terça-feira, 21 de novembro de 2017

Origem - Dan Brown [Opinião]

Título: Origem
Autor: Dan Brown
Editor: Bertrand Editora
Páginas: 552

Sinopse:
Bilbau, Espanha.
Robert Langdon, professor de simbologia e iconologia religiosa da universidade de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbau para assistir a um grandioso anúncio: a revelação da descoberta que «mudará para sempre o rosto da ciência.» O anfitrião dessa noite é Edmond Kirsch, bilionário e futurista de quarenta e dois anos cujas espantosas invenções de alta tecnologia e audazes previsões fizeram dele uma figura de renome a nível global.

Kirsch, um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, duas décadas atrás, está prestes a revelar um incrível avanço científico… que irá responder a duas das perguntas mais fundamentais da existência humana. No início da noite, Langdon e várias centenas de outros convidados ficam fascinados com a apresentação tão original de Kirsch, e Langdon percebe que o anúncio do amigo será muito mais controverso do que ele imaginava. Mas aquela noite tão meticulosamente orquestrada não tardará a transformar-se num caos e a preciosa descoberta do futurista pode muito bem estar em vias de se perder para sempre.

Em pleno turbilhão de emoções e em perigo iminente, Langdon tenta desesperadamente fugir de Bilbau. Tem ao seu lado Ambra Vidal, a elegante diretora do Guggenheim que trabalhou com Kirsch na organização daquele provocador evento. Juntos, fogem para Barcelona, com a perigosa missão de localizarem a palavra-passe que os ajudará a desvendar o segredo de Kirsch.

Percorrendo os escuros corredores de história oculta e religião extremista, Langdon e Vidal têm de fugir de um inimigo atormentado que parece tudo saber e que parece até de alguma forma relacionado com o Palácio Real de Espanha… e que fará qualquer coisa para silenciar para sempre Edmond Kirsch.

Numa viagem marcada pela arte moderna e por símbolos enigmáticos, Langdon e Vidal vão descobrindo as pistas que acabarão por conduzi-los à chocante descoberta de Kirsch… e a uma verdade que até então nos tem escapado e que nos deixará sem fôlego.

A minha opinião: 
O novo livro de Dan Brown criou uma grande expectativa nos fãs. Não fui excepção. Desde O Inferno que esperava uma nova aventura de Robert Langdon pela História e os mistérios da religião (sempre os mistérios da religião) dois factos que Brown sempre junta e que têm resultado na perfeição. 

No entanto, e apesar de ter colocado na trama a seita Igreja Palmariana, cuja história desconhecia e que me despertou imensa curiosidade em querer saber mais, o escritor norte-americano não imprimiu o suspense, próprio de um thriller e que tão bem tem caracterizado os seus livros. De facto, Origem de thriller tem muito pouco e há certas partes na história que se torna maçudo por não ter o ritmo desejado. 

A história centra-se em Edmond Kirsch, discípulo de Langdon, que ganha reconhecimento pelos seus estudos no campo científico. 

Prestes a revelar uma autêntica bomba, que poderá abalar os mais conservadores, Kirsch acaba assassinado antes da revelação final. As perguntas fundamentais e que tantas questões levantam De onde vimos? Para onde vamos? parecem ter finalmente uma solução, mas eis que Kirsch morre levando Lagndon e uma parceira inusitada Ambra Vidal, directora do Guggenheim e muito amiga de Kirsch, numa procura desenfreada pela solução. Depressa passam a suspeitos, como é habitual nos livros de Brown e acabam por ser perseguidos quer pelo lado do bem, quer pelo lado do mal. 

Do lado dos maléficos, a seita Palmariana, que foi a parte que mais me agradou na história. Depois de os Illuminati, Maçanaria, Priorado de Sião, Opus Dei, eis que surge uma seita espanhola, que terá chegado aos 5000 fiéis. Veneram o ditador Franco que foi, inclusive, canonizado pela seita, e que tem um Papa próprio desde a morte de Paulo VI. 

Inteligência artificial, ecrãs de telemóvel ou tablets, um computador que não é nada mais nada menos que um robot, tudo isto podemos apreciar no novo livro de Brown. Se é o melhor dele? Não. Mas não deixa de ser um momento bem passado ler mais esta aventura de Langdon. 


 


Sem comentários: