segunda-feira, 29 de maio de 2017

FEIRA DO LIVRO DE LISBOA: PAULA HAWKINS, nome maior do evento, no renovado Espaço da 20|20 Editora


Doze pavilhões, três palcos e muitas atrações.
A participação da 20|20 Editora na 87.ª edição da Feira do Livro de Lisboa não é diferente. Nos 12 pavilhões os leitores irão encontrar uma oferta variada de livros, com edições cuidadas e preços apelativos. E entre 1 e 18 de junho, nos dias úteis, feriados ou fins de semana, os visitantes irão conhecer e conviver com autores, assistir a conversas inesperadas com figuras conhecidas do panorama literário português, aprender com diversos workshops e descobrir novos sabores participando nos showcookings.

Os visitantes de palmo e meio também terão a sua feira e as suas atividades, com leituras animadas por autores reconhecidos, a boa disposição das mascotes e muitos brindes surpresa. Segue, em anexo, o PRESS RELEASE e AGENDA de eventos.



PAULA HAWKINS: 10 E 11 DE JUNHO



Os dias que antecedem a Feira do Livro de Lisboa são sempre de expetativa, sobretudo no que respeita à presença de autores nacionais e internacionais. E se há autores que se repetem ano após ano, outros há cuja agitada agenda internacional os impede de vir a Lisboa.

Mas quando um autor do Top 10 mundial responde afirmativamente a um convite para estar na FLL isso é… uma satisfação enorme para a editora e um acontecimento. Paula Hawkins é, sem dúvida, o nome maior da 87.ª Feira do Livro de Lisboa. Presença desejada pelos leitores portugueses desde o lançamento de A Rapariga no Comboio, a autora britânica estará no Espaço da 20l20 Editora nos dias10 (15h00-18h00) e 11 de junho (14h30-16h00). Com 20 milhões de livros vendidos, Paula Hawkins lançou em maio o seu segundo thriller, Escrito na Água, que entrou diretamente para o 1.º lugar do Top de vendas em todo o mundo.

Para além de Paula Hawkins, muitos outros autores, com obras de referência publicadas nas cinco chancelas do Grupo 20|20 Editora, vão marcar presença na FLL: Paulo Moura, António Marujo, Nuno Tiago Pinto, Maria João Viana, Cristina Leal, Filipa Veiga (dará uma aula de Yoga ao vivo), Paula Raposo Esteves, Maria da Luz Rodrigues, Marisa Valadas, Carina Barbosa, João Magalhães, Paula Beirão Valente, Nelson Nunes, Maria João Fialho Gouveia, Sofia Rito, Sofia Loureiro, Juliana de’Carli, Magda Roma, Ana. R. Bravo, Maria Antónia Peças, Susava Alves e Carolina Santo. 


NOITES ELSINORE

Será certamente o maior prazer depois de ler um livro: trocar algumas ideias sobre o assunto, partilhá-lo com um amigo e cruzar opiniões. É justamente com esse objetivo que a 20|20 Editora promove, na edição deste ano da Feira do Livro de Lisboa, as Noites Elsinore, um espaço de encontro entre leitores e autores. Tertúlias à moda antiga, com conversa solta e inesperada, todos os dias da semana, entre as 21 e as 22 horas. Doze convidados para outros tantos livros editados pela Elsinore, do romance à poesia e do ensaio à investigação jornalística.

Os livros da Elsinore estarão em destaque, claro, mas também o percurso de vida e literário de cada convidado. Dulce Maria Cardoso, Frederico Pedreira, João Reis, João Valente, Luís Alegre, Nelson Nunes, Nuno Galopim, Patrícia Reis, Paulo Moura, Pedro Vieira, Raquel Gaspar Silva e Raquel Ribeiro vão partilhar a sua relação com a Feira do Livro de Lisboa, as primeiras memórias ou as mais divertidas, e falar sobre o livro que estão a escrever ou que acabaram de publicar. Temas divididos pelas duas partes da tertúlia, a primeira dedicada ao convidado, a segunda ao livro da Elsinore. Desta forma, os visitantes da Feira poderão ficar a conhecer a dupla dimensão dos nossos convidados. A de escritor, com obra publicada e projetos em curso. E a de leitor, com os seus hábitos e preferências.

As Noites Elsinore, que têm moderação de Ricardo Duarte, serão gravadas ao vivo para posterior divulgação nas redes sociais. Em formato podcast, estes encontros ganham nova vida na Internet. As conversas, no entanto, não são fechadas. Também estarão abertas à participação do público, que assim terá oportunidade de colocar as suas questões e juntar-se à conversa.

Vencedor do Man Booker Prize e uma das traduções mais aguardadas do ano, O Vendido, de Paul Beatty, é o mote para a primeira sessão, logo a 1 de junho, dia de abertura da Feira do Livro de Lisboa. As restantes conversas percorrem alguns dos pontos fortes do catálogo da Elsinore, nomeadamente as obras de Svetlana Alexievich, Prémio Nobel da Literatura, e a celebrada autobiografia de Bruce Springsteen.

Ao prazer de passear na Feira, dos serões quentes e do brilho dos Jacarandás em flor, acresce o inigualável gosto de partilhar um grande livro. À noite, com a Elsinore.

A FEIRA DE PALMO E MEIO
Mascotes, magia, música, workshops, leituras animadas e muitos autores para conhecer e conversar, vão fazer do Espaço da 20|20 Editora o preferido dos mais pequenos de 1 a 18 de junho. José Jorge Letria, José Fanha, Margarida Fonseca Santos, Mafalda Milhões, Paulo Galindro, Nuno Caravela, Dr. Manuel Mendes da Silva, Rita Castanheira Alves, Maria Francisca Macedo, Ilan Brenman (Brasileiro), Kathy, Lara Xavier, Susana Amorim, Rute Agulhas e Raquel Costa vão passar no Espaço para proporcionar muita animação. Afinal, a Feira do Livro também é dos miúdos!


Ter uma Irmã É... Para celebrar o Dia dos Irmãos, 31 de maio

Título: Ter Uma Irmã É
N.º de Páginas: 40
PVP: 11,99€

Sobre o Livro:
Lara Xavier nasceu em Angola, morou na Holanda e vive atualmente em Portugal. Iniciou- se na escrita com o livro Gosto deles Porque Sim (ed. Texto, 2007) e desde então tem publicado livros em várias editoras. Recebeu o prémio Fundação António Quadros pelo livro Nunca Digas Nunca (ed. Texto, 2013).
Atualmente divide o seu trabalho entre a escrita, a edição e o design gráfico. A sua capacidade para perceber e expressar os sentimentos das crianças faz com que as suas histórias sejam lidas com agrado tanto por miúdos como por graúdos.
Paulo Galindro nasceu em 1970. Cresceu menino-pintor em cima de um lençol de papel, ao som das máquinas de impressão da gráfica onde o seu pai António trabalhava. O cheiro das tintas e a imensa brancura do papel despertaram-lhe as vocações de arquiteto, sonhador, artista e astronauta. É autor de diversos livros ilustrados, feitos em parceria com alguns dos mais importantes escritores nacionais e internacionais, como Luís Sepúlveda, António Mota, David Machado, entre outros. Viu a sua obra premiada por diversas vezes. Juntamente com Natalina Cóias criou o coletivo de ilustração Pintarriscos.

Sobre os autores:
A relação entre irmãos às vezes não é tranquila, mas é sempre única e especial.
Era uma vez o João, um rapaz que queria ter um jardim zoológico, mas que não sabia muito bem se teria jeito para tratar de tantos animais diferentes.
Um dia, o João teve uma irmã e achou que era a coisa mais fácil do mundo. Com o passar do tempo, percebeu que ter uma irmã é um desafio tão grande como o de ser dono de um jardim zoológico!



«O Ministério da Felicidade Suprema» - O tão aguardado segundo romance da autora de «O Deus das Pequenas Coisas» chega a 6 de junho

O Ministério da Felicidade Suprema, o tão aguardado segundo romance da autora de O Deus das Pequenas Coisas, chega às livrarias a 6 de junho, em lançamento mundial.

Vinte anos após o enorme sucesso de O Deus das Pequenas Coisas, vencedor do Booker Prize, surge o tão aguardado segundo romance deArundhati Roy. O Ministério da Felicidade Suprema será publicado pela ASA/LeYa a 6 de junho, em lançamento mundial simultâneo com as edições de língua inglesa.

O regresso de Arundhati Roy à ficção, após duas décadas de interregno, tem sido destacado pela imprensa internacional como o acontecimento literário do ano. O Ministério da Felicidade Suprema é um dos mais aguardados romances da história recente da literatura, estando já a ser traduzido para 29 línguas.

O Ministério da Felicidade Suprema é uma viagem íntima pelo subcontinente indiano, desde os bairros superlotados da Velha Deli e os centros comerciais reluzentes da nova metrópole às montanhas e os vales de Caxemira, com um elenco glorioso de personagens inesquecíveis, apanhadas pela maré da História, todas elas em busca de um porto seguro. Contada num sussurro, num grito, com lágrimas e gargalhadas, é uma história de amor e ao mesmo tempo uma provocação. Os seus heróis, presentes e defuntos, humanos e animais, são almas que o mundo quebrou e que o amor curou.

