quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Novidades da Ladybug - Um Diário e Um livro de jogos e atividades


As fãs da super-heroína mais conhecida do Disney Channel vão adorar estas duas novidades. Um livro de jogos e atividades, com labirintos, sopas de letras, sudokus, diferenças e muito mais. E um diário, onde podem registar as experiências, pensamentos, sentimentos e, claro, os teus segredos.

Miraculous: As Aventuras de Ladybug: Diverte-te com os teus superheróis!

Junta-te aos teus heróis favoritos e embarca no universo Miraculous Ladybug para uma série de desafios estimulantes. A Ladybug e o Gato Noir adoram entrar em ação e salvar a cidade dos maiores vilões de sempre. Mas durante o dia eles são estudantes, como tu, e têm de manter a sua mente em forma! Neste livro vais encontrar inúmeros desafios e atividades que vão pôr à prova os teus conhecimentos sobre as personagens da série e melhorar a tua capacidade de raciocínio, enquanto te divertes a valer!

Miraculous: As Aventuras de Ladybug: O Meu Diário Secreto

Olá! Durante o dia sou a Marinette, uma miúda normal. Mas há uma coisa sobre mim, que ninguém sabe. Eu tenho um segredo… Transformo-me na poderosa Ladybug! Chiu… Não contes a ninguém! Estou aqui porque aceitei uma missão muito especial: oferecer-te este diário. Neste diário podes registar as tuas experiências, pensamentos, sentimentos e, claro, os teus segredos. Aposto que também os tens!


Helena Roseta apresenta «Maria da Fonte», o novo livro de Maria João Fialho Gouveia

Título: Maria da Fonte: A Rainha do Povo 
N.º de Páginas: 304
PVP: 17,69€

Dos pais, José Fialho Gouveia e Maria Helena, herdou o dom da palavra e o jeito para a escrita.
Sempre a fervilhar com ideias para livros, Maria João Fialho Gouveia concretizou em 2013 o seu primeiro projeto, colocando todo o seu amor num livro dedicado ao seu pai: Fialho Gouveia: Biografia Sentimental .
Ainda em 2013, entregou a sua paixão por História às páginas de D. Francisca de Bragança: A Princesa Boémia, o seu primeiro romance histórico, muito bem recebido pela crítica e leitores amantes do género – já na 3.ª edição. Seguiu-se
As Lágrimas da Princesa, romance que conta a pouco conhecida história de Aldegundes de Bragança, a quinta filha do rei D. Miguel, tia de D. Duarte Nuno de Bragança, pai do atual pretendente à Coroa portuguesa. Em outubro de 2016 chegou às livrarias Inês , um romance maravilhosamente bem escrito sobre um amor maior do que a vida, e já em abril deste ano os leitores foram presenteados com um romance entre espiões na Segunda Guerra Mundial, a primeira experiência da escritora com personagens e eventos ficcionados, num ambiente histórico real, com Sob os Céus do Estoril .
Agora dá vida e voz às lutas e amores ilegítimos de uma mulher corajosa: Maria da Fonte.
Após as Guerras Liberais que assolaram Portugal durante o século XIX, as decisões do governo de Costa Cabral não são bem recebidas. Os impostos aumentam, as liberdades do povo são atacadas e a Igreja é o próximo alvo. Atenta aos gritos de revolta do seu povo, que também são os seus, e às ideias miguelistas dos seus senhores, está a jovem Maria Angelina.
Despedida por se ter deixado apaixonar, Maria regressa à sua aldeia da freguesia de Fontarcada, na Póvoa de Lanhoso, jurando viver por si, sem ninguém a cortar-lhe as asas. Os ideais, no entanto, não desaparecem, e, quando o governo proíbe o povo de enterrar os mortos nas igrejas, Maria decide tomar medidas. Lideradas por ela e munidas das armas possíveis, como as ferramentas de trabalhar a terra, as mulheres do Minho fazem justiça pelas próprias mãos. Maria de Fontarcada torna-se Maria da Fonte e ganha os contornos de uma líder popular.
Conforme a revolta vai grassando pelo país, forçando o governo a ser demitido e o exército a entrar em cena, Maria da Fonte transforma-se num mito, surpreendendo até aqueles que com ela privavam. Esta é a história desse mito. E da mulher que está na sua origem.

Sobre a autora: 
Nasceu em Lisboa a 14 de Novembro de 1961, mas aos dois dias de idade já vivia no Estoril, onde cresceu e estudou. Cursou Comunicação Social na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, e mais tarde Línguas, sendo diplomada pela Universidade de Cambridge. Rendida ao apelo da História, porém, regressou anos mais tarde aos bancos da Universidade Aberta, para estudar a disciplina que sempre a encantara.
Começou a sua carreira jornalística aos 18 anos, passando por todas as áreas da comunicação, da imprensa escrita à televisão.
Entretanto, experimentou a docência, lecionando Inglês no ensino básico. Neta de professora, cedo descobriu o gosto pela leitura e pela escrita, sendo apanhada frequentemente pela avó a ler à luz da lanterna, debaixo dos lençóis.



Cartas a um jovem escritor de Colum McCann já está nas livrarias



Título: Cartas a um jovem escritor
Tradução: Eugénia Antunes
N.º de Páginas: 196 
PVP: 14,00€

Colum McCann considera que nisto de escrever não existem regras; ou, então, se existem, servem apenas para serem quebradas. Conforme-se com estas contradições. Deve estar preparado para segurar duas ou mais ideias opostas na palma das mãos em simultâneo.
Para McCann a primeira frase deverá abrir a sua caixa torácica. Deverá entrar-lhe pelo peito adentro e virar-lhe o coração de pantanas. Deverá insinuar que o mundo nunca mais será o mesmo.

Para quem simplesmente não consegue começar a escrever, o conselho do escritor é o seguinte: não permita que o terror da página em branco envolva a sua mente em celofane. A desculpa de que sofre de bloqueio de escritor é demasiado fácil.

(…) Deixe estar o rabo na cadeira. O rabo na cadeira. O rabo na cadeira. Continue a olhar para a página em branco.

E como surgem as ideias? Só tem de estar recetivo ao mundo. É esse o truque. Tem de estar à escuta. E tem de estar alerta. Tem de estar aberto à inspiração. A ideia geral pode vir do jornal, pode surgir de uma frase escutada no metro, pode ser a história que estava guardada no sótão da família. Pode ter nascido de uma fotografia ou de outro livro, pode tê-lo arrebatado por uma qualquer razão desconhecida. Pode ter sido o desejo de confrontar um assunto mais vasto: a devastação do meio ambiente, as causas primordiais que levam pessoas a pilotar aviões contra edifícios, as horríveis notícias sobre as eleições. Tanto faz. Nenhuma história é melhor do que outra. Tudo o que sabemos é que precisa de ser contada ao mundo e que há que começar a investigá-la.

