quinta-feira, 13 de abril de 2017 | By: Maria Manuel Magalhaes

Os Filhos dos Nazis - Tania Crasnianski [Opinião]

Título: Os Filhos dos Nazis
Autor: Tania Crasnianski
Editor: Editora Guerra & Paz
Páginas: 242

Sinopse:
Até 1945, os seus pais eram heróis. Depois da derrota alemã, o mundo passou a chamar-lhes carrascos. Gudrun, Edda, Niklas, entre outros, são filhos de Himmler, Göring, Hess, Frank, Bormann, Höss, Speer e Mengele, apelidos que são sinónimos do terror nazi. Estas crianças alemãs passaram a II Guerra Mundial no meio do luxo, acarinhados por pais afectuosos, que ao fim do dia regressavam a casa após uma jornada de morte. Para eles, o fim do III Reich foi um desastre. Inocentes, tiveram de lidar com os crimes perpetrados pelos pais: uns condenaram--nos, outros continuaram a reverenciá-los. Crianças assombradas por uma herança que não puderam repudiar. Que ligações mantiveram com os seus pais? Como se vive com um nome diabolizado pela História e pela Humanidade? Sentir-se-ão responsáveis pelas atrocidades nazis? Setenta anos depois, quando a memória se começa a perder, este é um documento perturbador, um documento apaixonante, um documento essencial.

A minha opinião: 
Proliferam muitos livros sobre as vítimas do holocausto, maioritariamente judeus, que sofreram atrocidades às mãos dos nazis.

Este livro não foca as vítimas directas dos nazis, mas sim os seus filhos que, apesar de crianças protegidas, acabaram por ser também vítimas, depois do término da guerra, do que os seus pais fizeram ao longo dos anos.

Viveram no meio do luxo e após a guerra não passavam de lixo.

"A herança que todos receberam é o extermínio de milhões de pessoas inocentes pelos seus pais. O seu nome ficará para sempre marcado com o selo da infâmia."

Será que estas crianças sabiam o que os pais faziam quando não estavam em casa? Não se pode julgar os filhos pelos pais que têm, embora o façamos por diversas vezes. O filho não escolhe o pai, não tem culpa do que o pai faz, não deveria ser um dano colateral de tudo o que foi feito pelo progenitor. Mas o que acontece na realidade é que quem sofre mais são os mais novos. Muitas vezes sem entender o porquê de isso acontecer.

Tania Crasnianski faz o retrato de oito crianças, através da investigação de arquivos disponíveis, processos judiciais, cartas, livros, artigos, entrevistas.

E constatou-se que,  se muitos tinham vergonha do que pai que tiveram, outros houve que enalteceram o progenitor, e tentaram ainda reabilitá-lo.
Uma delas foi Gudrum Himmler: "Ser a digna filha do seu pai, reabilitá-lo, foi o objectivo da sua vida. Henrich Himmler só tinha olhos para ela, a sua única filha legítima, e ela retribuiu à altura."

Em cada capítulo vamos conhecendo a história individual de cada filho de um nazi, de forma um pouco romanceada, mas interessante. Pena é que, talvez pela ausência de mais factos sobre a vida destas crianças, a autora não se tenha alongado mais sobre elas mesmo. O foco é sobretudo nos nazis, o que me deixou com vontade de querer saber mais.

Crasnianski leva-nos a conhecer apenas um filho de cada nazi, embora estes tivessem tido bem mais do que um filho único, já que uma das políticas do III Reich é que estes tivessem uma prole numerosa. O filho retratado é quase sempre o primogénito, relegando para segundo ou até ignorando os outros filhos, talvez por terem tido uma exposição muito inferior.

Os Filhos dos Nazis é um livro muito bem fundamentado, que nos dá uma outra perspectiva da Segunda Guerra Mundial. Obviamente que a vida destas crianças, filhas dos nazis mais proeminentes, ajudou. A história que mais me impressionou foi a de Rolf Mengele, um dos acusadores do regime do pai, e de Gudrum Himmler, que fez precisamente o contrário.

Excelente leitura. Recomendo a todos os curiosos de leituras sobre o holocausto


2 marcadores:

Su disse...

Olá,

Li este pequeno-grande livro no ano passado e gostei muito. Acho que me conseguiu dar uma perspectiva um pouco mais humana sobre os dirigentes nazis abordados - o que , por sua vez, é assustador. Pensavam-se "heróis", não propriamente "vilões", e como comentas, os filhos acabam por sofrer...
Partilho contigo a minha opinião no meu blog: http://paginasdeviagem.blogspot.pt/2016/11/os-filhos-dos-nazis-tania-crasnianski.html

Boas leituras!

Maria Manuel Magalhaes disse...

Olá Su,

Eu também gostei muito deste livro. Apesar de já ter lido imensos livros sobre a temática, há sempre um novo livro a surpreender-me.

Adorei o teu espaço ;)

Boas leituras