Os primeiros ecos da crítica internacional ao novo romance de Arundhati Roy têm sido unânimes ao elogiarem a escrita profundamente literária da autora, o que já lhe valeu comparações com Gabriel García Márquez e Salman Rushdie.

Para a Booklist, “O segundo romance de Arundhati Roy é a sua segunda obra-prima. A escritora junta-se a Charles Dickens, Gabriel García Márquez e Salman Rushdie ao contar histórias com tanta magia e humanidade.” E segundo a Kirkus Review “O novo romance de Arundhati Roy lembra Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez, uma história que, como esta, começa e acaba com a morte. Mas há outros ecos, que incluem uma subtil piscadela de olho a Salman Rushdie, na medida em que ambos constroem universos em que os personagens atravessam barreiras étnicas, religiosas e de género, em busca da felicidade suprema mencionada no título.”

Nascida em 1959, na Índia, Arundhati Roy escreveu o seu primeiro romance em 1997. O Deus das Pequenas Coisas fez dela a primeira escritora de nacionalidade indiana a receber o Booker Prize e transformou-se num clássico da literatura moderna, num dos livros mais amados e aclamados da atualidade e num dos mais mediáticos de sempre. O romance foi traduzido para 42 línguas e vendeu mais de oito milhões de exemplares em todo o mundo. Só em Portugal, vendeu oitenta mil exemplares.

Seguiu-se um interregno durante o qual a escritora escreveu várias obras de não ficção, incluindo os ensaios O Fim da Imaginação e Pelo Bem Comum, e dedicou-se ao activismo contra a globalização, a proliferação de armas nucleares e a industrialização, tendo sido distinguida com diversos galardões, com destaque para o Woman of Peace, nos Global Exchange Human Rights Awards em 2003, e o Sydney Peace Prize em 2004. Atualmente vive em Deli.




Juva Batella estará em Portugal para apresentar A Língua de Fora

O autor brasileiro Juva Batella estará em Lisboa de 16 de Junho a 2 de Julho, para apresentar o romance juvenil A Língua de Fora.

LínguaFora Kfrente 150dpi
Título: A Língua de Fora (nas livrarias a 21 de Junho)
Autor: Juva Batella
Nuvem de Tinta
N.º de Páginas: 360 Páginas
PVP: 15,90€

Um Verbo ditador, uma Língua Portuguesa prisioneira e um herói apaixonado — uma guerra pela liberdade da palavra travada nos bosques da ficção.

Sobre o livro:
Era uma vez, num reino longínquo, um rei tirano, uma princesa prisioneira e um jovem revolucionário.

Se sempre tiveste alguma dificuldade em perceber o quem é quem da gramática portuguesa e distinguir o Eufemismo da Metáfora não é assim tão óbvio, depois de leres A Língua de Fora tudo te parecerá, pleonástica e metaforicamente, claro como água.

Esta fábula sobre a formação e evolução da língua portuguesa prende-nos à leitura desde a primeira página pela insuperável originalidade bom humor da narrativa, mas, mais do que isso, mostra-nos a importância da resistência à opressão, o valor de todas as formas de liberdade e a força imensa da união.

Sobre o autor:
Juva Batella nasceu em 1970, falou a primeira palavra em 1972, escreveu o primeiro caderno de caligrafia em 1976 e aprendeu a andar de bicicleta em 1980. Depois cresceu a sério e estudou. Fez um Doutoramento no Rio de Janeiro e um Pós-Doutoramento em Lisboa. Publicou vários livros no Brasil e, em 2009, publicou em Portugal, o seu romance O verso da língua. A língua de fora foi selecionado para o PNBE 2013 (Programa Nacional Biblioteca da Escola). Morou em Portugal por nove anos e voltou a morar no Brasil, onde trabalha na Rede Globo.




Comunidade, de Ann Patchett: Um caso de Família

Comunidade é a obra mais recente da norte-americana Ann Patchett, um bestseller do New York Times que acaba de chegar às livrarias portuguesas através da Minotauro, uma chancela do Grupo Almedina. Descrita pela Publisher’s Weekly como “um retrato familiar divertido, triste e, em última análise, devastador”, a obra, escrita com humor, humanidade e compreensão das pessoas em situações difíceis, conta-nos a história poderosa de duas famílias unidas através da beleza e separadas pela tragédia.

Acaba de chegar a Portugal o novo livro de Ann Patchett – Comunidade –, um fabuloso e inesquecível romance que conta a história de duas famílias, unidas através da beleza e separadas pela tragédia.

Tudo começa quando um dos convidados de um batizado – Bert Cousins – aparece com uma garrafa de gin. O gin conduz a uma tarde maravilhosamente desconcertante, um padre dançarino e um beijo adúltero à mistura. Este acontecimento dá origem ao divórcio e à união de duas famílias com seis crianças, que passam a sua infância entre o sul da Califórnia e Virgínia, firmando também um destino que se concretizará sete anos depois.

Passados 24 anos, Franny Keating – a criança batizada – envolve-se com um autor desconhecido, Leon Posen, e fala-lhe da família, perdendo o controlo sobre as suas histórias. A infância dos irmãos torna-se o ponto de partida para um livro bestseller, forçando-os a encarar os sentimentos de perda e culpa, mas também a forte ligação que os une

Contrabalançando humor e sofrimento, Comunidade é uma história sobre família, traição e os laços profundos do amor e da responsabilidade que nos ligam.

“A serenidade e a beleza da escrita de Ann Patchett são de cortar a respiração… A mestria que reflete na linguagem só encontra igual na sua capacidade narrativa”, referiu o The Times depois de ler a obra, sobre a qual o Financial Timesescreve “um dos grandes talentos de Patchett é conseguir captar, a cada momento, a psicologia das suas personagens – as mudanças mentais e emocionais mais subtis”.

Escrito de uma forma única, generosa, destemida e sábia, de acordo com o The New York Times, este romance acaba de chegar às livrarias portuguesas pela Minotauro, uma chancela do Grupo Almedina, com o pvp de 19,90€. Foi considerado Bestseller pela Amazon e pelo New York Times, e foi um dos nomeados para o prémio Goodreads Choice Award na categoria de Ficção (2016).





Sobre a autora

Ann Patchett nasceu em Los Angeles em 1963 e cresceu em Nashville. Em 1990, fez uma residência na Fine Arts Work Center, em Provincetown, e escreveu o seu primeiro livro, que foi destacado como um dos melhores do ano pelo New York Times. Ao longo da sua carreira recebeu o Janet Heidinger Kafka Prize, o Orange Prize, o PEN/Faulkner Award, o Chicago Tribune’s Heartland Prize, o Harold D. Vursell Memorial Award da Academia Ameri cana das Artes e Letras e o Alex Award da American Library Association. Foi finalista do National Book Critics Circle Award e do Los Angeles Times Book Prize.

Sobre a Minotauro

A Minotauro é uma chancela do Grupo Almedina que embarca agora numa nova aventura nas áreas da Ficção e Não Ficção para adultos e para o público infantojuvenil. Os livros desta nova era da Minotauro têm como missão conquistar um novo universo de leitores e guiá-los nos labirintos da leitura. Mais informações em: http://www.grupoalmedina.net/.

Amanhã, momentos wook


Planeta na Feira do Livro de Lisboa

SESSÕES DE AUTÓGRAFOS

3 Junho
16h
NURB
Livro editado: Se Vir um Ovni …Peço-lhe Boleia

17h
Patrícia Jarimba
Livros editados: A Magia do Oráculo Cigano; A Magia do Oráculo dos Anjos

18h
Celso Filipe
Livros editados: O Poder Angolano em Portugal; Escrevam a dizer quem foi ao meu funeral;
O que faria eu se estivesse no meu lugar

Cesário Borga
Livros editados: O Agente da Catalunha; O Movimento dos Capitães e o 25 de Abril; Ethel- Amanhã em Lisboa

Miguel Real
Livros editados: Introdução à cultura portuguesa; Traços Fundamentas da Cultura Portuguesa

4 Junho – 16h
António Mateus (18h)
Livros editados: Mandela – O Rebelde Exemplar»; «Angola – O Regresso do Fim do Mundo»

10 Junho
16h
Cristina Carvalho
Livros editados: Casa das Auroras; Marginal; Quatro Cantos do Mundo; O Olhar e a Alma; Rebeldia

16h
Alice Brito
Livro editado: As Mulheres da Fonte Nova; O dia em que Estaline encontrou Picasso na biblioteca

Claudia Clemente
Livro editado: A Casa Azul

Pedro Almeida Vieira
Livros editados: Crime e Castigo no País dos Brandos Costumes; Crime e castigo – o Povo não é Sereno; Nove Mil Passos

18.40h
Weza Silva – Show Cooking (até às 19.10h)
Livro editado: Emagrecer como a Weza