Mais: é possível criar personagens a partir do pó. Por vezes, pegamos numa personagem do nosso círculo próximo e construímos uma nova pessoa por cima daquele espantalho. Outras vezes, pegamos em figuras bem conhecidas da história e damos-lhe novas formas. Seja como for, temos a responsabilidade de lhes dar vida por meio da escrita. Devemos tanto à nossa imaginação quanto devemos à história.

Para quem teme a construção dos diálogos, não há que ter receios. Para o autor, o diálogo escrito não tem obrigatoriamente de seguir regras gramaticais. Desarrume as frases como lhe der na gana. Tem liberdade para deambular. Liberdade para explorar.

Se já tem o livro todo sublinhado, ou com post-its, então saiba que ainda vamos a meio. Procurar a Estrutura, Onde Devo Escrever, Curso de Escrita Criativa: Fazer ou Não Fazer?, Devo Ler Enquanto Escrevo?, Porquê Contar Histórias?, Sinta-se Exausto Quando Terminar, entre outros capítulos, incluem igualmente dezenas de preciosos conselhos, sempre neste registo muito claro e objetivo, para quem gosta de escrever, quer escrever melhor ou ambiciona escrever um livro.





terça-feira, 14 de novembro de 2017

O físico Carlos Fiolhais é o vencedor do Grande Prémio Ciência Viva Montepio 2017

O investigador Carlos Fiolhais é um dos vencedores dos Prémios Ciência Viva Montepio 2017.

O Grande Prémio Ciência Viva Montepio distingue Carlos Fiolhais pela sua acção notável na promoção da cultura científica enquanto docente, investigador, autor e editor da prestigiada colecção "Ciência Aberta", da Gradiva. Doutorado em Física Teórica, Carlos Fiolhais é professor catedrático da Universidade de Coimbra e director do RÓMULO Centro Ciência Viva.

A Gradiva publicará ainda este mês o seu mais recente livro A Ciência e os Seus Inimigos em co-autoria com o bioquímico David Marçal com quem já tinha escrito também os títulos Darwin aos Tiros e outras histórias de ciência e Pipocas com Telemóvel e outras histórias de falsa ciência.

Este seu novo livro incide sobre os principais inimigos da ciência desde logo os mais terríveis e difíceis de erradicar - a ignorância, a ideologia... e a falsa ciência que começa logo, aliás, em muita da actividade "científica".

A cerimónia de entrega de prémios terá lugar a 24 de Novembro, Dia Nacional da Cultura Científica, às 16.00, na Galeria da Biodiversidade - Centro Ciência Viva, situada na Casa Andresen, no Porto. Estará presente o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Este evento, que marca a Semana da Ciência e da Tecnologia, será antecedido, às 14.30, pelo debate público "Ciência e pseudociência na Comunicação de Saúde".

Os Prémios Ciência Viva Montepio são atribuídos anualmente pela Ciência Viva e pelo Montepio e distinguem personalidades e instituições que se destacaram pelo seu mérito excepcional na promoção da cultura científica em Portugal. Os premiados foram seleccionados pelos representantes das instituições de investigação científica que constituem a Agência Ciência Viva.

Nos últimos cinco anos o Grande Prémio Ciência Viva Montepio distinguiu o editor Guilherme Valente, da Gradiva, o geólogo Galopim de Carvalho, o botânico Jorge Paiva, o físico Manuel Paiva e o patologista Sobrinho Simões.

A professora Isabel P. Martins e as jornalistas Filomena Naves e Teresa Firmino são outras três vencedoras dos Prémios Ciência Viva Montepio 2017.


Novidade Topseller: O Diabo, o Relojoeiro e a Máquina dos Sacrifícios


Autor vencedor do Phillip K. Dick Award e quatro vezes do British Fantasy Award, Michael Marshall Smith tornou-se no autor com mais nomeações até ao momento.

O Diabo, o Relojoeiro e a Máquina dos Sacrifícios é uma obra com tom mordaz e irónico, num estilo semelhante à série Lemony Snicket.

Sinopse:
Imagine, caro leitor, a oficina de um relojoeiro.

Imagine ainda que esta história se passa num mundo banal e que o relojoeiro é, também ele, um homem normal… com um talento extraordinário.

Até ao dia em que alguém entra na oficina com o mais invulgar dos pedidos: uma máquina para converter a maldade do mundo em energia.

Quem (pergunta-se o leitor) quererá esta bizarra extravagância? Ora, ninguém mais do que o próprio Diabo… Que, como se sabe, tem formas muito persuasivas de obter o que deseja.

Passaram-se séculos, e o Diabo e a sua máquina estão a ter problemas. É então que, acidentalmente (embora se suspeite de uma certa influência maligna), a pequena e ingénua Hannah Green é arrastada para uma tenebrosa aventura maquinada pelo Diabo.

Preste bem atenção, estimado leitor, pois aqui começará também a sua história, num mundo onde as aparências enganam e as coincidências não existem.

O Diabo, o Relojoeiro e a Máquina dos Sacrifícios é uma edição Topseller (384 pp. | 18,79€) e as primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui.




Imagem intercalada 1



Sobre o autor:
Michael Marshall Smith é o pseudónimo usado por Michael Marshall, guionista inglês e autor bestseller de thrillers e literatura fantástica.

Michael Marshall Smith venceu quatro vezes os prémios atribuídos pela British Fantasy Society, tornando-se o autor com mais nomeações até ao momento, e ainda recebeu o August Derleth Award para Melhor Romance, em 1995, e o Philip K. Dick Award, em 2000.

O seu livro, The Intruders, foi adaptado para série televisiva com o mesmo nome, em 2014.

Saiba mais sobre o autor em: www.michaelmarshallsmith.com.


Novidade Topseller: O Sétimo Mandamento de Tom Fox


Depois da publicação do sucesso Dominus, Tom Fox oferece uma nova perspetiva sobre o conceito da fé e da natureza dos milagres, que agradará muito aos leitores.

Sinopse:
Serão todas as profecias verdadeiras?

Durante uma escavação arqueológica realizada no centro de Roma, é encontrada uma antiga tábua de argila com sete profecias inscritas em acádio, uma língua há muito extinta. A primeira profecia previa que aquele que encontrasse a tábua morreria de forma funesta e célere. E assim acontece. Quando, uma a uma, as profecias se vão realizando, o pânico e o caos instalam-se na cidade.

O relógio não para.

Numa corrida contra o tempo, em que cada segredo esconde uma mentira, e em que estranhos versos de uma tábua antiga parecem conter as respostas, cabe a Angelina Calla, especialista em acádio, e a Ben Vordyx, dos Arquivos Secretos do Vaticano, descobrir o que está por detrás desta maldição.

Será tudo isto real?

O Sétimo Mandamento já está disponível nas livrarias (ed. Topseller | 400 pp. | 17,69€) e as primeiras páginas estão disponíveis para leitura aqui.











Sobre o autor:




Tom Fox é um conhecedor profundo dos meandros do Cristianismo, resultado de muitos anos de estudos académicos.

