro de Portugal, foram aceites pela Igreja e alcançaram uma dimensão internacional ao ponto de transformar Fátima no terceiro local de peregrinação cristã mais visitado no mundo?

No centenário das aparições, o fascínio místico de Fátima parece mais forte do que nunca, e nem um céptico como o autor deste livro conseguiu ficar indiferente ao fenómeno. Len Port confessa, no final da investigação, o seu fascínio pelo mistério com que se deparou e pela emocionante experiência de fé que testemunhou em Fátima.

Sobre o autor:
Len Port. Nasceu e cresceu na Irlanda do Norte. Trabalhou no departamento de Paleontologia do Museu de História Natural, em Londres, e como zoologista na Austrália.

Durante a sua longa carreira de jornalista, viveu em Hong-Kong e na África do Sul, entre outros países, tendo colaborado com algumas das maiores agências de informação do mundo.

Reside há vários anos em Portugal, no Algarve, a partir de onde continua a escrever artigos para jornais e revistas. É autor de contos infantis e guias turísticos.


Guerra e Paz assinala 150 anos de «As Pupilas do Senhor Reitor», de Júlio Dinis

Título: As Pupilas do Senhor Reitor
Autor: Júlio Dinis
N.º de Páginas: 368
PVP: 13,50 €
Ficção/Literatura Portuguesa
Nas livrarias a 4 de Janeiro
Guerra e Paz Editores

Sinopse
Um dos romances mais conhecidos da literatura portuguesa. Daniel, um jovem médico petulante, regressa à aldeia onde nasceu, depois de se ter formado. Margarida, amiga de infância, ali se manteve, ansiando pelo seu regresso. Mas Daniel já não é o mesmo. Esqueceu-se da vida passada. Urbanizou-se. Haverá um reencontro?
Este é um romance de um certo Portugal, um Portugal talvez mítico, mas sem dúvida eterno. Todos sonhamos com este país: está em nós. Cantam-se cantigas à desgarrada, fazem-se desfolhadas e encontra-se o milho-rei. Vive-se numa aldeia onde todos se conhecem e todos conhecem a vida de todos. Temos padres bondosos, médicos diligentes e vizinhas de língua viperina. Há uma história de amor, aliás duas, há gente (ligeiramente) matreira, há conflito e espingardas. Mas no fim tudo se resolve com um brinde e um sorriso.
É bucólico, é inocente, é admirável. Leia-o!

INCLUI AS MAIS DE 70 AGUARELAS DO PINTOR ROQUE GAMEIRO

Sobre o autor:
Júlio Dinis. Joaquim Guilherme Gomes Coelho, verdadeiro nome de Júlio Dinis, nasceu no Porto, em 14 de Novembro de 1839. Era filho de um cirurgião, José Joaquim Gomes Coelho, e de Constança Potter, que morreu cedo, deixando-o órfão aos seis anos.
Em 1861, termina o curso de medicina na Escola Médico-Cirúrgica do Porto. Nessa época, já sofria de tuberculose, o que o levou a sair do Porto, começando a escrever. Inicia a actividade literária em 1862, publicando breves narrativas no Jornal do Porto. Torna-se professor de medicina na escola onde se formou em 1865.
Morreu em 1871, aos 31 anos, vítima de tuberculose. Publicou quatro romances: As Pupilas do Senhor Reitor (1866), Uma Família Inglesa (1867), A Morgadinha dos Canaviais (1868), e Os Fidalgos da Casa Mourisca (1871).


Resultado do livro A Célula Adormecida de Nuno Nepomuceno

Obrigada a todos que participaram no passatempo "A Célula Adormecida" realizado pelo Marcador de Livros e o autor Nuno Nepomuceno.