11 Junho
16h
Sérgio Luís de Carvalho
Livros editados: Nas Bocas do Mundo; o Destino do Capitão Blanc; O Caminho dos Reis de Portugal; O Caminho dos Presidentes da República; A Minha Primeira História de Portugal; O Rei Embevedado de Amor; Os Descobridores do Mundo; Dicionário de Insultos; Equívocos, Enganos e Falsificações da História de Portugal; Hostória de Portugal em 40 Objetos

Frederico Duarte Carvalho
Livros editados: Camarate – Sá Carneiro e as Armas para o Irão; O Terceiro Bispo; Governo Bilderberg

Gonçalo Pereira Rosa
Livro editado: O Inspector da Pide que morreu duas vezes

17h
Inês David Bastos e Raquel Lito
Livro editado: Carlos Alexandre- O Juiz

13 Junho – 16h
NURB

15 Junho – 16h
Weza Silva
Livro editado: Emagrecer como a Weza

17 Junho – 16h
Celso Filipe / Cristina Carvalho

18 Junho – 15h
Rita Costa Macedo – Show Cooking
Livro editado: A Dieta Prática


A Presença na Feira do Livro de Lisboa



Planeta: Novidades Junho

Ficção

Título: Rebeldia
Autor: Cristina Carvalho
N.º de Páginas: 120
PVP: 14,90 €
Nas livrarias a partir de 7 de Junho

Cristina Carvalho está de regresso e escreve no seu território narrativo de eleição: a história de uma mulher forte e rebelde que luta pela própria liberdade.

O novo romance desta autora, depois de ter sido galardoada com o Prémio para Melhor Livro de Ficção Narrativa da SPA, 2016, com O Olhar e a Alma – Romance de Modigliani.

Mais uma vez, Cristina Carvalho cria uma personagem feminina de uma força única e original na literatura portuguesa contemporânea.
Uma história que poderia ser banal, da vida de uma mulher que luta desde a adolescência contra aquilo que lhe é imposto socialmente, transformada por Cristina Carvalho num romance poderoso e inesquecível em torno dos limites da violência e da liberdade.

Leninha conta-nos a sua história.
Uma mulher nascida na província que se rebela desde que tem memória contra tudo aquilo que lhe é imposto: a família, a estreiteza dos espaços e das vidinhas pequeno-burguesas, as pequeninas e grandes hipocrisias que mascaram com perfume barato a pocilga em que, afinal, todos chafurdam.
Leninha respira fundo no chiqueiro dos porcos, mas atabafa no quotidiano mascarado de normalidade. E conta-nos a sua história, sem complacência nem piedade.
Era nestes momentos que o cheiro das pocilgas me vinha à memória com tal intensidade que chegava a sentir uma espécie de felicidade. De repente, regressei onde nasci e cresci. O Luís Filipe dançava, agora, num palco improvisado mesmo à frente do meu rosto, e imaginei-me com ele, a subir e a descer as escadas lá da pensão, essas escadas que levavam ao piso por cima da sala de refeições onde o meu quarto se encontrava. Imaginei as caras dos hóspedes, alguns que me conheciam desde a infância, alguns dos que me davam conselhos e me abençoavam quando partiam e me faziam muitas recomendações e beijocavam a mãezinha e apertavam as mãos do paizinho e me esfregavam o alto da cabeça, emaranhando-me os cabelos numa prolongada festa. O que é que eu posso fazer se nasci assim, rebelde? E isto sou eu agora a falar, agora que já se passaram tantos anos.

Sobre a autora
Cristina Carvalho nasceu em Lisboa a 10 de Novembro de 1949. Durante a sua actividade profissional, contactou com milhares de pessoas e visitou inúmeros países, sendo a Escandinávia e o Oeste português as regiões que mais ama e que mais influência exercem sobre o seu imaginário e a sua personalidade enquanto transitório ser humano do sexo feminino, habitante do planeta Terra e, por acaso, escritora.
Não por acaso, nesta sua actividade a que não chama profissional é já autora de vários livros, e outros seguirão. Até à data, tem publicados: Até já não é Adeus (1989 e 2017); Momentos Misericordiosos (1992); Ana de Londres (1996); Estranhos Casos de Amor (2003); O Gato de Uppsala (2009); Nocturno: o Romance de Chopin (2009) e Lusco-Fusco (2012), (os três últimos seleccionados para o Plano Nacional de Leitura); Tarde Fantástica (2011); A Casa das Auroras (2011); Rómulo de Carvalho/António Gedeão – Príncipe Perfeito (2012), Marginal, 2013, Quatro Cantos do Mundo, (2014), O Olhar e a Alma, Romance de Modigliani (2015), As Fabulosas Histórias da Tapada de Mafra, (2016).

Título: Ruído Branco
Autor: Ana Carolina
N.º de Páginas: 144
PVP: 12,95 €
Nas livrarias a partir de 7 de Junho

A estreia na literatura da cantora Ana Carolina, uma das maiores figuras da música popular brasileira actual.

Um livro desassombrado de poemas, pensamentos, textos poéticos e pinturas da autora, de cariz autobiográfico, que olha o leitor nos olhos para lhe dizer: «O homem que há em mim se apaixonou perdidamente pela mulher que sou.»

Ana Carolina, uma das vozes mais poderosas e populares da música brasileira, com 17 anos de carreira, mais de 5 milhões de discos vendidos, prémios e nomeações para os Grammy, é uma artista de múltiplos talentos.
Compositora, arranjadora musical, pintora, estreia-se, com Ruído Branco, como poeta. Num livro que espelha toda a diversidade do seu universo, onde brilha em diversos matizes a sua passionalidade lírica, como lhe chama o escritor Fabrício Carpinejar, os fãs de Ana Carolina, e agora os seus leitores, encontrarão a inconfundível marca da mulher e da artista que Ana Carolina é: forte e corajosa, grave e livre, sem concessões a moralismos de fachada e assumindo-se de verdade em tudo o que faz, como faz.
Uma estreia na poesia saudada por José Luís Peixoto, que assina um belíssimo prefácio à edição portuguesa, e por Fabrício Carpinejar, outro destacado escritor, da nova geração brasileira, que assina o prefácio da edição original.

No indizível, o tudo e o nada são feitos do mesmo absoluto.
Igualmente completos e indivisos, misturam-se. Assim, o ruído branco é o silêncio.
"Tantos nomes que não há para dizer o silêncio", escreveu Herberto Helder. Tenho este verso às voltas na cabeça há anos. Ana Carolina conhece bem o indizível, o silêncio, o ruído branco.
Esta é a minha maneira de lhe chamar poeta. José Luís Peixoto, do Prefácio à edição portuguesa

Eis Ruído Branco. Eis Ana Carolina. Por inteiro.
A cantora virá uma vez mais a Portugal para concertos em Lisboa e Porto, coincidindo com a altura do lançamento do livro – 12 de Junho, na Fnac do Chiado.
Com uma postura de frontalidade característica, Ana Carolina expõe a sua sexualidade, como os seus sentimentos, num livro a que ninguém ficará indiferente.

«O livro revela uma poetisa aguda, cortante, em profunda sintonia com a alma humana. […] A obra é muito mais do que um exercício de vaidade e proporciona a descoberta de uma escritora voraz, sensitiva e tão talentosa quanto a cantora que nós já conhecíamos.» Reinaldo Glioche in IG, 6-01-

Título: O Amor que nos une - As Guerreiras Maxwell – 2
Autor: Megan Maxwell

Segundo livro da nova série ambientada nas Highlands, da popular autora de romance sensual.

Esta nova série tem como protagonistas mulheres com um intrépido espírito guerreiro, que perseguem os seus ideais e conjuga o romance histórico com o erotismo.
Um novo género literário, diferente daquele a que a autora já nos habituou, que a catapultou para os tops nacionais, com mais de 50.000 exemplares vendidos, tendo conquistado uma legião de fãs portuguesas com as suas séries eróticas.
Esta nova série, que conjuga o romance histórico com erotismo, possui personagens bem construídas e uma intensa história de amor que fará as delícias das leitoras mais românticas.

A história, tal como no livro anterior, é passada na Inglaterra do século XIV.
Gillian é conhecida entre os membros do seu clã, como a Desafiadora. Apaixonada por Niall desde a infância, viveram uma linda história de amor que acabou quando ele partiu para a guerra sem se despedir dela. Gillian jurou que jamais o perdoaria. Niall, no entanto, é tão teimoso e orgulhoso como a amada. Agora que regressou, voltam a encontrar-se, mas nenhum está disposto a dar o braço a torcer.
Mas a vida é caprichosa e a paixão começa a apoderar-se outra vez deles. Serão capazes de resistir?
O próximo livro da série será publicado em Setembro.