Sendo uma autoridade respeitada no assunto, Tom Fox dedicou-se recentemente à exploração de novas histórias, que se destacam devido à sua dimensão misteriosa.
Dominus foi o seu sensacional romance de estreia, publicado pela Topseller em 2016.​

domingo, 12 de novembro de 2017

Coolbooks: As primeiras linhas das mãos de Susana Amaro Velho

Título: As últimas linhas destas mãos
Autor: Susana Amaro Velho
Formato: e-wook / capa mole
N.º páginas: 262
PVP: 5,99€ / 15,50€

Um amor vivido em papel e reprimido durante décadas,  desvendado em As últimas linhas destas mãos, romance de estreia da autora.
É num ambiente nostálgico que Susana Amaro Velho constrói o seu romance de estreia, As últimas linhas destas mãos, publicado pela Coolbooks e disponível a partir de hoje.
Um amor impossível e reprimido durante 30 anos é perpetuado através de cartas secretas. Na fachada que constrói para viver, Alice mantém um casamento de conveniência e circunstância.
Após a sua morte, é à filha Teresa que cabe o legado destas cartas escondidas.
Ao recebê-las, é confrontada com uma narrativa que não reconhece, com personagens desconhecidas e com a sombra sempre presente da sua mãe, que se alastra pelas cartas em contornos que Teresa nunca julgaria serem possíveis.
Em As últimas linhas destas mãos, o que começa por parecer um conjunto de cartas soltas, relatos de um passado de amor, afetos e esperança revela-se uma história coesa e intensa, com espaço para novas linhas escritas por outras mãos.

Sinopse:
Depois da morte de Alice, a sua filha Teresa recebe uma herança que a deixa intrigada: um monte de cartas, algumas com tantos anos quanto ela, que contam uma estória de amor que não sabe se é ou não real. Não conhece os lugares. Não reconhece as personagens.
Não sabe, sequer, quem é a própria mãe e onde se encaixa naquele enredo.
Este amor em linhas vivido por Alice, de tão intenso, tão mordaz, tão vivo e tão presente vai abrindo espaços, alimentando dúvidas, resgatando culpas antigas e memórias apagadas.
Mas será ele suficiente para que Teresa possa, finalmente, perceber e perdoar a mãe? Irão as últimas linhas de Alice ser mais fortes e enlaçar o que em vida não conseguiu prender?

Sobre a autora:
Nasceu em Mafra em 1986 e cresceu com as fábulas dos reis e rainhas, que lhe alimentaram a curiosidade e as leituras ainda em miúda. O seu primeiro conto, escrito aos nove anos, era sobre uma menina de Mafra que vivia no bairro camarário dos avós, aquele que ainda hoje lhe serve de inspiração, e que queria ser jornalista para poder entrevistar pessoas e conhecer lugares. Perdeu-se o conto, mas não o amor pelas palavras e pelas viagens. Licenciou-se em Jornalismo e depois em Solicitadoria, porque o saber não ocupa lugar. E as folhas rabiscadas também não.
Escreve desde que aprendeu a juntar letras e sobre tudo. Aliás, a memória mais viva é a que vive nas linhas de um caderno. É autora do blogue «What su Wants». Este é o seu primeiro romance.


Despertar: mais um livro muito esperado de Stephen King - Um dos melhores do mestre do terror

Título: Despertar
Autor: Stephen King
Género: Literatura / Thriller
N.º de páginas: 368
PVP: € 18,80

Despertar, considerado um dos melhores livros do mestre do terror, Stephen King, chegará às livrarias na próxima sexta-feira, dia 10 de novembro. Este é um romance negro e aterrador sobre o vício, o fanatismo e o que poderá existir do outro lado da vida. Uma história que se estende por cinco décadas até um desfecho aterrador, um dos melhores de King.
Na quinta-feira, dia 9 de novembro, às 18h30, na FNAC do Colombo, terá lugar a tertúlia “O Universo de Stephen King”. O jornalista e crítico de cinema Mário Augusto, as tradutoras Maria João Lourenço e Cristina Lourenço e a editora da Bertrand Sofia Ribeiro conversarão sobre os livros e as muitas adaptações cinematográficas do rei do suspense. Todos os fãs de Stephen King estão convidados a participar na conversa. Neste evento, poderá ser adquirido, em primeira mão, o livro Despertar.

Referências na imprensa internacional:
«Hipnotizante» Publishers Weekly
«Não há melhor contador de histórias do que Stephen King, que nos mantém acordados a noite inteira, cheios de medo, fascínio e admiração» Amazon.com

Sinopse:
Numa pequena cidade da Nova Inglaterra, há mais de meio século, uma sombra cai sobre um rapazinho que brinca com os seus soldadinhos de chumbo. Jamie Morton ergue os olhos e vê um homem espantoso, o novo pastor. Charles Jacobs e a sua bela mulher vão transformar a igreja da comunidade. Todos os homens e rapazes estão um bocadinho apaixonados pela senhora Jacobs; as mulheres e as raparigas sentem o mesmo em relação ao reverendo Jacobs, incluindo a mãe e a irmã de Jamie. O reverendo, no entanto, tem um laço mais profundo com Jamie, partilhando com ele a sua obsessão pela eletricidade.
Quando a família Jacobs é assolada pela tragédia, o carismático pastor amaldiçoa Deus, apouca toda a crença religiosa e é banido de uma cidade em choque.
Jamie tem os seus próprios demónios. Apaixonado pela guitarra desde os treze anos, toca em bandas pelos Estados Unidos, vivendo uma vida nómada de rocker e fugindo da família e da sua terrível perda. Aos trinta anos, viciado em heroína e desesperado, volta a encontrar Charles Jacobs, e as consequências deste encontro serão profundas para os dois homens. A sua ligação torna-se um pacto para lá do diabólico e Jamie descobre os vários sentidos de «despertar».
Um romance rico e perturbador que se estende por cinco décadas até um desfecho aterrador, um dos melhores de King.

Sobre o autor:
Stephen King é um dos mais populares autores contemporâneos. Escreveu mais de quarenta livros, incluindo Carrie, A História de Lisey e Cell, Chamada para a Morte. Recebeu diversos prémios literários ao longo da sua carreira, incluindo o Bram Stoker Award, o World Fantasy Award, o Nebula Award e o prestigiado National Book Award. Conta hoje com mais de trezentos milhões de exemplares vendidos em cerca de trinta e cinco países. Números e um currículo impressionantes a fazerem jus ao seu estatuto de escritor mais bem pago do mundo.
www.stephenking.com



Jogos Cruéis - Angela Marsons [Opinião]

Título: Jogos Cruéis
Autor: Angela Marsons
Editor: Quinta Essência
Páginas: 400

Sinopse:
A inspetora detetive Kim Stone está de volta. Em causa está a morte macabra de um violador. À primeira vista, não é um caso complicado, pois tudo aponta para a vítima da violação. Mas, para a incansável detetive, há algo que não bate certo...
A sua intuição rapidamente prova estar certa. As mortes sucedem-se. Por detrás de todas elas, um só motivo: vingança. Kim tem pela frente um adversário admirável. Alguém que está a realizar fantasias letais. Um sociopata que parece conhecer intimamente as fraquezas da detetive. E que não planeia parar.