A feliz contemplada com um exemplar do livro e um lápis do filme Trolls é:
Daniela Castro de Amarante

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

O Homem Ausente, o terceiro volume da série Sebastian Bérgman, chega às livrarias no dia 4 de janeiro

Título:O Homem Ausente (nas livrarias a 4 de Janeiro)
Autores: HJORTH & ROSENFELDT
Suma de Letras
N.º de Páginas: 592
PVP: 21,90€

O Homem Ausente é mais um brilhante caso da série Sebastian Bergman, cuja personagem principal é uma criação brilhante, não exibindo nenhuma das características redentoras que esperávamos, nem mesmo do investigador nórdico mais deprimido; (…). Este é um romance complexo e convincente que convida comparações com a trilogia “Millennium”, de Stieg Larsson.» in Sunday Times, Reino Unido

Sobre o livro:
Na ladeira das montanhas de Jämtland, na Suécia, seis corpos são encontrados. Mais precisamente, seis esqueletos. Dois deles de crianças. Os corpos foram enterrados há muito tempo. Para Sebastian Bergman, que viaja para o local do crime com o resto da equipa do Departamento de Investigação Criminal, estes factos só tornam ainda mais complexa a investigação sobre quem são, quem os matou e porquê.
No início, Sebastian vê o caso como uma oportunidade de escapar da ex-namorada e passar algum tempo com a filha, Vanja. Uma oportunidade para tentar construir uma relação com ela antes que seja tarde demais.
Mas rapidamente descobre que está mais envolvido no caso do que gostaria de estar.

Sobre os autores:
MICHAEL HJORTH nasceu em 1963 em Visby. Sempre amou filmes e livros e hoje é um dos guionistas e produtores mais talentosos da Escandinávia. É um dos fundadores da produtora de sucesso Tre Vänner, responsável pela primeira comédia de grande sucesso da Suécia assim como por alguns dos guiões dos filmes da série Wallander, de Henning Mankell.

HANS ROSENFELDT nasceu em 1964 em Borås. Trabalhou como tratador de leões-marinhos, motorista, professor e actor até 1992, quando começou a escrever para a televisão. Escreveu guiões para mais de 20 séries e já foiapresentador de programas de rádio e televisão. É o criador da série sueca de maior sucesso - a premiada série policial Bron (“The Bridge”), reproduzida em mais de 170 países e com remakes nos EUA, com o mesmo nome, e em França (“The Tunnel”).





segunda-feira, 26 de dezembro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

"Geringonça”, “campeão” e “brexit” lideram votação da PALAVRA DO ANO® 2016

Desde o início do mês, mais de 20.000 portugueses contribuíram com o seu voto para eleger a PALAVRA DO ANO® 2016 através do site www.palavradoano.pt.
A PALAVRA DO ANO® 2016 será conhecida numa cerimónia a realizar-se no próximo dia 4 de janeiro de 2017, às 10:30, na Biblioteca Municipal José Saramago, em Loures.
Entretanto, os portugueses podem votar até ao último dia do ano através do site www.palavradoano.pt. Neste momento, a eleição é liderada pelas palavras “geringonça”, “campeão” e “brexit”, seguidas por “presidente”, “racismo”, “turismo”, “empoderamento”, “humanista”, “parentalidade” e “microcefalia”.
A lista de palavras candidatas a PALAVRA DO ANO® é produto do trabalho permanente de observação e acompanhamento da realidade da língua portuguesa levado a cabo pela Porto Editora, através da análise de frequência e distribuição de uso das palavras e do relevo que elas alcançam, tanto nos meios de comunicação e redes sociais como no registo de consultas online e mobile dos dicionários da Porto Editora, tendo em consideração também as sugestões dos portugueses através do site www.palavradoano.pt.
A PALAVRA DO ANO® é uma iniciativa com a marca registada da Porto Editora e tem como principal objetivo sublinhar a riqueza lexical e o dinamismo criativo da língua portuguesa, património vivo e precioso de todos os que nela se expressam, acentuando, assim, a importância das palavras e dos seus significados na produção individual e social dos sentidos com que vamos interpretando e construindo a própria vida.