Sobre a autora
É uma reconhecida e prolífica escritora do género romântico. Filha de mãe espanhola e pai americano, já publicou vários romances. Em 2010 ganhou o Prémio Internacional Seseña de Novela Romántica, e em 2010 e 2012 recebeu o Premio Dama de Clubromantica.com e em 2013 o Aura Galardão do Encuentro Yo Leo RA.
Vive numa encantadora aldeia nos arredores de Madrid, na companhia do marido, dos filhos, dos cães Drako e Pluty e das gatas Julieta, Coe e Peggy Sue.
Encontrará mais informação sobre a autora e a sua obra em
www.megan-maxwell.com

Título: O Milésimo Andar
Autor: Katharine McGee
N.º de Páginas: 384 
PVP: 17,95 €
Nas livrarias a partir de 7 de Junho

Um livro que lhe vai causar tonturas e ficar ansioso por mais!
O primeiro romance de uma trilogia recheada de segredos, escândalos e traições numa Nova Iorque como nunca a viu.
Uma torre de mil andares.
A visão brilhante de um futuro onde tudo é possível se assim o desejarmos.
Bem-vindos a Manhattan, no ano de 2118.
Uma narrativa diferente em que a autora nos consegue manter agarrados ao livro num caleidoscópio de emoções, palavras, silêncios, segredos, amigos e família onde nada é o que parece.
Este romance feminino é uma história de amor entre ricos e pobres, onde as fraquezas e desejos humanos estão descritos ao longo do livro e onde o objectivo é fazer-nos pensar sobre o que desejamos.
O livro é passado em Nova Iorque, num futuro próximo daqui a cem anos, e a maior parte de Manhattan tornou-se um gigantesco arranha-céus de mil andares. Quanto mais elevado é o estrato social mais alto se vive.
Os capítulos são curtos e narrados do ponto de vista de cada personagem.
Embora se passe no futuro não deve ser de forma alguma confundido com um livro distópico, não há ditadores nem castas, ou batalhas até a morte. É o nosso mundo, e as pessoas continuam a passar pelas mesmas coisas: solidão, desejo, o desgosto e o amor.
Direitos vendidos para 29 países.
Os direitos de adaptação para filme já foram comprados pela ABC
Nova Iorque, cidade de sonhos e inovação daqui a cem anos. Todos querem qualquer coisa… e todos têm algo a perder.
O exterior impecável de Leda Cole esconde um vício secreto por uma droga que nunca devia ter experimentado e por um rapaz em quem nunca devia ter tocado.
A vida bela e descuidada de Eris Dodd-Radson desmorona-se quando uma traição lhe destrói a família.
O trabalho de Rylin Myers num dos andares mais altos mergulha-a num mundo e num romance inimaginável.
Watt Bakradi é um génio da informática com um segredo. O rapaz sabe tudo sobre todos, mas quando é contratado para espiar uma rapariga dos andares superiores, vê-se apanhado numa complicada rede de mentiras.
E a viver acima de todos, no milésimo andar, está Avery Fuller, uma rapariga geneticamente perfeita que parece ter tudo mas que vive atormentada pela única coisa que nunca poderá ter.
No meio de um progresso espantoso e de um luxo de alta tecnologia, cinco adolescentes tentam encontrar o seu lugar no topo do mundo, mas quanto mais se sobe, maior é a queda...

Sobre a autora
Katharine McGee nasceu em Houston no Texas. Estudou Literatura Inglesa e Francesa na Universidade de Princeton e um MBA pela Universidade de Stanford. Foi quando viveu em Nova Iorque, a trabalhar como editora de dia e a escrever à noite, que começou um manuscrito sobre a vida num arranha-céu futurista.
Thousandth Floor é o seu primeiro romance.

Não Ficção
Título: CARLOS ALEXANDRE
O JUÍZ
Autor: Inês David Bastos e Raquel Lito
N.º de Páginas: 368 + 8 páginas extratextos
PVP: 19,95 €
Nas livrarias a partir de 7 de Junho

A primeira e única biografia de um juiz determinado e determinante nos casos mais mediáticos da justiça portuguesa.
Contém histórias e fotos inéditas e exclusivas.
Este livro descreve as maneiras de pensar, agir e decidir de um magistrado que Portugal inteiro conhece como «superjuiz», pelo seu arrojo em desafiar os mais poderosos e por ter na mão os maiores e mais mediáticos processos da justiça portuguesa dos últimos anos.
Não será certamente um herói, mas um homem, falível, que é imperativo conhecer. Das sessões de acupunctura aos convívios em Mação, da forretice à bricolage, das ameaças que já sofreu à contemplação das estrelas: eis o juiz sem medo na intimidade.
Resultado de uma investigação exaustiva das autoras, ambas jornalistas, dezenas de conversas com amigos próximos, consulta de processos e entrevistas a elementos da classe jurídica críticos da sua actuação, aqui está o retrato do meticuloso juiz que tanto se esmera na elaboração dos seus despachos como pode ser visto no imaculado gabinete onde os redige de pano do pó na mão.
Além de José Sócrates e Ricardo Salgado, Carlos Alexandre já constituiu arguidos altos membros da elite política e económica do país, como os ex-ministros Armando Vara e Dias Loureiro, o antigo banqueiro Oliveira e Costa, o antigo administrador da PT Zeinal Bava, o ex-autarca Isaltino Morais e o então director do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Jarmela Palos.
Operação Marquês, Furacão, Labirinto, Monte Branco; casos Portucale, BPN, Submarinos e Freeport – todos passaram pelas mãos do juiz mais admirado e ao mesmo tempo mais criticado de Portugal.
Assumidamente viciado em trabalho e intolerante à mais leve suspeita de abuso de poder, é ténue a linha que separa a sua determinação dos excessos que muitos lhe apontam.
O que pode ler neste livro
A infância, em Mação, a escola, os seus primeiros trabalhos (foi carteiro e servente de pedreiro), as dificuldades económicas da sua família.
A faculdade: a estadia na pensão da Dona Catarina, o estilo de vida reservado e dedicado aos estudos, o dinheiro sempre contado.
Início da vida profissional: o arranque numa repartição de finanças – onde conheceu a mulher, Florbela – e os primeiros tribunais.
O que mudou desde que chegou ao tribunal dos grandes casos: as horas que passa nas suas noites e fins-de-semana a ouvir escutas e estudar processos; a segurança pessoal que passou a ter; hábitos e manias; as ameaças de que já foi alvo (o assalto à casa, o cão envenenado, a mulher atropelada).
Os problemas de saúde e o internamento de urgência que teve no rescaldo do inquérito e ordem de detenção ao ex-primeiro-ministro José Sócrates.
O percurso profissional e as decisões que começaram a dar nas vistas.
A chegada ao Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC, vulgo Ticão).
Os principais casos explicados passo a passo, com todas as decisões de Carlos Alexandre, que envolveram vários membros da elite política e económica e que agitaram o país como nunca antes.
As guerras que ‘compra’ com o resto da classe.
As suspeitas de que ele próprio está sob escuta dos serviços secretos.

«Dentro da viatura, o silêncio. O momento é de tensão, embora apenas um dos ocupantes tenha noção do que está prestes a desenrolar-se [...] Param minutos depois no estacionamento frio e impessoal, passando despercebidos entre as centenas de outras viaturas que aí se encontram nesse dia cinzento. Os dois agentes não imaginam sequer que está em curso a mais inédita e melindrosa acção judicial realizada em Portugal na era democrática. Não sabem também que dentro de alguns minutos será dado o sinal verde para o arranque da mesma.
«No banco traseiro da viatura está sentado o mediático e polémico juiz de instrução Carlos Alexandre. O magistrado tem plena consciência do aparato (e choque) que a iminente operação vai desencadear no país. Das atenções que voltarão a estar concentradas sobre si, dos ataques de que vai ser alvo por parte de alguns, dos elogios de outros. Está acostumado.
«É assim há anos, desde que começou a ter em mãos alguns dos mais complexos processos de combate à grande criminalidade económica e financeira, pouco depois de ter assumido funções como juiz no Tribunal Central de Instrução Criminal, por onde passam os mais difíceis e intricados processos de âmbito nacional, muitos, se não a maioria, envolvendo altos quadros do Estado e outras figuras de peso do panorama político, empresarial e financeiro do país.»

Sobre as autoras
Licenciada em Direito desde 1995, Inês David Bastos enveredou pelo jornalismo em 1998, depois de três anos dedicados à advocacia. Na Agência Lusa foi repórter parlamentar e jornalista de Política. Em 2003, começou a trabalhar no jornal Diário de Notícias, onde integrou a equipa de Política, acompanhou a área de Justiça, coordenadou a secção de Media e também de Sociedade.
Após uma breve passagem pela LPM Comunicações, em 2009, em 2010 regressou ao jornalismo. No Diário Económico, foi coordenadora das áreas de Economia e Política e acompanhou as áreas de Política e Justiça.
Após o fecho do jornal, em 2016, tornou-se freelancer, publicando trabalhos em vários órgãos de comunicação. Tem 45 anos e actualmente coordena um projecto de Economia na Agência Lusa.
Raquel Lito nasceu em Lisboa, em 1977. Concluiu a licenciatura em Comunicação Social no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), da Universidade Técnica de Lisboa, em 1999. No ano seguinte, fez o curso de Aperfeiçoamento de Imprensa no Cenjor (Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas).
Entre 1996 e 2000 passou pelas redacções do Público, da Lusa, do Diário Económico e do Semanário. Nos cinco anos seguintes trabalhou no jornal 24horas, onde exerceu funções de subeditora.
Em 2005 integrou a equipa da Sábado como subeditora de Sociedade. Mantém-se na revista até hoje.
É também autora do livro O Terceiro Sexo.