Kim percebe que se deixou enredar num perigoso jogo do rato e do gato... e que terá de descer ao inferno para solucionar este caso. E desta vez… é pessoal.

Angela Marsons, a estrela em ascensão do policial britânico, regressa com um romance que o vai fazer desconfiar de tudo e de todos...

A minha opinião: 
Não, não li o primeiro livro de Angela Marsons, publicado em Portugal no ano passado. Mas acho que não fiquei a perder muito na história de detetive principal Kim Stone, já que a sua vida passada é explanada completamente neste segundo livro da série. Mas o facto de ter começado por Jogos Cruéis não quer dizer que não deseje ler Gritos Silenciosos. Muito pelo contrário. A leitura fantástica que este livro me proporcionou só faz com que deseje ler o anterior. 

Até onde vai a sociopatia?
Será possível esses genes serem herdados?
Será possível exercer-se uma influencia tão grande sobre o outro que o leve a matar?

Kim tem de resolver vários crimes. O primeiro passa por um crime de pedofilia no seio familiar. Vão ser levantadas várias questões que só serão desvendadas bem no fim do livro. 

Pelo meio somos confrontados com a morte de um violador, muito tempo depois de ter sido condenado. Cá fora e completamente reabilitado, acaba morto num motivo claro de vingança. 

À medida que a investigação avança também Kim revela um pouco mais de si, o que leva a que o leitor crie um carinho especial pela detetive. A pessoa que está por detrás dos variados crimes, que vão suceder à morte do violador, faz com que Kim encontre uma pessoa pérfida e maléfica que consegue enganar quase todos. Quase, porque Kim não se deixa convencer. Nem Kim, nem uma outra personagem que vai ser determinante para condenar o criminoso. 

Angela Marsons foi uma autêntica surpresa e confesso ter ficado bastante agradada com este livro.

 








sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Novidades Planeta para 15 de novembro

Agenda 2018
Adri da Silva.
N.º de Páginas: 192
PVP: 16,99€
15 de Novembro

A primeira agenda inteiramente pensada e concebida por uma das mais carismáticas youtubers portuguesa:

Muito mais que uma simples agenda, é quase um diário, inspirador e elegante, com espaço para anotações de sonhos, metas e objectivos, livros lidos, citações favoritas, trackers de actividades.
Uma agenda exclusiva, com assinatura, num formato prático, com design apelativo, divertidos autocolantes e com QR codes que permitirão acesso privilegiado e em primeira mão aos principais vídeos que a Adriana colocará no Youtube em 2018, incluindo os tão badalados give away.

Adriana da Silva é uma Youtuber de moda, beleza e lifestyle, com 106 400 seguidores no Youtube e 81 500 seguidores no Instagram.
Aborda vários temas no seu canal e partilha as suas paixões e o seu dia-a-dia através dos seus vídeos e vlogs de forma simples mas carismática, cativando milhares de seguidores

Título: ESCAPE BOOK
Autor: Ivan Tapia
N.º de Páginas: 176
PVP: 15,50€
15 de Novembro

O verdadeiro protagonista é o leitor!
Este não é um livro usual; é um jogo de fuga, no qual o leitor tem uma importante missão a cumprir: ajudar a jornalista Candela Fuertes a fugir do labirinto onde se encontra aprisionada, não sem antes encontrar as provas que dão conta dos planos do poderoso Clube Wanstein.
Para o conseguir, o leitor deverá colocar à prova o seu engenho e resolver enigmas de todo o tipo, que farão desta leitura uma experiência viciante e incomparável, em que o leitor é o verdadeiro protagonista.
Aceita o desafio?
Um livro repleto de enigmas que terão de ser resolvidos pelo leitor e só ao chegar a cada solução o leitor saberá para que página deve avançar de modo a prosseguir a história.
Os enigmas são charadas, quebra-cabeças, sopas de letras, ilusões ópticas, entre outros. Num deles implica enviar a resposta por email e aguardar pela confirmação.
As soluções estão no final do livro para quem não conseguir resolver os enigmas só através das pistas dadas no decorrer da história.
Título: INTELIGÊNCIA FINANCEIRA
Autor: Carmen Berman e Joe Knight
N.º de Páginas: 344
PVP: 19,90€
Disponível a partir de 15 de Novembro

Um livro de referência há vários anos nos EUA.
No top de Amazon.uk e Amozon.com em Financial Reporting & Statements
As empresas esperam que os seus gestores utilizem dados financeiros para gerir recursos e dirigir os seus departamentos.
Mas muitos executivos não conseguem interpretar um balanço, não reconhecem um rácio de liquidez, nem sabem calcular um fluxo de caixa ou um retorno sobre investimento.
Pior, não fazem ideia de onde vêm os números e de quão confiáveis são.
Mas quando os gestores compreendem e se sentem à vontade perante os números, a confiança aumenta, a rotação diminui, os resultados melhoram e as empresas prosperam.
Karen Berman e Joe Knight passaram mais de 20 anos a ensinar executivos de todos os níveis a trabalhar em prol dos interesses financeiros das suas empresas.
Neste livro, revelam os segredos da finança – uma arte, como explicam, não uma ciência.
Com uma linguagem simples e sem jargão, exemplos de empresas reais e «caixas de ferramentas» muito úteis no final de cada capítulo.
«Inteligência Financeira é absolutamente magnífico! Não poderia recomendá-lo mais – a executivos, professores, estudantes e empresários bem-sucedidos mas ainda pouco à vontade no que toca ‘aos números’. O conteúdo é o melhor que alguma vi sobre o assunto e a escrita é ao mesmo tempo clara e cativante.
Um prazer de ler (e reler).» George M. Gendron, ex-director da Inc. Magazine

Sobre os autores
Karen Berman, PhD, foi fundadora e co-proprietária do Business Literacy Institute, uma empresa de consultoria que oferece programas de formação especializados em inteligência financeira e avaliação da inteligência financeira. Trabalhou com dezenas de empresas da Fortune 100. Joe Knight é co-proprietário do Business Literacy Institute e um dos proprietários da Setpoint Companies, onde é ainda director financeiro.

Título: MIRROR, MIRROR
Autor: Cara Delevingne
N.º de Páginas: 304
PVP: 16,95€
15 de Novembro

O romance que vai deixar marca!
Amizade. Amor. Vítima. Traição
Quando olha para o espelho o que vê?
Da top model e actriz Cara Delevingne uma estreia poderosa, um romance sobre amizade, identidade e o facto de que as aparências podem enganar.
Polémica, mediática, única, Cara Delevingne é uma das actrizes e modelos mais famosas e populares entre os jovens, com 40 milhões de seguidores no Instragram.
A modelo é imagem de importantes marcas como Burberry, Dolce & Gabanna, Puma, Rimmel London, e este ano protagonizou dois filmes no cinema: Valerian e a Febre da Tulipas.

Mirror, Mirror, explora o complicado mundo da adolescência: amizade, amor, sexualidade, descoberta da identidade, triunfo, decepção…
Repleto de elementos pouco usuais que deixarão admirados não só os fãs de Cara Delevingue, como os que ainda não conheçam a polémica artista.
Talvez eu não seja a pessoa decente que pensava que era.
Talvez afinal seja um monstro.
Red, Leo, Rose e Naomi são inadaptados. Red tem uma mãe alcoólica e um pai que nunca está presente. O irmão de Leo arrasta-o para um obscuro e violento caminho. Rose volta-se para os rapazes e o álcool para adormecer a dor do passado.
Naomi foge de casa em busca de uma liberdade que não consegue encontrar. Estão sozinhos contra o mundo até formarem a sua outra família na banda, Mirror, Mirror.
O único sítio onde podem ser eles mesmos. Um dia Naomi desaparece, e é encontrada meio morta no Tamisa. Lutando pela vida, a polícia acredita que se tentou suicidar. Os amigos ficam devastados; supostamente devem tomar conta uns dos outros, mas como não viram os sinais de alerta?
Mas quando uma série de pistas leva o grupo a suspeitar que nem tudo é o parece, Red, Leo e Rose deverão enfrentar os seus próprios segredos e medos obscuros. Nada será o mesmo de novo, pois uma vez que o espelho é partido, não pode ser consertado.

Sobre as autoras
Cara Delevingne é uma das mulheres mais influentes da sua geração.
Nascida em Londres, foi projectada para a fama em 2009 e vencedora do Model of the Year na British Fashion Awards em 2012 e 2014. A carreira de actriz começou com um papel em 2012 na adaptação de Anna Karenina e, a partir daí, conseguiu papéis principais em Cidades de Papel, Esquadrão Suicida, Valerian e a Cidade dos Mil Planetas e Life in a Year. Mirror Mirror é o seu primeiro romance.
Cara escreveu Mirror Mirror com a autora best-seller do Sunday Times Rowan Coleman. Esta vive com a sua grande família e dois cães numa casa supercheia em Hertfordshire e escreve livros para jovens adultos e adultos.




Novidade Porto Editora: Porto Editora: O mundo visto por um cão-guia em "Através dos meus pequenos olhos"

Título: Através dos meus pequenos olhos
Autor: Emilio Ortiz
Tradução: Cláudia Ramos
Págs.: 264
Capa: mole com badanas
PVP: 16,60 €

Inspirado na sua experiência, Emilio Ortiz assina um comovente romance sobre a amizade inquebrável entre um invisual e o seu cão-guia.

Autor vai estar em Lisboa de 13 a 16 de novembro para apresentar a obra.

No próximo dia 13 de novembro, a Porto Editora publica Através dos meus pequenos olhos, livro de estreia do autor espanhol Emilio Ortiz. Este romance, divertido e comovente, é simultaneamente um testemunho da vida de um invisual e uma homenagem ao incansável trabalho dos cães que são os seus “olhos”. Emilio Ortiz e Spock, o seu fiel cão-guia, vão estar em Lisboa de 13 a 16 de novembro para apresentar este livro aos leitores portugueses. A sessão de lançamento acontece no dia 15, a partir das 18:30, na Livraria Barata (um espaço dog friendly).
Cross é um jovem e brincalhão cão-guia. Mario é um invisual que está prestes a começar uma nova etapa da sua vida. Juntos, vão ter de formar uma equipa inseparável e forjar uma amizade que vai moldar a vida de ambos. Através dos meus pequenos olhos narra as peripécias do travesso Cross no mundo dos humanos. Ao colocar o leitor a ver o mundo através dos olhos de um cão-guia,
Emilio Ortiz fala de uma realidade que conhece muito bem, dos obstáculos – não só físicos, mas também sociais – no dia-a-dia dos invisuais e das dificuldades que são colocadas aos seus parceiros de quatro patas.
Estes desafios e dificuldades não se esgotam nas suas funções. Escolhidos para as exercer desde que nascem, estes animais são sujeitos a um exigente treino e trabalham como guias durante cerca de 10  anos, findos os quais deveriam gozar uma merecida reforma. Para apoiar a formação de novos cães-guia e reformas felizes, a Porto Editora associou-se à ABAADV Associação Beira Aguieira de Apoio ao Deficiente Visual, a única escola de cães-guia para cegos em Portugal, e irá doar 1 euro a esta instituição por cada exemplar vendido.

Sinopse: INOPSE
Um cão-guia tem uma missão extraordinária: ser os olhos de quem não vê.
A relação que se estabelece entre um cão-guia e o seu dono é baseada numa confiança e cumplicidade enormes. É desta profunda ligação que nos fala este livro.
Cross é um cão-guia muito divertido e brincalhão. Mario é um jovem invisual que está prestes a começar uma nova etapa da sua vida. Juntos, vivem mil e uma peripécias, aventuras, derrotas e triunfos e tornam-se absolutamente inseparáveis.
Através dos meus pequenos olhos é um relato emocionante que narra as peripécias de Cross no mundo dos humanos e nos traz uma perspetiva diferente sobre o seu e o nosso mundo.

Sobre o autor: 
Emilio Ortiz nasceu em Baraclado, Vizcaya, em setembro de 1974. É licenciado em História e reside, atualmente, em Albacete. Começou a publicar em 2015, ano em que recebeu o segundo prémio do I Certame Internacional Musas de Primavera com a história «Una sonrisa». Apenas um ano depois, ganhou o primeiro prémio da XI Edición de los Prémios ANADE com o conto «Las angustias de un dibujo».
Desde criança que Emilio é um entusiasta da escrita e da leitura, atividades que realizava com muito esforço devido à deficiência visual; hoje é completamente cego. Logo que descobriu o sistema braille, retomou e aprofundou a sua paixão pela escrita e leitura tendo também aprendido a utilizar software adaptado para invisuais.