Título: O INSPECTOR DA PIDE QUE MORREU DUAS VEZES
Autor: Gonçalo Pereira Rosa
N.º de Páginas: 312 
PVP: 16,95 €

As proezas e os ‘furos’, as manchetes bombásticas e os erros calamitosos nas primeiras páginas de jornais que atravessam todo o século XX.

«Resumindo o projecto numa só frase, o Inspector da PIDE Que Morreu Duas Vezes é um livro que procura documentar, em episódios singulares, as pressões de todas as épocas, interpretando-as à luz de cada contexto e sugerindo ao leitor contemporâneo a complexidade desta função social exercida pelos
jornalistas – atreita ao erro, volátil, muitas vezes sobranceira, mas ainda fundamental para a interpretação do quotidiano e para a atribuição de sentido aos eventos que se desenrolam à nossa volta.» 
Introdução

Sabia que o Diário de Notícias minimizou a notícia da morte do escritor Marcel Proust sob pretexto que ninguém o conhecia?
E que o Diário Popular descobriu um contrabandista que trabalhara para Al Capone durante os anos da Lei Seca?
Ou que uma jornalista intrépida se lançou de pára-quedas no inferno da guerra da Coreia para que ninguém pudesse dizer que lhe escapara um «furo»?
Este livro recupera a memória de 26 episódios do século xx, contando, com recurso às palavras dos próprios ou dos seus contemporâneos, casos memoráveis… não fosse a memória pregar a partida de tudo esquecer.
Como os protagonistas da obra, também o autor, também jornalista, se especializou a contar as estórias dos outros, historiando o quotidiano distante e fazendo figas para que estes estudos de caso possam lançar luz sobre um século decisivo da nossa cultura e constituam, em simultâneo, uma leitura fácil e agradável.

Sobre o autor
Jornalista desde 1994, Gonçalo Pereira Rosa é o director da edição portuguesa da National Geographic. Docente e investigador do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da Universidade Católica Portuguesa, escreve sobre a história do jornalismo português.
É autor de três livros, um guião de banda desenhada e do blogue Ecosfera. Tem em curso uma investigação sobre a história do Diário Popular.
Nas livrarias a partir de 7 de Junho
Título: A ORGIA DO PODER
Autor: Pippo Russo
N.º de Páginas: 472
PVP: 20,95 €

Nas livrarias a partir de 7 de Junho

Forte, acutilante, directo, arrojado.
Incómodo.
Revelador e polémico.
Um livro que vai fazer mudar a forma como cada um de nós olha para o futebol mundial.
Como se tornou este português numa das mais proeminentes figuras da economia global do futebol?
Ao longo de mais de 400 páginas, fundamentando a sua argumentação em milhares de notícias e documentos, Pippo Russo, jornalista italiano e sociólogo do futebol, especialista na economia paralela do futebol mundial, traça a meteórica ascensão de Jorge Mendes: do anonimato ao estrelato.
Jorge Mendes é o maior empresário de futebol do mundo.
A revista Forbes calcula que em 2016 ganhou 60 milhões de euros em comissões de transferências e que em 2015 foram quase 85 milhões. Entre os seus cerca de 80 clientes estão Cristiano Ronaldo, James Rodriguez, Renato Sanches, Diego Costa, Thiago Silva, Ángel Di María, Radamel Falcao e José Mourinho.
A que recursos e estratégias recorre para valorizar astronomicamente os seus jogadores?
Que influência exerce nos três grandes, Benfica, Porto e Sporting?
Que importância têm os mais pequenos Rio Ave, Sporting de Braga e Vitória de Guimarães?
E por que são cruciais para o seu «sistema» o Manchester United, o Mónaco, o Atlético de Madrid?

Descrevendo acontecimentos, relacionando factos e sublinhando coincidências, Russo traça um impressionante e absolutamente imperdível retrato da forma como Mendes conduz os seus negócios, em todos os aspectos, incluindo os menos conhecidos e os nunca contados.
Depois de ler este livro, vai olhar para o futebol mundial com outros olhos.

Sobre o autor
Pippo Russo (Agrigento, 1965) é professor de Sociologia na Universidade de Florença, onde dá aulas de Sociologia do Desporto. Jornalista, ensaísta, romancista, já publicou 19 livros. Enquanto jornalista escreve para o La Repubblica, as revistas Panorama, Soccer Illustrated e Panenka, e os jornais on line Calciomercato.com e Lettera43.
Nos últimos anos tem vindo a especializar-se na economia paralela do futebol mundial.
A Orgia do Poder é o seu segundo livro que se insere nesse âmbito de investigação.
Desde 1997 que vive em Florença, uma cidade que ama incondicionalmente, e desde 2001 que, sempre que pode, vem a Portugal, uma terra que lhe toca as cordas da alma.




domingo, 28 de maio de 2017

Guerra e Paz: Um romance para quem gosta de cães. De gatos. E de seres humanos.

Título: Uma Prenda Para Bertie
Autor: Hannah Coates
N.º de Páginas: 208
PVP: 14,90 €
Género: Não Ficção/Religião
Nas livrarias a 1 de Junho
Guerra e Paz Editores | Clube do Livro SIC

Sinopse
Para que não haja dúvidas: Bertie, o herói deste livro, é um cão. Oh, perdão, é um beagle, o mais adorável dos cães. Tem uma irmã, Molly. São inseparáveis. Ou seja, eram, até duas famílias diferentes os adoptarem.

Bertie está, agora, devastado. Quer amar a família de humanos com quem vive, mas sofre: onde estará a sua irmã Molly? E a família Green, que o acolheu, está em crise, depois de uma tragédia que a abalou há dois anos e de que nunca mais recuperou.

Bertie tem agora duas missões: salvar uma família que ama e reencontrar Molly, de quem morre de saudades. Precisa de ajuda. Ajudam-no dois gatos, bichos altivos, e uma improvável caniche. Sozinhos contra a incompreensão desses humanos que têm a mania de entender tudo e não entendem nada.

HISTÓRIA COMOVENTE DE LUTA POR UM SONHO. UMA HISTÓRIA DE DUAS LÁGRIMAS E MUITAS, MUITAS GARGALHADAS.

Sobre a autora:
Hannah Coates. Quem é Hannah Coates? Vamos ao que interessa. É alguém que sempre gostou de cães. Gosta de todos os cães, mas os beagles sempre foram os seus preferidos, em particular o memorável beagle chamado Pippin Boot, que a acompanhou para todo o lado, quando era criança. E foi com o seu beagle no pensamento que Hannah Coates escreveu este romance. É e não é o seu primeiro romance. Com o pseudónimo Hannah Coates, este é o seu primeiro romance sobre os melhores amigos do ser humano, aliando as suas duas grandes paixões, os cães e a escrita. Mas também escreve poesia e romance com o seu nome verdadeiro, Jane Holland, e com os pseudónimos Victoria Lamb, Elizabeth Moss ou Beth Good.


Novidades HarperCollins para junho

Título: Ameaça entre as Sombras
Autor: Linda Howard
N.º de Páginas: 416
PVP: 17,70 €

Sobre o livro:
Para Morgan Yancy, diretor de operações de um grupo paramilitar, o trabalho estava em primeiro lugar. Mas, depois de sofrer uma emboscada, em que esteve prestes a morrer, o seu supervisor estava mais do que decidido a descobrir quem andava atrás dos membros do seu esquadrão de elite... e porquê. Temendo que o inimigo desconhecido voltasse a atacar, Morgan fora enviado para um lugar isolado para ficar escondido, mas vigilante. No entanto, entre a anfitriã atraente, que estava decidido a proteger, e uma ameaça mortal à espreita nas sombras, passar despercebido demonstrou ser a missão mais perigosa que já tinha enfrentado.
Bo Maran, a chefe da polícia a tempo parcial da pequena aldeia montanhosa da Virgínia Ocidental, finalmente, conseguira construir a vida que desejava. Tinha amigos, uma cadela e algum dinheiro no banco. E, de repente, Morgan apareceu à sua porta. Bo não precisava de nenhum homem misterioso na sua vida, e menos ainda de um tão problemático, atraente e hermético como Morgan. Para ela já era suficiente apaziguar os habitantes de Hamrickville depois de uma disputa pessoal que tinha ocorrido.
Com o passar dos dias e das semanas, era mais difícil, para Bo e Morgan, lutar contra a intensa atração e crescente intimidade, apesar de estar muito consciente de que aquele homem escondia alguma coisa. Contudo, descobrir a verdade podia custar mais a Bo do que aquilo que estava disposta a dar. E, quando o disfarce de Morgan fosse descoberto, poderia custar-lhe a vida.