O romance que inspirou o ímpeto revolucionário de Lénine

Título: O Que Fazer?
Autor: Nikolai Tchernichévski
N.º de Páginas: 440
PVP: 25,90 €
Nas livrarias a 15 de Novembro
Guerra e Paz Editores

Sinopse: 
O Que Fazer?, único romance de Tchernichévski, mudou o rumo da história. Se não tivesse sido escrito, talvez não tivesse havido a Revolução de Outubro, que mudou o século XX, ao criar a União Soviética. Leitura obrigatória para a juventude russa dos finais do século XIX, os seus ideais de amor e subversão levaram-na, décadas mais tarde, a derrubar a vetusta dinastia dos Romanov.
Esta é a história de Vera, Lopukhov e Krisanov, três jovens, amigos e amantes, que juntos se dedicam à revolução e à utopia. Contra a tirania da moralidade e da sociedade da época, sulcam a punho o seu caminho: tornam-se livres. Rakhmetov, figura misteriosa, mas de eleição para Lénine, revela o caminho a seguir: o do revolucionário, «o rigorista», com características idênticas às de Rakhmetov cujo papel é instruir e iniciar o processo de mudança, e o de ser perfeito, consciente, física e psiquicamente, um quase super-homem. Subversivo, O Que Fazer? incendiou paixões revolucionárias.
Finalmente, 155 anos depois, é agora editado pela primeira vez em Portugal, traduzido do russo. Leia-o e descubra em si a centelha da revolução.
ESTA EDIÇÃO INCLUI: Nota introdutória ∙ Lista de personagens
Tradução: Angelo Segrillo

Sobre o autor: 
Nikolai Gavrílovitch Tchernichévski. Democrata revolucionário russo, nasceu em 12 de Julho de 1828, no seio de uma modesta família de clérigos. Estudou até aos dez anos na Escola Primária Eclesiástica de Tambov. Em 1806, entra para o Seminário de Penza e adopta o toponímico Tchernichévski, em alusão a Tchernichevo, onde havia nascido, província de Penza. Em 1818, muda-se para Saratov e torna-se deão da diocese. Entre 1846 e 1850, estuda História e Filologia na Universidade de São Petersburgo. A partir de 1853, passa a ser crítico literário da revista Sovremennik [O Contemporâneo], na qual permaneceu até 1862, ano em que é preso, acusado de agitação política ao participar na elaboração de um panfleto. Abdicando da fé religiosa em favor do materialismo filosófico, foi um dos maiores expoentes da intelligentsia russa entre as décadas de 1850 e 1860.


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Uma Coluna de Fogo - Ken Follett [Opinião]

Título: Uma Coluna de Fogo
Autor: Ken Follett
Coleção: Grandes Narrativas nº 673
Tema: Ficção e Literatura
Título Original: A Column of Fire (The Kingsbridge Novels)
Tradução: Isabel Nunes e Helena Sobral
PVP: 29,90 €
Páginas: 768

Sinopse:
Novo romance de Ken Follett num regresso ao universo de Os Pilares da Terra e de Um Mundo Sem Fim Natal de 1558. O jovem Ned Willard regressa a Kingsbridge, e descobre que o seu mundo mudou.
As velhas pedras da catedral de Kingsbridge contemplam uma cidade dividida pelo ódio de cariz religioso. A Europa vive tempos tumultuosos, em que os princípios fundamentais colidem de forma sangrenta com a amizade, a lealdade e o amor. Ned em breve dá consigo do lado oposto ao da rapariga com quem deseja casar , Margery Fitzgerald.
Isabel Tudor sobe ao trono, e toda a Europa se vira contra a Inglaterra. A jovem rainha, perspicaz e determinada, cria desde logo o primeiro serviço secreto do reino, cuja missão é avisá -la de imediato de qualquer tentativa quer de conspiração para a assassinar, quer de revoltas e planos de invasão. Isabel sabe que a encantadora e voluntariosa Maria, rainha da Escócia, aguarda pela sua oportunidade em Paris. Pertencendo a uma família francesa de uma ambição brutal, Maria foi proclamada herdeira legítima do trono de Inglaterra, e os seus apoiantes conspiram para se livrarem de Isabel.
Tendo como pano de fundo este período turbulento, o amor entre Ned e Margery parece condenado, à medida que o extremismo ateia a violência através da Europa, de Edimburgo a Genebra. Enquanto Isabel se esforça por se manter no trono e fazer prevalecer os seus princípios, protegida por um pequeno mas dedicado grupo de hábeis espiões e de corajosos agentes secretos, vai-se tornando claro que os verdadeiros inimigos, então como hoje, não são as religiões rivais.
A batalha propriamente dita trava-se entre aqueles que defendem a tolerância e a concórdia e os tiranos que querem impor as suas ideias a todos, a qualquer custo.

A minha opinião: 
Apesar de fã confessa de Ken Follett e de o romance histórico ser um dos meus géneros preferidos não li nem Os Pilares da Terra, nem O Mundo sem Fim, obras que consagraram o autor britânico.

Portanto, fui para este Uma Coluna de Fogo completamente às cegas, embora apostasse que esta seria uma leitura surpreendente.

Uma Coluna de Fogo é o término da história que começou com Os Pilares da Terra (escrito há 30 anos), mas não desanimem se não tiverem lido os anteriores, como foi o meu caso. A história percebe-se muito bem e, apesar de gostar de ler os livros por ordem cronológica, este lê-se muito bem separadamente.

Passado entre os anos de 1558 e 1620, um período longo e bastante importante da história britânica, Follett descreve na perfeição o período conturbado em Inglaterra que separa os protestantes dos católicos.

De facto, quando a narrativa começa, reinava Maria Tudor, católica, tendo proibido o Protestantismo em Inglaterra. A partir daí, católicos começaram um luta desenfreada à procura dos protestantes e muita gente morre enforcado por professar uma religião contrária ao catolicismo.

É nesta fase que encontramos Ned Willard, um jovem ambicioso e cuja família é bastante conhecida em Kingsbridge, local onde se vai centrar parte da história. Ned mostra-se um homem de grandes paixões. Paixões amorosas e políticas. Será uma das personagens mais fascinantes da história, e o papel de bonzinho acenta-lhe bem.

Rica em intrigas e guerrilhas sobretudo entre duas das famílias mais ricas e influentes, os Fitzgerald (católicos fervorosos) de um lado e os Willard de outro, a inimizade atinge o topo aquando de uma aposta que corre mal para um dos lados, não sendo bem aceite pela parte perdedora. Isso, aliado a histórias antigas afasta para sempre Ned da sua grande paixão.

A partir daí, Ned abandona a sua cidade natal e acaba por prestar os seus serviços a Isabel Tudor, que acabaria por se tornar rainha pouco depois. Rodeada de inteligentes conselheiros, Isabel reinaria e terminaria com actos de violência entre católicos e protestantes, um reinado completamente diferente do da sua meia-irmã.

Com as ascensão de Isabel ao trono inglês, Ken Follett leva-nos a outros países que, de uma forma ou de outra, tiveram influência na História, como França e Espanha. E é em França que conhecemos personagens deslumbrantes: Sylvie Palot, oriunda de uma família protestante que mostra a sua força depois do massacre que acabaria por vitimar o seu pai. Sylvie acabaria por se transformar na minha personagem favorita. Uma mulher perseverante, avançada para o seu tempo, e que vivia dos livros e do contrabando de bíblias para outras famílias protestantes. E Pierre Aumande o antagonista da história, que teve um papel preponderante em toda a trama.

As intrigas palacianas e a ambição desmedida de Pierre, que acaba por ter algum poder junto da corte por intermédio do duque de Guise, são outra parte importante da história deste livro de Follett. Posso até dizer que são tão ou mais importantes que as passadas em Inglaterra, uma vez que estão interligadas. De facto, o interesse dos franceses é que Maria Stuart, rainha da Escócia e rainha consorte de França, se torne também rainha de Inglaterra depondo Isabel I.

Em Espanha conhecemos o irmão de Ned, Barney um marinheiro que participaria em algumas campanhas militares ao lado de Francis Drake, campanhas essas importantes durante o reinado de Isabel.

Completamente focado na história dos países mais importantes europeus, Uma Coluna de Fogo lê-se tão bem, exceptuando o calhamaço de mais de 750 páginas. Assim sendo, apenas consegui lê-lo em casa, o que demorou um pouco mais de tempo a terminá-lo. Adorei a história em volta das personagens fictícias, mas gostei ainda mais da História e todas as intrigas da época, que Ken Follett retratou tão bem.

Resta-me apenas comprar e devorar Pilares da Terra e Um Mundo sem Fim, que vou comprar o mais breve possível.
Quanto a este, recomendo sem reservas.







Novidade Clube do Autor: As Incríveis Aventuras da Super-Miúda de João Miguel Tavares

Título: As Incríveis Aventuras da Super-Miúda
Texto: João Miguel Tavares
Ilustrações: Luis Levy Lima
Música: Samuel Úria
N.º de Páginas: 48
PVP: 12,50€
Disponível a partir de 22 de Novembro

Filha mais nova de João Miguel Tavares inspira o pai a escrever livro infantil

Rita, a super-miúda
É um livro a rimar
De um pai desesperado
Para a pôr a mastigar

O pai da Rita tem nome:
João Miguel Tavares
Mas não fez tudo sozinho:
Os livros fazem-se aos pares

Coube ao Luis Levy Lima
Criar a ilustração
E o livro traz ainda
Um CD e uma canção

P’ra cantar foi convidado
O incrível Samuel Úria
Ouvi-lo é solução
Para curar qualquer fúria

Desenhos maravilhosos
Encantam pais e filhos
E uma heroína mulher
Evita muitos sarilhos

Cor de rosa e azul
Estão muito equilibrados
Este é o livro ideal
Para gostos apurados


quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Margarida Rebelo Pinto escreve romance sobre o descompasso do amor - 15 Novembro nas Livrarias

Título: Antes que Seja Tarde
Autor: Margarida Rebelo Pinto
N.º de Páginas: 272 
PVP: 15,50€
Disponível a partir de 15 de Novembro

O novo livro de Margarida Rebelo Pinto é um romance provocador sobre o adultério, o descompasso do amor, a tentação do fruto proibido.

Tendo como pano de fundo a segunda metade do século passado e os primeiros anos deste novo milénio, Antes que Seja Tarde traz o adultério à ribalta, retratando a vida como ela é, quase sempre pouco linear, tantas vezes repleta de segredos.

Nesta narrativa protagonizada por três mulheres de gerações diferentes, todas tocadas pela vertigem de um amor proibido, encontramos também uma Lisboa do Estado Novo, uma sociedade guardiã da moral e dos bons costumes.

O romance surpreende pelas vozes que fazem a história avançar e pelas descrições cuidadosas de outras épocas e espaços, num retrato fiel e acutilante das relações proibidas até ao dia de hoje. Além de guiar o leitor pelas ruas de uma cidade que quase já não existe, Margarida Rebelo Pinto percorre o mapa do coração destas três mulheres, perde-se com elas e com elas chega ao destino traçado.

Maria de Lurdes estava apaixonada por Alfredo quando conheceu Luís, que se encantou por ela. Luís era casado com Amelinha e pai de Maria do Amparo, que vive uma paixão proibida. Luisinha, a sua filha mais velha, irá viver uma história de amor arriscada e impossível, tal como a mãe.

Este é um romance sobre o lado mais selvagem do amor, quando a paixão manda mais do que a razão e os sentidos falam mais alto. Os amores proibidos nunca caem na rotina, mas serão o caminho certo para o verdadeiro amor? O que fazer quando não se pode construir uma vida com quem se ama?

O destino cruzado destas 3 mulheres leva-nos a uma viagem alucinante sobre o lado obscuro das relações, onde a mentira, a traição e o adultério andam a par com a dignidade de uma grande história de amor.

Quando vivemos num mundo em que as relações estáveis e seguras são cada vez mais raras, viver uma grande paixão pode ser o único caminho.

Uma coisa é querer uma companhia, outra é forçar o coração. Não há como fazê-lo.

Ou gostas ou não gostas. Borboletas, nem uma. Alguém me levou as borboletas todas e agora não sinto nada. Só a tristeza de não sentir, um vazio que faz imenso barulho dentro da minha cabeça. Vazio e tristeza. Ainda assim, já é uma tristeza conformada.

Uma pessoa habitua-se a tudo na vida, e quando dá por isso, já é outra pessoa.



domingo, 5 de novembro de 2017

Novidade Booksmile: A Rapariga que Salvou o Natal

Depois de Um Rapaz Chamado Natal (Booksmile, outubro 2016), Matt Haig, vencedor do Blue Peter Book Award, do Smarties Book Prize e três vezes finalista do Carnegie Medal, regressa com mais uma história cheia de magia. A Rapariga que Salvou o Natal, com ilustrações de Chris Mould, é um livro fantástico que toca ao coração. Ninguém vai querer perder este novo clássico do Natal, onde a mensagem principal é acreditar no impossível.
  



Só é preciso coragem e uma pitada de magia para salvar o Natal! A véspera de Natal chegou, mas algo não está bem! O mundo deixou de acreditar em magia e o Natal pode mesmo acabar. O Pai Natal vai tentar fazer tudo para o salvar, mas sabe que nunca conseguirá fazê-lo sem a ajuda de uma rapariga muito especial: a Amélia. Só que ela desapareceu! Com a ajuda de alguns elfos, de oito renas, da rainha de Inglaterra e de um misterioso homem chamado Charles Dickens, a jornada para resgatar a Amélia começa: é preciso encontrá-la, ou o Natal poderá perder-se para sempre!​

«A Rapariga que Salvou o Natal vai derreter o coração que o Grinch congelou», Simon Mayo.

«A sequela de Um Rapaz Chamado Natal vai encantar crianças e derreter o coração dos adultos mais céticos. Maravilhosamente ilustrado e cheio sabedoria, este livro é um doce de Natal.», Sunday Mirror.

«Um conto que enche o coração», Daily Express

«Engraçado, sincero e com ilustrações brilhantes. Uma grande homenagem a Charles Dickens!», Associated Press

«Uma história maravilhosa, cheia de magia», The Week Junior

Os Cem Melhores Poemas dos Cem Melhores Poetas Portugueses, uma colectânea organizada por José Mário Silva, chega hoje nas livrarias

Título: Os Cem Melhores Poemas Portugueses dos Últimos Cem Anos
Selecção e organização de José Mário Silva
Editora: Companhia das Letras
N.º de Páginas: 336
PVP: 17,50€

Sobre o livro:
Reúne poemas de autores como Fernando Pessoa, Camilo Pessanha, Jorge de Sena, Vitorino Nemésio, Sophia de Mello Breyner Andresen, Herberto Helder, Alexandre O'Neill, Mário Cesariny, Fiama Hasse Pais Brandão, Ruy Belo, Eugénio de Andrade, Natália Correia, António Ramos Rosa, Luiza Neto Jorge, Carlos de Oliveira, Alberto Pimenta, Vasco Graça Moura, Joaquim Manuel Magalhães, Al Berto, Maria Teresa Horta, Pedro Tamen, Rui Knopfli, Ana Hatherly, Manuel António Pina, Fernando Assis Pacheco, Jorge Sousa Braga, Daniel Faria, Adília Lopes, A. M. Pires Cabral, José Tolentino Mendonça, Miguel-Manso, Inês Dias.