O que diz a imprensa:
«Linda Howard funde sexo quente,impacto emocional e uma tensão cativante.» Publishers Weekly
«Linda Howard escreve com poder, com uma sensualidade estonteante e com uma habilidade narrativa incomparável no drama romântico. Cada livro é um tesouro que o leitor pode saborear vezes sem conta.»o leitor pode saborear vezes sem conta.» Iris Johansen autora best seller do The New York Times
«Rainha do suspense romântico.» Booklist

Sobre a autora:
Linda Howard é uma autora premiada de numerosos best sellers do The New York Times e do USA Today, incluindo os mais recentes Amando uma mulher, Segundas oportunidades, Amanhecer contigo, Em mundos distintos, Paixões censuráveis, Prazeres Ocultos, Entre a lealdade e o amor, e Para quase sempre. Vive em Gadsden, no Alabama, com o marido e dois golden retrievers.

 
Título: As Cores do Céu
Autor: Amita Trasi
N.º de Páginas: 352
PVP: 17,70 €

Sobre o livro:Índia, 1986: Mukta, uma menina de dez anos, pertencente à casta Yellamma, chegou à idade de cumprir o seu destino convertendo-se em prostituta do templo. Numa tentativa de fuga desse fado, é levada para Bombaim onde é acolhida por uma família. Aí descobre a amizade de Tara, a filha de oito anos da família de acolhimento, que a ajuda a superar as feridas do passado. Tara introduz Mukta num mundo novo: gelados e doces, poemas e histórias, e uma amizade como nunca antes vivera. Em 1993, Mukta é sequestrada do quarto de Tara.
Onze anos depois, Tara ainda se culpa pelo que se passou e embarca numa viagem à procura de Mukta que a levará a descobrir segredos da sua própria família. De uma pequena povoação indiana à agitada Bombaim, Los Angeles e volta atrás, no meio do brutal mundo do tráfico de seres humanos, este é um retrato comovente da amizade, uma história de amor, traição e redenção que resiste à passagem do tempo.

«Seguindo o espírito de Khaled Hosseini, autor de O menino de Kabul, chega-nos da Índia esta voz nova e potente com uma história de amizade e destino que emocionará todos os leitores.»A comovente história da amizade entre duas meninas, uma que luta para sobreviver ao comércio de pessoas e outra que a tenta salvar. Duas meninas cujas vidas seguiram caminhos diferentes numa devastadora noite de 1993.

«Estamos perante uma história importante, sensível e inquebrantável de duas amigas de infância cujo vínculo é indelével.» Shilpi Somaya Gowda, autora de Secret Daughter

Sobre a autora:
Amita Trasi nasceu e foi criada em Bombaim, na Índia. Com um MBA em Gestão de Recursos Humanos, trabalhou em várias empresas internacionais durante sete anos. Adora viajar para países estrangeiros, onde se submerge nas respetivas cultura e história. Colabora com diferentes organizações que lutam contra o tráfico de pessoas. Vive em Houston, no Texas, com o marido e dois gatos. As cores do céu é o seu primeiro romance.



Grupo Porto Editora desvenda a programação completa para a Feira do Livro de Lisboa


A Feira do Livro de Lisboa abre portas já no próximo dia 1 de junho e o Grupo Porto Editora divulga, agora, a programação completa da sua presença no certame. Até 18 de junho, quem visitar o espaço Autores que nos unem vai encontrar dezenas de autores portugueses e estrangeiros e poderá assistir a lançamentos, showcookings, tertúlias, workshops e também várias atividades pensadas para os mais novos.

Assim, para além dos eventos já anunciados ao longo das últimas semanas, no sábado, dia 3 de junho, têm presença marcada na Feira do Livro os autores Luís Naves, que escolheu as frases mais marcantes dos jornais e televisão e as publicou no livro 43 anos e 6 meses de Má política, Onésimo Teotónio Almeida, que lançou recentemente A Obsessão da Portugalidade, Paulo M. Morais, que sugere que Voltemos à Escola através do livro que dá a conhecer o projeto da Escola da Ponte e José Rentes de Carvalho, que lança na próxima semana um novo romance, com o título A Sétima Onda.

No ano em que festeja o seu 10º aniversário, a Sextante Editora promove a celebração de uma década dedicada aos livros e convida os leitores para o evento. O dia 3 de junho conta, ainda, com as duplas Pedro Correia e Rodrigo Gonçalves, autores do livro Política de A a Z, e António Marujo e Rui Paulo da Cruz que publicaram recentemente A Senhora de Maio: Todas as perguntas sobre Fátima.

Paulo M. Morais e José Rentes de Carvalho marcam, novamente, presença no dia seguinte, domingo, 4 de junho, e a eles juntam-se João Pedro George, autor da biografia de Mota Pinto, e Helena Garrido, que, no livro A Vida e a Morte dos Nossos Bancos, explica como os banqueiros usaram o nosso dinheiro e como ele desapareceu. Neste dia haverá, ainda, uma tertúlia entre Maria da Conceição, a primeira portuguesa a escalar o monte Everest e coautora do livro Uma Mulher no Topo do Mundo, e Francesc Miralles, o escritor espanhol que é um dos autores de Ikigai – viva bem até aos cem, o livro que partilha truques e dicas dos centenários do Japão para uma vida longa e feliz.

Amanhece na Cidade é o novo livro de Filipa Fonseca Silva que fala da história de Manuel, um taxista que percorre as ruas de Lisboa. O lançamento está agendado para o dia 7 de junho. À lista de autores já anunciados para o dia 10 de junho juntam-se, agora, Guilherme Valadão, autor do romance Era uma vez em Angola, Isabel Valadão, que escreveu O Rio das Pérolas, e Pedro Andersson, que ensina a viver melhor com o mesmo dinheiro, no livro Contas-Poupança. Os dois primeiros regressam, ainda, à Feira do Livro, no dia 15 de junho.

A COMCEPT – Comunidade Céptica Portuguesa lança, a 10 de junho, um guia de sobrevivência no
mundo moderno, intitulado Não se deixe enganar. Este livro aborda, de forma crítica, as dietas
milagrosas, produtos detox, os movimentos antivacinação, as pulseiras de equilíbrio e outros temas
sem fundamento científico. A COMCEPT volta à Feira a 13 de junho.
A 11 de junho, domingo, Helena Garrido e Pedro Andersson regressam ao espaço Autores que nos
unem, onde também estará Edson Azevedo, que, no livro Kaluanda, utiliza imagens fotográficas
para descrever o dia-a-dia do povo de Luanda.

Cristina Ferreira é uma das mulheres mais influentes do país e estará na Feira do Livro, a 13 de
junho, com Sentir, o seu inspirador livro de memórias ao qual ninguém ficou indiferente.
A 17 de junho, o Grupo Porto Editora leva à Feira do Livro André Freire, autor de Para lá da
«Geringonça» e João Pedro Porto, autor do romance A Brecha.

No último dia da Feira do Livro de Lisboa, 18 de junho, juntam-se aos autores já anunciados Álvaro
Laborinho Lúcio, escritor de O homem que escrevia azulejos, e Sara Cardoso, que publicou Escolho
Ser Feliz, um guia para a autoestima mais forte e uma vida mais positiva. Dulce Regina, autora de
Descubra as Suas Vidas Passadas com a Astrologia Kármica, estará ao dispor dos visitantes da Feira
do Livro para fazer os respetivos mapas kármicos.

A tarde de 18 de junho será especial. Aos leitores e às obras de José Saramago vão juntar-se as
canções de Manuel Freire, o intérprete de A Pedra Filosofal, numa homenagem ao Nobel da
Literatura português que nos deixou um enorme legado cultural.

A PENSAR NOS MAIS NOVOS
O Grupo Porto Editora preparou ainda, diversos eventos para garantir a presença de toda a família
na Feira do Livro. Por isso, logo no primeiro dia, a autora Maria Isabel Loureiro dará um workshop
associado ao livro A vovó ensina-te a descobrir a arte.
Luísa Ducla Soares é uma das autoras mais lida pelas crianças e jovens portugueses, tendo sido
reconhecida com inúmeros prémios e distinções. Nos dias 1, 3 e 11 de junho, a escritora estará na
zona infantil do espaço Autores que nos unem. Também no dia 3, a psicóloga clínica especializada
em bebés e crianças, Clementina Almeida, vai ajudar os pais a dar noites tranquilas aos mais
pequenos, com o seu Olívia, a ovelha que não queria dormir. A 17 de junho, a autora regressa para
lançar o seu novo livro, Socorro! O meu bebé não quer dormir!.
A Coleção Reino das Letras recupera alguns dos grandes clássicos da literatura infantojuvenil e, a 4
de junho, Rui Ramos estará na Feira do Livro para fazer uma sessão de contos de algumas dessas
histórias que fazem parte do imaginário das crianças e dos pais. Haverá ainda uma sessão com Maria
Inês Almeida e Joaquim Vieira, autores da Coleção Duarte e Marta.
Miguel Morais é o autor da divertida coleção O ano mais estúpido do meu irmão mais novo e tem
encontro marcado com as crianças (e os seus familiares mais velhos) no dia 10 de junho.
No dia 13 de junho haverá uma sessão muito especial com o Teatro e Marionetas de Mandrágora,
que vai contar a História de um gato e de um rato que se tornaram amigos, baseada no livro de Luis
Sepúlveda. Isabel Ricardo e Zeka Cintra, autora e ilustrador do livro O Coelhinho Avarento, estarão,
também, a aguardar a visita das crianças no espaço do Grupo Porto Editora.
A 17 de junho, o autor Eduardo Marques vai contar a história d’A Maravilhosa Viagem do Alfa, o
extraterrestre simpático e curioso que vai passear pelo espaço do Grupo Porto Editora em todos os
fins de semana e feriados da Feira do Livro de Lisboa. Mais tarde, no mesmo dia, Eduardo Marques
vai acompanhar Álvaro Magalhães, um dos autores mais premiados e conceituados da literatura
infantojuvenil portuguesa, e Carlos J. Campos numa animada sessão sobre a coleção O Estranhão.
No último dia da Feira do Livro, Ana Lázaro e Rita Fonseca, autoras de O estranho apetite de
Belemundo, vão dar a conhecer a história de Belemundo Come-e-Cala, um rapaz guloso e comilão
que tinha o estranho hábito de comer palavras à refeição.