Sobre o autor:
José Mário Silva nasceu em Paris em 1972 e mora em Lisboa. Licenciou-se em Biologia mas acabou por enveredar pelo Jornalismo em 1993, altura em que começou a trabalhar para o Diário de Notícias na secção das Artes. É autor de três livros, dois de poesia, Nuvens e Labirintos (com o qual ganhou o Prémio Literário Cidade de Almada) e Luz Indecisa, e um de contos, O Efeito Borboleta. É, actualmente, crítico literário e coordenador da secção de literatura no Expresso e colaborador da revista literária Ler.



Porto Editora: Os "Cronovelemas" de Mário de Carvalho

Título: Cronovelemas
Autor: Mário de Carvalho
Págs.: 256
PVP: 15,50 €

Novo livro reúne A Arte de Morrer Longe e Quando o Diabo Reza

No próximo dia 9 de novembro, a Porto Editora lança mais dois
títulos icónicos na obra de Mário de Carvalho, A Arte de Morrer Longe e Quando o Diabo Reza, reunidos num único livro, Cronovelemas, palavra do imaginário de Mário de Carvalho e que engloba o tempo, o chronos, a novela «e tudo o que se acarta para a construção destas ficções». No tom tão próprio do autor, estes são dois romances divertidos, com situações implausíveis, retratos de «uma vida madrasta em que ninguém se entende e todos se cruzam».

Sinopse: 
Cronovelema: primeiro, o tempo, chronos, os dias de hoje, mais coisa, menos coisa. Depois, tudo o que se acarta para a construção destas ficções e também se encontra ao escandir o vocábulo. Lá ressalta o novo e, logo, a novela.
De um lado, um jovem casal desavindo, a viver para as bandas do Lumiar e frequentador de certa Avenida de Roma, pondera sobre qual o destino a dar à tartaruga doméstica. O animal, sem nome, preguiça num aquário e a solução tarda, bem como o desenlace da dupla, a braços com o final iminente da relação.
Do outro lado, dois gandulos planeiam, estendem a rede e montam a urdidura. Mas eis que o destino se intromete, hábil a turvar os planos e rasteirar os desígnios… e, claro, convém não esquecer o diabo, sempre atrás da porta, vigilante, dizem que até a rezar.

Sobre o autor: 
Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. Licenciou-se em Direito e viu o serviço militar interrompido pela prisão. Desde muito cedo ligado aos meios da resistência contra o salazarismo, foi condenado a dois anos de cadeia, tendo de se exilar após cumprir a maior parte da pena. Depois da Revolução dos Cravos, em que se envolveu intensamente, exerceu advocacia em Lisboa. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico.
Desde então, tem praticado diversos géneros literários – romance, novela, conto, ensaio e teatro –, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas. Utiliza uma multiforme mudança de registos, que tanto pode moldar uma narrativa histórica como um romance de atualidade; um tema dolente e sombrio como uma sátira viva e certeira; uma escrita cadenciada e medida como a pulsão duma prosa endiabrada e surpreendente.
Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do Pen Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram-se traduzidos em várias línguas.
Obras como Os Alferes, A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho, Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde, O Varandim seguido de Ocaso em Carvangel, A Liberdade de Pátio ou Ronda das Mil Belas em Frol, todos já publicados na Porto Editora, são a comprovação dessa extrema versatilidade. Página do autor: www.mariodecarvalho.com


Ernesto Rodrigues vence Prémio Pen Clube na categoria de Narrativa pelo romance Uma Bondade Perfeita publicado pela Gradiva

Ernesto Rodrigues foi o vencedor do Prémio Pen Clube na categoria de Narrativa pelo romance Uma Bondade Perfeita publicado pela Gradiva. Uma Bondade Perfeita, publicado em 2016, aborda um tema actual: os refugiados. A ideia que conduziu à elaboração deste romance foi a situação dos refugiados do Afeganistão em 2010.

O livro agora premiado é o segundo romance de Ernesto Rodrigues publicado pela Gradiva depois de O Romance do Gramático publicado em 2011. Com uma enorme qualidade narrativa e um enredo brilhante, no romance Uma Bondade Perfeita o autor semeia surpresa através de um conjunto de personagens inesquecíveis que vão crescendo ao longo das páginas, ganhando espessura e interesse. Um carrasco que tem por tarefa executar a mãe, um director de prisão que transpira maldade, um frade com passado de jornalista que assume um papel essencial nesta história.

No dia em que foi mãe, 1 de Março de 1990, Ágata jura dar a vida pela filha, Indira. Tem 18 anos. Quatro anos antes, no Verão, voluntariou-se para um infantário, no estrangeiro. Irma, a irmã, recomendou-a a uma senhora do bairro, Alcina, que dirigia uma organização não-governamental num país longínquo. Foi encontrar o filho da benfeitora, que nascera em 1984: Clemente tinha dois anos. Durante uma semana, não o arrancou do mutismo. Dividida entre dezenas de meninos, que a guerra fechara nos arrabaldes da capital, não houve tempo, quando invadiram o recreio. Não viu quem o raptava; encontrou-se sob um mascarado, que a violou.

Menigno, o bruto, forçou-a repetidamente; nos intervalos, alimentavam-na bem, perguntando-lhe, em língua retorcida, se sabia o paradeiro de Alcina, a mãe do menino. Ela acariciava uma medalha pobre no seio. Engravidou, mas não viu a filha que nascia: Indira.

Clemente, agora um carrasco de 26 anos, tem por tarefa executar a mãe, Alcina. Recorre a Filodemo, um frade cujo passado de jornalista ilumina existência crua e vingativa de Menigno, ex-marido e director da prisão.

Num universo turvo, desequilibrado, com sujeitos em perda de identidade, este romance de Ernesto Rodrigues enaltece «uma bondade perfeita, absoluta, tal que nenhuma violência ou imposição nos possa forçar a ser maus».

Sobre o Autor
Ernesto Rodrigues (Torre de Dona Chama, 1956) é poeta, ficcionista, dramaturgo, cronista, crítico, ensaísta, editor literário, tradutor de húngaro. Professor na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde dirige o Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias, foi jornalista, leitor de Português na Universidade de Budapeste, docente na Escola Superior de Educação de Bragança e primeiro presidente da Academia de Letras de Trás-os-Montes. Celebrou 40 anos de vida literária em 2013.