sábado, 27 de maio de 2017

Domingos Amaral e Francisco Moita Flores na Feira do Livro de Lisboa

O lançamento do romance Os Conquistadores de Lisboa, o fim da trilogia Assim Nasceu Portugal que ocupou o escritor Domingos Amaral nos últimos três anos, está agendado para a Praça Leya, na quarta-feira,8 de Junho, às 21h30, dia em que o livro é colocado à venda. Esta é apenas uma das muitas actividades previstas pelo Grupo Leya durante a 87ª edição da Feira do Livro de Lisboa, que começa na próxima quinta-feira, 1 de junho, e decorre até 18 de junho.

Alberto João Jardim tem uma sessão de autógrafos prevista para sexta-feira, 9 de junho, às 18h30, junto ao Pavilhão da Dom Quixote, e divulgará Relatório de Combate, as memórias de 41 anos de actividade política.

Os jornalistas Clara de Sousa (A Minha Cozinha 2), Anabela Campos e Isabel Vicente (Negócios da China), José Milhazes (As Minhas Aventuras no País dos Sovietes), Joana Stichini Vilela/Pedro Fernandes (Lx60, Lx70,Lx80), Luís Osório (Amor) e os escritores Inês Pedrosa, Domingos Amaral e Francisco Moita Flores são alguns dos autores com sessões agendadas.

Caléndário:
Quinta-feira, 1 de junho, Inês Pedrosa (17h30)

Sábado, 3 de Junho, José Norton, (autor de biografia de Norton de Matos, 17h30), Anabela Campos e Isabel Vicente (autores de Negócios da China,17h)

Domingo, 4 de Junho, José Milhazes (As Minhas Aventuras no País dos Sovietes,16h45), Fernando Ângelo (Os Flechas,15h) / Luís Osório (Amor,15h) / JL Pio Abreu (A Queda dos Machos,15h) / José Milhazes (As Minhas Aventuras nos País dos Sovietes, 16h45) / Joana Stichini Vilela e Pedro Fernandes (Lx60,Lx70 e Lx80, 16h)

Quinta, 8 de Junho - 21h30 – Lançamento de "Assim Nasceu III - Os Conquistadores de Lisboa", de Domingos Amaral, Praça Leya. Sexta,

Sexta, 9 de Junho - 18h30 - Alberto João Jardim (Relatório de Combate), Praça Leya.

Sábado, 10 de Junho, Clara de Sousa (17h) Fernando Ângelo (Flechas, 15h) / José Milhazes (As Minhas Aventuras no País dos Sovietes, 15h) / João César das Neves (As 10 Questões do Colapso, 16h) / Jaime Nogueira Pinto (O Islão e o Ocidente, a Grande Discórdia, 15h30) / Isabel do Carmo (Histórias que as Mulheres Contam, 16h) / José Luís Andrade (Ditadura ou Democracia? 15h30), Inês Pedrosa (Desamparo, 16h30), Domingos Amaral (16h00), Francisco Moita Flores (O Mensageiro do Rei, 16h30)

Domingo, 11 de Junho - João Pereira Coutinho (Vamos ao Que Interessa,16h), Francisco Moita Flores (O Mensageiro do Rei,16h30) Terça-feira, 13 - Isabel do Carmo (16h), Orlando Raimundo (Américo Thomaz, O Último Salazarista,), Francisco Moita Flores (O Mensageiro do Rei, 16h30).

Sábado, 17 de Junho, José Milhazes (15h) / José Luís Pio Abreu (15h), Inês Pedrosa (16h30), Domingos Amaral (16h), Francisco Moita Flores (16h30) Domingo, 18 de junho - Joana Stichini Vilela e Pedro Fernandes (16h), Francisco Moita Flores (16h30)


Novidade Topseller: A Salvo Comigo

De leitura imparável e com um tom hitchcockiano, este promissor thriller psicológico vai agradar aos fãs de A Rapariga no Comboio.
«Sinto algo a roçagar‑me a mão e olho de relance para os dedos feridos do condutor, que se fecham à volta dos meus.  Os seus olhos azul‑ardósia estão raiados de sangue e muito abertos, mas parece alheado de todas as pessoas de pé à sua volta, como se não conseguisse ver mais nada além da minha cara.  Inspira fortemente e olha diretamente para mim. — Ajuda‑me — sussurra.»

Sobre o livro:
Há treze anos, alguém destruiu a vida dela. Agora, a vingança está ao seu alcance…   Anna é uma rapariga solitária que procura o equilíbrio na sua vida apoiando-se nas rotinas diárias. Não gosta de se aproximar das outras pessoas, pois conhece demasiado bem os danos que elas podem causar.   Até que, um dia, testemunha um acidente e reconhece a culpada: é Carla, a mulher que arruinou a sua vida no passado. Esta é a sua oportunidade de vingança. O primeiro passo é aproximar-se de Liam, o homem ferido no acidente, para poder seguir de perto a investigação policial.   Quando Carla também se aproxima de Liam, Anna percebe quais são as reais intenções de Carla: manipulá-lo… Mas ela não deixará que isso aconteça e tudo fará para proteger Liam e desmascarar esta impostora.

À medida que a obsessão de Anna por Carla se intensifica, outros segredos vão sendo revelados, mostrando que o perigo, afinal, pode vir de onde menos se espera.      ​   Sobre a autora:   K. L. Slater é uma nova voz do thriller psicológico que em poucos meses viu o seu romance de estreia, A Salvo Comigo, alcançar o topo das tabelas de vendas internacionais.   Também escreve livros de ficção YA, multipremiados, com o nome Kim Slater. Mora em Nottingham, no Reino Unido, com o marido e os três filhos.   Saiba mais sobre a autora em www.klslaterauthor.com.  

A Salvo Comigo chega às livrarias dia 29 de maio (Ed. Topseller | 384 pp. | 18,79€) 



quinta-feira, 25 de maio de 2017

Guerra e Paz na Feira do Livro de Lisboa


Augusto Cury em Lisboa


Saída de Emergência na Feira do Livro de Lisboa




A Mulher Oculta - Karin Slaughter [Opinião]

Título: A Mulher Oculta
Autor: Karin Slaughter
Editor: HARPERCOLLINS
Páginas: 512

Sinopse:
Maridos e esposas. Mães e filhas. o passado e o futuro.
Os segredos unem-nos e os segredos podem destruí-los.

A autora do famoso Flores cortadas regressa com um eletrizante thriller, muito complexo emocionalmente, e que submergirá o protagonista nas obscuras profundidades de um caso que pode destruí-lo.

A descoberta de um assassinato numa obra abandonada, conduz Will Trent e o Bureau de Investigação da Geórgia a um caso que se torna muito mais perigoso quando o cadáver é identificado como sendo o de um ex-polícia.

Depois de fazer a autópsia, Sara Linto, a nova forense do GBI e amante de Will, descobre que a grande quantidade de sangue encontrada não pertence à vítima. Decerto, um rasto de sangue que não encaixa na cena do crime, indica que há outra vítima, uma mulher que desapareceu… e, se não a encontrarem rapidamente, morrerá.

A cena do crime pertence ao habitante mais famoso da cidade: um atleta rico, poderoso e politicamente bem relacionado, protegido pelos advogados mais caros dos Estados Unidos, um homem que já se tinha livrado de um caso de violação, apesar dos esforços de Will para o prender.

Mas o pior ainda está para vir. As provas ligam o passado turbulento de Will ao caso… e as consequências irão arrasar a sua vida com a força de um tornado, causando estragos a Will e a todos os que estão à sua volta, inclusive aos seus colegas, familiares, amigos e também aos suspeitos que persegue.

A minha opinião: 
Quando o corpo de um ex-polícia é encontrado num edifício abandonado de uma antiga discoteca, surge um novo caso para Will Trent, detective fetiche de Karin Slaughter. A autora norte-americana publicou já oito livros da serie, embora no nosso país não tenham sido editados todos, nem sequer sequencialmente, o que desagrada a maior parte dos leitores.

Não sou daquelas leitoras fanáticas pelas séries todas certinhas. Não deixo de ler um livro por não estar a série completa ou porque está desordenada, mas também não gosto de andar a saltitar as histórias pessoais das personagens principais, sobretudo quando gosto bastante delas.

Por cá, o livro saltou do quarto para a oitavo livro da série (A Mulher Oculta é o número oito) e isso deixa algumas lacunas entre as personagens e muito mudou nas suas vidas.

No entanto, a história principal que é o que realmente importa, não perde nada, já que o ritmo é empolgante e muito gráfica.

O ex-detective assassinado é bem conhecido de toda a equipa de investigação. Aliado a isso, o palco onde decorreu o crime é uma discoteca, pertença de um antigo atleta, rico e famoso, acusado anteriormente de violação de uma jovem estudante, embora nunca tenha sido condenado pelo crime.

Sem me querer alongar muito na história, até porque revelaria muito da vida de Will e Sara, (embora a sinopse já revela que estão juntos) este assassinato vai abalar a relação de ambos. Isto porque à medida que a investigação avança vão surgindo novos factos e as análises vão revelar que a mulher que esteve na cena do crime também é conhecida da equipa.

Se Will está com Sara os leitores vão perguntar-se onde andará Angie. Será respondido neste livro? O que trará?

Muito se passou entretanto e tudo é surpresa para quem não leu a série seguida. Mas esta surpresa também acaba por ser boa, porque partimos para a história completamente em branco, o que a torna ainda mais emocionante.

Um livro fantástico, um dos melhores que li este ano, e que me deixa desejosa para que a série seja toda publicada por cá. E já agora pela ordem.

Lançamento de «A Sociedade dos Sonhadores Involuntários», o novo romance de José Eduardo Agualusa - Livraria Ler Devagar


A Dúvida Razoável, de Whitney G. é novidade Topseller

Para gáudio dos leitores que esperavam ansiosamente pela publicação em português da série Reasonable Doubt, de Whitney G., a Topseller publicará toda a trilogia num só volume.

Os fãs não vão ter de esperar pelo segundo volume para continuarem a acompanhar a escaldante história de Aubrey e Andrew.

Sobre o livro:Quando uma relação é construída com base num mistério, poderá a dúvida arruinar o amor?

Thoreau e Alyssa conhecem-se num chat de advogados. A sua ligação é imediata. Trocam sonhos, ideias, questões profissionais e tornam-se amigos. Rapidamente, a sua relação virtual se transforma em algo mais quente. Entre jogos sexuais e provocações, Thoreau confessa a Alyssa um dos seus mais importantes valores: odeia mentiras. Mas omite um pormenor importante: não se chama Thoreau.

Alyssa também não é Alyssa. Na verdade, chama-se Aubrey. E não é advogada. Quando o Dr. Andrew Hamilton, mais um dos vários nomes que Thoreau utiliza, descobre que Aubrey é uma das suas estagiárias, a sua relação rapidamente passa do mundo virtual para a realidade, das palavras para os atos.

Mas a mentira continua a pesar sobre eles. O passado de Andrew volta para o assombrar. Não consegue deixar de se lembrar do quanto as mentiras já o magoaram, do quanto perdeu e foi forçado a deixar para trás. O que levará Andrew a esconder a sua identidade? A criar nomes falsos e a precisar de uma nova vida?

Será a irresistível atração que os une mais forte que a dúvida?

Dúvida Razoável chega às livrarias dia 29 de maio (Ed. Topseller | 320 pp. | 16,99€) e as primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui.​

Sobre a autora:
Whitney G. é uma jovem escritora norte-americana, que vive obcecada com viagens, chá e café.

É também uma autora bestseller do New York Times e do USA Today, para além de ser fundadora do blogue The Indie Tea, onde procura inspirar jovens autores independentes de literatura romântica.

Quando não está a conversar com os leitores nas redes sociais, provavelmente estará trancada a escrever mais uma história louca.

Saiba mais em www.whitneygbooks.com.





quarta-feira, 24 de maio de 2017

Novidade Topseller A Mulher Desaparecida de Sara Blaedel

Depois de As Raparigas Esquecidas e O Trilho da Morte, a Rainha Dinamarquesa do Thriller brinda os seus leitores com o caso de A Mulher Desaparecida, uma extraordinária aventura onde o desespero e o suspense são absolutamente reais.
Nenhum leitor conseguirá ficar indiferente!

«Sara Blædel brinda-nos com uma das melhores leituras com que já me deparei!» — Michael Connelly
«Uma escrita absolutamente genial e envolvente. Um realismo intransigente que revela o thriller no seu melhor.» —Washington Post

Num bairro familiar e acolhedor nos arredores de Londres, uma mulher foi alvo de um violento assassínio.
Um tiro certeiro de uma caçadeira atravessou a janela da cozinha, onde ela se encontrava com o marido e a filha. A morte foi imediata.
Ao iniciar a investigação, a polícia local descobre que a mulher, de nome Sophie Parker, se tratava na verdade de uma cidadã dinamarquesa que se encontrava desaparecida há 18 anos. Louise Rick, chefe do Departamento de Pessoas Desaparecidas, fica responsável pelo caso. É então que novas e surpreendentes revelações desvendam que fora Eik, seu colega e amante, quem declarara o desaparecimento de Sophie.
Assim que é informado da morte de Sophie, Eik desaparece misteriosamente e, passadas 24 horas, é preso em Inglaterra e acusado de ser o responsável pelo crime.

Sobre a autora:
Sara Blaedel iniciou a sua carreira como fundadora de uma editora especializada em policiais e thrillers. Este trabalho aproximou-a do jornalismo, onde acabou por cobrir uma vasta gama de histórias e julgamentos penais. Foi nesta altura — e enquanto esquiava na Noruega — que começou a imaginar a trama do seu primeiro romance, Green Dust, com o qual venceu o The Danish Crime Academy’s Debutant Award, o primeiro de inúmeros prémios na sua carreira. As Raparigas Esquecidas, publicado pela Topseller em 2016, é o seu livro mais aclamado, e foi galardoado em 2015 com o Gyldne Laurbær, o mais importante prémio literário da Dinamarca. Ainda em 2016, a Topseller publicou O Trilho da Morte, também muito bem recebido pela crítica.
Com 1,8 milhões de livros vendidos na Dinamarca, a imprensa e os fãs nomearam-na por quatro vezes A Rainha Dinamarquesa do Thriller. Os seus livros são bestsellers internacionais e já foram publicados em 33 países.
Saiba mais sobre a autora em: www.sarablaedel.com


Porto Editora publica a 1 de junho Doces Silêncios, o mais recente livro da popular escritora americana Deborah Smith


Título: Doces Silêncios
Autor: Deborah Smith
Tradutor: Elsa T. S. Vieira
Págs.: 344
PVP: 16,60 €

A Porto Editora publica a 1 de junho Doces Silêncios, o mais recente livro da popular escritora americana Deborah Smith.
No centro do romance está a história de amor de Eddie, a filha do Presidente dos EUA, e Davis, que estão longe de ter a tranquilidade que ambicionam. Com uma escrita entusiasmante e bem-humorada, Deborah Smith vem despertar o lado sonhador do leitor e revelar a força redentora do amor.
No catálogo da Porto Editora estão já publicados os livros A Doçura da Chuva, Segredos do Passado e O Café do Amor, que obtiveram assinalável êxito junto dos leitores portugueses.

Sinopse:
Após a morte do marido num trágico acidente, Hush McGillen não se deixou abater. Transformou os pomares de maçãs da família num negócio de sucesso e o filho, Davis, está a estudar na conceituada Universidade de Harvard. Contudo, este idílico paraíso cai por terra quando o filho aparece com uma companhia inesperada: a filha do Presidente dos Estados Unidos. De um momento para o outro, Hush tem de lidar com os Serviços Secretos, a comunicação social e, pior do que tudo, os novos sogros do filho – e a primeira-dama não está nada satisfeita.
Com o agente federal Nick Jakobek, enviado pela família presidencial para resgatar a filha, a trazer ainda mais caos à sua vida, Hush vê-se perante a necessidade de fazer todos os possíveis para salvar o seu negócio, a sua reputação e a sua família – pois o seu passado não é exatamente o conto de fadas que todos julgam.

Sobre a autora:
Deborah Smith é uma das autoras americanas mais lidas em todo o mundo: a sua obra já vendeu mais de três milhões de exemplares. Nomeada para diversos prémios importantes, como o RITA Award da Romance Writers of America e o Best Contemporary Fiction da Romance Reviews Today, foi distinguida com o Prémio de Carreira atribuído pela Romantic Times Magazine.

Imprensa: 
«Uma autora extraordinariamente talentosa.» Mary Alice Monroe, autora bestseller do The New York Times
«Uma narradora excecional.» Booklist
«Uma combinação vencedora de drama romântico, saga familiar e episódios humorísticos sobre a vida quotidiana.» RT Book Reviews
«A escrita de Deborah Smith tem garra; e é isso que a torna tão aprazível.» The Book Haven